SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Baixar para ler offline
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
X Encontro de Bibliotecas de Famalicão
25 de novembro de 2017
Marisa Pedrosa
Agrupamento de Escolas Alexandre Herculano
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
 “São os livros uns mestres mudos que ensinam sem
fastio, falam verdade sem respeito, repreendem sem pejo,
amigos verdadeiros, conselheiros singelos; e assim como
à força de tratar com pessoas honestas e virtuosas se
adquirem insensivelmente os seus hábitos e costumes,
também à força de ler os livros se aprende a doutrina que
eles ensinam. Forma-se o espírito, nutre-se a alma, com
bons pensamentos; e o coração vem, por fim,
experimentar um prazer tão agradável, que não há nada
com que se compare; e só sabe avaliar quem teve a
fortuna de o possuir.” Padre António Vieira (1608-1697)
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
Aulus Cornelius Celsus, médico romano, séc. I A.C.:
recomendava a leitura e a discussão de obras de
grandes filósofos como terapia, útil tanto no
tratamento das doenças do coração, como para
desenvolver as capacidades críticas dos pacientes.
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
• Nas civilizações egípcio, grega e romana, os textos
religiosos, eram utilizados como função terapêutica;
• Na Primeira Guerra Mundial, foram criadas bibliotecas
nos hospitais campanha;
• No final da 2ª Guerra Mundial, eram recomendadas
leituras, pelos médicos, para que os veteranos
recuperassem do stress pós traumático
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
Biblioterapia Clinica
Médicos, Psicólogos, Psiquiatras
Grupos com doenças emocionais e/ou comportamentais
Biblioterapia de Desenvolvimento
Educadores; professores; professores bibliotecários
Individual/ Grupo para situações de superação
Biblioterapia – Arte
Biblioterapia Moderna que é representada por equipas
mistas de psicólogos e professores bibliotecários
Individual/ Grupo para situações de superação
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
“Um método facilitador do desenvolvimento pessoal e da
resolução de problemas através dos livros”.
( Pherson e McMilaan,2006)
“O recurso a materiais de leitura selecionados como
auxiliares terapêuticos em medicina, psiquiatria e na
orientação de resolução de problemas pessoais através
de leituras orientadas“. ( Merriam Webster Dictionary)
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
 “Ferramenta que apoia o professor na
criação de turmas inclusivas”(Philpot, 1997)
 “O plurarismo interpretativo dos comentários
aos textos deixa claro que cada um pode
manifestar sua verdade e ter sua visão do
mundo. (Caldin,2001)
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
 Promovida por bibliotecários e professores;
 É promotora da leitura, pois as sensações de
bem-estar, de melhoria de relacionamento
consigo próprio e com os outros, de auto-
conhecimento e de prazer e entusiasmo levam
a prolongar os momentos de leitura fora das
sessões de biblioterapia.
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
 Afasta os pensamentos menos
saudáveis;
 Informa;
 Diverte;
 Melhora a reacção dos doentes ao
internamento e aos tratamentos;
 Demonstra interesse pela qualidade
de vida do paciente.
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
“O ser humano vivo é um
corpo falante. O sopro da vida
passa pelo sopro da palavra.
O terapeuta cuida da palavra
que anima e informa o corpo.
Curar alguém é fazer falar e
observar todos os obstáculos
a essa palavra no corpo.
(Ouaknin,1996)
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
Terapia é “cuidado” no sentido
mais amplo possível, é atenção, é
encaminhamento para a cura, é
busca da saúde e da salvação.
(Perissé, 2004).
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
 “Ao realizar as atividades de biblioterapia, entende-se
que o outro não se apresenta de frente, quer dizer, ele
não mostra sua verdadeira face, receia não ser amado
pelo que é, posto que tem defeitos e idiossincrasias. O
cuidado se manifesta, então, na preocupação em
tranquilizar o outro, em mostrar que não se está
fazendo julgamento de condutas nem impondo uma
norma de comportamento.” Clarice Caldin (2009)
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
Dinâmicas
Leitura Individual; Compartilhada ou em Grupo
 Todo o ato de biblioterapia pressupõe uma
exploração posterior, podendo ser diálogo ou
uma actividade lúdica. É importante que, depois
da leitura, possa existir um espaço de
comunicação onde o leitor se reencontra nas suas
emoções, promovendo mudanças conceptuais e
comportamentais.
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
Exemplos
de
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
Blog Francisco José Viegas
Fev 2013
Tenho um sonho, há muito tempo: vender livros nas farmácias.
Livros para a insónia, livros para narcolepsia, livros para a
hipocondria, livros para a anorexia, livros para seja o que for.
Na maior parte dos casos, romances – a verdadeira autoajuda;
em alguns, permitir a automedicação; infelizmente, não estão
autorizados genéricos. A prescrição seria um risco porque há
livros que podem fazer mal à saúde, claro – mas vale a pena
corrê-lo desde que o paciente seja avisado pelo farmacêutico e
assine um termo de responsabilidade.
Há outros que só com prescrição médica, tais são os poderes de
certa literatura. Em ‘O Egípcio’, de Mikka Waltari, por exemplo, o
médico Sinouhe escreve palavras num papiro e dá-as a comer
aos seus doentes porque elas têm "virtudes curativas". Em
Inglaterra, as autoridades do sistema nacional de saúde acabam
de lançar a iniciativa, com a associação de bibliotecários.
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
Na Mindshake vemos o Design Thinking como um mindset que ajuda
a pensar diferentemente, com fluidez, flexibilidade e empatia.
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
 “a) provocar a catarse;
 b) favorecer a identificação com as personagens;
 c) possibilitar a introjeção e a projeção;
 d) aliviar as tensões diárias;
 e) diminuir o stress;
 f) facilitar a socialização h)estimular a
criatividade;
 g) diminuir a timidez;
 h) criar um universo independente da vida
quotidiana;
 i) experimentar sentimentos e emoções em
segurança;
 j) auxiliar a lidar com sentimentos como a raiva
ou a frustração;
 l) mostrar que os problemas são universais e é
preciso aprender a lidar com eles;
 m) facilitar a comunicação; n) auxiliar na
adaptação à vida hospitalar, escolar, prisional,
entre outros; o) desenvolver a maturidade;
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
 Identificação - capacidade de assimilação de um aspecto
ou atributo de outro, ocasionando a transformação total ou
parcial segundo o modelo desse outro;
 Introjecção - capacidade de passar para dentro de si, de
modo fantástico, qualidades do outro;
 Projecção - capacidade de transferência para o outro de
ideias, sentimentos, expectativas e desejos;
 Catarse - capacidade de pacificação das emoções. Este
conceito é especialmente importante para a biblioterapia.
 Humor - manifestação de rebelião do ego contra as
circunstâncias adversas, transformando o objecto de dor
em objecto de prazer.
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
 Alguns autores sugerem como hipótese livros de romances, poesias,
peças teatrais, livros cómicos, na área de filosofia, ética, religião,
arte, história e mesmo literatura científica.
 Quanto ao género de livros a adotar na biblioterapia, para alguns
autores, recai sobre o texto narrativo ficcional.
 A função poética que, implicitamente, permite, sob a forma de
inúmeras metáforas, uma maior margem interpretativa e emocional
por parte do leitor. Segundo Merleau-Ponty (1991 ):
 “Para que as palavras me surpreendam, então, elas adquirem certa
corporeidade mediante uma intencionalidade corporal que se
manifesta pelos gestos e, assim, a significação acontece porque
forneço corpo a uma intenção que se quer grávida de palavras e todo
o esforço para se pegar na mão o pensamento, que habita a palavra,
não deixa entre os dedos senão um pouco de matéria verbal”
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
 10 sessões de leitura de
grupo com crianças dos 4
aos 6 anos, partindo de
livros cujas temáticas
abordavam os medos
característicos da infância,
bem como situações que
conduzem à agressividade
(muitas vezes relacionadas
com o medo)
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
A inteligência emocional é “a capacidade de
reconhecermos os nossos próprios
sentimentos, os sentimentos alheios, de
nos motivarmos e de lidarmos
adequadamente com as relações que
mantemos com os outros e connosco
mesmos.” (Goleman,2000)
“Temos que criar uma sociedade na qual as
excelências possam florescer em
diversidade e em abundância . Melhorar o
elemento reflexivo na educação onde
devemos pensar uma maneira de melhorar
todo o processo educacional, e não somente
uma ou outra das suas partes. Isto significa
também que os estudantes devem participar
deste processo.” (Lipman1995, p.14-15
citado por Elias 2005)
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
“Primeiro fui ver ao dicionário. Tinha que olhar para dentro do medo,
descobrir como é que ele funcionava. Quando se tem um brinquedo e se quer
ver como ele funciona, há sempre a tentação de o abrir e mexer lá dentro,
mesmo sabendo que se pode estragar (para além do raspanete que se calhar
vamos ouvir). Abrir o dicionário era a mesma coisa: tentar perceber o
funcionamento da máquina do medo. E lá estava, escrito assim: “medo:
sentimento desagradável que excita em nós aquilo que parece perigoso,
ameaçador, sobrenatural.». Não gostei, se calhar porque não percebi. (…)
Depois fui aos sinónimos: «Medo: susto, receio, horror, pavor, cagaço,
cobardia, desconfiança, temor, terror, pânico, assombramento….» A lista era
enorme e já me deixava mais satisfeito. Cada palavra daquelas, mesmo que
não me explicasse nada, trazia ao menos recordações, sensações fortes. Eu
lembrava-me de coisas passadas e por vezes até me arrepiava, como se lá
estivesse de novo. Portanto o medo é uma sensação forte: fica marcada no
corpo e na memória. Aconteceu qualquer coisa e, de cada vez que a recordo,
sinto uma tremura pela espinha acima! Isso é medo. Não se consegue muito
bem explicar, aliás é por isso que se diz que ele é mais forte do que nós”
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
Plano Nacional de Leitura
Os bonecos das "preocupações" são o símbolo deste álbum
que nos abre a porta para outra cultura. Desde há muito que
as crianças da Guatemala os fabricam com palitos e pedaços
de tecidos e fios; quando vão dormir contam-lhes as suas
preocupações e colocam-nos debaixo da almofada, de forma
a acordarem, no dia seguinte, sem inquietações. Anthony
Browne cria uma narrativa plena de mistério, recorrendo a
ilustrações que reforçam essa atmosfera enigmática. As cenas
de tensão distinguem-se das restantes pelo uso da cor: os
medos de Billy são retratados numa escala de cinzentos, que
potencia o efeito de intriga e de insegurança; em
contrapartida, o colorido inunda as outras páginas, sobretudo
aquelas em que os bonecos das "preocupações" estão
presentes, contribuindo assim o efeito benéfico desses
mesmos bonecos para o desenlace da história.
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
O Billy estava muito preocupado ?
Os adultos também se preocupam?
Como fica a nossa cabeça quando estamos
preocupados?
Como ajudaram os bonecos das preocupações
a melhorar as preocupações do Billy?
O que nos faz medo?
Como fica o nosso coração quando temos
medo?
Quando temos medo de alguma coisa, falar
ajuda? O silêncio ajuda?
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
Resultados:
 Consciencialização das emoções, não apenas
nas crianças, mas também nos pais e
educadores;
 Construção, por cada criança, de zonas de
conforto emocionais;
 Aumento da auto-estima;
 Melhoria sensível da gestão das emoções
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
 É possível obter resultados em intervenções biblioterapêuticas
desenvolvidas por bibliotecários, em aspetos como a gestão das
emoções, a promoção da auto-estima e a criação de novos
leitores, sendo evidente o contributo para o sucesso educativo;
 As intervenções podem ser feitas com crianças e jovens de
qualquer idade, mas exigem planificação, conhecimento profundo
das características específicas (sociais, familiares…) dos
destinatários, colaboração e capacidade de identificação das
obras adequadas para cada grupo em cada momento
A Biblioterapia é
Um método criativo, comprometido e rigoroso de promover a
leitura e, é também, um poderoso instrumento de integração social, de
promoção da auto-estima, da cidadania e da aprendizagem autónoma.
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
Em cada sessão que inicia,
o biblioterapeuta inspira-se nas palavras doces
de Sebastião da Gama:
- “ Tens muito que fazer ?
- Não, tenho muito que Amar”.
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
Bamberger, M., RUGH, J. (2008). Real World Evaluation. [em linha]. Retirado em 5 de Janeiro,
2010 de http://www.realworldevaluation.org/Real World_Evaluation_resour.html
Bardin, L. (1994). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.
BETTELHEIM, Bruno (2013) - Psicanálise dos contos de fadas. Lisboa : Bertrand,
p. ISBN 978-972-25-2379-0.
Bogdan, R. & BIKLEN, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: Uma introdução à
teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.
Barthes, R. (1973). Le plaisir du texte. Paris: Editions du Seuil.
BUCAY, Jorge - Contos para pensar : os contos servem para adormecer as crianças e
despertar os adultos. 2.a ed. Cascais : Pergaminho, 2011.
Caldin, C. F. (2009). Leitura e Terapia. Tese de Doutoramento, Universidade Federal de
Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.
Caldin, C. F. (2001). A leitura como função terapêutica. [em linha]. Retirado em 30 de
Outubro, 2009 de http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/147/14701204.pdf
Caldin, C. F. (2003). A função social da literatura da literatura infantil. [em linha]. Retirado a
12 de Novembro, 2009 de http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/147/14701505.pdf
Caldin, C. F. (2004). A aplicabilidade terapêutica dos textos literários para crianças. [em
linha]. Retirado a 18 de Novembro 2009 de
http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/147/14701806.pdf
Caldin, C. F. et al (2006). Biblioterapia para crianças em idade pré-escolar: estudo de caso.
[em linha]. Retirado a 2 de Novembro, 2009 de
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141399362006000300008&script=sci_arttext&tlng=
pt
Damásio, A. (2003). Ao encontro de Espinosa. As Emoções Sociais e a Neurologia do Sentir.
Mem Martins: Europa América.
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
Damásio, A. (2000) O sentimento de si. Mem Martins: Europa América
Elias, G.G.P. (2005). Matthew Lipman e a filosofia para crianças. Goania, Tese de Mestrado, Universidade Católica de
Goiás. Dissertação de Mestrado em Educação
Cerezo Ramirez, F. (2001). Condutas agressivas na idade escolar. Porto: Mcgraw-Hill.
FERREIRA, Danielle Thiago - Biblioterapia: uma prática para o desenvolvimento pessoal.
ETD – Educação Temática Digital. Campinas (SP) .[Consult. 18 agosto 2013]. Disponível em
www:<URL:http://www.fe.unicamp.br/
revista/index.php/etd/article/viewArticle/1809>.
Godinho, S. (1991). O pequeno livro dos medos. Lisboa: Publicações Europa América.
Goleman, D. (1997). Inteligência Emocional. Camarate: Círculo de Leitores.
Guerra, M. S. (2006). Arqueologia dos sentimentos. Porto: Edições Asa
Maroy, C. (1997). A análise qualitativa das entrevistas. In Prática e Métodos de Investigação em Ciências Sociais.
Lisboa: Gradiva.
Mendes, R.M.B.P (2008). A Literatura e a Biblioterapia para crianças com problemas de aprendizagem, Tese de
Mestrado, Universidade Portucalense. Dissertação de Mestrado em Educação e Bibliotecas.
Mongin, O. (1998). A violência das imagens ou como eliminá-la? Viseu: Bizâncio.
Moura, Ctarina Lamelas (2017). Como é que os livros curam. Público. ( Consult. 24 setembro de 2017. Disponível
em https://www.publico.pt/2017/07/22/sociedade/noticia/biblioterapia-como-e-que-os-livros-curam-1779942
Mussen, P., Conger, J. e Kagan, J. (1977). Desenvolvimento e Personalidade da Criança. 4ª edição. Harbra. São Paulo.
OUAKNIN, Marc- Alain (1996) - Biblioterapia. São Paulo : Loyola.
Quivy, R. & Campenhoudt, L. V. (2008). Manual de Investigação em Ciências Sociais (5ª ed.). Lisboa: Gradiva.
Sorin, M. (2004). Niños y niñas nos interpelan: violencia, prosocialidad y producción infantil de subjetividades.
Barcelona: Icaria.
Strongman, K. T. (1998). A psicologia da emoção Lisboa: Climepsi Editores.
Urra, J. (2007). O pequeno ditador. Lisboa: Esfera dos livros.
Silva, A.M. (2005). Características da produção documental sobre biblioterapia no Brasil. Florianópolis. Universidade
Federal de Santa Catarina. Dissertação de Mestrado em Psicologia
X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
Marisa Pedrosa
sinenocte@gmail.com
Obrigada pela vossa atenção.
Liderança Pessoal: Rumo à
nossa Melhor versão –
Facebook

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Lenda Dos Ovos De Pascoa
A Lenda Dos Ovos De PascoaA Lenda Dos Ovos De Pascoa
A Lenda Dos Ovos De Pascoagabifrias
 
História da árvore de natal
História da árvore de natalHistória da árvore de natal
História da árvore de natallabeques
 
O sapo e o jardim florido (1)
O sapo e o jardim florido (1)O sapo e o jardim florido (1)
O sapo e o jardim florido (1)LuciaFrana4
 
Regras de funcionamento da biblioteca escolar
Regras de funcionamento da biblioteca escolar Regras de funcionamento da biblioteca escolar
Regras de funcionamento da biblioteca escolar BE Mourão
 
Ninguém da prendas ao pai natal
Ninguém da prendas ao pai natalNinguém da prendas ao pai natal
Ninguém da prendas ao pai natalAna PAtrícia Lima
 
Jornal na escola
Jornal na escolaJornal na escola
Jornal na escolamariacedro
 
Pdf Livro A Viagem Da Sementinha
Pdf Livro A Viagem Da SementinhaPdf Livro A Viagem Da Sementinha
Pdf Livro A Viagem Da Sementinhajanetemagali
 
PROJETO EDUCACIONAL PAZ NO COTIDIANO
PROJETO EDUCACIONAL PAZ NO COTIDIANOPROJETO EDUCACIONAL PAZ NO COTIDIANO
PROJETO EDUCACIONAL PAZ NO COTIDIANORosangela Gomes
 
Research assistance and counsulting
Research assistance and counsultingResearch assistance and counsulting
Research assistance and counsultingPAQUIAAIZEL
 
A borboleta e a lagarta
A borboleta e a lagartaA borboleta e a lagarta
A borboleta e a lagartaaulavivaonline
 
O sapo encontra um amigo
O sapo encontra um amigoO sapo encontra um amigo
O sapo encontra um amigoAcilu
 
Desenvolvimento de Coleções
Desenvolvimento de ColeçõesDesenvolvimento de Coleções
Desenvolvimento de ColeçõesGesner Xavier
 
Exemplo de um Plano de Ação da Biblioteca Escolar
Exemplo de um Plano de Ação da Biblioteca EscolarExemplo de um Plano de Ação da Biblioteca Escolar
Exemplo de um Plano de Ação da Biblioteca EscolarAna Ferreira
 
PABE - Plano de Ação da Biblioteca da Escola D. João II - ano letivo 13 14
PABE - Plano de Ação da Biblioteca da Escola D. João II - ano letivo 13 14PABE - Plano de Ação da Biblioteca da Escola D. João II - ano letivo 13 14
PABE - Plano de Ação da Biblioteca da Escola D. João II - ano letivo 13 14bedjoaoii
 
Plano de ação da biblioteca escolar
Plano de ação da biblioteca escolarPlano de ação da biblioteca escolar
Plano de ação da biblioteca escolarMaria José Godinho
 

Mais procurados (20)

A Lenda Dos Ovos De Pascoa
A Lenda Dos Ovos De PascoaA Lenda Dos Ovos De Pascoa
A Lenda Dos Ovos De Pascoa
 
História da árvore de natal
História da árvore de natalHistória da árvore de natal
História da árvore de natal
 
O sapo e o jardim florido (1)
O sapo e o jardim florido (1)O sapo e o jardim florido (1)
O sapo e o jardim florido (1)
 
Regras de funcionamento da biblioteca escolar
Regras de funcionamento da biblioteca escolar Regras de funcionamento da biblioteca escolar
Regras de funcionamento da biblioteca escolar
 
Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar 2013/2014
Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar 2013/2014Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar 2013/2014
Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar 2013/2014
 
Uma Prenda de Natal
Uma Prenda de NatalUma Prenda de Natal
Uma Prenda de Natal
 
Ninguém da prendas ao pai natal
Ninguém da prendas ao pai natalNinguém da prendas ao pai natal
Ninguém da prendas ao pai natal
 
Jornal na escola
Jornal na escolaJornal na escola
Jornal na escola
 
Pdf Livro A Viagem Da Sementinha
Pdf Livro A Viagem Da SementinhaPdf Livro A Viagem Da Sementinha
Pdf Livro A Viagem Da Sementinha
 
PROJETO EDUCACIONAL PAZ NO COTIDIANO
PROJETO EDUCACIONAL PAZ NO COTIDIANOPROJETO EDUCACIONAL PAZ NO COTIDIANO
PROJETO EDUCACIONAL PAZ NO COTIDIANO
 
Research assistance and counsulting
Research assistance and counsultingResearch assistance and counsulting
Research assistance and counsulting
 
O jogoda parlenda
O jogoda parlendaO jogoda parlenda
O jogoda parlenda
 
A borboleta e a lagarta
A borboleta e a lagartaA borboleta e a lagarta
A borboleta e a lagarta
 
O sapo encontra um amigo
O sapo encontra um amigoO sapo encontra um amigo
O sapo encontra um amigo
 
Desenvolvimento de Coleções
Desenvolvimento de ColeçõesDesenvolvimento de Coleções
Desenvolvimento de Coleções
 
Exemplo de um Plano de Ação da Biblioteca Escolar
Exemplo de um Plano de Ação da Biblioteca EscolarExemplo de um Plano de Ação da Biblioteca Escolar
Exemplo de um Plano de Ação da Biblioteca Escolar
 
PABE - Plano de Ação da Biblioteca da Escola D. João II - ano letivo 13 14
PABE - Plano de Ação da Biblioteca da Escola D. João II - ano letivo 13 14PABE - Plano de Ação da Biblioteca da Escola D. João II - ano letivo 13 14
PABE - Plano de Ação da Biblioteca da Escola D. João II - ano letivo 13 14
 
Plano de ação da biblioteca escolar
Plano de ação da biblioteca escolarPlano de ação da biblioteca escolar
Plano de ação da biblioteca escolar
 
O sapo apaixonado
O sapo apaixonado O sapo apaixonado
O sapo apaixonado
 
Projeto de Leitura
Projeto de Leitura Projeto de Leitura
Projeto de Leitura
 

Semelhante a História da Biblioterapia em

Aplicação da Biblioterapia na Escola Básica Municipal Luiz Cândido da Luz
Aplicação da Biblioterapia na Escola Básica Municipal Luiz Cândido da LuzAplicação da Biblioterapia na Escola Básica Municipal Luiz Cândido da Luz
Aplicação da Biblioterapia na Escola Básica Municipal Luiz Cândido da Luzdaianadelima
 
resenha das obras , escrita por Zito
resenha das obras , escrita por Zitoresenha das obras , escrita por Zito
resenha das obras , escrita por ZitoSonia Marques
 
Literatura,desejo e fantasia
Literatura,desejo e fantasiaLiteratura,desejo e fantasia
Literatura,desejo e fantasiaEspaco_Pedagogia
 
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste Martins
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste MartinsCuradoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste Martins
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste MartinsAndréia De Bernardi
 
A Arte de Ler (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Futuro 2010
A Arte de Ler (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Futuro 2010A Arte de Ler (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Futuro 2010
A Arte de Ler (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Futuro 2010Smar Brasil
 
Evangelho animais 60
Evangelho animais 60Evangelho animais 60
Evangelho animais 60Fatoze
 
Eurípedes Barsanulfo e a Educação
Eurípedes Barsanulfo e a EducaçãoEurípedes Barsanulfo e a Educação
Eurípedes Barsanulfo e a EducaçãoFatima Carvalho
 
Era uma vez… Estereótipos de Género nos Livros Infantis
Era uma vez… Estereótipos de Género nos Livros InfantisEra uma vez… Estereótipos de Género nos Livros Infantis
Era uma vez… Estereótipos de Género nos Livros InfantisAndreia9390
 
Alberto Quintana - A CIÊNCIA DA BENZEDURA.pdf
Alberto Quintana - A CIÊNCIA DA BENZEDURA.pdfAlberto Quintana - A CIÊNCIA DA BENZEDURA.pdf
Alberto Quintana - A CIÊNCIA DA BENZEDURA.pdfLigiaMachadoCampos
 
2015-11-09-JAPIASSU-REVISTA-ESPECIAL.pdf
2015-11-09-JAPIASSU-REVISTA-ESPECIAL.pdf2015-11-09-JAPIASSU-REVISTA-ESPECIAL.pdf
2015-11-09-JAPIASSU-REVISTA-ESPECIAL.pdfSulaineAlmeida3
 
Revista16 psicanalise e_educacao
Revista16 psicanalise e_educacaoRevista16 psicanalise e_educacao
Revista16 psicanalise e_educacaoLuana Duarte
 
Evangelho animais 72
Evangelho animais 72Evangelho animais 72
Evangelho animais 72Fatoze
 
Expressao E Arte
Expressao E ArteExpressao E Arte
Expressao E Artemayarafn
 

Semelhante a História da Biblioterapia em (18)

Aplicação da Biblioterapia na Escola Básica Municipal Luiz Cândido da Luz
Aplicação da Biblioterapia na Escola Básica Municipal Luiz Cândido da LuzAplicação da Biblioterapia na Escola Básica Municipal Luiz Cândido da Luz
Aplicação da Biblioterapia na Escola Básica Municipal Luiz Cândido da Luz
 
Biblioterapia_Módulo 1
Biblioterapia_Módulo 1Biblioterapia_Módulo 1
Biblioterapia_Módulo 1
 
35461206
3546120635461206
35461206
 
DST - Sífilis
DST - SífilisDST - Sífilis
DST - Sífilis
 
resenha das obras , escrita por Zito
resenha das obras , escrita por Zitoresenha das obras , escrita por Zito
resenha das obras , escrita por Zito
 
Esquizofrenia Social - Elza Pádua
Esquizofrenia Social - Elza Pádua Esquizofrenia Social - Elza Pádua
Esquizofrenia Social - Elza Pádua
 
Um livro uma_historia_portugal
Um livro uma_historia_portugalUm livro uma_historia_portugal
Um livro uma_historia_portugal
 
Literatura,desejo e fantasia
Literatura,desejo e fantasiaLiteratura,desejo e fantasia
Literatura,desejo e fantasia
 
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste Martins
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste MartinsCuradoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste Martins
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste Martins
 
A Arte de Ler (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Futuro 2010
A Arte de Ler (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Futuro 2010A Arte de Ler (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Futuro 2010
A Arte de Ler (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Futuro 2010
 
Evangelho animais 60
Evangelho animais 60Evangelho animais 60
Evangelho animais 60
 
Eurípedes Barsanulfo e a Educação
Eurípedes Barsanulfo e a EducaçãoEurípedes Barsanulfo e a Educação
Eurípedes Barsanulfo e a Educação
 
Era uma vez… Estereótipos de Género nos Livros Infantis
Era uma vez… Estereótipos de Género nos Livros InfantisEra uma vez… Estereótipos de Género nos Livros Infantis
Era uma vez… Estereótipos de Género nos Livros Infantis
 
Alberto Quintana - A CIÊNCIA DA BENZEDURA.pdf
Alberto Quintana - A CIÊNCIA DA BENZEDURA.pdfAlberto Quintana - A CIÊNCIA DA BENZEDURA.pdf
Alberto Quintana - A CIÊNCIA DA BENZEDURA.pdf
 
2015-11-09-JAPIASSU-REVISTA-ESPECIAL.pdf
2015-11-09-JAPIASSU-REVISTA-ESPECIAL.pdf2015-11-09-JAPIASSU-REVISTA-ESPECIAL.pdf
2015-11-09-JAPIASSU-REVISTA-ESPECIAL.pdf
 
Revista16 psicanalise e_educacao
Revista16 psicanalise e_educacaoRevista16 psicanalise e_educacao
Revista16 psicanalise e_educacao
 
Evangelho animais 72
Evangelho animais 72Evangelho animais 72
Evangelho animais 72
 
Expressao E Arte
Expressao E ArteExpressao E Arte
Expressao E Arte
 

Mais de António Pires

A utilização de aplicações na educação
A utilização de aplicações na educação A utilização de aplicações na educação
A utilização de aplicações na educação António Pires
 
Como colocar um filme no blogue
Como colocar um filme no blogueComo colocar um filme no blogue
Como colocar um filme no blogueAntónio Pires
 
Realidade aumentada - Ricardo Monteiro
Realidade aumentada - Ricardo MonteiroRealidade aumentada - Ricardo Monteiro
Realidade aumentada - Ricardo MonteiroAntónio Pires
 
Tecnologias emergentes na sala de aula - Carlos Pinheiro
Tecnologias emergentes na sala de aula - Carlos PinheiroTecnologias emergentes na sala de aula - Carlos Pinheiro
Tecnologias emergentes na sala de aula - Carlos PinheiroAntónio Pires
 
Programa da semana da leitura 2019
Programa da semana da leitura 2019Programa da semana da leitura 2019
Programa da semana da leitura 2019António Pires
 
Contributos para a biblioteca digital (2018)
Contributos para a biblioteca digital  (2018)Contributos para a biblioteca digital  (2018)
Contributos para a biblioteca digital (2018)António Pires
 
Um olhar... Roteiro para o uso da biblioteca escolar
Um olhar... Roteiro para o uso da biblioteca escolarUm olhar... Roteiro para o uso da biblioteca escolar
Um olhar... Roteiro para o uso da biblioteca escolarAntónio Pires
 
Construção de sites educativos - Wix
Construção de sites educativos - WixConstrução de sites educativos - Wix
Construção de sites educativos - WixAntónio Pires
 
Avaliação X Encontro
Avaliação X EncontroAvaliação X Encontro
Avaliação X EncontroAntónio Pires
 
Boletim informativo das BE AE da Trofa 1º periodo 2017-18
Boletim informativo das BE AE da Trofa   1º periodo 2017-18Boletim informativo das BE AE da Trofa   1º periodo 2017-18
Boletim informativo das BE AE da Trofa 1º periodo 2017-18António Pires
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadoresFormação de utilizadores
Formação de utilizadoresAntónio Pires
 
Marketing biblioteca na biblioteca escolar
Marketing biblioteca  na biblioteca escolarMarketing biblioteca  na biblioteca escolar
Marketing biblioteca na biblioteca escolarAntónio Pires
 
Da biblioteca híbrida à biblioteca ubíqua
Da biblioteca híbrida à biblioteca ubíquaDa biblioteca híbrida à biblioteca ubíqua
Da biblioteca híbrida à biblioteca ubíquaAntónio Pires
 

Mais de António Pires (20)

A utilização de aplicações na educação
A utilização de aplicações na educação A utilização de aplicações na educação
A utilização de aplicações na educação
 
Como colocar um filme no blogue
Como colocar um filme no blogueComo colocar um filme no blogue
Como colocar um filme no blogue
 
Projeto QRbook
Projeto  QRbookProjeto  QRbook
Projeto QRbook
 
Realidade aumentada - Ricardo Monteiro
Realidade aumentada - Ricardo MonteiroRealidade aumentada - Ricardo Monteiro
Realidade aumentada - Ricardo Monteiro
 
Tecnologias emergentes na sala de aula - Carlos Pinheiro
Tecnologias emergentes na sala de aula - Carlos PinheiroTecnologias emergentes na sala de aula - Carlos Pinheiro
Tecnologias emergentes na sala de aula - Carlos Pinheiro
 
Boa Prática
Boa PráticaBoa Prática
Boa Prática
 
Programa da semana da leitura 2019
Programa da semana da leitura 2019Programa da semana da leitura 2019
Programa da semana da leitura 2019
 
Contributos para a biblioteca digital (2018)
Contributos para a biblioteca digital  (2018)Contributos para a biblioteca digital  (2018)
Contributos para a biblioteca digital (2018)
 
Um olhar... Roteiro para o uso da biblioteca escolar
Um olhar... Roteiro para o uso da biblioteca escolarUm olhar... Roteiro para o uso da biblioteca escolar
Um olhar... Roteiro para o uso da biblioteca escolar
 
Um olhar... MABE
Um olhar... MABEUm olhar... MABE
Um olhar... MABE
 
Construção de sites educativos - Wix
Construção de sites educativos - WixConstrução de sites educativos - Wix
Construção de sites educativos - Wix
 
Boa prática
Boa práticaBoa prática
Boa prática
 
Reis na Biblioteca
Reis na BibliotecaReis na Biblioteca
Reis na Biblioteca
 
Noites na BE
Noites na BENoites na BE
Noites na BE
 
Monitores
MonitoresMonitores
Monitores
 
Avaliação X Encontro
Avaliação X EncontroAvaliação X Encontro
Avaliação X Encontro
 
Boletim informativo das BE AE da Trofa 1º periodo 2017-18
Boletim informativo das BE AE da Trofa   1º periodo 2017-18Boletim informativo das BE AE da Trofa   1º periodo 2017-18
Boletim informativo das BE AE da Trofa 1º periodo 2017-18
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadoresFormação de utilizadores
Formação de utilizadores
 
Marketing biblioteca na biblioteca escolar
Marketing biblioteca  na biblioteca escolarMarketing biblioteca  na biblioteca escolar
Marketing biblioteca na biblioteca escolar
 
Da biblioteca híbrida à biblioteca ubíqua
Da biblioteca híbrida à biblioteca ubíquaDa biblioteca híbrida à biblioteca ubíqua
Da biblioteca híbrida à biblioteca ubíqua
 

Último

Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 

Último (20)

Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 

História da Biblioterapia em

  • 1. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 X Encontro de Bibliotecas de Famalicão 25 de novembro de 2017 Marisa Pedrosa Agrupamento de Escolas Alexandre Herculano
  • 2. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017  “São os livros uns mestres mudos que ensinam sem fastio, falam verdade sem respeito, repreendem sem pejo, amigos verdadeiros, conselheiros singelos; e assim como à força de tratar com pessoas honestas e virtuosas se adquirem insensivelmente os seus hábitos e costumes, também à força de ler os livros se aprende a doutrina que eles ensinam. Forma-se o espírito, nutre-se a alma, com bons pensamentos; e o coração vem, por fim, experimentar um prazer tão agradável, que não há nada com que se compare; e só sabe avaliar quem teve a fortuna de o possuir.” Padre António Vieira (1608-1697)
  • 3. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 Aulus Cornelius Celsus, médico romano, séc. I A.C.: recomendava a leitura e a discussão de obras de grandes filósofos como terapia, útil tanto no tratamento das doenças do coração, como para desenvolver as capacidades críticas dos pacientes.
  • 4. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 • Nas civilizações egípcio, grega e romana, os textos religiosos, eram utilizados como função terapêutica; • Na Primeira Guerra Mundial, foram criadas bibliotecas nos hospitais campanha; • No final da 2ª Guerra Mundial, eram recomendadas leituras, pelos médicos, para que os veteranos recuperassem do stress pós traumático
  • 5. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
  • 6. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 Biblioterapia Clinica Médicos, Psicólogos, Psiquiatras Grupos com doenças emocionais e/ou comportamentais Biblioterapia de Desenvolvimento Educadores; professores; professores bibliotecários Individual/ Grupo para situações de superação Biblioterapia – Arte Biblioterapia Moderna que é representada por equipas mistas de psicólogos e professores bibliotecários Individual/ Grupo para situações de superação
  • 7. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 “Um método facilitador do desenvolvimento pessoal e da resolução de problemas através dos livros”. ( Pherson e McMilaan,2006) “O recurso a materiais de leitura selecionados como auxiliares terapêuticos em medicina, psiquiatria e na orientação de resolução de problemas pessoais através de leituras orientadas“. ( Merriam Webster Dictionary)
  • 8. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017  “Ferramenta que apoia o professor na criação de turmas inclusivas”(Philpot, 1997)  “O plurarismo interpretativo dos comentários aos textos deixa claro que cada um pode manifestar sua verdade e ter sua visão do mundo. (Caldin,2001)
  • 9. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017  Promovida por bibliotecários e professores;  É promotora da leitura, pois as sensações de bem-estar, de melhoria de relacionamento consigo próprio e com os outros, de auto- conhecimento e de prazer e entusiasmo levam a prolongar os momentos de leitura fora das sessões de biblioterapia.
  • 10. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017  Afasta os pensamentos menos saudáveis;  Informa;  Diverte;  Melhora a reacção dos doentes ao internamento e aos tratamentos;  Demonstra interesse pela qualidade de vida do paciente.
  • 11. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 “O ser humano vivo é um corpo falante. O sopro da vida passa pelo sopro da palavra. O terapeuta cuida da palavra que anima e informa o corpo. Curar alguém é fazer falar e observar todos os obstáculos a essa palavra no corpo. (Ouaknin,1996)
  • 12. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 Terapia é “cuidado” no sentido mais amplo possível, é atenção, é encaminhamento para a cura, é busca da saúde e da salvação. (Perissé, 2004).
  • 13. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
  • 14. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017  “Ao realizar as atividades de biblioterapia, entende-se que o outro não se apresenta de frente, quer dizer, ele não mostra sua verdadeira face, receia não ser amado pelo que é, posto que tem defeitos e idiossincrasias. O cuidado se manifesta, então, na preocupação em tranquilizar o outro, em mostrar que não se está fazendo julgamento de condutas nem impondo uma norma de comportamento.” Clarice Caldin (2009)
  • 15. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 Dinâmicas Leitura Individual; Compartilhada ou em Grupo  Todo o ato de biblioterapia pressupõe uma exploração posterior, podendo ser diálogo ou uma actividade lúdica. É importante que, depois da leitura, possa existir um espaço de comunicação onde o leitor se reencontra nas suas emoções, promovendo mudanças conceptuais e comportamentais.
  • 16. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 Exemplos de
  • 17. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 Blog Francisco José Viegas Fev 2013 Tenho um sonho, há muito tempo: vender livros nas farmácias. Livros para a insónia, livros para narcolepsia, livros para a hipocondria, livros para a anorexia, livros para seja o que for. Na maior parte dos casos, romances – a verdadeira autoajuda; em alguns, permitir a automedicação; infelizmente, não estão autorizados genéricos. A prescrição seria um risco porque há livros que podem fazer mal à saúde, claro – mas vale a pena corrê-lo desde que o paciente seja avisado pelo farmacêutico e assine um termo de responsabilidade. Há outros que só com prescrição médica, tais são os poderes de certa literatura. Em ‘O Egípcio’, de Mikka Waltari, por exemplo, o médico Sinouhe escreve palavras num papiro e dá-as a comer aos seus doentes porque elas têm "virtudes curativas". Em Inglaterra, as autoridades do sistema nacional de saúde acabam de lançar a iniciativa, com a associação de bibliotecários.
  • 18. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
  • 19. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
  • 20. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
  • 21. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
  • 22. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
  • 23. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 Na Mindshake vemos o Design Thinking como um mindset que ajuda a pensar diferentemente, com fluidez, flexibilidade e empatia.
  • 24. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
  • 25. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
  • 26. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
  • 27. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017  “a) provocar a catarse;  b) favorecer a identificação com as personagens;  c) possibilitar a introjeção e a projeção;  d) aliviar as tensões diárias;  e) diminuir o stress;  f) facilitar a socialização h)estimular a criatividade;  g) diminuir a timidez;  h) criar um universo independente da vida quotidiana;  i) experimentar sentimentos e emoções em segurança;  j) auxiliar a lidar com sentimentos como a raiva ou a frustração;  l) mostrar que os problemas são universais e é preciso aprender a lidar com eles;  m) facilitar a comunicação; n) auxiliar na adaptação à vida hospitalar, escolar, prisional, entre outros; o) desenvolver a maturidade;
  • 28. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017  Identificação - capacidade de assimilação de um aspecto ou atributo de outro, ocasionando a transformação total ou parcial segundo o modelo desse outro;  Introjecção - capacidade de passar para dentro de si, de modo fantástico, qualidades do outro;  Projecção - capacidade de transferência para o outro de ideias, sentimentos, expectativas e desejos;  Catarse - capacidade de pacificação das emoções. Este conceito é especialmente importante para a biblioterapia.  Humor - manifestação de rebelião do ego contra as circunstâncias adversas, transformando o objecto de dor em objecto de prazer.
  • 29. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017  Alguns autores sugerem como hipótese livros de romances, poesias, peças teatrais, livros cómicos, na área de filosofia, ética, religião, arte, história e mesmo literatura científica.  Quanto ao género de livros a adotar na biblioterapia, para alguns autores, recai sobre o texto narrativo ficcional.  A função poética que, implicitamente, permite, sob a forma de inúmeras metáforas, uma maior margem interpretativa e emocional por parte do leitor. Segundo Merleau-Ponty (1991 ):  “Para que as palavras me surpreendam, então, elas adquirem certa corporeidade mediante uma intencionalidade corporal que se manifesta pelos gestos e, assim, a significação acontece porque forneço corpo a uma intenção que se quer grávida de palavras e todo o esforço para se pegar na mão o pensamento, que habita a palavra, não deixa entre os dedos senão um pouco de matéria verbal”
  • 30. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
  • 31. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017  10 sessões de leitura de grupo com crianças dos 4 aos 6 anos, partindo de livros cujas temáticas abordavam os medos característicos da infância, bem como situações que conduzem à agressividade (muitas vezes relacionadas com o medo)
  • 32. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 A inteligência emocional é “a capacidade de reconhecermos os nossos próprios sentimentos, os sentimentos alheios, de nos motivarmos e de lidarmos adequadamente com as relações que mantemos com os outros e connosco mesmos.” (Goleman,2000) “Temos que criar uma sociedade na qual as excelências possam florescer em diversidade e em abundância . Melhorar o elemento reflexivo na educação onde devemos pensar uma maneira de melhorar todo o processo educacional, e não somente uma ou outra das suas partes. Isto significa também que os estudantes devem participar deste processo.” (Lipman1995, p.14-15 citado por Elias 2005)
  • 33. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 “Primeiro fui ver ao dicionário. Tinha que olhar para dentro do medo, descobrir como é que ele funcionava. Quando se tem um brinquedo e se quer ver como ele funciona, há sempre a tentação de o abrir e mexer lá dentro, mesmo sabendo que se pode estragar (para além do raspanete que se calhar vamos ouvir). Abrir o dicionário era a mesma coisa: tentar perceber o funcionamento da máquina do medo. E lá estava, escrito assim: “medo: sentimento desagradável que excita em nós aquilo que parece perigoso, ameaçador, sobrenatural.». Não gostei, se calhar porque não percebi. (…) Depois fui aos sinónimos: «Medo: susto, receio, horror, pavor, cagaço, cobardia, desconfiança, temor, terror, pânico, assombramento….» A lista era enorme e já me deixava mais satisfeito. Cada palavra daquelas, mesmo que não me explicasse nada, trazia ao menos recordações, sensações fortes. Eu lembrava-me de coisas passadas e por vezes até me arrepiava, como se lá estivesse de novo. Portanto o medo é uma sensação forte: fica marcada no corpo e na memória. Aconteceu qualquer coisa e, de cada vez que a recordo, sinto uma tremura pela espinha acima! Isso é medo. Não se consegue muito bem explicar, aliás é por isso que se diz que ele é mais forte do que nós”
  • 34. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
  • 35. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 Plano Nacional de Leitura Os bonecos das "preocupações" são o símbolo deste álbum que nos abre a porta para outra cultura. Desde há muito que as crianças da Guatemala os fabricam com palitos e pedaços de tecidos e fios; quando vão dormir contam-lhes as suas preocupações e colocam-nos debaixo da almofada, de forma a acordarem, no dia seguinte, sem inquietações. Anthony Browne cria uma narrativa plena de mistério, recorrendo a ilustrações que reforçam essa atmosfera enigmática. As cenas de tensão distinguem-se das restantes pelo uso da cor: os medos de Billy são retratados numa escala de cinzentos, que potencia o efeito de intriga e de insegurança; em contrapartida, o colorido inunda as outras páginas, sobretudo aquelas em que os bonecos das "preocupações" estão presentes, contribuindo assim o efeito benéfico desses mesmos bonecos para o desenlace da história.
  • 36. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
  • 37. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 O Billy estava muito preocupado ? Os adultos também se preocupam? Como fica a nossa cabeça quando estamos preocupados? Como ajudaram os bonecos das preocupações a melhorar as preocupações do Billy? O que nos faz medo? Como fica o nosso coração quando temos medo? Quando temos medo de alguma coisa, falar ajuda? O silêncio ajuda?
  • 38. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 Resultados:  Consciencialização das emoções, não apenas nas crianças, mas também nos pais e educadores;  Construção, por cada criança, de zonas de conforto emocionais;  Aumento da auto-estima;  Melhoria sensível da gestão das emoções
  • 39. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017
  • 40. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017  É possível obter resultados em intervenções biblioterapêuticas desenvolvidas por bibliotecários, em aspetos como a gestão das emoções, a promoção da auto-estima e a criação de novos leitores, sendo evidente o contributo para o sucesso educativo;  As intervenções podem ser feitas com crianças e jovens de qualquer idade, mas exigem planificação, conhecimento profundo das características específicas (sociais, familiares…) dos destinatários, colaboração e capacidade de identificação das obras adequadas para cada grupo em cada momento A Biblioterapia é Um método criativo, comprometido e rigoroso de promover a leitura e, é também, um poderoso instrumento de integração social, de promoção da auto-estima, da cidadania e da aprendizagem autónoma.
  • 41. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 Em cada sessão que inicia, o biblioterapeuta inspira-se nas palavras doces de Sebastião da Gama: - “ Tens muito que fazer ? - Não, tenho muito que Amar”.
  • 42. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 Bamberger, M., RUGH, J. (2008). Real World Evaluation. [em linha]. Retirado em 5 de Janeiro, 2010 de http://www.realworldevaluation.org/Real World_Evaluation_resour.html Bardin, L. (1994). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70. BETTELHEIM, Bruno (2013) - Psicanálise dos contos de fadas. Lisboa : Bertrand, p. ISBN 978-972-25-2379-0. Bogdan, R. & BIKLEN, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora. Barthes, R. (1973). Le plaisir du texte. Paris: Editions du Seuil. BUCAY, Jorge - Contos para pensar : os contos servem para adormecer as crianças e despertar os adultos. 2.a ed. Cascais : Pergaminho, 2011. Caldin, C. F. (2009). Leitura e Terapia. Tese de Doutoramento, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil. Caldin, C. F. (2001). A leitura como função terapêutica. [em linha]. Retirado em 30 de Outubro, 2009 de http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/147/14701204.pdf Caldin, C. F. (2003). A função social da literatura da literatura infantil. [em linha]. Retirado a 12 de Novembro, 2009 de http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/147/14701505.pdf Caldin, C. F. (2004). A aplicabilidade terapêutica dos textos literários para crianças. [em linha]. Retirado a 18 de Novembro 2009 de http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/147/14701806.pdf Caldin, C. F. et al (2006). Biblioterapia para crianças em idade pré-escolar: estudo de caso. [em linha]. Retirado a 2 de Novembro, 2009 de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141399362006000300008&script=sci_arttext&tlng= pt Damásio, A. (2003). Ao encontro de Espinosa. As Emoções Sociais e a Neurologia do Sentir. Mem Martins: Europa América.
  • 43. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 Damásio, A. (2000) O sentimento de si. Mem Martins: Europa América Elias, G.G.P. (2005). Matthew Lipman e a filosofia para crianças. Goania, Tese de Mestrado, Universidade Católica de Goiás. Dissertação de Mestrado em Educação Cerezo Ramirez, F. (2001). Condutas agressivas na idade escolar. Porto: Mcgraw-Hill. FERREIRA, Danielle Thiago - Biblioterapia: uma prática para o desenvolvimento pessoal. ETD – Educação Temática Digital. Campinas (SP) .[Consult. 18 agosto 2013]. Disponível em www:<URL:http://www.fe.unicamp.br/ revista/index.php/etd/article/viewArticle/1809>. Godinho, S. (1991). O pequeno livro dos medos. Lisboa: Publicações Europa América. Goleman, D. (1997). Inteligência Emocional. Camarate: Círculo de Leitores. Guerra, M. S. (2006). Arqueologia dos sentimentos. Porto: Edições Asa Maroy, C. (1997). A análise qualitativa das entrevistas. In Prática e Métodos de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva. Mendes, R.M.B.P (2008). A Literatura e a Biblioterapia para crianças com problemas de aprendizagem, Tese de Mestrado, Universidade Portucalense. Dissertação de Mestrado em Educação e Bibliotecas. Mongin, O. (1998). A violência das imagens ou como eliminá-la? Viseu: Bizâncio. Moura, Ctarina Lamelas (2017). Como é que os livros curam. Público. ( Consult. 24 setembro de 2017. Disponível em https://www.publico.pt/2017/07/22/sociedade/noticia/biblioterapia-como-e-que-os-livros-curam-1779942 Mussen, P., Conger, J. e Kagan, J. (1977). Desenvolvimento e Personalidade da Criança. 4ª edição. Harbra. São Paulo. OUAKNIN, Marc- Alain (1996) - Biblioterapia. São Paulo : Loyola. Quivy, R. & Campenhoudt, L. V. (2008). Manual de Investigação em Ciências Sociais (5ª ed.). Lisboa: Gradiva. Sorin, M. (2004). Niños y niñas nos interpelan: violencia, prosocialidad y producción infantil de subjetividades. Barcelona: Icaria. Strongman, K. T. (1998). A psicologia da emoção Lisboa: Climepsi Editores. Urra, J. (2007). O pequeno ditador. Lisboa: Esfera dos livros. Silva, A.M. (2005). Características da produção documental sobre biblioterapia no Brasil. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina. Dissertação de Mestrado em Psicologia
  • 44. X Encontro de Bibliotecas de FamalicãoMarisa Pedrosa 25 de novembro de 2017 Marisa Pedrosa sinenocte@gmail.com Obrigada pela vossa atenção. Liderança Pessoal: Rumo à nossa Melhor versão – Facebook