Motivação

581 visualizações

Publicada em

Trabalho sobre motivação apresentado para a disciplina Psicologia das Relações no Trabalho, do Mestrado Profissional em Gestão de Unidade de Informação, da Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
581
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Motivação

  1. 1. MOTIVAÇÃO Juliana Gulka Fabiana Brigidi
  2. 2. “A palavra motivação vem do Latim „motivus‟, relativo a movimento, coisa móvel.” (NAKAMURA et al., 2005, p. 21) A motivação faz com que os indivíduos permaneçam focados até atingir sua meta ou objetivo. O comportamento da motivação pode considerar desejos, sonhos, vontade, esperança, etc. Motivo + Ação •
  3. 3. Pessoas motivadas tornam-se mais produtivas, atuando com maior satisfação, produzindo efeitos multiplicadores. Despertá-la, mantê- la e canalizá-la para os objetivos da organização tem sido preocupação constante dos administradores. (NAKAMURA et al., 2005)
  4. 4. Teorias Motivacionais Conteúdo Parte da determinação das necessidades humanas para explicar a motivação sem cogitar questões psicológicas nesse processo. (PÉREZ-RAMOS, 1990)
  5. 5. Teoria da Hierarquia de Necessidades (Maslow, 1954)
  6. 6. • Teoria Bifatorial de Motivação — Higiene (Herzberg, 1959) • Teoria Y (McGregor, 1960) • Poder, Afiliação e Realização (McClelland, 1961) • Teoria ERG (Existência, Relacionamento, Crescimento) (Alderfer, 1969) • Teoria Z (Ouchi, 1983).
  7. 7. Teorias Motivacionais Processo Foca a atenção na percepção e perspectiva do indivíduo quando esse estabelece metas e objetivos, e na tomada de decisão. (PÉREZ-RAMOS, 1990)
  8. 8. • Teoria da Dissonância Cognitiva (Festinger, 1954) • Teoria da Eqüidade (Adams, 1961-1963) • Expectância (Vroom, 1964) • Teoria do Estabelecimento de Metas (Locke, 1968-1975) • Teoria do Desempenho-Satisfação (Porter & Lawler, 1968) • Teorias de Atribuições (Kelly, 1971) • Teoria da Auto-percepção (Bem, 1972).
  9. 9. Mas... Nenhuma dessas teorias é suficiente isoladamente. Há outros fatores a considerar.
  10. 10. Sintomas da crise de motivação na indústria Norte-Americana • baixa produtividade • problemas de qualidade • atendimento ao cliente ineficaz • acidentes dispendiosos • altos índices de absenteísmo • aumento da violência no local de trabalho • queda da moral • etc.
  11. 11. Falta de Motivação Principal preocupação do RH de proprietários e gerentes de empresas norte-americanas.
  12. 12. Supermotivação – Spitzer, 1995 “Supermotivação é motivação elevada, auto-sustentada, que abrange a organização como um todo.” (p. 17) Motivação elevada: desempenho humano = habilidade X motivação
  13. 13. Concepções incorretas sobre motivação • Algumas pessoas são motivadas, outras não. • As recompensas conseguirão motivar os funcionários. • A ameaça é a única motivação que algumas pessoas entendem. • Funcionários felizes são funcionários motivados. • A motivação é responsabilidade do departamento pessoal ou do supervisor. • Motivação é bom senso.
  14. 14. Histórico de prioridades dos trabalhadores Antes: 1º trabalho Agora: 1º família 2º lazer 3º trabalho • A nova geração de funcionários é dedicada mais a sim mesmo e menos à organização. • Eles também tem expectativas mais elevadas em relação ao que o trabalho pode e deve ser. • A nova geração de funcionários quer que seu trabalho seja agradável, estimulante e desafiador, e não uma espécie de agonia de segunda a sexta- feira.
  15. 15. Fatores que influenciam na motivação Positivos = motivadores Recompensas não- monetárias como envolvimento, liberdade, responsabilidade, realização e significado = estímulo permanente, incorporado à organização
  16. 16. Fatores que influenciam na motivação Negativos = desmotivadores Política, expectativas obscuras, regras desnecessárias, trabalho mal projetado, reuniões improdutivas, falta de follow up, mudança constante, competição interna, desonestidade, hipocrisia, sonegação de informações, injustiça, respostas desencorajadoras, críticas, capacidade subutilização, tolerância ao desempenho inferior, os ignorados, invisibilidade da gerência, excesso de controle, cancelamentos, tédio do trabalho e má qualidade.
  17. 17. Abordagem da supermotivação: reduzir desmotivadores e acrescentar motivadores • Garanta o patrocínio • Crie expectativas realistas • Forme uma equipe coordenadora investida em empowerment • Identifique os desmotivadores da mais alta prioridade • Desenvolva uma estratégia de redução de desmotivadores • Desenvolva planos específicos para a redução de desmotivadores • Enfatize a comunicação durante a implementação • Reconheça as melhorias
  18. 18. Desafio da liderança • A gerência, em especial a alta gerência, é definitivamente responsável pela criação de um ambiente de trabalho que promova a motivação auto-sustentada na organização como um todo. • A automotivação é a força motivacional mais poderosa que existe. Libera a energia emocional latente contida em todos nós e tem o potencial de energizar o desempenho humano extraordinário.
  19. 19. Tipos de motivação Automotivação e motivação externa A motivação envolve a interação das pessoas e seu ambiente e, consequentemente, quase sempre resulta de uma combinação de fatores internos e externos.
  20. 20. Motivação = liberação de energia
  21. 21. Oito desejos humanos universais • atividade, propriedade, poder, afiliação, competência, realização, reconhecimento e significado. Quando exprimidos, gera-se grande motivação. Quando bloqueados, o resultado inevitável é raiva e frustração. http://goo.gl/AxAHQl
  22. 22. Obrigada!
  23. 23. Referências NAKAMURA, Cristiane C. et al. Motivação no trabalho. Maringá Management: Revista de Ciências empresariais, Maringá, v. 2, n. 1, p. 20-25, jan./jun. 2005. PEREZ-RAMOS, Juan. Motivação no trabalho: abordagens teóricas. Psicol. USP, São Paulo , v. 1, n. 2, dez. 1990. Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678- 51771990000200004&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 03 set. 2015. SPITZER, Dean R. Supermotivação: uma estratégia para dinamizar todos os níveis da organização . 2. ed. São Paulo: Futura, 1998.

×