SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 69
Genética
Francisco J C Maciel
www.mafransinop.blogspot.com
WhatsApp – 66 996047183
Conceito Gerais
Gene: fragmento de DNA que pode ser
transcrito na síntese de proteínas.
Locus (Loco): local, no cromossomo, onde se
encontra o gene.
Alelos: genes que ocupam o mesmo locus em
cromossomos homólogos.
Homólogos: cromossomos que possuem genes
para as mesmas características.
Genótipo: conjunto de genes de um
indivíduo.
Fenótipo: expressão do genótipo + o
ambiente.
Fenocópia: fenótipo modificado semelhante
a um existente.
Gene Letal: com efeito mortal.
Gene Dominante: aquele que sempre que está
presente se manifesta.
Gene Recessivo: aquele que só se manifesta na
ausência do dominante.
Homozigoto ou Puro: indivíduo que apresenta
alelos iguais para um ou mais caracteres.
Heterozigoto ou Híbrido: indivíduo que
apresenta alelos diferentes para um ou mais
caracteres.
Genealogias ou Heredogramas
sexo masculino
sexo feminino
sexo desconhecido
casamento ou
cruzamento
casamento ou
cruzamento
consangüíneo
indivíduos que apresentam
o caráter estudado
filhos ou
descendentes
gêmeos dizigóticos
gêmeos
monozigóticos
Probabilidade em Genética
Regra do “E”
A probabilidade de dois ou
mais eventos independentes
ocorrerem simultaneamente é
igual ao produto das
probabilidades de ocorrerem
separadamente.
Regra do “OU”
A probabilidade de dois ou mais
eventos mutuamente exclusivos
ocorrerem é igual a soma das
probabilidades de ocorrerem
separadamente.
Probabilidade é a relação entre um ou mais eventos
esperados e o número de eventos possíveis.
P =
eventos esperados
eventos possíveis
Regra do “e” e do “ou” ao mesmo tempo
        Em certos casos precisamos aplicar tanto a regra do “e”
como a regra do “ou” em nossos cálculos de probabilidade.
Ex.1: No lançamento de duas moedas, qual a probabilidade de se
obter “cara” em uma delas e “coroa” na outra?
       
Note que  pode ocorrer “cara” na primeira moeda E “coroa” na
segunda, OU “coroa” na primeira E “cara” na segunda.
Assim nesse caso se aplica a regra do “e” combinada a regra do
“ou”.
A probabilidade de ocorrer “cara” E “coroa” (1/2 X 1/2 =
1/4) OU
A probabilidade de ocorrer “coroa” e “cara” (1/2 X 1/2 = 1/4)
= (1/4 + 1/4 = 1/2).
1)    Qual a chance de uma gestante ter uma menina?
P= n°de eventos desejáveis = 1 (menina),
n°de eventos possíveis = 2 (menino / menina)
logo, a chance de
nascer menina é de
1/2
Um casal heterozigoto para o albinismo deseja saber
qual a probabilidade deles terem um filho albino e do
sexo masculino?
Casal heterozigoto (Aa x Aa)
A a probabilidade de nascer albino (aa)= 1/4
A AA Aa probablidade de nascer do sexo masculino = 1/2
a Aa aa probabilidade de nascer albino e do sexo masculino 1/4 x 1/2 = 1/8
Na espécie humana, o fenótipo destro é dominante sobre o
canhoto. Qual a probabilidade de um casal heterozigoto
para essa característica ter um filho destro e do sexo
feminino?
Destro = dominante = CC; Cc
Canhoto = recesivo = cc
Casal heterozigoto = Cc x Cc
C c probabilidade de nascer destro (CC; Cc) = 3/4
C CC Cc probablidade de nascer do sexo feminino = 1/2
c Cc cc probabilidade de nascer destro e do sexo feminino =
3/4 x 1/2 = 3/8
A probabilidade de uma criança ser do sexo masculino é ½ e de
ser do sexo feminino também é de ½.
Há duas maneiras de uma casal ter um menino e uma menina:
o primeiro filho ser menino E o segundo filho ser menina (1/2 X
1/2 = 1/4) OU o primeiro ser menina e o segundo ser menino (1/2
X 1/2 = 1/4). A probabilidade final é 1/4 + 1/4 = 2/4, ou 1/2.
Qual a probabilidade de um casal ter dois filhos: um
do sexo feminino e outro do sexo masculino?
Suponhamos que a cor dos olhos seja estabelecida por
pares de genes, onde C seja dominante para olho escuro e
c recessivo para olho claro. Um homem que possua os
olhos escuros, mas com mãe de olhos claros, casou-se
com uma mulher de olhos claros cujo pai possui olhos
escuros. Determine a probabilidade de nascer uma menina
de olhos claros.
Os pares de genes do homem são: C (dominante) e c
(recessivo), pois ele possui olhos escuros, mas a mãe era de
olhos claros. Portanto, olho escuro (Cc).
A probabilidade de um casal ter um filho do sexo
masculino é 0,25. Determine a probabilidade de o
casal ter dois filhos de sexos diferentes. 
Se a chance de ter filho do sexo masculino é de 0,25, então a
chance de ter um filho do sexo feminino será:
Feminino = 1 – 0,25 = 0,75 = 75%
Masculino = 0,25 = 25%
Filhos de sexos diferentes:
Masculino x Feminino = 0,25 * 0,75 = 0,1875
Feminino x Masculino = 0,75 * 0,25 = 0,1875
A chance de ter dois filhos de sexos diferentes é:
Masculino x Feminino ou Feminino x Masculino = 2 * 0,1875 =
0,375 = 37,5%.
Tendo em vista  que a miopia é considerada uma
doença recessiva, determine a probabilidade de
nascer uma criança míope de um casal normal,
heterozigoto para miopia. 
(UECE-CE). Numa família com 9 filhas, a
probabilidade de o décimo filho ser homem é:
a) 50%
b) 70%
c) 80%
d) 90%
e) 25%
O sexo de um filho não depende dos demais, mesmo
tendo 9 filhas a probabilidade de ter o décimo filho
menino é sempre a mesma:
1/2 ou 50%
1a
Lei de Mendel
“Pureza dos Gametas”
“As características dos
indivíduos são condicionadas
por pares de fatores (genes),
que se separam durante a
formação dos gametas, indo
apenas um fator do par para
cada gameta”.
Monoibridismo com Dominância
 Herança condicionada
por um par de alelos.
 Dois fenótipos possíveis
em F2.
 Três genótipos possíveis
em F2.
Proporção fenotípica
3:1
Proporção genotípica
1:2:1
 Ex.: cor das sementes
em ervilhas.
P amarelas x verdes
F1 100% amarelas
F1 amarelas x amarelas
F2 75% amarelas
25% verdes
VV vv
Vv
Vv Vv
VvVV
vv
Monoibridismo sem Dominância
 Herança condicionada
por um par de alelos.
 Três fenótipos possíveis
em F2.
 Três genótipos possíveis
em F2.
Proporção fenotípica
1:2:1
Proporção genotípica
1:2:1
 Ex.: cor das flores em
Maravilha.
P vermelhas x brancas
F1 100% rosas
F1 rosas x rosas
F2 25% vermelhas
50% rosas
25% brancas
VV BB
VB
VB VB
VV
VB
BB
Genes Letais
 Provocam a morte ou não desenvolvimento do
embrião.
 Determinam um desvio nas proporções fenotípicas
esperadas, geralmente 2:1.
Aa Aa
Aa Aa aaAA
Cruzamento-Teste
 Utilizado para se saber se um indivíduo com
fenótipo dominante é homozigoto ou heterozigoto.
 Consiste em cruzar o indivíduo em questão com um
indivíduo com fenótipo recessivo e analisar as
proporções fenotípicas nos descendentes.
 Obtendo-se 100% de indivíduos dominantes, o
testado é, com certeza, homozigoto.
 Obtendo-se 50% de dominantes e 50% de
recessivos, então o testado é heterozigoto.
 Quando é utilizado o genitor recessivo para o
teste o processo é chamado de retrocruzamento
ou back-cross.
Alelos Múltiplos (Polialelia)
 Herança determinada por 3 ou mais alelos que
condicionam um só caráter, obedecendo os padrões
mendelianos.
 Cada indivíduo tem, no genótipo, apenas dois alelos, um
de origem paterna e outro de origem materna.
 Novos alelos surgem por mutações que provocam
alterações na proteína original.
Alelos Múltiplos (Polialelia)
Ex.: Cor da pelagem em
coelhos.
4 alelos
 C  selvagem (aguti).
 cch
 chinchila.
 ch
 himalaia.
 ca
 albino.
C > cch
> ch
> ca
C _
cch
_
ch
_
ca
ca
Grupos Sangüíneos
 Determinado por proteínas presentes no plasma ou nas
hemácias.
 Conhecimento importante nas transfusões, medicina
legal, estudos étnicos, etc.
 Transfusões baseadas nas relações antígeno/anticorpo.
A herança obedece os padrões mendelianos:
 Sistema ABO  Polialelia e codominância.
 Sistema Rh  Monoibridismo com dominância.
 Sistema MN  Monoibridismo sem dominância.
Sistema ABO
Grupo Sangüíneo Aglutinogênio nas
hemácias
Aglutinina no
plasma
A A Anti-B
B B Anti-A
AB A e B -
O - Anti-A e Anti-B
DoaçõesDoações
O
A B
AB
Sistema ABO
Os grupos do sistema ABO são determinados por uma
série de 3 alelos, IA
, IB
e i onde:
 Gene IA
determina a produção do aglutinogênio A.
 Gene IB
determina a produção do aglutinogênio B.
 Gene i determina a não produção de aglutinogênios.
Fenótipos Genótipos
Grupo A IA
IA
ou IA
i
Grupo B IB
IB
ou IB
i
Grupo AB IA
IB
Grupo O ii
IIAA
= I= IBB
> i> i
Sistema Rh
Fator RhFator Rh  Proteína encontrada nas hemácias que pode
agir como antígeno se for inserida em indivíduos que não
a possuam.
Rh+
 indivíduos que possuem a proteína.
Rh-
 indivíduos que não possuem a proteína.
DoaçõesDoações
Rh-
Rh+
Fenótipos Genótipos
Rh+
RR ou Rr
Rh-
rr
Eritroblastose Fetal
Doença Hemolítica do Recém Nascido
Condições: Mãe: Rh-
; Pai: Rh+
; Criança: Rh+
Sistema MN
 Proteínas presentes nas hemácias que não são levadas em
conta nas transfusões sangüíneas.
 Geneticamente é um caso de codominância.
 Grupo M: produz a proteína M.
 Grupo N: produz a proteína N.
 Grupo MN: produz as duas proteínas.
Fenótipos Genótipos
M LM
LM
N LN
LN
MN LM
LN
DoaçõesDoações
M N
MN
Genética Relacionada ao Sexo
 Heranças determinadas por genes localizados nos
cromossomos sexuais (alossomos) ou por genes
autossômicos mas cujo efeito sofre influência dos
hormônios sexuais.
As principais são:
 Herança ligada ao sexo: genes localizados na porção
não homóloga do cromossomo X.
 Herança restrita ao sexo: localizada na porção não
homóloga do cromossomo Y.
 Herança influenciada pelo sexo: genes localizados em
cromossomos autossomos que sofrem influência dos
hormônios sexuais.
Determinação do Sexo
na Espécie Humana A espécie humana apresenta 23 pares de
cromossomos. 22 pares são autossomos e
não tem relação direta com a determinação
do sexo. Um par, chamado de alossomos (X e
Y), são os cromossomos sexuais.
 A mulher apresenta dois alossomos X e é
chamada de sexo homogamético, pois seus
gametas sempre terão o cromossomo X.
 O homem apresenta um X e um Y e é o sexo
heterogamético, pois seus gametas serão
metade com cromossomo X e metade com
cromossomo Y.
 Na mulher, um dos cromossomos X em cada
célula permanece inativo e se constitui na
cromatina sexual ou corpúsculo de Barr.
Herança Ligada ao Sexo
 Genes localizados na porção
não homóloga do cromossomo
X.
 Quando dominantes, o caráter
é transmitido pelas mães a
todos os descendentes e pelos
pais somente às filhas.
 Quando recessivos, o caráter
é transmitido pelas mães aos
filhos homens. As meninas só
terão a característica se o pai
também a tiver.
 Ex.: Daltonismo e Hemofilia.
Herança Ligada ao Sexo
Daltonismo
 Anomalia visual recessiva em que o indivíduo tem
deficiência na distinção das cores vermelha ou verde.
 Os homens daltônicos (8%) tem um gene Xd
pois são
hemizigotos e as mulheres daltônicas (0,64%) devem ser
homozigotas recessivas.
Fenótipo Genótipo
Mulher normal XD
XD
Mulher portadora XD
Xd
Mulher daltônica Xd
Xd
Homem normal XD
Y
Homem daltônico Xd
Y
Herança Ligada ao Sexo
Hemofilia
 Anomalia que provoca a falta de coagulação do sangue.
 Homens hemofílicos são hemizigotos (1/10.000) e
mulheres hemofílicas são homozigotas recessivas
(1/100.000.000).
Fenótipos Genótipos
Mulher normal XH
XH
Mulher portadora XH
Xh
Mulher hemofílica Xh
Xh
Homem normal XH
Y
Homem hemofílico Xh
Y
Genética Relacionada ao Sexo
Herança Restrita ao
Sexo
 Genes localizados na
porção não homóloga
do cromossomo Y.
 Genes Holândricos.
 Só ocorrem no sexo
masculino.
 Ex.: Hipertricose
auricular.
Herança Limitada pelo
Sexo
 Genes autossômicos
cujo efeito sofre
influência dos
hormônios sexuais.
 Só se manifestam em
um dos sexos.
 Ex.: Produção de leite
em bovinos.
Herança Influenciada pelo Sexo
 Genes autossômicos cujo efeito sofre influência dos
hormônios sexuais.
 Comportamento diferente em cada sexo, agindo como
dominante em um e como recessivo em outro (variação de
dominância).
 Ex.: Calvície (alopecia).
Genótipos Fenótipos
CC Homem calvo Mulher calva
Cc Homem calvo Mulher não-calva
cc Homem não-calvo Mulher não-calva
Prováveis Tipos de Herança
Autossômica recessiva Autossômica dominante
Ligada ao Y (holândrica)
Prováveis Tipos de Herança
Ligada ao X recessiva
Ligada ao X dominante
2a
Lei de Mendel
“Segregação Independente”“Na herança de duas ou mais características, os fatores,
segregados na formação dos gametas, não se fundem no
híbrido, mas se distribuem independentemente nos
gametas segundo todas as combinações possíveis”.
Diibridismo
 Herança determinada por dois pares de alelos independentes
que condicionam duas características.
 Quatro fenótipos diferentes são encontrados em F2,
combinando os caracteres dominantes e recessivos.
 A proporção fenotípica clássica em F2 é 9:3:3:1.
 Ex.: cruzamento de sementes de ervilhas amarelas/lisas
(puras) com verdes/rugosas (puras).
P amarelas/lisas x verdes/rugosas
F1 100% amarelas/lisas (híbridas)
F1 amarelas/lisas x amarelas/lisas
VVRR vvrr
VvRr
VvRr VvRr
Diibridismo
amarelas/lisas verdes/lisas
amarelas/rugosas verdes/rugosas
Gametas
da F1
VR Vr vR vr
VR VVRR VVRr VvRR VvRr
Vr VVRr VVrr VvRr Vvrr
vR VvRR VvRr vvRR vvRr
vr VvRr Vvrr vvRr vvrr
Proporção
Fenotípica
em F2
16
9
16
3
16
3
16
1
Poliibridismo
 Quando são analisados mais de dois pares de alelos que
condicionam mais de duas características, temos o
triibridismo, tetraibridismo, etc, que constituem o
poliibridismo.
 Para se calcular o número de gametas diferentes
produzidos por um poliíbrido se utiliza a fórmula 2n
, onde n
é o número de pares de genes heterozigotos (híbridos).
Ex.: Quantos gametas diferentes forma o genótipo
AaBBCcddEe
Número de híbridos: 3
Número de gametas = 23
= 8 gametas diferentes
Genética Moderna
(Pós-Mendeliana)
 Heranças que se afastam, pouco ou muito, dos processos
descritos por Mendel em seus trabalhos.
 As proporções fenotípicas podem variar em relação às
proporções clássicas da genética mendeliana.
 Herança Qualitativa: O fenótipo depende de quais genes
estão presentes no genótipo. Ex.: interações gênicas (genes
complementares e epistasia) e pleiotropia.
 Herança Quantitativa: O fenótipo depende de quantos
genes dominantes estão presentes no genótipo. Ex.:
polimeria.
Interações Gênicas
Genes complementares
 Genes com segregação
independente que agem em
conjunto para determinar
um fenótipo.
 Ex.: forma das cristas em
galináceos.
Fenótipos Genótipos
crista noz R_E_
crista rosa R_ee
crista ervilha rrE_
crista simples rree
Interações Gênicas
Epistasia
 Interação em que um par de
genes inibe que outro par,
não alelo, manifeste seu
caráter.
 A epistasia pode ser
dominante ou recessiva.
 O gene inibidor é chamado
de epistático e o inibido é o
hipostático.
 Ex.: Cor da penas em
galináceos.
 Gene C  penas coloridas.
 Gene c  penas brancas.
 Gene I  epistático sobre
gene C.
Fenótipos Genótipos
Penas
coloridas
C_ii
Penas cc_ _
brancas C_I_
Pleiotropia
 Herança em que um único par de genes condiciona várias
características simultaneamente.
 Efeito múltiplo de um gene.
Exemplos:
 Síndrome de Lawrence-Moon: obesidade, oligofrenia,
polidactilia e hipogonadismo.
 Síndrome de Marfan: defeitos cardíacos, problemas
visuais, aracnodactilia.
 Fenilcetonúria: deficiência mental, convulsões, icterícia,
queda de cabelo, urina muito concentrada.
Polimeria
 Herança Quantitativa onde ocorre efeito cumulativo na ação
de vários pares de genes.
 Há uma variação fenotípica gradual e contínua entre um valor
mínimo e um valor máximo, devida a adição de genes
dominantes no genótipo, seguindo uma curva normal de
distribuição.
 Ex.: altura, peso, cor da pele, cor dos olhos, grau de
inteligência, altura de plantas, produção de leite em bovinos,
comprimento de pelos, etc.
 Para se saber o número de fenótipos ou quantos pares de
genes estão envolvidos são utilizados modelos matemáticos.
número de poligenes = número de fenótipos - 1
número de fenótipos = número de poligenes + 1
Herança Quantitativa
Cor da Pele em Humanos
Fenótipos Genótipos
Negro SSTT
Mulato Escuro
SsTT
SSTt
Mulato Médio
SsTt
SStt
ssTT
Mulato Claro
Sstt
ssTt
Branco sstt
1
2
3
2
1
Negro
Mulato Escuro
Mulato Médio
Mulato Claro
Branco
Genética de Populações
 Estuda, matematicamente, as freqüências
dos genes em uma população e as forças
evolutivas que as modificam.
 Pool Gênico: genes comuns a uma mesma
população, acervo genético ou gene pool.
 Uma população estará em equilíbrio genético
quando seu pool gênico se mantiver
inalterado por gerações sucessivas.
 Havendo alterações no acervo gênico, se diz
que a população está evoluindo.
Genética de Populações
Teorema de Hardy-Weinberg
Em populações infinitamente grandes, com
cruzamentos ao acaso (panmítica), que não
estiverem sofrendo influência dos fatores
evolutivos (mutações, seleção natural,
migrações, etc...), não haverá alteração do pool
gênico, isto é, as freqüências gênicas e
genotípicas se manterão constantes.
O Teorema de Hardy-Weinberg
 Numa população em equilíbrio, para uma determinada
característica existem dois genes, o dominante (A) e o
recessivo (a).
 A soma das freqüências dos dois genes (freqüência
gênica) na população é 100%.
f(A) + f(a) = 100%
 Sendo, f(A) = p e f(a) = q, então:
p + q = 1
O Teorema de Hardy-Weinberg
 Na mesma população existem 3 genótipos possíveis:
homozigoto dominante (AA), heterozigoto (Aa) e
homozigoto recessivo (aa).
 A soma das freqüências do 3 genótipos (freqüência
genotípica) na população é 100%.
f(AA) + f(Aa) + f(aa) = 100%
 Sendo, f(AA) = p2
, f(Aa) = 2pq e f(aa) = q2
, então:
p2
+ 2pq + q2
= 1
O Teorema de Hardy-Weinberg
Aplicação
 Uma população em equilíbrio está assim
distribuída para um determinado par de alelos:
 Quais as freqüências gênicas e genotípicas?
AA 640 indivíduos
Aa 320 indivíduos
aa 40 indivíduos
Total 1.000 indivíduos
O Teorema de Hardy-Weinberg
Aplicação
Freqüências Gênicas:
Número total de genes = 2.000
Número de genes A = 1.280 + 320 = 1.600
Número de genes a = 80 + 320 = 400
f(A) = p = 1.600/2.000 = 0,8 ou 80%
f(a) = q = 400/2.000 = 0,2 ou 20%
O Teorema de Hardy-Weinberg
Aplicação
Freqüências Genotípicas
f(A) = p = 0,8
f(a) = q = 0,2
f(AA) = p2
= (0,8)2
= 0,64 ou 64%
f(Aa) = 2pq = 2(0,8x0,2) = 0,32 ou 32%
f(aa) = q2
= (0,2)2
= 0,04 ou 4%
Genes Ligados - Linkage
 Quando dois ou mais genes,
responsáveis por diferentes
características, estão localizados em
um mesmo cromossomo, a herança é
chamada de Vinculação Gênica.
 Nestes casos a quantidade de gametas
e portanto a freqüência da
descendência apresentarão diferenças
em relação ao diibridismo já que a
incidência do crossing-over será
fundamental.
 Crossing-Over ou permuta é a troca de
partes entre cromossomos homólogos
durante a meiose e é um dos principais
fatores para a variabilidade genética.
Comparação
Diibridismo/Linkage
Diibridismo (AaBb)
A a B b
Gametas
A B A b a B a b
25% 25% 25% 25%
Comparação
Diibridismo/Linkage
Linkage (AaBb)
A
B
a
b
Gametas
A
B
a
b
A
b
a
B
Parentais Recombinantes
Genes Ligados - Linkage
 Na herança dos genes ligados, a freqüência dos gametas de
um heterozigoto depende da taxa de crossing-over ou taxa
de recombinação que ocorre entre os cromossomos
homólogos.
 Os Gametas Parentais são formados mesmo que não haja
recombinação e aparecem em maior quantidade.
 Os Gametas Recombinantes são formados apenas se houver
permuta e aparecem em menor quantidade.
 A Taxa de Crossing é expressa em porcentagem e
corresponde a freqüência de gametas recombinantes
formados na gametogênese.
Genes Ligados - Linkage
 Na vinculação gênica a posição dos genes no
heterozigoto (AaBb) pode ser Cis ou Trans.
 Estas posições também podem ser utilizadas para se
definir quem são os gametas parentais e os
recombinantes.
A B
a b
Posição CIS
A b
a B
Posição TRANS
Mapeamento Genético
 Mapa genético ou cromossômico é a representação da
posição dos genes no cromossomo.
 Está diretamente relacionada a taxa de crossing.
 Unidades de Recombinação (U.R.) ou Morganídeos (M)
são as unidades usadas para determinar a posição dos
genes no cromossomo e correspondem a taxa de
crossing.
 Exemplo: Em um cromossomo há a seguinte freqüência
de recombinação entre os genes A,B,C e D:
A-B  45% A-C  20% C-B  25%
B-D  5% C-D  20% A-D  40%
Qual a posição dos genes no cromossomo?
Mapeamento Genético
A C D B
45M
40M
20M 20M 5M

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Aula 13 lei da segregação
Aula 13   lei da segregaçãoAula 13   lei da segregação
Aula 13 lei da segregação
 
Heredograma
HeredogramaHeredograma
Heredograma
 
Aula 17 herança dos cromossomos sexuais
Aula 17   herança dos cromossomos sexuaisAula 17   herança dos cromossomos sexuais
Aula 17 herança dos cromossomos sexuais
 
Genética pos mendel 2013
Genética pos mendel  2013Genética pos mendel  2013
Genética pos mendel 2013
 
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
 
Genetica conceitos basicos
Genetica conceitos  basicosGenetica conceitos  basicos
Genetica conceitos basicos
 
Bases heranca genetica
Bases heranca geneticaBases heranca genetica
Bases heranca genetica
 
Pelagem de cobaias
Pelagem de cobaiasPelagem de cobaias
Pelagem de cobaias
 
1ª lei de mendel aprofundamento
1ª lei de mendel aprofundamento1ª lei de mendel aprofundamento
1ª lei de mendel aprofundamento
 
Aula 4 heredogramas
Aula 4 heredogramasAula 4 heredogramas
Aula 4 heredogramas
 
Genética humana
Genética humanaGenética humana
Genética humana
 
Genética pós Mendel
Genética pós MendelGenética pós Mendel
Genética pós Mendel
 
prof. Paulo Roberto Genética Enem Biologia exercício
prof. Paulo Roberto Genética Enem Biologia exercícioprof. Paulo Roberto Genética Enem Biologia exercício
prof. Paulo Roberto Genética Enem Biologia exercício
 
A herança autossômica monogênica
A herança autossômica monogênica A herança autossômica monogênica
A herança autossômica monogênica
 
Genetica ii
Genetica iiGenetica ii
Genetica ii
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
Genetica vi 2012
Genetica vi 2012Genetica vi 2012
Genetica vi 2012
 
Genética Humana
Genética HumanaGenética Humana
Genética Humana
 
Probabilidades e heredogramas
Probabilidades e heredogramasProbabilidades e heredogramas
Probabilidades e heredogramas
 

Semelhante a Genetica

Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre GenéticaSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre GenéticaTurma Olímpica
 
Transmissão de características hereditárias
Transmissão de características hereditáriasTransmissão de características hereditárias
Transmissão de características hereditáriasCatir
 
Introdução à genética
Introdução à genéticaIntrodução à genética
Introdução à genéticaAndrey Moreira
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introduçãoDalu Barreto
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introduçãoDalu Barreto
 
Genetica conceitos basicos
Genetica conceitos  basicosGenetica conceitos  basicos
Genetica conceitos basicosJosEzequiel2
 
Transmisso de-caractersticas-hereditrias-1193889302144183-2
Transmisso de-caractersticas-hereditrias-1193889302144183-2Transmisso de-caractersticas-hereditrias-1193889302144183-2
Transmisso de-caractersticas-hereditrias-1193889302144183-2Pelo Siro
 
genetica conceitos basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
genetica conceitos  basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).pptgenetica conceitos  basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
genetica conceitos basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).pptHerminioMendes3
 
2ª Lei de Mendel e heranças ligadas ao sexo.pptx
2ª Lei de Mendel e heranças ligadas ao sexo.pptx2ª Lei de Mendel e heranças ligadas ao sexo.pptx
2ª Lei de Mendel e heranças ligadas ao sexo.pptxJessicaCarolinadaCos1
 
1 patrimonio-genetico
1 patrimonio-genetico1 patrimonio-genetico
1 patrimonio-geneticoSabina Tique
 
Genetica conceitos basicos
Genetica conceitos  basicosGenetica conceitos  basicos
Genetica conceitos basicosCleuni Wiggers
 
Genetica conceitos basicos
Genetica conceitos  basicosGenetica conceitos  basicos
Genetica conceitos basicoswivonei
 

Semelhante a Genetica (20)

Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre GenéticaSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
 
Transmissão de características hereditárias
Transmissão de características hereditáriasTransmissão de características hereditárias
Transmissão de características hereditárias
 
Introdução à genética
Introdução à genéticaIntrodução à genética
Introdução à genética
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
Genetica 01- Introdução
Genetica 01- Introdução Genetica 01- Introdução
Genetica 01- Introdução
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introdução
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introdução
 
Genetica 110513181400-phpapp01
Genetica 110513181400-phpapp01Genetica 110513181400-phpapp01
Genetica 110513181400-phpapp01
 
Genetica conceitos basicos
Genetica conceitos  basicosGenetica conceitos  basicos
Genetica conceitos basicos
 
Transmisso de-caractersticas-hereditrias-1193889302144183-2
Transmisso de-caractersticas-hereditrias-1193889302144183-2Transmisso de-caractersticas-hereditrias-1193889302144183-2
Transmisso de-caractersticas-hereditrias-1193889302144183-2
 
B11_morgan.pptx
B11_morgan.pptxB11_morgan.pptx
B11_morgan.pptx
 
genetica conceitos basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
genetica conceitos  basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).pptgenetica conceitos  basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
genetica conceitos basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
 
2ª Lei de Mendel e heranças ligadas ao sexo.pptx
2ª Lei de Mendel e heranças ligadas ao sexo.pptx2ª Lei de Mendel e heranças ligadas ao sexo.pptx
2ª Lei de Mendel e heranças ligadas ao sexo.pptx
 
9º 4.1
9º 4.19º 4.1
9º 4.1
 
1 patrimonio-genetico
1 patrimonio-genetico1 patrimonio-genetico
1 patrimonio-genetico
 
Aula 3 primeira lei de mendel
Aula 3  primeira lei de mendelAula 3  primeira lei de mendel
Aula 3 primeira lei de mendel
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Genetica conceitos basicos
Genetica conceitos  basicosGenetica conceitos  basicos
Genetica conceitos basicos
 
Genetica conceitos basicos
Genetica conceitos  basicosGenetica conceitos  basicos
Genetica conceitos basicos
 

Último

Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfAntonio Barros
 

Último (20)

Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 

Genetica

  • 1. Genética Francisco J C Maciel www.mafransinop.blogspot.com WhatsApp – 66 996047183
  • 2. Conceito Gerais Gene: fragmento de DNA que pode ser transcrito na síntese de proteínas. Locus (Loco): local, no cromossomo, onde se encontra o gene. Alelos: genes que ocupam o mesmo locus em cromossomos homólogos. Homólogos: cromossomos que possuem genes para as mesmas características.
  • 3. Genótipo: conjunto de genes de um indivíduo. Fenótipo: expressão do genótipo + o ambiente. Fenocópia: fenótipo modificado semelhante a um existente. Gene Letal: com efeito mortal.
  • 4. Gene Dominante: aquele que sempre que está presente se manifesta. Gene Recessivo: aquele que só se manifesta na ausência do dominante. Homozigoto ou Puro: indivíduo que apresenta alelos iguais para um ou mais caracteres. Heterozigoto ou Híbrido: indivíduo que apresenta alelos diferentes para um ou mais caracteres.
  • 5. Genealogias ou Heredogramas sexo masculino sexo feminino sexo desconhecido casamento ou cruzamento casamento ou cruzamento consangüíneo indivíduos que apresentam o caráter estudado filhos ou descendentes gêmeos dizigóticos gêmeos monozigóticos
  • 6. Probabilidade em Genética Regra do “E” A probabilidade de dois ou mais eventos independentes ocorrerem simultaneamente é igual ao produto das probabilidades de ocorrerem separadamente. Regra do “OU” A probabilidade de dois ou mais eventos mutuamente exclusivos ocorrerem é igual a soma das probabilidades de ocorrerem separadamente. Probabilidade é a relação entre um ou mais eventos esperados e o número de eventos possíveis. P = eventos esperados eventos possíveis
  • 7. Regra do “e” e do “ou” ao mesmo tempo         Em certos casos precisamos aplicar tanto a regra do “e” como a regra do “ou” em nossos cálculos de probabilidade. Ex.1: No lançamento de duas moedas, qual a probabilidade de se obter “cara” em uma delas e “coroa” na outra?         Note que  pode ocorrer “cara” na primeira moeda E “coroa” na segunda, OU “coroa” na primeira E “cara” na segunda. Assim nesse caso se aplica a regra do “e” combinada a regra do “ou”. A probabilidade de ocorrer “cara” E “coroa” (1/2 X 1/2 = 1/4) OU A probabilidade de ocorrer “coroa” e “cara” (1/2 X 1/2 = 1/4) = (1/4 + 1/4 = 1/2).
  • 8. 1)    Qual a chance de uma gestante ter uma menina? P= n°de eventos desejáveis = 1 (menina), n°de eventos possíveis = 2 (menino / menina) logo, a chance de nascer menina é de 1/2
  • 9. Um casal heterozigoto para o albinismo deseja saber qual a probabilidade deles terem um filho albino e do sexo masculino? Casal heterozigoto (Aa x Aa) A a probabilidade de nascer albino (aa)= 1/4 A AA Aa probablidade de nascer do sexo masculino = 1/2 a Aa aa probabilidade de nascer albino e do sexo masculino 1/4 x 1/2 = 1/8
  • 10. Na espécie humana, o fenótipo destro é dominante sobre o canhoto. Qual a probabilidade de um casal heterozigoto para essa característica ter um filho destro e do sexo feminino? Destro = dominante = CC; Cc Canhoto = recesivo = cc Casal heterozigoto = Cc x Cc C c probabilidade de nascer destro (CC; Cc) = 3/4 C CC Cc probablidade de nascer do sexo feminino = 1/2 c Cc cc probabilidade de nascer destro e do sexo feminino = 3/4 x 1/2 = 3/8
  • 11. A probabilidade de uma criança ser do sexo masculino é ½ e de ser do sexo feminino também é de ½. Há duas maneiras de uma casal ter um menino e uma menina: o primeiro filho ser menino E o segundo filho ser menina (1/2 X 1/2 = 1/4) OU o primeiro ser menina e o segundo ser menino (1/2 X 1/2 = 1/4). A probabilidade final é 1/4 + 1/4 = 2/4, ou 1/2. Qual a probabilidade de um casal ter dois filhos: um do sexo feminino e outro do sexo masculino?
  • 12. Suponhamos que a cor dos olhos seja estabelecida por pares de genes, onde C seja dominante para olho escuro e c recessivo para olho claro. Um homem que possua os olhos escuros, mas com mãe de olhos claros, casou-se com uma mulher de olhos claros cujo pai possui olhos escuros. Determine a probabilidade de nascer uma menina de olhos claros.
  • 13. Os pares de genes do homem são: C (dominante) e c (recessivo), pois ele possui olhos escuros, mas a mãe era de olhos claros. Portanto, olho escuro (Cc).
  • 14. A probabilidade de um casal ter um filho do sexo masculino é 0,25. Determine a probabilidade de o casal ter dois filhos de sexos diferentes. 
  • 15. Se a chance de ter filho do sexo masculino é de 0,25, então a chance de ter um filho do sexo feminino será: Feminino = 1 – 0,25 = 0,75 = 75% Masculino = 0,25 = 25% Filhos de sexos diferentes: Masculino x Feminino = 0,25 * 0,75 = 0,1875 Feminino x Masculino = 0,75 * 0,25 = 0,1875 A chance de ter dois filhos de sexos diferentes é: Masculino x Feminino ou Feminino x Masculino = 2 * 0,1875 = 0,375 = 37,5%.
  • 16. Tendo em vista  que a miopia é considerada uma doença recessiva, determine a probabilidade de nascer uma criança míope de um casal normal, heterozigoto para miopia. 
  • 17.
  • 18. (UECE-CE). Numa família com 9 filhas, a probabilidade de o décimo filho ser homem é: a) 50% b) 70% c) 80% d) 90% e) 25%
  • 19. O sexo de um filho não depende dos demais, mesmo tendo 9 filhas a probabilidade de ter o décimo filho menino é sempre a mesma: 1/2 ou 50%
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. 1a Lei de Mendel “Pureza dos Gametas” “As características dos indivíduos são condicionadas por pares de fatores (genes), que se separam durante a formação dos gametas, indo apenas um fator do par para cada gameta”.
  • 25. Monoibridismo com Dominância  Herança condicionada por um par de alelos.  Dois fenótipos possíveis em F2.  Três genótipos possíveis em F2. Proporção fenotípica 3:1 Proporção genotípica 1:2:1  Ex.: cor das sementes em ervilhas. P amarelas x verdes F1 100% amarelas F1 amarelas x amarelas F2 75% amarelas 25% verdes VV vv Vv Vv Vv VvVV vv
  • 26. Monoibridismo sem Dominância  Herança condicionada por um par de alelos.  Três fenótipos possíveis em F2.  Três genótipos possíveis em F2. Proporção fenotípica 1:2:1 Proporção genotípica 1:2:1  Ex.: cor das flores em Maravilha. P vermelhas x brancas F1 100% rosas F1 rosas x rosas F2 25% vermelhas 50% rosas 25% brancas VV BB VB VB VB VV VB BB
  • 27. Genes Letais  Provocam a morte ou não desenvolvimento do embrião.  Determinam um desvio nas proporções fenotípicas esperadas, geralmente 2:1. Aa Aa Aa Aa aaAA
  • 28. Cruzamento-Teste  Utilizado para se saber se um indivíduo com fenótipo dominante é homozigoto ou heterozigoto.  Consiste em cruzar o indivíduo em questão com um indivíduo com fenótipo recessivo e analisar as proporções fenotípicas nos descendentes.  Obtendo-se 100% de indivíduos dominantes, o testado é, com certeza, homozigoto.  Obtendo-se 50% de dominantes e 50% de recessivos, então o testado é heterozigoto.  Quando é utilizado o genitor recessivo para o teste o processo é chamado de retrocruzamento ou back-cross.
  • 29. Alelos Múltiplos (Polialelia)  Herança determinada por 3 ou mais alelos que condicionam um só caráter, obedecendo os padrões mendelianos.  Cada indivíduo tem, no genótipo, apenas dois alelos, um de origem paterna e outro de origem materna.  Novos alelos surgem por mutações que provocam alterações na proteína original.
  • 30. Alelos Múltiplos (Polialelia) Ex.: Cor da pelagem em coelhos. 4 alelos  C  selvagem (aguti).  cch  chinchila.  ch  himalaia.  ca  albino. C > cch > ch > ca C _ cch _ ch _ ca ca
  • 31. Grupos Sangüíneos  Determinado por proteínas presentes no plasma ou nas hemácias.  Conhecimento importante nas transfusões, medicina legal, estudos étnicos, etc.  Transfusões baseadas nas relações antígeno/anticorpo. A herança obedece os padrões mendelianos:  Sistema ABO  Polialelia e codominância.  Sistema Rh  Monoibridismo com dominância.  Sistema MN  Monoibridismo sem dominância.
  • 32. Sistema ABO Grupo Sangüíneo Aglutinogênio nas hemácias Aglutinina no plasma A A Anti-B B B Anti-A AB A e B - O - Anti-A e Anti-B DoaçõesDoações O A B AB
  • 33. Sistema ABO Os grupos do sistema ABO são determinados por uma série de 3 alelos, IA , IB e i onde:  Gene IA determina a produção do aglutinogênio A.  Gene IB determina a produção do aglutinogênio B.  Gene i determina a não produção de aglutinogênios. Fenótipos Genótipos Grupo A IA IA ou IA i Grupo B IB IB ou IB i Grupo AB IA IB Grupo O ii IIAA = I= IBB > i> i
  • 34. Sistema Rh Fator RhFator Rh  Proteína encontrada nas hemácias que pode agir como antígeno se for inserida em indivíduos que não a possuam. Rh+  indivíduos que possuem a proteína. Rh-  indivíduos que não possuem a proteína. DoaçõesDoações Rh- Rh+ Fenótipos Genótipos Rh+ RR ou Rr Rh- rr
  • 35. Eritroblastose Fetal Doença Hemolítica do Recém Nascido Condições: Mãe: Rh- ; Pai: Rh+ ; Criança: Rh+
  • 36. Sistema MN  Proteínas presentes nas hemácias que não são levadas em conta nas transfusões sangüíneas.  Geneticamente é um caso de codominância.  Grupo M: produz a proteína M.  Grupo N: produz a proteína N.  Grupo MN: produz as duas proteínas. Fenótipos Genótipos M LM LM N LN LN MN LM LN DoaçõesDoações M N MN
  • 37. Genética Relacionada ao Sexo  Heranças determinadas por genes localizados nos cromossomos sexuais (alossomos) ou por genes autossômicos mas cujo efeito sofre influência dos hormônios sexuais. As principais são:  Herança ligada ao sexo: genes localizados na porção não homóloga do cromossomo X.  Herança restrita ao sexo: localizada na porção não homóloga do cromossomo Y.  Herança influenciada pelo sexo: genes localizados em cromossomos autossomos que sofrem influência dos hormônios sexuais.
  • 38. Determinação do Sexo na Espécie Humana A espécie humana apresenta 23 pares de cromossomos. 22 pares são autossomos e não tem relação direta com a determinação do sexo. Um par, chamado de alossomos (X e Y), são os cromossomos sexuais.  A mulher apresenta dois alossomos X e é chamada de sexo homogamético, pois seus gametas sempre terão o cromossomo X.  O homem apresenta um X e um Y e é o sexo heterogamético, pois seus gametas serão metade com cromossomo X e metade com cromossomo Y.  Na mulher, um dos cromossomos X em cada célula permanece inativo e se constitui na cromatina sexual ou corpúsculo de Barr.
  • 39. Herança Ligada ao Sexo  Genes localizados na porção não homóloga do cromossomo X.  Quando dominantes, o caráter é transmitido pelas mães a todos os descendentes e pelos pais somente às filhas.  Quando recessivos, o caráter é transmitido pelas mães aos filhos homens. As meninas só terão a característica se o pai também a tiver.  Ex.: Daltonismo e Hemofilia.
  • 40. Herança Ligada ao Sexo Daltonismo  Anomalia visual recessiva em que o indivíduo tem deficiência na distinção das cores vermelha ou verde.  Os homens daltônicos (8%) tem um gene Xd pois são hemizigotos e as mulheres daltônicas (0,64%) devem ser homozigotas recessivas. Fenótipo Genótipo Mulher normal XD XD Mulher portadora XD Xd Mulher daltônica Xd Xd Homem normal XD Y Homem daltônico Xd Y
  • 41. Herança Ligada ao Sexo Hemofilia  Anomalia que provoca a falta de coagulação do sangue.  Homens hemofílicos são hemizigotos (1/10.000) e mulheres hemofílicas são homozigotas recessivas (1/100.000.000). Fenótipos Genótipos Mulher normal XH XH Mulher portadora XH Xh Mulher hemofílica Xh Xh Homem normal XH Y Homem hemofílico Xh Y
  • 42. Genética Relacionada ao Sexo Herança Restrita ao Sexo  Genes localizados na porção não homóloga do cromossomo Y.  Genes Holândricos.  Só ocorrem no sexo masculino.  Ex.: Hipertricose auricular. Herança Limitada pelo Sexo  Genes autossômicos cujo efeito sofre influência dos hormônios sexuais.  Só se manifestam em um dos sexos.  Ex.: Produção de leite em bovinos.
  • 43. Herança Influenciada pelo Sexo  Genes autossômicos cujo efeito sofre influência dos hormônios sexuais.  Comportamento diferente em cada sexo, agindo como dominante em um e como recessivo em outro (variação de dominância).  Ex.: Calvície (alopecia). Genótipos Fenótipos CC Homem calvo Mulher calva Cc Homem calvo Mulher não-calva cc Homem não-calvo Mulher não-calva
  • 44. Prováveis Tipos de Herança Autossômica recessiva Autossômica dominante Ligada ao Y (holândrica)
  • 45. Prováveis Tipos de Herança Ligada ao X recessiva Ligada ao X dominante
  • 46. 2a Lei de Mendel “Segregação Independente”“Na herança de duas ou mais características, os fatores, segregados na formação dos gametas, não se fundem no híbrido, mas se distribuem independentemente nos gametas segundo todas as combinações possíveis”.
  • 47. Diibridismo  Herança determinada por dois pares de alelos independentes que condicionam duas características.  Quatro fenótipos diferentes são encontrados em F2, combinando os caracteres dominantes e recessivos.  A proporção fenotípica clássica em F2 é 9:3:3:1.  Ex.: cruzamento de sementes de ervilhas amarelas/lisas (puras) com verdes/rugosas (puras). P amarelas/lisas x verdes/rugosas F1 100% amarelas/lisas (híbridas) F1 amarelas/lisas x amarelas/lisas VVRR vvrr VvRr VvRr VvRr
  • 48. Diibridismo amarelas/lisas verdes/lisas amarelas/rugosas verdes/rugosas Gametas da F1 VR Vr vR vr VR VVRR VVRr VvRR VvRr Vr VVRr VVrr VvRr Vvrr vR VvRR VvRr vvRR vvRr vr VvRr Vvrr vvRr vvrr Proporção Fenotípica em F2 16 9 16 3 16 3 16 1
  • 49. Poliibridismo  Quando são analisados mais de dois pares de alelos que condicionam mais de duas características, temos o triibridismo, tetraibridismo, etc, que constituem o poliibridismo.  Para se calcular o número de gametas diferentes produzidos por um poliíbrido se utiliza a fórmula 2n , onde n é o número de pares de genes heterozigotos (híbridos). Ex.: Quantos gametas diferentes forma o genótipo AaBBCcddEe Número de híbridos: 3 Número de gametas = 23 = 8 gametas diferentes
  • 50. Genética Moderna (Pós-Mendeliana)  Heranças que se afastam, pouco ou muito, dos processos descritos por Mendel em seus trabalhos.  As proporções fenotípicas podem variar em relação às proporções clássicas da genética mendeliana.  Herança Qualitativa: O fenótipo depende de quais genes estão presentes no genótipo. Ex.: interações gênicas (genes complementares e epistasia) e pleiotropia.  Herança Quantitativa: O fenótipo depende de quantos genes dominantes estão presentes no genótipo. Ex.: polimeria.
  • 51. Interações Gênicas Genes complementares  Genes com segregação independente que agem em conjunto para determinar um fenótipo.  Ex.: forma das cristas em galináceos. Fenótipos Genótipos crista noz R_E_ crista rosa R_ee crista ervilha rrE_ crista simples rree
  • 52. Interações Gênicas Epistasia  Interação em que um par de genes inibe que outro par, não alelo, manifeste seu caráter.  A epistasia pode ser dominante ou recessiva.  O gene inibidor é chamado de epistático e o inibido é o hipostático.  Ex.: Cor da penas em galináceos.  Gene C  penas coloridas.  Gene c  penas brancas.  Gene I  epistático sobre gene C. Fenótipos Genótipos Penas coloridas C_ii Penas cc_ _ brancas C_I_
  • 53. Pleiotropia  Herança em que um único par de genes condiciona várias características simultaneamente.  Efeito múltiplo de um gene. Exemplos:  Síndrome de Lawrence-Moon: obesidade, oligofrenia, polidactilia e hipogonadismo.  Síndrome de Marfan: defeitos cardíacos, problemas visuais, aracnodactilia.  Fenilcetonúria: deficiência mental, convulsões, icterícia, queda de cabelo, urina muito concentrada.
  • 54. Polimeria  Herança Quantitativa onde ocorre efeito cumulativo na ação de vários pares de genes.  Há uma variação fenotípica gradual e contínua entre um valor mínimo e um valor máximo, devida a adição de genes dominantes no genótipo, seguindo uma curva normal de distribuição.  Ex.: altura, peso, cor da pele, cor dos olhos, grau de inteligência, altura de plantas, produção de leite em bovinos, comprimento de pelos, etc.  Para se saber o número de fenótipos ou quantos pares de genes estão envolvidos são utilizados modelos matemáticos. número de poligenes = número de fenótipos - 1 número de fenótipos = número de poligenes + 1
  • 55. Herança Quantitativa Cor da Pele em Humanos Fenótipos Genótipos Negro SSTT Mulato Escuro SsTT SSTt Mulato Médio SsTt SStt ssTT Mulato Claro Sstt ssTt Branco sstt 1 2 3 2 1 Negro Mulato Escuro Mulato Médio Mulato Claro Branco
  • 56. Genética de Populações  Estuda, matematicamente, as freqüências dos genes em uma população e as forças evolutivas que as modificam.  Pool Gênico: genes comuns a uma mesma população, acervo genético ou gene pool.  Uma população estará em equilíbrio genético quando seu pool gênico se mantiver inalterado por gerações sucessivas.  Havendo alterações no acervo gênico, se diz que a população está evoluindo.
  • 57. Genética de Populações Teorema de Hardy-Weinberg Em populações infinitamente grandes, com cruzamentos ao acaso (panmítica), que não estiverem sofrendo influência dos fatores evolutivos (mutações, seleção natural, migrações, etc...), não haverá alteração do pool gênico, isto é, as freqüências gênicas e genotípicas se manterão constantes.
  • 58. O Teorema de Hardy-Weinberg  Numa população em equilíbrio, para uma determinada característica existem dois genes, o dominante (A) e o recessivo (a).  A soma das freqüências dos dois genes (freqüência gênica) na população é 100%. f(A) + f(a) = 100%  Sendo, f(A) = p e f(a) = q, então: p + q = 1
  • 59. O Teorema de Hardy-Weinberg  Na mesma população existem 3 genótipos possíveis: homozigoto dominante (AA), heterozigoto (Aa) e homozigoto recessivo (aa).  A soma das freqüências do 3 genótipos (freqüência genotípica) na população é 100%. f(AA) + f(Aa) + f(aa) = 100%  Sendo, f(AA) = p2 , f(Aa) = 2pq e f(aa) = q2 , então: p2 + 2pq + q2 = 1
  • 60. O Teorema de Hardy-Weinberg Aplicação  Uma população em equilíbrio está assim distribuída para um determinado par de alelos:  Quais as freqüências gênicas e genotípicas? AA 640 indivíduos Aa 320 indivíduos aa 40 indivíduos Total 1.000 indivíduos
  • 61. O Teorema de Hardy-Weinberg Aplicação Freqüências Gênicas: Número total de genes = 2.000 Número de genes A = 1.280 + 320 = 1.600 Número de genes a = 80 + 320 = 400 f(A) = p = 1.600/2.000 = 0,8 ou 80% f(a) = q = 400/2.000 = 0,2 ou 20%
  • 62. O Teorema de Hardy-Weinberg Aplicação Freqüências Genotípicas f(A) = p = 0,8 f(a) = q = 0,2 f(AA) = p2 = (0,8)2 = 0,64 ou 64% f(Aa) = 2pq = 2(0,8x0,2) = 0,32 ou 32% f(aa) = q2 = (0,2)2 = 0,04 ou 4%
  • 63. Genes Ligados - Linkage  Quando dois ou mais genes, responsáveis por diferentes características, estão localizados em um mesmo cromossomo, a herança é chamada de Vinculação Gênica.  Nestes casos a quantidade de gametas e portanto a freqüência da descendência apresentarão diferenças em relação ao diibridismo já que a incidência do crossing-over será fundamental.  Crossing-Over ou permuta é a troca de partes entre cromossomos homólogos durante a meiose e é um dos principais fatores para a variabilidade genética.
  • 64. Comparação Diibridismo/Linkage Diibridismo (AaBb) A a B b Gametas A B A b a B a b 25% 25% 25% 25%
  • 66. Genes Ligados - Linkage  Na herança dos genes ligados, a freqüência dos gametas de um heterozigoto depende da taxa de crossing-over ou taxa de recombinação que ocorre entre os cromossomos homólogos.  Os Gametas Parentais são formados mesmo que não haja recombinação e aparecem em maior quantidade.  Os Gametas Recombinantes são formados apenas se houver permuta e aparecem em menor quantidade.  A Taxa de Crossing é expressa em porcentagem e corresponde a freqüência de gametas recombinantes formados na gametogênese.
  • 67. Genes Ligados - Linkage  Na vinculação gênica a posição dos genes no heterozigoto (AaBb) pode ser Cis ou Trans.  Estas posições também podem ser utilizadas para se definir quem são os gametas parentais e os recombinantes. A B a b Posição CIS A b a B Posição TRANS
  • 68. Mapeamento Genético  Mapa genético ou cromossômico é a representação da posição dos genes no cromossomo.  Está diretamente relacionada a taxa de crossing.  Unidades de Recombinação (U.R.) ou Morganídeos (M) são as unidades usadas para determinar a posição dos genes no cromossomo e correspondem a taxa de crossing.  Exemplo: Em um cromossomo há a seguinte freqüência de recombinação entre os genes A,B,C e D: A-B  45% A-C  20% C-B  25% B-D  5% C-D  20% A-D  40% Qual a posição dos genes no cromossomo?
  • 69. Mapeamento Genético A C D B 45M 40M 20M 20M 5M