SlideShare uma empresa Scribd logo
FILOSOFIA DO
CRISTIANISMO
A PATRÍSTICA E A
ESCOLÁSTICA
Aula 3
Keiler Chaves de Vasconcelos
"Quem não se ilumina com o esplendor de
todas as coisas criadas, é cego. Quem não
desperta com tantos clamores, é surdo.
Quem, com todas essas coisas, não se põe
a louvar a Deus, é mudo. Quem, a partir de
indícios tão evidentes, não volta a mente
para o primeiro princípio, é tolo"
(São Boaventura).
“Tende cuidado, para que ninguém vos
faça presa sua, por meio de filosofias e vãs
sutilezas, segundo a tradição dos homens,
segundo os rudimentos do mundo, e não
segundo Cristo.”
Colossenses 2:8
Recapitulando...
O ambiente helenista cria uma nova cultura,
linguagem, comportamento e ideal de homem e,
em virtude das novas circunstâncias socio-
políticas, com a conquista de Alexandria e o
poderio de Roma, domina o Ocidente. Até mesmo
Marco Aurélio pensa como romano, mas escreve
em grego! Dessa forma, o helenismo penetra a
cultura romana e vice-versa, e terá, no
cristianismo, sua mais contundente influência de
pensamento. Por sua vez, o cristianismo
transformará espiritualmente o mundo.
 O helenismo fornece o pano de fundo
político e cultural que permite a
aproximação entre a cultura judaica e a
filosofia grega, o que propiciará mais
tarde o surgimento de uma filosofia cristã.
 O período helenístico é o último período
da filosofia antiga, quando a polis grega
desapareceu como centro político,
deixando de ser a referência principal dos
filósofos, uma vez que a Grécia
encontrava-se sob o poderio do Império
Romano.
A religião cristã, embora originária do
judaísmo, surge e se desenvolve no
contexto do helenismo, e é precisamente
da síntese entre o judaísmo, o
cristianismo e a cultura grega que se
origina a tradição cultural ocidental da
qual somos herdeiros até hoje.
Fílon retoma o conceito grego de logos,
interpretando-o como um princípio divino
a partir do qual Deus opera no mundo.
Essa visão influenciará fortemente o
desenvolvimento da filosofia cristã e se
encontra na abertura do quarto evangelho
(de João), escrito ao final do séc.I em
Éfeso, em que se lê: “No princípio era o
Verbo (logos)”.
O primeiro marco na constituição do
cristianismo como religião independente e
dotada de identidade própria é a pregação de
Paulo, outro judeu helenizado, funcionário do
Império Romano, que se converte e passa a
pregar e difundir a religião cristã em suas
viagens por alguns centros do Império
Romano. É em Paulo que encontramos a
concepção de uma religião universal, não só
a religião de um povo, mas de todo o Império,
de todo o mundo então conhecido.
Os escritos de Paulo sob os aspectos da sua forma
e conteúdo, apresentam, de forma clara, a
influência da formação judaica no pensamento do
mesmo, sobretudo sua utilização da Haggadá na
explicação dos fatos históricos e da Halakhá na
interpretação dos textos ligados à lei judaica.
Também evidenciamos alguns limites e tensões
provocados por essa influência judaica em relação
à contribuição da cultura helênica na teologia
paulina.
A doutrina farisaica teve uma profunda
influência no pensamento paulino, onde se
destacam os seguintes elementos: a
imortalidade da alma, a ressurreição
corporal no fim dos tempos, a existência de
anjos e espíritos, a intervenção de Deus no
destino do homem, mesmo não o privando
do livre-arbítrio.
Destaque-se que os fariseus pretendiam
que o cristianismo fosse pregado apenas
aos judeus, ao passo que Paulo defendia
a necessidade de pregar a todos, tendo
ficado por isso conhecido como o
“apóstolo dos gentios”. Conforme lemos
na Epístola aos Gálatas (3:28), “Não há
judeu, nem grego, nem escravo, nem
homem livre, nem homem, nem mulher:
todos sois um no Cristo Jesus”.
CRISTIANISMO
A verdade como revelação:
 a verdade não é uma construção humana, mas
revelação divina àqueles que creem;
 a condição para o conhecimento da verdade
está em Deus, o conhecimento racional deve
ser subordinado ao conhecimento revelado.
As mais significativas contribuições
filosóficas da mensagem bíblica são:
 o conceito de monoteísmo que substitui o
politeísmo grego;
 o criacionismo a partir do nada, que faz o
ser depender de um ato da vontade de
Deus, e que se contrapõe à proibição de
Parmênides da geração do ser a partir do
não ser;
 uma concepção do mundo fortemente
antropocêntrica que não tem precedentes na
filosofia helênica, que foi mais cosmocêntrica;
 uma interpretação da lei moral diretamente
ligada à vontade de Deus: Deus seria a fonte
definitiva da lei moral e o dever do homem
estaria em obedecer seus mandamentos. Para o
grego, ao contrário, a lei teria o seu fundamento
na natureza e a ela também Deus estaria
vinculado;
 uma desobediência à lei que teria
causado a queda do homem;
 o resgate desta situação depende não
do homem, mas da iniciativa gratuita de
Deus, e para os gregos  em particular
para os órficos e para os filósofos que
neles se inspiraram  dependeria, ao
contrário, apenas do homem;
 a Providência de que fala a bíblia,
diversamente da grega (em particular
socrática e estóica), dirige-se ao
homem individual; a ela está ligada à
Redenção operada por Deus por amor
da humanidade;
 esta atenção de Deus pelo homem
revoluciona completamente o conceito
do amor em vários sentidos:
primeiramente, porque o amor cristão
(ágape) é característica eminentemente
divina, enquanto para os gregos Deus
era amado e não amante; em segundo
lugar porque a dimensão do eros
helênico era aquisitiva enquanto a do
ágape cristão é donativa;
 tal inversão não diz respeito apenas ao tema
do amor, mas a toda a série dos valores dos
gregos, que o cristianismo ilumina sobre a
base do discurso das bem-aventuranças, em
que se privilegia a dimensão da humildade e
da mansidão;
 igualmente importante é a mudança de
perspectiva na escatologia  que não está
mais ancorada apenas no dogma da
imortalidade da alma, mas também no da
ressurreição dos corpos;
 é significativo, por fim, o novo sentido da
história, como progresso para a salvação e
para a realização do Reino de Deus: o
desenvolvimento da história segundo os
gregos têm um andamento circular (a
história não tem início nem fim, mas
retorna sempre idêntica), enquanto o
bíblico-cristão acontece segundo um
trajeto retilíneo, que tem um fim e uma
consumação (o juízo universal).
Embora o cristianismo não seja uma filosofia,
ele afeta de forma profunda o pensamento
filosófico da época, uma vez que o filósofo
cristão se depara com o problema da sua
realidade diante da realidade de Deus.
Problema principal: Conciliar FÉ (pensamento
cristão) e RAZÃO (pensamento grego)
RAZAÕ E FÉ NÃO SÃO OPOSTAS
 A razão é vista como uma qualidade
inata, criada por Deus – um dom, uma
luz concedida ao homem para que ele
possa discernir o conhecimento do bem
e do mal.
 O cristianismo (a fé) busca na razão
uma compreensão mais ampla e
elaborada dos mistérios da fé.
AS VERDADES DA FÉ NECESSITAM SER
DEMONSTRADAS PELA LÓGICA
Não basta crer . As verdades professadas
pela fé precisam ser demonstradas pela
filosofia – baseada em princípios lógicos
da razão.
 A Idade Média inicia-se com a
desorganização da vida política,
econômica e social do Ocidente.
 O cristianismo propagou-se por vários
povos. A diminuição das atividades
culturais transforma o homem comum
num ser dominado por crenças e
superstições.
A filosofia patrística é antecedida pelas
Epístolas de Paulo e o Evangelho de João. Os
primeiros padres da igreja conciliaram a nova
religião – o cristianismo – com o pensamento
filosófico dos gregos e romanos, pois somente
com tal conciliação seria possível convencer
os pagãos da nova verdade e convertê-los a
ela. A filosofia patrística liga-se, portanto, à
tarefa religiosa da evangelização e à defesa da
religião cristã contra os ataques teóricos e
morais que recebia dos antigos.
A filosofia medieval pode ser dividida
em quatro momentos principais:
 O dos padres apostólicos, do início do
cristianismo (séculos I e II), entre os quais
se incluem os apóstolos, que disseminavam
a palavra de Cristo, sobretudo em relação a
temas morais. Entre estes se destaca a
figura de Paulo pelo volume e valor literário
de suas epístolas (cartas escritas pelos
apóstolos);
 O dos padres apologistas (séculos III e IV),
que faziam a apologia do cristianismo contra a
filosofia pagã. Entre os apologistas destacam-
se Orígenes, Justino e Tertuliano (o mais
intransigente na defesa da fé contra a filosofia
grega);
 O da Patrística (de meados do século IV ao
século VIII), no qual se busca uma conciliação
entre a razão e a fé e se destacam a figura de
Agostinho e a influência da filosofia platônica;
 O da escolástica (do século IX a XVI) no
qual se buscou uma sistematização da
filosofia cristã, sobretudo a partir da
interpretação da filosofia de Aristóteles, e
se destaca a figura de Tomás de Aquino.
 A característica fundamental dessa filosofia
medieval é a ênfase nas questões
teológicas, destacando-se temas como: o
dogma da trindade, a encarnação de Deus-
filho, a liberdade e a salvação, a relação
entre fé e razão.
 A filosofia clássica sobrevive, confinada
nos mosteiros religiosos.
 Sob a influência da Igreja, as especulações
se concentram em questões filosófico-
teológicas, tentando conciliar fé e razão.
 E é nesse esforço que Agostinho e Tomás
de Aquino trazem à luz reflexões
fundamentais para a história do
pensamento cristão.
Os conflitos e a conciliação entre fé
e saber
 Nesse contexto medieval, a Igreja teve
importante papel. Desempenhou, por
exemplo, a função de órgão
supranacional, conciliador das elites
dominantes, contornando o problema da
fragmentação política.
 A Igreja exerceu amplo domínio – a FÉ
CRISTÃ era o pressuposto fundamental
de toda a sabedoria humana.
 Em que consistia a fé?
 Na crença irrestrita ou na adesão
incondicional às verdades reveladas por
Deus aos homens.
 Verdades expressas nas Sagradas
Escrituras (Bíblia) e devidamente
interpretadas segundo a autoridade da
Igreja.
Filosofia Medieval
32
conciliar fé com razão.
São Justino (165 d.C.)
Tertuliano (nasc. 155 d.C.)
Santo Agostinho (354-430)
Santo Anselmo (1033-1109)
Na Idade Média não existia uma Filosofia, mas correntes de
opiniões, doutrinas e teorias, denominadas de Escolástica. Santo
Tomás de Aquino e Santo Agostinho são seus principais
representantes. Buscava-se conciliar fé com razão. O método
utilizado é o da disputa: baseando-se no silogismo aristotélico,
partiam de uma intuição primária e, através da controvérsia,
caminhavam até às últimas conseqüências do tema proposto. A
finalidade era o desenvolvimento do raciocínio lógico.
Essência
Resumo
Pedro Abelardo (1079-1142)
Santo Tomás de Aquino (1221-1274)
John Duns Scot (1270-1308)
Guilherme Ockham (1229-1350)
Toda verdade dita por quem que seja, é do
Espírito Santo. Agostinho de Hipona
 A fé representava a fonte mais elevada
das verdades reveladas.
 Assim, toda investigação filosófica ou
científica não poderia, de modo algum,
contrariar as verdades estabelecidas pela
fé católica.
 Os filósofos não precisavam se dedicar à
busca da verdade: ela já havia sido
revelada por Deus aos homens. Restava-
lhes, apenas demonstrar racionalmente
as verdades da fé.
 Surgiram pensadores cristãos que
defendiam o conhecimento da filosofia
grega, na medida que poderiam utilizá-la
como instrumento à serviço do
cristianismo.
 A principal argumentação era a de que,
conciliado com a fé cristã, o estudo da
filosofia grega permitiria à Igreja enfrentar
os descrentes e demolir os hereges com
as armas racionais da argumentação
lógica.
PATRÍSTICA
A fé em busca de argumentos racionais a partir de uma
matriz platônica
 Mesmo com o estabelecimento e a
consolidação da doutrina cristã, a Igreja
católica sabia que seus preceitos não
podiam ser impostos pela força.
 Tinham que ser apresentados de
maneira convincente, mediante um
trabalho de conquista espiritual.
 Os primeiros Padres da Igreja se
empenharam na elaboração de inúmeros
textos sobre a fé e a revelação cristãs
 O conjunto desses textos ficou conhecido
como Patrística.
 Uma das principais correntes da filosofia
patrística, inspirada na filosofia greco-
romana, tentou munir a fé de argumentos
racionais. Esse projeto de conciliação
entre o cristianismo e o pensamento
pagão teve como principal expoente o
Padre Agostinho.
Agostinho:
A certeza da razão por meio da fé.
“Compreender para crer, crer para compreender”
 Nasceu em Tagaste, província romana
situada na África.
 Até completar 32 anos, não era cristão.
 Foi professor de retórica em escolas
romanas.
 Em sua trajetória intelectual, Agostinho
sentiu-se despertado para a filosofia pela
leitura de Cícero.
 Agostinho defendeu a superioridade da
alma humana, a supremacia do espírito
sobre o corpo (a matéria).
 A alma foi criada por Deus para reinar
sobre o corpo, para dirigi-lo à prática do
bem.
 O homem, utilizando-se do livre-arbítrio,
costuma inverter essa relação, fazendo o
corpo assumir o governo da alma.
 Provoca com isso a submissão do
espírito à matéria, equivalente à
subordinação do eterno ao transitório, da
essência à aparência.
 A verdadeira liberdade está na harmonia
das ações humanas com a vontade de
Deus.
 Segundo o filósofo, o homem que trilha a
via do pecado só consegue retornar aos
caminhos de Deus e da salvação
mediante combinação de seu esforço
pessoal de vontade e a concessão,
imprescindível, da graça divina.
 Nem todas as pessoas são dignas de
receber essa graça, mas somente os
eleitos, predestinados à salvação.
 Agostinho reconheceu a diferença existente
entre fé cristã e razão na medida em que a
fé nos faz crer em coisas que nem sempre
entendemos pela razão.
 Afirmava ser necessário crer para
compreender, pois a fé ilumina os caminhos
da razão, posteriormente a compreensão
nos confirma a crença.
Escolástica
“Os caminhos da inspiração aristotélica até Deus”.
 No século VIII, Carlos Magno resolveu
organizar o ensino por todo o seu império
e fundar escolas ligadas às instituições
católicas.
 A cultura greco-romana, guardada nos
mosteiros, voltou a ser divulgada. Era a
Renascença Carolígea.
 Tendo a educação romana como modelo,
começaram a ser ensinadas as seguintes,
matérias:
 gramática, retórica e dialética (o trivium);
 geometria, aritmética, astronomia e
música ( o quatrivium).
Todas submetidas à teologia.
 A fundação dessas escolas e das primeiras
universidades no século XI fez surgir uma
produção filosófico-teológica denominada
escolástica (de escola).
 A partir do século XII, o aristotelismo
penetrou de forma profunda no
pensamento escolástico. Isso se deveu à
descoberta de muitas obras de Aristóteles.
 A busca de harmonização entre a fé cristã
e a razão manteve-se, no entanto, como
problema básico de especulação
filosófica.
 Nesse sentido, o período escolástico
pode ser dividido em três fases:
 Primeira fase (do século IX ao fim do século
XII): caracterizada pela confiança na perfeita
harmonia entre fé e razão.
 Segunda fase (do século XIII ao princípio do
século XIV): caracterizada pela elaboração de
grandes sistemas filosóficos, merecendo
destaque as obras de Tomás de Aquino. Nesta
fase considera-se que a harmonia entre fé e
razão pode ser parcialmente obtida.
 Terceira fase (do século XIV até o século
XVI): decadência da escolástica,
caracterizada pela afirmação das
diferenças fundamentais entre fé e razão.
Anselmo de Cantuária
É conhecido também como Anselmo de
Aosta por conta de sua cidade natal e
Anselmo de Bec por causa da
localização de seu mosteiro. Foi um
monge beneditino, filósofo e prelado ...
Anselmo é considerado o pai da escolástica.
Ele faz uma série de levantamentos de
questões e afirmações que têm por objetivo,
defender e, de certa forma, provar a existência
de Deus. O pensador de forma muito singular
diz que: “Deus é o ser do qual não se pode
pensar nada maior.”
Na filosofia de Anselmo aparecem fortes
traços de suas especulações teológicas,
seguindo em alguns casos os caminhos
traçados por Platão e Agostinho de Hipona;
busca a convergência entre a fé e a razão.
Para ele a razão é um recurso essencial que
pode ser usado para se chegar a conclusões
teológicas. Mas a fé antecede a razão.
Trilhando o sólido caminho de Agostinho,
Anselmo seguia também o seu credo ut
intelligam, ou "creio para entender". Essa
postura, que permeia toda a fase inicial da
Escolástica, afirma que o homem só é capaz
de apreender as coisas quando assistido pela
fé. Nenhum problema nessa época tem sentido
sem, antes, partir da fé, do conhecimento
superior, do divino, que é o que dá segurança
às investigações filosóficas.
O lema de Anselmo é "a fé que procura
entender" (fides quaerens intellectum).
Como místico que também era, afirmava que
o amor é um dos valores mais altos do
conhecimento, pois é o amor que dá sentido
à fé. A fé sem o amor é uma fé morta (otiosa
fides). Sem o amor, a inteligência não tende
para dentro do objeto do conhecimento.
Seu pensamento é todo direcionado para as
especulações em torno dos conceitos de
Deus e os temas a ele ligado. O tema Deus é
a base de todas as suas investigações. O
filósofo distingue a existência de Deus e a
natureza de Deus, pois no primeiro caso a
investigação filosófica é em torno de se algo
existe e no segundo caso, a investigação
direciona-se para saber o que é esse algo
sobre o qual se investigou a existência.
Uma das maiores dificuldades dos
pensadores escolásticos era fazer uma
ligação entre um Deus misericordioso e justo
em uma mesma pessoa. Era quase impossível
pensar em um Deus que fosse misericordioso
e ao mesmo tempo justo. Dessa forma, Ele
deixaria de praticar a misericórdia para
praticar a justiça e sendo justo deixaria de
lado a misericórdia para praticar a justiça.
Deus é o princípio e o fim de todas as coisas, Ele
existe antes, durante e depois de todas as coisas,
pois Ele criou tudo, mantêm tudo e permanecerá
eterno e imutável depois que todas as coisas
tiverem seu fim. Em tudo se pode notar Deus pois
em cada criatura está uma inscrição de seu
Criador. Ele criou todas as coisas existentes a
nossas realidades sensíveis a também aquelas
que nossa limitação sensitiva não é capaz de
perceber, somente sofrer suas consequências.
Tomás de Aquino
 Nasceu em Nápoles. É considerado o
maior filósofo da escolástica medieval.
 A filosofia de Tomás de Aquino (o
tomismo) já nasceu com objetivos claros:
não contrariar a fé.
 A finalidade era organizar um conjunto de
argumentos para demonstrar e defender
as revelações do cristianismo.
 Tomás de Aquino reviveu em grande parte
o pensamento aristotélico com a
finalidade de nele buscar os elementos
racionais que explicassem os principais
aspectos da fé cristã.
 Fez da filosofia de Aristóteles um
instrumento a serviço da religião católica.
As provas da existência de Deus
 Em um de seus mais famosos livros, a Suma
Teológica, Tomás de Aquino propõe cinco
provas da existência de Deus:
 1º - O primeiro motor – tudo aquilo que se move
é movido por outro ser. Por sua vez, este outro
ser, para que se mova, necessita que seja por
outro ser. E assim, sucessivamente. Se não
houvesse um primeiro ser movente, cairiamos
num processo indefinido. O primeiro ser
movente é Deus.
 2º - A causa eficiente – todas as coisas
existentes não possuem a causa eficiente.
Devem ser consideradas efeitos de alguma
coisa. A causa primeira eficiente,
responsável pela sucessão de efeitos é
Deus.
 3º - Ser necessário e ser contingente – é
variante do segundo. Todo ser contingente
existe e pode deixar de existir, assim pode
ser que nunca existiu. È preciso admitir que
há um ser que sempre existiu. Esse ser
necessário é Deus.
 4º - Os graus de perfeição – há graus de
perfeição. Assim, afirmamos que tal coisa é
melhor que outra, ou mais bela, ou mais
poderosa, ou mais verdadeira...Devemos
admitir que existe um ser com o máximo das
qualidades. Esse ser máximo e pleno é
Deus.
 5º - A finalidade do ser – todas as coisas
brutas, que não possuem uma inteligência
própria, existem na natureza cumprindo uma
função, um objetivo, uma finalidade.
Devemos admitir que existe, então, um ser
inteligente que dirige todas as coisas da
natureza para que cumpram seu objetivo.
Esse ser é Deus.
Muito obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de HiponaAula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Leandro Nazareth Souto
 
ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA
Silmara Vedoveli
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
Juliana Corvino de Araújo
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
Italo Colares
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
Leonardo Leitão
 
Filosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slideFilosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slide
Daniel Filosofo
 
Schopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracionalSchopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracional
Colégio Nova Geração COC
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
Douglas Barraqui
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
Alison Nunes
 
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Aula 01   filosofia mito, natureza e razãoAula 01   filosofia mito, natureza e razão
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Elizeu Nascimento Silva
 
Mapa conceitual - Filosofia medieval
Mapa conceitual - Filosofia medievalMapa conceitual - Filosofia medieval
Mapa conceitual - Filosofia medieval
Gilberto Cotrim
 
O empirismo de John Locke
O empirismo de John LockeO empirismo de John Locke
O empirismo de John Locke
João Marcelo
 
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platão
Péricles Penuel
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Turma Olímpica
 
Metafísica em aristóteles
Metafísica em aristótelesMetafísica em aristóteles
Metafísica em aristóteles
Hipotese Soluções Educacionais
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Alexandre Misturini
 
Filosofias no Helenismo
Filosofias no HelenismoFilosofias no Helenismo
Filosofias no Helenismo
Bruno Carrasco
 
Kant
KantKant
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Darlan Campos
 
Sociologia - Religião
Sociologia - ReligiãoSociologia - Religião
Sociologia - Religião
Paulo Alexandre
 

Mais procurados (20)

Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de HiponaAula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
 
ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
 
Filosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slideFilosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slide
 
Schopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracionalSchopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracional
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Aula 01   filosofia mito, natureza e razãoAula 01   filosofia mito, natureza e razão
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
 
Mapa conceitual - Filosofia medieval
Mapa conceitual - Filosofia medievalMapa conceitual - Filosofia medieval
Mapa conceitual - Filosofia medieval
 
O empirismo de John Locke
O empirismo de John LockeO empirismo de John Locke
O empirismo de John Locke
 
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platão
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
 
Metafísica em aristóteles
Metafísica em aristótelesMetafísica em aristóteles
Metafísica em aristóteles
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Filosofias no Helenismo
Filosofias no HelenismoFilosofias no Helenismo
Filosofias no Helenismo
 
Kant
KantKant
Kant
 
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 
Sociologia - Religião
Sociologia - ReligiãoSociologia - Religião
Sociologia - Religião
 

Semelhante a Filosofia medieval e cristianismo

Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Agostinhofilho
 
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Thais Madureira
 
Teologia Contemporanea
Teologia ContemporaneaTeologia Contemporanea
Teologia Contemporanea
Carlos Alves
 
Filosofia medieval slide
Filosofia medieval slideFilosofia medieval slide
Filosofia medieval slide
Alexandre Misturini
 
Filosofia medieval raiana 27 np
Filosofia medieval raiana 27 npFilosofia medieval raiana 27 np
Filosofia medieval raiana 27 np
Alexandre Misturini
 
éTica Aula006
éTica Aula006éTica Aula006
éTica Aula006
Luiz
 
Liberalismo Teológico
Liberalismo TeológicoLiberalismo Teológico
Liberalismo Teológico
Gcom digital factory
 
Universidade de cuiab3
Universidade de cuiab3Universidade de cuiab3
Universidade de cuiab3
ostozao
 
Filosofia 04 - Filosofia Medieval
Filosofia 04 - Filosofia MedievalFilosofia 04 - Filosofia Medieval
Filosofia 04 - Filosofia Medieval
Diego Bian Filo Moreira
 
Filosofia medieval 21 mp xsxs
Filosofia medieval 21 mp xsxsFilosofia medieval 21 mp xsxs
Filosofia medieval 21 mp xsxs
Alexandre Misturini
 
História da Igreja #9
História da Igreja #9História da Igreja #9
História da Igreja #9
Respirando Deus
 
Comunicação 2009
Comunicação 2009Comunicação 2009
Comunicação 2009
Israel serique
 
Glossolalia, símbolo de poder na igreja de Corinto
Glossolalia, símbolo de poder na igreja de CorintoGlossolalia, símbolo de poder na igreja de Corinto
Glossolalia, símbolo de poder na igreja de Corinto
Israel serique
 
Teologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - AspectosTeologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - Aspectos
Gcom digital factory
 
Filosofia medieval 01 pimel 24
Filosofia medieval 01 pimel 24Filosofia medieval 01 pimel 24
Filosofia medieval 01 pimel 24
Alexandre Misturini
 
Filosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimento
Filosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimentoFilosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimento
Filosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimento
Diego Ventura
 
Hermenêutica dos textos religiosos
Hermenêutica dos textos religiososHermenêutica dos textos religiosos
Hermenêutica dos textos religiosos
João Pereira
 
Novos tempos...
Novos tempos...Novos tempos...
Novos tempos...
Identidade Reformada
 
05 a 08 aula períodos da historia da filosofia ocidental
05 a 08 aula   períodos da historia da filosofia ocidental05 a 08 aula   períodos da historia da filosofia ocidental
05 a 08 aula períodos da historia da filosofia ocidental
Mara Rodrigues Pires
 
1ª série filosofia medieval-
1ª série   filosofia medieval-1ª série   filosofia medieval-
1ª série filosofia medieval-
Jorge Marcos Oliveira
 

Semelhante a Filosofia medieval e cristianismo (20)

Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
 
Teologia Contemporanea
Teologia ContemporaneaTeologia Contemporanea
Teologia Contemporanea
 
Filosofia medieval slide
Filosofia medieval slideFilosofia medieval slide
Filosofia medieval slide
 
Filosofia medieval raiana 27 np
Filosofia medieval raiana 27 npFilosofia medieval raiana 27 np
Filosofia medieval raiana 27 np
 
éTica Aula006
éTica Aula006éTica Aula006
éTica Aula006
 
Liberalismo Teológico
Liberalismo TeológicoLiberalismo Teológico
Liberalismo Teológico
 
Universidade de cuiab3
Universidade de cuiab3Universidade de cuiab3
Universidade de cuiab3
 
Filosofia 04 - Filosofia Medieval
Filosofia 04 - Filosofia MedievalFilosofia 04 - Filosofia Medieval
Filosofia 04 - Filosofia Medieval
 
Filosofia medieval 21 mp xsxs
Filosofia medieval 21 mp xsxsFilosofia medieval 21 mp xsxs
Filosofia medieval 21 mp xsxs
 
História da Igreja #9
História da Igreja #9História da Igreja #9
História da Igreja #9
 
Comunicação 2009
Comunicação 2009Comunicação 2009
Comunicação 2009
 
Glossolalia, símbolo de poder na igreja de Corinto
Glossolalia, símbolo de poder na igreja de CorintoGlossolalia, símbolo de poder na igreja de Corinto
Glossolalia, símbolo de poder na igreja de Corinto
 
Teologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - AspectosTeologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - Aspectos
 
Filosofia medieval 01 pimel 24
Filosofia medieval 01 pimel 24Filosofia medieval 01 pimel 24
Filosofia medieval 01 pimel 24
 
Filosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimento
Filosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimentoFilosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimento
Filosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimento
 
Hermenêutica dos textos religiosos
Hermenêutica dos textos religiososHermenêutica dos textos religiosos
Hermenêutica dos textos religiosos
 
Novos tempos...
Novos tempos...Novos tempos...
Novos tempos...
 
05 a 08 aula períodos da historia da filosofia ocidental
05 a 08 aula   períodos da historia da filosofia ocidental05 a 08 aula   períodos da historia da filosofia ocidental
05 a 08 aula períodos da historia da filosofia ocidental
 
1ª série filosofia medieval-
1ª série   filosofia medieval-1ª série   filosofia medieval-
1ª série filosofia medieval-
 

Mais de Keiler Vasconcelos

Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Keiler Vasconcelos
 
Aula 1 teologia pentecostal
Aula 1 teologia pentecostalAula 1 teologia pentecostal
Aula 1 teologia pentecostal
Keiler Vasconcelos
 
Aula 2 história do cristianismo
Aula 2 história do cristianismoAula 2 história do cristianismo
Aula 2 história do cristianismo
Keiler Vasconcelos
 
Relig mund aula 2
Relig mund aula 2Relig mund aula 2
Relig mund aula 2
Keiler Vasconcelos
 
Religioes mundiais aula 3
Religioes mundiais aula 3Religioes mundiais aula 3
Religioes mundiais aula 3
Keiler Vasconcelos
 
Aulas 1 e 2 presbiteros editada
Aulas 1 e 2 presbiteros editadaAulas 1 e 2 presbiteros editada
Aulas 1 e 2 presbiteros editada
Keiler Vasconcelos
 

Mais de Keiler Vasconcelos (6)

Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
 
Aula 1 teologia pentecostal
Aula 1 teologia pentecostalAula 1 teologia pentecostal
Aula 1 teologia pentecostal
 
Aula 2 história do cristianismo
Aula 2 história do cristianismoAula 2 história do cristianismo
Aula 2 história do cristianismo
 
Relig mund aula 2
Relig mund aula 2Relig mund aula 2
Relig mund aula 2
 
Religioes mundiais aula 3
Religioes mundiais aula 3Religioes mundiais aula 3
Religioes mundiais aula 3
 
Aulas 1 e 2 presbiteros editada
Aulas 1 e 2 presbiteros editadaAulas 1 e 2 presbiteros editada
Aulas 1 e 2 presbiteros editada
 

Último

Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 

Filosofia medieval e cristianismo

  • 1. FILOSOFIA DO CRISTIANISMO A PATRÍSTICA E A ESCOLÁSTICA Aula 3 Keiler Chaves de Vasconcelos
  • 2. "Quem não se ilumina com o esplendor de todas as coisas criadas, é cego. Quem não desperta com tantos clamores, é surdo. Quem, com todas essas coisas, não se põe a louvar a Deus, é mudo. Quem, a partir de indícios tão evidentes, não volta a mente para o primeiro princípio, é tolo" (São Boaventura).
  • 3. “Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo.” Colossenses 2:8
  • 5. O ambiente helenista cria uma nova cultura, linguagem, comportamento e ideal de homem e, em virtude das novas circunstâncias socio- políticas, com a conquista de Alexandria e o poderio de Roma, domina o Ocidente. Até mesmo Marco Aurélio pensa como romano, mas escreve em grego! Dessa forma, o helenismo penetra a cultura romana e vice-versa, e terá, no cristianismo, sua mais contundente influência de pensamento. Por sua vez, o cristianismo transformará espiritualmente o mundo.
  • 6.  O helenismo fornece o pano de fundo político e cultural que permite a aproximação entre a cultura judaica e a filosofia grega, o que propiciará mais tarde o surgimento de uma filosofia cristã.  O período helenístico é o último período da filosofia antiga, quando a polis grega desapareceu como centro político, deixando de ser a referência principal dos filósofos, uma vez que a Grécia encontrava-se sob o poderio do Império Romano.
  • 7. A religião cristã, embora originária do judaísmo, surge e se desenvolve no contexto do helenismo, e é precisamente da síntese entre o judaísmo, o cristianismo e a cultura grega que se origina a tradição cultural ocidental da qual somos herdeiros até hoje.
  • 8. Fílon retoma o conceito grego de logos, interpretando-o como um princípio divino a partir do qual Deus opera no mundo. Essa visão influenciará fortemente o desenvolvimento da filosofia cristã e se encontra na abertura do quarto evangelho (de João), escrito ao final do séc.I em Éfeso, em que se lê: “No princípio era o Verbo (logos)”.
  • 9. O primeiro marco na constituição do cristianismo como religião independente e dotada de identidade própria é a pregação de Paulo, outro judeu helenizado, funcionário do Império Romano, que se converte e passa a pregar e difundir a religião cristã em suas viagens por alguns centros do Império Romano. É em Paulo que encontramos a concepção de uma religião universal, não só a religião de um povo, mas de todo o Império, de todo o mundo então conhecido.
  • 10. Os escritos de Paulo sob os aspectos da sua forma e conteúdo, apresentam, de forma clara, a influência da formação judaica no pensamento do mesmo, sobretudo sua utilização da Haggadá na explicação dos fatos históricos e da Halakhá na interpretação dos textos ligados à lei judaica. Também evidenciamos alguns limites e tensões provocados por essa influência judaica em relação à contribuição da cultura helênica na teologia paulina.
  • 11. A doutrina farisaica teve uma profunda influência no pensamento paulino, onde se destacam os seguintes elementos: a imortalidade da alma, a ressurreição corporal no fim dos tempos, a existência de anjos e espíritos, a intervenção de Deus no destino do homem, mesmo não o privando do livre-arbítrio.
  • 12. Destaque-se que os fariseus pretendiam que o cristianismo fosse pregado apenas aos judeus, ao passo que Paulo defendia a necessidade de pregar a todos, tendo ficado por isso conhecido como o “apóstolo dos gentios”. Conforme lemos na Epístola aos Gálatas (3:28), “Não há judeu, nem grego, nem escravo, nem homem livre, nem homem, nem mulher: todos sois um no Cristo Jesus”.
  • 13. CRISTIANISMO A verdade como revelação:  a verdade não é uma construção humana, mas revelação divina àqueles que creem;  a condição para o conhecimento da verdade está em Deus, o conhecimento racional deve ser subordinado ao conhecimento revelado.
  • 14. As mais significativas contribuições filosóficas da mensagem bíblica são:  o conceito de monoteísmo que substitui o politeísmo grego;  o criacionismo a partir do nada, que faz o ser depender de um ato da vontade de Deus, e que se contrapõe à proibição de Parmênides da geração do ser a partir do não ser;
  • 15.  uma concepção do mundo fortemente antropocêntrica que não tem precedentes na filosofia helênica, que foi mais cosmocêntrica;  uma interpretação da lei moral diretamente ligada à vontade de Deus: Deus seria a fonte definitiva da lei moral e o dever do homem estaria em obedecer seus mandamentos. Para o grego, ao contrário, a lei teria o seu fundamento na natureza e a ela também Deus estaria vinculado;
  • 16.  uma desobediência à lei que teria causado a queda do homem;  o resgate desta situação depende não do homem, mas da iniciativa gratuita de Deus, e para os gregos  em particular para os órficos e para os filósofos que neles se inspiraram  dependeria, ao contrário, apenas do homem;
  • 17.  a Providência de que fala a bíblia, diversamente da grega (em particular socrática e estóica), dirige-se ao homem individual; a ela está ligada à Redenção operada por Deus por amor da humanidade;
  • 18.  esta atenção de Deus pelo homem revoluciona completamente o conceito do amor em vários sentidos: primeiramente, porque o amor cristão (ágape) é característica eminentemente divina, enquanto para os gregos Deus era amado e não amante; em segundo lugar porque a dimensão do eros helênico era aquisitiva enquanto a do ágape cristão é donativa;
  • 19.  tal inversão não diz respeito apenas ao tema do amor, mas a toda a série dos valores dos gregos, que o cristianismo ilumina sobre a base do discurso das bem-aventuranças, em que se privilegia a dimensão da humildade e da mansidão;  igualmente importante é a mudança de perspectiva na escatologia  que não está mais ancorada apenas no dogma da imortalidade da alma, mas também no da ressurreição dos corpos;
  • 20.  é significativo, por fim, o novo sentido da história, como progresso para a salvação e para a realização do Reino de Deus: o desenvolvimento da história segundo os gregos têm um andamento circular (a história não tem início nem fim, mas retorna sempre idêntica), enquanto o bíblico-cristão acontece segundo um trajeto retilíneo, que tem um fim e uma consumação (o juízo universal).
  • 21. Embora o cristianismo não seja uma filosofia, ele afeta de forma profunda o pensamento filosófico da época, uma vez que o filósofo cristão se depara com o problema da sua realidade diante da realidade de Deus. Problema principal: Conciliar FÉ (pensamento cristão) e RAZÃO (pensamento grego)
  • 22. RAZAÕ E FÉ NÃO SÃO OPOSTAS  A razão é vista como uma qualidade inata, criada por Deus – um dom, uma luz concedida ao homem para que ele possa discernir o conhecimento do bem e do mal.  O cristianismo (a fé) busca na razão uma compreensão mais ampla e elaborada dos mistérios da fé.
  • 23. AS VERDADES DA FÉ NECESSITAM SER DEMONSTRADAS PELA LÓGICA Não basta crer . As verdades professadas pela fé precisam ser demonstradas pela filosofia – baseada em princípios lógicos da razão.
  • 24.  A Idade Média inicia-se com a desorganização da vida política, econômica e social do Ocidente.  O cristianismo propagou-se por vários povos. A diminuição das atividades culturais transforma o homem comum num ser dominado por crenças e superstições.
  • 25. A filosofia patrística é antecedida pelas Epístolas de Paulo e o Evangelho de João. Os primeiros padres da igreja conciliaram a nova religião – o cristianismo – com o pensamento filosófico dos gregos e romanos, pois somente com tal conciliação seria possível convencer os pagãos da nova verdade e convertê-los a ela. A filosofia patrística liga-se, portanto, à tarefa religiosa da evangelização e à defesa da religião cristã contra os ataques teóricos e morais que recebia dos antigos.
  • 26. A filosofia medieval pode ser dividida em quatro momentos principais:  O dos padres apostólicos, do início do cristianismo (séculos I e II), entre os quais se incluem os apóstolos, que disseminavam a palavra de Cristo, sobretudo em relação a temas morais. Entre estes se destaca a figura de Paulo pelo volume e valor literário de suas epístolas (cartas escritas pelos apóstolos);
  • 27.  O dos padres apologistas (séculos III e IV), que faziam a apologia do cristianismo contra a filosofia pagã. Entre os apologistas destacam- se Orígenes, Justino e Tertuliano (o mais intransigente na defesa da fé contra a filosofia grega);  O da Patrística (de meados do século IV ao século VIII), no qual se busca uma conciliação entre a razão e a fé e se destacam a figura de Agostinho e a influência da filosofia platônica;
  • 28.  O da escolástica (do século IX a XVI) no qual se buscou uma sistematização da filosofia cristã, sobretudo a partir da interpretação da filosofia de Aristóteles, e se destaca a figura de Tomás de Aquino.  A característica fundamental dessa filosofia medieval é a ênfase nas questões teológicas, destacando-se temas como: o dogma da trindade, a encarnação de Deus- filho, a liberdade e a salvação, a relação entre fé e razão.
  • 29.  A filosofia clássica sobrevive, confinada nos mosteiros religiosos.  Sob a influência da Igreja, as especulações se concentram em questões filosófico- teológicas, tentando conciliar fé e razão.  E é nesse esforço que Agostinho e Tomás de Aquino trazem à luz reflexões fundamentais para a história do pensamento cristão.
  • 30. Os conflitos e a conciliação entre fé e saber  Nesse contexto medieval, a Igreja teve importante papel. Desempenhou, por exemplo, a função de órgão supranacional, conciliador das elites dominantes, contornando o problema da fragmentação política.  A Igreja exerceu amplo domínio – a FÉ CRISTÃ era o pressuposto fundamental de toda a sabedoria humana.
  • 31.  Em que consistia a fé?  Na crença irrestrita ou na adesão incondicional às verdades reveladas por Deus aos homens.  Verdades expressas nas Sagradas Escrituras (Bíblia) e devidamente interpretadas segundo a autoridade da Igreja.
  • 32. Filosofia Medieval 32 conciliar fé com razão. São Justino (165 d.C.) Tertuliano (nasc. 155 d.C.) Santo Agostinho (354-430) Santo Anselmo (1033-1109) Na Idade Média não existia uma Filosofia, mas correntes de opiniões, doutrinas e teorias, denominadas de Escolástica. Santo Tomás de Aquino e Santo Agostinho são seus principais representantes. Buscava-se conciliar fé com razão. O método utilizado é o da disputa: baseando-se no silogismo aristotélico, partiam de uma intuição primária e, através da controvérsia, caminhavam até às últimas conseqüências do tema proposto. A finalidade era o desenvolvimento do raciocínio lógico. Essência Resumo Pedro Abelardo (1079-1142) Santo Tomás de Aquino (1221-1274) John Duns Scot (1270-1308) Guilherme Ockham (1229-1350)
  • 33. Toda verdade dita por quem que seja, é do Espírito Santo. Agostinho de Hipona  A fé representava a fonte mais elevada das verdades reveladas.  Assim, toda investigação filosófica ou científica não poderia, de modo algum, contrariar as verdades estabelecidas pela fé católica.
  • 34.  Os filósofos não precisavam se dedicar à busca da verdade: ela já havia sido revelada por Deus aos homens. Restava- lhes, apenas demonstrar racionalmente as verdades da fé.  Surgiram pensadores cristãos que defendiam o conhecimento da filosofia grega, na medida que poderiam utilizá-la como instrumento à serviço do cristianismo.
  • 35.  A principal argumentação era a de que, conciliado com a fé cristã, o estudo da filosofia grega permitiria à Igreja enfrentar os descrentes e demolir os hereges com as armas racionais da argumentação lógica.
  • 36. PATRÍSTICA A fé em busca de argumentos racionais a partir de uma matriz platônica  Mesmo com o estabelecimento e a consolidação da doutrina cristã, a Igreja católica sabia que seus preceitos não podiam ser impostos pela força.  Tinham que ser apresentados de maneira convincente, mediante um trabalho de conquista espiritual.
  • 37.  Os primeiros Padres da Igreja se empenharam na elaboração de inúmeros textos sobre a fé e a revelação cristãs  O conjunto desses textos ficou conhecido como Patrística.
  • 38.  Uma das principais correntes da filosofia patrística, inspirada na filosofia greco- romana, tentou munir a fé de argumentos racionais. Esse projeto de conciliação entre o cristianismo e o pensamento pagão teve como principal expoente o Padre Agostinho.
  • 39. Agostinho: A certeza da razão por meio da fé. “Compreender para crer, crer para compreender”  Nasceu em Tagaste, província romana situada na África.  Até completar 32 anos, não era cristão.  Foi professor de retórica em escolas romanas.  Em sua trajetória intelectual, Agostinho sentiu-se despertado para a filosofia pela leitura de Cícero.
  • 40.  Agostinho defendeu a superioridade da alma humana, a supremacia do espírito sobre o corpo (a matéria).  A alma foi criada por Deus para reinar sobre o corpo, para dirigi-lo à prática do bem.  O homem, utilizando-se do livre-arbítrio, costuma inverter essa relação, fazendo o corpo assumir o governo da alma.
  • 41.  Provoca com isso a submissão do espírito à matéria, equivalente à subordinação do eterno ao transitório, da essência à aparência.  A verdadeira liberdade está na harmonia das ações humanas com a vontade de Deus.
  • 42.  Segundo o filósofo, o homem que trilha a via do pecado só consegue retornar aos caminhos de Deus e da salvação mediante combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão, imprescindível, da graça divina.  Nem todas as pessoas são dignas de receber essa graça, mas somente os eleitos, predestinados à salvação.
  • 43.  Agostinho reconheceu a diferença existente entre fé cristã e razão na medida em que a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão.  Afirmava ser necessário crer para compreender, pois a fé ilumina os caminhos da razão, posteriormente a compreensão nos confirma a crença.
  • 44. Escolástica “Os caminhos da inspiração aristotélica até Deus”.  No século VIII, Carlos Magno resolveu organizar o ensino por todo o seu império e fundar escolas ligadas às instituições católicas.  A cultura greco-romana, guardada nos mosteiros, voltou a ser divulgada. Era a Renascença Carolígea.
  • 45.  Tendo a educação romana como modelo, começaram a ser ensinadas as seguintes, matérias:  gramática, retórica e dialética (o trivium);  geometria, aritmética, astronomia e música ( o quatrivium). Todas submetidas à teologia.
  • 46.  A fundação dessas escolas e das primeiras universidades no século XI fez surgir uma produção filosófico-teológica denominada escolástica (de escola).  A partir do século XII, o aristotelismo penetrou de forma profunda no pensamento escolástico. Isso se deveu à descoberta de muitas obras de Aristóteles.
  • 47.  A busca de harmonização entre a fé cristã e a razão manteve-se, no entanto, como problema básico de especulação filosófica.  Nesse sentido, o período escolástico pode ser dividido em três fases:
  • 48.  Primeira fase (do século IX ao fim do século XII): caracterizada pela confiança na perfeita harmonia entre fé e razão.  Segunda fase (do século XIII ao princípio do século XIV): caracterizada pela elaboração de grandes sistemas filosóficos, merecendo destaque as obras de Tomás de Aquino. Nesta fase considera-se que a harmonia entre fé e razão pode ser parcialmente obtida.
  • 49.  Terceira fase (do século XIV até o século XVI): decadência da escolástica, caracterizada pela afirmação das diferenças fundamentais entre fé e razão.
  • 50. Anselmo de Cantuária É conhecido também como Anselmo de Aosta por conta de sua cidade natal e Anselmo de Bec por causa da localização de seu mosteiro. Foi um monge beneditino, filósofo e prelado ...
  • 51. Anselmo é considerado o pai da escolástica. Ele faz uma série de levantamentos de questões e afirmações que têm por objetivo, defender e, de certa forma, provar a existência de Deus. O pensador de forma muito singular diz que: “Deus é o ser do qual não se pode pensar nada maior.”
  • 52. Na filosofia de Anselmo aparecem fortes traços de suas especulações teológicas, seguindo em alguns casos os caminhos traçados por Platão e Agostinho de Hipona; busca a convergência entre a fé e a razão. Para ele a razão é um recurso essencial que pode ser usado para se chegar a conclusões teológicas. Mas a fé antecede a razão.
  • 53. Trilhando o sólido caminho de Agostinho, Anselmo seguia também o seu credo ut intelligam, ou "creio para entender". Essa postura, que permeia toda a fase inicial da Escolástica, afirma que o homem só é capaz de apreender as coisas quando assistido pela fé. Nenhum problema nessa época tem sentido sem, antes, partir da fé, do conhecimento superior, do divino, que é o que dá segurança às investigações filosóficas.
  • 54. O lema de Anselmo é "a fé que procura entender" (fides quaerens intellectum). Como místico que também era, afirmava que o amor é um dos valores mais altos do conhecimento, pois é o amor que dá sentido à fé. A fé sem o amor é uma fé morta (otiosa fides). Sem o amor, a inteligência não tende para dentro do objeto do conhecimento.
  • 55. Seu pensamento é todo direcionado para as especulações em torno dos conceitos de Deus e os temas a ele ligado. O tema Deus é a base de todas as suas investigações. O filósofo distingue a existência de Deus e a natureza de Deus, pois no primeiro caso a investigação filosófica é em torno de se algo existe e no segundo caso, a investigação direciona-se para saber o que é esse algo sobre o qual se investigou a existência.
  • 56. Uma das maiores dificuldades dos pensadores escolásticos era fazer uma ligação entre um Deus misericordioso e justo em uma mesma pessoa. Era quase impossível pensar em um Deus que fosse misericordioso e ao mesmo tempo justo. Dessa forma, Ele deixaria de praticar a misericórdia para praticar a justiça e sendo justo deixaria de lado a misericórdia para praticar a justiça.
  • 57. Deus é o princípio e o fim de todas as coisas, Ele existe antes, durante e depois de todas as coisas, pois Ele criou tudo, mantêm tudo e permanecerá eterno e imutável depois que todas as coisas tiverem seu fim. Em tudo se pode notar Deus pois em cada criatura está uma inscrição de seu Criador. Ele criou todas as coisas existentes a nossas realidades sensíveis a também aquelas que nossa limitação sensitiva não é capaz de perceber, somente sofrer suas consequências.
  • 58. Tomás de Aquino  Nasceu em Nápoles. É considerado o maior filósofo da escolástica medieval.  A filosofia de Tomás de Aquino (o tomismo) já nasceu com objetivos claros: não contrariar a fé.  A finalidade era organizar um conjunto de argumentos para demonstrar e defender as revelações do cristianismo.
  • 59.  Tomás de Aquino reviveu em grande parte o pensamento aristotélico com a finalidade de nele buscar os elementos racionais que explicassem os principais aspectos da fé cristã.  Fez da filosofia de Aristóteles um instrumento a serviço da religião católica.
  • 60. As provas da existência de Deus  Em um de seus mais famosos livros, a Suma Teológica, Tomás de Aquino propõe cinco provas da existência de Deus:  1º - O primeiro motor – tudo aquilo que se move é movido por outro ser. Por sua vez, este outro ser, para que se mova, necessita que seja por outro ser. E assim, sucessivamente. Se não houvesse um primeiro ser movente, cairiamos num processo indefinido. O primeiro ser movente é Deus.
  • 61.  2º - A causa eficiente – todas as coisas existentes não possuem a causa eficiente. Devem ser consideradas efeitos de alguma coisa. A causa primeira eficiente, responsável pela sucessão de efeitos é Deus.
  • 62.  3º - Ser necessário e ser contingente – é variante do segundo. Todo ser contingente existe e pode deixar de existir, assim pode ser que nunca existiu. È preciso admitir que há um ser que sempre existiu. Esse ser necessário é Deus.
  • 63.  4º - Os graus de perfeição – há graus de perfeição. Assim, afirmamos que tal coisa é melhor que outra, ou mais bela, ou mais poderosa, ou mais verdadeira...Devemos admitir que existe um ser com o máximo das qualidades. Esse ser máximo e pleno é Deus.
  • 64.  5º - A finalidade do ser – todas as coisas brutas, que não possuem uma inteligência própria, existem na natureza cumprindo uma função, um objetivo, uma finalidade. Devemos admitir que existe, então, um ser inteligente que dirige todas as coisas da natureza para que cumpram seu objetivo. Esse ser é Deus.