SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

                CIMEI 21 'MARILENE CABRAL'




PROJETO: “Formação no ambiente escolar: Uma busca
         pela integração prática e teoria.”




                                       PROF.ªS RESPONSÁVEIS:

                                     ANNA PAULA ROLIM DE LIMA

                                             CARINA BANNWART

                                        KELLY CRISTINA CORREIA




                              2012



                                                             1
"A sabedoria começa na reflexão." (Sócrates)




   Formação no ambiente escolar: Uma busca pela integração prática e
                                teoria
 De que vale prática sem teoria? De que vale teoria sem prática reflexiva? Há educação sem uma real
                                      integração entre ambas?




Introdução

        Personagem indispensável no cenário filosófico, Sócrates despertou e desperta,
no decorrer da história humana, grande admiração e respeito, manifestos em árduos
trabalhos de pesquisas e em recorrentes buscas às suas teorias e pensamentos,
registrados por seus companheiros e seguidores (Platão, Aristóteles, Xenofontes e
outros).

        Como característica marcante, Sócrates apresenta profundas reflexões sobre as
bases para a produção do conhecimento, e envolve-se na busca de formas de ação que
levariam o homem a produzi-lo. Acreditava que “pela via do conhecimento objetivo,
seria possível formar os cidadãos e, portanto, seria possível transformar a cidade para
que essa fosse melhor e mais justa. Acreditava que o conhecimento tinha uma função
social” (ANDERY, et al., p.59, 1996).

        O ponto crucial do método socrático é o diálogo constante, ou seja, uma
contínua troca de idéias, realizada de maneira aberta e sem um fim predeterminado,
desta forma “o aprendiz descobria os erros do que pretendia conhecer, descobria sua
ignorância” (ANDERY, et al., p.64, 1996) e retomava a busca pelo conhecimento.

        Concebendo a instituição escolar como local privilegiado para a troca de idéias e
a proliferação de diferentes teorias em benefício da comunidade, há que se valorizar o
diálogo socrático, que nos impele a rever as teorias nas quais muitas vezes estamos
arraigados, conduzindo-nos à abertura necessária para um contínuo processo de
aprendizagem.

        É, por meio, desta constante indagação sobre o real, que se caracteriza o
conhecimento: como “um processo em vias de se fazer, comportando divergências e

                                                                                                  2
tensões” (KRAMER in MEC, p.16, 1994), as quais são necessárias num ambiente
democrático e que tenha por ambição maior: propiciar um salutar e permanente
processo de aprimoramento pessoal, intelectual e cultural a seus integrantes.

       Por fim adota-se aqui o entendimento de que educação “é prática social
produtora de saber” e, portanto, “cabe enfatizar que a teoria é prenhe de prática, gerada
por ela e voltando-se a ela de forma crítica” (KRAMER in MEC, p.17, 1994), o que
resulta num fazer pedagógico dinâmico, contraditório e vivo.

       Desta feita, cabe insinuar, a necessidade de espaço amplo e fortemente voltado
ao estudo, à discussão e a estruturação do conhecimento pedagógico, de forma a
integrar teoria e prática e propiciar uma prática embasada teoricamente, assim como,
uma postura reflexiva e constantemente renovada mediante as atividades com as
crianças, a relação com a comunidade e o trabalho coletivo.




Justificativa:

       Partindo da premissa que o conhecimento sobre a educação infantil ainda é
relativamente novo e, portanto, em vias de construção, evidencia-se a necessidade de
uma real articulação entre os saberes produzidos na academia e na prática das unidades
de atendimento infantil expressa numa relação dialógica. Para tanto é importante a
aproximação entre universidades e escolas de educação infantil, mas, ainda mais
necessário é um constante aperfeiçoar-se por parte dos profissionais que atuam
diretamente com as crianças pequenas, a fim de possibilitar a elas o melhor atendimento
possível, que leve em consideração sua característica peculiar de desenvolvimento
(ECA) e as necessidades intrínsecas a ela.

       Situações e condições adversas constituem o dia-a-dia dos profissionais da
educação infantil e, muitas vezes, os inserem em momentos angustiantes por não haver
uma solução clara e rápida. Tais momentos tornam-se mais amenos e menos penosos se
compartilhados com colegas que vivenciam as mesmas experiências. O compartilhar
possibilita a junção de diferentes olhares e possibilidades, e facilita a construção de
diferentes soluções para as adversidades vivenciadas, as quais, na maioria das vezes,
não figuram em livros e/ou teses, mas, são e serão construídas no trato diário com os
pequenos.

                                                                                       3
No município de Campinas a Educação Infantil objetiva viabilizar o
desenvolvimento integral e harmonioso da criança, considerando seus aspectos
cognitivo, social, afetivo e físico. Inserida nesta proposta, esta unidade educacional
anseia promover às crianças um ambiente físico e social que, desde cedo, encoraje a
2conquista da autonomia, assim como situações de aprendizagem que propiciem a
construção da criticidade e da reflexão. No entanto para que de fato tais princípios
possam ser implementados no trabalho com os pequenos, é fundamental que os
professores sejam pessoas “criativas, inventivas e descobridoras, que sejam capazes de
criticar, comprovar e não aceitar tudo que lhes é proposto. Pessoas que sejam capazes de
pensar a realidade em que vivem e transformá-la”(MANTOVANI ET ASSIS, p.11,
2004).

         Neste sentido estrutura-se o presente projeto, ou seja, este grupo de professoras
ambiciona constituir um espaço de estudos, discussões e troca de idéias sobre temas
inerentes à realidade desta instituição de educação infantil; um espaço que viabilize uma
possível solução para um problema fortemente apontado na avaliação institucional: a
necessidade de ampliar espaços e momentos de formação, reflexão e troca de
experiências entre os pares e os diferentes profissionais que integram a equipe escolar.

         Um grupo de estudos que se estruture em sólido arcabouço teórico, que conte
com a vivência profissional de seus integrantes e que esteja disposto a ouvir e ser
ouvido, recuando e avançando mediante os diferentes posicionamentos e diversas
tendências pedagógicas, certamente proporcionará muito aos seus integrantes tanto
pessoal, como acadêmica e profissionalmente, além do que, os maiores beneficiados,
indubitavelmente serão os pequenos, como aponta Formosinho:

                “O aperfeiçoamento dos professores tem finalidades individuais
                óbvias, mas também tem utilidade social. A formação contínua tem
                como finalidade última o aperfeiçoamento pessoal e social de cada
                professor, numa perspectiva de educação permanente, mas tal
                aperfeiçoamento tem um efeito positivo no sistema escolar, se se
                traduzir na melhoria da qualidade da educação oferecida às crianças. É
                este efeito positivo que explica as preocupações recentes do mundo
                ocidental com a formação contínua de professores” (FORMOSINHO
                apud SILVA, p. 97, 2000).




                                                                                           4
Objetivos:

→ Contribuir com a ampliação de espaço e tempo especificamente voltados às
discussões e reflexões sobre as diferentes possibilidades de intervenção no trabalho
diário com as crianças e as famílias, considerando fatores essenciais como, a
interdisciplinaridade, as diferentes concepções de infância e a relação dialógica com a
realidade da comunidade na qual a escola esta inserida;

→ Propiciar a formação de um grupo de estudos e reflexão composto por professores e
diferentes profissionais da educação infantil, tomando por base as práticas implicadas
no cotidiano da escola, bem como, os diferentes campos teóricos da pedagogia;

→ Analisar e avaliar o atendimento no CIMEI, a fim de aprimorar as práticas avaliadas
positivamente e reestruturar aquelas classificadas como negativas;

→ Elaborar a cada tema resenhas sobre os textos estudados e discutidos, a fim de
concretizar e expor, por meio destas, ao restante da equipe escolar, os avanços
alcançados.



Metodologia:
   Para a execução deste trabalho serão realizadas reuniões semanais às segundas-
feiras com duração de 4horas-aula, nas quais abordar-se-ão os temas relacionados a
seguir, e adotar-se-á como dinâmica de trabalho a reflexão sobre os textos previamente
lidos para que posteriormente se estabeleçam as relações com as práticas diárias
adotadas no trabalho com as crianças.
   Partindo da experiência realizada durante o ano de 2010, quando foram analisados
seis diferentes temas, o grupo optou por ampliar o período de análise e discussão sobre
cada tema. Sendo assim, no ano letivo de 2011 serão trabalhados cinco temas sobre os
quais a equipe escolar demonstrou interesse:


   1) Agrupamento
   Considerando a organização adotada pela SME, ou seja, o agrupamento multietário,
tema sobre o qual há escassa bibliografia, além de representar juntamente com a
Prefeitura Municipal de Florianópolis, uma experiência inusitada no país, tal
singularidade desperta uma série de anseios e questionamentos dos educadores, o que
                                                                                     5
não é diferente no CIMEI 21 e, portanto, a equipe optou por aprofundar os estudos
sobre este tema.


       A construção dos conhecimentos através das trocas entre as crianças: Estatuto e
       papel dos “mais velhos” no interior do grupo. (Bondiolli, A.; Mantovani S.)
       A cultura torna-se parte da natureza humana. Item 8: Interação entre aprendizado
       e desenvolvimento: a zona de desenvolvimento proximal (Rego, T. C)


   2) Sexualidade
   Este tema ocasiona uma série de reações distintas, o que relaciona-se diretamente
com certo “tabu social” característico do povo brasileiro. Situações inusitadas
envolvendo a sexualidade infantil permeiam o cotidiano escolar e, muitas vezes, os
educadores apresentam certa dificuldade em abordar o tema tanto com as crianças
quanto com os pais, o que evidencia a necessidade de estudos sobre o tema.


       Desafios à Educação sexual. (Camargo, A. M. F.; Ribeiro, C.)

       Mesa redonda “Corpo, mídia e educação”: Mãe, e a tia Lu, é menino?
       Corpo, gênero e sexualidade (Meyer, D. E.; Soares, R. F. R.)
       A educação sexual nas escolas (Winnicott, D.W.)
       Filme: Minha vida em cor-de-rosa.


   3) Linguagem
   Sabendo que o processo de desenvolvimento humano dá-se de forma peculiar em
cada individuo, e que o mesmo ocorre com a linguagem, este é uma tema que merece
cautela e atenção, pois as crianças devem receber acompanhamento individualizado.
Com tudo esta é uma prática inviabilizada pela estrutura disponível atualmente na esfera
pública o que justifica a escolha deste tema por permitir o acúmulo de conhecimento
sobre o assunto e, consequentemente, a melhora do trabalho destinado às crianças.


       O desenvolvimento da linguagem.(Bondiolli, A.; Mantovani S.)
       E por falar em literatura. (Craidy, C.; Kaercher G. E.)
       Práticas musicais na escola infantil. (Craidy, C.; Kaercher G. E.)
       O brincar e a linguagem. (Faria, A. L. G.; Melo, A. S.)

                                                                                      6
4) Interação criança-criança / Interação adulto-criança
   A interação social é vital para a ampliação do universo da criança, contudo a
diversidade também é elemento característico de qualquer agrupamento humano, e
considerando este fator o grupo abordará o tema interação visando maximizar os
horizontes culturais das crianças e incentivar suas manifestações.


       O adulto frente à criança, ao mesmo tempo igual. (Bondiolli, A.; Mantovani S)

       Os comportamentos parentais em relação à criança e à instituição (Bondiolli, A.;
       Mantovani S)

       Na escola infantil todo mundo brinca se você brinca. (Craidy, C.; Kaercher G.
       E.)

       Modalidades e problemas do processo de socialização entre as crianças na
       creche (Bondiolli, A.; Mantovani S)

       Textos: A mãe, a professora e as necessidades da criança (Cap. 28); Sobre
       influenciar e ser influenciado (Cap. 29). (Winnicott, D.W.)

       “Aquele sou eu”: a criança frente ao espelho – relação com o outro e exploração
       cognitiva. (Bondiolli, A.; Mantovani S)

       Textos: A dependência afetiva (cap. 35); A posse (Cap. 36); O poder(Cap. 37); O
       complexo de inferioridade(Cap. 38); O medo (Cap. 39); As mentiras (Cap. 40).
       (Montessori, M.)



   5) Manifestações culturais
   Considerando as dimensões continentais do país que consequentemente conta com
rica diversidade cultural, o grupo ambicionou investigar as diferentes culturas que
compõe o mosaico cultural brasileiro, e a partir delas propiciar às crianças o acesso a
essa gama que transcende seu repertório pessoal.


       Mário de Andrade e os fundamentos dos parques infantis. (Faria, A. L. G.)

       Como o índio aprende a ser índio. (Faria, A. L. G.; Melo, A. S.)


       É importante, contudo, destacar que o principal objetivo do projeto em questão é
a efetivação dos momentos de estudo, reflexão e troca de ideias, não apenas para os
integrantes deste grupo, mas para toda a equipe escolar. Mesmo contando com a

                                                                                       7
incompatibilidade de horários entre os diferentes personagens da mesma. Visando
minimizar tal problema e, de certa forma, tornar acessível a todos não só os textos
trabalhados e as experiências trocadas, mas essencialmente as conclusões alcançadas, o
grupo realizará ao final de cada bloco de estudos uma resenha crítica que aborde os
problemas e as soluções alcançadas.
       Pensando ainda no processo de formação da equipe como um todo o grupo
recorrerá a montagem de uma pasta acessível a todos, que contenha todos os textos
analisados e que permaneça em local de ampla circulação, o que viabilizará o
empréstimo dos mesmos, além disso, propulsionará a participação efetiva em outra
ferramenta estruturada para o mesmo fim, ou seja, uma ferramenta interativa (blog) que
mais uma vez objetiva integrar os diferentes agentes educativos.
       A médio prazo o grupo vislumbra a estruturação de uma sala voltada à formação,
ou seja, que abrigue diferentes materiais referentes ao mesmo fim, tendo em vista que a
escola possui relevante acervo no que tange à formação, e que em sua maioria são
subutilizados. Uma sala especificamente voltada para o objeto da formação minimizaria
este problema e mais uma vez estimularia a troca de experiências e de ideias, o que
como manifesto anteriormente, constitui o objetivo principal deste projeto.



Conclusão:

       Concebendo como função social do magistério a formação crítica, cabe aos
educadores um contínuo processo de indagação e reflexão, mediante as diferentes
concepções e metodologias vivenciadas no âmbito educacional, o que é importante
destacar, tendo em vista a heterogeneidade marcante em nosso CIMEI, o qual é
constituído por seres humanos diversos e com histórias de vida distintas e peculiares.
       Neste sentido, a conversa, o debate, a discussão construtiva, são elementos
indispensáveis para a concretização de uma prática abrangente e coerente. Deste modo,
mais uma vez, emerge o ideário característico da filosofia grega, presente
especificamente na dialética de Heráclito de Éfeso (540-480 a.C.), o qual “Concebia a
realidade como algo extremamente dinâmico, em permanente transformação. Encarava
a vida como um fluxo constante” (COTRIM, p. 66, 1987).




                                                                                         8
Sendo a característica principal do método utilizado por Heráclitoa
demonstração de uma tese a partir da análise crítica das contradições contidas no
raciocínio do interlocutor.
       Indagações e a incessante necessidade de possibilitar (valores, criticidade,
cidadania, criatividade,...) geram nos educadores uma consciente responsabilidade , para
as quais não há respostas prontas nem fórmulas definitivas. O que justifica a
importância do projeto em questão, por meio, da comparação de ideias, da troca de
experiências e de um aprimorar-se em conjunto e, consequentemente, de maneira
constante.


Referências Bibliográficas:

Bondiolli, A.; Mantovani S. Manual de Educação Infantil de 0 a 3 anos. 9ª Edição,
2005. Porto Alegre: Ed. Artmed.

Camargo, A. M. F.; Ribeiro, C. Sexualidade(s) e Infância(s): A sexualidade como um
tema transversal. 1999. Campinas: Editora Moderna. Editora Unicamp.

Craidy, C.; Kaercher G. E. Educação Infantil pra que te quero? 1ª Edição, 2001. Porto
Alegre: Ed. Artmed.

Faria, A. L. G. Educação pré-escolar e cultura.2ª Edição, 2005. Campinas: Ed. Cortez;
Ed. da Unicamp.

Faria, A. L. G.; Melo, A. S. O mundo da escrita e o universo da pequena infância.1ª
Edição, 2005.Campinas

Mesa redonda “Corpo, mídia e educação”. Mãe, e a tia Lu, é menino? Seminário
“Corpo e Mídia”. Mestrado de Comunicação – Unip Bacelar. 2002 São Paulo.

Meyer, D. E.; Soares, R. F. R. Corpo, gênero e sexualidade.2004. Porto Alegre: Editora
Mediação.

Montessori, M. A criança.São Paulo: Editora Círculo do Livro.

Rego, Teresa Cristina. Vigotsky: Uma perspectiva histórico-cultural da educação. 17ª
edição, 1995. Rio de Janeiro: Editora Vozes.
Vigotsky, L. S. A formação social da mente. 7ª Edição, 2007. São Paulo: Editora
Martins Fontes.

Winnicott, D.W. A criança e seu mundo. 6ª Edição, 1985. Rio de Janeiro: Zahar
Editora.


                                                                                      9
10

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo livro terezinha rios - compreender e ensinar
Resumo livro   terezinha rios - compreender e ensinarResumo livro   terezinha rios - compreender e ensinar
Resumo livro terezinha rios - compreender e ensinarSoares Junior
 
Resumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integralResumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integralescolabeatriz
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402maria152302
 
Aula 01 inclusão escolar-pontos e contrapontos - matoan-prieto-amorim
Aula 01   inclusão escolar-pontos e contrapontos - matoan-prieto-amorimAula 01   inclusão escolar-pontos e contrapontos - matoan-prieto-amorim
Aula 01 inclusão escolar-pontos e contrapontos - matoan-prieto-amorimValeria Faria
 
Projeto politico pedagogico i e ii
Projeto politico pedagogico i e iiProjeto politico pedagogico i e ii
Projeto politico pedagogico i e iivanessakiko
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...christianceapcursos
 
A escola reflexiva resumo
A escola reflexiva   resumoA escola reflexiva   resumo
A escola reflexiva resumoKelly Sauerbonn
 
Etica protagonismo juvenil
Etica   protagonismo juvenilEtica   protagonismo juvenil
Etica protagonismo juveniltatyathaydes
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13ANA GRALHEIRO
 
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraesGeuza Livramento
 
Função social da escola
Função social da escolaFunção social da escola
Função social da escolaJohnny Ribeiro
 
O currículo na educacão infantil
O currículo na educacão infantilO currículo na educacão infantil
O currículo na educacão infantilCarina
 
Projeto Escola Viva Deficiência Contexto
Projeto Escola Viva Deficiência ContextoProjeto Escola Viva Deficiência Contexto
Projeto Escola Viva Deficiência Contextoasustecnologia
 
Macedo, lino, como construir uma escola para todos
Macedo, lino, como construir uma escola para todosMacedo, lino, como construir uma escola para todos
Macedo, lino, como construir uma escola para todosmarcaocampos
 
Apresentação Monografia: Educação no século XXI: desafio de pais e educadores.
Apresentação Monografia: Educação no século XXI: desafio de pais e educadores. Apresentação Monografia: Educação no século XXI: desafio de pais e educadores.
Apresentação Monografia: Educação no século XXI: desafio de pais e educadores. Luciana Raspa Marcelo Lopes
 
Dicas conhecimentos pedagógicos
Dicas conhecimentos pedagógicosDicas conhecimentos pedagógicos
Dicas conhecimentos pedagógicosAna Magistério
 

Mais procurados (20)

Resumo livro terezinha rios - compreender e ensinar
Resumo livro   terezinha rios - compreender e ensinarResumo livro   terezinha rios - compreender e ensinar
Resumo livro terezinha rios - compreender e ensinar
 
Escola e sociedade
Escola e sociedadeEscola e sociedade
Escola e sociedade
 
Resumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integralResumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integral
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
 
Aula 01 inclusão escolar-pontos e contrapontos - matoan-prieto-amorim
Aula 01   inclusão escolar-pontos e contrapontos - matoan-prieto-amorimAula 01   inclusão escolar-pontos e contrapontos - matoan-prieto-amorim
Aula 01 inclusão escolar-pontos e contrapontos - matoan-prieto-amorim
 
Projeto politico pedagogico i e ii
Projeto politico pedagogico i e iiProjeto politico pedagogico i e ii
Projeto politico pedagogico i e ii
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
 
A escola reflexiva resumo
A escola reflexiva   resumoA escola reflexiva   resumo
A escola reflexiva resumo
 
Etica protagonismo juvenil
Etica   protagonismo juvenilEtica   protagonismo juvenil
Etica protagonismo juvenil
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
 
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
 
Função social da escola
Função social da escolaFunção social da escola
Função social da escola
 
O currículo na educacão infantil
O currículo na educacão infantilO currículo na educacão infantil
O currículo na educacão infantil
 
Projeto Escola Viva Deficiência Contexto
Projeto Escola Viva Deficiência ContextoProjeto Escola Viva Deficiência Contexto
Projeto Escola Viva Deficiência Contexto
 
Macedo, lino, como construir uma escola para todos
Macedo, lino, como construir uma escola para todosMacedo, lino, como construir uma escola para todos
Macedo, lino, como construir uma escola para todos
 
Apresentação Monografia: Educação no século XXI: desafio de pais e educadores.
Apresentação Monografia: Educação no século XXI: desafio de pais e educadores. Apresentação Monografia: Educação no século XXI: desafio de pais e educadores.
Apresentação Monografia: Educação no século XXI: desafio de pais e educadores.
 
Dicas conhecimentos pedagógicos
Dicas conhecimentos pedagógicosDicas conhecimentos pedagógicos
Dicas conhecimentos pedagógicos
 
Papel pedagogo
Papel pedagogo Papel pedagogo
Papel pedagogo
 
didatica ensino superior 2
didatica ensino superior 2didatica ensino superior 2
didatica ensino superior 2
 
Documento PEDAGOGIA
Documento PEDAGOGIADocumento PEDAGOGIA
Documento PEDAGOGIA
 

Destaque

Nutrición enteral heee-1[1]
Nutrición enteral heee-1[1]Nutrición enteral heee-1[1]
Nutrición enteral heee-1[1]Carlos Guanín
 
CFF21 Course 3 - Presentation # 2
CFF21 Course 3  - Presentation # 2CFF21 Course 3  - Presentation # 2
CFF21 Course 3 - Presentation # 2lkehrwald
 
Chapter 7 Civics and Gov. Journey Tool
Chapter 7 Civics and Gov.  Journey ToolChapter 7 Civics and Gov.  Journey Tool
Chapter 7 Civics and Gov. Journey ToolKailynBrooks12
 
презентація досвіду амелін о.а.
презентація досвіду амелін о.а.презентація досвіду амелін о.а.
презентація досвіду амелін о.а.Алекс Амелин
 
Recommendation Letter Seadrill
Recommendation Letter SeadrillRecommendation Letter Seadrill
Recommendation Letter SeadrillMarcela Thedim
 
Certificate of service-Fuel Assistant
Certificate of service-Fuel AssistantCertificate of service-Fuel Assistant
Certificate of service-Fuel AssistantIbrahim Sillah
 
Governo de Goiás apresenta balanço dos trabalhos realizados em 2011 e 2012
Governo de Goiás apresenta balanço dos trabalhos realizados em 2011 e 2012Governo de Goiás apresenta balanço dos trabalhos realizados em 2011 e 2012
Governo de Goiás apresenta balanço dos trabalhos realizados em 2011 e 2012Marconi Perillo
 
Palestra 4: Estratégias que auxiliam o processo de sucessão nos empreendiment...
Palestra 4: Estratégias que auxiliam o processo de sucessão nos empreendiment...Palestra 4: Estratégias que auxiliam o processo de sucessão nos empreendiment...
Palestra 4: Estratégias que auxiliam o processo de sucessão nos empreendiment...Leonardo Gravina
 
Judge Ohmer Letter of Rec
Judge Ohmer Letter of RecJudge Ohmer Letter of Rec
Judge Ohmer Letter of RecAndrew Rohne
 

Destaque (14)

Nutrición enteral heee-1[1]
Nutrición enteral heee-1[1]Nutrición enteral heee-1[1]
Nutrición enteral heee-1[1]
 
Ch34 29
Ch34 29Ch34 29
Ch34 29
 
CFF21 Course 3 - Presentation # 2
CFF21 Course 3  - Presentation # 2CFF21 Course 3  - Presentation # 2
CFF21 Course 3 - Presentation # 2
 
Chapter 7 Civics and Gov. Journey Tool
Chapter 7 Civics and Gov.  Journey ToolChapter 7 Civics and Gov.  Journey Tool
Chapter 7 Civics and Gov. Journey Tool
 
презентація досвіду амелін о.а.
презентація досвіду амелін о.а.презентація досвіду амелін о.а.
презентація досвіду амелін о.а.
 
2. PRAKTIKA
2. PRAKTIKA2. PRAKTIKA
2. PRAKTIKA
 
Recommendation Letter Seadrill
Recommendation Letter SeadrillRecommendation Letter Seadrill
Recommendation Letter Seadrill
 
O renascimento
O renascimentoO renascimento
O renascimento
 
Diploma stores
Diploma storesDiploma stores
Diploma stores
 
Certificate of service-Fuel Assistant
Certificate of service-Fuel AssistantCertificate of service-Fuel Assistant
Certificate of service-Fuel Assistant
 
Governo de Goiás apresenta balanço dos trabalhos realizados em 2011 e 2012
Governo de Goiás apresenta balanço dos trabalhos realizados em 2011 e 2012Governo de Goiás apresenta balanço dos trabalhos realizados em 2011 e 2012
Governo de Goiás apresenta balanço dos trabalhos realizados em 2011 e 2012
 
Palestra 4: Estratégias que auxiliam o processo de sucessão nos empreendiment...
Palestra 4: Estratégias que auxiliam o processo de sucessão nos empreendiment...Palestra 4: Estratégias que auxiliam o processo de sucessão nos empreendiment...
Palestra 4: Estratégias que auxiliam o processo de sucessão nos empreendiment...
 
Fama
FamaFama
Fama
 
Judge Ohmer Letter of Rec
Judge Ohmer Letter of RecJudge Ohmer Letter of Rec
Judge Ohmer Letter of Rec
 

Semelhante a Projeto "Formação no ambiente escolar" 2012

Relatorio de estagio iii
Relatorio de estagio iiiRelatorio de estagio iii
Relatorio de estagio iiiLeilany Campos
 
O uso responsável do celular na sala de aula
O uso responsável do celular na sala de aulaO uso responsável do celular na sala de aula
O uso responsável do celular na sala de aulaEdison Paulo
 
A escola e seu entorno social
A escola e seu entorno socialA escola e seu entorno social
A escola e seu entorno socialCatarina Louro
 
Artigo espaços sustentáveis através da arte e educação by cei raio de sol joi...
Artigo espaços sustentáveis através da arte e educação by cei raio de sol joi...Artigo espaços sustentáveis através da arte e educação by cei raio de sol joi...
Artigo espaços sustentáveis através da arte e educação by cei raio de sol joi...José Antonio Klaes Roig
 
Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6Liberty Ensino
 
Atv.ling. metafora (1)
Atv.ling. metafora (1)Atv.ling. metafora (1)
Atv.ling. metafora (1)UyaraPortugal
 
Movimento da Escola Moderna
Movimento da Escola ModernaMovimento da Escola Moderna
Movimento da Escola Modernaermelinda mestre
 
2009 unioeste pedagogo_artigo_itagira_vigo_schuh
2009 unioeste pedagogo_artigo_itagira_vigo_schuh2009 unioeste pedagogo_artigo_itagira_vigo_schuh
2009 unioeste pedagogo_artigo_itagira_vigo_schuhAndressa Rafaela Bandeira
 
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTEPROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTEProfessorPrincipiante
 
Venina palma
Venina palmaVenina palma
Venina palmapibidbio
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13ANA GRALHEIRO
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13AMG Sobrenome
 
Projecto educativo e curricular em consulta para aprovação
Projecto educativo e curricular   em consulta para aprovaçãoProjecto educativo e curricular   em consulta para aprovação
Projecto educativo e curricular em consulta para aprovaçãoANA GRALHEIRO
 
O curriculo e a educação ambiental
O curriculo e a educação ambientalO curriculo e a educação ambiental
O curriculo e a educação ambientalSara Cristina
 
Atividade modulo ii respostas
Atividade modulo ii   respostasAtividade modulo ii   respostas
Atividade modulo ii respostasAndré Alencar
 
Atividade modulo ii respostas
Atividade modulo ii   respostasAtividade modulo ii   respostas
Atividade modulo ii respostasAndré Alencar
 

Semelhante a Projeto "Formação no ambiente escolar" 2012 (20)

Relatorio de estagio iii
Relatorio de estagio iiiRelatorio de estagio iii
Relatorio de estagio iii
 
O uso responsável do celular na sala de aula
O uso responsável do celular na sala de aulaO uso responsável do celular na sala de aula
O uso responsável do celular na sala de aula
 
Keila01 projeto
Keila01 projetoKeila01 projeto
Keila01 projeto
 
A escola e seu entorno social
A escola e seu entorno socialA escola e seu entorno social
A escola e seu entorno social
 
Artigo espaços sustentáveis através da arte e educação by cei raio de sol joi...
Artigo espaços sustentáveis através da arte e educação by cei raio de sol joi...Artigo espaços sustentáveis através da arte e educação by cei raio de sol joi...
Artigo espaços sustentáveis através da arte e educação by cei raio de sol joi...
 
Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6
 
Atv.ling. metafora (1)
Atv.ling. metafora (1)Atv.ling. metafora (1)
Atv.ling. metafora (1)
 
Movimento da Escola Moderna
Movimento da Escola ModernaMovimento da Escola Moderna
Movimento da Escola Moderna
 
Mem comu
Mem comuMem comu
Mem comu
 
2009 unioeste pedagogo_artigo_itagira_vigo_schuh
2009 unioeste pedagogo_artigo_itagira_vigo_schuh2009 unioeste pedagogo_artigo_itagira_vigo_schuh
2009 unioeste pedagogo_artigo_itagira_vigo_schuh
 
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTEPROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
 
Venina palma
Venina palmaVenina palma
Venina palma
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
 
Projetocenet
ProjetocenetProjetocenet
Projetocenet
 
Dicas interdisciplinaridade[1]
Dicas interdisciplinaridade[1]Dicas interdisciplinaridade[1]
Dicas interdisciplinaridade[1]
 
Projecto educativo e curricular em consulta para aprovação
Projecto educativo e curricular   em consulta para aprovaçãoProjecto educativo e curricular   em consulta para aprovação
Projecto educativo e curricular em consulta para aprovação
 
O curriculo e a educação ambiental
O curriculo e a educação ambientalO curriculo e a educação ambiental
O curriculo e a educação ambiental
 
Atividade modulo ii respostas
Atividade modulo ii   respostasAtividade modulo ii   respostas
Atividade modulo ii respostas
 
Atividade modulo ii respostas
Atividade modulo ii   respostasAtividade modulo ii   respostas
Atividade modulo ii respostas
 

Mais de Carina

Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação Infantil
Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação InfantilNormas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação Infantil
Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação InfantilCarina
 
Relatório Segundo Semestre HP Salas Ambiente
Relatório Segundo Semestre HP Salas AmbienteRelatório Segundo Semestre HP Salas Ambiente
Relatório Segundo Semestre HP Salas AmbienteCarina
 
Propostas para sala contos e fantasias
Propostas para sala contos e fantasiasPropostas para sala contos e fantasias
Propostas para sala contos e fantasiasCarina
 
Ensino de Ciências e Educação Infantil
Ensino de Ciências e Educação InfantilEnsino de Ciências e Educação Infantil
Ensino de Ciências e Educação InfantilCarina
 
Sugestões de Atividades Matemáticas
Sugestões de Atividades MatemáticasSugestões de Atividades Matemáticas
Sugestões de Atividades MatemáticasCarina
 
Tecnologia Assistiva nas escolas
Tecnologia Assistiva nas escolasTecnologia Assistiva nas escolas
Tecnologia Assistiva nas escolasCarina
 
Politica Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva
Politica Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação InclusivaPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva
Politica Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação InclusivaCarina
 
A percepção matemática ou por onde começar - Sérgio Lorenzato
A percepção matemática ou por onde começar - Sérgio LorenzatoA percepção matemática ou por onde começar - Sérgio Lorenzato
A percepção matemática ou por onde começar - Sérgio LorenzatoCarina
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação InclusivaCarina
 
Letramento e Alfabetização: Implicações para a Educação Infantil
Letramento e Alfabetização: Implicações para a Educação InfantilLetramento e Alfabetização: Implicações para a Educação Infantil
Letramento e Alfabetização: Implicações para a Educação InfantilCarina
 
Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil
Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação InfantilDiretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil
Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação InfantilCarina
 
Impressões "Interação"
Impressões "Interação"Impressões "Interação"
Impressões "Interação"Carina
 
Impressões "Linguagem"
Impressões "Linguagem"Impressões "Linguagem"
Impressões "Linguagem"Carina
 
Impressões "Sexualidade"
Impressões "Sexualidade"Impressões "Sexualidade"
Impressões "Sexualidade"Carina
 
Impressões "Agrupamento"
Impressões "Agrupamento"Impressões "Agrupamento"
Impressões "Agrupamento"Carina
 
Educar e Cuidar
Educar e CuidarEducar e Cuidar
Educar e CuidarCarina
 
Em questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadoresEm questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadoresCarina
 
Em questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadoresEm questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadoresCarina
 
Resumo - Proposta Curricular Básica EI
Resumo - Proposta Curricular Básica EIResumo - Proposta Curricular Básica EI
Resumo - Proposta Curricular Básica EICarina
 
Design didático
Design didáticoDesign didático
Design didáticoCarina
 

Mais de Carina (20)

Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação Infantil
Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação InfantilNormas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação Infantil
Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação Infantil
 
Relatório Segundo Semestre HP Salas Ambiente
Relatório Segundo Semestre HP Salas AmbienteRelatório Segundo Semestre HP Salas Ambiente
Relatório Segundo Semestre HP Salas Ambiente
 
Propostas para sala contos e fantasias
Propostas para sala contos e fantasiasPropostas para sala contos e fantasias
Propostas para sala contos e fantasias
 
Ensino de Ciências e Educação Infantil
Ensino de Ciências e Educação InfantilEnsino de Ciências e Educação Infantil
Ensino de Ciências e Educação Infantil
 
Sugestões de Atividades Matemáticas
Sugestões de Atividades MatemáticasSugestões de Atividades Matemáticas
Sugestões de Atividades Matemáticas
 
Tecnologia Assistiva nas escolas
Tecnologia Assistiva nas escolasTecnologia Assistiva nas escolas
Tecnologia Assistiva nas escolas
 
Politica Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva
Politica Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação InclusivaPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva
Politica Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva
 
A percepção matemática ou por onde começar - Sérgio Lorenzato
A percepção matemática ou por onde começar - Sérgio LorenzatoA percepção matemática ou por onde começar - Sérgio Lorenzato
A percepção matemática ou por onde começar - Sérgio Lorenzato
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Letramento e Alfabetização: Implicações para a Educação Infantil
Letramento e Alfabetização: Implicações para a Educação InfantilLetramento e Alfabetização: Implicações para a Educação Infantil
Letramento e Alfabetização: Implicações para a Educação Infantil
 
Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil
Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação InfantilDiretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil
Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil
 
Impressões "Interação"
Impressões "Interação"Impressões "Interação"
Impressões "Interação"
 
Impressões "Linguagem"
Impressões "Linguagem"Impressões "Linguagem"
Impressões "Linguagem"
 
Impressões "Sexualidade"
Impressões "Sexualidade"Impressões "Sexualidade"
Impressões "Sexualidade"
 
Impressões "Agrupamento"
Impressões "Agrupamento"Impressões "Agrupamento"
Impressões "Agrupamento"
 
Educar e Cuidar
Educar e CuidarEducar e Cuidar
Educar e Cuidar
 
Em questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadoresEm questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadores
 
Em questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadoresEm questão: o relacionamento entre pais e educadores
Em questão: o relacionamento entre pais e educadores
 
Resumo - Proposta Curricular Básica EI
Resumo - Proposta Curricular Básica EIResumo - Proposta Curricular Básica EI
Resumo - Proposta Curricular Básica EI
 
Design didático
Design didáticoDesign didático
Design didático
 

Projeto "Formação no ambiente escolar" 2012

  • 1. SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CIMEI 21 'MARILENE CABRAL' PROJETO: “Formação no ambiente escolar: Uma busca pela integração prática e teoria.” PROF.ªS RESPONSÁVEIS: ANNA PAULA ROLIM DE LIMA CARINA BANNWART KELLY CRISTINA CORREIA 2012 1
  • 2. "A sabedoria começa na reflexão." (Sócrates) Formação no ambiente escolar: Uma busca pela integração prática e teoria De que vale prática sem teoria? De que vale teoria sem prática reflexiva? Há educação sem uma real integração entre ambas? Introdução Personagem indispensável no cenário filosófico, Sócrates despertou e desperta, no decorrer da história humana, grande admiração e respeito, manifestos em árduos trabalhos de pesquisas e em recorrentes buscas às suas teorias e pensamentos, registrados por seus companheiros e seguidores (Platão, Aristóteles, Xenofontes e outros). Como característica marcante, Sócrates apresenta profundas reflexões sobre as bases para a produção do conhecimento, e envolve-se na busca de formas de ação que levariam o homem a produzi-lo. Acreditava que “pela via do conhecimento objetivo, seria possível formar os cidadãos e, portanto, seria possível transformar a cidade para que essa fosse melhor e mais justa. Acreditava que o conhecimento tinha uma função social” (ANDERY, et al., p.59, 1996). O ponto crucial do método socrático é o diálogo constante, ou seja, uma contínua troca de idéias, realizada de maneira aberta e sem um fim predeterminado, desta forma “o aprendiz descobria os erros do que pretendia conhecer, descobria sua ignorância” (ANDERY, et al., p.64, 1996) e retomava a busca pelo conhecimento. Concebendo a instituição escolar como local privilegiado para a troca de idéias e a proliferação de diferentes teorias em benefício da comunidade, há que se valorizar o diálogo socrático, que nos impele a rever as teorias nas quais muitas vezes estamos arraigados, conduzindo-nos à abertura necessária para um contínuo processo de aprendizagem. É, por meio, desta constante indagação sobre o real, que se caracteriza o conhecimento: como “um processo em vias de se fazer, comportando divergências e 2
  • 3. tensões” (KRAMER in MEC, p.16, 1994), as quais são necessárias num ambiente democrático e que tenha por ambição maior: propiciar um salutar e permanente processo de aprimoramento pessoal, intelectual e cultural a seus integrantes. Por fim adota-se aqui o entendimento de que educação “é prática social produtora de saber” e, portanto, “cabe enfatizar que a teoria é prenhe de prática, gerada por ela e voltando-se a ela de forma crítica” (KRAMER in MEC, p.17, 1994), o que resulta num fazer pedagógico dinâmico, contraditório e vivo. Desta feita, cabe insinuar, a necessidade de espaço amplo e fortemente voltado ao estudo, à discussão e a estruturação do conhecimento pedagógico, de forma a integrar teoria e prática e propiciar uma prática embasada teoricamente, assim como, uma postura reflexiva e constantemente renovada mediante as atividades com as crianças, a relação com a comunidade e o trabalho coletivo. Justificativa: Partindo da premissa que o conhecimento sobre a educação infantil ainda é relativamente novo e, portanto, em vias de construção, evidencia-se a necessidade de uma real articulação entre os saberes produzidos na academia e na prática das unidades de atendimento infantil expressa numa relação dialógica. Para tanto é importante a aproximação entre universidades e escolas de educação infantil, mas, ainda mais necessário é um constante aperfeiçoar-se por parte dos profissionais que atuam diretamente com as crianças pequenas, a fim de possibilitar a elas o melhor atendimento possível, que leve em consideração sua característica peculiar de desenvolvimento (ECA) e as necessidades intrínsecas a ela. Situações e condições adversas constituem o dia-a-dia dos profissionais da educação infantil e, muitas vezes, os inserem em momentos angustiantes por não haver uma solução clara e rápida. Tais momentos tornam-se mais amenos e menos penosos se compartilhados com colegas que vivenciam as mesmas experiências. O compartilhar possibilita a junção de diferentes olhares e possibilidades, e facilita a construção de diferentes soluções para as adversidades vivenciadas, as quais, na maioria das vezes, não figuram em livros e/ou teses, mas, são e serão construídas no trato diário com os pequenos. 3
  • 4. No município de Campinas a Educação Infantil objetiva viabilizar o desenvolvimento integral e harmonioso da criança, considerando seus aspectos cognitivo, social, afetivo e físico. Inserida nesta proposta, esta unidade educacional anseia promover às crianças um ambiente físico e social que, desde cedo, encoraje a 2conquista da autonomia, assim como situações de aprendizagem que propiciem a construção da criticidade e da reflexão. No entanto para que de fato tais princípios possam ser implementados no trabalho com os pequenos, é fundamental que os professores sejam pessoas “criativas, inventivas e descobridoras, que sejam capazes de criticar, comprovar e não aceitar tudo que lhes é proposto. Pessoas que sejam capazes de pensar a realidade em que vivem e transformá-la”(MANTOVANI ET ASSIS, p.11, 2004). Neste sentido estrutura-se o presente projeto, ou seja, este grupo de professoras ambiciona constituir um espaço de estudos, discussões e troca de idéias sobre temas inerentes à realidade desta instituição de educação infantil; um espaço que viabilize uma possível solução para um problema fortemente apontado na avaliação institucional: a necessidade de ampliar espaços e momentos de formação, reflexão e troca de experiências entre os pares e os diferentes profissionais que integram a equipe escolar. Um grupo de estudos que se estruture em sólido arcabouço teórico, que conte com a vivência profissional de seus integrantes e que esteja disposto a ouvir e ser ouvido, recuando e avançando mediante os diferentes posicionamentos e diversas tendências pedagógicas, certamente proporcionará muito aos seus integrantes tanto pessoal, como acadêmica e profissionalmente, além do que, os maiores beneficiados, indubitavelmente serão os pequenos, como aponta Formosinho: “O aperfeiçoamento dos professores tem finalidades individuais óbvias, mas também tem utilidade social. A formação contínua tem como finalidade última o aperfeiçoamento pessoal e social de cada professor, numa perspectiva de educação permanente, mas tal aperfeiçoamento tem um efeito positivo no sistema escolar, se se traduzir na melhoria da qualidade da educação oferecida às crianças. É este efeito positivo que explica as preocupações recentes do mundo ocidental com a formação contínua de professores” (FORMOSINHO apud SILVA, p. 97, 2000). 4
  • 5. Objetivos: → Contribuir com a ampliação de espaço e tempo especificamente voltados às discussões e reflexões sobre as diferentes possibilidades de intervenção no trabalho diário com as crianças e as famílias, considerando fatores essenciais como, a interdisciplinaridade, as diferentes concepções de infância e a relação dialógica com a realidade da comunidade na qual a escola esta inserida; → Propiciar a formação de um grupo de estudos e reflexão composto por professores e diferentes profissionais da educação infantil, tomando por base as práticas implicadas no cotidiano da escola, bem como, os diferentes campos teóricos da pedagogia; → Analisar e avaliar o atendimento no CIMEI, a fim de aprimorar as práticas avaliadas positivamente e reestruturar aquelas classificadas como negativas; → Elaborar a cada tema resenhas sobre os textos estudados e discutidos, a fim de concretizar e expor, por meio destas, ao restante da equipe escolar, os avanços alcançados. Metodologia: Para a execução deste trabalho serão realizadas reuniões semanais às segundas- feiras com duração de 4horas-aula, nas quais abordar-se-ão os temas relacionados a seguir, e adotar-se-á como dinâmica de trabalho a reflexão sobre os textos previamente lidos para que posteriormente se estabeleçam as relações com as práticas diárias adotadas no trabalho com as crianças. Partindo da experiência realizada durante o ano de 2010, quando foram analisados seis diferentes temas, o grupo optou por ampliar o período de análise e discussão sobre cada tema. Sendo assim, no ano letivo de 2011 serão trabalhados cinco temas sobre os quais a equipe escolar demonstrou interesse: 1) Agrupamento Considerando a organização adotada pela SME, ou seja, o agrupamento multietário, tema sobre o qual há escassa bibliografia, além de representar juntamente com a Prefeitura Municipal de Florianópolis, uma experiência inusitada no país, tal singularidade desperta uma série de anseios e questionamentos dos educadores, o que 5
  • 6. não é diferente no CIMEI 21 e, portanto, a equipe optou por aprofundar os estudos sobre este tema. A construção dos conhecimentos através das trocas entre as crianças: Estatuto e papel dos “mais velhos” no interior do grupo. (Bondiolli, A.; Mantovani S.) A cultura torna-se parte da natureza humana. Item 8: Interação entre aprendizado e desenvolvimento: a zona de desenvolvimento proximal (Rego, T. C) 2) Sexualidade Este tema ocasiona uma série de reações distintas, o que relaciona-se diretamente com certo “tabu social” característico do povo brasileiro. Situações inusitadas envolvendo a sexualidade infantil permeiam o cotidiano escolar e, muitas vezes, os educadores apresentam certa dificuldade em abordar o tema tanto com as crianças quanto com os pais, o que evidencia a necessidade de estudos sobre o tema. Desafios à Educação sexual. (Camargo, A. M. F.; Ribeiro, C.) Mesa redonda “Corpo, mídia e educação”: Mãe, e a tia Lu, é menino? Corpo, gênero e sexualidade (Meyer, D. E.; Soares, R. F. R.) A educação sexual nas escolas (Winnicott, D.W.) Filme: Minha vida em cor-de-rosa. 3) Linguagem Sabendo que o processo de desenvolvimento humano dá-se de forma peculiar em cada individuo, e que o mesmo ocorre com a linguagem, este é uma tema que merece cautela e atenção, pois as crianças devem receber acompanhamento individualizado. Com tudo esta é uma prática inviabilizada pela estrutura disponível atualmente na esfera pública o que justifica a escolha deste tema por permitir o acúmulo de conhecimento sobre o assunto e, consequentemente, a melhora do trabalho destinado às crianças. O desenvolvimento da linguagem.(Bondiolli, A.; Mantovani S.) E por falar em literatura. (Craidy, C.; Kaercher G. E.) Práticas musicais na escola infantil. (Craidy, C.; Kaercher G. E.) O brincar e a linguagem. (Faria, A. L. G.; Melo, A. S.) 6
  • 7. 4) Interação criança-criança / Interação adulto-criança A interação social é vital para a ampliação do universo da criança, contudo a diversidade também é elemento característico de qualquer agrupamento humano, e considerando este fator o grupo abordará o tema interação visando maximizar os horizontes culturais das crianças e incentivar suas manifestações. O adulto frente à criança, ao mesmo tempo igual. (Bondiolli, A.; Mantovani S) Os comportamentos parentais em relação à criança e à instituição (Bondiolli, A.; Mantovani S) Na escola infantil todo mundo brinca se você brinca. (Craidy, C.; Kaercher G. E.) Modalidades e problemas do processo de socialização entre as crianças na creche (Bondiolli, A.; Mantovani S) Textos: A mãe, a professora e as necessidades da criança (Cap. 28); Sobre influenciar e ser influenciado (Cap. 29). (Winnicott, D.W.) “Aquele sou eu”: a criança frente ao espelho – relação com o outro e exploração cognitiva. (Bondiolli, A.; Mantovani S) Textos: A dependência afetiva (cap. 35); A posse (Cap. 36); O poder(Cap. 37); O complexo de inferioridade(Cap. 38); O medo (Cap. 39); As mentiras (Cap. 40). (Montessori, M.) 5) Manifestações culturais Considerando as dimensões continentais do país que consequentemente conta com rica diversidade cultural, o grupo ambicionou investigar as diferentes culturas que compõe o mosaico cultural brasileiro, e a partir delas propiciar às crianças o acesso a essa gama que transcende seu repertório pessoal. Mário de Andrade e os fundamentos dos parques infantis. (Faria, A. L. G.) Como o índio aprende a ser índio. (Faria, A. L. G.; Melo, A. S.) É importante, contudo, destacar que o principal objetivo do projeto em questão é a efetivação dos momentos de estudo, reflexão e troca de ideias, não apenas para os integrantes deste grupo, mas para toda a equipe escolar. Mesmo contando com a 7
  • 8. incompatibilidade de horários entre os diferentes personagens da mesma. Visando minimizar tal problema e, de certa forma, tornar acessível a todos não só os textos trabalhados e as experiências trocadas, mas essencialmente as conclusões alcançadas, o grupo realizará ao final de cada bloco de estudos uma resenha crítica que aborde os problemas e as soluções alcançadas. Pensando ainda no processo de formação da equipe como um todo o grupo recorrerá a montagem de uma pasta acessível a todos, que contenha todos os textos analisados e que permaneça em local de ampla circulação, o que viabilizará o empréstimo dos mesmos, além disso, propulsionará a participação efetiva em outra ferramenta estruturada para o mesmo fim, ou seja, uma ferramenta interativa (blog) que mais uma vez objetiva integrar os diferentes agentes educativos. A médio prazo o grupo vislumbra a estruturação de uma sala voltada à formação, ou seja, que abrigue diferentes materiais referentes ao mesmo fim, tendo em vista que a escola possui relevante acervo no que tange à formação, e que em sua maioria são subutilizados. Uma sala especificamente voltada para o objeto da formação minimizaria este problema e mais uma vez estimularia a troca de experiências e de ideias, o que como manifesto anteriormente, constitui o objetivo principal deste projeto. Conclusão: Concebendo como função social do magistério a formação crítica, cabe aos educadores um contínuo processo de indagação e reflexão, mediante as diferentes concepções e metodologias vivenciadas no âmbito educacional, o que é importante destacar, tendo em vista a heterogeneidade marcante em nosso CIMEI, o qual é constituído por seres humanos diversos e com histórias de vida distintas e peculiares. Neste sentido, a conversa, o debate, a discussão construtiva, são elementos indispensáveis para a concretização de uma prática abrangente e coerente. Deste modo, mais uma vez, emerge o ideário característico da filosofia grega, presente especificamente na dialética de Heráclito de Éfeso (540-480 a.C.), o qual “Concebia a realidade como algo extremamente dinâmico, em permanente transformação. Encarava a vida como um fluxo constante” (COTRIM, p. 66, 1987). 8
  • 9. Sendo a característica principal do método utilizado por Heráclitoa demonstração de uma tese a partir da análise crítica das contradições contidas no raciocínio do interlocutor. Indagações e a incessante necessidade de possibilitar (valores, criticidade, cidadania, criatividade,...) geram nos educadores uma consciente responsabilidade , para as quais não há respostas prontas nem fórmulas definitivas. O que justifica a importância do projeto em questão, por meio, da comparação de ideias, da troca de experiências e de um aprimorar-se em conjunto e, consequentemente, de maneira constante. Referências Bibliográficas: Bondiolli, A.; Mantovani S. Manual de Educação Infantil de 0 a 3 anos. 9ª Edição, 2005. Porto Alegre: Ed. Artmed. Camargo, A. M. F.; Ribeiro, C. Sexualidade(s) e Infância(s): A sexualidade como um tema transversal. 1999. Campinas: Editora Moderna. Editora Unicamp. Craidy, C.; Kaercher G. E. Educação Infantil pra que te quero? 1ª Edição, 2001. Porto Alegre: Ed. Artmed. Faria, A. L. G. Educação pré-escolar e cultura.2ª Edição, 2005. Campinas: Ed. Cortez; Ed. da Unicamp. Faria, A. L. G.; Melo, A. S. O mundo da escrita e o universo da pequena infância.1ª Edição, 2005.Campinas Mesa redonda “Corpo, mídia e educação”. Mãe, e a tia Lu, é menino? Seminário “Corpo e Mídia”. Mestrado de Comunicação – Unip Bacelar. 2002 São Paulo. Meyer, D. E.; Soares, R. F. R. Corpo, gênero e sexualidade.2004. Porto Alegre: Editora Mediação. Montessori, M. A criança.São Paulo: Editora Círculo do Livro. Rego, Teresa Cristina. Vigotsky: Uma perspectiva histórico-cultural da educação. 17ª edição, 1995. Rio de Janeiro: Editora Vozes. Vigotsky, L. S. A formação social da mente. 7ª Edição, 2007. São Paulo: Editora Martins Fontes. Winnicott, D.W. A criança e seu mundo. 6ª Edição, 1985. Rio de Janeiro: Zahar Editora. 9
  • 10. 10