OFICINA CFES SUL/RS                      1
Educador:    Décio Soares Vicente    deciodez@gmail.com2    Cel: (51) 8236-7951
Introduzir os profissionais nas    tarefas de codificação,tratamento e análise de dados através do software SPHINX        ...
Verificar os procedimentos de pesquisa e suaaplicação;Desenvolver competências   de   utilização   doprograma SPHINX;Anali...
1. Apresentação do Software SPHINX;2. Etapas de Pesquisa;3. Questionário Survey;4. Como Perguntar?5. Diferença Entre Enque...
“Decifra-me ou teO olho de Horus   devoro, qual é o                  enigma da esfinge?”                                  ...
Marketing, Psicologia, Administração,Educação, Ciências Sociais, ServiçoSocial, Economia, Finanças, SaúdePública, Pesquisa...
Criar, definir e modificar variáveis;Conhecer o número de casos e calcular percentuais paracada uma das variáveis existent...
9
BASE DE DADOS EXISTENTE.          EXCEL         ACCESS          Dbase         Paradox          SPSS          PSPP         ...
11
Tema (sobre o quê – e consultar o que já se sabesobre o tema);Delimitação do tema (quando, onde, que aspecto);Justificativ...
Objetivos (para quê);Objetivos políticos (para quefins);Objetivos operacionais (oque fazer para responder apergunta/o prob...
Hipóteses (suposições fundamentadas,respostas provisórias a pergunta/ o problemade pesquisa – relação causal entre variáve...
Cronograma (quando);Orçamento;Ida ao campo (equipe e realização da entrevista):    Pré-teste;    Aplicação do instrumento ...
Análise dos dados;Análises descritivas e explicativas;Conclusões ou apenas sondagem.Redação do relatório                  ...
Survey é um instrumento de pesquisa guiadopor todas as restrições lógicas possíveis,podendo diferir em termos objetivos, c...
18
O quê? Quem? Por quê? Para quê? Como? Onde?Donde? Para onde? Quanto? Quantos? Quais?...      Perguntar de forma objetiva; ...
Um bom exemplo que podemos apresentar é apergunta utilizada no referendo sobre odesarmamento em 2005:“O comércio de armas ...
ENQUETE:Auto seleção = probabilidades desconhecidas;Possibilidade de viés;Sem mecanismos para perfil representativo;Sem li...
PESQUISA POR AMOSTRAGEM:Seleção por critérios científicos =probabilidades conhecidas;Mecanismos padronizados para perfilre...
UNIVERSO: População alvoEx.: Consumidores; eleitores; abrangênciageográfica (países; regiões; municípios;etc.), etc.      ...
AMOSTRA:Parte representativa de um Universo, queconserva suas características ou atributosrelevantesEx.: sexo, idade, grau...
Não probabilística:                      Probabilística:Intencional ou porconveniênciaBola de neve ou       Aleatória simp...
x    Estatística ou medida amostral: uma    medida numérica que descreve alguma    característica de uma amostra. É    hab...
Medidas        Tendência Central     Quartis       VariaçãoMédia              Moda         Mediana            Amplitude   ...
Tendência CentralMédia      Mediana      Moda                               28
MODA: é o valor mais frequente (que possui amaior quantidade de citações);MÉDIA: é a soma de todos os valores numéricosdiv...
Variação      Variância   Desvio Padrão    Coeficiente                                   de VariaçãoAmplitude          Des...
AMPLITUDE: é uma medida de dispersão que pode ser definidacomo a diferença entre o valor maior e o valor menor de umgrupo ...
Uso da curva normal   Frequência                           Alta frequência                                         Baixa  ...
33
É a característica de interesseque é medida em cadaelemento da amostra oupopulação. Como o nome diz,seus valores variam de...
Variáveis Quantitativas;Variáveis Discretas (número finito ou infinito).     Ex.: número de filhos, etc.;Variáveis Contínu...
“Variável independente (x) é aquela queinfluencia, determina ou afeta outra variável;é fator determinante, condição ou cau...
“Variável dependente (y) consiste naquelesvalores (fenômenos, fatores) a seremexplicados ou descobertos, em virtude desere...
Elaboração do questionário                                Tratamentos e Definir um questionário;       análises Estruturar...
ArquivoEditarEstágioTabular dadosRecodificarAnalisarAvançado              40
•   O item Nova Enquete permite iniciar um novo    trabalho;•   O item Abrir uma enquete permite retomar um    trabalho já...
QUE: contém a estrutura do questionário;REP: contém as respostas com a exceção dos     textos;OUV: contém os textos;TRA: c...
O arquivo do questionário é armazenado, querexplicitamente (comando Salvar - gravar ou registrar- ou então Sair do menu Ar...
•   Fazer cópia de segurança (backup): pede-se um nome.•   Salvar como;•   A função não permite salvar os resultados das a...
Um questionário compreende:-   um cabeçalho (título, comentário, etc.);-   uma lista das questões, cada uma delas    marca...
Questão fechada única;Questão fechada múltipla;Questão fechada escalar;Questão aberta numérica;Questão aberta código;Quest...
•   Controles (questão fechada);•   Controles (questão aberta numérica);•   Controles (questão aberta código);•   Controle...
Os desvios ou pulos facilitam adigitação das respostas: se aresposta a uma questão (questãodesvio) tem certas característi...
A função permite definir os parâmetros da digitação e(des)ativar os desvios ou pulos definidos no estágio deelaboração do ...
Tabulações simples;Tabulações cruzadas;Tabulações recapitulativas;Tabulações de grupos;Tabulações simples combinadas;Cruza...
VALORES: permite escolher a forma pela qual os dadosda tabulação serão apresentados;TESTES: permite escolher os testes e o...
REAGRUPAR: permite agrupar duas ou mais linhas (ou colunas)para simplificar a tabulação;SUPRIMIR: ativo quando um ou vário...
Uma lista drop-down permite escolher o tipo degráfico a ser apresentado. Botões de comandospermitem modificar a exibição. ...
Teste do qui-quadrado: o qui-quadrado (Qui 2) é calculado como a soma dos quadrados dos desvios da tabela teórica (a tabel...
O botão Intervalos de confiança: exibe ointervalo de confiança de cada uma dascategorias;Enquadrar as casas significativas...
Uma tabulação cruzada (ou tabela decontingência) é uma tabulação de duasdimensões que permite confrontar duasvariáveis. Ca...
•   Os valores que podem ser exibidos numa tabela de médias    são: média, desvio-padrão, soma, parte, frequência;•   A ca...
•   O botão Novo inicia a definição de um novo estrato;•   O botão Suprimir retira o estrato selecionado da lista. O    es...
Qualiquantitativa                    59
A Análise Léxica é a forma de verificar determinadoalfabeto. Quando analisamos uma palavra, podemosdefinir através da anál...
A coerência das respostas;O sentido total do texto (ideia central);As expressões;Vocabulário;Palavras chaves.             ...
Análise das questões abertas ou de textos  Análise de Conteúdo                  Análise Léxica                            ...
CONFIABILIDADE: a leitura deve ser objetiva, minimizando asdiferenças dos pontos de vista;VALIDADE LÓGICA: o conteúdo real...
HOMOGÊNEAS: não misturar “alhos-com-bugalhos”, cadacategoria é uma ideia central exclusiva;EXAUSTIVA: esgotar a totalidade...
Corpo do Texto                                  Navegação Léxica             Corpo do Texto              Lematizado       ...
Os resultados das análises (tabelas, gráficos,comentários, listas, etc.) não sãoarmazenados. Precisam ser exportados outra...
Décio Soares Vicentedeciodez@gmail.comCel: (51) 8236-7951Skype: decio_vicente   67
Oficina sphinx coopssol [modo de compatibilidade]
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Oficina sphinx coopssol [modo de compatibilidade]

965 visualizações

Publicada em

sphinx

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Oficina sphinx coopssol [modo de compatibilidade]

  1. 1. OFICINA CFES SUL/RS 1
  2. 2. Educador: Décio Soares Vicente deciodez@gmail.com2 Cel: (51) 8236-7951
  3. 3. Introduzir os profissionais nas tarefas de codificação,tratamento e análise de dados através do software SPHINX 3
  4. 4. Verificar os procedimentos de pesquisa e suaaplicação;Desenvolver competências de utilização doprograma SPHINX;Analisar sob diferentes comandos oferecidospelo SPHINX os dados coletados. 4
  5. 5. 1. Apresentação do Software SPHINX;2. Etapas de Pesquisa;3. Questionário Survey;4. Como Perguntar?5. Diferença Entre Enquete e Pesquisa Amostral;6. Conceitos Básicos de Estatística;7. Variável;8. Fases de Operação do SPHINX;9. Elaboração do Questionário;10.Tratamentos e Análises;11.Análise Quantitativa ou Análise Qualitativa?12.Relatório. 5
  6. 6. “Decifra-me ou teO olho de Horus devoro, qual é o enigma da esfinge?” 6
  7. 7. Marketing, Psicologia, Administração,Educação, Ciências Sociais, ServiçoSocial, Economia, Finanças, SaúdePública, Pesquisa de Mercado, PesquisaSocial, Pesquisa Eleitoral, Pesquisa deOpinião, Pesquisa de Mídia, etc. 7
  8. 8. Criar, definir e modificar variáveis;Conhecer o número de casos e calcular percentuais paracada uma das variáveis existentes em seu banco dedados;Calcular medidas simples e múltiplas;Realizar cruzamentos de variáveis;Gerar os mais diversos tipos de gráficos;Verificar a existência de associações e/ou correlaçõesentre variáveis;Executar análises de variância, regressão, cluster, sériestemporais, survival e muito mais. 8
  9. 9. 9
  10. 10. BASE DE DADOS EXISTENTE. EXCEL ACCESS Dbase Paradox SPSS PSPP SPHINX 10
  11. 11. 11
  12. 12. Tema (sobre o quê – e consultar o que já se sabesobre o tema);Delimitação do tema (quando, onde, que aspecto);Justificativa (o porquê);Problematização (enredo que conduz à pergunta –o problema de pesquisa);Problema (qual é a questão, o que não é sabido); 12
  13. 13. Objetivos (para quê);Objetivos políticos (para quefins);Objetivos operacionais (oque fazer para responder apergunta/o problema depesquisa);Referencial teórico (suporteconceitual); 13
  14. 14. Hipóteses (suposições fundamentadas,respostas provisórias a pergunta/ o problemade pesquisa – relação causal entre variáveis –conceitos, fenômenos que variam em relaçãorecíproca);Metodologia (como);a) Selecionar a amostra (estratificação); b) Construção do questionário; c) Construção das variáveis. 14
  15. 15. Cronograma (quando);Orçamento;Ida ao campo (equipe e realização da entrevista): Pré-teste; Aplicação do instrumento de pesquisa; Checagem.Tratamento de dados; Digitação/inserir dados no software estatístico; Codificação das respostas (crítica); Geração de tabelas e gráficos. 15
  16. 16. Análise dos dados;Análises descritivas e explicativas;Conclusões ou apenas sondagem.Redação do relatório 16
  17. 17. Survey é um instrumento de pesquisa guiadopor todas as restrições lógicas possíveis,podendo diferir em termos objetivos, custos,tempo e escopo. Geralmente os surveys sãoutilizados para censos demográficos,pesquisas de opinião pública, pesquisas demercado sobre preferências do consumidor,estudos acadêmicos, estudos epistemológicos,etc. 17
  18. 18. 18
  19. 19. O quê? Quem? Por quê? Para quê? Como? Onde?Donde? Para onde? Quanto? Quantos? Quais?... Perguntar de forma objetiva; Evitar ambiguidades; Priorizar apenas uma questão/assunto dentro da pergunta; Tentar não direcionar o entrevistado. 19
  20. 20. Um bom exemplo que podemos apresentar é apergunta utilizada no referendo sobre odesarmamento em 2005:“O comércio de armas de fogo e munição deveser proibido no Brasil?”Tende votar sim para dizer não. 20
  21. 21. ENQUETE:Auto seleção = probabilidades desconhecidas;Possibilidade de viés;Sem mecanismos para perfil representativo;Sem limites do número de entrevistados. 21
  22. 22. PESQUISA POR AMOSTRAGEM:Seleção por critérios científicos =probabilidades conhecidas;Mecanismos padronizados para perfilrepresentativo;Menor número de entrevistas possível para aprecisão pretendida (eficiência). 22
  23. 23. UNIVERSO: População alvoEx.: Consumidores; eleitores; abrangênciageográfica (países; regiões; municípios;etc.), etc. 23
  24. 24. AMOSTRA:Parte representativa de um Universo, queconserva suas características ou atributosrelevantesEx.: sexo, idade, grau de instrução, região demoradia, etc.AMOSTRAGEM:É o processo de se colher amostras pararepresentar determinado universo. 24
  25. 25. Não probabilística: Probabilística:Intencional ou porconveniênciaBola de neve ou Aleatória simplescascata SistemáticaPor cotas Aleatória estratificada Por conglomerados Área Simples 25
  26. 26. x Estatística ou medida amostral: uma medida numérica que descreve alguma característica de uma amostra. É habitualmente representada por letras latinas. Por exemplo: x (média), s (desvio padrão), r (coeficiente de correlação) Amostra Estatística / medida amostral 26
  27. 27. Medidas Tendência Central Quartis VariaçãoMédia Moda Mediana Amplitude Coeficiente de Variação Variância Desvio-Padrão 27
  28. 28. Tendência CentralMédia Mediana Moda 28
  29. 29. MODA: é o valor mais frequente (que possui amaior quantidade de citações);MÉDIA: é a soma de todos os valores numéricosdividido pela quantidade de respostas efetivas. Asnão-respostas não são jamais contabilizadas;MEDIANA: é a quantidade para a qual 50% dasobservações são abaixo e 50% acima. Quando asfrequências de certos valores são elevados, amediana perfeita não existe, e será então o valordo meio após classificação das observações. 29
  30. 30. Variação Variância Desvio Padrão Coeficiente de VariaçãoAmplitude Desvio Padrão População Variância Desvio Padrão População Amostra Variância Amostra 30
  31. 31. AMPLITUDE: é uma medida de dispersão que pode ser definidacomo a diferença entre o valor maior e o valor menor de umgrupo de observações. É a medida de dispersão mais simples.DESVIO PADRÃO: é a quantidade que caracteriza a dispersãoda variável em torno da média. É a raiz quadrada da variância.A variância é a soma, para o conjunto das observações, dosquadrados do desvio entre a média e o valor para essaobservação é em seguida ponderado pela quantidade deobservações.COEFICIENTE DE VARIAÇÃO: é uma medida de dispersãoempregada para estimar a precisão de experimentos erepresenta o desvio-padrão expresso como porcentagem damédia. Sua principal qualidade é a capacidade de comparaçãode distribuições diferentes. 31
  32. 32. Uso da curva normal Frequência Alta frequência Baixa frequência Variável X MédiaA área sob a curva permite obter as probabilidades
  33. 33. 33
  34. 34. É a característica de interesseque é medida em cadaelemento da amostra oupopulação. Como o nome diz,seus valores variam deelemento para elemento. Asvariáveis podem ter valoresnuméricos ou não numéricos. 35
  35. 35. Variáveis Quantitativas;Variáveis Discretas (número finito ou infinito). Ex.: número de filhos, etc.;Variáveis Contínuas (escala contínua). Ex.: peso (balança), altura (régua), tempo (relógio), pressão arterial, idade, etc.;Variáveis Qualitativas (ou categóricas);Variáveis nominais (sem ordenação). Ex.: sexo, cor/etnia, etc.;Variáveis ordinais (hierárquicas). E.: escolaridade, etc.;Variáveis intervalares (escalas nominais e ordinais). 36
  36. 36. “Variável independente (x) é aquela queinfluencia, determina ou afeta outra variável;é fator determinante, condição ou causa paradeterminado resultado, efeito ouconsequência; é o fator manipulado(geralmente) pelo investigador, na suatentativa de assegurar a relação do fator comum fenômeno observado ou a ser descoberto,para ver que influência exerce sobre umpossível resultado” (LAKATOS, p.137, 1994). Ex: Idade e sexo 37
  37. 37. “Variável dependente (y) consiste naquelesvalores (fenômenos, fatores) a seremexplicados ou descobertos, em virtude deserem influenciados, determinados ouafetados pela variável independente, é o fatorque aparece, desaparece ou varia à medidaque o investigador introduz, tira ou modifica avariável independente; a propriedade ou fatorque é efeito, resultado, consequência ouresposta a algo que foi manipulado (variávelindependente)” (LAKATOS, p.137, 1994). 38
  38. 38. Elaboração do questionário Tratamentos e Definir um questionário; análises Estruturar o questionário; Produzir o questionário. Tabular os resultados; Recodificar variáveis;Digitação ou entrada das Analisar tabulações;respostas Avaliar relações; Utilizar os métodos da Digitar as respostas; estatística descritiva; Consultar e alterar as Produzir resultados; respostas digitadas; Editar um relatório. Importar respostas de outro sistema; Exportar as respostas. 39
  39. 39. ArquivoEditarEstágioTabular dadosRecodificarAnalisarAvançado 40
  40. 40. • O item Nova Enquete permite iniciar um novo trabalho;• O item Abrir uma enquete permite retomar um trabalho já efetuado; basta selecionar no diálogo padrão de abertura de arquivos o nome do arquivo do questionário (seguido pela extensão ".QUE");• Os quatro itens no fim do menu Arquivo, abaixo do comando Sair, permitem retomar uma das quatro últimas enquetes utilizadas. 41
  41. 41. QUE: contém a estrutura do questionário;REP: contém as respostas com a exceção dos textos;OUV: contém os textos;TRA: contém a definição dos tratamentos: os estratos, os cruzamentos, as análises, as opções para cada tipo de tabulação;TRI: contém o resultado do tratamento das tabulações simples e das tabulações cruzadas para a amostra total. 42
  42. 42. O arquivo do questionário é armazenado, querexplicitamente (comando Salvar - gravar ou registrar- ou então Sair do menu Arquivo), quer ao passar-separa outro estágio;Os arquivos de respostas são automaticamentesalvos à medida da digitação ou modificação de umaobservação ou questionário. Os arquivos dostratamentos e tabulações são atualizados sem aintervenção do operador. 43
  43. 43. • Fazer cópia de segurança (backup): pede-se um nome.• Salvar como;• A função não permite salvar os resultados das análises;• Exportar os dados: um arquivo texto (ASCII - .txt) será criado com a totalidade das respostas de todas as observações;• Converter a enquete em: escolha na lista o aplicativo de destino. 44
  44. 44. Um questionário compreende:- um cabeçalho (título, comentário, etc.);- uma lista das questões, cada uma delas marcada por um número, um título, um nome de variável e um tipo;- elementos de estruturação (desvios ou pulos, grupos, controles). 45
  45. 45. Questão fechada única;Questão fechada múltipla;Questão fechada escalar;Questão aberta numérica;Questão aberta código;Questão aberta texto. 46
  46. 46. • Controles (questão fechada);• Controles (questão aberta numérica);• Controles (questão aberta código);• Controles (questão aberta texto). 47
  47. 47. Os desvios ou pulos facilitam adigitação das respostas: se aresposta a uma questão (questãodesvio) tem certas características(filtro do desvio), passar-se-ádiretamente para uma dadaquestão (questão-alvo). 48
  48. 48. A função permite definir os parâmetros da digitação e(des)ativar os desvios ou pulos definidos no estágio deelaboração do questionário.• Vários modos de consulta são possíveis: o modo rápido, o modo direto e o modo planilha;• A casa Uma única categoria por linha para as questões fechadas;• A casa Sem Enter/Return nas questões abertas texto; 49
  49. 49. Tabulações simples;Tabulações cruzadas;Tabulações recapitulativas;Tabulações de grupos;Tabulações simples combinadas;Cruzamentos justapostos;Cruzamentos subdivididos;Tabulações de frequências quaisquer;Análise de médias (one-way ANOVA e teste t). 50
  50. 50. VALORES: permite escolher a forma pela qual os dadosda tabulação serão apresentados;TESTES: permite escolher os testes e os cálculos a seremapresentados;COMPARAR: permite ativar comparações de frequências,de médias, de distribuições sobre o elemento ou sobreos elementos selecionados;ORDENAR: permite triar ou organizar as linhas ou ascolunas de uma tabulação;DIMENSÕES: permite modificar a exibição da tabulação; 51
  51. 51. REAGRUPAR: permite agrupar duas ou mais linhas (ou colunas)para simplificar a tabulação;SUPRIMIR: ativo quando um ou vários elementos sãoselecionados, suprime esses elementos (linhas ou colunas) ereatualiza os cálculos;RENOMEAR: ativo se um único elemento foi selecionado,propõe um diálogo no qual indica-se o novo nome para a linhaou para a coluna. No caso de se tratar de um erro deortografia, seria melhor voltar para o estágio da elaboração doquestionário e corrigir o erro diretamente na enumeração dascategorias (diálogo de definição das questões);VOLTAR: permite voltar à tabulação "bruta", todos osagrupamentos, as supressões, os aportes serão abandonados ese terá então voltado à situação inicial da tabulação. 52
  52. 52. Uma lista drop-down permite escolher o tipo degráfico a ser apresentado. Botões de comandospermitem modificar a exibição. A natureza dasescolhas disponíveis depende do tipo detabulação. Sempre serão encontrados: o botão Opções que permite definir o tipo de informações a serem exibidas no gráfico; o botão Dimensões que permite configurar a dimensão ou as dimensões do gráfico. 53
  53. 53. Teste do qui-quadrado: o qui-quadrado (Qui 2) é calculado como a soma dos quadrados dos desvios da tabela teórica (a tabela teórica é o valor da casa se a repartição estivesse equilibrada). O teste do qui-quadrado é a certeza - expressa em percentual - da dependência das duas variáveis:Conforme o valor dessa certeza, dir-se-á que o desvio é muitosignificativo (1-p > 99%), significativo (99% > 1-p > 95%),pouco significativo (95% > 1-p > 85%), não significativo (1-p <85%). Essa certeza é notada "1-p", p sendo portanto o risco deerro, o qual é frequentemente utilizado como referência. 54
  54. 54. O botão Intervalos de confiança: exibe ointervalo de confiança de cada uma dascategorias;Enquadrar as casas significativas: se elaestiver assinalada, as casas maisimportantes no cálculo do qui-quadradoserão enquadradas (até o máximo de 60%).Se a frequência for inferior à tabela teórica,a célula será exibida na cor vermelha; casocontrário, sendo superior, aparecerá na corazul. 55
  55. 55. Uma tabulação cruzada (ou tabela decontingência) é uma tabulação de duasdimensões que permite confrontar duasvariáveis. Cada linha corresponde a uma dascategorias da primeira variável, cada colunacorresponde a uma das categorias da segundavariável. Cada casa contém o número deobservações que possuem simultaneamenteambas as categorias. 56
  56. 56. • Os valores que podem ser exibidos numa tabela de médias são: média, desvio-padrão, soma, parte, frequência;• A casa Sempre exibir a média: quaisquer que sejam os valores exibidos, a média relativa à casa é lembrada entre parênteses.• Teste da média: se a casa estiver assinalada, o teste t de Student é aplicado para comparar a média da casa com a média da totalidade das observações estudadas. As casas significativamente diferentes da média são enquadradas (na cor azul se a média da casa for superior, na cor vermelha se a média for inferior à média do conjunto). 57
  57. 57. • O botão Novo inicia a definição de um novo estrato;• O botão Suprimir retira o estrato selecionado da lista. O estrato corrente não pode ser suprimido;• O botão Modificar dá acesso ao diálogo de definição de estrato. O botão está inativo para a totalidade da amostra;• O botão Caracterizar permite dar características as observações do estrato selecionado;• O botão Aplicar: o estrato selecionado torna-se o estrato corrente. 58
  58. 58. Qualiquantitativa 59
  59. 59. A Análise Léxica é a forma de verificar determinadoalfabeto. Quando analisamos uma palavra, podemosdefinir através da análise léxica se existe ou nãoalgum caráter que não faz parte do nosso alfabeto,ou um alfabeto inventado por nós.A Análise de Conteúdo tem como objeto de estudoa linguagem. Em razão disto, foi muito usada emestudos de mensagem escrita, num primeiroestágio. Posteriormente, foi empregada na análisede comunicações não verbais, a Semiologia.Finalmente, abrangeu trabalhos de índolelinguística. 60
  60. 60. A coerência das respostas;O sentido total do texto (ideia central);As expressões;Vocabulário;Palavras chaves. 61
  61. 61. Análise das questões abertas ou de textos Análise de Conteúdo Análise Léxica CorpoCodificar Ler Estatística Lexical Interpretar Léxico Navegação Lexical 62
  62. 62. CONFIABILIDADE: a leitura deve ser objetiva, minimizando asdiferenças dos pontos de vista;VALIDADE LÓGICA: o conteúdo realmente reproduz arealidade dos fatos?INFERÊNCIA: algumas expressões possuem mais de umainterpretação, portanto elas merecem maior atenção;VALIDADE EMPÍRICA: atenção ao traçar conclusões, pois oresultado é sempre relativo. 63
  63. 63. HOMOGÊNEAS: não misturar “alhos-com-bugalhos”, cadacategoria é uma ideia central exclusiva;EXAUSTIVA: esgotar a totalidade do texto, com a classificaçãodo conteúdo;EXCLUSIVAS: um mesmo elemento do conteúdo não pode serclassificado em mais categorias diferentes;OBJETIVAS: codificações diferentes devem chegar a resultadosiguais – chegar a consensos e percepções comuns;ADEQUADAS OU PERTINENTES: as regras devem ser adaptadasao conteúdo e ao objetivo. 64
  64. 64. Corpo do Texto Navegação Léxica Corpo do Texto Lematizado Verbatim MedidasVariáveis Lexicais:fechadas Intensidadedo léxico banalidade Reduzindo e Estruturando o Léxico Estrutura Estatística 65
  65. 65. Os resultados das análises (tabelas, gráficos,comentários, listas, etc.) não sãoarmazenados. Precisam ser exportados outransferidos para outros aplicativos (editor detexto ou planilha, por exemplo). 66
  66. 66. Décio Soares Vicentedeciodez@gmail.comCel: (51) 8236-7951Skype: decio_vicente 67

×