SlideShare uma empresa Scribd logo
Continuação ... Fibras
DIFERENCIADAS
4
FIBRAS TÊXTEIS
Prof. Wallace Nóbrega Lopo
Fibra Mais Forte do Mundo Mistura
Natureza e Alta Tecnologia
 Grafeno é confirmado como o material mais forte que existe
 Nanotubos de carbono são duas vezes mais fortes do que se pensava
Fibra de polímero e carbono
Seon Jeong Kim, mesclou os nanotubos, que são cilíndricos, com folhas de óxido de
grafeno, que são planas. O pesquisador misturou as duas nanoestruturas de carbono
em uma solução aquosa de álcool polivinílico (PVA) da qual foram gerados os fios,
tratados com metanol para aumentar a cristalinidade do material. Enquanto o elogiado
fio de segurança das aranhas tem uma tenacidade de 165 J/g, as novas fibras
compósitas alcançaram até 970 J/g, superior ao bem conhecido Kevlar®, usado em
coletes à prova de balas, que alcança 786 J/g.
Esquema da evolução do processo de
formação da fibra, que mistura estruturas
tubulares e planares.
[Imagem: Shin et al./Nature]
FIBRAS TÊXTEIS
Prof. Wallace Nóbrega Lopo
Exercícios de Fixação
1- Monte um fluxograma básico da Ind.Têxtil e descreva função de cada
etapa
EXERCÍCIOS – FIBRAS TÊXTEIS
1) O que é Regain de uma fibra têxtil ?
2) Qual a diferença entre alongamento e tenacidade ?
3) A recuperação elástica de uma fibra têxtil é importante no artigo final ?
Justifique sua resposta exemplificando.
4) Em que tipo de artigos se utilizaria fibras de poliamida ?
5) O que é recuperação elástica de uma fibra têxtil ? Exemplo ?
6) Cite pelo menos 5 propriedades das fibras têxteis que estão relacionadas
com o uso final dos artigos têxteis.
7) Quais são os processos de análise utilizados na identificação de fibras
têxteis ?
8) Qual a importância da mistura de fibras têxteis ? E quais são os níveis de
mistura das fibras têxteis ?
9) “A mistura de dois ou mais substratos têxteis está sempre associada a um
aumento no custo final do produto”. Esta afirmativa é correta? Justifique sua
resposta.
10) De maneira geral, qual o comportamento das fibras no ensaio de
combustão utilizado para identificação das mesmas ?
FIBRAS TÊXTEIS
Prof. Wallace Nóbrega Lopo
Exercícios de Fixação
EXERCÍCIOS – CLASSIFICAÇÃO DAS FIBRAS TÊXTEIS
1) Como se classificam as fibras têxteis (geral) ?
2) Qual a diferença básica entre as fibras naturais, artificiais e sintéticas ?
3) Quais são as vantagens e desvantagens das fibras sintéticas em relação às fibras
naturais ?
Etapas básicas do trabalho/seminário
a) Tipo de fibra - classificação fibra - características
físico-químicas desta fibra - obtenção - nomes
comerciais - produção nacional/mundial – aplicações
b) Tipo de fio - processo de obtenção do fio - tipo de
fiação;
c) Tipo de tecido - processo de obtenção do tecido -
etapas que antecedem o tecimento propriamente dito;
d) Tipo(s) de beneficiamento(s) com justificativa -
principais etapas e produtos dos beneficiamentos.
Fibras, Fiação, Tecelagem e Beneficiamento Primário
Etapas básicas do trabalho/seminário
a) tipo de corante/justificativa tipo corante - principais
fabricantes corante e nomenclatura - principais
características do corante quanto a sua aplicação e
resistência a tratamentos industriais e domésticos -
principais etapas do processo de tingimento (curvas de
processo e produtos);
b) tipo de estampa - equipamento adequado para estampa
- principais etapas do processo de estampagem;
c) tipo de acabamento/justificativa - símbolos
apropriados para etiqueta do produto.
Tingimento, estamparia, acabamento e simbologia
Texto Fiação
34 Kg de Algodão em pluma (fardo)
sendo, em média:
30 Kg de fio cardado ou
25 Kg de fio penteado ou
31 Kg de fio Open-End
Sendo que pode-se fazer:
52 calças jeans ou
191 camisetas ou
85 saias ou
123 toalhas de banho ou
57 vestidos ou
140 blusas femininas ou
120 camisas masculinas
56 Kg de caroço
Sendo que deste originam-se:
03 Kg de línter
11 Kg de óleo
42 Kg de torta
10 Kg De Impurezas
Fiação
100 kg da fibra (CO) em caroço originam:
Línter: Fibras curtas, com menos de 12mm, em geral de 3 a 9 mm, que existem na superfície da semente, formada de celulose
quase pura e que é a base ou matéria-prima para diversos produtos, como o algodão hidrófilo, pólvora e tecidos rústicos.
Texto Classificação de fios
Definição
“Qualquer substância, natural ou
manufaturada, que possua uma alta
relação entre o comprimento e a
largura e com características
adequadas que permitam seu
processamento até a formação de
tecidos ou artigos têxteis; é o
menor componente, de natureza
pilosa, que pode ser separado ou
extraído de um tecido ou têxtil”.
Relembrando = FIBRAS TÊXTEIS
Sistemas de
fiação
 Sistema para fibras contínuas
 Utilizado para fibras químicas (sintéticas e
artificiais), em que o fio é obtido através de
fieiras no momento da produção da fibra.
 Soluções dos polímeros (viscose, acetato, acrílico) ou
polímeros fundidos (poliamida, poliéster) são
alimentados para as fieiras através das bombas de
fiação.
Fieiras
Vídeo
PES
Contínuas (Filamentos)
Descontínuas (Fibras
cortadas)
Sistemas de fiação
 Sistema para fibras: cortadas ou
filamentos
INTRODUÇÃO A FIAÇÃO
Formação das fibras manufaturadas
Soluções dos polímeros
(viscose, acetato, acrílico) ou
polímeros fundidos (poliamida,
poliéster) são alimentados para
as fieiras através das bombas de
fiação.
Os filamentos são formados por
 fiação a úmido
 fiação a seco
 fiação por extrusão
FORMAÇÃO DAS FIBRAS MANUFATURADAS
Fiação a úmido: os filamentos são formados num banho de
coagulação (viscose, acrílico)
FORMAÇÃO DAS FIBRAS MANUFATURADAS
Fiação a seco: os filamentos são formados através de
secagem em uma corrente de ar quente (acetato, acrílico)
FORMAÇÃO DAS FIBRAS MANUFATURADAS
Fiação por extrusão: os filamentos são resfriados através de
uma corrente de ar frio (poliamida, poliéster)
Tipos de fios contínuos
 Todos os materiais têxteis artificiais e sintéticos
são extrudados em fieiras de múltiplos orifícios
produzindo um feixe de filamentos contínuos.
 Monofilamentos:
 O fio consiste em um único filamento.
 Multifilamentos:
 O fio consiste em múltiplos filamentos.
 Retorcidos:
Tipos de fios contínuos
 Fios Retorcidos
 Os fios de fibras descontínuas ou de
filamentos, lisos ou texturizados, podem ser
torcidos com a finalidade de aumentar sua
resistência. A partir de um fio singelo, ou
mesmo dentro de um fio singelo, pode-se criar
uma infinidade de efeitos no fio, obtendo-se
tantas combinações quantas desejar a
imaginação do padronista ou a aceitação do
mercado.
Fio Retorcido em Dois Cabos
Tipos de fios contínuos
 Fios Retorcidos
Fio Retorcido em Dois Cabos
Fio Singelo; Fio Retorcido a dois cabos;
Fios retorcido a dois cabos e novamente
retorcido a dois cabos.
Sistemas de fiação
 Sistema de fibras descontínuas
Sistemas de
fiação para
fibras
descontínuas
Fiação de anéis
(ou convencional)
Cardado Todos podem ser
singelos ou
retorcidos, e de
diferentes
diâmetros (títulos)
Penteado
Fiação open-end
Cardado
Outros (auto-
torção, Sem
torção)
Características especiais
Processos/objetivos da fiação
24
Da Fibra ao Fio
Fiação Manual = video
Fiação Manual = Carda
(Paralelização dos fibras
Fiação de Algodão
25
Fiação de Algodão CARDADO
Fiação de Algodão CARDADO
Fiação de Algodão PENTEADO
Penteadeira
Fiação de Algodão PENTEADO
Penteadeira
Fiação de Algodão OPEN-END
Filatório Open End
Rotor / Air Jet Spinning / Fricção
Objetivo: Reduzir massa/unidade de comprimento = finura final, e dar coesão da massa (enrosco).
Entra: Fita em lata.
Sai: Fio em roca ou cone.
Objetivo: Abertura, limpeza, e homogenização da matéria prima.
Objetivo: Individualização das fibras, limpeza e início da paralelização.
Objetivo: Homogenização de massa, e paralelização das fibras.
47
Vídeo de fiação
1:37
13:15
Fiação Open-end
Fiação Cardado
Fiação Opend-End e Cardado
Fiação Penteado
Textos Titulação e direta
FIAÇÃO E FIBRAS TÊXTEIS -
Definições = Titulação
O título de uma fibra ou fio é representado
por um número que expressa uma relação
entre um determinado comprimento e o peso
correspondente.
DOIS TIPOS:
Texto Titulação Direta
Massa por unidade de comprimento de fibra ou fio. Mais
usado para fibras seda e fibras químicas.
denier = massa [g] por 9.000 metros de fio
dtex = massa [g] por 10.000 metros de fio
tex = massa [g] por 1.000 metros de fio
Titulação direta de fibras e fios
Titulo maior: fio mais grosso (mais pesado)
Titulação direta : massa / comprimento
• Exemplo: Determinar o título (em denier) de um fio de seda
natural cujo comprimento de 10 metros pesa 0,01 grama.
Resolvendo por regra de três, usando a definição, temos:
Se: 10 metros pesam = 0,01 g
9.000 m pesarão = X
X = 9.000 m x 0,01 g = 9 Deniers
10 m
T = K * P
C
Comprimento (número de meadas) de uma determinada massa de
fibra ou fio. Mais usado para fibras naturais (Algodão, Linho...)
Nm = Número de meadas de 1.000 metros de fio para peso 1.000 g
Ne = Número de meadas de 840 jardas para o peso de 1,00 libra
Nm = Sistema métrico e Ne = Sistema Inglês
Titulação indireta de fios
Peso constante = inversamente proporcional ao
diâmetro Titulo maior: fio mais fino (menos pesado)
Exemplo: Fio titulo 30 Nm
Fio titulo 60 Nm
Qual será o fio mais fino ?
840 jardas = 768 m 1 libra = 454 gramas
1 metro e 100 fios:
- Título 12/1 = 4,917
- Título 14/1 = 4,214
- Título 16/1 = 3,688
- Título 30/1 = 1,967
Exemplo
Lembrete: Trabalho final artigo têxtil
Definição do artigo têxtil e entrega da foto.
Dia 21-Set = Aula no Sábado, das 08:30 as 12:00 h
62
Tecelagem

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Aula teórica Fibras têxteis (rm)Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Marcel Jefferson Gonçalves
 
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabricoFiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Constantino Monteiro Alves
 
Padronagem de tecidos planos
Padronagem de tecidos planosPadronagem de tecidos planos
Padronagem de tecidos planos
tcredu
 
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De AlgodaoTestes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
PEDRO PACHECO
 
Intro tecelagem pg
Intro tecelagem pgIntro tecelagem pg
Intro tecelagem pg
felins
 
Analise tecidos planos e controlo da qualidade
Analise tecidos planos e controlo da qualidadeAnalise tecidos planos e controlo da qualidade
Analise tecidos planos e controlo da qualidade
Constantino Monteiro Alves
 
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwaraApostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
wsilveirasouza
 
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
tcredu
 
Tecnologia Textil-basica
Tecnologia Textil-basicaTecnologia Textil-basica
Tecnologia Textil-basica
José Carlos de Castro
 
Titulação
TitulaçãoTitulação
Titulação
rmgimenez
 
Materiais e tecnologia têxtil III
Materiais e tecnologia têxtil IIIMateriais e tecnologia têxtil III
Materiais e tecnologia têxtil III
Fernanda
 
Tecelagem plana
Tecelagem planaTecelagem plana
Tecelagem plana
Claudio Roberto
 
Processos formadores de tecidos
Processos formadores de tecidosProcessos formadores de tecidos
Processos formadores de tecidos
Augusto Junior
 
Apostila engenhariatextilfibrasartificiais
Apostila engenhariatextilfibrasartificiaisApostila engenhariatextilfibrasartificiais
Apostila engenhariatextilfibrasartificiais
sollavanderias
 
Fibras Quimicas
Fibras QuimicasFibras Quimicas
Fibras Quimicas
Larissa Alves
 
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidadeFundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Débora Cseri
 
Análise de fibras apresentação
Análise de fibras apresentaçãoAnálise de fibras apresentação
Análise de fibras apresentação
Fabio Cerqueira
 
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama fAnalise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
Constantino Monteiro Alves
 
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
José Carlos de Castro
 
Mostruário de tecidos
Mostruário de tecidosMostruário de tecidos
Mostruário de tecidos
Barbara Allexia
 

Mais procurados (20)

Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Aula teórica Fibras têxteis (rm)Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Aula teórica Fibras têxteis (rm)
 
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabricoFiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
Fiação do algodão – tipos de algodões e processos de fabrico
 
Padronagem de tecidos planos
Padronagem de tecidos planosPadronagem de tecidos planos
Padronagem de tecidos planos
 
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De AlgodaoTestes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
 
Intro tecelagem pg
Intro tecelagem pgIntro tecelagem pg
Intro tecelagem pg
 
Analise tecidos planos e controlo da qualidade
Analise tecidos planos e controlo da qualidadeAnalise tecidos planos e controlo da qualidade
Analise tecidos planos e controlo da qualidade
 
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwaraApostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
 
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
 
Tecnologia Textil-basica
Tecnologia Textil-basicaTecnologia Textil-basica
Tecnologia Textil-basica
 
Titulação
TitulaçãoTitulação
Titulação
 
Materiais e tecnologia têxtil III
Materiais e tecnologia têxtil IIIMateriais e tecnologia têxtil III
Materiais e tecnologia têxtil III
 
Tecelagem plana
Tecelagem planaTecelagem plana
Tecelagem plana
 
Processos formadores de tecidos
Processos formadores de tecidosProcessos formadores de tecidos
Processos formadores de tecidos
 
Apostila engenhariatextilfibrasartificiais
Apostila engenhariatextilfibrasartificiaisApostila engenhariatextilfibrasartificiais
Apostila engenhariatextilfibrasartificiais
 
Fibras Quimicas
Fibras QuimicasFibras Quimicas
Fibras Quimicas
 
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidadeFundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
 
Análise de fibras apresentação
Análise de fibras apresentaçãoAnálise de fibras apresentação
Análise de fibras apresentação
 
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama fAnalise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
Analise tecidos planos toalhas de felpo e malhas de trama f
 
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
Materiais e Processos Têxteis-Parte 2
 
Mostruário de tecidos
Mostruário de tecidosMostruário de tecidos
Mostruário de tecidos
 

Semelhante a Aula teórica fiação e Titulação

Introduçã..[1]
Introduçã..[1]Introduçã..[1]
Introduçã..[1]
PEDRO PACHECO
 
Apostila Titulagem dos Materiais Texteis.pdf
Apostila Titulagem dos Materiais Texteis.pdfApostila Titulagem dos Materiais Texteis.pdf
Apostila Titulagem dos Materiais Texteis.pdf
RogrioSantosKRAfilia
 
Compósitos - Seminário Ampera Racing, UFSC 2018
Compósitos - Seminário Ampera Racing, UFSC 2018Compósitos - Seminário Ampera Racing, UFSC 2018
Compósitos - Seminário Ampera Racing, UFSC 2018
Texiglass
 
cartilha de costurabilidade.pdf
cartilha de costurabilidade.pdfcartilha de costurabilidade.pdf
cartilha de costurabilidade.pdf
Silvia Cristina Silveira
 
25614 manual formandonivbasicotecnologiaconfeccaomodulo1
25614 manual formandonivbasicotecnologiaconfeccaomodulo125614 manual formandonivbasicotecnologiaconfeccaomodulo1
25614 manual formandonivbasicotecnologiaconfeccaomodulo1
Pse Floripa Sme
 
Fibras têxteis malharia e confecção
Fibras têxteis malharia e confecçãoFibras têxteis malharia e confecção
Fibras têxteis malharia e confecção
Graça De Fátima Nascimento Bohrer
 
Módulo SENAI (2).pdf
Módulo SENAI (2).pdfMódulo SENAI (2).pdf
Módulo SENAI (2).pdf
Raissalima54
 
Apostilha tcnica
Apostilha tcnicaApostilha tcnica
Apostilha tcnica
Marcelo Silva
 
Fibras
FibrasFibras
Compositos reforcados com_fibras
Compositos reforcados com_fibrasCompositos reforcados com_fibras
Compositos reforcados com_fibras
elias ricardo durango padilla
 
Fibras poliester[1]
Fibras poliester[1]Fibras poliester[1]
Fibras poliester[1]
sollavanderias
 
1 fibras têxteis classificação e propriedades
1 fibras têxteis classificação e propriedades1 fibras têxteis classificação e propriedades
1 fibras têxteis classificação e propriedades
Marcel Jefferson Gonçalves
 
Sistema formadores de fios parte1
Sistema formadores de fios parte1Sistema formadores de fios parte1
Sistema formadores de fios parte1
Priscila Garcia
 
03 entelagem
03   entelagem03   entelagem
03 entelagem
Ricardo Pampu
 
Corforto das malhas
Corforto das malhasCorforto das malhas
Corforto das malhas
Hudson Renato
 
Manual de Limpeza de Carpetes
Manual de Limpeza de CarpetesManual de Limpeza de Carpetes
Manual de Limpeza de Carpetes
General Clean
 
Webinar LATAM FEIPLAR
Webinar LATAM FEIPLARWebinar LATAM FEIPLAR
Webinar LATAM FEIPLAR
Beatriz Carvalho
 
Manual limpeza de carpetes
Manual limpeza de carpetesManual limpeza de carpetes
Manual limpeza de carpetes
Higiclear
 
Processamento e arranjos das fnls
Processamento e arranjos das fnlsProcessamento e arranjos das fnls
Processamento e arranjos das fnls
Géssica Nicolau
 
Introducao universo-textil-focus-textil-190110104215
Introducao universo-textil-focus-textil-190110104215Introducao universo-textil-focus-textil-190110104215
Introducao universo-textil-focus-textil-190110104215
cefluis
 

Semelhante a Aula teórica fiação e Titulação (20)

Introduçã..[1]
Introduçã..[1]Introduçã..[1]
Introduçã..[1]
 
Apostila Titulagem dos Materiais Texteis.pdf
Apostila Titulagem dos Materiais Texteis.pdfApostila Titulagem dos Materiais Texteis.pdf
Apostila Titulagem dos Materiais Texteis.pdf
 
Compósitos - Seminário Ampera Racing, UFSC 2018
Compósitos - Seminário Ampera Racing, UFSC 2018Compósitos - Seminário Ampera Racing, UFSC 2018
Compósitos - Seminário Ampera Racing, UFSC 2018
 
cartilha de costurabilidade.pdf
cartilha de costurabilidade.pdfcartilha de costurabilidade.pdf
cartilha de costurabilidade.pdf
 
25614 manual formandonivbasicotecnologiaconfeccaomodulo1
25614 manual formandonivbasicotecnologiaconfeccaomodulo125614 manual formandonivbasicotecnologiaconfeccaomodulo1
25614 manual formandonivbasicotecnologiaconfeccaomodulo1
 
Fibras têxteis malharia e confecção
Fibras têxteis malharia e confecçãoFibras têxteis malharia e confecção
Fibras têxteis malharia e confecção
 
Módulo SENAI (2).pdf
Módulo SENAI (2).pdfMódulo SENAI (2).pdf
Módulo SENAI (2).pdf
 
Apostilha tcnica
Apostilha tcnicaApostilha tcnica
Apostilha tcnica
 
Fibras
FibrasFibras
Fibras
 
Compositos reforcados com_fibras
Compositos reforcados com_fibrasCompositos reforcados com_fibras
Compositos reforcados com_fibras
 
Fibras poliester[1]
Fibras poliester[1]Fibras poliester[1]
Fibras poliester[1]
 
1 fibras têxteis classificação e propriedades
1 fibras têxteis classificação e propriedades1 fibras têxteis classificação e propriedades
1 fibras têxteis classificação e propriedades
 
Sistema formadores de fios parte1
Sistema formadores de fios parte1Sistema formadores de fios parte1
Sistema formadores de fios parte1
 
03 entelagem
03   entelagem03   entelagem
03 entelagem
 
Corforto das malhas
Corforto das malhasCorforto das malhas
Corforto das malhas
 
Manual de Limpeza de Carpetes
Manual de Limpeza de CarpetesManual de Limpeza de Carpetes
Manual de Limpeza de Carpetes
 
Webinar LATAM FEIPLAR
Webinar LATAM FEIPLARWebinar LATAM FEIPLAR
Webinar LATAM FEIPLAR
 
Manual limpeza de carpetes
Manual limpeza de carpetesManual limpeza de carpetes
Manual limpeza de carpetes
 
Processamento e arranjos das fnls
Processamento e arranjos das fnlsProcessamento e arranjos das fnls
Processamento e arranjos das fnls
 
Introducao universo-textil-focus-textil-190110104215
Introducao universo-textil-focus-textil-190110104215Introducao universo-textil-focus-textil-190110104215
Introducao universo-textil-focus-textil-190110104215
 

Mais de Marcel Jefferson Gonçalves

Estudo de remoção de cor por eletroflotação mediante metodologia superfície d...
Estudo de remoção de cor por eletroflotação mediante metodologia superfície d...Estudo de remoção de cor por eletroflotação mediante metodologia superfície d...
Estudo de remoção de cor por eletroflotação mediante metodologia superfície d...
Marcel Jefferson Gonçalves
 
Amor sh
Amor shAmor sh
Moral cristã e caridade
Moral cristã e caridadeMoral cristã e caridade
Moral cristã e caridade
Marcel Jefferson Gonçalves
 
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúdeOs sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
Marcel Jefferson Gonçalves
 
Espirito materia perispirito
Espirito materia perispiritoEspirito materia perispirito
Espirito materia perispirito
Marcel Jefferson Gonçalves
 
Aula 1 introducao
Aula 1   introducaoAula 1   introducao
Aula 1 introducao
Marcel Jefferson Gonçalves
 
A cura e auto cura 2
A cura e auto cura 2A cura e auto cura 2
A cura e auto cura 2
Marcel Jefferson Gonçalves
 

Mais de Marcel Jefferson Gonçalves (7)

Estudo de remoção de cor por eletroflotação mediante metodologia superfície d...
Estudo de remoção de cor por eletroflotação mediante metodologia superfície d...Estudo de remoção de cor por eletroflotação mediante metodologia superfície d...
Estudo de remoção de cor por eletroflotação mediante metodologia superfície d...
 
Amor sh
Amor shAmor sh
Amor sh
 
Moral cristã e caridade
Moral cristã e caridadeMoral cristã e caridade
Moral cristã e caridade
 
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúdeOs sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
 
Espirito materia perispirito
Espirito materia perispiritoEspirito materia perispirito
Espirito materia perispirito
 
Aula 1 introducao
Aula 1   introducaoAula 1   introducao
Aula 1 introducao
 
A cura e auto cura 2
A cura e auto cura 2A cura e auto cura 2
A cura e auto cura 2
 

Último

Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 

Aula teórica fiação e Titulação

  • 2. 4
  • 3. FIBRAS TÊXTEIS Prof. Wallace Nóbrega Lopo Fibra Mais Forte do Mundo Mistura Natureza e Alta Tecnologia  Grafeno é confirmado como o material mais forte que existe  Nanotubos de carbono são duas vezes mais fortes do que se pensava Fibra de polímero e carbono Seon Jeong Kim, mesclou os nanotubos, que são cilíndricos, com folhas de óxido de grafeno, que são planas. O pesquisador misturou as duas nanoestruturas de carbono em uma solução aquosa de álcool polivinílico (PVA) da qual foram gerados os fios, tratados com metanol para aumentar a cristalinidade do material. Enquanto o elogiado fio de segurança das aranhas tem uma tenacidade de 165 J/g, as novas fibras compósitas alcançaram até 970 J/g, superior ao bem conhecido Kevlar®, usado em coletes à prova de balas, que alcança 786 J/g. Esquema da evolução do processo de formação da fibra, que mistura estruturas tubulares e planares. [Imagem: Shin et al./Nature]
  • 4. FIBRAS TÊXTEIS Prof. Wallace Nóbrega Lopo Exercícios de Fixação 1- Monte um fluxograma básico da Ind.Têxtil e descreva função de cada etapa EXERCÍCIOS – FIBRAS TÊXTEIS 1) O que é Regain de uma fibra têxtil ? 2) Qual a diferença entre alongamento e tenacidade ? 3) A recuperação elástica de uma fibra têxtil é importante no artigo final ? Justifique sua resposta exemplificando. 4) Em que tipo de artigos se utilizaria fibras de poliamida ? 5) O que é recuperação elástica de uma fibra têxtil ? Exemplo ? 6) Cite pelo menos 5 propriedades das fibras têxteis que estão relacionadas com o uso final dos artigos têxteis. 7) Quais são os processos de análise utilizados na identificação de fibras têxteis ? 8) Qual a importância da mistura de fibras têxteis ? E quais são os níveis de mistura das fibras têxteis ? 9) “A mistura de dois ou mais substratos têxteis está sempre associada a um aumento no custo final do produto”. Esta afirmativa é correta? Justifique sua resposta. 10) De maneira geral, qual o comportamento das fibras no ensaio de combustão utilizado para identificação das mesmas ?
  • 5. FIBRAS TÊXTEIS Prof. Wallace Nóbrega Lopo Exercícios de Fixação EXERCÍCIOS – CLASSIFICAÇÃO DAS FIBRAS TÊXTEIS 1) Como se classificam as fibras têxteis (geral) ? 2) Qual a diferença básica entre as fibras naturais, artificiais e sintéticas ? 3) Quais são as vantagens e desvantagens das fibras sintéticas em relação às fibras naturais ?
  • 6. Etapas básicas do trabalho/seminário a) Tipo de fibra - classificação fibra - características físico-químicas desta fibra - obtenção - nomes comerciais - produção nacional/mundial – aplicações b) Tipo de fio - processo de obtenção do fio - tipo de fiação; c) Tipo de tecido - processo de obtenção do tecido - etapas que antecedem o tecimento propriamente dito; d) Tipo(s) de beneficiamento(s) com justificativa - principais etapas e produtos dos beneficiamentos. Fibras, Fiação, Tecelagem e Beneficiamento Primário
  • 7. Etapas básicas do trabalho/seminário a) tipo de corante/justificativa tipo corante - principais fabricantes corante e nomenclatura - principais características do corante quanto a sua aplicação e resistência a tratamentos industriais e domésticos - principais etapas do processo de tingimento (curvas de processo e produtos); b) tipo de estampa - equipamento adequado para estampa - principais etapas do processo de estampagem; c) tipo de acabamento/justificativa - símbolos apropriados para etiqueta do produto. Tingimento, estamparia, acabamento e simbologia Texto Fiação
  • 8. 34 Kg de Algodão em pluma (fardo) sendo, em média: 30 Kg de fio cardado ou 25 Kg de fio penteado ou 31 Kg de fio Open-End Sendo que pode-se fazer: 52 calças jeans ou 191 camisetas ou 85 saias ou 123 toalhas de banho ou 57 vestidos ou 140 blusas femininas ou 120 camisas masculinas 56 Kg de caroço Sendo que deste originam-se: 03 Kg de línter 11 Kg de óleo 42 Kg de torta 10 Kg De Impurezas Fiação 100 kg da fibra (CO) em caroço originam: Línter: Fibras curtas, com menos de 12mm, em geral de 3 a 9 mm, que existem na superfície da semente, formada de celulose quase pura e que é a base ou matéria-prima para diversos produtos, como o algodão hidrófilo, pólvora e tecidos rústicos. Texto Classificação de fios
  • 9. Definição “Qualquer substância, natural ou manufaturada, que possua uma alta relação entre o comprimento e a largura e com características adequadas que permitam seu processamento até a formação de tecidos ou artigos têxteis; é o menor componente, de natureza pilosa, que pode ser separado ou extraído de um tecido ou têxtil”. Relembrando = FIBRAS TÊXTEIS
  • 10. Sistemas de fiação  Sistema para fibras contínuas  Utilizado para fibras químicas (sintéticas e artificiais), em que o fio é obtido através de fieiras no momento da produção da fibra.  Soluções dos polímeros (viscose, acetato, acrílico) ou polímeros fundidos (poliamida, poliéster) são alimentados para as fieiras através das bombas de fiação. Fieiras Vídeo PES Contínuas (Filamentos) Descontínuas (Fibras cortadas)
  • 11. Sistemas de fiação  Sistema para fibras: cortadas ou filamentos
  • 12. INTRODUÇÃO A FIAÇÃO Formação das fibras manufaturadas Soluções dos polímeros (viscose, acetato, acrílico) ou polímeros fundidos (poliamida, poliéster) são alimentados para as fieiras através das bombas de fiação. Os filamentos são formados por  fiação a úmido  fiação a seco  fiação por extrusão
  • 13. FORMAÇÃO DAS FIBRAS MANUFATURADAS Fiação a úmido: os filamentos são formados num banho de coagulação (viscose, acrílico)
  • 14. FORMAÇÃO DAS FIBRAS MANUFATURADAS Fiação a seco: os filamentos são formados através de secagem em uma corrente de ar quente (acetato, acrílico)
  • 15. FORMAÇÃO DAS FIBRAS MANUFATURADAS Fiação por extrusão: os filamentos são resfriados através de uma corrente de ar frio (poliamida, poliéster)
  • 16. Tipos de fios contínuos  Todos os materiais têxteis artificiais e sintéticos são extrudados em fieiras de múltiplos orifícios produzindo um feixe de filamentos contínuos.  Monofilamentos:  O fio consiste em um único filamento.  Multifilamentos:  O fio consiste em múltiplos filamentos.  Retorcidos:
  • 17. Tipos de fios contínuos  Fios Retorcidos  Os fios de fibras descontínuas ou de filamentos, lisos ou texturizados, podem ser torcidos com a finalidade de aumentar sua resistência. A partir de um fio singelo, ou mesmo dentro de um fio singelo, pode-se criar uma infinidade de efeitos no fio, obtendo-se tantas combinações quantas desejar a imaginação do padronista ou a aceitação do mercado. Fio Retorcido em Dois Cabos
  • 18. Tipos de fios contínuos  Fios Retorcidos Fio Retorcido em Dois Cabos Fio Singelo; Fio Retorcido a dois cabos; Fios retorcido a dois cabos e novamente retorcido a dois cabos.
  • 19. Sistemas de fiação  Sistema de fibras descontínuas Sistemas de fiação para fibras descontínuas Fiação de anéis (ou convencional) Cardado Todos podem ser singelos ou retorcidos, e de diferentes diâmetros (títulos) Penteado Fiação open-end Cardado Outros (auto- torção, Sem torção) Características especiais
  • 20. Processos/objetivos da fiação 24 Da Fibra ao Fio Fiação Manual = video Fiação Manual = Carda (Paralelização dos fibras
  • 24. Fiação de Algodão PENTEADO Penteadeira
  • 25. Fiação de Algodão PENTEADO Penteadeira
  • 26. Fiação de Algodão OPEN-END Filatório Open End Rotor / Air Jet Spinning / Fricção Objetivo: Reduzir massa/unidade de comprimento = finura final, e dar coesão da massa (enrosco). Entra: Fita em lata. Sai: Fio em roca ou cone. Objetivo: Abertura, limpeza, e homogenização da matéria prima. Objetivo: Individualização das fibras, limpeza e início da paralelização. Objetivo: Homogenização de massa, e paralelização das fibras.
  • 30. FIAÇÃO E FIBRAS TÊXTEIS - Definições = Titulação O título de uma fibra ou fio é representado por um número que expressa uma relação entre um determinado comprimento e o peso correspondente. DOIS TIPOS: Texto Titulação Direta
  • 31. Massa por unidade de comprimento de fibra ou fio. Mais usado para fibras seda e fibras químicas. denier = massa [g] por 9.000 metros de fio dtex = massa [g] por 10.000 metros de fio tex = massa [g] por 1.000 metros de fio Titulação direta de fibras e fios Titulo maior: fio mais grosso (mais pesado)
  • 32. Titulação direta : massa / comprimento • Exemplo: Determinar o título (em denier) de um fio de seda natural cujo comprimento de 10 metros pesa 0,01 grama. Resolvendo por regra de três, usando a definição, temos: Se: 10 metros pesam = 0,01 g 9.000 m pesarão = X X = 9.000 m x 0,01 g = 9 Deniers 10 m T = K * P C
  • 33. Comprimento (número de meadas) de uma determinada massa de fibra ou fio. Mais usado para fibras naturais (Algodão, Linho...) Nm = Número de meadas de 1.000 metros de fio para peso 1.000 g Ne = Número de meadas de 840 jardas para o peso de 1,00 libra Nm = Sistema métrico e Ne = Sistema Inglês Titulação indireta de fios Peso constante = inversamente proporcional ao diâmetro Titulo maior: fio mais fino (menos pesado) Exemplo: Fio titulo 30 Nm Fio titulo 60 Nm Qual será o fio mais fino ? 840 jardas = 768 m 1 libra = 454 gramas 1 metro e 100 fios: - Título 12/1 = 4,917 - Título 14/1 = 4,214 - Título 16/1 = 3,688 - Título 30/1 = 1,967 Exemplo
  • 34. Lembrete: Trabalho final artigo têxtil Definição do artigo têxtil e entrega da foto. Dia 21-Set = Aula no Sábado, das 08:30 as 12:00 h