SlideShare uma empresa Scribd logo
ACRÍLICOS E POLICARBONATOS
Componentes:
Luciana Cristina
Maria Luisa Marques
Simone Bertelli Maeji
Solange Ribeiro
EAMR - PROFª BEATRIZ – 1ºR
ABRIL 2013
ACRÍLICOS
1. Introdução ao acrílico – conceito e histórico
2. Processos de produção
2.1 - Chapas fundidas
2.2 - Chapas extrusadas
2.3 - Demais propriedades e características
3. Utilização do acrílico no design
3.1 - Exemplos
4. Conservação
5. Vantagens
6. Desvantagens
Índice
Índice
POLICARBONATOS
7. Introdução ao policarbonato – conceito e histórico
8. Processos de produção
9. Utilização do policarbonato no design
9.1 - Exemplos
10. Vantagens
11. Desvantagens
12. Acrílico x Policarbonato – principais diferenças
13. Referencias bibliográficas
Conceito e
histórico
ACRÍLICO é um termoplástico transparente, que apresenta
alta rigidez. É um material de qualidade e considerado
moderno, devido à sua facilidade de adquirir formas, além de
ser leve e resistente.
São dois os principais tipos de materiais obtidos através do
acrílico: chapas fundidas e chapas extrusadas.
Foi descoberto em 1843, sua expansão ocorreu somente em
1901 com os estudos realizados na Alemanha. Começou a ser
produzida industrialmente a partir de 1927.
As chapas “Cast” ou fundidas são produzidas com variedade
de tamanhos e espessuras, sendo as maiores disponíveis em
3x2 metros, e espessuras variando entre 1 a 24 mm.
Possuem excelentes acabamentos das superfícies e são
fornecidas com propriedades de absorção de raios
ultravioleta, espelhadas e características de alta
termoformabilidade.
São fortes, estáveis, resistentes às condições do tempo;
disponíveis nas opções transparentes, translúcidas e em cores
opacas.
Chapas Fundidas
As chapas extrusadas são produzidas pela compressão dos
grânulos acrílicos através de uma rosca de extrusão
convencional. O acrílico é fundido e empurrado através de
uma matriz em um processo contínuo, possibilitando uma
variedade de larguras e comprimentos.
Possui excelente regularidade de espessura com variações
inferiores a +/ - 5%, consegue-se chapas com comprimento de
até 6 metros, ou maior. Seu custo é inferior ao das chapas
Fundidas devido à alta produtividade.
Chapas Extrusadas
Chapas Extrusadas
Os revestimentos nas superfícies das chapas estão disponíveis
tecnicamente, porém, a um preço especial para necessidades
anti-risco dos produtos finais. Existem inúmeros processos de
revestimento de superfícies, os quais depositam uma película
estável às superfícies, ampliando significativamente a resistência
ao risco, a facilidade de limpeza e resistência a produtos
químicos.
Propriedades
• Cristalino, transparente, atingindo 92% de transmissão de luz;
• Duro, rígido e resistente;
• Excelente resistência à radiação UV e às intempéries;
• Boa resistência química;
• Excelente moldabilidade na termoformagem;
• Infinitas possibilidades de cores (transparentes, translúcidas e opacas);
• Limitada resistência a solventes;
• Baixa resistência à fadiga;
• Inflamável, porém com baixa emissão de fumaça quando queimado;
• Baixa resistência a álcool;
• Baixa resistência a abrasão, porém quando riscado é plenamente
recuperado por polimento;
• Atóxico: segurança total quando em contato com alimentos;
• Boa resistência à quebra, sem tendência à fragmentação;
• Absorção de água: Retém cerca de 2% de umidade e com essa absorção
existe um aumento dimensional de no máximo 0,35%;
Características
UTILIZAÇÃO DO ACRÍLICO NO DESIGN
O acrílico é um material com muitas características positivas para uso na
decoração tais como transparência, suavidade, beleza, resistência, custo
acessível e versatilidade quanto ao uso. Na maioria das vezes é utilizado
em ambientes elegantes ou despojados, trazendo inovação a espaços
residenciais e comerciais. Está presente principalmente no mobiliário
como cadeiras, mesas, divisórias, painéis, cabeceiras ou em acessórios,
como luminárias e outros adereços.
Ficou popular no final dos anos 50 e começo dos anos 60, quando
cadeiras com assinaturas famosas, como a Champanhe, de Erwine &
Estelle Laverne (1957) e a Contour, de David Colwell (1968) e linhas
criadas por Philippe Starck fizeram sucesso no universo decorativo.
Os artigos acrílicos podem ser pintados pelos métodos comuns de pintura
a pincel ou por pulverização.
As chapas e as peças em acrílico podem ser decoradas de
diversas maneiras:
•Lapidadas
•Jateadas
•Pantogravadas
•Serigrafadas
•Adesivadas
•Espelhadas
Exemplos
MOBILIÁRIO
Cadeira acrílico língua – sem autoria
Foi em 1966 que Berthelot polimerizou o estireno e iniciou
outro material que teve grandes conseqüências na indústria da
construção, embora não como material para vidraças.
Exemplos
Philippe Starck
Cadeira de Acrílico Flowers DC-493
Exemplos
Philippe Starck – cadeiras Louis Ghost (2002)
Exemplos
Exemplos
Cadeira Envelope em acrílico
vermelho
Arne Jacobson
Cadeira Ant (1952)
Cadeiras Charles Eames (1907–1978)
, de1950
Com base em acrílico preto torneado Na virada do século, a tecnologia
dos plásticos começou a acelerar-se.
Exemplos
Em 1927, Bauer, trabalhando no laboratório de Rohm, desenvolveu
uma síntese para fazer pequenas quantidades de metil metacrilato,
o precursor de um dos plásticos transparentes mais largamente
usados, conhecido em geral como acrílico, com uma transparência
que ultrapassa até mesmo a de muitos vidros.
Mesa e cadeiras em acrílico estampado Castiçal em acrílico vermelho
Exemplos
Porém foi em 1929, que William Chalmers chegou a um
material duro e claro . Em 1934, com o nome de
polimetilaetacrilato utilizada na fabricação de vidros
sintéticos para aviões na Segunda Guerra.
Mesa em acrílico cristal Escada em acrílico cristal
Exemplos
Exemplos
TRABALHANDO COM ACRÍLICO
Exemplos
AMBIENTE COM CADEIRAS EM ACRÍLICO
Em 1843, Redtenbachen preparou, pela primeira vez, o ácido acrílico,
um dos principais ingredientes de um plástico, agora indispensável,
mas que iria ficar inexplorado durante sessenta anos.
Exemplos
COMO LIMPAR PEÇAS E CHAPAS EM ACRÍLICO
• Deve-se limpar com um espanador de pó e, caso necessário,
use um pano umedecido ou lave as peças com água e sabão
neutro para eliminação de sujeiras.
• Evitar o uso de substâncias abrasivas como sapólio ou solventes
como álcool ou tíner que danificam o produto.
• Em hipótese alguma se deve utilizar na limpeza esponjas
ásperas, muito menos de aço.
Conservação
Alta resistência a quebra
Pode ser utilizado em temperaturas superiores as que o vidro
suportaria
Maior resistência a choques térmicos
Menor densidade com relação ao vidro
Alta durabilidade
Vantagens
Inflamável
Menor rigidez comparado ao vidro
Sofrem rachaduras na superfície quando expostas a altas
voltagens
Desvantagens
POLICARBONATOS são um tipo particular de poliésteres, formados
por grupos funcionais unidos por grupos carbonato. São moldáveis
quando aquecidos, sendo por isso chamados termoplásticos. Como
tal, estes plásticos são muito usados atualmente na moderna
manufatura industrial e no design.
Em meados dos anos 50, Dan Fox, trabalhando na General Electric,
nos EUA, descobriu os policarbonados. Chega ao Brasil apenas em
1990, e passa a ser produzido por aqui só em 1995, pela Day Brasil
– ligada à General Electric (GE). É mais utilizado em coberturas e
fachadas, túneis, passarelas, entradas e etc.
Projetos industriais, comerciais, residenciais, shoppings-centers,
escolas, clubes, hotéis e onde mais se deseja o requinte e
aproveitamento da luz natural.
Conceito e
histórico
O policarbonato arquitetônico é
produzido numa variedade de formas
extrudadas, semiacabadas. A folha
extrudada é encontrada, em geral, em
espessuras de 1mm à 12mm,
transparentes, coloridas e opacas com
tamanhos de até 2 x 6m. Há diversas
texturas de superfície. Existem materiais
policarbonatos em camadas duplas ou
múltiplas, de até quatro ou cinco
paredes de espessura, moldados como
materiais lineares com células,
normalmente de 1,25 ou 2,1m.
Processos de
Produção
UTILIZAÇÃO DO ACRÍLICO NO DESIGN
COBERTURAS EM POLICARBONATO - MODELOS E APLICAÇÕES
Exemplos
COBERTURAS EM POCARBONATO
Cobertura em piscina, modelo em arco Cobertura retrátil
Exemplos
250mm de largura e 6.000mm de
comprimento; sob encomenda até 12
metros
A limpeza requer o uso de um pano macio
e água com sabão ou detergente ou álcool
Exemplos
As bordas do material podem ser enfiadas nos
caixilhos, usando técnicas de vidraria comuns, ou
ajustadas mecanicamente ou coladas. Deve-se
considerar o coeficiente de expansão térmica do
material ao reduzi-lo nos quadros, ou fixá-los
com parafusos
Passarela de condomínio em arco
Exemplos
Passarela em policarbonato reto
Curvo
Pode ser curvado a frio durante a
instalação, a um raio com pelo menos
100 vezes a espessura (uma espessura de
6mm pode ser curvada a frio a um raio
de 600mm) ou 175 vezes a espessura de
materiais com paredes múltiplas
Exemplos
O sistema de iluminação solar por domus está entre os mais eficientes do mundo. É a
solução ideal para áreas mal-iluminadas de fábricas, armazéns, galpões, cozinhas,
banheiros, quartos, shoppings e oficinas, entre outros.
Exemplos
Espessuras das chapas de Policarbonato Compacto: de 0,8 mm à 12 mm
Tamanhos das chapas de Policarbonato Compacto: 1000 x 2000 mm / 1220 x
2440 mm / 1220 x 3050 mm / 1220 x 5800 mm / 2050 x 3050 mm / 2050 x 5800
mm
Chapas de Policarbonato
coberturas, fechamentos, domus, toldos, passarelas, divisórias, entre
outros. Também são utilizadas em comunicação visual para painéis, visores,
proteção de equipamentos, etc.
Exemplos
Policarbonato em veneziana
Usa-se na COR CRISTAL – quando a Janela é montada voltada para a FACE SUL,
(não recebe Sol e possibilita entrada de maior luminosidade) e,
COR BRANCA LEITOSA – destinada a aplicação em janelas, lanternins na FACE
NORTE – fazendo com que entre luz sem entrar o reflexo e sombreamento do Sol.
Exemplos
Alta resistência a impactos
Coberturas em policarbonato são inquebráveis
Fácil manipulação e instalação
Baixo peso
Baixo custo de manutenção
Economia de energia
Não propaga a chama
Proteção anti-UV
Podem ser instaladas sobre estrutura de alumínio, aço ou
madeira
É mais eficiente no aspecto térmico
Vantagens
Alto custo
Se deteriora quando exposto a muitos solventes orgânicos
Desvantagens
Principais Diferenças
Acrílicos Policarbonatos
Baixo Custo Alto Custo
Baixa resistência ao impacto Alta resistência ao impacto
Menor resistência química Possibilidade de curvatura a frio
Inserir vídeo http://www.youtube.com/watch?v=N_ZCDpbRjGc
http://www.youtube.com/watch?feature=
player_detailpage&v=N_ZCDpbRjGc
Referências bibliográficas
http://www.indac.org.br
http://www.metalica.com.br/manual-de-orientacao-tecnica-acrilico
http://atdigital.com.br/designdecor/2012/01/acrilico-na-decoracao/
http://estilo.uol.com.br/ultnot/2009/03/13/ult3617u7282.jhtm
http://www.acrilicovirtual.com.br/arquivos/historia.htm
http://www.usp.br/fau/deptecnologia/docs/bancovidros/histplast.htm
http://www.polistarcoberturas.com.br/index.php?option=com_k2&view=item&id=99:
o-que-%C3%A9-policarbonato&Itemid=18
http://colunistas.ig.com.br/dicasdaarquiteta/2009/11/11/vidro-ou-policarbonato/
http://www.digicomweb.com.br/policarbonato.htm
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/plasticos/policarbonato-4.php
http://www.criativacoberturas.com.br/vantagens-do-policarbonato.html
http://www.ehow.com.br/desvantagens-policarbonato-lista_6219/
http://www.savion.com.br/Saiba%20mais%20sobre%20o%20acrilico%20-
%20Savion%20Acrilicos.htmhttp://centenarte.blogspot.com.br/2011/05/moveis-em-
policarbonato.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PolíMeros - Prof Thaiza
PolíMeros - Prof ThaizaPolíMeros - Prof Thaiza
PolíMeros - Prof Thaiza
ProfªThaiza Montine
 
Capitulo 04 cimento portland
Capitulo 04   cimento portlandCapitulo 04   cimento portland
Capitulo 04 cimento portland
Bruno Silva
 
Envelhecimento Acelerado (Degradação de Polímeros) Fatec Zona Leste
Envelhecimento Acelerado (Degradação de Polímeros) Fatec Zona Leste Envelhecimento Acelerado (Degradação de Polímeros) Fatec Zona Leste
Envelhecimento Acelerado (Degradação de Polímeros) Fatec Zona Leste
Douglas N. Souza
 
Aspectos gerais de Compósitos Reforçados com Fibras
Aspectos gerais de Compósitos Reforçados com FibrasAspectos gerais de Compósitos Reforçados com Fibras
Aspectos gerais de Compósitos Reforçados com Fibras
Géssica Nicolau
 
Polimeros slide pdf
Polimeros slide pdfPolimeros slide pdf
Polimeros slide pdf
Luiz Fernando Lopes
 
Poliestireno
PoliestirenoPoliestireno
Poliestireno
Wallace Filipe
 
Propriedades e microestrutura das fnls
Propriedades e microestrutura das fnlsPropriedades e microestrutura das fnls
Propriedades e microestrutura das fnls
Géssica Nicolau
 
Ipaee capitulo 3_slides_2
Ipaee capitulo 3_slides_2Ipaee capitulo 3_slides_2
Ipaee capitulo 3_slides_2
Dharma Initiative
 
Aula - Reações de polimerização
Aula - Reações de polimerizaçãoAula - Reações de polimerização
Aula - Reações de polimerização
Profª Alda Ernestina
 
Aditivação para polímeros: introdução
Aditivação para polímeros: introduçãoAditivação para polímeros: introdução
Aditivação para polímeros: introdução
Hamilton Magalhães Viana
 
Leitura e Interpretação de Projeto Arquitetônico
Leitura e Interpretação de Projeto ArquitetônicoLeitura e Interpretação de Projeto Arquitetônico
Leitura e Interpretação de Projeto Arquitetônico
Profbaiano
 
Composição de propriedades adesivas
Composição de propriedades adesivasComposição de propriedades adesivas
Composição de propriedades adesivas
www.google.com.br
 
Poliestireno
PoliestirenoPoliestireno
Poliestireno
lucas ivan
 
Polímeros - Classificações e Proriedades
Polímeros - Classificações e ProriedadesPolímeros - Classificações e Proriedades
Polímeros - Classificações e Proriedades
Carlos Alberto Alves
 
Materiais utilizados na Construção de Edificações
Materiais utilizados na Construção de EdificaçõesMateriais utilizados na Construção de Edificações
Materiais utilizados na Construção de Edificações
Marcelo Magalhaes Barbosa
 
6 propriedades mecanicas (1)
6  propriedades mecanicas (1)6  propriedades mecanicas (1)
6 propriedades mecanicas (1)
Carla Faria
 
3 técnicas de polimerização julho 2014 (1)
3 técnicas de polimerização   julho 2014 (1)3 técnicas de polimerização   julho 2014 (1)
3 técnicas de polimerização julho 2014 (1)
Stephanie Rodrigues
 
Polimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais PropriedadesPolimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais Propriedades
Carlos Eduardo Polatschek Kopperschmidt
 
Forjamento
ForjamentoForjamento
Forjamento
Carol Flores
 
polietileno apresentação
polietileno apresentaçãopolietileno apresentação
polietileno apresentação
wagner teixeira
 

Mais procurados (20)

PolíMeros - Prof Thaiza
PolíMeros - Prof ThaizaPolíMeros - Prof Thaiza
PolíMeros - Prof Thaiza
 
Capitulo 04 cimento portland
Capitulo 04   cimento portlandCapitulo 04   cimento portland
Capitulo 04 cimento portland
 
Envelhecimento Acelerado (Degradação de Polímeros) Fatec Zona Leste
Envelhecimento Acelerado (Degradação de Polímeros) Fatec Zona Leste Envelhecimento Acelerado (Degradação de Polímeros) Fatec Zona Leste
Envelhecimento Acelerado (Degradação de Polímeros) Fatec Zona Leste
 
Aspectos gerais de Compósitos Reforçados com Fibras
Aspectos gerais de Compósitos Reforçados com FibrasAspectos gerais de Compósitos Reforçados com Fibras
Aspectos gerais de Compósitos Reforçados com Fibras
 
Polimeros slide pdf
Polimeros slide pdfPolimeros slide pdf
Polimeros slide pdf
 
Poliestireno
PoliestirenoPoliestireno
Poliestireno
 
Propriedades e microestrutura das fnls
Propriedades e microestrutura das fnlsPropriedades e microestrutura das fnls
Propriedades e microestrutura das fnls
 
Ipaee capitulo 3_slides_2
Ipaee capitulo 3_slides_2Ipaee capitulo 3_slides_2
Ipaee capitulo 3_slides_2
 
Aula - Reações de polimerização
Aula - Reações de polimerizaçãoAula - Reações de polimerização
Aula - Reações de polimerização
 
Aditivação para polímeros: introdução
Aditivação para polímeros: introduçãoAditivação para polímeros: introdução
Aditivação para polímeros: introdução
 
Leitura e Interpretação de Projeto Arquitetônico
Leitura e Interpretação de Projeto ArquitetônicoLeitura e Interpretação de Projeto Arquitetônico
Leitura e Interpretação de Projeto Arquitetônico
 
Composição de propriedades adesivas
Composição de propriedades adesivasComposição de propriedades adesivas
Composição de propriedades adesivas
 
Poliestireno
PoliestirenoPoliestireno
Poliestireno
 
Polímeros - Classificações e Proriedades
Polímeros - Classificações e ProriedadesPolímeros - Classificações e Proriedades
Polímeros - Classificações e Proriedades
 
Materiais utilizados na Construção de Edificações
Materiais utilizados na Construção de EdificaçõesMateriais utilizados na Construção de Edificações
Materiais utilizados na Construção de Edificações
 
6 propriedades mecanicas (1)
6  propriedades mecanicas (1)6  propriedades mecanicas (1)
6 propriedades mecanicas (1)
 
3 técnicas de polimerização julho 2014 (1)
3 técnicas de polimerização   julho 2014 (1)3 técnicas de polimerização   julho 2014 (1)
3 técnicas de polimerização julho 2014 (1)
 
Polimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais PropriedadesPolimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais Propriedades
 
Forjamento
ForjamentoForjamento
Forjamento
 
polietileno apresentação
polietileno apresentaçãopolietileno apresentação
polietileno apresentação
 

Destaque

O mundo do acrílico
O mundo do acrílicoO mundo do acrílico
O mundo do acrílico
rafaeldariva
 
Processo de fabricação de acrílico
Processo de fabricação de acrílicoProcesso de fabricação de acrílico
Processo de fabricação de acrílico
Victor Said
 
Acrílico
AcrílicoAcrílico
Produtos acrilico
Produtos acrilicoProdutos acrilico
Produtos acrilico
maupraca
 
Clasificasion de lenguajes
Clasificasion de lenguajesClasificasion de lenguajes
Clasificasion de lenguajes
Alex Javier
 
Policarbonato
Policarbonato Policarbonato
Policarbonato
normis2687
 
Policarbonato
PolicarbonatoPolicarbonato
Poliuretano guilherme
Poliuretano guilhermePoliuretano guilherme
Poliuretano guilherme
Ambiente Construído II
 
Ova polimeros
Ova  polimerosOva  polimeros
Ova polimeros
Jaqueline Lopes
 
Slide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert GrahamSlide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert Graham
Albert Graham
 
Poliuretano
PoliuretanoPoliuretano
Poliuretano
Abiitaa-chan
 
Poliuretano
PoliuretanoPoliuretano
POLIESTER
POLIESTERPOLIESTER
POLIESTER
GrupoIso1
 
Polímeros Sintéticos
Polímeros SintéticosPolímeros Sintéticos
Slide, sandra de oliveira 3°ano "B"
Slide, sandra de oliveira 3°ano "B"Slide, sandra de oliveira 3°ano "B"
Slide, sandra de oliveira 3°ano "B"
Sandra Oliveira
 
Silicone
SiliconeSilicone
Silicone
Giulia Soares
 
Fibras poliester[1]
Fibras poliester[1]Fibras poliester[1]
Fibras poliester[1]
sollavanderias
 
Polimeros en alimentos
Polimeros en alimentosPolimeros en alimentos
Polimeros en alimentos
Andres Carvajal
 
Policarbonatos
PolicarbonatosPolicarbonatos
Policarbonatos
Ariana Faria
 
Polimeros
PolimerosPolimeros

Destaque (20)

O mundo do acrílico
O mundo do acrílicoO mundo do acrílico
O mundo do acrílico
 
Processo de fabricação de acrílico
Processo de fabricação de acrílicoProcesso de fabricação de acrílico
Processo de fabricação de acrílico
 
Acrílico
AcrílicoAcrílico
Acrílico
 
Produtos acrilico
Produtos acrilicoProdutos acrilico
Produtos acrilico
 
Clasificasion de lenguajes
Clasificasion de lenguajesClasificasion de lenguajes
Clasificasion de lenguajes
 
Policarbonato
Policarbonato Policarbonato
Policarbonato
 
Policarbonato
PolicarbonatoPolicarbonato
Policarbonato
 
Poliuretano guilherme
Poliuretano guilhermePoliuretano guilherme
Poliuretano guilherme
 
Ova polimeros
Ova  polimerosOva  polimeros
Ova polimeros
 
Slide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert GrahamSlide - Equipe Albert Graham
Slide - Equipe Albert Graham
 
Poliuretano
PoliuretanoPoliuretano
Poliuretano
 
Poliuretano
PoliuretanoPoliuretano
Poliuretano
 
POLIESTER
POLIESTERPOLIESTER
POLIESTER
 
Polímeros Sintéticos
Polímeros SintéticosPolímeros Sintéticos
Polímeros Sintéticos
 
Slide, sandra de oliveira 3°ano "B"
Slide, sandra de oliveira 3°ano "B"Slide, sandra de oliveira 3°ano "B"
Slide, sandra de oliveira 3°ano "B"
 
Silicone
SiliconeSilicone
Silicone
 
Fibras poliester[1]
Fibras poliester[1]Fibras poliester[1]
Fibras poliester[1]
 
Polimeros en alimentos
Polimeros en alimentosPolimeros en alimentos
Polimeros en alimentos
 
Policarbonatos
PolicarbonatosPolicarbonatos
Policarbonatos
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
 

Semelhante a Seminário acrílicos e policarbonatos

Slide MACO II wanda e seldon bbbbbbbbbbbbnn
Slide MACO II wanda e seldon bbbbbbbbbbbbnnSlide MACO II wanda e seldon bbbbbbbbbbbbnn
Slide MACO II wanda e seldon bbbbbbbbbbbbnn
AraujodeNJorgin
 
Vidros
VidrosVidros
TRABALHO UFMG (engenharia) - VIDROS
TRABALHO UFMG (engenharia) - VIDROS TRABALHO UFMG (engenharia) - VIDROS
TRABALHO UFMG (engenharia) - VIDROS
FabricioGomesCarneir1
 
ApresentaçãO1 Eco
ApresentaçãO1 EcoApresentaçãO1 Eco
ApresentaçãO1 Eco
rafaelmatos
 
Apresentação ciências dos materiais
Apresentação ciências dos materiaisApresentação ciências dos materiais
Apresentação ciências dos materiais
Rosana Pires
 
Thiago e Eliézer - Vidro.pdf
Thiago e Eliézer - Vidro.pdfThiago e Eliézer - Vidro.pdf
Thiago e Eliézer - Vidro.pdf
diogenesfm
 
Mariana Morato, Larissa Ferreira e Wanessa Candine - Vidro.pdf
Mariana Morato, Larissa Ferreira e Wanessa Candine - Vidro.pdfMariana Morato, Larissa Ferreira e Wanessa Candine - Vidro.pdf
Mariana Morato, Larissa Ferreira e Wanessa Candine - Vidro.pdf
diogenesfm
 
Vantagens da cobertura de policarbonato smc serralharia recife
Vantagens da cobertura de policarbonato   smc serralharia recifeVantagens da cobertura de policarbonato   smc serralharia recife
Vantagens da cobertura de policarbonato smc serralharia recife
SMC Serralharia
 
_CATALOGO ACM - DAY BRASIL.pdf
_CATALOGO ACM - DAY BRASIL.pdf_CATALOGO ACM - DAY BRASIL.pdf
_CATALOGO ACM - DAY BRASIL.pdf
brpimenta
 
Thiago e Eliézer - Vidro 2.pdf
Thiago e Eliézer - Vidro 2.pdfThiago e Eliézer - Vidro 2.pdf
Thiago e Eliézer - Vidro 2.pdf
diogenesfm
 
Vidro vs. plastico
Vidro vs. plasticoVidro vs. plastico
Vidro vs. plastico
Dani Malheiro
 
Drywall debora
Drywall deboraDrywall debora
Drywall debora
Ambiente Construído II
 
Drywall debora
Drywall deboraDrywall debora
Drywall debora
Ambiente Construído II
 
Treinamento sobre laminção e revestimento com fibra de.pptx
Treinamento sobre laminção e revestimento com fibra de.pptxTreinamento sobre laminção e revestimento com fibra de.pptx
Treinamento sobre laminção e revestimento com fibra de.pptx
OtavioLacerda4
 
Fibra de vidro cris1
Fibra de vidro cris1Fibra de vidro cris1
Fibra de vidro cris1
criscarioca
 
Pode levar você à produção e conserto
Pode levar você à produção e consertoPode levar você à produção e conserto
Pode levar você à produção e conserto
rouseman
 
Telha transparente
Telha transparenteTelha transparente
Telha transparente
coberhouse
 
MATERIAIS VITAIS E SEUS MÉTODOS DE EXTRAÇÃO EM QUÍMICA E ENERGIA. MATÉRIAS- ...
MATERIAIS VITAIS E SEUS MÉTODOS DE EXTRAÇÃO EM QUÍMICA E ENERGIA.  MATÉRIAS- ...MATERIAIS VITAIS E SEUS MÉTODOS DE EXTRAÇÃO EM QUÍMICA E ENERGIA.  MATÉRIAS- ...
MATERIAIS VITAIS E SEUS MÉTODOS DE EXTRAÇÃO EM QUÍMICA E ENERGIA. MATÉRIAS- ...
alexandrerodriguespk
 
Isaac Newton 3° G Norturno
Isaac Newton 3° G NorturnoIsaac Newton 3° G Norturno
Isaac Newton 3° G Norturno
Newton Isaac
 
Apresentação alcoa ivgold contact
Apresentação alcoa ivgold contactApresentação alcoa ivgold contact
Apresentação alcoa ivgold contact
NBA Esquadrias
 

Semelhante a Seminário acrílicos e policarbonatos (20)

Slide MACO II wanda e seldon bbbbbbbbbbbbnn
Slide MACO II wanda e seldon bbbbbbbbbbbbnnSlide MACO II wanda e seldon bbbbbbbbbbbbnn
Slide MACO II wanda e seldon bbbbbbbbbbbbnn
 
Vidros
VidrosVidros
Vidros
 
TRABALHO UFMG (engenharia) - VIDROS
TRABALHO UFMG (engenharia) - VIDROS TRABALHO UFMG (engenharia) - VIDROS
TRABALHO UFMG (engenharia) - VIDROS
 
ApresentaçãO1 Eco
ApresentaçãO1 EcoApresentaçãO1 Eco
ApresentaçãO1 Eco
 
Apresentação ciências dos materiais
Apresentação ciências dos materiaisApresentação ciências dos materiais
Apresentação ciências dos materiais
 
Thiago e Eliézer - Vidro.pdf
Thiago e Eliézer - Vidro.pdfThiago e Eliézer - Vidro.pdf
Thiago e Eliézer - Vidro.pdf
 
Mariana Morato, Larissa Ferreira e Wanessa Candine - Vidro.pdf
Mariana Morato, Larissa Ferreira e Wanessa Candine - Vidro.pdfMariana Morato, Larissa Ferreira e Wanessa Candine - Vidro.pdf
Mariana Morato, Larissa Ferreira e Wanessa Candine - Vidro.pdf
 
Vantagens da cobertura de policarbonato smc serralharia recife
Vantagens da cobertura de policarbonato   smc serralharia recifeVantagens da cobertura de policarbonato   smc serralharia recife
Vantagens da cobertura de policarbonato smc serralharia recife
 
_CATALOGO ACM - DAY BRASIL.pdf
_CATALOGO ACM - DAY BRASIL.pdf_CATALOGO ACM - DAY BRASIL.pdf
_CATALOGO ACM - DAY BRASIL.pdf
 
Thiago e Eliézer - Vidro 2.pdf
Thiago e Eliézer - Vidro 2.pdfThiago e Eliézer - Vidro 2.pdf
Thiago e Eliézer - Vidro 2.pdf
 
Vidro vs. plastico
Vidro vs. plasticoVidro vs. plastico
Vidro vs. plastico
 
Drywall debora
Drywall deboraDrywall debora
Drywall debora
 
Drywall debora
Drywall deboraDrywall debora
Drywall debora
 
Treinamento sobre laminção e revestimento com fibra de.pptx
Treinamento sobre laminção e revestimento com fibra de.pptxTreinamento sobre laminção e revestimento com fibra de.pptx
Treinamento sobre laminção e revestimento com fibra de.pptx
 
Fibra de vidro cris1
Fibra de vidro cris1Fibra de vidro cris1
Fibra de vidro cris1
 
Pode levar você à produção e conserto
Pode levar você à produção e consertoPode levar você à produção e conserto
Pode levar você à produção e conserto
 
Telha transparente
Telha transparenteTelha transparente
Telha transparente
 
MATERIAIS VITAIS E SEUS MÉTODOS DE EXTRAÇÃO EM QUÍMICA E ENERGIA. MATÉRIAS- ...
MATERIAIS VITAIS E SEUS MÉTODOS DE EXTRAÇÃO EM QUÍMICA E ENERGIA.  MATÉRIAS- ...MATERIAIS VITAIS E SEUS MÉTODOS DE EXTRAÇÃO EM QUÍMICA E ENERGIA.  MATÉRIAS- ...
MATERIAIS VITAIS E SEUS MÉTODOS DE EXTRAÇÃO EM QUÍMICA E ENERGIA. MATÉRIAS- ...
 
Isaac Newton 3° G Norturno
Isaac Newton 3° G NorturnoIsaac Newton 3° G Norturno
Isaac Newton 3° G Norturno
 
Apresentação alcoa ivgold contact
Apresentação alcoa ivgold contactApresentação alcoa ivgold contact
Apresentação alcoa ivgold contact
 

Seminário acrílicos e policarbonatos

  • 1. ACRÍLICOS E POLICARBONATOS Componentes: Luciana Cristina Maria Luisa Marques Simone Bertelli Maeji Solange Ribeiro EAMR - PROFª BEATRIZ – 1ºR ABRIL 2013
  • 2. ACRÍLICOS 1. Introdução ao acrílico – conceito e histórico 2. Processos de produção 2.1 - Chapas fundidas 2.2 - Chapas extrusadas 2.3 - Demais propriedades e características 3. Utilização do acrílico no design 3.1 - Exemplos 4. Conservação 5. Vantagens 6. Desvantagens Índice
  • 3. Índice POLICARBONATOS 7. Introdução ao policarbonato – conceito e histórico 8. Processos de produção 9. Utilização do policarbonato no design 9.1 - Exemplos 10. Vantagens 11. Desvantagens 12. Acrílico x Policarbonato – principais diferenças 13. Referencias bibliográficas
  • 4. Conceito e histórico ACRÍLICO é um termoplástico transparente, que apresenta alta rigidez. É um material de qualidade e considerado moderno, devido à sua facilidade de adquirir formas, além de ser leve e resistente. São dois os principais tipos de materiais obtidos através do acrílico: chapas fundidas e chapas extrusadas. Foi descoberto em 1843, sua expansão ocorreu somente em 1901 com os estudos realizados na Alemanha. Começou a ser produzida industrialmente a partir de 1927.
  • 5. As chapas “Cast” ou fundidas são produzidas com variedade de tamanhos e espessuras, sendo as maiores disponíveis em 3x2 metros, e espessuras variando entre 1 a 24 mm. Possuem excelentes acabamentos das superfícies e são fornecidas com propriedades de absorção de raios ultravioleta, espelhadas e características de alta termoformabilidade. São fortes, estáveis, resistentes às condições do tempo; disponíveis nas opções transparentes, translúcidas e em cores opacas. Chapas Fundidas
  • 6. As chapas extrusadas são produzidas pela compressão dos grânulos acrílicos através de uma rosca de extrusão convencional. O acrílico é fundido e empurrado através de uma matriz em um processo contínuo, possibilitando uma variedade de larguras e comprimentos. Possui excelente regularidade de espessura com variações inferiores a +/ - 5%, consegue-se chapas com comprimento de até 6 metros, ou maior. Seu custo é inferior ao das chapas Fundidas devido à alta produtividade. Chapas Extrusadas
  • 8. Os revestimentos nas superfícies das chapas estão disponíveis tecnicamente, porém, a um preço especial para necessidades anti-risco dos produtos finais. Existem inúmeros processos de revestimento de superfícies, os quais depositam uma película estável às superfícies, ampliando significativamente a resistência ao risco, a facilidade de limpeza e resistência a produtos químicos. Propriedades
  • 9. • Cristalino, transparente, atingindo 92% de transmissão de luz; • Duro, rígido e resistente; • Excelente resistência à radiação UV e às intempéries; • Boa resistência química; • Excelente moldabilidade na termoformagem; • Infinitas possibilidades de cores (transparentes, translúcidas e opacas); • Limitada resistência a solventes; • Baixa resistência à fadiga; • Inflamável, porém com baixa emissão de fumaça quando queimado; • Baixa resistência a álcool; • Baixa resistência a abrasão, porém quando riscado é plenamente recuperado por polimento; • Atóxico: segurança total quando em contato com alimentos; • Boa resistência à quebra, sem tendência à fragmentação; • Absorção de água: Retém cerca de 2% de umidade e com essa absorção existe um aumento dimensional de no máximo 0,35%; Características
  • 10. UTILIZAÇÃO DO ACRÍLICO NO DESIGN O acrílico é um material com muitas características positivas para uso na decoração tais como transparência, suavidade, beleza, resistência, custo acessível e versatilidade quanto ao uso. Na maioria das vezes é utilizado em ambientes elegantes ou despojados, trazendo inovação a espaços residenciais e comerciais. Está presente principalmente no mobiliário como cadeiras, mesas, divisórias, painéis, cabeceiras ou em acessórios, como luminárias e outros adereços. Ficou popular no final dos anos 50 e começo dos anos 60, quando cadeiras com assinaturas famosas, como a Champanhe, de Erwine & Estelle Laverne (1957) e a Contour, de David Colwell (1968) e linhas criadas por Philippe Starck fizeram sucesso no universo decorativo. Os artigos acrílicos podem ser pintados pelos métodos comuns de pintura a pincel ou por pulverização.
  • 11. As chapas e as peças em acrílico podem ser decoradas de diversas maneiras: •Lapidadas •Jateadas •Pantogravadas •Serigrafadas •Adesivadas •Espelhadas Exemplos
  • 12. MOBILIÁRIO Cadeira acrílico língua – sem autoria Foi em 1966 que Berthelot polimerizou o estireno e iniciou outro material que teve grandes conseqüências na indústria da construção, embora não como material para vidraças. Exemplos
  • 13. Philippe Starck Cadeira de Acrílico Flowers DC-493 Exemplos
  • 14. Philippe Starck – cadeiras Louis Ghost (2002) Exemplos
  • 15. Exemplos Cadeira Envelope em acrílico vermelho Arne Jacobson Cadeira Ant (1952) Cadeiras Charles Eames (1907–1978) , de1950
  • 16. Com base em acrílico preto torneado Na virada do século, a tecnologia dos plásticos começou a acelerar-se. Exemplos
  • 17. Em 1927, Bauer, trabalhando no laboratório de Rohm, desenvolveu uma síntese para fazer pequenas quantidades de metil metacrilato, o precursor de um dos plásticos transparentes mais largamente usados, conhecido em geral como acrílico, com uma transparência que ultrapassa até mesmo a de muitos vidros. Mesa e cadeiras em acrílico estampado Castiçal em acrílico vermelho Exemplos
  • 18. Porém foi em 1929, que William Chalmers chegou a um material duro e claro . Em 1934, com o nome de polimetilaetacrilato utilizada na fabricação de vidros sintéticos para aviões na Segunda Guerra. Mesa em acrílico cristal Escada em acrílico cristal Exemplos
  • 21. AMBIENTE COM CADEIRAS EM ACRÍLICO Em 1843, Redtenbachen preparou, pela primeira vez, o ácido acrílico, um dos principais ingredientes de um plástico, agora indispensável, mas que iria ficar inexplorado durante sessenta anos. Exemplos
  • 22. COMO LIMPAR PEÇAS E CHAPAS EM ACRÍLICO • Deve-se limpar com um espanador de pó e, caso necessário, use um pano umedecido ou lave as peças com água e sabão neutro para eliminação de sujeiras. • Evitar o uso de substâncias abrasivas como sapólio ou solventes como álcool ou tíner que danificam o produto. • Em hipótese alguma se deve utilizar na limpeza esponjas ásperas, muito menos de aço. Conservação
  • 23. Alta resistência a quebra Pode ser utilizado em temperaturas superiores as que o vidro suportaria Maior resistência a choques térmicos Menor densidade com relação ao vidro Alta durabilidade Vantagens
  • 24. Inflamável Menor rigidez comparado ao vidro Sofrem rachaduras na superfície quando expostas a altas voltagens Desvantagens
  • 25. POLICARBONATOS são um tipo particular de poliésteres, formados por grupos funcionais unidos por grupos carbonato. São moldáveis quando aquecidos, sendo por isso chamados termoplásticos. Como tal, estes plásticos são muito usados atualmente na moderna manufatura industrial e no design. Em meados dos anos 50, Dan Fox, trabalhando na General Electric, nos EUA, descobriu os policarbonados. Chega ao Brasil apenas em 1990, e passa a ser produzido por aqui só em 1995, pela Day Brasil – ligada à General Electric (GE). É mais utilizado em coberturas e fachadas, túneis, passarelas, entradas e etc. Projetos industriais, comerciais, residenciais, shoppings-centers, escolas, clubes, hotéis e onde mais se deseja o requinte e aproveitamento da luz natural. Conceito e histórico
  • 26. O policarbonato arquitetônico é produzido numa variedade de formas extrudadas, semiacabadas. A folha extrudada é encontrada, em geral, em espessuras de 1mm à 12mm, transparentes, coloridas e opacas com tamanhos de até 2 x 6m. Há diversas texturas de superfície. Existem materiais policarbonatos em camadas duplas ou múltiplas, de até quatro ou cinco paredes de espessura, moldados como materiais lineares com células, normalmente de 1,25 ou 2,1m. Processos de Produção
  • 28. COBERTURAS EM POLICARBONATO - MODELOS E APLICAÇÕES Exemplos
  • 29. COBERTURAS EM POCARBONATO Cobertura em piscina, modelo em arco Cobertura retrátil Exemplos
  • 30. 250mm de largura e 6.000mm de comprimento; sob encomenda até 12 metros A limpeza requer o uso de um pano macio e água com sabão ou detergente ou álcool Exemplos
  • 31. As bordas do material podem ser enfiadas nos caixilhos, usando técnicas de vidraria comuns, ou ajustadas mecanicamente ou coladas. Deve-se considerar o coeficiente de expansão térmica do material ao reduzi-lo nos quadros, ou fixá-los com parafusos Passarela de condomínio em arco Exemplos
  • 32. Passarela em policarbonato reto Curvo Pode ser curvado a frio durante a instalação, a um raio com pelo menos 100 vezes a espessura (uma espessura de 6mm pode ser curvada a frio a um raio de 600mm) ou 175 vezes a espessura de materiais com paredes múltiplas Exemplos
  • 33. O sistema de iluminação solar por domus está entre os mais eficientes do mundo. É a solução ideal para áreas mal-iluminadas de fábricas, armazéns, galpões, cozinhas, banheiros, quartos, shoppings e oficinas, entre outros. Exemplos
  • 34. Espessuras das chapas de Policarbonato Compacto: de 0,8 mm à 12 mm Tamanhos das chapas de Policarbonato Compacto: 1000 x 2000 mm / 1220 x 2440 mm / 1220 x 3050 mm / 1220 x 5800 mm / 2050 x 3050 mm / 2050 x 5800 mm Chapas de Policarbonato coberturas, fechamentos, domus, toldos, passarelas, divisórias, entre outros. Também são utilizadas em comunicação visual para painéis, visores, proteção de equipamentos, etc. Exemplos
  • 35. Policarbonato em veneziana Usa-se na COR CRISTAL – quando a Janela é montada voltada para a FACE SUL, (não recebe Sol e possibilita entrada de maior luminosidade) e, COR BRANCA LEITOSA – destinada a aplicação em janelas, lanternins na FACE NORTE – fazendo com que entre luz sem entrar o reflexo e sombreamento do Sol. Exemplos
  • 36. Alta resistência a impactos Coberturas em policarbonato são inquebráveis Fácil manipulação e instalação Baixo peso Baixo custo de manutenção Economia de energia Não propaga a chama Proteção anti-UV Podem ser instaladas sobre estrutura de alumínio, aço ou madeira É mais eficiente no aspecto térmico Vantagens
  • 37. Alto custo Se deteriora quando exposto a muitos solventes orgânicos Desvantagens
  • 38. Principais Diferenças Acrílicos Policarbonatos Baixo Custo Alto Custo Baixa resistência ao impacto Alta resistência ao impacto Menor resistência química Possibilidade de curvatura a frio
  • 39. Inserir vídeo http://www.youtube.com/watch?v=N_ZCDpbRjGc http://www.youtube.com/watch?feature= player_detailpage&v=N_ZCDpbRjGc Referências bibliográficas http://www.indac.org.br http://www.metalica.com.br/manual-de-orientacao-tecnica-acrilico http://atdigital.com.br/designdecor/2012/01/acrilico-na-decoracao/ http://estilo.uol.com.br/ultnot/2009/03/13/ult3617u7282.jhtm http://www.acrilicovirtual.com.br/arquivos/historia.htm http://www.usp.br/fau/deptecnologia/docs/bancovidros/histplast.htm http://www.polistarcoberturas.com.br/index.php?option=com_k2&view=item&id=99: o-que-%C3%A9-policarbonato&Itemid=18 http://colunistas.ig.com.br/dicasdaarquiteta/2009/11/11/vidro-ou-policarbonato/ http://www.digicomweb.com.br/policarbonato.htm http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/plasticos/policarbonato-4.php http://www.criativacoberturas.com.br/vantagens-do-policarbonato.html http://www.ehow.com.br/desvantagens-policarbonato-lista_6219/ http://www.savion.com.br/Saiba%20mais%20sobre%20o%20acrilico%20- %20Savion%20Acrilicos.htmhttp://centenarte.blogspot.com.br/2011/05/moveis-em- policarbonato.html