SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
TEXTO DO DIA
"Assim, nós, teu povo e ovelhas
de teu pasto, te louvaremos
eternamente; de geração em
geração cantaremos os teus
louvores."
(Sl 79.13)
SÍNTESE
A institucionalização da
adoração e do louvor foi um
processo pelo qual o povo de
Israel teve de passar para
enfrentar o desafio do
crescimento e amadurecimento
no meio de sua jornada no
deserto.
TEXTO BÍBLICO
Deuteronômio 12.1-7
1. Estes são os estatutos e os juízos que tereis cuidado em fazer na
terra que vos deu o SENHOR, Deus de vossos pais, para a possuirdes
todos os dias que viverdes sobre a terra.
2. Totalmente destruireis todos os lugares onde as nações que
possuireis serviram os seus deuses, sobre as altas montanhas, e sobre
os outeiros, e debaixo de toda árvore verde;
3. e derribareis os seus altares, e quebrareis as suas estátuas, e os seus
bosques queimareis a fogo, e abatereis as imagens esculpidas dos seus
deuses, e apagareis o seu nome daquele lugar.
4. Assim não fareis para com o SENHOR, vosso Deus,
5. mas buscareis o lugar que o SENHOR, vosso Deus, escolher de todas
as vossas tribos, para ali pôr o seu nome e sua habitação; e ali vireis.
6. E ali trareis os vossos holocaustos, e os vossos sacrifícios, e os
vossos dízimos, e a oferta alçada da vossa mão, e os vossos votos, e as
vossas ofertas voluntárias, e os primogênitos das vossas vacas e das
vossas ovelhas.
7. E ali comereis perante o SENHOR, vosso Deus, e vos alegrareis em
tudo em que poreis a vossa mão, vós e as vossas casas, no que te
abençoar o SENHOR, vosso Deus.
INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO
• Esta aula tem como foco principal buscar compreender
os efeitos da institucionalização da adoração e do louvor
em Israel por meio instituições, normas e regras .
• Nem toda instituição é uma máquina burocrática e, por
isso, alheia às necessidades das pessoas.
• Necessidade mínima de organização prévia para o
desenvolvimento de qualquer atividade em grupo.
• A importância da existência de uma estrutura
institucional na igreja local, ágil e com a definição dos
papeis de cada participante da estrutura.
I - ISRAEL, UM POVO
CUJO ESTILO DE VIDA
RESUME-SE EM
ADORAÇÃO
1. A pormenorização dos elementos devocionais em
Israel.
• Após a saída do povo do Egito, Deus por meio de Moisés,
transmitiu ao povo, os preceitos centrais da verdadeira
adoração.
• O povo havia sido influenciado por aproximadamente
430 anos pela cultura egípcia(Êx 24-31).
• O povo recebeu orientações jurídicas, cerimoniais,
sociais e devocionais que excluía o politeísmo e
incentivava a dedicação exclusiva à Yahweh.
• Expressão do amor zeloso de Deus por seu povo.
2. A institucionalização da adoração
• Até aquele momento histórico, a adoração dos filhos de
Israel eram semelhante às práticas das sociedades do
oriente antigo.
• Inicia-se então um longo processo de aprendizagem em
que são fundadas instituições que regulamentarão a
adoração do povo de Israel.
• As ofertas e sacrifícios que era realizados de forma
aleatória e pessoal passa a ser organizados por meio da
instituição do sacerdócio com regras e critérios (Êx 28.1-
29).
• A adoração e o louvor a Deus conecta-se diretamente
com a vida cotidiana.
3. Tudo é do Senhor
• Uma das características fundamentais do culto que passa
a ser estabelecido no meio do povo liberto do Egito é a
gratidão.
• As ofertas, celebrações e rituais apontam para o grande
amor de Deus na libertação da escravidão e proteção
contínua.
• As três grandes festas judaicas eram festividades
estabelecidas para desenvolver continuamente uma
consciência grata ao Senhor (Êx 34.22-24).
• A institucionalização da fé judaica teve como objetivo
estabelecer um conjunto de garantias que assegurariam
o desenvolvimento de uma fé saudável e equilibrada.
PENSE
Se Deus não tivesse
estabelecido um conjunto
mínimo de normas e
cerimoniais para a organização
do culto a Ele, como
comportar-se-ia aquela
multidão de pessoas que
caminhava no deserto no
momento de adorar a Deus?
PONTO IMPORTANTE
A institucionalização parece
ser um processo inevitável
para todo agrupamento de
pessoas que cresce
numericamente.
II - CRITÉRIOS,
NORMAS E
PROCEDIMENTOS
PARA A
ADORAÇÃO EM
ISRAEL
1. Ofertas e sacrifícios específicos
• O adorador deveria observar uma série de exigências.
• Se fosse um sacrifício animal, havia animais puros e impuros (Lv
11.47);
• Dependendo da cerimônia o sacrifício deveria ser feito com um
animal próprio àquele momento (Nm 7.15-17);
• Algumas partes do animal seriam descartadas enquanto outras
seriam valorizadas (Lv 4.4-12);
• O animal sacrificado não poderia ter falhas ou doenças (Dt 15.19-
23);
• Oferta de produtos de origem vegetal tinha critérios de
quantidade e da qualidade do que era trazido (Lv 6.20; Nm 5.15;
Dt 18.4).
• Essa série de requisitos exigia um cuidado contínuo do
adorador e um envolvimento de sua rotina na adoração.
2. Lugares especiais
• A adoração cerimonial foi concentrada em um lugar
comunitário em que todas as pessoas podiam adorar ao
mesmo Deus.
• Num contexto politeísta, a designação de um só local
para adoração oficial reforçava, nos corações e mentes
dos israelitas, que só havia um Deus a ser reverenciado.
• Inicialmente este "local" foi o tabernáculo, o ambiente de
adoração portátil que o Senhor ordenou que Moisés
construísse (Êx 25.8,9).
• Posteriormente este local de adoração foi "fixado" no
Templo em Jerusalém (2 Cr 7).
3. Pessoas separadas
• A institucionalização da adoração em Israel se deu por
meio da separação de uma tribo inteira para os serviços
relativos ao louvor e adoração e de uma família para o
exercício do sacerdócio (Nm 3.6-10).
• Um enorme privilégio, contudo, acompanhado de uma
também enorme responsabilidade e resignação.
• Os filhos de Levi não teriam parte na herança que todo o
povo receberia (Dt 10.9; 12.12; 14.27; Js 18.7).
• Se todo o povo vivia impulsionado pela fé, muito mais os
levitas, que passaram a depender das ofertas do povo.
PENSE
Você estaria disposto a
abrir mão de todo conforto
e bem-estar pessoal para
viver inteiramente para o
serviço de Deus?
PONTO IMPORTANTE
Como acabamos de
estudar, a
institucionalização do
judaísmo fortaleceu os
vínculos sociais e
enfraqueceu o politeísmo.
III - A
INSTITUCIONALIZAÇÃO
DA FÉ HOJE
1. A inevitável institucionalização
• As igrejas evangélicas brasileiras multiplicaram-se de
maneira notável durante o século XX.
• De denominações que se reuniam em casas, geralmente
da periferia, tornaram-se em grandes instituições
espalhadas em todo o território nacional.
• As igrejas precisaram se organizarem civilmente na
aquisição de imóveis, contratação de pessoal, compra de
bens móveis.
• A institucionalização como algo necessário e irreversível.
• A natureza essencial da Igreja é espiritual, por isso
mesmo, quando ela trata de assuntos materiais deve
fazer tudo com ética, lisura e justiça (Mt 22.17-21; Tt 3.1;
1 Pe 2.13-15).
2. "Na minha igreja, só quem canta e prega são os
oficiais"
• Infelizmente esta frase sintetiza a realidade de muitas
igrejas locais.
• Organização Vs formalismo.
• A Bíblia deixa bem claro que através da obra de Cristo
somos todos sacerdotes da Nova Aliança, por isso
universalmente capacitados para falar de Cristo (Ap 1.6;
20.6).
• A beleza do pentecostalismo sempre foi a
espontaneidade da participação leiga no anuncio publico
do Evangelho de Jesus.
3. Perigos contemporâneos da igreja enquanto
instituição
• A relação Igreja-Estado-Sociedade Civil torna-se
perniciosa quando existe troca de favores, deixando de
obedecer a Palavra de Deus.
• Nesse caso, a ética cristã é ferida, priorizando mais os
homens que o Reino de Deus.
• Tais relações trazem escândalos e são uma das principais
causas de abandono da fé.
• A vida em comunidade é a essência do Cristianismo (Jo
17.22).
PENSE
Sem dúvida alguma os
"desigrejados" não possuem
fundamento real para suas
argumentações, isto porque a
razão de nossa fé é Cristo e
ninguém mais.
PONTO IMPORTANTE
A natureza espiritual e o
aspecto legal são duas faces
inegáveis desse plano
amoroso criado por Deus para
a humanidade denominado
Igreja. Já houve um tempo,
quando as instituições civis
eram menos desenvolvidas,
que a Igreja não necessitava
de estrutura institucional, hoje
isso não é mais possível.
CONSIDERAÇÕES
FINAIS
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Nesta lição nos aprendemos que:
1. Após a libertação do povo de Israel da escravidão do
Egito, Deus estabelece regras e critérios para organizar o
estilo de vida e adoração do seu povo.
2. Foram definidos procedimentos específicos para cada
sacrifício, além de lugares exclusivos e grupo de pessoas
com dedicação exclusiva para liderarem a adoração e
louvor, com exercerem o sacerdócio.
3. A institucionalização da igreja é uma necessidade e
irreversível, mas não precisa se tornar em um
formalismo exagerado.
REFERÊNCIAS
CABRAL, Elienai. Abraão: As experiências de nosso pai na fé. Rio de Janeiro:
CPAD, 2002.
COLSON, Charles & PEARCEY, Nancy. E Agora Como Viveremos? Rio de
Janeiro: CPAD, 2000.
DEVER, M. A Mensagem do Antigo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2008.
KESSLER, Nemuel. Deus não desistiu de você. Rio de Janeiro: CPAD, 2015.
LIÇÕES BÍBLICAS JOVENS. Em espírito e em verdade: a essência da adoração
cristã. Comentarista: Thiago Brazil. 4º Trim, Edição Professor, Rio de Janeiro,
2016.
PALMER, Michael D. (Ed.). Panorama do Pensamento Cristão. Rio de Janeiro:
CPAD, 2001
SILVA. E. R. Adoração sem limite: Um coração aos pés de Cristo. Rio de
Janeiro: CPAD, 2015.
VINE, W. E.; UNGER, Merril F.; WHITE JR., William. Dicionário Vine. 7ª ed. Rio
de Janeiro: CPAD, 2007.
Pr. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
Facebook: www.facebook.com/natalino.neves
Contatos:
natalino6612@gmail.com
(41) 8409 8094 (TIM)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 02 a obediência como adoração
Lição 02   a obediência como adoraçãoLição 02   a obediência como adoração
Lição 02 a obediência como adoraçãoboasnovassena
 
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhorLbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhorboasnovassena
 
Qual é o propósito da igreja
Qual é o propósito da igrejaQual é o propósito da igreja
Qual é o propósito da igrejapbmarcelo
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02Joel Silva
 
Estudos o amigo do noivo
Estudos  o amigo do noivoEstudos  o amigo do noivo
Estudos o amigo do noivoJoel Silva
 
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1Rosa Luzia Da Hora
 
O andar do cristão
O andar do cristãoO andar do cristão
O andar do cristãoJoel Silva
 
Provoque seu crescimento parte 02
Provoque seu crescimento   parte 02Provoque seu crescimento   parte 02
Provoque seu crescimento parte 02Adauto César
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03Joel Silva
 
O cristão e a cultura
O cristão e a culturaO cristão e a cultura
O cristão e a culturaAmor pela EBD
 
2021 2º trimestre jovem - lição 05
2021   2º trimestre jovem - lição 052021   2º trimestre jovem - lição 05
2021 2º trimestre jovem - lição 05Joel Silva
 
Malaquias - Cap. 01 parte 2
Malaquias - Cap. 01 parte 2Malaquias - Cap. 01 parte 2
Malaquias - Cap. 01 parte 2Daniel M Junior
 
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇA
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇALBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇA
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇANatalino das Neves Neves
 
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoasA verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoasAilton da Silva
 
1 apresentação de uma igreja em celulas
1 apresentação de uma igreja em celulas1 apresentação de uma igreja em celulas
1 apresentação de uma igreja em celulasOtoniel Ferreira
 

Mais procurados (20)

Lição 02 a obediência como adoração
Lição 02   a obediência como adoraçãoLição 02   a obediência como adoração
Lição 02 a obediência como adoração
 
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhorLbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhor
 
Qual é o propósito da igreja
Qual é o propósito da igrejaQual é o propósito da igreja
Qual é o propósito da igreja
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
 
Estudos o amigo do noivo
Estudos  o amigo do noivoEstudos  o amigo do noivo
Estudos o amigo do noivo
 
LBJ LIÇÃO 13 - CONSELHOS PARA A VIDA
LBJ LIÇÃO 13 - CONSELHOS PARA A VIDALBJ LIÇÃO 13 - CONSELHOS PARA A VIDA
LBJ LIÇÃO 13 - CONSELHOS PARA A VIDA
 
Escola bíblica dominical
Escola bíblica dominicalEscola bíblica dominical
Escola bíblica dominical
 
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1
 
O andar do cristão
O andar do cristãoO andar do cristão
O andar do cristão
 
É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!
É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!
É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!
 
Provoque seu crescimento parte 02
Provoque seu crescimento   parte 02Provoque seu crescimento   parte 02
Provoque seu crescimento parte 02
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
 
O cristão e a cultura
O cristão e a culturaO cristão e a cultura
O cristão e a cultura
 
2021 2º trimestre jovem - lição 05
2021   2º trimestre jovem - lição 052021   2º trimestre jovem - lição 05
2021 2º trimestre jovem - lição 05
 
O poder liberador do perdão
O poder liberador do perdãoO poder liberador do perdão
O poder liberador do perdão
 
Malaquias - Cap. 01 parte 2
Malaquias - Cap. 01 parte 2Malaquias - Cap. 01 parte 2
Malaquias - Cap. 01 parte 2
 
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇA
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇALBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇA
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇA
 
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoasA verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
 
HERESIOLOGIA (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)
HERESIOLOGIA (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)HERESIOLOGIA (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)
HERESIOLOGIA (AULA 02 - BÁSICO - IBADEP)
 
1 apresentação de uma igreja em celulas
1 apresentação de uma igreja em celulas1 apresentação de uma igreja em celulas
1 apresentação de uma igreja em celulas
 

Destaque

Lei de Adoração evolução espiritual do ser
Lei de  Adoração evolução espiritual do  ser Lei de  Adoração evolução espiritual do  ser
Lei de Adoração evolução espiritual do ser Claudio Macedo
 
Adoração - Um Presente do Homem Para Deus - Sermão
Adoração - Um Presente do Homem Para Deus - SermãoAdoração - Um Presente do Homem Para Deus - Sermão
Adoração - Um Presente do Homem Para Deus - SermãoLevi de Paula Tavares
 
Da Lei de Adoração
Da Lei de AdoraçãoDa Lei de Adoração
Da Lei de Adoraçãohome
 
Aula EBD - Adoração que agrada a Deus
Aula EBD - Adoração que agrada a DeusAula EBD - Adoração que agrada a Deus
Aula EBD - Adoração que agrada a DeusDilsilei Monteiro
 
Louvor e adoração
Louvor e adoraçãoLouvor e adoração
Louvor e adoraçãoigmrecabitas
 
A Verdadeira Adoração
A Verdadeira AdoraçãoA Verdadeira Adoração
A Verdadeira Adoraçãoguest3e2535
 
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardoApresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardoProf. Robson Santos
 

Destaque (12)

081112 le–livro iii-cap.2–sacrifícios
081112 le–livro iii-cap.2–sacrifícios081112 le–livro iii-cap.2–sacrifícios
081112 le–livro iii-cap.2–sacrifícios
 
Lição 3 - A adoração após a queda
Lição 3 - A adoração após a quedaLição 3 - A adoração após a queda
Lição 3 - A adoração após a queda
 
A palestra doutrinaria na casa espirita
A palestra doutrinaria na casa espiritaA palestra doutrinaria na casa espirita
A palestra doutrinaria na casa espirita
 
Lei de Adoração evolução espiritual do ser
Lei de  Adoração evolução espiritual do  ser Lei de  Adoração evolução espiritual do  ser
Lei de Adoração evolução espiritual do ser
 
O sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a DeusO sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a Deus
 
Adoração - Um Presente do Homem Para Deus - Sermão
Adoração - Um Presente do Homem Para Deus - SermãoAdoração - Um Presente do Homem Para Deus - Sermão
Adoração - Um Presente do Homem Para Deus - Sermão
 
Da Lei de Adoração
Da Lei de AdoraçãoDa Lei de Adoração
Da Lei de Adoração
 
Aula EBD - Adoração que agrada a Deus
Aula EBD - Adoração que agrada a DeusAula EBD - Adoração que agrada a Deus
Aula EBD - Adoração que agrada a Deus
 
Louvor e adoração
Louvor e adoraçãoLouvor e adoração
Louvor e adoração
 
A Verdadeira Adoração
A Verdadeira AdoraçãoA Verdadeira Adoração
A Verdadeira Adoração
 
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardoApresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
 
LIÇÃO 12 - QUEM AMA CUMPRE PLENAMENTE A LEI DIVINA
LIÇÃO 12 - QUEM AMA CUMPRE PLENAMENTE A LEI DIVINALIÇÃO 12 - QUEM AMA CUMPRE PLENAMENTE A LEI DIVINA
LIÇÃO 12 - QUEM AMA CUMPRE PLENAMENTE A LEI DIVINA
 

Semelhante a LBJ LIÇÃO 6 - A institucionalização da adoração e do louvor

E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 06
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 06E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 06
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 06Joel Silva
 
O-que-e-a-Igreja.pptx
O-que-e-a-Igreja.pptxO-que-e-a-Igreja.pptx
O-que-e-a-Igreja.pptxIvairCampos1
 
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da IgrejaLBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igrejaboasnovassena
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04Joel Silva
 
Porque ser membro de uma igreja?
Porque ser membro de uma igreja?Porque ser membro de uma igreja?
Porque ser membro de uma igreja?Noimix
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 11
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 11E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 11
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 11Joel Silva
 
Lição 6 a igreja e a obra missionária
Lição 6 a igreja e a obra missionáriaLição 6 a igreja e a obra missionária
Lição 6 a igreja e a obra missionáriaAdriana Cunha
 
Lbj lição 11 A forma do culto
Lbj lição 11   A forma do cultoLbj lição 11   A forma do culto
Lbj lição 11 A forma do cultoboasnovassena
 
Doutrinas Bíblicas - Eclesiologia
Doutrinas Bíblicas - EclesiologiaDoutrinas Bíblicas - Eclesiologia
Doutrinas Bíblicas - EclesiologiaRoberto Trindade
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 103º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10Joel de Oliveira
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 103º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10Joel Silva
 
Boletim Informativo ADIG / Setembro
Boletim Informativo ADIG / SetembroBoletim Informativo ADIG / Setembro
Boletim Informativo ADIG / Setembrosaulog3
 

Semelhante a LBJ LIÇÃO 6 - A institucionalização da adoração e do louvor (20)

E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 06
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 06E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 06
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 06
 
Visão
VisãoVisão
Visão
 
O-que-e-a-Igreja.pptx
O-que-e-a-Igreja.pptxO-que-e-a-Igreja.pptx
O-que-e-a-Igreja.pptx
 
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da IgrejaLBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
 
Porque ser membro de uma igreja?
Porque ser membro de uma igreja?Porque ser membro de uma igreja?
Porque ser membro de uma igreja?
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 11
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 11E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 11
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 11
 
Lição 6 a igreja e a obra missionária
Lição 6 a igreja e a obra missionáriaLição 6 a igreja e a obra missionária
Lição 6 a igreja e a obra missionária
 
Lbj lição 11 A forma do culto
Lbj lição 11   A forma do cultoLbj lição 11   A forma do culto
Lbj lição 11 A forma do culto
 
LIÇÃO 09 - ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO RELIGIOSO
LIÇÃO 09 - ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO RELIGIOSOLIÇÃO 09 - ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO RELIGIOSO
LIÇÃO 09 - ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO RELIGIOSO
 
O culto cristão pessoal
O culto cristão pessoalO culto cristão pessoal
O culto cristão pessoal
 
Sermão comunhão
Sermão comunhãoSermão comunhão
Sermão comunhão
 
Doutrinas Bíblicas - Eclesiologia
Doutrinas Bíblicas - EclesiologiaDoutrinas Bíblicas - Eclesiologia
Doutrinas Bíblicas - Eclesiologia
 
Disciplina O Culto Bíblico
Disciplina O Culto BíblicoDisciplina O Culto Bíblico
Disciplina O Culto Bíblico
 
14
1414
14
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 103º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 103º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
 
8. interceder
8. interceder8. interceder
8. interceder
 
Boletim Informativo ADIG / Setembro
Boletim Informativo ADIG / SetembroBoletim Informativo ADIG / Setembro
Boletim Informativo ADIG / Setembro
 
4º Aula do Pentateuco
4º Aula do Pentateuco4º Aula do Pentateuco
4º Aula do Pentateuco
 

Mais de Natalino das Neves Neves

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTONatalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSNatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSNatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSNatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINANatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINANatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaNatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaNatalino das Neves Neves
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoNatalino das Neves Neves
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoNatalino das Neves Neves
 

Mais de Natalino das Neves Neves (20)

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
 

Último

O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 

Último (20)

O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 

LBJ LIÇÃO 6 - A institucionalização da adoração e do louvor

  • 1.
  • 2.
  • 3. TEXTO DO DIA "Assim, nós, teu povo e ovelhas de teu pasto, te louvaremos eternamente; de geração em geração cantaremos os teus louvores." (Sl 79.13)
  • 4. SÍNTESE A institucionalização da adoração e do louvor foi um processo pelo qual o povo de Israel teve de passar para enfrentar o desafio do crescimento e amadurecimento no meio de sua jornada no deserto.
  • 6. 1. Estes são os estatutos e os juízos que tereis cuidado em fazer na terra que vos deu o SENHOR, Deus de vossos pais, para a possuirdes todos os dias que viverdes sobre a terra. 2. Totalmente destruireis todos os lugares onde as nações que possuireis serviram os seus deuses, sobre as altas montanhas, e sobre os outeiros, e debaixo de toda árvore verde; 3. e derribareis os seus altares, e quebrareis as suas estátuas, e os seus bosques queimareis a fogo, e abatereis as imagens esculpidas dos seus deuses, e apagareis o seu nome daquele lugar. 4. Assim não fareis para com o SENHOR, vosso Deus, 5. mas buscareis o lugar que o SENHOR, vosso Deus, escolher de todas as vossas tribos, para ali pôr o seu nome e sua habitação; e ali vireis. 6. E ali trareis os vossos holocaustos, e os vossos sacrifícios, e os vossos dízimos, e a oferta alçada da vossa mão, e os vossos votos, e as vossas ofertas voluntárias, e os primogênitos das vossas vacas e das vossas ovelhas. 7. E ali comereis perante o SENHOR, vosso Deus, e vos alegrareis em tudo em que poreis a vossa mão, vós e as vossas casas, no que te abençoar o SENHOR, vosso Deus.
  • 8. INTRODUÇÃO • Esta aula tem como foco principal buscar compreender os efeitos da institucionalização da adoração e do louvor em Israel por meio instituições, normas e regras . • Nem toda instituição é uma máquina burocrática e, por isso, alheia às necessidades das pessoas. • Necessidade mínima de organização prévia para o desenvolvimento de qualquer atividade em grupo. • A importância da existência de uma estrutura institucional na igreja local, ágil e com a definição dos papeis de cada participante da estrutura.
  • 9. I - ISRAEL, UM POVO CUJO ESTILO DE VIDA RESUME-SE EM ADORAÇÃO
  • 10. 1. A pormenorização dos elementos devocionais em Israel. • Após a saída do povo do Egito, Deus por meio de Moisés, transmitiu ao povo, os preceitos centrais da verdadeira adoração. • O povo havia sido influenciado por aproximadamente 430 anos pela cultura egípcia(Êx 24-31). • O povo recebeu orientações jurídicas, cerimoniais, sociais e devocionais que excluía o politeísmo e incentivava a dedicação exclusiva à Yahweh. • Expressão do amor zeloso de Deus por seu povo.
  • 11. 2. A institucionalização da adoração • Até aquele momento histórico, a adoração dos filhos de Israel eram semelhante às práticas das sociedades do oriente antigo. • Inicia-se então um longo processo de aprendizagem em que são fundadas instituições que regulamentarão a adoração do povo de Israel. • As ofertas e sacrifícios que era realizados de forma aleatória e pessoal passa a ser organizados por meio da instituição do sacerdócio com regras e critérios (Êx 28.1- 29). • A adoração e o louvor a Deus conecta-se diretamente com a vida cotidiana.
  • 12. 3. Tudo é do Senhor • Uma das características fundamentais do culto que passa a ser estabelecido no meio do povo liberto do Egito é a gratidão. • As ofertas, celebrações e rituais apontam para o grande amor de Deus na libertação da escravidão e proteção contínua. • As três grandes festas judaicas eram festividades estabelecidas para desenvolver continuamente uma consciência grata ao Senhor (Êx 34.22-24). • A institucionalização da fé judaica teve como objetivo estabelecer um conjunto de garantias que assegurariam o desenvolvimento de uma fé saudável e equilibrada.
  • 13. PENSE Se Deus não tivesse estabelecido um conjunto mínimo de normas e cerimoniais para a organização do culto a Ele, como comportar-se-ia aquela multidão de pessoas que caminhava no deserto no momento de adorar a Deus?
  • 14. PONTO IMPORTANTE A institucionalização parece ser um processo inevitável para todo agrupamento de pessoas que cresce numericamente.
  • 15. II - CRITÉRIOS, NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A ADORAÇÃO EM ISRAEL
  • 16. 1. Ofertas e sacrifícios específicos • O adorador deveria observar uma série de exigências. • Se fosse um sacrifício animal, havia animais puros e impuros (Lv 11.47); • Dependendo da cerimônia o sacrifício deveria ser feito com um animal próprio àquele momento (Nm 7.15-17); • Algumas partes do animal seriam descartadas enquanto outras seriam valorizadas (Lv 4.4-12); • O animal sacrificado não poderia ter falhas ou doenças (Dt 15.19- 23); • Oferta de produtos de origem vegetal tinha critérios de quantidade e da qualidade do que era trazido (Lv 6.20; Nm 5.15; Dt 18.4). • Essa série de requisitos exigia um cuidado contínuo do adorador e um envolvimento de sua rotina na adoração.
  • 17. 2. Lugares especiais • A adoração cerimonial foi concentrada em um lugar comunitário em que todas as pessoas podiam adorar ao mesmo Deus. • Num contexto politeísta, a designação de um só local para adoração oficial reforçava, nos corações e mentes dos israelitas, que só havia um Deus a ser reverenciado. • Inicialmente este "local" foi o tabernáculo, o ambiente de adoração portátil que o Senhor ordenou que Moisés construísse (Êx 25.8,9). • Posteriormente este local de adoração foi "fixado" no Templo em Jerusalém (2 Cr 7).
  • 18. 3. Pessoas separadas • A institucionalização da adoração em Israel se deu por meio da separação de uma tribo inteira para os serviços relativos ao louvor e adoração e de uma família para o exercício do sacerdócio (Nm 3.6-10). • Um enorme privilégio, contudo, acompanhado de uma também enorme responsabilidade e resignação. • Os filhos de Levi não teriam parte na herança que todo o povo receberia (Dt 10.9; 12.12; 14.27; Js 18.7). • Se todo o povo vivia impulsionado pela fé, muito mais os levitas, que passaram a depender das ofertas do povo.
  • 19. PENSE Você estaria disposto a abrir mão de todo conforto e bem-estar pessoal para viver inteiramente para o serviço de Deus?
  • 20. PONTO IMPORTANTE Como acabamos de estudar, a institucionalização do judaísmo fortaleceu os vínculos sociais e enfraqueceu o politeísmo.
  • 22. 1. A inevitável institucionalização • As igrejas evangélicas brasileiras multiplicaram-se de maneira notável durante o século XX. • De denominações que se reuniam em casas, geralmente da periferia, tornaram-se em grandes instituições espalhadas em todo o território nacional. • As igrejas precisaram se organizarem civilmente na aquisição de imóveis, contratação de pessoal, compra de bens móveis. • A institucionalização como algo necessário e irreversível. • A natureza essencial da Igreja é espiritual, por isso mesmo, quando ela trata de assuntos materiais deve fazer tudo com ética, lisura e justiça (Mt 22.17-21; Tt 3.1; 1 Pe 2.13-15).
  • 23. 2. "Na minha igreja, só quem canta e prega são os oficiais" • Infelizmente esta frase sintetiza a realidade de muitas igrejas locais. • Organização Vs formalismo. • A Bíblia deixa bem claro que através da obra de Cristo somos todos sacerdotes da Nova Aliança, por isso universalmente capacitados para falar de Cristo (Ap 1.6; 20.6). • A beleza do pentecostalismo sempre foi a espontaneidade da participação leiga no anuncio publico do Evangelho de Jesus.
  • 24. 3. Perigos contemporâneos da igreja enquanto instituição • A relação Igreja-Estado-Sociedade Civil torna-se perniciosa quando existe troca de favores, deixando de obedecer a Palavra de Deus. • Nesse caso, a ética cristã é ferida, priorizando mais os homens que o Reino de Deus. • Tais relações trazem escândalos e são uma das principais causas de abandono da fé. • A vida em comunidade é a essência do Cristianismo (Jo 17.22).
  • 25. PENSE Sem dúvida alguma os "desigrejados" não possuem fundamento real para suas argumentações, isto porque a razão de nossa fé é Cristo e ninguém mais.
  • 26. PONTO IMPORTANTE A natureza espiritual e o aspecto legal são duas faces inegáveis desse plano amoroso criado por Deus para a humanidade denominado Igreja. Já houve um tempo, quando as instituições civis eram menos desenvolvidas, que a Igreja não necessitava de estrutura institucional, hoje isso não é mais possível.
  • 28. CONSIDERAÇÕES FINAIS Nesta lição nos aprendemos que: 1. Após a libertação do povo de Israel da escravidão do Egito, Deus estabelece regras e critérios para organizar o estilo de vida e adoração do seu povo. 2. Foram definidos procedimentos específicos para cada sacrifício, além de lugares exclusivos e grupo de pessoas com dedicação exclusiva para liderarem a adoração e louvor, com exercerem o sacerdócio. 3. A institucionalização da igreja é uma necessidade e irreversível, mas não precisa se tornar em um formalismo exagerado.
  • 29. REFERÊNCIAS CABRAL, Elienai. Abraão: As experiências de nosso pai na fé. Rio de Janeiro: CPAD, 2002. COLSON, Charles & PEARCEY, Nancy. E Agora Como Viveremos? Rio de Janeiro: CPAD, 2000. DEVER, M. A Mensagem do Antigo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2008. KESSLER, Nemuel. Deus não desistiu de você. Rio de Janeiro: CPAD, 2015. LIÇÕES BÍBLICAS JOVENS. Em espírito e em verdade: a essência da adoração cristã. Comentarista: Thiago Brazil. 4º Trim, Edição Professor, Rio de Janeiro, 2016. PALMER, Michael D. (Ed.). Panorama do Pensamento Cristão. Rio de Janeiro: CPAD, 2001 SILVA. E. R. Adoração sem limite: Um coração aos pés de Cristo. Rio de Janeiro: CPAD, 2015. VINE, W. E.; UNGER, Merril F.; WHITE JR., William. Dicionário Vine. 7ª ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.
  • 30. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br Facebook: www.facebook.com/natalino.neves Contatos: natalino6612@gmail.com (41) 8409 8094 (TIM)