SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br 
AULA 2
HOMILÉTICA 
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br 
Na Reforma Protestante do Século XVI, a Igreja foi compreendida na perspectiva 
de “povo de Deus”, não simplesmente como um edifício ou organização 
institucional, mas sim, como povo de Deus que se reúne para adorar a Deus, sendo 
a igreja caracterizada pela ministração da Palavra e dos Sacramentos. 
CALVINO 
“A preparação da pregação deve ser o dever primordial do pastor” 
KARL BARTH 
“Aquele que prega deve ter consciência de que o púlpito não é o lugar para 
exercitar opiniões pessoais e subjetivas, mas sim para Pregar a palavra. 
AGOSTINHO 
“nada é mais característico do Protestantismo do que a importância que ele dá à 
pregação” 
WHILHELM PAUCK
HOMILÉTICA 
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br 
A prática homilética desse movimento se notabilizou pela realocação dos púlpitos 
para as praças e outros lugares públicos fora das fronteiras eclesiásticas. Também 
o auditório seleto dos templos foi substituído pela massa excluída pela igreja 
oficial. A pregação passou a ser dirigida aos pobres, aos trabalhadores das minas, 
aos escravos, aos prisioneiros, aos desempregados, e à multidão que vagava pelas 
ruas em busca de esperança e do pão cotidiano 
LUIZ CARLOS RAMOS 
“Trata-se, portanto de uma pregação apologética marcada por disputas teológicas 
e controvérsias doutrinárias, tanto por parte da igreja romana como das 
protestantes — uma enfática guerra de ortodoxias. 
ROSE
HOMILÉTICA 
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br 
A pregação no tempo das missões: uma homilética conversionista e 
estrangeira: Os séculos XIX e XX ficaram marcados, pelo menos nas igrejas 
protestantes, pela obra missionária estrangeira mundial. Tanto o movimento 
missionário como o filantrópico do princípio do século XIX foram resultado do 
avivamento evangélico deflagrado pela geração de John Wesley 
“A prática homilética experimentada nesse período não ficou indiferente e 
engajou-se igualmente colocando seu produto, isto é, suas prédicas, a serviço das 
revoluções ou das contra-revoluções. Desse período, merecem ser destacadas, 
além da tradicional, as propostas homiléticas dos setores progressistas da igreja, 
além da dos movimentos carismático-pentecostais e, mais recentemente, dos 
neopentecostais com suas incursões pela mídia. Podemos, assim, distinguir 
didaticamente umahomilética das libertações, uma homilética dos carismas e 
uma homilética das mídias.
HOMILÉTICA 
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br 
O que se tem são homiléticas. Em cada época, o discurso religioso procurou 
cumprir seu papel da maneira que julgava ser a mais adequada, influenciando e 
sendo influenciado por seu tempo. Naturalmente, as gerações homiléticas 
sucessoras ora se sentiam herdeiras das anteriores, ora as rejeitavam como filhas 
rebeldes. Mas de uma forma ou de outra, não puderam se livrar completamente de 
suas influências e de suas raízes.
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br
Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte 
professorcarlosdorte@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teologia bíblica de missões aplicada
Teologia bíblica de missões aplicadaTeologia bíblica de missões aplicada
Teologia bíblica de missões aplicadaPastorEnoch
 
4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhos4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhostomdeamor
 
24 -bel_teologia_missiologia
24  -bel_teologia_missiologia24  -bel_teologia_missiologia
24 -bel_teologia_missiologiaNelsonm Mello
 
2 atos e o avanco do evangelho - 2 aula
2   atos e o avanco do evangelho - 2 aula2   atos e o avanco do evangelho - 2 aula
2 atos e o avanco do evangelho - 2 aulaPIB Penha
 
Apostila auxiliar de estudos a evolução do cristianismo até o espiritismo ...
Apostila auxiliar de estudos    a evolução do cristianismo até o espiritismo ...Apostila auxiliar de estudos    a evolução do cristianismo até o espiritismo ...
Apostila auxiliar de estudos a evolução do cristianismo até o espiritismo ...Marcílio Pereira
 
Texto 1 introducao-a_teologia_da_missao
Texto 1 introducao-a_teologia_da_missaoTexto 1 introducao-a_teologia_da_missao
Texto 1 introducao-a_teologia_da_missaoVinicio Pacifico
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIACoop. Fabio Silva
 
Apostila teologia-biblica-de-missoes
Apostila teologia-biblica-de-missoesApostila teologia-biblica-de-missoes
Apostila teologia-biblica-de-missoesCaetan Capellan
 
8 natureza e missão da teologia
8 natureza e missão da teologia8 natureza e missão da teologia
8 natureza e missão da teologiafaculdadeteologica
 
Teologia sistematica (Stanley Horton)
Teologia sistematica (Stanley Horton)Teologia sistematica (Stanley Horton)
Teologia sistematica (Stanley Horton)Andréia Eufrazio
 
A teologia do apóstolo paulo
A teologia do apóstolo pauloA teologia do apóstolo paulo
A teologia do apóstolo pauloTHiago Bit
 
Historia da teologia_biblica-slides
Historia da teologia_biblica-slidesHistoria da teologia_biblica-slides
Historia da teologia_biblica-slidesTarcísio Picaglia
 

Mais procurados (19)

Missiologia
MissiologiaMissiologia
Missiologia
 
Teologia bíblica de missões aplicada
Teologia bíblica de missões aplicadaTeologia bíblica de missões aplicada
Teologia bíblica de missões aplicada
 
4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhos4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhos
 
24 -bel_teologia_missiologia
24  -bel_teologia_missiologia24  -bel_teologia_missiologia
24 -bel_teologia_missiologia
 
2 atos e o avanco do evangelho - 2 aula
2   atos e o avanco do evangelho - 2 aula2   atos e o avanco do evangelho - 2 aula
2 atos e o avanco do evangelho - 2 aula
 
Apostila auxiliar de estudos a evolução do cristianismo até o espiritismo ...
Apostila auxiliar de estudos    a evolução do cristianismo até o espiritismo ...Apostila auxiliar de estudos    a evolução do cristianismo até o espiritismo ...
Apostila auxiliar de estudos a evolução do cristianismo até o espiritismo ...
 
7 teologia da missão
7 teologia da missão7 teologia da missão
7 teologia da missão
 
05 homiletica
05 homiletica05 homiletica
05 homiletica
 
2 teologia da m issão
2 teologia da m issão2 teologia da m issão
2 teologia da m issão
 
Texto 1 introducao-a_teologia_da_missao
Texto 1 introducao-a_teologia_da_missaoTexto 1 introducao-a_teologia_da_missao
Texto 1 introducao-a_teologia_da_missao
 
31
31 31
31
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
 
11
1111
11
 
Apostila teologia-biblica-de-missoes
Apostila teologia-biblica-de-missoesApostila teologia-biblica-de-missoes
Apostila teologia-biblica-de-missoes
 
8 natureza e missão da teologia
8 natureza e missão da teologia8 natureza e missão da teologia
8 natureza e missão da teologia
 
Teologia sistematica (Stanley Horton)
Teologia sistematica (Stanley Horton)Teologia sistematica (Stanley Horton)
Teologia sistematica (Stanley Horton)
 
18
18 18
18
 
A teologia do apóstolo paulo
A teologia do apóstolo pauloA teologia do apóstolo paulo
A teologia do apóstolo paulo
 
Historia da teologia_biblica-slides
Historia da teologia_biblica-slidesHistoria da teologia_biblica-slides
Historia da teologia_biblica-slides
 

Destaque (20)

Curso basico e pratico de homiletica
Curso basico e pratico de homileticaCurso basico e pratico de homiletica
Curso basico e pratico de homiletica
 
Tipos de sermões
Tipos de sermõesTipos de sermões
Tipos de sermões
 
Como preparar e apresentar seu sermão
Como preparar e apresentar seu sermãoComo preparar e apresentar seu sermão
Como preparar e apresentar seu sermão
 
Aula 2 homilética
Aula 2 homiléticaAula 2 homilética
Aula 2 homilética
 
Aula 4 homilética
Aula 4 homiléticaAula 4 homilética
Aula 4 homilética
 
Homilética I - M4
Homilética I - M4Homilética I - M4
Homilética I - M4
 
Aula 5 homilética
Aula 5 homiléticaAula 5 homilética
Aula 5 homilética
 
Aula ieb (1)
Aula ieb (1)Aula ieb (1)
Aula ieb (1)
 
REFLEXÕES E INFORMAÇÕES
REFLEXÕES E INFORMAÇÕESREFLEXÕES E INFORMAÇÕES
REFLEXÕES E INFORMAÇÕES
 
Homilética
Homilética Homilética
Homilética
 
Slide show modulo iv
Slide show   modulo ivSlide show   modulo iv
Slide show modulo iv
 
Homiletica
HomileticaHomiletica
Homiletica
 
Homiética prática
Homiética práticaHomiética prática
Homiética prática
 
Aula 1 homilética
Aula 1 homiléticaAula 1 homilética
Aula 1 homilética
 
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médio
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médioAula de características gerais dos seres vivos ensino médio
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médio
 
Evangélico samuel nelson - esboços de samuel nelson cpad
Evangélico   samuel nelson - esboços de samuel nelson cpadEvangélico   samuel nelson - esboços de samuel nelson cpad
Evangélico samuel nelson - esboços de samuel nelson cpad
 
Curso de homiletica
Curso de homileticaCurso de homiletica
Curso de homiletica
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
 
Eclesiastes
EclesiastesEclesiastes
Eclesiastes
 
Evangélico orlando boyer - 150 estudos e mensagens de orlando boyer cpad
Evangélico   orlando boyer - 150 estudos e mensagens de orlando boyer cpadEvangélico   orlando boyer - 150 estudos e mensagens de orlando boyer cpad
Evangélico orlando boyer - 150 estudos e mensagens de orlando boyer cpad
 

Semelhante a Homilética aula 2

Reforma protestante um resumo dos principais movimentos
Reforma protestante   um resumo dos principais movimentosReforma protestante   um resumo dos principais movimentos
Reforma protestante um resumo dos principais movimentosCarlos132Silva
 
A História da Igreja Presbiteriana no Brasil
A História da Igreja Presbiteriana no BrasilA História da Igreja Presbiteriana no Brasil
A História da Igreja Presbiteriana no BrasilJocarli Junior
 
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro   Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro Paulo Dias Nogueira
 
Protestantismo E Reforma Protestante
Protestantismo E Reforma ProtestanteProtestantismo E Reforma Protestante
Protestantismo E Reforma ProtestanteAlexandre Santos
 
O movimento pentecostal
O movimento pentecostalO movimento pentecostal
O movimento pentecostaljoabs
 
Quinta aula do stnb - A Igreja em Missão
Quinta aula do stnb  - A Igreja em MissãoQuinta aula do stnb  - A Igreja em Missão
Quinta aula do stnb - A Igreja em Missãossuser54efaa
 
A secularizacao da igreja
A secularizacao da igrejaA secularizacao da igreja
A secularizacao da igrejaIPB706Sul
 
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_bonino
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_boninoTexto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_bonino
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_boninoVinicio Pacifico
 
Idade média hist e filos da educação 2
Idade média hist e filos da educação 2Idade média hist e filos da educação 2
Idade média hist e filos da educação 2Alt Bandeira
 
08 ramificacoes cristas
08 ramificacoes cristas08 ramificacoes cristas
08 ramificacoes cristasLuiza Dayana
 
Contra-Reforma Religiosa - Prof.Altair Aguilar
Contra-Reforma Religiosa - Prof.Altair AguilarContra-Reforma Religiosa - Prof.Altair Aguilar
Contra-Reforma Religiosa - Prof.Altair AguilarAltair Moisés Aguilar
 
Trabalho escrito final
Trabalho escrito finalTrabalho escrito final
Trabalho escrito finalbfp1997
 
Cultura do Palácio (parte 2)
Cultura do Palácio (parte 2)Cultura do Palácio (parte 2)
Cultura do Palácio (parte 2)Beatriz Mariano
 
Cultura do Palácio (parte 1)
Cultura do Palácio (parte 1)Cultura do Palácio (parte 1)
Cultura do Palácio (parte 1)Beatriz Mariano
 
História da Igreja II: Aula 10: Movimentos Espiritualistas pós-Wesley
História da Igreja II: Aula 10: Movimentos Espiritualistas pós-WesleyHistória da Igreja II: Aula 10: Movimentos Espiritualistas pós-Wesley
História da Igreja II: Aula 10: Movimentos Espiritualistas pós-WesleyAndre Nascimento
 

Semelhante a Homilética aula 2 (20)

Reforma protestante um resumo dos principais movimentos
Reforma protestante   um resumo dos principais movimentosReforma protestante   um resumo dos principais movimentos
Reforma protestante um resumo dos principais movimentos
 
A História da Igreja Presbiteriana no Brasil
A História da Igreja Presbiteriana no BrasilA História da Igreja Presbiteriana no Brasil
A História da Igreja Presbiteriana no Brasil
 
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro   Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
 
Protestantismo E Reforma Protestante
Protestantismo E Reforma ProtestanteProtestantismo E Reforma Protestante
Protestantismo E Reforma Protestante
 
O movimento pentecostal
O movimento pentecostalO movimento pentecostal
O movimento pentecostal
 
Quinta aula do stnb - A Igreja em Missão
Quinta aula do stnb  - A Igreja em MissãoQuinta aula do stnb  - A Igreja em Missão
Quinta aula do stnb - A Igreja em Missão
 
A secularizacao da igreja
A secularizacao da igrejaA secularizacao da igreja
A secularizacao da igreja
 
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_bonino
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_boninoTexto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_bonino
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_bonino
 
Idade média hist e filos da educação 2
Idade média hist e filos da educação 2Idade média hist e filos da educação 2
Idade média hist e filos da educação 2
 
08 ramificacoes cristas
08 ramificacoes cristas08 ramificacoes cristas
08 ramificacoes cristas
 
Contra-Reforma Religiosa - Prof.Altair Aguilar
Contra-Reforma Religiosa - Prof.Altair AguilarContra-Reforma Religiosa - Prof.Altair Aguilar
Contra-Reforma Religiosa - Prof.Altair Aguilar
 
Idade media licao 3
Idade media licao 3Idade media licao 3
Idade media licao 3
 
Trabalho escrito final
Trabalho escrito finalTrabalho escrito final
Trabalho escrito final
 
Reformas Religiosas
Reformas Religiosas Reformas Religiosas
Reformas Religiosas
 
A Igreja e a Reforma
A Igreja e a ReformaA Igreja e a Reforma
A Igreja e a Reforma
 
Cultura do Palácio (parte 2)
Cultura do Palácio (parte 2)Cultura do Palácio (parte 2)
Cultura do Palácio (parte 2)
 
Cultura do Palácio (parte 1)
Cultura do Palácio (parte 1)Cultura do Palácio (parte 1)
Cultura do Palácio (parte 1)
 
2 sidney de_moraes_sanches
2 sidney de_moraes_sanches2 sidney de_moraes_sanches
2 sidney de_moraes_sanches
 
História da Igreja II: Aula 10: Movimentos Espiritualistas pós-Wesley
História da Igreja II: Aula 10: Movimentos Espiritualistas pós-WesleyHistória da Igreja II: Aula 10: Movimentos Espiritualistas pós-Wesley
História da Igreja II: Aula 10: Movimentos Espiritualistas pós-Wesley
 
A Reforma Protestante
A  Reforma  ProtestanteA  Reforma  Protestante
A Reforma Protestante
 

Mais de Carlos Alexandre Ribeiro Dorte

Mais de Carlos Alexandre Ribeiro Dorte (20)

1° trimestre 2018 lição 8 pr. carlos alexandre
1° trimestre 2018 lição 8 pr. carlos alexandre1° trimestre 2018 lição 8 pr. carlos alexandre
1° trimestre 2018 lição 8 pr. carlos alexandre
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
4° trimestre 2017 lição 12 pr. carlos alexandre
4° trimestre 2017 lição 12 pr. carlos alexandre4° trimestre 2017 lição 12 pr. carlos alexandre
4° trimestre 2017 lição 12 pr. carlos alexandre
 
Correção de exercícios (Répteis) 7° ano APOEMA
Correção de exercícios (Répteis) 7° ano APOEMACorreção de exercícios (Répteis) 7° ano APOEMA
Correção de exercícios (Répteis) 7° ano APOEMA
 
Cristologia
CristologiaCristologia
Cristologia
 
Subsídio da lição 5 adultos
Subsídio da lição 5 adultosSubsídio da lição 5 adultos
Subsídio da lição 5 adultos
 
Subsídio da lição 3 juvenis
Subsídio da lição 3 juvenisSubsídio da lição 3 juvenis
Subsídio da lição 3 juvenis
 
Lição 1 juvenis 3° trimestre 2017
Lição 1 juvenis 3° trimestre 2017Lição 1 juvenis 3° trimestre 2017
Lição 1 juvenis 3° trimestre 2017
 
Fermentação
FermentaçãoFermentação
Fermentação
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
 
Noite astronômica
Noite astronômicaNoite astronômica
Noite astronômica
 
Cantares
CantaresCantares
Cantares
 
Provérbios
ProvérbiosProvérbios
Provérbios
 
Introdução a teologia aula 4
Introdução a teologia aula 4Introdução a teologia aula 4
Introdução a teologia aula 4
 
Introdução a teologia aula 3
Introdução a teologia aula 3Introdução a teologia aula 3
Introdução a teologia aula 3
 
Introdução a teologia aula 2
Introdução a teologia aula 2Introdução a teologia aula 2
Introdução a teologia aula 2
 
Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia aula 1Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia aula 1
 
História e os objetivos da escola bíblica dominical
História e os objetivos da escola bíblica dominicalHistória e os objetivos da escola bíblica dominical
História e os objetivos da escola bíblica dominical
 
Aula de características gerais dos seres vivos
Aula de características gerais dos seres vivosAula de características gerais dos seres vivos
Aula de características gerais dos seres vivos
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
A origem da vida
 

Último

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 

Homilética aula 2

  • 1. Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br AULA 2
  • 2. HOMILÉTICA Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br Na Reforma Protestante do Século XVI, a Igreja foi compreendida na perspectiva de “povo de Deus”, não simplesmente como um edifício ou organização institucional, mas sim, como povo de Deus que se reúne para adorar a Deus, sendo a igreja caracterizada pela ministração da Palavra e dos Sacramentos. CALVINO “A preparação da pregação deve ser o dever primordial do pastor” KARL BARTH “Aquele que prega deve ter consciência de que o púlpito não é o lugar para exercitar opiniões pessoais e subjetivas, mas sim para Pregar a palavra. AGOSTINHO “nada é mais característico do Protestantismo do que a importância que ele dá à pregação” WHILHELM PAUCK
  • 3. HOMILÉTICA Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br A prática homilética desse movimento se notabilizou pela realocação dos púlpitos para as praças e outros lugares públicos fora das fronteiras eclesiásticas. Também o auditório seleto dos templos foi substituído pela massa excluída pela igreja oficial. A pregação passou a ser dirigida aos pobres, aos trabalhadores das minas, aos escravos, aos prisioneiros, aos desempregados, e à multidão que vagava pelas ruas em busca de esperança e do pão cotidiano LUIZ CARLOS RAMOS “Trata-se, portanto de uma pregação apologética marcada por disputas teológicas e controvérsias doutrinárias, tanto por parte da igreja romana como das protestantes — uma enfática guerra de ortodoxias. ROSE
  • 4. HOMILÉTICA Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br A pregação no tempo das missões: uma homilética conversionista e estrangeira: Os séculos XIX e XX ficaram marcados, pelo menos nas igrejas protestantes, pela obra missionária estrangeira mundial. Tanto o movimento missionário como o filantrópico do princípio do século XIX foram resultado do avivamento evangélico deflagrado pela geração de John Wesley “A prática homilética experimentada nesse período não ficou indiferente e engajou-se igualmente colocando seu produto, isto é, suas prédicas, a serviço das revoluções ou das contra-revoluções. Desse período, merecem ser destacadas, além da tradicional, as propostas homiléticas dos setores progressistas da igreja, além da dos movimentos carismático-pentecostais e, mais recentemente, dos neopentecostais com suas incursões pela mídia. Podemos, assim, distinguir didaticamente umahomilética das libertações, uma homilética dos carismas e uma homilética das mídias.
  • 5. HOMILÉTICA Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br O que se tem são homiléticas. Em cada época, o discurso religioso procurou cumprir seu papel da maneira que julgava ser a mais adequada, influenciando e sendo influenciado por seu tempo. Naturalmente, as gerações homiléticas sucessoras ora se sentiam herdeiras das anteriores, ora as rejeitavam como filhas rebeldes. Mas de uma forma ou de outra, não puderam se livrar completamente de suas influências e de suas raízes.
  • 6. Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br
  • 7. Professor Carlos Alexandre Ribeiro Dorte professorcarlosdorte@yahoo.com.br