SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br 
AULA 1
HOMILÉTICA 
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br 
O termo “homilética” tem sua raízes 
etimológicas em três palavras da cultura 
grega: 
•Homilos, que significa “multidão”, “turma”, 
“assembléia do povo” 
•Homilia, que significa “associação”,”companhia” 
•Homileo, que significa “falar”, “conversar”
HOMILÉTICA 
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br 
“A Homilética é a ciência da qual a arte é a pregação e cujo o produto é o 
sermão” 
BLACKWOOD 
“A Homilética é a ciência que ensina os princípios fundamentais do 
discurso em público, aplicados na proclamação e ensino da verdade 
divina em reuniões regulares congregadas para o culto divino” 
BROADUS 
“A adaptação da retórica às finalidades especiais e aos reclamos da 
prédica cristã” 
BENTON 
“A ciência que trata da análise, classificação, preparação e entrega de 
sermões” 
CHAMPLIN E BENTES 
“Retórica Sagrada” 
GOUVEIA Jr
HOMILÉTICA 
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br 
RETÓRICA: É a arte de falar bem para persuadir e convencer, nascida na 
Cecília no século V antes de Cristo e introduzida em Atenas, na Grécia 
onde ganhou força , principalmente com os Sofistas. 
“O objetivo da retórica é pela palavra, 
convencer os juízes no tribunal, os 
senadores no conselho, os Eclesiastes na 
assembleia e em todo outro ajuntamento 
onde congregarem cidadãos.” 
Górgeas 
A retórica grega abrangia as esferas políticas e judiciais, nada havia na esfera 
religiosa. Entre aqueles que se destacaram no estudo e desenvolvimento da 
retórica grega podemos citar: Górgeas, Córax, Sócrates, Platão e 
Demóstenes.
HOMILÉTICA 
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br 
ORATÓRIA: Foi desenvolvida pelos Romanos a partir da retórica 
grega, devido a grande influência da cultura grega sobre esta 
civilização. 
Assim como a retórica Grega a oratória Romana não abrangia 
a esfera religiosa. Entre aqueles que se destacaram no estudo e 
desenvolvimento da oratória Romana podemos citar: Cícero e 
Quintiliano.
HOMILÉTICA 
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br 
HOMLÉTICA: É a adoção de técnicas da retórica grega e da oratória 
romana na elaboração, e pregação dos sermões. 
As religiões pagãs e o Judaísmo, por serem exclusivistas, quase não se 
interessaram em aprimorar a arte do discurso. O Cristianismo 
devido ao seu teor evangelístico universal foi a religião que mais 
adotou o discurso em sua liturgia.
HOMILÉTICA 
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br 
A REJEIÇÃO: Os primeiros pregadores cristãos não se 
preocuparam com a Retórica clássica, por alguns motivos : 
1)Inicialmente eles queriam evangelizar os judeus e por isso preferiram 
utilizar a forma de pregação dos Rabinos judeus 
2)Qualquer tentativa de discurso com tendência helenística poderia 
dar margem para que rabinos judeus acusassem o cristianismo de ser 
um elemento desagregador da cultura judaica 
3)A grande maioria dos pregadores Cristãos rejeitavam a retórica grega 
com algumas exceções como Apolo de Alexandria e Paulo de Tarso. 
4)Havia um descrédito quanto a retórica por causa dos sofistas que 
utilizavam -na para ensinar não a verdade mas sim conceitos que foram 
pagos para convencer as pessoas
HOMILÉTICA 
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br 
A ACEITAÇÃO: Com o passar do tempo, a pregação cristã 
foi deixando seu caráter informal e foi se tornando mais 
elaborada, essa mudança se deu devido aos seguintes 
fatores: 
1)A disseminação do evangelho entre os gentios, onde a retórica gozava 
de grande prestígio. 
2)A conversão de homens que eram treinados na retórica e se tornaram 
pregadores. 
3)A ênfase na retórica no processo de ensino junto com a gramática e a 
matemática.
HOMILÉTICA 
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br 
Pregadores da patrística que foram fundamentais para elevar o nível 
das pregações na Igreja. 
Clemente de Alexandria (150 – 215), Tertuliano (150-215), Orígenes (185 
– 254), Lactâncio (240 -320), Cipriano (200-285), Basílio Mágno (330 
– 379), Crisóstomo (347 – 407), Gregório de Nissa (335 – 394), 
Ambrósio (340 – 397), Agostinho de Hipona (354 – 430).
HOMILÉTICA 
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br 
CARACTERÍSTICAS DO SERMÃO SEGUNDO AGOSTINHO 
INSTRUIR AGRADAR PERSUADIR 
docere delectare flectere
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Panorama do NT - Efésios
Panorama do NT - EfésiosPanorama do NT - Efésios
Panorama do NT - EfésiosRespirando Deus
 
Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus ipbmorrinhos
 
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2   A mensagem de HebreusAula 1 e 2   A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2 A mensagem de HebreusRicardo Gondim
 
Teologia I (Bibliologia e Teontologia)
Teologia I (Bibliologia e Teontologia)Teologia I (Bibliologia e Teontologia)
Teologia I (Bibliologia e Teontologia)Israel serique
 
Aula02 cristologia
Aula02 cristologiaAula02 cristologia
Aula02 cristologiaDanilo Lemos
 
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêuticahermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêuticaRODRIGO FERREIRA
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da FéWander Sousa
 
O Espírito Santo de Deus
O Espírito Santo de DeusO Espírito Santo de Deus
O Espírito Santo de DeusJosé Silva
 
Escatologia correntes escatológicas
Escatologia   correntes escatológicasEscatologia   correntes escatológicas
Escatologia correntes escatológicasJoao Franca
 
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na VerdadeLição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na VerdadeÉder Tomé
 
Teologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - CristologiaTeologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - CristologiaGcom digital factory
 
O propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituaisO propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituaisMoisés Sampaio
 

Mais procurados (20)

Panorama do NT - Efésios
Panorama do NT - EfésiosPanorama do NT - Efésios
Panorama do NT - Efésios
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
 
Angelologia
AngelologiaAngelologia
Angelologia
 
Doutrina de deus
Doutrina de deusDoutrina de deus
Doutrina de deus
 
Homiletica
HomileticaHomiletica
Homiletica
 
Homilética I Itaporanga
Homilética I ItaporangaHomilética I Itaporanga
Homilética I Itaporanga
 
Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus
 
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2   A mensagem de HebreusAula 1 e 2   A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
 
Teologia I (Bibliologia e Teontologia)
Teologia I (Bibliologia e Teontologia)Teologia I (Bibliologia e Teontologia)
Teologia I (Bibliologia e Teontologia)
 
LBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristã
LBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristãLBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristã
LBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristã
 
Aula02 cristologia
Aula02 cristologiaAula02 cristologia
Aula02 cristologia
 
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêuticahermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da Fé
 
O Espírito Santo de Deus
O Espírito Santo de DeusO Espírito Santo de Deus
O Espírito Santo de Deus
 
Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3
 
Escatologia correntes escatológicas
Escatologia   correntes escatológicasEscatologia   correntes escatológicas
Escatologia correntes escatológicas
 
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na VerdadeLição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
 
05 homiletica
05 homiletica05 homiletica
05 homiletica
 
Teologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - CristologiaTeologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - Cristologia
 
O propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituaisO propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituais
 

Destaque

Curso basico e pratico de homiletica
Curso basico e pratico de homileticaCurso basico e pratico de homiletica
Curso basico e pratico de homileticaSimão Paulo Chinoca
 
Curso de homiletica
Curso de homileticaCurso de homiletica
Curso de homileticaBispo35
 
Como preparar e apresentar seu sermão
Como preparar e apresentar seu sermãoComo preparar e apresentar seu sermão
Como preparar e apresentar seu sermãoPaulo Dias Nogueira
 
Como preparar uma pregação
Como preparar uma pregaçãoComo preparar uma pregação
Como preparar uma pregaçãoAlípio Vallim
 
Relatorio de celula 071012
Relatorio de celula 071012Relatorio de celula 071012
Relatorio de celula 071012talmidimted
 
Fotossíntese - Prof Raphael
Fotossíntese - Prof RaphaelFotossíntese - Prof Raphael
Fotossíntese - Prof Raphaelguestadaf2f2
 
Lição 11 a superexposição midiática da igreja ebd
Lição 11 a superexposição midiática da igreja ebdLição 11 a superexposição midiática da igreja ebd
Lição 11 a superexposição midiática da igreja ebdNayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 4 a era da informação instantânea - ebd
Lição 4   a era da informação instantânea - ebdLição 4   a era da informação instantânea - ebd
Lição 4 a era da informação instantânea - ebdNayara Mayla Brito Damasceno
 
A verdadeira sabedoria se manifesta na prática
A verdadeira sabedoria se manifesta na práticaA verdadeira sabedoria se manifesta na prática
A verdadeira sabedoria se manifesta na práticaAdenísio dos Reis
 
Lição 40 O perigo das obras da carne
Lição 40   O perigo das obras da carneLição 40   O perigo das obras da carne
Lição 40 O perigo das obras da carneWander Sousa
 
O CaráTer De Um Lar CristãO
O CaráTer De Um Lar CristãOO CaráTer De Um Lar CristãO
O CaráTer De Um Lar CristãOFlavio Brim
 

Destaque (20)

Curso basico e pratico de homiletica
Curso basico e pratico de homileticaCurso basico e pratico de homiletica
Curso basico e pratico de homiletica
 
Curso de homiletica
Curso de homileticaCurso de homiletica
Curso de homiletica
 
Tipos de sermões
Tipos de sermõesTipos de sermões
Tipos de sermões
 
Como preparar e apresentar seu sermão
Como preparar e apresentar seu sermãoComo preparar e apresentar seu sermão
Como preparar e apresentar seu sermão
 
Homilética aula 2
Homilética aula 2Homilética aula 2
Homilética aula 2
 
Homiética prática
Homiética práticaHomiética prática
Homiética prática
 
Como preparar uma pregação
Como preparar uma pregaçãoComo preparar uma pregação
Como preparar uma pregação
 
Relatorio de celula 071012
Relatorio de celula 071012Relatorio de celula 071012
Relatorio de celula 071012
 
Fotossíntese - Prof Raphael
Fotossíntese - Prof RaphaelFotossíntese - Prof Raphael
Fotossíntese - Prof Raphael
 
O diaconato lição 12
O diaconato lição 12O diaconato lição 12
O diaconato lição 12
 
Lição 11 a superexposição midiática da igreja ebd
Lição 11 a superexposição midiática da igreja ebdLição 11 a superexposição midiática da igreja ebd
Lição 11 a superexposição midiática da igreja ebd
 
Lição 4 a era da informação instantânea - ebd
Lição 4   a era da informação instantânea - ebdLição 4   a era da informação instantânea - ebd
Lição 4 a era da informação instantânea - ebd
 
A verdadeira sabedoria se manifesta na prática
A verdadeira sabedoria se manifesta na práticaA verdadeira sabedoria se manifesta na prática
A verdadeira sabedoria se manifesta na prática
 
Aula 2 homilética
Aula 2 homiléticaAula 2 homilética
Aula 2 homilética
 
Aula 4 homilética
Aula 4 homiléticaAula 4 homilética
Aula 4 homilética
 
Homilética I - M4
Homilética I - M4Homilética I - M4
Homilética I - M4
 
Aula 5 homilética
Aula 5 homiléticaAula 5 homilética
Aula 5 homilética
 
Lição 40 O perigo das obras da carne
Lição 40   O perigo das obras da carneLição 40   O perigo das obras da carne
Lição 40 O perigo das obras da carne
 
Escolas da teologia parte nayara
Escolas da teologia   parte nayaraEscolas da teologia   parte nayara
Escolas da teologia parte nayara
 
O CaráTer De Um Lar CristãO
O CaráTer De Um Lar CristãOO CaráTer De Um Lar CristãO
O CaráTer De Um Lar CristãO
 

Semelhante a Homilética introdução

homiltica proclamada.pdf
homiltica proclamada.pdfhomiltica proclamada.pdf
homiltica proclamada.pdfrafaellemos86
 
el_-_teologia_fundamental_-teologia_i.pdf
el_-_teologia_fundamental_-teologia_i.pdfel_-_teologia_fundamental_-teologia_i.pdf
el_-_teologia_fundamental_-teologia_i.pdfEvanildoCarvalho
 
Glossolalia, símbolo de poder na igreja de Corinto
Glossolalia, símbolo de poder na igreja de CorintoGlossolalia, símbolo de poder na igreja de Corinto
Glossolalia, símbolo de poder na igreja de CorintoIsrael serique
 
Comunicacao religioso - Homilia
Comunicacao religioso - HomiliaComunicacao religioso - Homilia
Comunicacao religioso - HomiliaBernadetecebs .
 
1 Hermenêutica - Definição e Desenvolvimento Histórico.pdf
1 Hermenêutica -  Definição e Desenvolvimento Histórico.pdf1 Hermenêutica -  Definição e Desenvolvimento Histórico.pdf
1 Hermenêutica - Definição e Desenvolvimento Histórico.pdfRecepoNPJ
 
Estudo sobre o verdadeiro significado bíblico do Inferno
Estudo sobre o verdadeiro significado bíblico do InfernoEstudo sobre o verdadeiro significado bíblico do Inferno
Estudo sobre o verdadeiro significado bíblico do InfernoRicardo Nakashima
 
Artigo evidências históricas da fé cristã
Artigo   evidências históricas da fé cristãArtigo   evidências históricas da fé cristã
Artigo evidências históricas da fé cristãIsrael serique
 
Filosofia medieval e cristianismo
Filosofia medieval e cristianismoFilosofia medieval e cristianismo
Filosofia medieval e cristianismoKeiler Vasconcelos
 
_Apostila_Modulo_424_Apostila_INTRODUÇÃO A TEOLOGIA.pdf
_Apostila_Modulo_424_Apostila_INTRODUÇÃO A TEOLOGIA.pdf_Apostila_Modulo_424_Apostila_INTRODUÇÃO A TEOLOGIA.pdf
_Apostila_Modulo_424_Apostila_INTRODUÇÃO A TEOLOGIA.pdfARTVALE
 
Platonismo e cristianismo: Irreconciabilidade radical ou elementos comuns?
Platonismo e cristianismo: Irreconciabilidade radical ou elementos comuns?Platonismo e cristianismo: Irreconciabilidade radical ou elementos comuns?
Platonismo e cristianismo: Irreconciabilidade radical ou elementos comuns?Pr. Régerson Molitor
 

Semelhante a Homilética introdução (20)

homiltica proclamada.pdf
homiltica proclamada.pdfhomiltica proclamada.pdf
homiltica proclamada.pdf
 
Homilética I - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
Homilética I - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAHomilética I - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
Homilética I - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
 
REFLEXÕES E INFORMAÇÕES
REFLEXÕES E INFORMAÇÕESREFLEXÕES E INFORMAÇÕES
REFLEXÕES E INFORMAÇÕES
 
HOMILÉTICA (1).pptx
HOMILÉTICA (1).pptxHOMILÉTICA (1).pptx
HOMILÉTICA (1).pptx
 
HOMILÉTICA
HOMILÉTICA HOMILÉTICA
HOMILÉTICA
 
Sofistas
SofistasSofistas
Sofistas
 
Apostila de homilética
Apostila de homiléticaApostila de homilética
Apostila de homilética
 
el_-_teologia_fundamental_-teologia_i.pdf
el_-_teologia_fundamental_-teologia_i.pdfel_-_teologia_fundamental_-teologia_i.pdf
el_-_teologia_fundamental_-teologia_i.pdf
 
Comunicação 2009
Comunicação 2009Comunicação 2009
Comunicação 2009
 
Glossolalia, símbolo de poder na igreja de Corinto
Glossolalia, símbolo de poder na igreja de CorintoGlossolalia, símbolo de poder na igreja de Corinto
Glossolalia, símbolo de poder na igreja de Corinto
 
Comunicacao religioso - Homilia
Comunicacao religioso - HomiliaComunicacao religioso - Homilia
Comunicacao religioso - Homilia
 
1 Hermenêutica - Definição e Desenvolvimento Histórico.pdf
1 Hermenêutica -  Definição e Desenvolvimento Histórico.pdf1 Hermenêutica -  Definição e Desenvolvimento Histórico.pdf
1 Hermenêutica - Definição e Desenvolvimento Histórico.pdf
 
Estudo sobre o verdadeiro significado bíblico do Inferno
Estudo sobre o verdadeiro significado bíblico do InfernoEstudo sobre o verdadeiro significado bíblico do Inferno
Estudo sobre o verdadeiro significado bíblico do Inferno
 
Artigo evidências históricas da fé cristã
Artigo   evidências históricas da fé cristãArtigo   evidências históricas da fé cristã
Artigo evidências históricas da fé cristã
 
Filosofia medieval e cristianismo
Filosofia medieval e cristianismoFilosofia medieval e cristianismo
Filosofia medieval e cristianismo
 
Concepções filosóficas i
Concepções filosóficas iConcepções filosóficas i
Concepções filosóficas i
 
_Apostila_Modulo_424_Apostila_INTRODUÇÃO A TEOLOGIA.pdf
_Apostila_Modulo_424_Apostila_INTRODUÇÃO A TEOLOGIA.pdf_Apostila_Modulo_424_Apostila_INTRODUÇÃO A TEOLOGIA.pdf
_Apostila_Modulo_424_Apostila_INTRODUÇÃO A TEOLOGIA.pdf
 
Platonismo e cristianismo: Irreconciabilidade radical ou elementos comuns?
Platonismo e cristianismo: Irreconciabilidade radical ou elementos comuns?Platonismo e cristianismo: Irreconciabilidade radical ou elementos comuns?
Platonismo e cristianismo: Irreconciabilidade radical ou elementos comuns?
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
HERMENÊUTICA E HOMILÉTICA (AULA 03 - BÁSICO - IBADEP)
HERMENÊUTICA E HOMILÉTICA (AULA 03 - BÁSICO - IBADEP)HERMENÊUTICA E HOMILÉTICA (AULA 03 - BÁSICO - IBADEP)
HERMENÊUTICA E HOMILÉTICA (AULA 03 - BÁSICO - IBADEP)
 

Mais de Carlos Alexandre Ribeiro Dorte

Aula de características gerais dos seres vivos ensino médio
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médioAula de características gerais dos seres vivos ensino médio
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médioCarlos Alexandre Ribeiro Dorte
 

Mais de Carlos Alexandre Ribeiro Dorte (20)

1° trimestre 2018 lição 8 pr. carlos alexandre
1° trimestre 2018 lição 8 pr. carlos alexandre1° trimestre 2018 lição 8 pr. carlos alexandre
1° trimestre 2018 lição 8 pr. carlos alexandre
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
4° trimestre 2017 lição 12 pr. carlos alexandre
4° trimestre 2017 lição 12 pr. carlos alexandre4° trimestre 2017 lição 12 pr. carlos alexandre
4° trimestre 2017 lição 12 pr. carlos alexandre
 
Correção de exercícios (Répteis) 7° ano APOEMA
Correção de exercícios (Répteis) 7° ano APOEMACorreção de exercícios (Répteis) 7° ano APOEMA
Correção de exercícios (Répteis) 7° ano APOEMA
 
Cristologia
CristologiaCristologia
Cristologia
 
Subsídio da lição 5 adultos
Subsídio da lição 5 adultosSubsídio da lição 5 adultos
Subsídio da lição 5 adultos
 
Subsídio da lição 3 juvenis
Subsídio da lição 3 juvenisSubsídio da lição 3 juvenis
Subsídio da lição 3 juvenis
 
Lição 1 juvenis 3° trimestre 2017
Lição 1 juvenis 3° trimestre 2017Lição 1 juvenis 3° trimestre 2017
Lição 1 juvenis 3° trimestre 2017
 
Fermentação
FermentaçãoFermentação
Fermentação
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
 
Noite astronômica
Noite astronômicaNoite astronômica
Noite astronômica
 
Eclesiastes
EclesiastesEclesiastes
Eclesiastes
 
Cantares
CantaresCantares
Cantares
 
Provérbios
ProvérbiosProvérbios
Provérbios
 
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médio
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médioAula de características gerais dos seres vivos ensino médio
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médio
 
Introdução a teologia aula 4
Introdução a teologia aula 4Introdução a teologia aula 4
Introdução a teologia aula 4
 
Introdução a teologia aula 3
Introdução a teologia aula 3Introdução a teologia aula 3
Introdução a teologia aula 3
 
Introdução a teologia aula 2
Introdução a teologia aula 2Introdução a teologia aula 2
Introdução a teologia aula 2
 
Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia aula 1Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia aula 1
 
História e os objetivos da escola bíblica dominical
História e os objetivos da escola bíblica dominicalHistória e os objetivos da escola bíblica dominical
História e os objetivos da escola bíblica dominical
 

Último

Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadofreivalentimpesente
 
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).natzarimdonorte
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .natzarimdonorte
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequeseanamdp2004
 
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............Nelson Pereira
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfnatzarimdonorte
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EMicheleRosa39
 
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos viniciusTaoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos viniciusVini Master
 
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 199ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19PIB Penha
 
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaSérie: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaDenisRocha28
 

Último (12)

Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significado
 
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
 
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
 
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos viniciusTaoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
 
Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Mediunidade e Obsessão - Doutrina EspíritaMediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
 
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.pptFluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
 
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 199ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
 
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaSérie: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
 

Homilética introdução

  • 1. Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br AULA 1
  • 2. HOMILÉTICA Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br O termo “homilética” tem sua raízes etimológicas em três palavras da cultura grega: •Homilos, que significa “multidão”, “turma”, “assembléia do povo” •Homilia, que significa “associação”,”companhia” •Homileo, que significa “falar”, “conversar”
  • 3. HOMILÉTICA Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br “A Homilética é a ciência da qual a arte é a pregação e cujo o produto é o sermão” BLACKWOOD “A Homilética é a ciência que ensina os princípios fundamentais do discurso em público, aplicados na proclamação e ensino da verdade divina em reuniões regulares congregadas para o culto divino” BROADUS “A adaptação da retórica às finalidades especiais e aos reclamos da prédica cristã” BENTON “A ciência que trata da análise, classificação, preparação e entrega de sermões” CHAMPLIN E BENTES “Retórica Sagrada” GOUVEIA Jr
  • 4. HOMILÉTICA Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br RETÓRICA: É a arte de falar bem para persuadir e convencer, nascida na Cecília no século V antes de Cristo e introduzida em Atenas, na Grécia onde ganhou força , principalmente com os Sofistas. “O objetivo da retórica é pela palavra, convencer os juízes no tribunal, os senadores no conselho, os Eclesiastes na assembleia e em todo outro ajuntamento onde congregarem cidadãos.” Górgeas A retórica grega abrangia as esferas políticas e judiciais, nada havia na esfera religiosa. Entre aqueles que se destacaram no estudo e desenvolvimento da retórica grega podemos citar: Górgeas, Córax, Sócrates, Platão e Demóstenes.
  • 5. HOMILÉTICA Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br ORATÓRIA: Foi desenvolvida pelos Romanos a partir da retórica grega, devido a grande influência da cultura grega sobre esta civilização. Assim como a retórica Grega a oratória Romana não abrangia a esfera religiosa. Entre aqueles que se destacaram no estudo e desenvolvimento da oratória Romana podemos citar: Cícero e Quintiliano.
  • 6. HOMILÉTICA Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br HOMLÉTICA: É a adoção de técnicas da retórica grega e da oratória romana na elaboração, e pregação dos sermões. As religiões pagãs e o Judaísmo, por serem exclusivistas, quase não se interessaram em aprimorar a arte do discurso. O Cristianismo devido ao seu teor evangelístico universal foi a religião que mais adotou o discurso em sua liturgia.
  • 7. HOMILÉTICA Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br A REJEIÇÃO: Os primeiros pregadores cristãos não se preocuparam com a Retórica clássica, por alguns motivos : 1)Inicialmente eles queriam evangelizar os judeus e por isso preferiram utilizar a forma de pregação dos Rabinos judeus 2)Qualquer tentativa de discurso com tendência helenística poderia dar margem para que rabinos judeus acusassem o cristianismo de ser um elemento desagregador da cultura judaica 3)A grande maioria dos pregadores Cristãos rejeitavam a retórica grega com algumas exceções como Apolo de Alexandria e Paulo de Tarso. 4)Havia um descrédito quanto a retórica por causa dos sofistas que utilizavam -na para ensinar não a verdade mas sim conceitos que foram pagos para convencer as pessoas
  • 8. HOMILÉTICA Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br A ACEITAÇÃO: Com o passar do tempo, a pregação cristã foi deixando seu caráter informal e foi se tornando mais elaborada, essa mudança se deu devido aos seguintes fatores: 1)A disseminação do evangelho entre os gentios, onde a retórica gozava de grande prestígio. 2)A conversão de homens que eram treinados na retórica e se tornaram pregadores. 3)A ênfase na retórica no processo de ensino junto com a gramática e a matemática.
  • 9. HOMILÉTICA Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br Pregadores da patrística que foram fundamentais para elevar o nível das pregações na Igreja. Clemente de Alexandria (150 – 215), Tertuliano (150-215), Orígenes (185 – 254), Lactâncio (240 -320), Cipriano (200-285), Basílio Mágno (330 – 379), Crisóstomo (347 – 407), Gregório de Nissa (335 – 394), Ambrósio (340 – 397), Agostinho de Hipona (354 – 430).
  • 10. HOMILÉTICA Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br CARACTERÍSTICAS DO SERMÃO SEGUNDO AGOSTINHO INSTRUIR AGRADAR PERSUADIR docere delectare flectere
  • 11. Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br