SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
Pleiotropia
Interação Gênica
Linkage
Herança ligada ao sexo
Adila Trubat
Introdução
Pleiotropia
É o nome dado aos múltiplos efeitos de um gene.
Acontece quando um único gene controla diversas
características do fenótipo que muitas vezes não
estão relacionadas.
Pleiotropia
Pleiotropia
Pleiotropia
Cebolas vermelhas e brancas:
As vermelhas são resistentes a ação de determinado fungo
parasita, já as brancas não. Sabe-se então que o alelo
recessivo é responsável pela cor vermelha e ao mesmo
tempo pela produção de uma substância fungicida. Portanto,
as cebolas vermelhas não sofrem a ação desses parasitas.
Interação gênica
Na situação chamada interação gênica, dois ou
mais pares de genes alelos diferentes se associam
na determinação de uma única característica.
Interação gênica
Interação gênica

Genes complementares

Epistasia

Herança quantitativa

Linkage ou ligação
Genes complementares
Genes complementares
São aqueles que, quando isolados em um
indivíduo, determinam o aparecimento de uma
característica diferente daquela que aparece
quando estão juntos. O exemplo mais conhecido
é a determinação do formato da crista das
galinhas, herança condicionada por dois pares de
genes alelos Rr e Ee.
Genes complementares
 O gene dominante R, quando
isolado, determina o
aparecimento de "crista rosa".
O gene E condiciona "crista
ervilha". Nas aves que possuem
ambos os genes dominantes, a
crista é "noz". Os duplos
homozigotos recessivos
possuem cristas "simples".
Epistasia
 Chama-se epistasia o padrão de herança na
qual um gene impede a manifestação de um
outro que não é seu alelo. O gene inibidor é
chamado epistático, e o que é inibido se chama
hipostático.
Epistasia
 Um exemplo se relaciona com a determinação do padrão das penas
de galinhas.
 Em um par de genes, o gene dominante C condiciona plumagem
colorida, e o alelo recessivo condiciona plumagem branca. Há um
outro par de genes alelos cujo dominante I impede a produção de
pigmentos e as penas nascem brancas. O gene recessivo i não tem
esse efeito.
Epistasia
Herança quantitativa ou
poligênica
Nesse padrão de herança, o fenótipo é condicionado por
dois ou mais pares de genes alelos, nos quais um deles é
chamado gene aditivo, e o outro é o gene indiferente ou
não-aditivo.
Herança quantitativa ou
poligênica
 Cada gene aditivo presente em um indivíduo
determina o aumento na intensidade da expressão do
fenótipo, não importando de qual par é esse gene
aditivo.
 Os genes não-aditivos não acrescentam nada na
expressão do fenótipo.
Herança quantitativa ou
poligênica
Dois aspectos sugerem que uma certa característica seja
condicionada por herança quantitativa:
Fenótipo com variação contínua ou gradual
Um exemplo é a cor da pele, na espécie humana. Entre
os extremos (branco e negro) há diversos fenótipos
intermediários.
Herança quantitativa ou
poligênica
Um caso de herança quantitativa é a determinação da
cor da pele na espécie humana, herança que envolve
dois pares de poligenes, segundo Davemport.
Os genes aditivos aumentam a produção da melanina,
pigmento que torna a pele mais escura.
Quanto mais genes aditivos, mais melanina é produzida
e mais escura é a pele.
Uma mulher negra (genótipo S*S* T*T*), casada com
um homem branco (genótipo SS TT), terá todos os seus
filhos mulatos médios, heterozigotos para ambos os
Herança quantitativa ou
poligênica
Uma mulher negra (genótipo S*S* P*P*), casada com
um homem branco (genótipo SS PP), terá todos os seus
filhos mulatos médios, heterozigotos para ambos os
pares de genes (S*S P*P).
Herança quantitativa ou
poligênica
Herança quantitativa ou
poligênica
 Distribuição dos fenótipos em curva normal (ou curva
de Gauss)
Os fenótipos extremos são os que se encontram em menores
quantidades. Os fenótipos intermediários são observados em
frequências maiores, e a distribuição quantitativa desses
fenótipos estabelece uma curva chamada normal ou curva de
Gauss.
Herança quantitativa ou
poligênica
Herança quantitativa ou
poligênica
Linhas de Blaschko – as células da quimera produzem dois
tipos celulares, cada uma com o DNA diferente da outra.
Uma produz células mais claras que a outra.
Evolução humana
Herança quantitativa ou
poligênica
Herança quantitativa ou
poligênica
Linkage
Genes unidos (ligados) no mesmo cromossoma
Linkage
T. H. Morgan e seus colaboradores trabalharam
com a mosca da fruta, Drosophila melanogaster,
e realizaram cruzamentos em que estudaram dois
ou mais pares de genes, verificando que,
realmente, nem sempre a 2ª Lei de Mendel era
obedecida.
Concluíram que esses genes não estavam em
cromossomos diferentes, mas, sim, encontravam-
se no mesmo cromossomo (em linkage).
Linkage
Linkage
Linkage
Linkage
Linkage - esperado
Linkage - encontrado
Linkage
Linkage – crossing over
É uma troca de material genético entre
cromossomas homólogos.
Linkage – crossing over
É uma das fases finais da recombinação
genética, que ocorre durante a prófase I da
meiose durante um processo designado por
sinapse.
Linkage – crossing over
Mosaicismo
Mosaicismo
Herança ligada ao sexo
Herança ligada ao sexo
Herança ligada ao sexo
 O gene que determina se um gato vai ser preto
ou laranja está no cromossomo X, que as
fêmeas têm dois (XX). Como os machos só
têm um X, pois são XY, eles só podem ser ou
pretos, ou laranjas, nunca os dois.
 O branco está em outro cromossomo,
totalmente separado! E por incrível que
pareça, existem três genes para pêlos brancos:
um gene para manchas brancas (S/s), um gene
para gatos brancos (W/w) e um gene para
Herança ligada ao sexo
 Então siameses são albinos? Sim,
eles têm um tipo de albinismo.
Surpreendente não é? O que
acontece com os siameses, e alguns
outros gatos, é que a enzima que
produz cor depende da temperatura
do corpo. Então nas extremidades
(patas, rosto, orelhas e rabo) o
organismo produz mais cor e a
região fica escura. No resto do
corpo, que é mais quente, a cor é
mais fraca.
Herança ligada ao sexo
Herança ligada ao sexo
 http://www.abrapec.ufsc.br/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Interação gênica 4 e
Interação gênica   4 eInteração gênica   4 e
Interação gênica 4 e
César Milani
 
Herança dos cromossomos sexuais
Herança dos cromossomos sexuaisHerança dos cromossomos sexuais
Herança dos cromossomos sexuais
César Milani
 
Mutações cromossômicas
Mutações cromossômicasMutações cromossômicas
Mutações cromossômicas
Thiago Faria
 
Mutações cromossômicas unid 6
Mutações cromossômicas   unid 6Mutações cromossômicas   unid 6
Mutações cromossômicas unid 6
César Milani
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
emanuel
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introdução
Dalu Barreto
 
Mutações do material genético
Mutações do material genéticoMutações do material genético
Mutações do material genético
UERGS
 

Mais procurados (20)

Segunda Lei de Mendel
Segunda Lei de MendelSegunda Lei de Mendel
Segunda Lei de Mendel
 
Interação gênica 4 e
Interação gênica   4 eInteração gênica   4 e
Interação gênica 4 e
 
Mitose e Meiose
Mitose e MeioseMitose e Meiose
Mitose e Meiose
 
Herança dos cromossomos sexuais
Herança dos cromossomos sexuaisHerança dos cromossomos sexuais
Herança dos cromossomos sexuais
 
A primeira lei de mendel
A primeira lei de mendelA primeira lei de mendel
A primeira lei de mendel
 
Mutações
MutaçõesMutações
Mutações
 
Mutações cromossômicas
Mutações cromossômicasMutações cromossômicas
Mutações cromossômicas
 
Conceitos básicos de Genética
Conceitos básicos de GenéticaConceitos básicos de Genética
Conceitos básicos de Genética
 
Mutações cromossômicas unid 6
Mutações cromossômicas   unid 6Mutações cromossômicas   unid 6
Mutações cromossômicas unid 6
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
Conceitos basicos em genetica
 Conceitos basicos em genetica Conceitos basicos em genetica
Conceitos basicos em genetica
 
Alteracoes cromossomicas
Alteracoes cromossomicasAlteracoes cromossomicas
Alteracoes cromossomicas
 
Herança ligada ao sexo
Herança ligada ao sexoHerança ligada ao sexo
Herança ligada ao sexo
 
Genética Introdução
Genética   IntroduçãoGenética   Introdução
Genética Introdução
 
Heranca ligada sexo
Heranca ligada sexoHeranca ligada sexo
Heranca ligada sexo
 
2ª lei de mendel
2ª lei de mendel2ª lei de mendel
2ª lei de mendel
 
Genética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de HereditariedadeGenética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de Hereditariedade
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introdução
 
Mutações do material genético
Mutações do material genéticoMutações do material genético
Mutações do material genético
 
Mutações
MutaçõesMutações
Mutações
 

Semelhante a Interação genica

Primeira lei de mendel
Primeira lei de mendelPrimeira lei de mendel
Primeira lei de mendel
Evelyn Soares
 
Aulão genética 3 em
Aulão genética 3 emAulão genética 3 em
Aulão genética 3 em
César Milani
 
Padrões de herança
Padrões de herançaPadrões de herança
Padrões de herança
Juliana Sousa
 
Conceitos fundamentais em génetica
Conceitos fundamentais em géneticaConceitos fundamentais em génetica
Conceitos fundamentais em génetica
Lilian Monteiro
 

Semelhante a Interação genica (20)

Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Primeira lei de mendel
Primeira lei de mendelPrimeira lei de mendel
Primeira lei de mendel
 
Aula 13 lei da segregação
Aula 13   lei da segregaçãoAula 13   lei da segregação
Aula 13 lei da segregação
 
Fundamentos da genética
Fundamentos da genéticaFundamentos da genética
Fundamentos da genética
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
www.CentroApoio.com - Biologia - Genética.
www.CentroApoio.com -  Biologia - Genética.www.CentroApoio.com -  Biologia - Genética.
www.CentroApoio.com - Biologia - Genética.
 
Transmissão de características hereditárias
Transmissão de características hereditáriasTransmissão de características hereditárias
Transmissão de características hereditárias
 
Herança biológica
Herança biológicaHerança biológica
Herança biológica
 
Aulão genética 3 em
Aulão genética 3 emAulão genética 3 em
Aulão genética 3 em
 
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
 
Biologia 3ano
Biologia 3anoBiologia 3ano
Biologia 3ano
 
Padrões de herança
Padrões de herançaPadrões de herança
Padrões de herança
 
Genetica ii
Genetica iiGenetica ii
Genetica ii
 
Genetica 110513181400-phpapp01
Genetica 110513181400-phpapp01Genetica 110513181400-phpapp01
Genetica 110513181400-phpapp01
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
Conceitos fundamentais em génetica
Conceitos fundamentais em géneticaConceitos fundamentais em génetica
Conceitos fundamentais em génetica
 
Genética 2 e-3e
Genética 2 e-3eGenética 2 e-3e
Genética 2 e-3e
 
Hereditariedade9
Hereditariedade9Hereditariedade9
Hereditariedade9
 
7. Genética e hereditariedade.pdf
7. Genética e hereditariedade.pdf7. Genética e hereditariedade.pdf
7. Genética e hereditariedade.pdf
 

Mais de Adila Trubat

Mais de Adila Trubat (20)

Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Tambor palestra completa
Tambor palestra completaTambor palestra completa
Tambor palestra completa
 
Vivencia hecate
Vivencia hecateVivencia hecate
Vivencia hecate
 
Tambor palestra final
Tambor palestra finalTambor palestra final
Tambor palestra final
 
Tambor final
Tambor finalTambor final
Tambor final
 
Aula 13 dirofilariose
Aula 13 dirofilariose Aula 13 dirofilariose
Aula 13 dirofilariose
 
Aula 12 nematelmintos 3
Aula 12 nematelmintos 3Aula 12 nematelmintos 3
Aula 12 nematelmintos 3
 
Radiação
RadiaçãoRadiação
Radiação
 
C neoformans e linfócitos B
C neoformans e linfócitos BC neoformans e linfócitos B
C neoformans e linfócitos B
 
Técnicas de diagnóstico
Técnicas de diagnósticoTécnicas de diagnóstico
Técnicas de diagnóstico
 
Aula imune1a
Aula imune1a Aula imune1a
Aula imune1a
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
 
Alterações gênicas
Alterações gênicas Alterações gênicas
Alterações gênicas
 
Genética4
Genética4 Genética4
Genética4
 
Interação genica
Interação genicaInteração genica
Interação genica
 
Aula 1 geral hq
Aula 1 geral hqAula 1 geral hq
Aula 1 geral hq
 
Prions
PrionsPrions
Prions
 
Aula 11 Necator, Ancylostoma, Enterobius, Trichurus
Aula 11 Necator, Ancylostoma, Enterobius, TrichurusAula 11 Necator, Ancylostoma, Enterobius, Trichurus
Aula 11 Necator, Ancylostoma, Enterobius, Trichurus
 
Aula 10 nematelmintos ascaris ancilóstoma
Aula 10 nematelmintos ascaris ancilóstomaAula 10 nematelmintos ascaris ancilóstoma
Aula 10 nematelmintos ascaris ancilóstoma
 
Aula 9 fasciola hepática
Aula 9 fasciola hepáticaAula 9 fasciola hepática
Aula 9 fasciola hepática
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 

Interação genica

  • 3. Pleiotropia É o nome dado aos múltiplos efeitos de um gene. Acontece quando um único gene controla diversas características do fenótipo que muitas vezes não estão relacionadas.
  • 6. Pleiotropia Cebolas vermelhas e brancas: As vermelhas são resistentes a ação de determinado fungo parasita, já as brancas não. Sabe-se então que o alelo recessivo é responsável pela cor vermelha e ao mesmo tempo pela produção de uma substância fungicida. Portanto, as cebolas vermelhas não sofrem a ação desses parasitas.
  • 7. Interação gênica Na situação chamada interação gênica, dois ou mais pares de genes alelos diferentes se associam na determinação de uma única característica.
  • 10. Genes complementares Genes complementares São aqueles que, quando isolados em um indivíduo, determinam o aparecimento de uma característica diferente daquela que aparece quando estão juntos. O exemplo mais conhecido é a determinação do formato da crista das galinhas, herança condicionada por dois pares de genes alelos Rr e Ee.
  • 11. Genes complementares  O gene dominante R, quando isolado, determina o aparecimento de "crista rosa". O gene E condiciona "crista ervilha". Nas aves que possuem ambos os genes dominantes, a crista é "noz". Os duplos homozigotos recessivos possuem cristas "simples".
  • 12. Epistasia  Chama-se epistasia o padrão de herança na qual um gene impede a manifestação de um outro que não é seu alelo. O gene inibidor é chamado epistático, e o que é inibido se chama hipostático.
  • 13. Epistasia  Um exemplo se relaciona com a determinação do padrão das penas de galinhas.  Em um par de genes, o gene dominante C condiciona plumagem colorida, e o alelo recessivo condiciona plumagem branca. Há um outro par de genes alelos cujo dominante I impede a produção de pigmentos e as penas nascem brancas. O gene recessivo i não tem esse efeito.
  • 15. Herança quantitativa ou poligênica Nesse padrão de herança, o fenótipo é condicionado por dois ou mais pares de genes alelos, nos quais um deles é chamado gene aditivo, e o outro é o gene indiferente ou não-aditivo.
  • 16. Herança quantitativa ou poligênica  Cada gene aditivo presente em um indivíduo determina o aumento na intensidade da expressão do fenótipo, não importando de qual par é esse gene aditivo.  Os genes não-aditivos não acrescentam nada na expressão do fenótipo.
  • 17. Herança quantitativa ou poligênica Dois aspectos sugerem que uma certa característica seja condicionada por herança quantitativa: Fenótipo com variação contínua ou gradual Um exemplo é a cor da pele, na espécie humana. Entre os extremos (branco e negro) há diversos fenótipos intermediários.
  • 18. Herança quantitativa ou poligênica Um caso de herança quantitativa é a determinação da cor da pele na espécie humana, herança que envolve dois pares de poligenes, segundo Davemport. Os genes aditivos aumentam a produção da melanina, pigmento que torna a pele mais escura. Quanto mais genes aditivos, mais melanina é produzida e mais escura é a pele. Uma mulher negra (genótipo S*S* T*T*), casada com um homem branco (genótipo SS TT), terá todos os seus filhos mulatos médios, heterozigotos para ambos os
  • 19. Herança quantitativa ou poligênica Uma mulher negra (genótipo S*S* P*P*), casada com um homem branco (genótipo SS PP), terá todos os seus filhos mulatos médios, heterozigotos para ambos os pares de genes (S*S P*P).
  • 21. Herança quantitativa ou poligênica  Distribuição dos fenótipos em curva normal (ou curva de Gauss) Os fenótipos extremos são os que se encontram em menores quantidades. Os fenótipos intermediários são observados em frequências maiores, e a distribuição quantitativa desses fenótipos estabelece uma curva chamada normal ou curva de Gauss.
  • 23. Herança quantitativa ou poligênica Linhas de Blaschko – as células da quimera produzem dois tipos celulares, cada uma com o DNA diferente da outra. Uma produz células mais claras que a outra.
  • 27. Linkage Genes unidos (ligados) no mesmo cromossoma
  • 28. Linkage T. H. Morgan e seus colaboradores trabalharam com a mosca da fruta, Drosophila melanogaster, e realizaram cruzamentos em que estudaram dois ou mais pares de genes, verificando que, realmente, nem sempre a 2ª Lei de Mendel era obedecida. Concluíram que esses genes não estavam em cromossomos diferentes, mas, sim, encontravam- se no mesmo cromossomo (em linkage).
  • 36. Linkage – crossing over É uma troca de material genético entre cromossomas homólogos.
  • 37. Linkage – crossing over É uma das fases finais da recombinação genética, que ocorre durante a prófase I da meiose durante um processo designado por sinapse.
  • 43. Herança ligada ao sexo  O gene que determina se um gato vai ser preto ou laranja está no cromossomo X, que as fêmeas têm dois (XX). Como os machos só têm um X, pois são XY, eles só podem ser ou pretos, ou laranjas, nunca os dois.  O branco está em outro cromossomo, totalmente separado! E por incrível que pareça, existem três genes para pêlos brancos: um gene para manchas brancas (S/s), um gene para gatos brancos (W/w) e um gene para
  • 44. Herança ligada ao sexo  Então siameses são albinos? Sim, eles têm um tipo de albinismo. Surpreendente não é? O que acontece com os siameses, e alguns outros gatos, é que a enzima que produz cor depende da temperatura do corpo. Então nas extremidades (patas, rosto, orelhas e rabo) o organismo produz mais cor e a região fica escura. No resto do corpo, que é mais quente, a cor é mais fraca.