SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
NÁILON e CELOFANE
Discente: Airton Ricart
Anderson Formiga
Janine Patricia
Docente: Mônica Tejo Cavalcanti
Universidade Federal de Campina Grande
Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar
Unidade Acadêmica de Tecnologia de Alimentos
Campus Pombal-PB
INTRODUÇÃO
 O grupo poliamida ou náilon, engloba uma classe de
produtos químicos desenvolvidos nos anos 40;
 Como os poliésteres, eles inicialmente foram
utilizados para produtos têxteis. Somente poucos
foram empregados em aplicação de embalagens;
 O náilon tipo 6 e o subtipo 6,6 são mais os mais
importantes para embalagens;
 O náilon-6 tem seis átomos de carbonos na sua
unidade repetitiva (mero) e o náilon-6,6 possui dois
grupos de seis átomos de carbono cada no seu mero.
 Poliamida
POLIAMIDA
 Tenacidade e resistência mecânica em grande
variação de temperatura;
 Resistencia a perfuração;
 A ataque de gordura;
 Fragilização sob tensão e barreira aos gases;
 O náilon pode ser moldado ou soprado em filme.
 Propriedades
POLIAMIDA
 Muito náilon utilizado em embalagens é usado na
forma de filmes multicamadas produzido seja por
laminação adesiva, quando a forma de orientação
pode ser usada, ou por coextrusões, normalmente
com polietileno ou polipropileno;
 Quando é coextrudado com poliolefinas, se as
viscosidades no estado fundido forem próximas, não
é necessário uma camada intermediaria de adesivo;
 O filme de náilon muito fino orientado pode ser
usado com um componente de laminados de alto
desempenho, normalmente competindo com o PET.
 Filme de Náilon
FILME DE NÁILON
 O náilon é um dos poucos materiais para filmes (PET
é outro) que na sua forma não encolhível pode ser
usada em altas temperaturas;
 É usado para embalagens de cozimento e
embalagens a vácuo para carnes processadas;
 Para produtos que contem partículas afiadas ou
ossos, sua resistência a perfuração é também seu
maior beneficio;
 O náilon é coextrudado e laminado em outros filmes
substratos;
 O náilon é laminado até com folha de alumínio para
fazer laminado retort pouch ou pode ser laminado
 Aplicações
FILME DE NÁILON
As características predominantes que ditam a
aplicação deste polímero são:
 Propriedades mecânicas;
 Propriedades de barreira ao oxigênio e a aromas;
 Propriedades óticas de transparência e brilho;
 Resistência térmica, devido ao elevado ponto de
fusão, e química, pois é inerte a maioria das
substâncias;
 Termoformagem .
 Aplicações
(Propriedades)
FILME DE NÁILON
 Alta resistência e tenacidade;
 Filme PET orientado e náilon orientado;
 Filme de náilon biorientado mais popular;
 As propriedades do material final são muito
influenciadas pelo o grau de cristalinidade, que está
relacionado com o processo de resfriamento(rápido e
lento);
 Capacidade termoformação e o grau de transparência.
FILME DE NÁILON
FILME DE NÁILON
 Em termoformagem o náilon é muito deformado, resistindo ao
(stress cracking);
 O náilon-6 é frequentemente coextrudado com poliofelinas;
 Outros tipos especiais de desenvolvimento de náilon em
aplicações em embalagens é a poliamida amorfa que pode ser
dispersa em uma grande proporção de poliofelinas;
 Poliamidas amorfas são também são miscíveis com
copoliamidas, poliestér e EVA. Eles melhoram a barreira ao
oxigênio e aromas e propriedades mecânicas em coextrusões
usadas para garrafas, tubos, estruturas termoformadas e
invólucro de salsichas.
 Equipamento de termoformação de filmes
plásticos
(1) Bobina de filme fundo;
(2) Câmara de termoformação;
(3) Filme termoformado;
(4) Inclusão manual ou automática
do produto;
(5) Bobina de filme tampa;
(6) Câmara de extração de ar,
injeção
de gás e selagem;
(7) Corte transversal do filme;
FILME DE NÁILON
 Outro desenvolvimento de poliamida é o MXD-6, um
material náilon de alta barreira baseado no copolímero
de xileno metaxilenodiamina. Este é usado no Japão
como a camada de barreira central de uma garrafa pet
de três camadas de vinho e cerveja. Algumas
poliamidas novas (semicristalinas e amorfas) tem
também sido oferecidas com uma camada de barreira
em garrafas reutilizáveis de policarbonato.
INTRODUÇÃO
 Há mais de 100 anos o celofane foi patenteado no
Reino Unido, o nome combina as palavras celulose e
diaphane, a palavra em francês para transparente;
 Durante 40-50 anos, o Celofane era o único material
transparente para embalagem, entretanto com o
surgimento do filme de polipropileno orientado com
propriedades muito próximas a do celofane, ele
rapidamente começou a ser adotado como um
substituto a baixo custo;
 O celofane é considerado um material polimérico, já
que consiste de moléculas de cadeia longa com
unidades de repetição, mas não é um termoplástico,
pois não funde e não é capaz de ser conformado por
aquecimento.
Celofane
CELOFANE
 O celofane é um material para nicho de mercado de
especialidades alimentícias com suas características
únicas.
 Ele mantém seu formato depois de dobrado;
 Fácil de rasgar;
 Fácil de soldar;
 Fácil de cortar;
 Tem um alto nível de brilho;
 Resistente a altas temperaturas;
 Alta permeabilidade;
 Quando revestidos, o celofane é uma boa barreira à
umidade e ao oxigênio.
 Propriedades
CELOFANE
 É produzido a partir da polpa da madeira de alta
pureza (Eucalipto), dissolvendo-se as fibras de
celulose em dissulfeto de carbono e adicionando
hidróxido de sódio. O material gelatinoso formado é
amadurecido e estabilizado com adição de ácido
sulfúrico. O material é plastificado adicionando etileno
glicol ou propileno glicol.
Existem quatro categorias:
 P = Liso, filme não revestido;
 MS = Filme resistente à umidade, revestido com
nitrocelulose;
 MXDT = Revestido com PVdC de um lado;
 Produção
Obs: PVdC: Poli-Cloreto de Vinilideno
CELOFANE
 O material MXXT é o mais importante e o de maior grau
de desempenho;
 O MXXT/A tem um revestimento de dispersão aquosa;
 O MXXT/S tem um revestimento de dispersão por
solvente;
 O celofane é especificado não pela espessura, mas pelo
peso em gramas do filme com uma área de 10 𝑚2
(g/10
𝑚2) variando de 280 a 600 g/10 𝑚2;
 Embora tenha perdido muitas de suas aplicações como
embalagens para embrulho, ainda continua sendo muito
usado como um laminado em combinações com outros
materiais;
 É um material versátil, pode ser tingido em uma variedade
 Propriedades
CELOFANE
 É um dos derivados da celulose, sendo uma das
primeiras formas de plástico.
Propriedades
 Alta transparência;
 Alto brilho;
 Facilmente convertido em caixas;
 Adesivos;
 Soldagem com solvente.
 Os acetatos de celulose têm sido substituídos na
maioria de sua aplicações por outros materiais
plásticos (PVC calandrado de alta transparência e
filme BOPP).
 Acetato de Celulose
Náilon e Celofane: propriedades e aplicações em embalagens

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Embalagens de plastico verde com adição de resina biodegradável
Embalagens de plastico verde com adição de resina biodegradável Embalagens de plastico verde com adição de resina biodegradável
Embalagens de plastico verde com adição de resina biodegradável Natalia Perez
 
Material auxiliar plástico ii
Material auxiliar plástico iiMaterial auxiliar plástico ii
Material auxiliar plástico iiprofNICODEMOS
 
Processo do Algodão des da Plantação até virar tecido
Processo do Algodão des da Plantação até virar tecidoProcesso do Algodão des da Plantação até virar tecido
Processo do Algodão des da Plantação até virar tecidoWilliam Pinheiro
 
A importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meioA importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meioLareska Rocha
 
Os tipos de papel
Os tipos de papelOs tipos de papel
Os tipos de papelRenato Melo
 
Os plásticos e a reciclagem
Os plásticos e a reciclagemOs plásticos e a reciclagem
Os plásticos e a reciclagemAna Duarte
 
Materiais e tecnologia têxtil III
Materiais e tecnologia têxtil IIIMateriais e tecnologia têxtil III
Materiais e tecnologia têxtil IIIFernanda
 
O Impacto Ambiental do Plastico
O Impacto Ambiental do PlasticoO Impacto Ambiental do Plastico
O Impacto Ambiental do Plasticomfcrrj
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento globalMayjö .
 
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabricoFiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabricoConstantino Monteiro Alves
 
Poluição por plásticos nos oceanos
Poluição por plásticos nos oceanosPoluição por plásticos nos oceanos
Poluição por plásticos nos oceanosnaliniram
 

Mais procurados (20)

Fibras Naturais
Fibras NaturaisFibras Naturais
Fibras Naturais
 
Embalagens de plastico verde com adição de resina biodegradável
Embalagens de plastico verde com adição de resina biodegradável Embalagens de plastico verde com adição de resina biodegradável
Embalagens de plastico verde com adição de resina biodegradável
 
Reciclar
ReciclarReciclar
Reciclar
 
Materiais e Processos Têxteis
Materiais e Processos TêxteisMateriais e Processos Têxteis
Materiais e Processos Têxteis
 
Material auxiliar plástico ii
Material auxiliar plástico iiMaterial auxiliar plástico ii
Material auxiliar plástico ii
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
 
Processo do Algodão des da Plantação até virar tecido
Processo do Algodão des da Plantação até virar tecidoProcesso do Algodão des da Plantação até virar tecido
Processo do Algodão des da Plantação até virar tecido
 
A importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meioA importância da reciclagem na preservação do meio
A importância da reciclagem na preservação do meio
 
Apostila:Fibra de polipropileno
Apostila:Fibra de polipropilenoApostila:Fibra de polipropileno
Apostila:Fibra de polipropileno
 
Os tipos de papel
Os tipos de papelOs tipos de papel
Os tipos de papel
 
Os plásticos e a reciclagem
Os plásticos e a reciclagemOs plásticos e a reciclagem
Os plásticos e a reciclagem
 
Lixo plastico
Lixo plasticoLixo plastico
Lixo plastico
 
Materiais e tecnologia têxtil III
Materiais e tecnologia têxtil IIIMateriais e tecnologia têxtil III
Materiais e tecnologia têxtil III
 
Iso 14001 e emas nivel ii - formacao
Iso 14001 e emas   nivel ii - formacaoIso 14001 e emas   nivel ii - formacao
Iso 14001 e emas nivel ii - formacao
 
O Impacto Ambiental do Plastico
O Impacto Ambiental do PlasticoO Impacto Ambiental do Plastico
O Impacto Ambiental do Plastico
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
 
Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Aula teórica Fibras têxteis (rm)Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Aula teórica Fibras têxteis (rm)
 
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabricoFiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
 
Poluição por plásticos nos oceanos
Poluição por plásticos nos oceanosPoluição por plásticos nos oceanos
Poluição por plásticos nos oceanos
 
Problemas Ambientais
Problemas AmbientaisProblemas Ambientais
Problemas Ambientais
 

Destaque (13)

Fibras têxteis
Fibras têxteis Fibras têxteis
Fibras têxteis
 
Fibras texteis
Fibras texteisFibras texteis
Fibras texteis
 
Descubrir el carbón
Descubrir el carbónDescubrir el carbón
Descubrir el carbón
 
1 fibras têxteis classificação e propriedades
1 fibras têxteis classificação e propriedades1 fibras têxteis classificação e propriedades
1 fibras têxteis classificação e propriedades
 
Apostila de Ciências das Fibras-Professora Maria Adelina-FATEC Americana
Apostila de Ciências das Fibras-Professora Maria Adelina-FATEC AmericanaApostila de Ciências das Fibras-Professora Maria Adelina-FATEC Americana
Apostila de Ciências das Fibras-Professora Maria Adelina-FATEC Americana
 
Enfermedad celiaca y esprue tropical
Enfermedad celiaca y esprue tropicalEnfermedad celiaca y esprue tropical
Enfermedad celiaca y esprue tropical
 
Fibras poliester[1]
Fibras poliester[1]Fibras poliester[1]
Fibras poliester[1]
 
Aula teórica fiação e Titulação
Aula teórica fiação e TitulaçãoAula teórica fiação e Titulação
Aula teórica fiação e Titulação
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
 
Enfermedad celíaca
Enfermedad celíacaEnfermedad celíaca
Enfermedad celíaca
 
Mostruário de tecidos
Mostruário de tecidosMostruário de tecidos
Mostruário de tecidos
 
Apostila de embalagem
Apostila de embalagemApostila de embalagem
Apostila de embalagem
 
Síndrome de malabsorción intestinal
Síndrome de malabsorción intestinalSíndrome de malabsorción intestinal
Síndrome de malabsorción intestinal
 

Semelhante a Náilon e Celofane: propriedades e aplicações em embalagens

Carne-e-Peixe-Frescos-final.pptx
Carne-e-Peixe-Frescos-final.pptxCarne-e-Peixe-Frescos-final.pptx
Carne-e-Peixe-Frescos-final.pptxLdiaMiranda3
 
Borracha de polietileno cloro sulfonado - Hypalon
Borracha de polietileno cloro sulfonado - HypalonBorracha de polietileno cloro sulfonado - Hypalon
Borracha de polietileno cloro sulfonado - HypalonBorrachas
 
Seminário acrílicos e policarbonatos
Seminário acrílicos e policarbonatosSeminário acrílicos e policarbonatos
Seminário acrílicos e policarbonatosSimone Bertelli
 
Ppoint.quim.polimeros.adição.plásticos
Ppoint.quim.polimeros.adição.plásticosPpoint.quim.polimeros.adição.plásticos
Ppoint.quim.polimeros.adição.plásticosAlbano Novaes
 
PET - Saiba mais
PET - Saiba maisPET - Saiba mais
PET - Saiba maisCENNE
 
Isaac Newton 3° G Norturno
Isaac Newton 3° G NorturnoIsaac Newton 3° G Norturno
Isaac Newton 3° G NorturnoNewton Isaac
 
SLIDE - EQUIPE EDGARDD SALVADOR
SLIDE - EQUIPE EDGARDD SALVADOR SLIDE - EQUIPE EDGARDD SALVADOR
SLIDE - EQUIPE EDGARDD SALVADOR Edgardd Salvador
 
Slide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert GrahamSlide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert GrahamAlbert Graham
 
Slide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert GrahamSlide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert GrahamAlbert Graham
 
Processos Industriais e Sustentabilidade: Indústria dos Plásticos
Processos Industriais e Sustentabilidade: Indústria dos PlásticosProcessos Industriais e Sustentabilidade: Indústria dos Plásticos
Processos Industriais e Sustentabilidade: Indústria dos PlásticosFranklin Oliveira
 
Polímeros - Trabalho de Química Escola Manoel Lúcio da Silva
Polímeros - Trabalho de Química Escola Manoel Lúcio da SilvaPolímeros - Trabalho de Química Escola Manoel Lúcio da Silva
Polímeros - Trabalho de Química Escola Manoel Lúcio da SilvaAlexandre Graham
 

Semelhante a Náilon e Celofane: propriedades e aplicações em embalagens (20)

Questões dayvid
Questões dayvidQuestões dayvid
Questões dayvid
 
Carne-e-Peixe-Frescos-final.pptx
Carne-e-Peixe-Frescos-final.pptxCarne-e-Peixe-Frescos-final.pptx
Carne-e-Peixe-Frescos-final.pptx
 
Borracha de polietileno cloro sulfonado - Hypalon
Borracha de polietileno cloro sulfonado - HypalonBorracha de polietileno cloro sulfonado - Hypalon
Borracha de polietileno cloro sulfonado - Hypalon
 
PolíMeros - Prof Thaiza
PolíMeros - Prof ThaizaPolíMeros - Prof Thaiza
PolíMeros - Prof Thaiza
 
Seminário acrílicos e policarbonatos
Seminário acrílicos e policarbonatosSeminário acrílicos e policarbonatos
Seminário acrílicos e policarbonatos
 
Ppoint.quim.polimeros.adição.plásticos
Ppoint.quim.polimeros.adição.plásticosPpoint.quim.polimeros.adição.plásticos
Ppoint.quim.polimeros.adição.plásticos
 
PET - Saiba mais
PET - Saiba maisPET - Saiba mais
PET - Saiba mais
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Isaac Newton 3° G Norturno
Isaac Newton 3° G NorturnoIsaac Newton 3° G Norturno
Isaac Newton 3° G Norturno
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Plasticos
PlasticosPlasticos
Plasticos
 
Aula7
Aula7Aula7
Aula7
 
Polimeros slide pdf
Polimeros slide pdfPolimeros slide pdf
Polimeros slide pdf
 
SLIDE - EQUIPE EDGARDD SALVADOR
SLIDE - EQUIPE EDGARDD SALVADOR SLIDE - EQUIPE EDGARDD SALVADOR
SLIDE - EQUIPE EDGARDD SALVADOR
 
Polímeros termoplasticas
Polímeros termoplasticasPolímeros termoplasticas
Polímeros termoplasticas
 
Slide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert GrahamSlide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert Graham
 
Slide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert GrahamSlide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert Graham
 
Processos Industriais e Sustentabilidade: Indústria dos Plásticos
Processos Industriais e Sustentabilidade: Indústria dos PlásticosProcessos Industriais e Sustentabilidade: Indústria dos Plásticos
Processos Industriais e Sustentabilidade: Indústria dos Plásticos
 
Pet e pc
Pet e pc Pet e pc
Pet e pc
 
Polímeros - Trabalho de Química Escola Manoel Lúcio da Silva
Polímeros - Trabalho de Química Escola Manoel Lúcio da SilvaPolímeros - Trabalho de Química Escola Manoel Lúcio da Silva
Polímeros - Trabalho de Química Escola Manoel Lúcio da Silva
 

Mais de Anderson Formiga

Blend de abacaxi, acerola e limão
Blend de abacaxi, acerola e limãoBlend de abacaxi, acerola e limão
Blend de abacaxi, acerola e limãoAnderson Formiga
 
Apresentação industria processamento
Apresentação industria processamentoApresentação industria processamento
Apresentação industria processamentoAnderson Formiga
 
Inibidores de proteases e amilase, glicosideos cianogenicos, alcaloides e sap...
Inibidores de proteases e amilase, glicosideos cianogenicos, alcaloides e sap...Inibidores de proteases e amilase, glicosideos cianogenicos, alcaloides e sap...
Inibidores de proteases e amilase, glicosideos cianogenicos, alcaloides e sap...Anderson Formiga
 
Exemplos de detergentes comerciais e suas especificações
Exemplos de detergentes comerciais e suas especificaçõesExemplos de detergentes comerciais e suas especificações
Exemplos de detergentes comerciais e suas especificaçõesAnderson Formiga
 
Lista do 1° Físico-Química (UFCG) - Monitoria
Lista do 1° Físico-Química (UFCG) - MonitoriaLista do 1° Físico-Química (UFCG) - Monitoria
Lista do 1° Físico-Química (UFCG) - MonitoriaAnderson Formiga
 
Automação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria PetroquímicaAutomação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria PetroquímicaAnderson Formiga
 
Produção de energia a partir de resíduos sólidos
Produção de energia a partir de resíduos sólidos  Produção de energia a partir de resíduos sólidos
Produção de energia a partir de resíduos sólidos Anderson Formiga
 

Mais de Anderson Formiga (20)

Descongelamento
Descongelamento   Descongelamento
Descongelamento
 
Blend de abacaxi, acerola e limão
Blend de abacaxi, acerola e limãoBlend de abacaxi, acerola e limão
Blend de abacaxi, acerola e limão
 
Alimentos termogenicos
Alimentos termogenicosAlimentos termogenicos
Alimentos termogenicos
 
Apresentação industria processamento
Apresentação industria processamentoApresentação industria processamento
Apresentação industria processamento
 
Uísque
UísqueUísque
Uísque
 
Rum
RumRum
Rum
 
Microbiologia do pescado
Microbiologia do pescadoMicrobiologia do pescado
Microbiologia do pescado
 
Trigo
TrigoTrigo
Trigo
 
Inibidores de proteases e amilase, glicosideos cianogenicos, alcaloides e sap...
Inibidores de proteases e amilase, glicosideos cianogenicos, alcaloides e sap...Inibidores de proteases e amilase, glicosideos cianogenicos, alcaloides e sap...
Inibidores de proteases e amilase, glicosideos cianogenicos, alcaloides e sap...
 
Tecnologia de sorvetes
Tecnologia de sorvetesTecnologia de sorvetes
Tecnologia de sorvetes
 
Exemplo de santitizantes
Exemplo de santitizantesExemplo de santitizantes
Exemplo de santitizantes
 
Exemplos de detergentes comerciais e suas especificações
Exemplos de detergentes comerciais e suas especificaçõesExemplos de detergentes comerciais e suas especificações
Exemplos de detergentes comerciais e suas especificações
 
Congelamento
CongelamentoCongelamento
Congelamento
 
Branqueamento
BranqueamentoBranqueamento
Branqueamento
 
Lista do 1° Físico-Química (UFCG) - Monitoria
Lista do 1° Físico-Química (UFCG) - MonitoriaLista do 1° Físico-Química (UFCG) - Monitoria
Lista do 1° Físico-Química (UFCG) - Monitoria
 
Difusão
Difusão Difusão
Difusão
 
Substitutos de Gorgura
Substitutos de GorguraSubstitutos de Gorgura
Substitutos de Gorgura
 
Automação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria PetroquímicaAutomação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria Petroquímica
 
Gasolina automotiva
Gasolina automotiva  Gasolina automotiva
Gasolina automotiva
 
Produção de energia a partir de resíduos sólidos
Produção de energia a partir de resíduos sólidos  Produção de energia a partir de resíduos sólidos
Produção de energia a partir de resíduos sólidos
 

Último

Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxAssimoIovahale
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxConsultoria Acadêmica
 
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna decipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna deGleuciane Rocha
 
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024
MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024excellenceeducaciona
 
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfCondutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfAroldoMenezes1
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...DL assessoria 31
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 

Último (8)

Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
 
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna decipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
 
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024
MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024
 
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfCondutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
 

Náilon e Celofane: propriedades e aplicações em embalagens

  • 1. NÁILON e CELOFANE Discente: Airton Ricart Anderson Formiga Janine Patricia Docente: Mônica Tejo Cavalcanti Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Unidade Acadêmica de Tecnologia de Alimentos Campus Pombal-PB
  • 2. INTRODUÇÃO  O grupo poliamida ou náilon, engloba uma classe de produtos químicos desenvolvidos nos anos 40;  Como os poliésteres, eles inicialmente foram utilizados para produtos têxteis. Somente poucos foram empregados em aplicação de embalagens;  O náilon tipo 6 e o subtipo 6,6 são mais os mais importantes para embalagens;  O náilon-6 tem seis átomos de carbonos na sua unidade repetitiva (mero) e o náilon-6,6 possui dois grupos de seis átomos de carbono cada no seu mero.  Poliamida
  • 3. POLIAMIDA  Tenacidade e resistência mecânica em grande variação de temperatura;  Resistencia a perfuração;  A ataque de gordura;  Fragilização sob tensão e barreira aos gases;  O náilon pode ser moldado ou soprado em filme.  Propriedades
  • 4. POLIAMIDA  Muito náilon utilizado em embalagens é usado na forma de filmes multicamadas produzido seja por laminação adesiva, quando a forma de orientação pode ser usada, ou por coextrusões, normalmente com polietileno ou polipropileno;  Quando é coextrudado com poliolefinas, se as viscosidades no estado fundido forem próximas, não é necessário uma camada intermediaria de adesivo;  O filme de náilon muito fino orientado pode ser usado com um componente de laminados de alto desempenho, normalmente competindo com o PET.  Filme de Náilon
  • 5. FILME DE NÁILON  O náilon é um dos poucos materiais para filmes (PET é outro) que na sua forma não encolhível pode ser usada em altas temperaturas;  É usado para embalagens de cozimento e embalagens a vácuo para carnes processadas;  Para produtos que contem partículas afiadas ou ossos, sua resistência a perfuração é também seu maior beneficio;  O náilon é coextrudado e laminado em outros filmes substratos;  O náilon é laminado até com folha de alumínio para fazer laminado retort pouch ou pode ser laminado  Aplicações
  • 6. FILME DE NÁILON As características predominantes que ditam a aplicação deste polímero são:  Propriedades mecânicas;  Propriedades de barreira ao oxigênio e a aromas;  Propriedades óticas de transparência e brilho;  Resistência térmica, devido ao elevado ponto de fusão, e química, pois é inerte a maioria das substâncias;  Termoformagem .  Aplicações (Propriedades)
  • 7. FILME DE NÁILON  Alta resistência e tenacidade;  Filme PET orientado e náilon orientado;  Filme de náilon biorientado mais popular;  As propriedades do material final são muito influenciadas pelo o grau de cristalinidade, que está relacionado com o processo de resfriamento(rápido e lento);  Capacidade termoformação e o grau de transparência.
  • 9. FILME DE NÁILON  Em termoformagem o náilon é muito deformado, resistindo ao (stress cracking);  O náilon-6 é frequentemente coextrudado com poliofelinas;  Outros tipos especiais de desenvolvimento de náilon em aplicações em embalagens é a poliamida amorfa que pode ser dispersa em uma grande proporção de poliofelinas;  Poliamidas amorfas são também são miscíveis com copoliamidas, poliestér e EVA. Eles melhoram a barreira ao oxigênio e aromas e propriedades mecânicas em coextrusões usadas para garrafas, tubos, estruturas termoformadas e invólucro de salsichas.
  • 10.  Equipamento de termoformação de filmes plásticos (1) Bobina de filme fundo; (2) Câmara de termoformação; (3) Filme termoformado; (4) Inclusão manual ou automática do produto; (5) Bobina de filme tampa; (6) Câmara de extração de ar, injeção de gás e selagem; (7) Corte transversal do filme;
  • 11. FILME DE NÁILON  Outro desenvolvimento de poliamida é o MXD-6, um material náilon de alta barreira baseado no copolímero de xileno metaxilenodiamina. Este é usado no Japão como a camada de barreira central de uma garrafa pet de três camadas de vinho e cerveja. Algumas poliamidas novas (semicristalinas e amorfas) tem também sido oferecidas com uma camada de barreira em garrafas reutilizáveis de policarbonato.
  • 12.
  • 13. INTRODUÇÃO  Há mais de 100 anos o celofane foi patenteado no Reino Unido, o nome combina as palavras celulose e diaphane, a palavra em francês para transparente;  Durante 40-50 anos, o Celofane era o único material transparente para embalagem, entretanto com o surgimento do filme de polipropileno orientado com propriedades muito próximas a do celofane, ele rapidamente começou a ser adotado como um substituto a baixo custo;  O celofane é considerado um material polimérico, já que consiste de moléculas de cadeia longa com unidades de repetição, mas não é um termoplástico, pois não funde e não é capaz de ser conformado por aquecimento. Celofane
  • 14. CELOFANE  O celofane é um material para nicho de mercado de especialidades alimentícias com suas características únicas.  Ele mantém seu formato depois de dobrado;  Fácil de rasgar;  Fácil de soldar;  Fácil de cortar;  Tem um alto nível de brilho;  Resistente a altas temperaturas;  Alta permeabilidade;  Quando revestidos, o celofane é uma boa barreira à umidade e ao oxigênio.  Propriedades
  • 15. CELOFANE  É produzido a partir da polpa da madeira de alta pureza (Eucalipto), dissolvendo-se as fibras de celulose em dissulfeto de carbono e adicionando hidróxido de sódio. O material gelatinoso formado é amadurecido e estabilizado com adição de ácido sulfúrico. O material é plastificado adicionando etileno glicol ou propileno glicol. Existem quatro categorias:  P = Liso, filme não revestido;  MS = Filme resistente à umidade, revestido com nitrocelulose;  MXDT = Revestido com PVdC de um lado;  Produção Obs: PVdC: Poli-Cloreto de Vinilideno
  • 16. CELOFANE  O material MXXT é o mais importante e o de maior grau de desempenho;  O MXXT/A tem um revestimento de dispersão aquosa;  O MXXT/S tem um revestimento de dispersão por solvente;  O celofane é especificado não pela espessura, mas pelo peso em gramas do filme com uma área de 10 𝑚2 (g/10 𝑚2) variando de 280 a 600 g/10 𝑚2;  Embora tenha perdido muitas de suas aplicações como embalagens para embrulho, ainda continua sendo muito usado como um laminado em combinações com outros materiais;  É um material versátil, pode ser tingido em uma variedade  Propriedades
  • 17. CELOFANE  É um dos derivados da celulose, sendo uma das primeiras formas de plástico. Propriedades  Alta transparência;  Alto brilho;  Facilmente convertido em caixas;  Adesivos;  Soldagem com solvente.  Os acetatos de celulose têm sido substituídos na maioria de sua aplicações por outros materiais plásticos (PVC calandrado de alta transparência e filme BOPP).  Acetato de Celulose