SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
MOTIVAÇÃO
Juliana Gulka
Fabiana Brigidi
“A palavra motivação vem do Latim
„motivus‟, relativo a movimento, coisa móvel.”
(NAKAMURA et al., 2005, p. 21)
A motivação faz com que os indivíduos
permaneçam focados até atingir sua meta
ou objetivo. O comportamento da motivação
pode considerar desejos, sonhos, vontade,
esperança, etc.
Motivo + Ação
•
Pessoas motivadas tornam-se mais produtivas,
atuando com maior satisfação, produzindo efeitos
multiplicadores.
Despertá-la, mantê-
la e canalizá-la
para os objetivos
da organização tem
sido preocupação
constante dos
administradores.
(NAKAMURA et al., 2005)
Teorias Motivacionais
Conteúdo
Parte da determinação das necessidades
humanas para explicar a motivação sem
cogitar questões psicológicas nesse processo.
(PÉREZ-RAMOS, 1990)
Teoria da Hierarquia de Necessidades
(Maslow, 1954)
• Teoria Bifatorial de Motivação — Higiene (Herzberg, 1959)
• Teoria Y (McGregor, 1960)
• Poder, Afiliação e Realização (McClelland, 1961)
• Teoria ERG (Existência, Relacionamento, Crescimento)
(Alderfer, 1969)
• Teoria Z (Ouchi, 1983).
Teorias Motivacionais
Processo
Foca a atenção na percepção e perspectiva
do indivíduo quando esse estabelece metas e
objetivos, e na tomada de decisão.
(PÉREZ-RAMOS, 1990)
• Teoria da Dissonância Cognitiva (Festinger, 1954)
• Teoria da Eqüidade (Adams, 1961-1963)
• Expectância (Vroom, 1964)
• Teoria do Estabelecimento de Metas (Locke, 1968-1975)
• Teoria do Desempenho-Satisfação (Porter & Lawler, 1968)
• Teorias de Atribuições (Kelly, 1971)
• Teoria da Auto-percepção (Bem, 1972).
Mas...
Nenhuma dessas teorias é suficiente
isoladamente.
Há outros fatores a considerar.
Sintomas da crise de motivação na
indústria Norte-Americana
• baixa produtividade
• problemas de qualidade
• atendimento ao cliente ineficaz
• acidentes dispendiosos
• altos índices de absenteísmo
• aumento da violência no local de trabalho
• queda da moral
• etc.
Falta de Motivação
Principal preocupação do RH de proprietários
e gerentes de empresas norte-americanas.
Supermotivação – Spitzer, 1995
“Supermotivação é motivação
elevada, auto-sustentada, que abrange
a organização como um todo.” (p. 17)
Motivação elevada:
desempenho humano = habilidade X motivação
Concepções incorretas sobre motivação
• Algumas pessoas são motivadas, outras não.
• As recompensas conseguirão motivar os
funcionários.
• A ameaça é a única motivação que algumas
pessoas entendem.
• Funcionários felizes são funcionários motivados.
• A motivação é responsabilidade do departamento
pessoal ou do supervisor.
• Motivação é bom senso.
Histórico de prioridades dos trabalhadores
Antes: 1º trabalho
Agora: 1º família 2º lazer 3º trabalho
• A nova geração de funcionários é dedicada mais
a sim mesmo e menos à organização.
• Eles também tem expectativas mais elevadas em
relação ao que o trabalho pode e deve ser.
• A nova geração de funcionários quer que seu
trabalho seja agradável, estimulante e desafiador,
e não uma espécie de agonia de segunda a sexta-
feira.
Fatores que influenciam na motivação
Positivos = motivadores
Recompensas não-
monetárias como
envolvimento, liberdade,
responsabilidade,
realização e significado
=
estímulo permanente,
incorporado à
organização
Fatores que influenciam na motivação
Negativos = desmotivadores
Política, expectativas obscuras, regras desnecessárias, trabalho
mal projetado, reuniões improdutivas, falta de follow up,
mudança constante, competição interna, desonestidade,
hipocrisia, sonegação de informações, injustiça, respostas
desencorajadoras, críticas, capacidade subutilização,
tolerância ao desempenho inferior, os ignorados, invisibilidade
da gerência, excesso de controle, cancelamentos, tédio do
trabalho e má qualidade.
Abordagem da supermotivação: reduzir
desmotivadores e acrescentar motivadores
• Garanta o patrocínio
• Crie expectativas realistas
• Forme uma equipe coordenadora investida em
empowerment
• Identifique os desmotivadores da mais alta prioridade
• Desenvolva uma estratégia de redução de desmotivadores
• Desenvolva planos específicos para a redução de
desmotivadores
• Enfatize a comunicação durante a implementação
• Reconheça as melhorias
Desafio da liderança
• A gerência, em especial a alta gerência, é
definitivamente responsável pela criação de um
ambiente de trabalho que promova a motivação
auto-sustentada na organização como um todo.
• A automotivação é a força motivacional mais
poderosa que existe. Libera a energia emocional
latente contida em todos nós e tem o potencial de
energizar o desempenho humano extraordinário.
Tipos de motivação
Automotivação e motivação externa
A motivação envolve a interação das
pessoas e seu ambiente e,
consequentemente, quase sempre
resulta de uma combinação de fatores
internos e externos.
Motivação = liberação de energia
Oito desejos humanos universais
• atividade, propriedade, poder, afiliação,
competência, realização, reconhecimento
e significado.
Quando exprimidos, gera-se grande
motivação.
Quando bloqueados, o resultado inevitável é
raiva e frustração.
http://goo.gl/AxAHQl
Obrigada!
Referências
NAKAMURA, Cristiane C. et al. Motivação no trabalho. Maringá
Management: Revista de Ciências empresariais, Maringá, v. 2, n. 1, p.
20-25, jan./jun. 2005.
PEREZ-RAMOS, Juan. Motivação no trabalho: abordagens
teóricas. Psicol. USP, São Paulo , v. 1, n. 2, dez. 1990. Disponível em
<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-
51771990000200004&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 03 set. 2015.
SPITZER, Dean R. Supermotivação: uma estratégia para dinamizar todos
os níveis da organização . 2. ed. São Paulo: Futura, 1998.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra motivacional
Palestra motivacionalPalestra motivacional
Palestra motivacionalFernando Lima
 
Apresentação do tema motivação da equipe
Apresentação do tema motivação da equipeApresentação do tema motivação da equipe
Apresentação do tema motivação da equipeDenisia Teixeira
 
Palestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalho
Palestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalhoPalestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalho
Palestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalhoDoroteiaSouza
 
A importância da inteligência emocional no trabalho
A importância da inteligência emocional no trabalhoA importância da inteligência emocional no trabalho
A importância da inteligência emocional no trabalhoinovaDay .
 
Aula 16 Motivação
Aula 16  MotivaçãoAula 16  Motivação
Aula 16 MotivaçãoLuiz Siles
 
Auto-motivação auto-estima e desenvolvimento pessoal
Auto-motivação auto-estima e desenvolvimento pessoalAuto-motivação auto-estima e desenvolvimento pessoal
Auto-motivação auto-estima e desenvolvimento pessoalCursos Profissionalizantes
 
Gestao de conflitos.ppt
Gestao de conflitos.pptGestao de conflitos.ppt
Gestao de conflitos.pptFtfmatta
 
Resiliência: a competência que nos leva a excelência!
Resiliência:  a competência que nos leva a excelência!Resiliência:  a competência que nos leva a excelência!
Resiliência: a competência que nos leva a excelência!Annelise Gripp
 
Grupos e Equipes
Grupos e EquipesGrupos e Equipes
Grupos e EquipesJOSUE DIAS
 
Motivação e trabalho em equipe
Motivação e trabalho em equipeMotivação e trabalho em equipe
Motivação e trabalho em equipeRúbian Fátima
 
Apresentação auto estima grupo 1
Apresentação auto estima grupo 1Apresentação auto estima grupo 1
Apresentação auto estima grupo 1pedagogicosjdelrei
 

Mais procurados (20)

Psicologia motivação
Psicologia motivaçãoPsicologia motivação
Psicologia motivação
 
Palestra motivacional
Palestra motivacionalPalestra motivacional
Palestra motivacional
 
Palestra Inteligência Emocional
Palestra Inteligência EmocionalPalestra Inteligência Emocional
Palestra Inteligência Emocional
 
Relacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20hRelacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20h
 
As Emoções e a Inteligência Emocional
As Emoções e a Inteligência EmocionalAs Emoções e a Inteligência Emocional
As Emoções e a Inteligência Emocional
 
Apresentação do tema motivação da equipe
Apresentação do tema motivação da equipeApresentação do tema motivação da equipe
Apresentação do tema motivação da equipe
 
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. RandesGestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. Randes
 
Palestra Motivação - Vix
Palestra Motivação - VixPalestra Motivação - Vix
Palestra Motivação - Vix
 
Palestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalho
Palestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalhoPalestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalho
Palestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalho
 
A importância da inteligência emocional no trabalho
A importância da inteligência emocional no trabalhoA importância da inteligência emocional no trabalho
A importância da inteligência emocional no trabalho
 
Aula 16 Motivação
Aula 16  MotivaçãoAula 16  Motivação
Aula 16 Motivação
 
Auto-motivação auto-estima e desenvolvimento pessoal
Auto-motivação auto-estima e desenvolvimento pessoalAuto-motivação auto-estima e desenvolvimento pessoal
Auto-motivação auto-estima e desenvolvimento pessoal
 
Gestao de conflitos.ppt
Gestao de conflitos.pptGestao de conflitos.ppt
Gestao de conflitos.ppt
 
Motivação..
Motivação..Motivação..
Motivação..
 
Resiliência: a competência que nos leva a excelência!
Resiliência:  a competência que nos leva a excelência!Resiliência:  a competência que nos leva a excelência!
Resiliência: a competência que nos leva a excelência!
 
Grupos e Equipes
Grupos e EquipesGrupos e Equipes
Grupos e Equipes
 
Apresentação motivacional
Apresentação motivacionalApresentação motivacional
Apresentação motivacional
 
Motivação e trabalho em equipe
Motivação e trabalho em equipeMotivação e trabalho em equipe
Motivação e trabalho em equipe
 
Palestra motivacional
Palestra motivacional Palestra motivacional
Palestra motivacional
 
Apresentação auto estima grupo 1
Apresentação auto estima grupo 1Apresentação auto estima grupo 1
Apresentação auto estima grupo 1
 

Destaque (6)

Liderança e motivação
Liderança e motivaçãoLiderança e motivação
Liderança e motivação
 
Slide 04 missão
Slide 04   missãoSlide 04   missão
Slide 04 missão
 
liderança
liderançaliderança
liderança
 
Motivação e liderança
Motivação e liderançaMotivação e liderança
Motivação e liderança
 
Palestra --liderança---motivação
Palestra --liderança---motivaçãoPalestra --liderança---motivação
Palestra --liderança---motivação
 
Liderança, clima e cultura organizacional
Liderança, clima e cultura organizacionalLiderança, clima e cultura organizacional
Liderança, clima e cultura organizacional
 

Semelhante a Motivação

Apresentação motivação
Apresentação motivaçãoApresentação motivação
Apresentação motivaçãoIvan Celio
 
Teorias de maslow e herzberg
Teorias de maslow e herzbergTeorias de maslow e herzberg
Teorias de maslow e herzbergalesilvajesus
 
Motivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneasMotivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneasPsicologia_2015
 
Apresentação motivação
Apresentação motivaçãoApresentação motivação
Apresentação motivaçãoCleber Bezerra
 
24701432 motivacao-nas-organizacoes
24701432 motivacao-nas-organizacoes24701432 motivacao-nas-organizacoes
24701432 motivacao-nas-organizacoespintcruz
 
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO.
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO. Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO.
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO. Nildo Guimaraes
 
Lideranca e motivacao - Conceitos e teorias
Lideranca e motivacao - Conceitos e teoriasLideranca e motivacao - Conceitos e teorias
Lideranca e motivacao - Conceitos e teoriasLeonardo Machado
 
S R A Bernadete MotivaçãO
S R A  Bernadete    MotivaçãOS R A  Bernadete    MotivaçãO
S R A Bernadete MotivaçãOtaniamaciel
 
Motivação e Sucesso no Marketing Multinível
Motivação e Sucesso no Marketing MultinívelMotivação e Sucesso no Marketing Multinível
Motivação e Sucesso no Marketing MultinívelManoel Miguel
 
Trabalho piramide da liderança
Trabalho piramide da liderançaTrabalho piramide da liderança
Trabalho piramide da liderançaEdvaldo Viana
 
Rh nocoes de adm rh saude
Rh nocoes de adm rh saudeRh nocoes de adm rh saude
Rh nocoes de adm rh saudeadmcontabil
 
Apresentação Motivação e Liderança de Grupos
Apresentação Motivação e Liderança de GruposApresentação Motivação e Liderança de Grupos
Apresentação Motivação e Liderança de Gruposbrunomiguelsoliveira
 

Semelhante a Motivação (20)

Apresentação motivação
Apresentação motivaçãoApresentação motivação
Apresentação motivação
 
Teorias de maslow e herzberg
Teorias de maslow e herzbergTeorias de maslow e herzberg
Teorias de maslow e herzberg
 
Motivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneasMotivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneas
 
Apresentação motivação
Apresentação motivaçãoApresentação motivação
Apresentação motivação
 
Fatores motivacionais.pdf
Fatores motivacionais.pdfFatores motivacionais.pdf
Fatores motivacionais.pdf
 
Aula_-_Cap_6_e_7.pdf
Aula_-_Cap_6_e_7.pdfAula_-_Cap_6_e_7.pdf
Aula_-_Cap_6_e_7.pdf
 
24701432 motivacao-nas-organizacoes
24701432 motivacao-nas-organizacoes24701432 motivacao-nas-organizacoes
24701432 motivacao-nas-organizacoes
 
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO.
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO. Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO.
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO.
 
Motivacao.pptx
Motivacao.pptxMotivacao.pptx
Motivacao.pptx
 
Motivacao.pptx
Motivacao.pptxMotivacao.pptx
Motivacao.pptx
 
Lideranca e motivacao - Conceitos e teorias
Lideranca e motivacao - Conceitos e teoriasLideranca e motivacao - Conceitos e teorias
Lideranca e motivacao - Conceitos e teorias
 
Processos motivacionais
Processos motivacionaisProcessos motivacionais
Processos motivacionais
 
S R A Bernadete MotivaçãO
S R A  Bernadete    MotivaçãOS R A  Bernadete    MotivaçãO
S R A Bernadete MotivaçãO
 
Motivação e Sucesso no Marketing Multinível
Motivação e Sucesso no Marketing MultinívelMotivação e Sucesso no Marketing Multinível
Motivação e Sucesso no Marketing Multinível
 
Trabalho piramide da liderança
Trabalho piramide da liderançaTrabalho piramide da liderança
Trabalho piramide da liderança
 
Cartilha de motivação
Cartilha de motivaçãoCartilha de motivação
Cartilha de motivação
 
Rh nocoes de adm rh saude
Rh nocoes de adm rh saudeRh nocoes de adm rh saude
Rh nocoes de adm rh saude
 
Apresentação Motivação e Liderança de Grupos
Apresentação Motivação e Liderança de GruposApresentação Motivação e Liderança de Grupos
Apresentação Motivação e Liderança de Grupos
 
Gestao de equipas
Gestao de equipasGestao de equipas
Gestao de equipas
 
MotivaçãO
MotivaçãOMotivaçãO
MotivaçãO
 

Mais de Juliana Gulka

Revisão de metadados para confiabilidade de artigos publicados em acesso aberto
Revisão de metadados para confiabilidade de artigos publicados em acesso abertoRevisão de metadados para confiabilidade de artigos publicados em acesso aberto
Revisão de metadados para confiabilidade de artigos publicados em acesso abertoJuliana Gulka
 
Serviços Colaborativos com uso das TICs em Bibliotecas
Serviços Colaborativos com uso das TICs em BibliotecasServiços Colaborativos com uso das TICs em Bibliotecas
Serviços Colaborativos com uso das TICs em BibliotecasJuliana Gulka
 
Gestão do Conhecimento para Unidades de Informação
Gestão do Conhecimento para Unidades de InformaçãoGestão do Conhecimento para Unidades de Informação
Gestão do Conhecimento para Unidades de InformaçãoJuliana Gulka
 
Ações de Comunicação
Ações de ComunicaçãoAções de Comunicação
Ações de ComunicaçãoJuliana Gulka
 
Resenha 5 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 5 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 5 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 5 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaJuliana Gulka
 
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaJuliana Gulka
 
Resenha 3 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 3 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 3 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 3 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaJuliana Gulka
 
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaJuliana Gulka
 
Resenha 1 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 1 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 1 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 1 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaJuliana Gulka
 
Resenha: O campo científico / Os usos sociais da ciência: por uma sociologia ...
Resenha: O campo científico / Os usos sociais da ciência: por uma sociologia ...Resenha: O campo científico / Os usos sociais da ciência: por uma sociologia ...
Resenha: O campo científico / Os usos sociais da ciência: por uma sociologia ...Juliana Gulka
 
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma teseResenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma teseJuliana Gulka
 
Discurso de Formatura
Discurso de FormaturaDiscurso de Formatura
Discurso de FormaturaJuliana Gulka
 
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...Juliana Gulka
 
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...Juliana Gulka
 
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO AUDIOVISUAL: o bibliotecário inserido no contexto muse...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO AUDIOVISUAL:  o bibliotecário inserido no contexto muse...ORGANIZAÇÃO DE ACERVO AUDIOVISUAL:  o bibliotecário inserido no contexto muse...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO AUDIOVISUAL: o bibliotecário inserido no contexto muse...Juliana Gulka
 
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...Juliana Gulka
 
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...Juliana Gulka
 
Analise crítica da tese: Leitura e Significados
Analise crítica da tese: Leitura e SignificadosAnalise crítica da tese: Leitura e Significados
Analise crítica da tese: Leitura e SignificadosJuliana Gulka
 

Mais de Juliana Gulka (20)

Revisão de metadados para confiabilidade de artigos publicados em acesso aberto
Revisão de metadados para confiabilidade de artigos publicados em acesso abertoRevisão de metadados para confiabilidade de artigos publicados em acesso aberto
Revisão de metadados para confiabilidade de artigos publicados em acesso aberto
 
Serviços Colaborativos com uso das TICs em Bibliotecas
Serviços Colaborativos com uso das TICs em BibliotecasServiços Colaborativos com uso das TICs em Bibliotecas
Serviços Colaborativos com uso das TICs em Bibliotecas
 
Gestão do Conhecimento para Unidades de Informação
Gestão do Conhecimento para Unidades de InformaçãoGestão do Conhecimento para Unidades de Informação
Gestão do Conhecimento para Unidades de Informação
 
Ações de Comunicação
Ações de ComunicaçãoAções de Comunicação
Ações de Comunicação
 
Resenha 5 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 5 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 5 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 5 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
 
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 4 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
 
Resenha 3 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 3 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 3 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 3 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
 
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 2 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
 
Resenha 1 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 1 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e TecnológicaResenha 1 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
Resenha 1 - Estudo dos Processos de Comunicação Científica e Tecnológica
 
Resenha: O campo científico / Os usos sociais da ciência: por uma sociologia ...
Resenha: O campo científico / Os usos sociais da ciência: por uma sociologia ...Resenha: O campo científico / Os usos sociais da ciência: por uma sociologia ...
Resenha: O campo científico / Os usos sociais da ciência: por uma sociologia ...
 
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma teseResenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
Resenha: Um discurso sobre as ciências / Como se faz uma tese
 
Discurso de Formatura
Discurso de FormaturaDiscurso de Formatura
Discurso de Formatura
 
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
 
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
 
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO AUDIOVISUAL: o bibliotecário inserido no contexto muse...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO AUDIOVISUAL:  o bibliotecário inserido no contexto muse...ORGANIZAÇÃO DE ACERVO AUDIOVISUAL:  o bibliotecário inserido no contexto muse...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO AUDIOVISUAL: o bibliotecário inserido no contexto muse...
 
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
 
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
 
Projeto de Índice
Projeto de ÍndiceProjeto de Índice
Projeto de Índice
 
Analise crítica da tese: Leitura e Significados
Analise crítica da tese: Leitura e SignificadosAnalise crítica da tese: Leitura e Significados
Analise crítica da tese: Leitura e Significados
 
Museu
MuseuMuseu
Museu
 

Último

AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 

Último (20)

AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 

Motivação

  • 2. “A palavra motivação vem do Latim „motivus‟, relativo a movimento, coisa móvel.” (NAKAMURA et al., 2005, p. 21) A motivação faz com que os indivíduos permaneçam focados até atingir sua meta ou objetivo. O comportamento da motivação pode considerar desejos, sonhos, vontade, esperança, etc. Motivo + Ação •
  • 3. Pessoas motivadas tornam-se mais produtivas, atuando com maior satisfação, produzindo efeitos multiplicadores. Despertá-la, mantê- la e canalizá-la para os objetivos da organização tem sido preocupação constante dos administradores. (NAKAMURA et al., 2005)
  • 4. Teorias Motivacionais Conteúdo Parte da determinação das necessidades humanas para explicar a motivação sem cogitar questões psicológicas nesse processo. (PÉREZ-RAMOS, 1990)
  • 5. Teoria da Hierarquia de Necessidades (Maslow, 1954)
  • 6. • Teoria Bifatorial de Motivação — Higiene (Herzberg, 1959) • Teoria Y (McGregor, 1960) • Poder, Afiliação e Realização (McClelland, 1961) • Teoria ERG (Existência, Relacionamento, Crescimento) (Alderfer, 1969) • Teoria Z (Ouchi, 1983).
  • 7. Teorias Motivacionais Processo Foca a atenção na percepção e perspectiva do indivíduo quando esse estabelece metas e objetivos, e na tomada de decisão. (PÉREZ-RAMOS, 1990)
  • 8. • Teoria da Dissonância Cognitiva (Festinger, 1954) • Teoria da Eqüidade (Adams, 1961-1963) • Expectância (Vroom, 1964) • Teoria do Estabelecimento de Metas (Locke, 1968-1975) • Teoria do Desempenho-Satisfação (Porter & Lawler, 1968) • Teorias de Atribuições (Kelly, 1971) • Teoria da Auto-percepção (Bem, 1972).
  • 9. Mas... Nenhuma dessas teorias é suficiente isoladamente. Há outros fatores a considerar.
  • 10. Sintomas da crise de motivação na indústria Norte-Americana • baixa produtividade • problemas de qualidade • atendimento ao cliente ineficaz • acidentes dispendiosos • altos índices de absenteísmo • aumento da violência no local de trabalho • queda da moral • etc.
  • 11. Falta de Motivação Principal preocupação do RH de proprietários e gerentes de empresas norte-americanas.
  • 12. Supermotivação – Spitzer, 1995 “Supermotivação é motivação elevada, auto-sustentada, que abrange a organização como um todo.” (p. 17) Motivação elevada: desempenho humano = habilidade X motivação
  • 13. Concepções incorretas sobre motivação • Algumas pessoas são motivadas, outras não. • As recompensas conseguirão motivar os funcionários. • A ameaça é a única motivação que algumas pessoas entendem. • Funcionários felizes são funcionários motivados. • A motivação é responsabilidade do departamento pessoal ou do supervisor. • Motivação é bom senso.
  • 14. Histórico de prioridades dos trabalhadores Antes: 1º trabalho Agora: 1º família 2º lazer 3º trabalho • A nova geração de funcionários é dedicada mais a sim mesmo e menos à organização. • Eles também tem expectativas mais elevadas em relação ao que o trabalho pode e deve ser. • A nova geração de funcionários quer que seu trabalho seja agradável, estimulante e desafiador, e não uma espécie de agonia de segunda a sexta- feira.
  • 15. Fatores que influenciam na motivação Positivos = motivadores Recompensas não- monetárias como envolvimento, liberdade, responsabilidade, realização e significado = estímulo permanente, incorporado à organização
  • 16. Fatores que influenciam na motivação Negativos = desmotivadores Política, expectativas obscuras, regras desnecessárias, trabalho mal projetado, reuniões improdutivas, falta de follow up, mudança constante, competição interna, desonestidade, hipocrisia, sonegação de informações, injustiça, respostas desencorajadoras, críticas, capacidade subutilização, tolerância ao desempenho inferior, os ignorados, invisibilidade da gerência, excesso de controle, cancelamentos, tédio do trabalho e má qualidade.
  • 17. Abordagem da supermotivação: reduzir desmotivadores e acrescentar motivadores • Garanta o patrocínio • Crie expectativas realistas • Forme uma equipe coordenadora investida em empowerment • Identifique os desmotivadores da mais alta prioridade • Desenvolva uma estratégia de redução de desmotivadores • Desenvolva planos específicos para a redução de desmotivadores • Enfatize a comunicação durante a implementação • Reconheça as melhorias
  • 18. Desafio da liderança • A gerência, em especial a alta gerência, é definitivamente responsável pela criação de um ambiente de trabalho que promova a motivação auto-sustentada na organização como um todo. • A automotivação é a força motivacional mais poderosa que existe. Libera a energia emocional latente contida em todos nós e tem o potencial de energizar o desempenho humano extraordinário.
  • 19. Tipos de motivação Automotivação e motivação externa A motivação envolve a interação das pessoas e seu ambiente e, consequentemente, quase sempre resulta de uma combinação de fatores internos e externos.
  • 21. Oito desejos humanos universais • atividade, propriedade, poder, afiliação, competência, realização, reconhecimento e significado. Quando exprimidos, gera-se grande motivação. Quando bloqueados, o resultado inevitável é raiva e frustração. http://goo.gl/AxAHQl
  • 23. Referências NAKAMURA, Cristiane C. et al. Motivação no trabalho. Maringá Management: Revista de Ciências empresariais, Maringá, v. 2, n. 1, p. 20-25, jan./jun. 2005. PEREZ-RAMOS, Juan. Motivação no trabalho: abordagens teóricas. Psicol. USP, São Paulo , v. 1, n. 2, dez. 1990. Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678- 51771990000200004&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 03 set. 2015. SPITZER, Dean R. Supermotivação: uma estratégia para dinamizar todos os níveis da organização . 2. ed. São Paulo: Futura, 1998.