SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
ECLESIOLOGIAProfº. Rômulo Roosemberg.
DEFINIÇÃO.
• Eclesiologia (do grego ekklesia e logos) é o ramo da teologia
cristã que trata da doutrina da Igreja: seu papel na salvação,
sua origem, sua disciplina, sua forma de se relacionar com o
mundo, seu papel social, as mudanças ocorridas, as crises
enfrentadas, suas doutrinas, a relação com outras
denominações e sua forma de governo.
A IGREJA, O QUE É?
NÃO É:
•PRÉDIO
•LUGAR DE REUNIÃO
•NEM INSTITUIÇÃO
•Igreja são todas as pessoas, em todo
o mundo, que se converteram a Jesus
Cristo e seguem Sua Palavra. É como
um Corpo. Uma igreja é formada por
pessoas, não por construções físicas
(templos).
•As pessoas não se reúnem na igreja. É
a igreja que se reúne em um lugar.
•Nesta acepção, é chamada
IGREJA INVISÍVEL, a que tem vida
interior, espiritual. Cristo é o
cabeça de Corpo.
IGREJA LOCAL
• Dá-se o nome de IGREJA VISÍVEL ao grupo de pessoas
chamadas MEMBROS, unidas
• na mesma fé em Cristo Jesus, devidamente batizadas nas
Águas e compromissadas e fiéis à Obra do Senhor.
• Estas se reúnem regularmente em determinado lugar (Ef
1:1,
• Cl 1:2), sob a coordenação e direção de um Pastor (Tt
2:7, I Tm 1:11). É a Igreja que, por força das exigências da
Lei e dos Países em que atua, é institucionalizada e
organizada por ESTATUTOS, de maneira formal e legal,
devidamente registrada e reconhecida como Pessoa
Jurídica.
O INICIO DE TUDO.
• E habitarei no meio dos filhos de Israel, e lhes
serei o seu Deus,
E saberão que eu sou o Senhor seu Deus, que os
tenho tirado da terra do Egito, para habitar no
meio deles. Eu sou o Senhor seu Deus
Êxodo 29:45,46
TABERNÁCULO DE MOISÉS
•O Tabernáculo foi tido por muito
tempo como sendo a Casa de Deus
em Israel, durante 400 anos. Durante
a maior parte do tempo, ficou em
Siló. Com o passar dos anos e devido
a inúmeros fatores históricos o
Tabernáculo de Israel foi substituído
por outras construções descritas a
seguir:
TEMPLO DE SALOMÃO:
Foi saqueado cinco anos
após a morte de
Salomão e destruído
pelos babilônicos no ano
586 a.C.
TEMPLO DE ZOROBABEL
Também chamado de 2º
Templo, foi construído
depois da volta do cativeiro.
Permaneceu por 500 anos.
TEMPLO DE HERODES
Ampliação do Templo de Zorobabel, construído por Herodes o Grande, era um
edifício realmente magnífico de mármore, ouro...
Foi destruido pelos romanos no ano 70 d.C.
A SINAGOGA
A EDIFICAÇÃO DA IGREJA.
• Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre
esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas
do inferno não prevalecerão contra ela;
E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo
o que ligares na terra será ligado nos céus, e
tudo o que desligares na terra será desligado
nos céus.
Mateus 16:18,19
IGREJA COMO ORGANISMO E
NÃO ORGANIZAÇÃO.
A IGREJA UNIVERSAL
• Consiste em todos os discípulos de Cristo
em todo o Mundo.
FORMAS DE GOVERNO DA
IGREJA
•1. Episcopal
•2. Presbiteriano
•3. Congregacional
• Governo Eclesiástico Episcopal
• O modelo de governo Episcopal centraliza as decisões na
pessoa do presidente da Igreja. Esse modelo de governo é
muito comum, principalmente em Igrejas pequenas, onde o
pastor responsável por tomar a decisões, já que não possui
líderes capacitados para tomar as decisões.
• Além disso, em pequenas Igrejas, muitos pastores utilizam
recursos próprios para aplicar na Igreja. Nesse tipo de
governo, tudo é resolvido de forma ágil.
• Porém, pelo fato de o governo Episcopal dar ao presidente
total poder de decisão, o mesmo deve sempre manter todas
as suas decisões esclarecidas, a fim de evitar qualquer tipo de
questionamento por parte dos membros.
• Governo Eclesiástico Presbiterial
• A administração é exercida por um conselho, que é eleito
pelos membros, para em conjunto governar a igreja. Nesse
regime de governo, um grupo de líderes eleitos pela Igreja
toma as decisões, impedindo a participação de membros que
talvez não estejam preparados para tratar de alguns assuntos.
• Vale ressaltar que a disponibilidade dos membros do conselho
é de extrema importância, pois isso a falta da mesma pode
atrapalhar a tomada de decisão, deixando o pastor de mãos
atadas.
• Governo Eclesiástico Congregacional
• O governo da Igreja é atribuído aos membros da mesma, que
tomam as decisões através de uma assembléia geral. Nesse
modelo, todos os membros em comunhão possuem direito de
voto sobre questões que vão desde a reforma da Igreja até a
eleição da Diretoria.
• O ponto negativo desse regime de governo é exatamente o poder
que é dado aos membros, permitindo a criação de grupos
políticos, dando aos mesmos o poder de até mesmo retirar o
pastor da sua função.
• Em casos mais simples, como a aprovação de uma reforma por
exemplo, a vontade da maioria prevalece, impedindo que o
planejamento estabelecido pelo pastor da Igreja seja concretizado.
• A demora na tomada de decisão também é um fator negativo, pois
qualquer decisão depende da quantidade de membros presentes e
da votação da maioria para que a mesma seja tomada.
• Por conta disso, muitas igrejas que utilizam o regime de governo
congregacional, estão criando uma espécie de conselho, onde os
líderes tratam de alguns assuntos e, só após essa reunião, levam
à assembleia dos membros.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

A NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUSA NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
 
Evangelismo estudo pratico
Evangelismo   estudo pratico Evangelismo   estudo pratico
Evangelismo estudo pratico
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
 
hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.
 
Panorama Bíblico
Panorama Bíblico Panorama Bíblico
Panorama Bíblico
 
15. O Livro de I Reis
15. O Livro de I Reis15. O Livro de I Reis
15. O Livro de I Reis
 
7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
 
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser SuestimadaLição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
 
Lição 1 - A Igreja e o Plano Divino
Lição 1 - A Igreja e o Plano DivinoLição 1 - A Igreja e o Plano Divino
Lição 1 - A Igreja e o Plano Divino
 
Curso para obreiros
Curso para obreirosCurso para obreiros
Curso para obreiros
 
1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia
 
Teologia sistemática 3
Teologia sistemática 3Teologia sistemática 3
Teologia sistemática 3
 
O que e Igreja
O que e IgrejaO que e Igreja
O que e Igreja
 
Escola Bíblica - Eclesiologia
Escola Bíblica - EclesiologiaEscola Bíblica - Eclesiologia
Escola Bíblica - Eclesiologia
 
4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
 

Semelhante a Eclesiologia

A igreja se tornou uma prisão
A igreja se tornou uma prisãoA igreja se tornou uma prisão
A igreja se tornou uma prisão
Juraci Rocha
 
Postila para igreja em células
Postila para igreja em célulasPostila para igreja em células
Postila para igreja em células
Joao Rumpel
 

Semelhante a Eclesiologia (20)

E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 103º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 103º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
 
Visão
VisãoVisão
Visão
 
Doutrinas Bíblicas - Eclesiologia
Doutrinas Bíblicas - EclesiologiaDoutrinas Bíblicas - Eclesiologia
Doutrinas Bíblicas - Eclesiologia
 
O QUE É IGREJA CATÓLICA ROMANA? [HERESIOLOGIA]
O QUE É IGREJA CATÓLICA ROMANA? [HERESIOLOGIA]O QUE É IGREJA CATÓLICA ROMANA? [HERESIOLOGIA]
O QUE É IGREJA CATÓLICA ROMANA? [HERESIOLOGIA]
 
Com a cabeça nas nuvens
Com a cabeça nas nuvensCom a cabeça nas nuvens
Com a cabeça nas nuvens
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
 
A necessidade de uma nova reforma
A necessidade de uma nova reformaA necessidade de uma nova reforma
A necessidade de uma nova reforma
 
Lbj lição 3 a organização da igreja
Lbj lição 3   a organização da igrejaLbj lição 3   a organização da igreja
Lbj lição 3 a organização da igreja
 
A igreja se tornou uma prisão
A igreja se tornou uma prisãoA igreja se tornou uma prisão
A igreja se tornou uma prisão
 
Melhorando as dinâmicas pr george
Melhorando as dinâmicas pr georgeMelhorando as dinâmicas pr george
Melhorando as dinâmicas pr george
 
S divisões na igreja não agradam a deus
S divisões na igreja não agradam a deusS divisões na igreja não agradam a deus
S divisões na igreja não agradam a deus
 
2015 3 tri lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãs
2015 3 tri lição 3   oração e recomendação às mulheres cristãs2015 3 tri lição 3   oração e recomendação às mulheres cristãs
2015 3 tri lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãs
 
As diferenças denominacionais
As diferenças denominacionaisAs diferenças denominacionais
As diferenças denominacionais
 
Postila para igreja em células
Postila para igreja em célulasPostila para igreja em células
Postila para igreja em células
 
Visão seara - Igreja Seara Porto Alegre
Visão seara -  Igreja Seara Porto AlegreVisão seara -  Igreja Seara Porto Alegre
Visão seara - Igreja Seara Porto Alegre
 
Onde está a verdade de Deus?
Onde  está a verdade de  Deus? Onde  está a verdade de  Deus?
Onde está a verdade de Deus?
 
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7   A igreja na reforma protestanteLbj lição 7   A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
 
Visao e pratica de celulas
Visao e pratica de celulasVisao e pratica de celulas
Visao e pratica de celulas
 

Último

clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 

Eclesiologia

  • 2. DEFINIÇÃO. • Eclesiologia (do grego ekklesia e logos) é o ramo da teologia cristã que trata da doutrina da Igreja: seu papel na salvação, sua origem, sua disciplina, sua forma de se relacionar com o mundo, seu papel social, as mudanças ocorridas, as crises enfrentadas, suas doutrinas, a relação com outras denominações e sua forma de governo.
  • 3. A IGREJA, O QUE É?
  • 4.
  • 5. NÃO É: •PRÉDIO •LUGAR DE REUNIÃO •NEM INSTITUIÇÃO
  • 6.
  • 7.
  • 8. •Igreja são todas as pessoas, em todo o mundo, que se converteram a Jesus Cristo e seguem Sua Palavra. É como um Corpo. Uma igreja é formada por pessoas, não por construções físicas (templos). •As pessoas não se reúnem na igreja. É a igreja que se reúne em um lugar.
  • 9. •Nesta acepção, é chamada IGREJA INVISÍVEL, a que tem vida interior, espiritual. Cristo é o cabeça de Corpo.
  • 10. IGREJA LOCAL • Dá-se o nome de IGREJA VISÍVEL ao grupo de pessoas chamadas MEMBROS, unidas • na mesma fé em Cristo Jesus, devidamente batizadas nas Águas e compromissadas e fiéis à Obra do Senhor. • Estas se reúnem regularmente em determinado lugar (Ef 1:1, • Cl 1:2), sob a coordenação e direção de um Pastor (Tt 2:7, I Tm 1:11). É a Igreja que, por força das exigências da Lei e dos Países em que atua, é institucionalizada e organizada por ESTATUTOS, de maneira formal e legal, devidamente registrada e reconhecida como Pessoa Jurídica.
  • 11. O INICIO DE TUDO.
  • 12. • E habitarei no meio dos filhos de Israel, e lhes serei o seu Deus, E saberão que eu sou o Senhor seu Deus, que os tenho tirado da terra do Egito, para habitar no meio deles. Eu sou o Senhor seu Deus Êxodo 29:45,46
  • 14.
  • 15. •O Tabernáculo foi tido por muito tempo como sendo a Casa de Deus em Israel, durante 400 anos. Durante a maior parte do tempo, ficou em Siló. Com o passar dos anos e devido a inúmeros fatores históricos o Tabernáculo de Israel foi substituído por outras construções descritas a seguir:
  • 16. TEMPLO DE SALOMÃO: Foi saqueado cinco anos após a morte de Salomão e destruído pelos babilônicos no ano 586 a.C.
  • 17. TEMPLO DE ZOROBABEL Também chamado de 2º Templo, foi construído depois da volta do cativeiro. Permaneceu por 500 anos.
  • 18. TEMPLO DE HERODES Ampliação do Templo de Zorobabel, construído por Herodes o Grande, era um edifício realmente magnífico de mármore, ouro... Foi destruido pelos romanos no ano 70 d.C.
  • 20. A EDIFICAÇÃO DA IGREJA. • Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus. Mateus 16:18,19
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26. IGREJA COMO ORGANISMO E NÃO ORGANIZAÇÃO.
  • 27.
  • 28. A IGREJA UNIVERSAL • Consiste em todos os discípulos de Cristo em todo o Mundo.
  • 29. FORMAS DE GOVERNO DA IGREJA •1. Episcopal •2. Presbiteriano •3. Congregacional
  • 30. • Governo Eclesiástico Episcopal • O modelo de governo Episcopal centraliza as decisões na pessoa do presidente da Igreja. Esse modelo de governo é muito comum, principalmente em Igrejas pequenas, onde o pastor responsável por tomar a decisões, já que não possui líderes capacitados para tomar as decisões. • Além disso, em pequenas Igrejas, muitos pastores utilizam recursos próprios para aplicar na Igreja. Nesse tipo de governo, tudo é resolvido de forma ágil. • Porém, pelo fato de o governo Episcopal dar ao presidente total poder de decisão, o mesmo deve sempre manter todas as suas decisões esclarecidas, a fim de evitar qualquer tipo de questionamento por parte dos membros.
  • 31. • Governo Eclesiástico Presbiterial • A administração é exercida por um conselho, que é eleito pelos membros, para em conjunto governar a igreja. Nesse regime de governo, um grupo de líderes eleitos pela Igreja toma as decisões, impedindo a participação de membros que talvez não estejam preparados para tratar de alguns assuntos. • Vale ressaltar que a disponibilidade dos membros do conselho é de extrema importância, pois isso a falta da mesma pode atrapalhar a tomada de decisão, deixando o pastor de mãos atadas.
  • 32. • Governo Eclesiástico Congregacional • O governo da Igreja é atribuído aos membros da mesma, que tomam as decisões através de uma assembléia geral. Nesse modelo, todos os membros em comunhão possuem direito de voto sobre questões que vão desde a reforma da Igreja até a eleição da Diretoria. • O ponto negativo desse regime de governo é exatamente o poder que é dado aos membros, permitindo a criação de grupos políticos, dando aos mesmos o poder de até mesmo retirar o pastor da sua função. • Em casos mais simples, como a aprovação de uma reforma por exemplo, a vontade da maioria prevalece, impedindo que o planejamento estabelecido pelo pastor da Igreja seja concretizado. • A demora na tomada de decisão também é um fator negativo, pois qualquer decisão depende da quantidade de membros presentes e da votação da maioria para que a mesma seja tomada. • Por conta disso, muitas igrejas que utilizam o regime de governo congregacional, estão criando uma espécie de conselho, onde os líderes tratam de alguns assuntos e, só após essa reunião, levam à assembleia dos membros.