Sociedade, cultura e cotidiano no
brasil imperial
Cronologia
▪ 1807 A família real parte
Em outubro de 1807, negociações entre Portugal e Inglaterra acertaram a transferênc...
• 1820 A revolução liberal
Começou na cidade do Porto e foi se espalhando, o motivo disso era que os rebeldes exigiam
a vo...
Introdução
Às vésperas da chegada da corte ao Rio de Janeiro, o Brasil era um
amontoado de Regiões mais ou menos autônomas, sem comer...
Cerimônia do Beija-mão
Mudanças Culturais após a chagada da
Corte Portuguesa
Banco do Brasil
O Banco do Brasil foi o Primeiro banco a funcionar no país. A instituição
financeira foi criada em 12 de o...
Imprensa Régia
Imprensa Régia foi a primeira editora brasileira, fundada em 1808 na cidade
do Rio de Janeiro. A Impressão ...
Biblioteca Nacional
A Biblioteca Nacional, também chamada de Biblioteca Nacional do Brasil, cujo nome
oficial instituciona...
Real Academia Militar
A Real Academia Militar foi uma instituição militar de ensino
superior portuguesa.
Sucedeu à Real Ac...
Jardim Botânico
O Instituto de Pesquisas Jardim Botânico
do Rio de Janeiro, tradicional e
popularmente referido apenas
com...
Museu Nacional
O Museu Nacional, vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é
voltado à difusão científica...
Missão artística Francesa
A Missão Artística Francesa foi um grupo de
artistas e artífices franceses que,
deslocando-se pa...
Romantismo no Brasil: Características e autores
Marco inicial
Publicação de
"Suspiros Poéticos e
Saudades",
de Gonçalves d...
O Realismo no Brasil teve seu início,
oficialmente, em 1881, com a publicação
de Memórias Póstumas de Brás Cubas, de
seu m...
Correio Braziliense ou Armazém
Literário foi um mensário
publicado por Hipólito José da
Costa Pereira Furtado de
Mendonça ...
A Gazeta do Rio de Janeiro,
fundada em 10 de
setembro de 1808, foi o
primeiro jornal impresso no Brasil,
nas máquinas da I...
Apesar do clima tropical, os
brasileiros adotaram
vestimentas à moda inglesa
(masculina) e francesa
(feminina). As cores v...
1850-1900 - Choro Animado – Desponta no Rio de Janeiro
uma geração de compositores populares da classe
média. Eles compõem...
AS MODINAS E LUNDU 1750 – 1850
O predomínio dos elementos
portugueses, africanos e indígenas
fizeram surgir o lundu e as m...
A desordem na corte, enfatizando os
capoeiras, amedrontaram a
população carioca durante décadas
e os jogos de azar, realiz...
O desenvolvimento da urbanização no Brasil
imperial
• Rio de Janeiro: principal centro urbano do país,
capital do império,...
Economia imperial 1808
A economia do Brasil foi voltada a cafeeira ao final do século 18 ocorre o
crescimento da produção,...
No Oeste Paulista por sua vez aconteceu a modernização da
produção e uma diversificação econômica onde os
cafeicultores do...
Depois da chegada da família real duas medidas de Dom João deram
rápido impulso à economia brasileira: a abertura dos port...
Informação Extra
http://educarparacrescer.abril.com.br/1808/
http://www.soliteratura.com.br/linha_tempo/
Livro 1808
Lauren...
Alunos:
Isabela Matos, Angelo Otto, Gabriella Ferreira, Amir Fischer, Débora Kind,
Karolayne Miranda
Profº Wladimir Colman...
Sociedade e Cultura no Brasil imperial
Sociedade e Cultura no Brasil imperial
Sociedade e Cultura no Brasil imperial
Sociedade e Cultura no Brasil imperial
Sociedade e Cultura no Brasil imperial
Sociedade e Cultura no Brasil imperial
Sociedade e Cultura no Brasil imperial
Sociedade e Cultura no Brasil imperial
Sociedade e Cultura no Brasil imperial
Sociedade e Cultura no Brasil imperial
Sociedade e Cultura no Brasil imperial
Sociedade e Cultura no Brasil imperial
Sociedade e Cultura no Brasil imperial
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sociedade e Cultura no Brasil imperial

985 visualizações

Publicada em

apresentação sobre a sociedade e cultura do brasil imperial, antes e após a chegada da família Real

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
985
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
89
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sociedade e Cultura no Brasil imperial

  1. 1. Sociedade, cultura e cotidiano no brasil imperial
  2. 2. Cronologia ▪ 1807 A família real parte Em outubro de 1807, negociações entre Portugal e Inglaterra acertaram a transferência da família real com escolta do governo inglês. A família real partiu de Lisboa, acompanhada de aproximadamente 10 mil pessoas da corte, no dia 29 de novembro com destino ao Brasil. • 1808 A abertura dos portos Alguns dias depois de chegar ao Brasil, D.João assinou o decreto que abriu os portos brasileiros ao comércio com as nações amigas, acabando com o exclusivo comercial metropolitano. ▪ 1815 Reino Unido Em 1815, o Brasil foi elevado à categoria de Reino Unido a Portugal e Algarves, deixando de ser uma colônia. ▪ 1816 Chegada da Missão Artística Francesa: Chega a Missão Artística Francesa trazendo vários artistas, entre eles Jean-Baptiste Debret. • 1817 Revolução Pernambucana Padres, artesões, militares, juízes, proprietários de terra e outros setores sociais tomaram o governo de Recife e proclamaram a república.
  3. 3. • 1820 A revolução liberal Começou na cidade do Porto e foi se espalhando, o motivo disso era que os rebeldes exigiam a volta de D. João VI e uma constituição liberal para o país. • 1822 Dia do Fico Foi o dia em que Dom Pedro resolver deixou de lado as pressões do povo português e permaneceu no Brasil. • 1822 Declaração da Independência Apesar do Brasil não ter ficado independente naquele dia, D. Pedro rompeu com as cortes e proclamou a independência do Brasil: “Independência ou Morte”.
  4. 4. Introdução
  5. 5. Às vésperas da chegada da corte ao Rio de Janeiro, o Brasil era um amontoado de Regiões mais ou menos autônomas, sem comercio ou qualquer forma de relacionamento. Cada capitania tinha seu governante, sua pequena milícia e seu pequeno tesouro; a comunicação entre elas era precária, sendo que geralmente uma ignorava a existência da outra. Nessa época o Brasil era povoado por cerca de 3 milhões de habitantes (menos de 2% da população atual), sendo que a cada três brasileiros, um era escravo. A população indígena era estimada em 800 000 pessoas. A mancha de povoamento ainda se concentrava no litoral, com algumas cidades no interior de São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e ao longo do rio amazonas. Minas gerais era a província mais populosa, com pouco mais de 600 000 habitantes. Em seguida, vinha o Rio de Janeiro com meio milhão. Bahia e Pernambuco ocupavam, respectivamente, o terceiro e quarto lugar.
  6. 6. Cerimônia do Beija-mão
  7. 7. Mudanças Culturais após a chagada da Corte Portuguesa
  8. 8. Banco do Brasil O Banco do Brasil foi o Primeiro banco a funcionar no país. A instituição financeira foi criada em 12 de outubro de 1808, através de um alvará do príncipe regente D. João de Bragança. Inicialmente foi aberto ao público o capital de 1,2 mil ações de um conto de Réis cada, destinado a grandes negociantes ou pessoas abastadas.
  9. 9. Imprensa Régia Imprensa Régia foi a primeira editora brasileira, fundada em 1808 na cidade do Rio de Janeiro. A Impressão Régia brasileira foi uma filial da editora (de mesmo nome) existente em Lisboa, capital de Portugal. A iniciativa foi em função da chegada da família real portuguesa em terras brasileiras . A primeira sede da Impressão Régia localizou-se no pavimento térreo da casa do Conde da Barca, na rua do Passeio 44, transferindo-se a seguir para rua dos Barbonos (Evaristo da Veiga).
  10. 10. Biblioteca Nacional A Biblioteca Nacional, também chamada de Biblioteca Nacional do Brasil, cujo nome oficial institucional é Fundação Biblioteca Nacional, é a depositária do patrimônio bibliográfico e documental do Brasil, considerada pela UNESCO como a sétima maior biblioteca nacional do mundo e, também, é a maior biblioteca da América Latina. Entre suas várias responsabilidades incluem-se a de preservar, atualizar e divulgar uma coleção com mais de oito milhões de peças, que teve início com a chegada da Real Biblioteca de Portugal ao Brasil e cresce constantemente, a partir de doações, aquisições e com o depósito legal. Entre os objetos que deveriam acompanhar a família real em sua viagem para o brasil estavam os caixotes de livros e documentos da Real Biblioteca da Ajuda, de Lisboa, com um acervo de cerca de 60 mil peças. Na pressa, os caixotes ficaram abandonados no porto e só em 1810 começaram a ser transferidas para o Brasil. Com o acervo novamente reunido, D. João fundou a Real Biblioteca Nacional. Até 1814, apenas os estudiosos podiam consultar a biblioteca e, mesmo assim, mediante autorização régia. Depois dessa data, o acesso foi liberado ao público
  11. 11. Real Academia Militar A Real Academia Militar foi uma instituição militar de ensino superior portuguesa. Sucedeu à Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho, em Lisboa (1790), e à Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho, nas dependências da Casa do Trem de Artilharia (atual Museu Histórico Nacional), no Rio de Janeiro (1792). Dela se originou a atual Academia Militar das Agulhas Negras.
  12. 12. Jardim Botânico O Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, tradicional e popularmente referido apenas como Jardim Botânico do Rio de Janeiro, é um instituto de pesquisas e jardim botânico localizado no bairro do Jardim Botânico, na zona sul do município do Rio de Janeiro, no Brasil. Uma das mais belas e bem preservadas áreas verdes da cidade, é um exemplo da diversidade da flora brasileira e estrangeira. Nele podem ser observadas cerca de 6 500 espécies (algumas ameaçadas de extinção), distribuídas por uma área de 54 hectares, ao ar livre e em estufas.
  13. 13. Museu Nacional O Museu Nacional, vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é voltado à difusão científica e cultural atuando na interface memória e produção científica. É um dos mais importantes museus brasileiros, sendo a primeira instituição científica do país e o maior museu de história natural e antropológica da América Latina. Criado por Dom João VI, em 6 de junho de 1818 e sediado inicialmente no Campo de Santana, serviu para atender aos interesses de promoção do progresso cultural e econômico no país. Originalmente denominado de Museu Real, foi incorporado à universidade em 1946. Está localizado no interior do Parque da Quinta da Boa Vista, na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. O palácio foi residência da família real portuguesa de 1808 a 1821, pertenceu à família imperial brasileira de 1822 a 1889, abrigou a primeira Assembleia Constituinte Republicana de 1889 a 1891 e é sede do Museu Nacional desde 1892. Ser a residência da família imperial brasileira até 1889 deu ao museu um caráter ímpar frente às outras instituições do gênero
  14. 14. Missão artística Francesa A Missão Artística Francesa foi um grupo de artistas e artífices franceses que, deslocando-se para o Brasil no início do século XIX, revolucionou o panorama das Belas-Artes no país introduzindo o sistema de ensino superior acadêmico e fortalecendo o Neoclassicismo que ali estava iniciando seu aparecimento. O grupo era liderado por Joachim Lebreton e foi amparado pelo governo de Dom João VI, mas seu trabalho tardou a frutificar, encontrando a resistência da tradição barroca firmemente enraizada e tendo de enfrentar a escassez de recursos financeiros e uma série de intrigas políticas que dissolveram boa parte do primeiro entusiasmo oficial pelo projeto
  15. 15. Romantismo no Brasil: Características e autores Marco inicial Publicação de "Suspiros Poéticos e Saudades", de Gonçalves de Magalhães, em 1836. Marco final Publicação de "Memórias Póstumas de Brás Cubas", de Machado de Assis, em 1881, que inaugura o realismo. Contexto cultural Recém independente, o país procura afirmar sua identidade, tentando desenvolver uma cultura própria, baseada em suas raízes indígenas ou sertanejas. No entanto, isso se faz a partir da reprodução dos modelos do romantismo europeu, o que reflete o caráter intrinsecamente contraditório do romantismo brasileiro. Características de estilo De maneira geral, predominam as mesmas características do romantismo europeu. Contudo, vale mencionar a busca de autores como Gonçalves Dias e José de Alencar de "abrasileirar" a língua portuguesa. Também merecem destaque o Indianismo (que ganhou forma através da prosa romântica e da poesia do Romantismo) e o regionalismo, expressões tipicamente brasileiras do nacionalismo romântico. Com o Romantismo tem início da prosa de ficção brasileira.
  16. 16. O Realismo no Brasil teve seu início, oficialmente, em 1881, com a publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas, de seu mais célebre autor, Machado de Assis. Esta escola só entra em declínio com o surgimento do Parnasianismo, por volta de 1890. Com a introdução do estilo realista, assim como do naturalista, o romance, no Brasil, ganhou um novo alcance, a observação. Começou-se a escrever buscando a verdade, e não mais para ocupar os ócios dos leitores.1 Machado de Assis, considerado o maior expoente da literatura brasileira e do Realismo no Brasil, desenvolve em sua ficção uma análise psicológica e universal e sela, portanto, a independência literária do país. Realismo no Brasil
  17. 17. Correio Braziliense ou Armazém Literário foi um mensário publicado por Hipólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça (à época, grafado ‘Hippólyto¥) em Londres, é considerado o primeiro jornal brasileiro e circulou de 1° de junho de 1808 a 1 de dezembro de 1822, contando 175 números, agrupados em 29 volumes, editados durante 14 anos e 7 meses, ininterruptamente, com marcante pontualidade. Correio Braziliense
  18. 18. A Gazeta do Rio de Janeiro, fundada em 10 de setembro de 1808, foi o primeiro jornal impresso no Brasil, nas máquinas da Imprensa Régia, no Rio de Janeiro. Seu lançamento marca o início da imprensa no país. Gazeta do Rio de Janeiro
  19. 19. Apesar do clima tropical, os brasileiros adotaram vestimentas à moda inglesa (masculina) e francesa (feminina). As cores vivas, tão comuns aos costumes coloniais, também tendiam a ser substituídas pelo sóbrio preto.
  20. 20. 1850-1900 - Choro Animado – Desponta no Rio de Janeiro uma geração de compositores populares da classe média. Eles compõem para o teatro de revista, sob a influência dos gêneros europeus de dança de salão (como a polca, a mazurca e a valsa), da modinha e do lundu. Trabalham com o choro – termo que ainda não define um gênero de música, e sim grupos instrumentais populares que tocam à base de muita improvisação e virtuosismo. Em 1899, Chiquinha Gonzaga compõe Abre Alas, a primeira marcha carnavalesca. Com suas 77 peças teatrais e mais de 2 mil partituras, ela exerce influência significativa na consolidação da música popular brasileira. Outros compositores importantes são Ernesto Nazaré este também muito influenciado pela música erudita européia) e Patápio Silva. Cultura Musical
  21. 21. AS MODINAS E LUNDU 1750 – 1850 O predomínio dos elementos portugueses, africanos e indígenas fizeram surgir o lundu e as modinhas ambas formas estão relacionadas ao ambiente urbano , na época, são são executadas nas serenatas e em casas de classe media Os músicos eram quase sempre poetas , entre eles os mais famosos estão Domingos Caldas Barbosa , Xisto Bahia e Castro Alves
  22. 22. A desordem na corte, enfatizando os capoeiras, amedrontaram a população carioca durante décadas e os jogos de azar, realizado nos chamados public houses, lugar da prostituição, da vadiagem, da desordem, combatida de forma tenaz pelas autoridades policias da capital do império. Com o desenvolvimento da urbanização a desordem na Corte Aumento do subemprego e da malandragem; Identificação preconceituosa: pobreza e a população negra e mestiça; Capoeiras: vandalismo e criminalidade. A desordem na corte
  23. 23. O desenvolvimento da urbanização no Brasil imperial • Rio de Janeiro: principal centro urbano do país, capital do império, centro cultural, investimentos em transportes, iluminação e embelezamento. • Outros importantes centros: Salvador, Recife, Belém e São Paulo. • Itensificação da vida social. • Sofisticação restrita aos ricos. • Permanência de problemas antigos (ruas estreitas e sujas, falta de higienização, má distribuição e organização.) • Péssimas condições de vida e trabalho para a maioria da população
  24. 24. Economia imperial 1808 A economia do Brasil foi voltada a cafeeira ao final do século 18 ocorre o crescimento da produção, a produção em escala comercial do café fruto do aumento da demanda na Europa e nos estados unidos da América o rio de janeiro tem o estabelecimento de grandes plantações grande lavouras de café devido a condições geológicas e climáticas extremamente favoráveis, temos, portanto o estabelecimento de duas importantes áreas de cultivo de café no Brasil, o vale do Paraíba região fronteiriça do rio de janeiro e são Paulo e o oeste paulista. O vale do Paraíba predominou na produção cafeeira até meados do século 19 onde tinha o plantation cafeeira, ou seja, latifúndio, monocultura e trabalho escravo com produção voltada à exportação onde havia técnicas de produção rudimentares e foi la que surgiu o chamado barões do café que eram grandes cafeicultores.
  25. 25. No Oeste Paulista por sua vez aconteceu a modernização da produção e uma diversificação econômica onde os cafeicultores do oeste paulista tinham outros empreendimentos também, no oeste foi empregada técnicas sofisticadas de cultivo e a utilização de mão de obra livre de imigrantes além de escravos negros, sendo uma maior produtividade e melhor qualidade do produto o escoamento da produção era feito através das ferrovias temos, portanto a construção ligando os cafezais do oeste paulista ao porto de santos, o principal porto de exportação do café ao longo do século 19 e das primeiras décadas do século 20.
  26. 26. Depois da chegada da família real duas medidas de Dom João deram rápido impulso à economia brasileira: a abertura dos portos e a permissão de montar indústrias que haviam sido proibidas por Portugal anteriormente. Abriram-se fábricas, manufaturas de tecidos começaram a surgir, mas não progrediram por causa da concorrência dos tecidos ingleses. Bom resultado teve, porém, a produção de ferro com a criação da Usina de Ipanema nas províncias de São Paulo e Minas Gerais. Outras medidas de Dom João estimularam as atividades econômicas do Brasil como:  Construção de estradas;  Os portos foram melhorados. Foram introduzidos no país novas espécies vegetais, como o chá;  Promoveu a vinda de colonos europeus. A produção agrícola voltou a crescer. O açúcar e do algodão, passaram a ser primeiro e segundo lugar nas exportações, no início do século XIX. Neste período surgiu o café, novo produto, que logo passou do terceiro lugar para o primeiro lugar nas exportações brasileira.
  27. 27. Informação Extra http://educarparacrescer.abril.com.br/1808/ http://www.soliteratura.com.br/linha_tempo/ Livro 1808 Laurentino Gomes
  28. 28. Alunos: Isabela Matos, Angelo Otto, Gabriella Ferreira, Amir Fischer, Débora Kind, Karolayne Miranda Profº Wladimir Colman de Azevedo Ceaf – Centro de Educação Anália Franco 2ºano E.M.

×