O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 33 Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Semelhante a Motivação (20)

Anúncio

Mais de Caio Maximino (20)

Mais recentes (20)

Anúncio

Motivação

  1. 1. Motivação Prof. Dr. Caio Maximino IESB/Unifesspa Processos Psicológicos Básicos – Aula IX
  2. 2. Slides
  3. 3. Conteúdos ● Definir motivos, necessidades, e impulsos ● Distinguir entre motivação extrínseca e motivação intrínseca ● Discutir as relações entre autoeficácia, motivo para a realização, gratificação tardia e realização do objetivo. ● Descrever teorias da motivação (hierarquia de necessidades de Maslow, lei de Yerkes-Dodson, teoria da necessidade de pertencimento) ● Analisar a psicobiologia do comportamento alimentar e do comportamento sexual
  4. 4. Qualidades essenciais dos estdos motivacionais 1. Os estados motivacionais são energizantes, ou estimulantes. Eles ativam comportamentos. 2. Os estados motivacionais são diretivos. Eles orientam os comportamentos em direção a atender objetivos ou necessidades específicas. 3. Os estados motivacionais ajudam os animais a persistir em seu comportamento até que alcancem seus objetivos ou satisfaçam suas necessidades. 4. A maior parte das teorias concorda que os motivos diferem em força, dependendo de forças internas e externas.
  5. 5. Necessidades ● Estado de deficiência biológica ou social. ● Levam a comportamentos guiados por objetivos. ● A falha em satisfazer uma necessidade específica leva a um comprometimento psicossocial ou físico.
  6. 6. A hierarquia das necessidades de Maslow
  7. 7. A hierarquia das necessidades de Maslow GAZZANIGA, M. S.; HEATHERTON, T. F. Ciência psicológica: Mente, cérebro e comportamento. 5ª Ed. Porto Alegre: Artmed. 2018.
  8. 8. Auto-atualização e motivação ● Foco na pessoa e suas motivações ● O estado de auto-atualização ocorre quando o indivíduo alcança seus sonhos e aspirações pessoais (i.e., quando alcançam a “realização pessoal”) ● A teoria de Maslow é mais útil como indicador do que poderia ser verdadeiro do que o que realmente acontece em relação à motivação e ao comportamento ─ Algumas pessoas mantém-se com fome propositadamente durante greves de fome, demonstrando a importância de suas crenças pessoais ─ Algumas pessoas, tendo satisfeitas suas necessidades fisiológicas e de segurança, preferem ficam a sós
  9. 9. QUIZ
  10. 10. Teoria da redução dos impulsos ● O impulso (drive) é um estado psicológico que, por meio da criação de alerta fisiológico, motiva um organismo a atender uma necessidade. ● Um dado impulso incentiva comportamentos que irão satisfazer uma necessidade específica. ● Para necessidades biológicas básicas como a sede ou a fome, impulsos básicos ajudam a manter a homeostase (estabilidade ou equilíbrio dinâmico do estado interno) ● Hull (1943): quando um animal é privado de alguma necessidade (como água, sono ou sexo), um impulso aumenta em proporção à quantidade de privação biológica. O estado de impulso cria alerta, que incentiva o animal a fazer algo para reduzir esse impulso. ─ Qualquer comportamento que satisfaça a necessidade é reforçado, e terá mais chance de ocorrer novamente no futuro; se um comportamento reduz um impulso de maneira consistente, torna-se um hábito
  11. 11. Exemplos GAZZANIGA, M. S.; HEATHERTON, T. F. Ciência psicológica: Mente, cérebro e comportamento. 5ª Ed. Porto Alegre: Artmed. 2018.
  12. 12. Impulsos e alerta fisiológico ● Nem sempre mais alerta fisiológico leva a um maior impulso! ● Lei de Yerkes-Dodson: o desempenho em tarefas desafiadoras aumenta com o alerta fisiológico até um ponto moderado. Depois disso, o desempenho é prejudicado por qualquer alerta fisiológico adicional. ● A motivação nem sempre diminui a tensão e o alerta; somos motivados individualmente a procurar um nível ótimo de alerta fisiológico
  13. 13. Incentivos ● Os impulsos levam-nos a reduzir o alerta fisiológico, mas somos atraídos na direção de partes específicas de nosso ambiente ─ Incentivos são objetos ou objetivos externos (ao invés de impulsos internos) que motivam o comportamento ● Mesmo forças externas à consciência podem fornecer incentivos para agir de uma determinada maneira ─ Exemplos: publicidade, mensagens subliminares
  14. 14. Motivação e prazer ● Freud propôs que os impulsos são satisfeitos de acordo com o princípio do prazer, que leva os indivíduos a buscar o prazer e evitar a dor ─ Hedonismo: desejo de prazer ● De uma perspectiva evolucionista, tanto motivações positivas quanto negativas são adaptativas ─ Ex.: as motivações de abordagem (buscar alimento, sexo, e companhia) tipicamente são associadas ao prazer, enquanto as motivações de evitação são motivadas negativamente por ser associada à dor ─ Os animais preferem comer coisas doces, o que normalmente é um sinal de segurança. A maioria das toxinas têm gosto amargo, e portanto evitamos gostos amargos
  15. 15. Alguns comportamentos são auto-motivados ● O prazer pode ser associado à satisfação de necessidades biológicas e à realização de comportamentos adaptativos ─ Motivação extrínseca: motivação de realizar certas atividades por causa dos objetivos externos aos quais a atividade é dirigida; p. ex., trabalhar para receber um pagamento ─ Motivação intrínseca: motivação de realizar certas atividades por causa do valor ou prazer associado à atividade; p. ex., ler ficção, ouvir música ● A exploração lúdica é característica de todos os mamíferos e, especialmente, dos primatas. ─ Uma das funções do jogo é que ele ajuda as pessoas a aprender sobre os objetos em um ambiente ● A criatividade é a tendência de gerar ideias ou alternativas que podem ser úteis na resolução de problemas, na comunicação, ou para nos entretermos; muitos referem à criatividade como motivação intrínseca
  16. 16. QUIZ
  17. 17. Teoria da auto-determinação ● Evidências consistentes sugerem que recompensas extrínsecas podem sobrepujar a motivação intrínseca ● Teoria da auto-determinação: As pessoas são motivadas a satisfazer suas necessidades de competência, relacionamento com os outros, e autonomia ─ Recompensas extrínsecas podem reduzir o valor intrínseco porque sobrepujam o sentimento de que estamos escolhendo algo por nós mesmos ─ Em contraste, sentimentos de autonomia e competência fazem com que as pessoas sintam-se bem consigo mesmas e as inspiram ao trabalho mais criativo
  18. 18. Teoria da auto-percepção ● Evidências consistentes sugerem que recompensas extrínsecas podem sobrepujar a motivação intrínseca ● Teoria da auto-percepção: As pessoas raramente estão conscientes dos seus motivos específicos; fazem inferências sobre seus motivos de acordo com o que faz mais sentido ─ “Uau, acho que eu estava mesmo com sede!” ─ Quando as pessoas não dão explicações externas óbvias para seus comportamentos, elas concluem que simplesmente gostam dos comportamentos ─ Contudo, recompensar as pessoas por engajar-se em atividades intrínsecas lhes dá uma explicação alternativa para se envolver nessa atividade
  19. 19. As pessoas definem objetivos a serem alcançados ● O estudo das necessidades psicossociais tem rendido importantes insights sobre o que motiva o comportamento humano. ● Um aspecto-chave é que as pessoas são especialmente motivadas a alcançar objetivos pessoais. ● A auto-regulação do comportamento é o processo pelo qual as pessoas mudam seu comportamento para alcançar objetivos pessoais. ● De acordo com Locke e Latham, objetivos específicos e desafiadores – mas não muito difíceis – são melhores ─ Objetivos que sejam fáceis ou difíceis demais diminuem a motivação e levam à falha ● Dividir objetivos específicos em passos concretos e focar-se em objetivos de curto prazo pode ajudar a alcançar objetivos de longo prazo
  20. 20. Pensando criticamente: Reconhecendo quando a reatância psicológica influencia o nosso pensamento
  21. 21. Pensando criticamente ● A reatância psicológica é um estado motivacional iniciado quando nossos sentimentos de liberdade pessoal são ameaçados ─ A reatância leva os indivíduos a tentar restabelecer sua liberdade ameaçada ou perdida ● Exemplos: juri deve ignorar um conjunto de evidências; comportamento de fumar em adolescentes ● Ao percebermos como nosso pensamento foi influenciado por essa variável potencialmente irrelevante, pode ser mais fácil fazer escolhas mais bem informadas e racionais
  22. 22. Auto-eficácia e motivo para a realização ● Albert Bandura argumentou que as expectativas de uma pessoa para o sucesso tem um papel importante na motivação ● Auto-eficácia é a expectativa de que os seus esforços levarão ao sucesso; essa expectativa ajuda a mobilizar suas energias ● O motivo para a realização é o desejo de ser bem- sucedido em relação a padrões de excelência ● Indivíduos com alto motivo para a realização necessitam de objetivos desafiadores (mas factíveis), enquanto aqueles com baixo motivo para a realização necessitam de objetivos muito fáceis ou impossivelmente altos
  23. 23. Atraso de gratificação ● https://www.youtube.com/watch?v=77XIyD0YTqU ● A capacidade de auto-regular é desafiada pela necessidade de atrasar a gratificação imediata na busca de objetivos de longo prazo ● Mischel e Metcalf – A estratégia mais bem-sucedida para atrasar a gratificação é transformar “cognições quentes” em “cognições frias” ─ Focar-se em significados conceituais ou simbólicos ao invés de prazer e recompensa
  24. 24. A crise de replicação: O experimento do Marshmallow ● Shoda et al. (1990): “Análises experimentais dos processos cognitivo-atencionais que afetam a espera nessa situação ajudaram a identificar condições nas quais o comportamento de atraso seria mais provável de refletir competências cognitivas e atencionais relevantes. Como hipotetizado, nessas condições, padrões coerentes de correlações estatisticamente significantes foram encontrados entre segundos de tempo de atraso em tais condições na pré-escola e competência cognitiva e acadêmica e capacidade de lidar com a frustração e estresse na adolescência.” ● Watts et al. (2018): “Concentrando-se em crianças cujas mães não haviam completado a faculdade, descobrimos que um minuto adicional esperado aos 4 anos de idade previa um ganho de aproximadamente um décimo de desvio padrão na conquista aos 15 anos. Mas essa correlação bivariada era apenas metade do tamanho daqueles relatados em os estudos originais e foi reduzida em dois terços na presença de controles para o contexto familiar, capacidade cognitiva precoce e ambiente doméstico.”
  25. 25. Motivos “superiores”: Motivos epistêmicos e existenciais ● Heider (1985): a busca de explicações causais é parte fundamental da construção de um entendimento estável, preciso, e internamente consistente do mundo ─ Essas explicações servem a motivos epistêmicos específicos, incluindo a saciação da curiosidade quando a informação não está disponível, a redução da incerteza e da perplexidade quando a informação disponível é conflitante, a busca de significado quando os eventos parecem aleatórios, e a defesa das crenças da desconfirmação. ● Tetlock (2002): necessidade de nos sentirmos seguros no nosso ambiente e exercer controle sobre ele como indivíduos autônomos e como membros de uma coletividade
  26. 26. Motivos sociais
  27. 27. Necessidade de pertencimento ● Como espécie social, temos uma necessidade de pertencimento ● Roy Baumeister e Mark Leary formularam a teoria da necessidade de pertencimento, que sugere que a necessidade de vínculos interpessoais é um motivo fundamental que evoluiu por razões adaptativas. ● Explicações evolutivas: grupos efetivos compartilhavam alimentos, provinham acesso a consortes, e ajudavam a cuidar dos filhos (incluindo órfãos) ● Roy Baumeister e Mark Leary formularam a teoria da necessidade de pertencimento, que sugere que a necessidade de vínculos interpessoais é um motivo fundamental que evoluiu por razões adaptativas.
  28. 28. Necessidade de pertencimento ● As sociedades diferem em seus tipos de grupos, mas todas as sociedades têm alguma maneira de formação de grupos. ● Não pertencer a um grupo aumenta o risco da pessoa de ter várias consequências adversas, como doenças e morte prematura, o que sugere que a necessidade de pertencimento é um motivo básico que impulsiona o comportamento. ● Existem evidências que sugerem que as pessoas sentem-se ansiosas quando são excluídas de seu grupo social. ● Pessoas tímidas e solitárias tendem a preocupar-se muito com as avaliações sociais, e prestam muita atenção às informações sociais.
  29. 29. Ansiedade e afiliação
  30. 30. Ansiedade e afiliação ● De acordo com Schachter (1959), os outros provêm informações que nos ajudam a avaliar se estamos agindo de maneira apropriada ● Na teoria de comparação social de Festinger, somos motivados a obtermos informações precisas sobre nós mesmos e sobre os outros ─ Nos comparamos com aqueles à nossa volta para testar e validar nossas crenças sociais e respostas emocionais ● O efeito é mais forte quando a situação é ambígua e podemos nos comparar com pessoas relativamente similares a nós
  31. 31. Pensando criticamente: Psicologia da motivação e teorias da conspiração
  32. 32. Pensando criticamente ● Teorias patentemente falsas, mas que oferecem explicações de mundo por vezes simplistas. ● O que faz com que as pessoas acreditem em terraplanismo, ou ouçam o “astrólogo da Virgínia” como se fossem autoridades? ● Karen Douglas: as razões para isso se localizam em 3 categorias de motivação ─ Motivos epistêmicos – as teorias dão explicações simplificadas para um mundo caótico ─ Motivos existenciais – especialmente quando as explicações alternativas soam “ameaçadoras” ─ Necessidade de pertencimento – pessoas socialmente marginalizadas tem mais probabilidade de acreditar em teorias da conspiração
  33. 33. Slides

×