SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Baixar para ler offline
Data:27denovembrode2016
A adoração integral ensinada por Jesus
Lição 9
4º trimestre de 2016
Título: Em Espírito e em
verdade — A essência da
adoração cristã
Comentarista:
Thiago Brazil
EM ESPÍRITO E
EM VERDADE
TextodoDia
Síntese
Jesus,em seu ministério,
preocupou-se em
apresentar o verdadeiro
caminho de adoração ao Pai.
Agendadeleitura
SEGUNDA — Lc 4.8
Adorar só a Deus
TERÇA — Mt 2.11
Jesus foi adorado desde o seu nascimento
QUARTA — Mt 15.9
A falsa adoração
QUINTA — Jo 12.13
Adoração sem profundidade
SEXTA — Lc 16.13
Adoração sem mistura
SÁBADO — Mt 14.33
Adoração como ato de reconhecimento da
natureza de Jesus
Objetivos
APRESENTAR a
adoração como uma
ação integral do ser
humano;
DISCUTIR a respeito
do amor ao próximo
como um requisito da
adoração;
PROBLEMATIZAR e
contextualizar o
conceito de próximo
na Igreja
contemporânea.
TextoBíblico
Lucas 10.25-35.
25 — E eis que se levantou um certo doutor da lei, tentando-o e dizendo: Mestre, que farei para
herdar a vida eterna?
26 — E ele lhe disse: Que está escrito na lei? Como lês?
27 — E, respondendo ele, disse: Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a
tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento e ao teu próximo como a ti
28 — E disse-lhe: Respondeste bem; faze isso e viverás.
29 — Ele, porém, querendo justificar-se a si mesmo, disse a Jesus: E quem é o meu próximo?
30 — E, respondendo Jesus, disse: Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos
dos salteadores, os quais o despojaram e, espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto.
31 — E, ocasionalmente, descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de
largo.
32 — E, de igual modo, também um levita, chegando àquele lugar e vendo-o, passou de largo.
33 — Mas um samaritano que ia de viagem chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima
compaixão.
34 — E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, aplicando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a
sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem e cuidou dele;
35 — E, partindo ao outro dia, tirou dois dinheiros, e deu-os ao hospedeiro, e disse-lhe: Cuida
dele, e tudo o que de mais gastares eu to pagarei, quando voltar.
INTRODUÇÃO
Jesus, através de sua vida, demonstra que adorar a Deus é muito
mais do que cumprir exigências cerimoniais; louvar ao Criador
envolve a totalidade de nosso ser: todo nosso espírito, alma e corpo.
Logo, se é tudo o que somos, a adoração está ligada também com
nossos relacionamentos. Deste modo, a maneira pela qual nos
relacionamos com as pessoas denuncia se somos ou não adoradores.
Partindo da célebre parábola de Jesus, em Lucas 10, refletiremos
nesta lição a respeito do caráter integral da verdadeira adoração a
Deus.
I. JESUS EXPLICA O QUE É ADORAÇÃO
A capciosa pergunta do doutor da lei (Lc 10.25).
1
1
Mais uma vez, Jesus está às voltas com uma pergunta feita por um dos
religiosos da época. A questão suscitada pelo escriba referia-se a
problemática da vida eterna e o recebimento desta. Jesus, numa estratégia
discursiva típica dos sábios da época, devolve a pergunta com outras duas:
Que está escrito na lei? Como lês? Apesar de não responder diretamente, as
indagações de Jesus direcionam e restringem as opções que o doutor tem
para apresentar sua tréplica. O acesso a vida eterna estava intimamente
relacionado a duas questões muito sérias: tanto às verdades eternas já
manifestas por Deus e registradas nas Escrituras, como também ao modo
pelo qual as pessoas a interpretavam. É claro que a Bíblia é nosso manual
sobre adoração e louvor, todavia, corremos sérios riscos de negarmos ao Pai,
se a lermos de maneira errônea.
“Amarás ao Senhor teu Deus” (v.27).
1
2
Imediatamente o doutor da Lei responde a primeira indagação de Jesus. Cita
com perfeição o texto de Deuteronômio 6.5. Como é possível receber a vida
eterna? Amando, adorando a Deus com tudo aquilo que temos e somos:
coração, alma, forças e entendimento. Percebe-se assim que a adoração não
está relacionada com aquilo que recebemos, mas com nossa percepção
sobre quem é Deus. Basta que tenhamos um simples vislumbre da sua
pessoa (Êx 33.18-23; 2Co 12.1-10), e será o suficiente para não desejarmos
mais nada, senão apenas um relacionamento intenso e genuíno com Ele.
Adorar é amar ao próprio Deus, e só consegue amá-lo como Ele merece
quem realmente conhece-o. Tudo que há em nós foi divinamente elaborado
para louvar ao Altíssimo, por isso devemos zelar por cada área de nosso ser.
Nosso amor dever ser direcionado à pessoa de Deus e em virtude de quem
Ele é.
Adorando a Deus por meio do amor ao próximo.
1
3
Uma vez que pouquíssimas pessoas terão o privilégio de ter uma experiência
reveladora e direta com a divindade, como poderemos adorá-lo? A resposta
parece explícita no final da fala do escriba: “[...] e o teu próximo como a ti
mesmo” (Lv 19.18). O amor, que nos identifica universalmente uns com os
outros, é a ferramenta capaz de revelar a face de Deus à humanidade. Posso
ver Deus através de quem está próximo a mim; por meio daqueles que,
assim como eu, são filhos, adoradores e amados do Pai. Não devo divinizar
nenhuma pessoa, isto é idolatria, mas todas às vezes que eu concedo
àqueles que estão próximos a mim a dignidade inerente a eles (Gn 1.26),
estou amando-os e, por uma inevitável consequência, oferecendo a Deus a
verdadeira adoração que lhe é devida (Jo 15.1-14).
Que chave de leitura temos
utilizado para ler a Bíblia?
Se compreendermos as
Escrituras através do amor,
misericórdia e graça,
estaremos mais próximos
do Pai.
O amor a Deus torna-se
palpável quando nos
dedicamos a construir
uma vida digna àqueles
que, em virtude da
maldade e pecado,
tiveram-na roubada
(Mt 25.34-40).
II. “MAS... E QUEM É MEU PRÓXIMO?”
Como o doutor da Lei “lia” o mundo
2
1
O escriba quis justificar-se (v.29); mas desculpar-se de quê? De,
contraditoriamente, afirmar que amava a Deus sem amar aqueles que
estavam ao seu lado. Para aquele homem era impossível amar determinadas
pessoas ou grupos sociais: os publicanos traidores, os leprosos impuros, as
meretrizes promíscuas, os samaritanos etnicamente rejeitados. Indagou
então o doutor: “Quem é meu próximo?”. O termo grego para “próximo” é
literalmente vizinho, metaforicamente, “aquele que é o mais íntimo”. Ao
indagar sobre quem era seu próximo, arrogantemente o escriba
questionava, “quem é semelhante a mim?”, postura análoga à do Fariseu em
Lucas 18.11. Para aquele homem, a religiosidade o fazia superior, e
qualitativamente diferente de todas as demais pessoas; deste modo, amar a
quem, senão apenas a si mesmo?
Uma parábola como resposta.
2
2
A fim de esclarecer o escriba, mais uma vez, Jesus não oferece uma resposta
direta, mas, por meio de uma parábola, denuncia a arrogância daquele
homem. A parábola do samaritano, como é tradicionalmente nomeada esta
imagem bíblica, é um dos mais belos textos da Escritura; lembremo-nos,
todavia, que seu objetivo central é responder ao questionamento: “Quem é
meu próximo?”. Se levarmos em conta está questão perceberemos que,
dentre os três personagens secundários do enredo: o sacerdote, o levita e o
samaritano, a ajuda ao homem assaltado vem de quem o escriba jamais se
identificaria: o samaritano. Os samaritanos eram os descendentes do Reino
do Norte que, colonizados pela Assíria, desenvolveram uma religiosidade
mista, considerada impura e espúria pelos judeus. Por isso, um judeu,
particularmente um especialista em conhecimentos da Torá, jamais
consideraria um samaritano digno de amor ou compaixão.
O amor supera o ódio
2
3
Diante da cena que Jesus elabora, o quadro tradicional muda: temos um
sacerdote e um levita, não misericordiosos, cerimonialmente puros, mas
cheios de preconceitos. Por outro lado temos um samaritano, socialmente
rejeitado, mas graciosamente acolhedor; etnicamente odiado, entretanto o
único que demonstra amor. A quem o escriba comparar-se-ia, aos dois
primeiros? Se fizesse isso, Jesus demonstraria que não havia amor a Deus
naquele homem. O escriba, num exercício de superação de seus
preconceitos, teve de comparar-se ao samaritano. Por esta parábola Jesus
demonstra que o próximo, o íntimo, é todo aquele que é carente de amor,
assim como é aquele que desinteressadamente ama.
A fé que desenvolvemos a partir
de nosso encontro com Jesus tem
nos tornado pessoas mais
amorosas, misericordiosas,
capazes de superar os
preconceitos que a sociedade
constituiu sobre nós?
Os judeus e os
samaritanos são
um exemplo típico
do mal que as
divergências
culturais podem
causar.
III. SALVAÇÃO, AMOR E ADORAÇÃO
O desenvolvimento de uma adoração plena.
3
1
O culto não pode ser nosso único momento de adoração.
Não é saudável que reduzamos nossa adoração apenas a
louvores, pregações, orações e contribuições. Devemos
adorar com tudo o que somos, em todo o tempo (Sl 32.6;
Ef 6.18), com tudo o que temos (At 20.35; Cl 3.22-25).
Sempre conscientes de que é fraudulenta a adoração do
coração daquele que afirma amar a Deus, mas tem algo
contra seu irmão (Mt 5.23,24).
3
Igreja, acolhimento e adoração.
2
Que tipo de pessoas a espiritualidade que praticamos tem
desenvolvido? Indivíduos insensíveis à dor do outro, que em nome
de rituais e tradições observam de maneira inerte multidões
morrendo à míngua sob o domínio do pecado, sem sequer
estender a mão. Ou nossa fé, que é simultaneamente resultado e
causa de nossa adoração (Hb 11.1), tem cotidianamente
transformado nosso ser, quebrando nossa arrogância e exaltação
(Pv 8.13), levando-nos a perceber àquele que está a nossa volta
não apenas como um outro (Gr. heteros), distante e diferente,
mas como o próximo (Gr. plesíon), íntimo, amigo mais chegado
que irmão (Pv 18.24).
3
Nós e os samaritanos.
3
Quem são os samaritanos de nossa sociedade?
Nossa fé não é excludente, o Reino de Deus é
inclusivo (Mt 9.10-13). O evangelho do Senhor
Jesus é a boa-nova de Deus para a humanidade. Ele
é convidativo, acolhedor. Assim como Jesus, não
tenhamos medo de aproximarmo-nos das pessoas
que necessitam de Deus (Fp 2.6-9; Hb 2.11).
Como estão seus
relacionamentos, dentro
e fora da Igreja?
A Igreja precisa ser o
lugar daqueles que
estão em processo de
cura, através da
adoração e do amor.
O tipo de vida que Deus deseja que desenvolvamos
está intimamente ligada à vivência do louvor e da
adoração; por isso vai muito além da mera
observação de tradições ou ordenamentos
humanos. Adorar ao Pai significa amá-lo, e tal
experiência somente é possível quando nos
permitimos amar e ser amados pelas pessoas que
estão à nossa volta.Viva o melhor de Deus para
você: adore, ame, perdoe.
CONCLUSÃO
Horadarevisão
1. Qual o primeiro mandamento com promessa?
1. Quais aspectos da fé estão relacionados nosso acesso ao Reino segundo Jesus em Lucas 10?
As verdades eternas já manifestas por Deus e registradas nas Escrituras, como também ao modo pelo qual as
pessoas interpretavam a mesma.
2. Por que é impossível adorar a Deus sem amar o meu próximo?
Porque o amor ao próximo é um mandamento gêmeo ao amor a Deus, e por consequência à adoração.
3. Por que havia todo esse distanciamento entre judeus e samaritanos?
Porque historicamente eles eram descendentes do Reino do Norte que se misturaram cultural e espiritualmente com
os assírios.
4. Quem são, na atualidade, os “samaritanos” dos quais precisamos nos aproximar?
Resposta Pessoal. (Sugestão: moradores de rua, miseráveis, ex-presidiários.)
5. Que ações a Igreja precisa tomar para vivenciar a plena adoração que Jesus tem preparado para ela?
Através de ações de acolhimento e respeito às diferenças.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPastor Natalino Das Neves
 
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhorLbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhorboasnovassena
 
LBJ LIÇÃO 6 - A institucionalização da adoração e do louvor
LBJ LIÇÃO 6 - A institucionalização da adoração e do louvorLBJ LIÇÃO 6 - A institucionalização da adoração e do louvor
LBJ LIÇÃO 6 - A institucionalização da adoração e do louvorNatalino das Neves Neves
 
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igrejaLBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igrejaNatalino das Neves Neves
 
A Luta Contra o Pecado
A Luta Contra o PecadoA Luta Contra o Pecado
A Luta Contra o PecadoJUERP
 
O Evangelho a Ser Vivido Pelo Cristão
O Evangelho a Ser Vivido Pelo CristãoO Evangelho a Ser Vivido Pelo Cristão
O Evangelho a Ser Vivido Pelo CristãoJUERP
 
Lição 7 - A IGREJA NA REFORMA PROTESTANTE
Lição 7 - A IGREJA NA REFORMA PROTESTANTELição 7 - A IGREJA NA REFORMA PROTESTANTE
Lição 7 - A IGREJA NA REFORMA PROTESTANTEErberson Pinheiro
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPastor Natalino Das Neves
 
Comentário: 6º Domingo da Pascoa - Ano B
Comentário: 6º Domingo da Pascoa - Ano BComentário: 6º Domingo da Pascoa - Ano B
Comentário: 6º Domingo da Pascoa - Ano BJosé Lima
 
Lbj lição 10 a missão social da igreja
Lbj lição 10    a missão social da igrejaLbj lição 10    a missão social da igreja
Lbj lição 10 a missão social da igrejaboasnovassena
 
Hebreus lições 09 e 10
Hebreus  lições 09 e 10Hebreus  lições 09 e 10
Hebreus lições 09 e 10olrsan
 

Mais procurados (20)

PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhorLbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhor
 
LBJ LIÇÃO 6 - A institucionalização da adoração e do louvor
LBJ LIÇÃO 6 - A institucionalização da adoração e do louvorLBJ LIÇÃO 6 - A institucionalização da adoração e do louvor
LBJ LIÇÃO 6 - A institucionalização da adoração e do louvor
 
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igrejaLBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
 
LBJ LIÇÃO 5 - VIVENDO UMA VIDA SANTA
LBJ LIÇÃO 5 - VIVENDO UMA VIDA SANTALBJ LIÇÃO 5 - VIVENDO UMA VIDA SANTA
LBJ LIÇÃO 5 - VIVENDO UMA VIDA SANTA
 
O papel do cristão
O papel do cristão O papel do cristão
O papel do cristão
 
A Luta Contra o Pecado
A Luta Contra o PecadoA Luta Contra o Pecado
A Luta Contra o Pecado
 
O Evangelho a Ser Vivido Pelo Cristão
O Evangelho a Ser Vivido Pelo CristãoO Evangelho a Ser Vivido Pelo Cristão
O Evangelho a Ser Vivido Pelo Cristão
 
Lição 7 - A IGREJA NA REFORMA PROTESTANTE
Lição 7 - A IGREJA NA REFORMA PROTESTANTELição 7 - A IGREJA NA REFORMA PROTESTANTE
Lição 7 - A IGREJA NA REFORMA PROTESTANTE
 
LBJ LIÇÃO 13 - CONSELHOS PARA A VIDA
LBJ LIÇÃO 13 - CONSELHOS PARA A VIDALBJ LIÇÃO 13 - CONSELHOS PARA A VIDA
LBJ LIÇÃO 13 - CONSELHOS PARA A VIDA
 
LBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristã
LBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristãLBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristã
LBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristã
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
Artigo O Exercício dos Dons na Igreja
Artigo   O Exercício dos Dons na IgrejaArtigo   O Exercício dos Dons na Igreja
Artigo O Exercício dos Dons na Igreja
 
Boletim CBG, Suzano
Boletim CBG, SuzanoBoletim CBG, Suzano
Boletim CBG, Suzano
 
CHAMADA DA MEIA NOITE
CHAMADA DA MEIA NOITECHAMADA DA MEIA NOITE
CHAMADA DA MEIA NOITE
 
Comentário: 6º Domingo da Pascoa - Ano B
Comentário: 6º Domingo da Pascoa - Ano BComentário: 6º Domingo da Pascoa - Ano B
Comentário: 6º Domingo da Pascoa - Ano B
 
Lbj lição 10 a missão social da igreja
Lbj lição 10    a missão social da igrejaLbj lição 10    a missão social da igreja
Lbj lição 10 a missão social da igreja
 
Hebreus lições 09 e 10
Hebreus  lições 09 e 10Hebreus  lições 09 e 10
Hebreus lições 09 e 10
 
LBJ 1 TRI 2016 - Resumo do trimestre
LBJ 1 TRI 2016 - Resumo do trimestreLBJ 1 TRI 2016 - Resumo do trimestre
LBJ 1 TRI 2016 - Resumo do trimestre
 
Pode ou não pode?
Pode ou não pode?Pode ou não pode?
Pode ou não pode?
 

Semelhante a Adoração integral ensina amor ao próximo

E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 09
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 09E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 09
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 09Joel Silva
 
Viver como Cristo_732014_GGR
Viver como Cristo_732014_GGRViver como Cristo_732014_GGR
Viver como Cristo_732014_GGRGerson G. Ramos
 
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdflivreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdfOsvaldoVunge2
 
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdflivreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdfOsvaldoVunge2
 
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdflivreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdfOsvaldoVunge2
 
Resumo Das Lições do III Trimestre E.B.D
Resumo Das Lições do III Trimestre E.B.DResumo Das Lições do III Trimestre E.B.D
Resumo Das Lições do III Trimestre E.B.DKonker Labs
 
Benegnidade: um Escudo Protetor Contra as Porfias
Benegnidade: um Escudo Protetor Contra as PorfiasBenegnidade: um Escudo Protetor Contra as Porfias
Benegnidade: um Escudo Protetor Contra as PorfiasMárcio Martins
 
Lição 1 - O real significado da adoração e do louvor
Lição 1 - O real significado da adoração e do louvorLição 1 - O real significado da adoração e do louvor
Lição 1 - O real significado da adoração e do louvorNatalino das Neves Neves
 
Ebd 1° trimestre 2017 lição 7 Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...
Ebd  1° trimestre 2017 lição 7  Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...Ebd  1° trimestre 2017 lição 7  Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...
Ebd 1° trimestre 2017 lição 7 Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
Material de Outubro e Novembro
Material de Outubro e NovembroMaterial de Outubro e Novembro
Material de Outubro e Novembroguest8f41a5
 
O MAIOR MANDAMENTO
O MAIOR MANDAMENTOO MAIOR MANDAMENTO
O MAIOR MANDAMENTOIsaura Miike
 
Humildade - A Beleza da Santidade.doc
Humildade - A Beleza da Santidade.docHumildade - A Beleza da Santidade.doc
Humildade - A Beleza da Santidade.docCristianoSilva788586
 
Deus, o Bem Supremo - Negando o Amor Próprio - Thomas Manton
Deus, o Bem Supremo - Negando o Amor Próprio - Thomas MantonDeus, o Bem Supremo - Negando o Amor Próprio - Thomas Manton
Deus, o Bem Supremo - Negando o Amor Próprio - Thomas MantonSilvio Dutra
 
Amara deuscomoatimesmo
Amara deuscomoatimesmoAmara deuscomoatimesmo
Amara deuscomoatimesmoRenato Cardoso
 
Humildade - a beleza da santidade
Humildade - a beleza da santidadeHumildade - a beleza da santidade
Humildade - a beleza da santidadeMauro RS
 
LIÇÃO 07 - BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIAS
LIÇÃO 07 - BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIASLIÇÃO 07 - BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIAS
LIÇÃO 07 - BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIASLourinaldo Serafim
 
A ilusão mórmon floyd c. mc elveen - editora vida
A ilusão mórmon   floyd c. mc elveen - editora vidaA ilusão mórmon   floyd c. mc elveen - editora vida
A ilusão mórmon floyd c. mc elveen - editora vidamarcelo olegario
 

Semelhante a Adoração integral ensina amor ao próximo (20)

E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 09
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 09E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 09
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 09
 
Viver como Cristo_732014_GGR
Viver como Cristo_732014_GGRViver como Cristo_732014_GGR
Viver como Cristo_732014_GGR
 
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdflivreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
 
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdflivreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
 
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdflivreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
livreto-manual-igreja-acolhedora_2017.pdf
 
Resumo Das Lições do III Trimestre E.B.D
Resumo Das Lições do III Trimestre E.B.DResumo Das Lições do III Trimestre E.B.D
Resumo Das Lições do III Trimestre E.B.D
 
Benegnidade: um Escudo Protetor Contra as Porfias
Benegnidade: um Escudo Protetor Contra as PorfiasBenegnidade: um Escudo Protetor Contra as Porfias
Benegnidade: um Escudo Protetor Contra as Porfias
 
Lição 1 - O real significado da adoração e do louvor
Lição 1 - O real significado da adoração e do louvorLição 1 - O real significado da adoração e do louvor
Lição 1 - O real significado da adoração e do louvor
 
Ebd 1° trimestre 2017 lição 7 Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...
Ebd  1° trimestre 2017 lição 7  Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...Ebd  1° trimestre 2017 lição 7  Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...
Ebd 1° trimestre 2017 lição 7 Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...
 
Lição 14 hebreus (Final)
Lição 14   hebreus (Final)Lição 14   hebreus (Final)
Lição 14 hebreus (Final)
 
Material de Outubro e Novembro
Material de Outubro e NovembroMaterial de Outubro e Novembro
Material de Outubro e Novembro
 
O MAIOR MANDAMENTO
O MAIOR MANDAMENTOO MAIOR MANDAMENTO
O MAIOR MANDAMENTO
 
Folha informativa 26-11-2017
Folha informativa 26-11-2017Folha informativa 26-11-2017
Folha informativa 26-11-2017
 
Humildade - A Beleza da Santidade.doc
Humildade - A Beleza da Santidade.docHumildade - A Beleza da Santidade.doc
Humildade - A Beleza da Santidade.doc
 
O maior mandamento
O maior mandamentoO maior mandamento
O maior mandamento
 
Deus, o Bem Supremo - Negando o Amor Próprio - Thomas Manton
Deus, o Bem Supremo - Negando o Amor Próprio - Thomas MantonDeus, o Bem Supremo - Negando o Amor Próprio - Thomas Manton
Deus, o Bem Supremo - Negando o Amor Próprio - Thomas Manton
 
Amara deuscomoatimesmo
Amara deuscomoatimesmoAmara deuscomoatimesmo
Amara deuscomoatimesmo
 
Humildade - a beleza da santidade
Humildade - a beleza da santidadeHumildade - a beleza da santidade
Humildade - a beleza da santidade
 
LIÇÃO 07 - BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIAS
LIÇÃO 07 - BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIASLIÇÃO 07 - BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIAS
LIÇÃO 07 - BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIAS
 
A ilusão mórmon floyd c. mc elveen - editora vida
A ilusão mórmon   floyd c. mc elveen - editora vidaA ilusão mórmon   floyd c. mc elveen - editora vida
A ilusão mórmon floyd c. mc elveen - editora vida
 

Mais de boasnovassena

LBJ 2017 3 TRI Lição 5- Ansiedade, a antecipação do tempo
LBJ 2017 3 TRI Lição 5- Ansiedade, a antecipação do tempoLBJ 2017 3 TRI Lição 5- Ansiedade, a antecipação do tempo
LBJ 2017 3 TRI Lição 5- Ansiedade, a antecipação do tempoboasnovassena
 
Lição 4 diga não ao ritmo de vida deste mundo
Lição 4  diga não ao ritmo de vida deste mundoLição 4  diga não ao ritmo de vida deste mundo
Lição 4 diga não ao ritmo de vida deste mundoboasnovassena
 
Lbj lição 7 A ansiedade pela vida
Lbj lição 7   A ansiedade pela vidaLbj lição 7   A ansiedade pela vida
Lbj lição 7 A ansiedade pela vidaboasnovassena
 
Lbj lição 6 O pai-nosso
Lbj lição 6   O pai-nossoLbj lição 6   O pai-nosso
Lbj lição 6 O pai-nossoboasnovassena
 
Lbj lição 5 As exigências básicas da justiça sob a ótica de jesus
Lbj lição 5   As exigências básicas da justiça sob a ótica de jesusLbj lição 5   As exigências básicas da justiça sob a ótica de jesus
Lbj lição 5 As exigências básicas da justiça sob a ótica de jesusboasnovassena
 
Lbj lição 4 Jesus e sua interpretação da lei
Lbj lição 4    Jesus e sua interpretação da lei Lbj lição 4    Jesus e sua interpretação da lei
Lbj lição 4 Jesus e sua interpretação da lei boasnovassena
 
Lbj lição 3 a lei e a justiça no reino
Lbj lição 3   a lei e a justiça no reinoLbj lição 3   a lei e a justiça no reino
Lbj lição 3 a lei e a justiça no reinoboasnovassena
 
Lbj lição 2 sal da terra e luz do mundo
Lbj lição 2   sal da terra e luz do mundoLbj lição 2   sal da terra e luz do mundo
Lbj lição 2 sal da terra e luz do mundoboasnovassena
 
Lbj lição 11 a igreja e a política
Lbj lição 11    a igreja e a políticaLbj lição 11    a igreja e a política
Lbj lição 11 a igreja e a políticaboasnovassena
 
Lbj liçao 8 a igreja e os dons espirituais
Lbj liçao 8   a igreja e os dons espirituaisLbj liçao 8   a igreja e os dons espirituais
Lbj liçao 8 a igreja e os dons espirituaisboasnovassena
 
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7   A igreja na reforma protestanteLbj lição 7   A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestanteboasnovassena
 
Lbj lição 6 O sustento da igreja
Lbj lição 6   O sustento da igrejaLbj lição 6   O sustento da igreja
Lbj lição 6 O sustento da igrejaboasnovassena
 
Lbj lição 5 Ordenanças da igreja
Lbj lição 5   Ordenanças da igrejaLbj lição 5   Ordenanças da igreja
Lbj lição 5 Ordenanças da igrejaboasnovassena
 
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
Lbj lição 4 -  O ministério da igrejaLbj lição 4 -  O ministério da igreja
Lbj lição 4 - O ministério da igrejaboasnovassena
 
Lbj lição 3 a organização da igreja
Lbj lição 3   a organização da igrejaLbj lição 3   a organização da igreja
Lbj lição 3 a organização da igrejaboasnovassena
 
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da IgrejaLBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igrejaboasnovassena
 
LBJ LIÇÃO 12 - MODISMOS NA ADORAÇAO E NO LOUVOR
LBJ LIÇÃO 12 - MODISMOS NA ADORAÇAO E NO LOUVORLBJ LIÇÃO 12 - MODISMOS NA ADORAÇAO E NO LOUVOR
LBJ LIÇÃO 12 - MODISMOS NA ADORAÇAO E NO LOUVORboasnovassena
 
Lbj lição 11 A forma do culto
Lbj lição 11   A forma do cultoLbj lição 11   A forma do culto
Lbj lição 11 A forma do cultoboasnovassena
 

Mais de boasnovassena (20)

LBJ 2017 3 TRI Lição 5- Ansiedade, a antecipação do tempo
LBJ 2017 3 TRI Lição 5- Ansiedade, a antecipação do tempoLBJ 2017 3 TRI Lição 5- Ansiedade, a antecipação do tempo
LBJ 2017 3 TRI Lição 5- Ansiedade, a antecipação do tempo
 
Lição 4 diga não ao ritmo de vida deste mundo
Lição 4  diga não ao ritmo de vida deste mundoLição 4  diga não ao ritmo de vida deste mundo
Lição 4 diga não ao ritmo de vida deste mundo
 
Lbj lição 7 A ansiedade pela vida
Lbj lição 7   A ansiedade pela vidaLbj lição 7   A ansiedade pela vida
Lbj lição 7 A ansiedade pela vida
 
Lbj lição 6 O pai-nosso
Lbj lição 6   O pai-nossoLbj lição 6   O pai-nosso
Lbj lição 6 O pai-nosso
 
Lbj lição 5 As exigências básicas da justiça sob a ótica de jesus
Lbj lição 5   As exigências básicas da justiça sob a ótica de jesusLbj lição 5   As exigências básicas da justiça sob a ótica de jesus
Lbj lição 5 As exigências básicas da justiça sob a ótica de jesus
 
Lbj lição 4 Jesus e sua interpretação da lei
Lbj lição 4    Jesus e sua interpretação da lei Lbj lição 4    Jesus e sua interpretação da lei
Lbj lição 4 Jesus e sua interpretação da lei
 
Lbj lição 3 a lei e a justiça no reino
Lbj lição 3   a lei e a justiça no reinoLbj lição 3   a lei e a justiça no reino
Lbj lição 3 a lei e a justiça no reino
 
Lbj lição 2 sal da terra e luz do mundo
Lbj lição 2   sal da terra e luz do mundoLbj lição 2   sal da terra e luz do mundo
Lbj lição 2 sal da terra e luz do mundo
 
Lbj lição 11 a igreja e a política
Lbj lição 11    a igreja e a políticaLbj lição 11    a igreja e a política
Lbj lição 11 a igreja e a política
 
Lbj liçao 8 a igreja e os dons espirituais
Lbj liçao 8   a igreja e os dons espirituaisLbj liçao 8   a igreja e os dons espirituais
Lbj liçao 8 a igreja e os dons espirituais
 
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7   A igreja na reforma protestanteLbj lição 7   A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
 
Lbj lição 6 O sustento da igreja
Lbj lição 6   O sustento da igrejaLbj lição 6   O sustento da igreja
Lbj lição 6 O sustento da igreja
 
Lbj lição 5 Ordenanças da igreja
Lbj lição 5   Ordenanças da igrejaLbj lição 5   Ordenanças da igreja
Lbj lição 5 Ordenanças da igreja
 
1 chuva de graça
1   chuva de graça1   chuva de graça
1 chuva de graça
 
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
Lbj lição 4 -  O ministério da igrejaLbj lição 4 -  O ministério da igreja
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
 
Lbj lição 3 a organização da igreja
Lbj lição 3   a organização da igrejaLbj lição 3   a organização da igreja
Lbj lição 3 a organização da igreja
 
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da IgrejaLBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
 
LBJ LIÇÃO 12 - MODISMOS NA ADORAÇAO E NO LOUVOR
LBJ LIÇÃO 12 - MODISMOS NA ADORAÇAO E NO LOUVORLBJ LIÇÃO 12 - MODISMOS NA ADORAÇAO E NO LOUVOR
LBJ LIÇÃO 12 - MODISMOS NA ADORAÇAO E NO LOUVOR
 
572 Vencera
572    Vencera572    Vencera
572 Vencera
 
Lbj lição 11 A forma do culto
Lbj lição 11   A forma do cultoLbj lição 11   A forma do culto
Lbj lição 11 A forma do culto
 

Último

RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiamaysa997520
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024RaniereSilva14
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoInsituto Propósitos de Ensino
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoInsituto Propósitos de Ensino
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 

Último (12)

RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
 

Adoração integral ensina amor ao próximo

  • 1. Data:27denovembrode2016 A adoração integral ensinada por Jesus Lição 9 4º trimestre de 2016 Título: Em Espírito e em verdade — A essência da adoração cristã Comentarista: Thiago Brazil EM ESPÍRITO E EM VERDADE
  • 3. Síntese Jesus,em seu ministério, preocupou-se em apresentar o verdadeiro caminho de adoração ao Pai.
  • 4. Agendadeleitura SEGUNDA — Lc 4.8 Adorar só a Deus TERÇA — Mt 2.11 Jesus foi adorado desde o seu nascimento QUARTA — Mt 15.9 A falsa adoração QUINTA — Jo 12.13 Adoração sem profundidade SEXTA — Lc 16.13 Adoração sem mistura SÁBADO — Mt 14.33 Adoração como ato de reconhecimento da natureza de Jesus
  • 5. Objetivos APRESENTAR a adoração como uma ação integral do ser humano; DISCUTIR a respeito do amor ao próximo como um requisito da adoração; PROBLEMATIZAR e contextualizar o conceito de próximo na Igreja contemporânea.
  • 6. TextoBíblico Lucas 10.25-35. 25 — E eis que se levantou um certo doutor da lei, tentando-o e dizendo: Mestre, que farei para herdar a vida eterna? 26 — E ele lhe disse: Que está escrito na lei? Como lês? 27 — E, respondendo ele, disse: Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento e ao teu próximo como a ti 28 — E disse-lhe: Respondeste bem; faze isso e viverás. 29 — Ele, porém, querendo justificar-se a si mesmo, disse a Jesus: E quem é o meu próximo? 30 — E, respondendo Jesus, disse: Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram e, espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto. 31 — E, ocasionalmente, descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo. 32 — E, de igual modo, também um levita, chegando àquele lugar e vendo-o, passou de largo. 33 — Mas um samaritano que ia de viagem chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão. 34 — E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, aplicando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem e cuidou dele; 35 — E, partindo ao outro dia, tirou dois dinheiros, e deu-os ao hospedeiro, e disse-lhe: Cuida dele, e tudo o que de mais gastares eu to pagarei, quando voltar.
  • 7. INTRODUÇÃO Jesus, através de sua vida, demonstra que adorar a Deus é muito mais do que cumprir exigências cerimoniais; louvar ao Criador envolve a totalidade de nosso ser: todo nosso espírito, alma e corpo. Logo, se é tudo o que somos, a adoração está ligada também com nossos relacionamentos. Deste modo, a maneira pela qual nos relacionamos com as pessoas denuncia se somos ou não adoradores. Partindo da célebre parábola de Jesus, em Lucas 10, refletiremos nesta lição a respeito do caráter integral da verdadeira adoração a Deus.
  • 8. I. JESUS EXPLICA O QUE É ADORAÇÃO
  • 9. A capciosa pergunta do doutor da lei (Lc 10.25). 1 1 Mais uma vez, Jesus está às voltas com uma pergunta feita por um dos religiosos da época. A questão suscitada pelo escriba referia-se a problemática da vida eterna e o recebimento desta. Jesus, numa estratégia discursiva típica dos sábios da época, devolve a pergunta com outras duas: Que está escrito na lei? Como lês? Apesar de não responder diretamente, as indagações de Jesus direcionam e restringem as opções que o doutor tem para apresentar sua tréplica. O acesso a vida eterna estava intimamente relacionado a duas questões muito sérias: tanto às verdades eternas já manifestas por Deus e registradas nas Escrituras, como também ao modo pelo qual as pessoas a interpretavam. É claro que a Bíblia é nosso manual sobre adoração e louvor, todavia, corremos sérios riscos de negarmos ao Pai, se a lermos de maneira errônea.
  • 10. “Amarás ao Senhor teu Deus” (v.27). 1 2 Imediatamente o doutor da Lei responde a primeira indagação de Jesus. Cita com perfeição o texto de Deuteronômio 6.5. Como é possível receber a vida eterna? Amando, adorando a Deus com tudo aquilo que temos e somos: coração, alma, forças e entendimento. Percebe-se assim que a adoração não está relacionada com aquilo que recebemos, mas com nossa percepção sobre quem é Deus. Basta que tenhamos um simples vislumbre da sua pessoa (Êx 33.18-23; 2Co 12.1-10), e será o suficiente para não desejarmos mais nada, senão apenas um relacionamento intenso e genuíno com Ele. Adorar é amar ao próprio Deus, e só consegue amá-lo como Ele merece quem realmente conhece-o. Tudo que há em nós foi divinamente elaborado para louvar ao Altíssimo, por isso devemos zelar por cada área de nosso ser. Nosso amor dever ser direcionado à pessoa de Deus e em virtude de quem Ele é.
  • 11. Adorando a Deus por meio do amor ao próximo. 1 3 Uma vez que pouquíssimas pessoas terão o privilégio de ter uma experiência reveladora e direta com a divindade, como poderemos adorá-lo? A resposta parece explícita no final da fala do escriba: “[...] e o teu próximo como a ti mesmo” (Lv 19.18). O amor, que nos identifica universalmente uns com os outros, é a ferramenta capaz de revelar a face de Deus à humanidade. Posso ver Deus através de quem está próximo a mim; por meio daqueles que, assim como eu, são filhos, adoradores e amados do Pai. Não devo divinizar nenhuma pessoa, isto é idolatria, mas todas às vezes que eu concedo àqueles que estão próximos a mim a dignidade inerente a eles (Gn 1.26), estou amando-os e, por uma inevitável consequência, oferecendo a Deus a verdadeira adoração que lhe é devida (Jo 15.1-14).
  • 12. Que chave de leitura temos utilizado para ler a Bíblia? Se compreendermos as Escrituras através do amor, misericórdia e graça, estaremos mais próximos do Pai.
  • 13. O amor a Deus torna-se palpável quando nos dedicamos a construir uma vida digna àqueles que, em virtude da maldade e pecado, tiveram-na roubada (Mt 25.34-40).
  • 14. II. “MAS... E QUEM É MEU PRÓXIMO?”
  • 15. Como o doutor da Lei “lia” o mundo 2 1 O escriba quis justificar-se (v.29); mas desculpar-se de quê? De, contraditoriamente, afirmar que amava a Deus sem amar aqueles que estavam ao seu lado. Para aquele homem era impossível amar determinadas pessoas ou grupos sociais: os publicanos traidores, os leprosos impuros, as meretrizes promíscuas, os samaritanos etnicamente rejeitados. Indagou então o doutor: “Quem é meu próximo?”. O termo grego para “próximo” é literalmente vizinho, metaforicamente, “aquele que é o mais íntimo”. Ao indagar sobre quem era seu próximo, arrogantemente o escriba questionava, “quem é semelhante a mim?”, postura análoga à do Fariseu em Lucas 18.11. Para aquele homem, a religiosidade o fazia superior, e qualitativamente diferente de todas as demais pessoas; deste modo, amar a quem, senão apenas a si mesmo?
  • 16. Uma parábola como resposta. 2 2 A fim de esclarecer o escriba, mais uma vez, Jesus não oferece uma resposta direta, mas, por meio de uma parábola, denuncia a arrogância daquele homem. A parábola do samaritano, como é tradicionalmente nomeada esta imagem bíblica, é um dos mais belos textos da Escritura; lembremo-nos, todavia, que seu objetivo central é responder ao questionamento: “Quem é meu próximo?”. Se levarmos em conta está questão perceberemos que, dentre os três personagens secundários do enredo: o sacerdote, o levita e o samaritano, a ajuda ao homem assaltado vem de quem o escriba jamais se identificaria: o samaritano. Os samaritanos eram os descendentes do Reino do Norte que, colonizados pela Assíria, desenvolveram uma religiosidade mista, considerada impura e espúria pelos judeus. Por isso, um judeu, particularmente um especialista em conhecimentos da Torá, jamais consideraria um samaritano digno de amor ou compaixão.
  • 17. O amor supera o ódio 2 3 Diante da cena que Jesus elabora, o quadro tradicional muda: temos um sacerdote e um levita, não misericordiosos, cerimonialmente puros, mas cheios de preconceitos. Por outro lado temos um samaritano, socialmente rejeitado, mas graciosamente acolhedor; etnicamente odiado, entretanto o único que demonstra amor. A quem o escriba comparar-se-ia, aos dois primeiros? Se fizesse isso, Jesus demonstraria que não havia amor a Deus naquele homem. O escriba, num exercício de superação de seus preconceitos, teve de comparar-se ao samaritano. Por esta parábola Jesus demonstra que o próximo, o íntimo, é todo aquele que é carente de amor, assim como é aquele que desinteressadamente ama.
  • 18. A fé que desenvolvemos a partir de nosso encontro com Jesus tem nos tornado pessoas mais amorosas, misericordiosas, capazes de superar os preconceitos que a sociedade constituiu sobre nós?
  • 19. Os judeus e os samaritanos são um exemplo típico do mal que as divergências culturais podem causar.
  • 20. III. SALVAÇÃO, AMOR E ADORAÇÃO
  • 21. O desenvolvimento de uma adoração plena. 3 1 O culto não pode ser nosso único momento de adoração. Não é saudável que reduzamos nossa adoração apenas a louvores, pregações, orações e contribuições. Devemos adorar com tudo o que somos, em todo o tempo (Sl 32.6; Ef 6.18), com tudo o que temos (At 20.35; Cl 3.22-25). Sempre conscientes de que é fraudulenta a adoração do coração daquele que afirma amar a Deus, mas tem algo contra seu irmão (Mt 5.23,24).
  • 22. 3 Igreja, acolhimento e adoração. 2 Que tipo de pessoas a espiritualidade que praticamos tem desenvolvido? Indivíduos insensíveis à dor do outro, que em nome de rituais e tradições observam de maneira inerte multidões morrendo à míngua sob o domínio do pecado, sem sequer estender a mão. Ou nossa fé, que é simultaneamente resultado e causa de nossa adoração (Hb 11.1), tem cotidianamente transformado nosso ser, quebrando nossa arrogância e exaltação (Pv 8.13), levando-nos a perceber àquele que está a nossa volta não apenas como um outro (Gr. heteros), distante e diferente, mas como o próximo (Gr. plesíon), íntimo, amigo mais chegado que irmão (Pv 18.24).
  • 23. 3 Nós e os samaritanos. 3 Quem são os samaritanos de nossa sociedade? Nossa fé não é excludente, o Reino de Deus é inclusivo (Mt 9.10-13). O evangelho do Senhor Jesus é a boa-nova de Deus para a humanidade. Ele é convidativo, acolhedor. Assim como Jesus, não tenhamos medo de aproximarmo-nos das pessoas que necessitam de Deus (Fp 2.6-9; Hb 2.11).
  • 24. Como estão seus relacionamentos, dentro e fora da Igreja?
  • 25. A Igreja precisa ser o lugar daqueles que estão em processo de cura, através da adoração e do amor.
  • 26. O tipo de vida que Deus deseja que desenvolvamos está intimamente ligada à vivência do louvor e da adoração; por isso vai muito além da mera observação de tradições ou ordenamentos humanos. Adorar ao Pai significa amá-lo, e tal experiência somente é possível quando nos permitimos amar e ser amados pelas pessoas que estão à nossa volta.Viva o melhor de Deus para você: adore, ame, perdoe. CONCLUSÃO
  • 27. Horadarevisão 1. Qual o primeiro mandamento com promessa? 1. Quais aspectos da fé estão relacionados nosso acesso ao Reino segundo Jesus em Lucas 10? As verdades eternas já manifestas por Deus e registradas nas Escrituras, como também ao modo pelo qual as pessoas interpretavam a mesma. 2. Por que é impossível adorar a Deus sem amar o meu próximo? Porque o amor ao próximo é um mandamento gêmeo ao amor a Deus, e por consequência à adoração. 3. Por que havia todo esse distanciamento entre judeus e samaritanos? Porque historicamente eles eram descendentes do Reino do Norte que se misturaram cultural e espiritualmente com os assírios. 4. Quem são, na atualidade, os “samaritanos” dos quais precisamos nos aproximar? Resposta Pessoal. (Sugestão: moradores de rua, miseráveis, ex-presidiários.) 5. Que ações a Igreja precisa tomar para vivenciar a plena adoração que Jesus tem preparado para ela? Através de ações de acolhimento e respeito às diferenças.