CatálogoArquivo Municipal de Vila Real16 de Março de 2013Exposição“Ex-Líbris: um mundo a descobrir”
2Ficha Técnica:Título:Catálogo da Exposição: Ex-Líbris um Mundo a DescobrirResponsabilidade científica:Academia Portuguesa...
3Exposição“Ex-Líbris: um mundo a descobrir”
4
5Em boa hora a Câmara Municipal de Vila Real, através do seu Arquivo Municipal,decidiu associar-se às Comemorações dos ses...
6EX-LÍBRIS: UM MUNDO A DESCOBRIR.Começo por algumas palavras de agradecimento, merecidas porque justas.Em primeiro lugar à...
7Foi assim que Clemente Billingue abriu para Luís José de Vasconcelos e Azevedo trêschapas, guardando-as hoje no Museu Mun...
8De entre os muitos artistas que, no presente século se têm destacado na execução demarcas de posse merecem um particular ...
9Em 1956 e por iniciativa de Artur Mário da Mota Miranda foi fundada no Porto aAssociação Portuense de Ex-Líbris, cuja des...
10Mais recentemente merecem referência as de Aulo-Gélio Godinho e Fausto MoreiraRato, ambas adquiridas pelo já falecido Dr...
11Termino formulando um voto: que esta exposição, mais do que uma mostra cuidado-samente preparada e desveladamente execut...
12Acrósticos – José Mesquita dos Santos.Composição tipográfica.Actividades artísticas – João de Almeida Lucas.Zincogravura...
13Aeronáutica – Rui de Avila Ferrão Castel-Branco.Zincogravura. Desenho: Teófilo Braga da Silva, 1968.Amizade – Luís Aires...
14Antonianos – Instituto Português de Santo António, em Roma.Zincogravura. Desenho: Bénard Guedes, óp. 1, 1958.Aracnídeos ...
15Arlequim – Eduardo Alfredo Machado Guimarães de Mendia.Zincogravura. Desenho: Eduardo de Mendia.Arqueologia – Ana Cristi...
16Art Deco – Ateneu Comercial do Porto.Zincogravura. Desenho: Vasco de Lacerda.Arte Nova – José Santos Lima.Zincogravura.
17Arte africana – Fausto Moreira Rato.Zincogravura. Desenho: Botella, 1957.Automobilismo – Urbano Germano Alves.Zincogravu...
18Azulejaria – Francisco Carlos Conceição de Vergikosk.Buril sobre cobre. Desenho: J. Pinto, 1930. Gravura: Paes Ferreira,...
19Bibliotecas – Francisco J. Martins.Buril sobre aço. Gravura: Renato de Araújo.Bombeiros – Afonso Jesus Fernandes.Fotogra...
20Brasiliana – João de Almeida Lucas.Zincogravura. Desenho: Alberto Lima, óp. 96, 1949.Brinquedos populares – Amílcar Mota...
21Camoneanos – Biblioteca Nacional.Buril sobre cobre. Desenho: Columbano. Gravura: Paes Ferreira, óp. 152, 1980.Cavalos – ...
22Cinema – João de Almeida Lucas.Zincogravura. Desenho: Moura.Cegonha – Corrêa Neves.Zincogravura.
23Clássicos – Luís José de Vasconcelos e Azevedo.Buril sobre cobre. Desenho e Gravura: Clemente Billinque, 1695.Coelho – J...
24Comemorativos – António Paes Ferreira.Buril sobre cobre. Desenho e Gravura: Paes Ferreira, óp. 94, 1975.Comércio – Álvar...
25Congregações religiosas – Hospício de S. João Nepomuceno.Buril sobre cobre.Conhecimento – Carlos Pires.Xilogravura. Dese...
26Contabilidade – Sociedade Portuguesa de Contabilidade.Zincogravura.Crítica política - João Gomes.Zincogravura. Desenho: P.
27Dança – José António Falcão.Zincogravura.Decoração e Serralharia – João Luís Esteves.Zincogravura. Desenho: João Luís Es...
28Desporto – José da Glória Alves.Zincogravura. Desenho: José da Glória Alves, 1940.Descobrimentos – Fernando Ribeiro de M...
29Diabos – Leal da Câmara.Zincogravura e fotogravura. Desenho: Leal da Câmara.Ditados populares – Francisco Moniz.Zincogra...
30Divindades hindus – Telmo José de Bragança.Buril sobre cobre. Desenho: Bénard Guedes, óp. 15. Gravura: Paes Ferreira, óp...
31Engenharia – Mário Páscoa.Zincogravura. Desenho: A L.Eróticos – Maria Manuela Isidoro Cavaco Neto.Impressão a laser. Des...
32Escultura – Sérgio Nuno de Oliveira Vinhas.Zincogravura. Desenho: Sérgio Vinhas, 1970.Escutismo – Joaquim de Sousa Alves...
33Esgrima – Mário Lourinho Rodrigues Vinhas.Zincogravura. Desenho: Henrique Mourato, 1985.Etiquetas tipográficas – C. C. C...
34Etnografia – Adolfo Faria de Castro.Zincogravura. Desenho: Adolfo Faria de Castro.Familiares – familia Rodrigues da Silv...
35Farmácia – Maria Cristina de Pinho Ferreira Guiné.Zincogravura. Desenho: Ruy Palhé da Silva, óp. 105, 1991.Figuras histó...
36Figuras políticas – Maurício Pinto.Zincogravura e fotogravura.Flores – Paula Cristina Arthur.Serigrafia manual a 5 cores...
37Gatos – Emília Félix.Zincogravura.Genealogia – Luís Augusto de Mancelos Ferraz.Zincogravura.
38Guerra – Filipe Rodrigues.Zincogravura. Desenho: S. Branco, 1987.Heráldicos – Miguel António do Carmo de Noronha de Paiv...
39Humorísticos – Armando Rodrigues.Zincogravura. Desenho: Rogério Ribeiro, 1951.Imprensa regional – Aníbal Correia de Mato...
40Infantis – Maria Judite Sollas.Zincogravura. Desenho: José Carlos de Oliveira Sollas, 1959.Iniciáticos – António Goulart...
41Insígnias Doutorais - Adelino Hermitério da Palma Carlos.Zincogravura. Desenho: F.R.Instrução – Fernando Botas.Zincograv...
42Instrumentos musicais – José Viana da Mota.Água forte. Desenho e Gravura: Sousa Lopes.Justiça – Adrião Pereira Forjaz de...
43Leões – Octávio Rafael Guerreiro Carvalho.Copiógrafo a álcool. Desenho: Rafael Carvalho, 1985.Letrismo – Luís de Sousa.Z...
44Liberdade – Jayme Varela.Zincogravura. Desenho: Moreira Júnior.Macabros – Sebastião Pimentel Monteiro.Zincogravura e com...
45Malacologia – Rolanda Albuquerque de Matos.Offset a cores. Desenho: José Manuel Pedroso da Silva, 2003.Mapas – Rui dos S...
46Máximas – Edgard Piló.Zincogravura.Medicina – Mattos Ferreira.Zincogravura a duas cores. Desenho: E. S.
47Monumentos – Artur Mário da Mota Miranda.Buril sobre cobre. Desenho e Gravura: F S, óp. 188.Monumentos artísticos – D. J...
48Mulheres – Ruth Albuquerque.Buril sobre cobre. Desenho: António Lima. Gravura: Isaías Peixoto, 1955.Música – Maria Raque...
49Olissiponenses – Jaime Augusto de Moura.Litografia a cores. Desenho. Milly Possoz.Numismática – J. O. de Sousa Nunes.Fot...
50Paisagem – Alberto Villares.Água forte, água tinta e buril sobre cobre. Desenho e Gravura: Vanting.Passatempos – Fausto ...
51Pavão – Joaquim Pavão.Zincogravura. Desenho: R. P.Pecuária – José Félix Pereira.Zincogravura. Desenho: Allonso.
52Peregrinos – Américo Chaves de Almeida.Buril sobre cobre. Desenho: António Lima. Gravura: Renato de Araújo, 1953.Pesca d...
53Queirozianos – Carlos Manuel Silva.Zincogravura a duas cores. Desenho: Rui Fernandes, 1978.Quixotescos – Eduardo Dias Fe...
54Rato Mickey – Dárcio Micael.Xilogravura. Desenho: Rui Palhé da Silva, 1985.Regionais – João Rosa.Zincogravura a esmalte....
55Religião Judaica – Samuel Schwarz.Zincogravura. Desenho: JR.Retrato - Pedro Maria.Serigrafia manual a 4 cores. Desenho e...
56Sanjoaninos – Sérgio Fernão Ferreira de Oliveira.Offset a cores. Desenho: Aulo-Gélio Severino Godinho, 1987.Saúde – Álva...
57São Jorge – Carlos Malheiro Dias.Zincogravura a três cores. Desenho: António Lima.Serpente – Francisco Tavares.Água fort...
58Solares – Artur Mário da Mota Miranda.Offset a cores. Desenho: Aulo-Gélio Severino Godinho, 1978.Tauromaquia – Vítor Man...
59Teatro – Vasco Santana.Carimbo de borracha.Tipografia – Henri Gris.Buril sobre cobre. Desenho e Gravura: J. Borges, 1975.
60Tipos populares – Junta Central das Casas do Povo.Zincogravura.Vida – José Mercier Marques.Zincogravura. Desenho: Atila ...
61Vinho – Luís Manuel Mendes Brum.Zincogravura.Xadrez – Isaías Pires Peixoto.Buril sobre cobre. Desenho: Aulo-Gélio Severi...
62
63
64© Arquivo Municipal de Vila Real - Março 2013
65
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Catálogo exposição ex líbris - um mundo a descobrir

2.011 visualizações

Publicada em

Catálogo da exposição no âmbito do 60º aniversário da Academia Portuguesa de Ex-Líbris, patente no Arquivo Municipal de Vila Real de 1 a 30 de Abril.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Catálogo exposição ex líbris - um mundo a descobrir

  1. 1. CatálogoArquivo Municipal de Vila Real16 de Março de 2013Exposição“Ex-Líbris: um mundo a descobrir”
  2. 2. 2Ficha Técnica:Título:Catálogo da Exposição: Ex-Líbris um Mundo a DescobrirResponsabilidade científica:Academia Portuguesa de Ex-LíbrisOrganização:Câmara Municipal de Vila Real—Arquivo Municipal de Vila RealCatálogo Online:Direção-geral: Pedro Abreu Peixoto; Joaquim Barreira GonçalvesDireção Técnica: Carla EirizData:Março—Abril de 2013ISBN: 978-989-8653-02-4
  3. 3. 3Exposição“Ex-Líbris: um mundo a descobrir”
  4. 4. 4
  5. 5. 5Em boa hora a Câmara Municipal de Vila Real, através do seu Arquivo Municipal,decidiu associar-se às Comemorações dos sessenta anos do nascimento da Acade-mia Portuguesa de Ex-Líbris, oferecendo, não só aos cidadãos vila-realenses, mas,também, a quem nos visita, uma Exposição de riqueza artística ímpar e de pendorpedagógico e didáctico assinalável.Vila Real demonstra, assim, e mais uma vez, que é capaz, nesta como em outrasáreas de inegável interesse público e colectivo, de ombrear com os principaispólos urbanos geradores de cultura e, desta forma, disponibilizar uma oferta cul-tural cosmopolita de excelência.Integrada num ciclo mais vasto de actividades comemorativas da efeméride, estaExposição materializa, por isso, todas as mais-valias e potencialidades decorrentesda descentralização cultural, trazendo, pela primeira vez, até nós, a prestigiadaAcademia Portuguesa de Ex-Líbris, cuja riqueza da sua história, qualidade e traba-lho desenvolvido de investigação, edição, divulgação e coleccionismo, não só doex-librismo, mas de muitas outras áreas do saber, são garante, à partida, do bomêxito e sucesso desta iniciativa.Acreditamos, por isso, que a valorização pessoal e cultural dos nossos cidadãos eo alargamento e diversificação dos seus horizontes culturais continuarão a serapostas prioritárias do Município, que deram já os seus frutos, consolidando oestatuto de Vila Real enquanto verdadeiro pólo catalisador de Cultura, que rapi-damente se transformou num dos pilares de diferenciação positiva do Concelho,do Distrito e da Região no mapa do País.O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA REAL,Dr. Manuel do Nascimento Martins
  6. 6. 6EX-LÍBRIS: UM MUNDO A DESCOBRIR.Começo por algumas palavras de agradecimento, merecidas porque justas.Em primeiro lugar à Câmara Municipal de Vila Real por patrocinarem esta exposiçãoassociando-se, assim, ao 60.º aniversário da fundação da Academia Portuguesa de Ex-Líbris possibilitando que o público e os estudiosos de Vila Real, e do norte transmon-tano, possam visitar a exposição «Ex-líbris: Um mundo a descobrir».Em segundo ao Arquivo Municipal de Vila Real pelo apoio dado, designadamente pelacedência da sala e material expositivo.Posto isto algumas palavras sobre ex-líbris, ex-librismo e actividades ex-librísticas,como que uma viagem virtual á volta dos ex-líbris em Portugal.O ex-líbris, na definição do grande publicista e coleccionador Fausto Moreira Rato “ osímbolo pessoal, estampado ou impresso, geralmente em papel - de desenho herál-dico, alegórico, simbólico, ornamental ou falante, onde figura também o nome e,facultativamente, a divisa do bibliófilo -, que se cola no verso da capa de cada livropossuído para garantir a pertença da obra e favorecê-la com esse derradeiro requintede arte “, começou a ser usado entre nós no século XVI.É sabido, documentalmente, que Wolfgang Holzschuher foi a primeira pessoa quedele fez uso em Portugal. Germânico que cá viveu e foi nobilitado pelo Rei D. ManuelI, faleceu em 1529 e, para esse efeito, mandou abrir uma bela xilogravura de carizheráldico.São usualmente mencionados como tendo feito uso de ex-líbris os Bispos de CoimbraD. Jorge de Almeida e D. Afonso de Castelo Branco. Do primeiro, a notícia do uso foipublicitada pelo Dr. Assis Teixeira, num artigo publicado em 11.09.1927 sem, todavia,mencionar o local onde estava o livro que tinha essa marca de posse colada. Quantoao segundo, cujo presumível pertence é de uso duvidoso, sabe-se que mandava mar-car as encadernações dos seus livros com um belo ex-líbris exterior heráldico, umsuper-libros, como vulgarmente se designa.Do século seguinte, em resultado da divulgação da imprensa e do resultante embara-tecimento dos livros, constituíram-se boas bibliotecas detidas por ricos bibliófilos,são conhecidas várias marcas de posse bibliotecárias.De todos, seguramente o mais conhecido pelo seu requinte de execução e espetacu-laridade foi o executado pelo gravador flamengo Ian Schorkens , em 1622, paraManuel de Moura Corte-Real, Marquês de Castelo Rodrigo, cujo único exemplarconhecido, em Portugal, se guarda na excelente Biblioteca Nacional de Lisboa.Luís César de Meneses, Francisco de Melo e Torres, 1.º Marquês de Sande e Conde daPonte, D. Simão da Gama e o chantre Manuel Severim de Faria, de forma idêntica,igualmente assinalaram a propriedade dos seus livros, encomendando a artistas con-ceituados as respectivas gravuras.
  7. 7. 7Foi assim que Clemente Billingue abriu para Luís José de Vasconcelos e Azevedo trêschapas, guardando-as hoje no Museu Municipal de Elvas a de dimensão média.O século XVIII legou-nos um mais vasto e precioso conjunto de marcas de posse. ParaInácio Luís de Castro, cónego da Sé de Évora, Michel le Bouteux abriu um raro perten-ce enquanto François Harewyn executou 4 para o erudito Diogo Barbosa Machado,bem como o de Diogo Fernandes de Almeida cujo desenho é de Vieira Lusitano aopasso que o Dr. Alexandre Metelo de Sousa e Meneses confiou a execução do seu aFrancisco Xavier Freire.Francisco da Cruz Alagoa, o 4º conde do Vimieiro e sua mulher, D. Teresa de MeloBreyner, o 5º conde da Ponte cuja marca de posse é idêntica à do 1º Conde do mes-mo título, Manuel Pais de Aragão Trigoso Pereira de Magalhães, António Henriquesda Silveira, Rainha Dona Maria I e tantos outros marcaram os seus livros com belospertences, na sua maioria heráldicos. A essa regra não fugiu o Hospício de S. JoãoNepomuceno dos Carmelitas Descalços cujo pertence é também de expressão herál-dica.Já nos finais do século, Francesco Bartolozzi abriu chapas para o General Bartolomeuda Costa e D. Isabel José de Meneses, tendo prosseguido a sua actividade nos primei-ros anos do século XIX com trabalhos para o 1º conde da Barca e para o 1º conde doFunchal.Deste século XIX são, entre já muitos outros, os ex-líbris de João Allen, do 3º Condede Alva, e de João Baptista da Silva Leitão de Almeida Garrett, futuro Visconde deAlmeida Garrett , que após ter sido agraciado com o título mandou proceder à substi-tuição do elmo que figurava na chapa do seu ex-líbris pelo respectivo coronel de vis-conde.Como o são os de muitos outros utentes de entre os quais se destacam o do 8º Mar-quês de Fronteira, gravado em Londres por Wyon, o do General Adolfo Loureiro,aberto por Francisco Pastor em xilogravura, e cuja colecção, constituída por mais de15000 pertences foi leiloada em Paris dela restando a memória consubstanciada porum raro catálogo, os dos grandes bibliófilos Aníbal Fernandes Tomás e FernandoPereira Palha cuja opulenta e preciosa biblioteca foi vendida para os Estados Unidosda América, onde se encontra integrada na Biblioteca do Congresso, em Washington.O século XX é, indubitavelmente, aquele que levou mais utentes a mandarem execu-tar os seus pertences. Razões de natureza diversa justificam esta afirmação destacan-do-se a descoberta e divulgação de novas técnicas mecânicas derivadas da fotografia,a realização de exposições de ex-líbris que muito contribuíram para o relançar dogosto pelo seu uso e a publicação de obras da especialidade que, de forma cientifica,permitiam o conhecimento e estudo de peças antigas ao mesmo tempo que divulga-vam as, então, modernas.
  8. 8. 8De entre os muitos artistas que, no presente século se têm destacado na execução demarcas de posse merecem um particular destaque os desenhadores Abel Salazar,Almada Negreiros, António Piedade, António Lima, Aulo-Gélio Severino Godinho,Eduardo Dias Esperança, João Paulo de Abreu Lima, José Bénard Guedes, D. MiguelParaty os burilistas António Pais Ferreira, Renato de Araújo, Bastos Silva e Isaías Pei-xoto, o serígrafo Eduardo Dias Ferreira, os xilogravadores Padre Augusto Nunes Perei-ra e Manuel Cabanas e os linoleogravadores Maria Giovanna Bessone e SegismundoPinto.E, já no século actual, se muitos dos artista já citados continuam a produzir merecemuma referência elugiosa, porque incentivante, José Noronha Osório, Americo Carnei-ro e David Fernandes cuja obra, ainda escassa, prenuncia já um artísta de quem seespera um importante contributo para a arte do ex-líbris.Merecem particular referência algumas obras sobre ex-líbris publicadas em Portugaldesde 1900 , ano em que Sousa Viterbo publicou “ Heráldica Literária “. A partir de1901 Joaquim de Araújo iniciou a publicação do raríssimo “ Archivo de Ex-Líbris Por-tugueses “ seguindo-se, em 1902, a obra de Aníbal Fernandes Tomás “ Os Ex-LíbrisPortugueses - subsídios para o seu catálogo “. Martinho da Fonseca editou o Almana-que Ferin e Fernandes Tomás, em 1904-05, “ Ex-Líbris Ornamentais Portugueses “.Mais tarde, de 1916 a 1924, saiu a “ Revista de Ex-Líbris Portugueses “, dirigida peloConde de Castro e Solla e por Ferreira Lima.Com a realização da Primeira Exposição de Ex-Líbris em Portugal, da iniciativa de LuísDerouet, realizada em 1927, na Imprensa Nacional, em Lisboa, de que se publicou umCatálogo Geral, imprescindível elemento de estudo, iniciou-se o segundo período doex-librismo.Iniciada em 1927 e prolongando-se até 1934, a “ Revista de Ex-Líbris Portuguesescontribuiu para a divulgação dos pertences então surgidos, numerosos, nem semprede boa qualidade artística, mas expressando um gosto renovado.O terceiro período do ex-librismo, iniciado em 1946 com a publicação do suplementode “ O Enigma “, dirigido por Eduardo Leiria Dias, foi marcado pelo início dapublicação, em 1951, de “ Ex-Líbris (Portugal) “, dirigida por Mário Lourinho Rodri-gues Vinhas, e que durou até ao seu falecimento, já na década de 90.Em 1952 decorreu na Casa do Alentejo uma reunião de ex-libristas visando a criaçãode um Centro Cultural de Ex-Líbris, que mais tarde adoptou a designação de Acade-mia Portuguesa de Ex-Líbris, datando de 1955 o início da publicação do seu Boletimque continua até ao presente, sendo, por cessação de actividade das publicaçõescongéneres, a única revista da especialidade que se edita em Portugal.
  9. 9. 9Em 1956 e por iniciativa de Artur Mário da Mota Miranda foi fundada no Porto aAssociação Portuense de Ex-Líbris, cuja designação foi mudada em 1975 para Associa-ção Portuguesa de Ex-Líbris, que passou a editar “ A Arte do Ex-Líbris “ e que durouaté 1996, ano em que faleceu o grande coleccionador Aulo-Gélio Severino Godinho,principal esteio da revista nos últimos anos da sua existência.Em 1976 decorreu em Lisboa o XVI Congresso Internacional de Ex-Libristas que veiodar um novo alento ao ex-librismo, quer pelas magníficas exposições então realizadasquer pelo reatar do convívio entre os amadores de pertences, traduzido pela concre-tização de Encontros Nacionais de Ex-Libristas que têm vindo a ocorrer em diversascidades.Para não citar eventos de menor dimensão mas não de menor significado, é de toda ajustiça mencionar o ocorrido em Tomar, de 22 de Fevereiro a 8 de Março de 2003, naBiblioteca Municipal Manuel Cartaxo da Fonseca, em Tomar e que consistiu numaexposição de Ex-Líbris com a cruz da Ordem de Cristo, realizada pela Academia Portu-guesa de Ex-Líbris com o patrocínio da Câmara Municipal de Tomar, cujo catálogoconstitui um arrolamento muito exaustivo, embora não total.Ainda em 2003 e até Março de 2004, decorreu no Museu do Mar - Rei D. Carlos, emCascais, um outro evento que se intitulou “Os ex-líbris e o Mar“ cuja temática foiretomada em 2010, no Museu da Marinha, com a mostra “Ex-líbris do mar” de queforam editados os respectivos, e bons, catálogos.Das obras publicadas nos últimos anos merecem destaque o “ Manual de Ex-Libristica“, de Fausto Moreira Rato, editado em 1976 pela Imprensa Nacional - Casa da Moeda,“ Ex-Líbris Heráldicos Portugueses “, de Henrique Gomes de Avelar, cujo primeirovolume apareceu em 1976 e o segundo em 1980, e “ Ex-Líbris Portugueses Heráldicos“, de Sérgio Avelar Duarte, aparecido em 1990, numa edição de Livraria CivilizaçãoEditora e cujo segundo volume, anunciado para breve, se aguarda com mal contidaexpectativa e interesse.Tal, infelizmente, não se pode dizer em relação ao aparecimento do “ ArrolamentoGeral de Ex-Líbris Portugueses “ do falecido publicista Fausto Moreira Rato, numaedição da Imprensa Nacional - Casa da Moeda pois, tendo tido o lançamento anuncia-do, há longos anos, na sequência da composição tipográfica da obra, de que se che-garam a tirar provas, não veio a ser concretizado o que constituiu um gravíssimoatentado à cultura portuguesa.Uma palavra sobre coleccionadores e colecções. Deram brado as colecções do Gene-ral Adolfo Loureiro, a primeira que entre nós se constituiu, e as dos expositores de1927, Condes de Almarjão e da Folgosa, Luís Derouet, Cardoso Marta, Matias Lima,bem como as de João Jardim de Vilhena e de Ferreira Lima, ambas doadas à Bibliote-ca da Universidade de Coimbra onde permanecem á consulta dos interessados.
  10. 10. 10Mais recentemente merecem referência as de Aulo-Gélio Godinho e Fausto MoreiraRato, ambas adquiridas pelo já falecido Dr. Almeida Dias, e as de Henrique de Avelar,Sérgio de Oliveira, Eng. Manuel de Lancastre Bobone, Artur Mário da Mota Miranda,Sérgio Avelar Duarte, Dr. Carlos Cabral Vilas Boas e Eugénio Mealha Costa. Se umasse conservam felizmente intactas e na posse ou dos herdeiros ou dos possuidores,outras foram dispersas, como as colecção de João de Lemos Seixas Castelo Branco e ado Eng.º Gonçalo de Almeida Garrett, a primeira vendida peça a peça e a segundafragmentada em lotes num leilão realizado há alguns anos.E, a este propósito, seja-me permitida uma pergunta: para quando a constituiçãoduma colecção na Biblioteca Nacional, já que desde a realização da exposição “Ex-Líbris – Colecções Arq.º Segismundo Pinto e Biblioteca Nacional de Lisboa” em 1998,tal ainda não ocorreu?E, também, uma sugestão – que o Arquivo Municipal de Vila Real integre no seu pre-cioso espólio uma colecção de ex-libris de interesse regional facilmente consultávelpelos interessados.Vejamos duas questões práticas.Todos podem, e devem, usar ex-líbris bastando para isso ter um desenho expressivo,executado pelo próprio ou por um artista, que transmitindo algo da personalidade doseu futuro utente seja transposto para uma matriz reprodutora, apropriada paraimpressão ou estampagem, ou mesmo reproduzido em fotocópia ou impressora decomputador, o que não é nem caro nem complicado. Marcas de posse mais requinta-das, executadas por artistas consagrados, obviamente que são mais dispendiosas. Dequalquer maneira cada caso exigirá uma solução concreta que congrace economiacom bom gosto e arte.Como formar uma colecção? Começando por ter um ex-líbris pessoal disponível quepossa ser permutado com outros coleccionadores cujos nomes e endereços poderãoser obtidos junto ou de outros coleccionadores ou da Academia Portuguesa de Ex-Líbris, instituição de que deverão ser sócios todos os ex-libristas. Depois, como diz opovo, o comer e o coçar estão no começar...Todavia, coleccionar não é, nem pode ser sinónimo de juntar. À recepção das peçassegue-se o necessário tratamento dos ex-líbris, que se inicia com a sua montagem emfolhas de cartolina próprias para o efeito e a sua catalogação em fichas concebidas daforma que melhor responda às necessidades específicas do seu organizador.
  11. 11. 11Termino formulando um voto: que esta exposição, mais do que uma mostra cuidado-samente preparada e desveladamente executada pelo Arquivo Municipal de Vila Realpossa ser utilizada como uma preciosa ferramenta pedagógica a utilizar por docentese alunos que a visitem e constitua um real incentivo para que surja uma nova emoderna geração de ex-libristas que assegure um remoçamento do ex-librismo emPortugal.E, também, fazendo um pedido: para que isso aconteça interessem-se pela vida asso-ciativa de cariz cultural, particularmente aquela que tem por objecto os ex-líbris.Segismundo PintoPresidente da Direcção
  12. 12. 12Acrósticos – José Mesquita dos Santos.Composição tipográfica.Actividades artísticas – João de Almeida Lucas.Zincogravura. Desenho: Estarte, óp. 257.
  13. 13. 13Aeronáutica – Rui de Avila Ferrão Castel-Branco.Zincogravura. Desenho: Teófilo Braga da Silva, 1968.Amizade – Luís Aires.Zincogravura. Desenho: Luís Aires.
  14. 14. 14Antonianos – Instituto Português de Santo António, em Roma.Zincogravura. Desenho: Bénard Guedes, óp. 1, 1958.Aracnídeos – Emídio Mil-Homens.Buril sobre cobre. Desenho: J. De A. Monteiro. Gravura: Paes Ferreira, óp. 407, 1997.
  15. 15. 15Arlequim – Eduardo Alfredo Machado Guimarães de Mendia.Zincogravura. Desenho: Eduardo de Mendia.Arqueologia – Ana Cristina Martins.Linóleo. Desenho e Gravura: Segismundo Pinto, óp. 350, 2013.
  16. 16. 16Art Deco – Ateneu Comercial do Porto.Zincogravura. Desenho: Vasco de Lacerda.Arte Nova – José Santos Lima.Zincogravura.
  17. 17. 17Arte africana – Fausto Moreira Rato.Zincogravura. Desenho: Botella, 1957.Automobilismo – Urbano Germano Alves.Zincogravura. Desenho: Moreira Júnior, 1933.
  18. 18. 18Azulejaria – Francisco Carlos Conceição de Vergikosk.Buril sobre cobre. Desenho: J. Pinto, 1930. Gravura: Paes Ferreira, óp. 283, 1987.Barcos – Paulo G. Ramalheira.Zincogravura.
  19. 19. 19Bibliotecas – Francisco J. Martins.Buril sobre aço. Gravura: Renato de Araújo.Bombeiros – Afonso Jesus Fernandes.Fotogravura.
  20. 20. 20Brasiliana – João de Almeida Lucas.Zincogravura. Desenho: Alberto Lima, óp. 96, 1949.Brinquedos populares – Amílcar Mota.Zincogravura. Desenho: J.C.
  21. 21. 21Camoneanos – Biblioteca Nacional.Buril sobre cobre. Desenho: Columbano. Gravura: Paes Ferreira, óp. 152, 1980.Cavalos – Artur Mário da Mota Miranda.Buril sobre cobre. Gravura: ERV.
  22. 22. 22Cinema – João de Almeida Lucas.Zincogravura. Desenho: Moura.Cegonha – Corrêa Neves.Zincogravura.
  23. 23. 23Clássicos – Luís José de Vasconcelos e Azevedo.Buril sobre cobre. Desenho e Gravura: Clemente Billinque, 1695.Coelho – José Maria e Maria José Pereira Coelho.Zincogravura. Desenho: Stuart, 1944.
  24. 24. 24Comemorativos – António Paes Ferreira.Buril sobre cobre. Desenho e Gravura: Paes Ferreira, óp. 94, 1975.Comércio – Álvaro dos Santos Costa.Buril sobre cobre. Desenho: António Lima. Gravura: Paes Ferreira, óp. 7, 1981.
  25. 25. 25Congregações religiosas – Hospício de S. João Nepomuceno.Buril sobre cobre.Conhecimento – Carlos Pires.Xilogravura. Desenho e Gravura: Abreu e Lima.
  26. 26. 26Contabilidade – Sociedade Portuguesa de Contabilidade.Zincogravura.Crítica política - João Gomes.Zincogravura. Desenho: P.
  27. 27. 27Dança – José António Falcão.Zincogravura.Decoração e Serralharia – João Luís Esteves.Zincogravura. Desenho: João Luís Esteves.
  28. 28. 28Desporto – José da Glória Alves.Zincogravura. Desenho: José da Glória Alves, 1940.Descobrimentos – Fernando Ribeiro de Matos.Zincogravura. Desenho: José António Marques.
  29. 29. 29Diabos – Leal da Câmara.Zincogravura e fotogravura. Desenho: Leal da Câmara.Ditados populares – Francisco Moniz.Zincogravura. Desenho: Augusto Moreira Junior.
  30. 30. 30Divindades hindus – Telmo José de Bragança.Buril sobre cobre. Desenho: Bénard Guedes, óp. 15. Gravura: Paes Ferreira, óp. 96, 1976.Emblemas de Clubes Desportivos – Sport Lisboa e Benfica.Zincogravura. Desenho: Florêncio Rogery, 1956.
  31. 31. 31Engenharia – Mário Páscoa.Zincogravura. Desenho: A L.Eróticos – Maria Manuela Isidoro Cavaco Neto.Impressão a laser. Desenho: Segismundo Pinto, óp. 312, 2006.
  32. 32. 32Escultura – Sérgio Nuno de Oliveira Vinhas.Zincogravura. Desenho: Sérgio Vinhas, 1970.Escutismo – Joaquim de Sousa Alves da Costa.Zincogravura.
  33. 33. 33Esgrima – Mário Lourinho Rodrigues Vinhas.Zincogravura. Desenho: Henrique Mourato, 1985.Etiquetas tipográficas – C. C. C. F. A. P. Da Sylva Ribeiro.Xilografia com composição tipográfica.
  34. 34. 34Etnografia – Adolfo Faria de Castro.Zincogravura. Desenho: Adolfo Faria de Castro.Familiares – familia Rodrigues da Silva.Zincogravura. Desenho: Ruy Palhé da Silva, óp. 46, 1983.
  35. 35. 35Farmácia – Maria Cristina de Pinho Ferreira Guiné.Zincogravura. Desenho: Ruy Palhé da Silva, óp. 105, 1991.Figuras históricas – Arquivo Histórico Militar.Buril sobre cobre. Desenho: António Lima. Gravura: Paes Ferreira, óp. 32, 1954.
  36. 36. 36Figuras políticas – Maurício Pinto.Zincogravura e fotogravura.Flores – Paula Cristina Arthur.Serigrafia manual a 5 cores. Desenho e Gravura: Eduardo Dias Ferreira, óp. 217.
  37. 37. 37Gatos – Emília Félix.Zincogravura.Genealogia – Luís Augusto de Mancelos Ferraz.Zincogravura.
  38. 38. 38Guerra – Filipe Rodrigues.Zincogravura. Desenho: S. Branco, 1987.Heráldicos – Miguel António do Carmo de Noronha de Paiva Couceiro. 4.º Conde de Paraty.Offset a cores. Desenho: Miguel António concluído por Carlos da Silva Lopes, 1972.
  39. 39. 39Humorísticos – Armando Rodrigues.Zincogravura. Desenho: Rogério Ribeiro, 1951.Imprensa regional – Aníbal Correia de Matos.Zincogravura. Desenho: F. Simões.
  40. 40. 40Infantis – Maria Judite Sollas.Zincogravura. Desenho: José Carlos de Oliveira Sollas, 1959.Iniciáticos – António Goulart.Offset a cores.
  41. 41. 41Insígnias Doutorais - Adelino Hermitério da Palma Carlos.Zincogravura. Desenho: F.R.Instrução – Fernando Botas.Zincogravura. Desenho: Allonso, 1935.
  42. 42. 42Instrumentos musicais – José Viana da Mota.Água forte. Desenho e Gravura: Sousa Lopes.Justiça – Adrião Pereira Forjaz de Sampaio.Buril sobre cobre.
  43. 43. 43Leões – Octávio Rafael Guerreiro Carvalho.Copiógrafo a álcool. Desenho: Rafael Carvalho, 1985.Letrismo – Luís de Sousa.Zincogravura. Desenho: Luís de Sousa, 1932.
  44. 44. 44Liberdade – Jayme Varela.Zincogravura. Desenho: Moreira Júnior.Macabros – Sebastião Pimentel Monteiro.Zincogravura e composição tipográfica.
  45. 45. 45Malacologia – Rolanda Albuquerque de Matos.Offset a cores. Desenho: José Manuel Pedroso da Silva, 2003.Mapas – Rui dos Santos Oliveira.Zincogravura, 1982.
  46. 46. 46Máximas – Edgard Piló.Zincogravura.Medicina – Mattos Ferreira.Zincogravura a duas cores. Desenho: E. S.
  47. 47. 47Monumentos – Artur Mário da Mota Miranda.Buril sobre cobre. Desenho e Gravura: F S, óp. 188.Monumentos artísticos – D. José da Silva Pessanha.Zincogravura. Desenho: Alberto Sousa, 1916.
  48. 48. 48Mulheres – Ruth Albuquerque.Buril sobre cobre. Desenho: António Lima. Gravura: Isaías Peixoto, 1955.Música – Maria Raquel Bandeira de Melo.Zincogravura.
  49. 49. 49Olissiponenses – Jaime Augusto de Moura.Litografia a cores. Desenho. Milly Possoz.Numismática – J. O. de Sousa Nunes.Fotogravura. Desenho: Rui Fernandes, 1979.
  50. 50. 50Paisagem – Alberto Villares.Água forte, água tinta e buril sobre cobre. Desenho e Gravura: Vanting.Passatempos – Fausto Moreira Rato.Zincogravura. Desenho: Luna de Carvalho, 1955.
  51. 51. 51Pavão – Joaquim Pavão.Zincogravura. Desenho: R. P.Pecuária – José Félix Pereira.Zincogravura. Desenho: Allonso.
  52. 52. 52Peregrinos – Américo Chaves de Almeida.Buril sobre cobre. Desenho: António Lima. Gravura: Renato de Araújo, 1953.Pesca desportiva – José Joaquim da Silva Nuno.Zincogravura. Desenho: Rui Fernandes, 1978.
  53. 53. 53Queirozianos – Carlos Manuel Silva.Zincogravura a duas cores. Desenho: Rui Fernandes, 1978.Quixotescos – Eduardo Dias Ferreira.Buril sobre cobre. Desenho: Vitor Tomaz. Gravura: Paes Ferreira, óp. 101, 1977.
  54. 54. 54Rato Mickey – Dárcio Micael.Xilogravura. Desenho: Rui Palhé da Silva, 1985.Regionais – João Rosa.Zincogravura a esmalte. Desenho: Maria Figuerolla, óp. 63, 1970.
  55. 55. 55Religião Judaica – Samuel Schwarz.Zincogravura. Desenho: JR.Retrato - Pedro Maria.Serigrafia manual a 4 cores. Desenho e Gravura: Eduardo Dias Ferreira, óp. 434.
  56. 56. 56Sanjoaninos – Sérgio Fernão Ferreira de Oliveira.Offset a cores. Desenho: Aulo-Gélio Severino Godinho, 1987.Saúde – Álvaro de Sousa.Zincogravura a três cores. Desenho: J. Martins, óp. 10, 1949.
  57. 57. 57São Jorge – Carlos Malheiro Dias.Zincogravura a três cores. Desenho: António Lima.Serpente – Francisco Tavares.Água forte, água tinta e roulette sobre cobre.
  58. 58. 58Solares – Artur Mário da Mota Miranda.Offset a cores. Desenho: Aulo-Gélio Severino Godinho, 1978.Tauromaquia – Vítor Manuel Escudero de Campos.Offset. Desenho: David da Silva Fernandes, 2013.
  59. 59. 59Teatro – Vasco Santana.Carimbo de borracha.Tipografia – Henri Gris.Buril sobre cobre. Desenho e Gravura: J. Borges, 1975.
  60. 60. 60Tipos populares – Junta Central das Casas do Povo.Zincogravura.Vida – José Mercier Marques.Zincogravura. Desenho: Atila Mendeley, 1978.
  61. 61. 61Vinho – Luís Manuel Mendes Brum.Zincogravura.Xadrez – Isaías Pires Peixoto.Buril sobre cobre. Desenho: Aulo-Gélio Severino Godinho, 1976. Gravura: Isaías Peixoto.
  62. 62. 62
  63. 63. 63
  64. 64. 64© Arquivo Municipal de Vila Real - Março 2013
  65. 65. 65

×