MEDIR A EFICÁCIA PUBLICITÁRIA:
IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DO DISCURSO E DA AVALIAÇÃO DA
RELEVÂNCIA DE PENSAMENTOS (CRA)
Eduard...
ENQUADRAMENTO INTRODUTÓRIO:
ESTA SUMÁRIA PALESTRA VISA APRESENTAR ALGUMAS
REFLEXÕES SOBRE A NECESSIDADE DE SE AVANÇAR PARA...
POR ANÁLISE DE EFICÁCIA CONCEBEMOS AS OPERAÇÕES E
PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS QUE VISAM AVALIAR E
PONDERAR (PORTANTO, MEDI...
I – A INTELIGIBILIDADE
NO ÂMBITO DA INTELIGIBILIDADE, É NOSSO OBJECTIVO AVALIAR
– NUMA PERSPECTIVA DE PRÉ-TESTE OU DE PÓS-...
I – A INTELIGIBILIDADE
A avaliação de inteligibilidade exige a adopção de uma grelha de análise
discursiva composta por um...
I – A INTELIGIBILIDADE
Neste slide propomos a estrutura de uma grelha de análise discursiva
CATEGORIA DA INTELIGIBILIDADE ...
C
L
A
S
S
E
S
Modalidades de expressão
- A referencialidade: clareza e
objectividade (sua adequação ao
público-alvo);
- A ...
I – A INTELIGIBILIDADE
Para que esta avaliação da inteligibilidade, possa ser relevante, no sentido de contribuir para uma...
I – A INTELIGIBILIDADE
Exemplo de uma tabela de avaliação
DIMENSÕES DE ANÁLISE
PARÂMETROS DE
AVALIAÇÃO
OBSERVAÇÕES E
SUGES...
I – A INTELIGIBILIDADE
Exemplo de uma tabela de avaliação (CONTINUAÇÃO)
DIMENSÕES DE ANÁLISE
PARÂMETROS DE
AVALIAÇÃO
OBSER...
II – A PERFORMATIVIDADE
NO ÂMBITO DA PERFORMATIVIDADE, É NOSSO OBJECTIVO
PONDERAR/PREVER AS POTENCIALIDADES DAS CAMPANHAS ...
II – A PERFORMATIVIDADE
A AVALIAÇÃO DAS POTENCIALIDADES ESTRATÉGICAS DAS
CAMPANHAS DE COMUNICAÇÃO É DESENVOLVIDA A PARTIR ...
Categorias de
pensamentos
Relevantes para o Self Irrelevantes para o Self
Observações
(+) (-) (+) (-)
SOBRE O
PRODUTO
“Par...
Categorias de
pensamentos
Relevantes para o Self Irrelevantes para o Self
Observações
(+) (-) (+) (-)
MODOS DE
EXECUÇÃO
“G...
Categorias de
pensamentos
Relevantes para o Self Irrelevantes para o Self
Observações
(+) (-) (+) (-)
COMUNI-
CADORES
(ACT...
II – A PERFORMATIVIDADE
O que referimos relativamente à necessidade de ponderar estrategicamente os resultados decorrentes...
Rejeição (-)
Indiferença (-)
Aceitação (+)
Indiferença (+)
Tipo de reacções:
RELEVANTES PARA O SELF
Tipo de reacções:
IRRE...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Medir a eficácia publicitária: importância da análise do discurso e da avaliação da relevância de pensamentos (CRA)

2.536 visualizações

Publicada em

O NEPP, Núcleo de Estudo e Pesquisa em Publicidade e Propaganda, é um grupo de pesquisa da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia, voltado à análise e discussão da prática publicitária.

Publicada em: Educação, Negócios, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.536
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
658
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • , isto é, agregadamente, por intermédio de uma grelha de sistematização de potencial estratégico onde, graficamente, se estabelecerá um ponto da situação da campanha de comunicação analisada no respeitante ao seu potencial de efectividade, isto é, à sua capacidade para gerar os comportamentos intencionados pelo anunciante. Este ponto da situação resultará da ponderação dos três outputs, sendo que o mais importante, o com maior relevância estratégica, será o relativo à persuasão (Mark Effectiveness).
  • Medir a eficácia publicitária: importância da análise do discurso e da avaliação da relevância de pensamentos (CRA)

    1. 1. MEDIR A EFICÁCIA PUBLICITÁRIA: IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DO DISCURSO E DA AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DE PENSAMENTOS (CRA) Eduardo J. M. Camilo UFBA/UBI, Novembro de 2010
    2. 2. ENQUADRAMENTO INTRODUTÓRIO: ESTA SUMÁRIA PALESTRA VISA APRESENTAR ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A NECESSIDADE DE SE AVANÇAR PARA A CONCEPTUALIZAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE ANÁLISE DE EFICÁCIA DE CAMPANHAS DE COMUNICAÇÃO. EXEMPLOS DE CATEGORIAS DE CAMPANHAS DE COMUNICAÇÃO: -PUBLICITÁRIA; -RELAÇÕESPÚBLICAS; -PROPAGANDA E MARKETING RELIGIOSO; -PROPAGANDA E MARKETING POLÍTICO; -PROPAGANDA DE SENSIBILIZAÇÃO CÍVICA; -…
    3. 3. POR ANÁLISE DE EFICÁCIA CONCEBEMOS AS OPERAÇÕES E PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS QUE VISAM AVALIAR E PONDERAR (PORTANTO, MEDIR) O POTENCIAL DE INTELIGIBILIDADE E DE PERFORMATIVIDADE DE UMA ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO. Nota: na análise de eficácia, não estamos interessados em ponderar o potencial de impacto das estratégias de comunicação. Consideramos que já existe alguma produção teórica e metodológica relativa à avaliação de impacto. O problema está principalmente na ponderação da ‘inteligibilidade’ e na avaliação da ‘performatividade’
    4. 4. I – A INTELIGIBILIDADE NO ÂMBITO DA INTELIGIBILIDADE, É NOSSO OBJECTIVO AVALIAR – NUMA PERSPECTIVA DE PRÉ-TESTE OU DE PÓS-TESTE – A DIVERSIDADE DE EFEITOS DE SENTIDO QUE SÃO PRODUZIDOS PELAS DIVERSAS MENSAGENS QUE CONSTITUEM UMA CAMPNHA DE COMUNICAÇÃO.
    5. 5. I – A INTELIGIBILIDADE A avaliação de inteligibilidade exige a adopção de uma grelha de análise discursiva composta por uma diversidade de parâmetros: a) Esta grelha de análise pretende-se o mais exaustiva possível; b) Deverá ser suficientemente ‘maleável’, pois nem todos os parâmetros adquirem a mesma importância nas campanhas de comunicação. São as estratégias de marketing, as estratégias de comunicação ou os briefings que irão possibilitar ao investigador descriminar os parâmetros fundamentais relativamente aos quais a mensagem deverá produzir efeitos de sentido. c) Não correlacionar a análise de conteúdo com o enquadramento estratégico das campanhas vai redundar numa simples análise morfológica e semântica das mensagens, pertinente do ponto de vista da investigação pura e especulativa, mas absolutamente irrisório a partir de um ângulo de análise mais aplicado.
    6. 6. I – A INTELIGIBILIDADE Neste slide propomos a estrutura de uma grelha de análise discursiva CATEGORIA DA INTELIGIBILIDADE (PLANO DO MODO COMO FOI REGISTADO) Nota:Nesta categoria incidirão todas as avaliações sobre a publicidade em geral ou elementos específicos do anúncio analisado, bem como abordagens criativas C L A S S E S Elementos expressivos do anúncio. Reacções à ‘tecnicidade’ da mensagem -Títulos (headlines e baselines) -Textos -Imagens -Grafismos e cromatismos -Letterings (tipografias) -Paginações -Sons -Músicas -Montagens (filmes) e modalidades de construção/disposição -Símbolos -Logótipos ’Morfologia’ da mensagem -Coerência cromática, gráfica; -Coerência temática; -Coerência estilística: redaccional, áudio, audiovisual, etc.. Elementos estilísticos Figuras de estilo (no respeitante à sua clareza e objectividade sobre o tema publicitado)
    7. 7. C L A S S E S Modalidades de expressão - A referencialidade: clareza e objectividade (sua adequação ao público-alvo); - A função fática: duração, suspensão, troca sintáctica; - A esteticidade: beleza, estilo; - A metalinguagem: reconhecimento do material promocional (no respeitante a um género, a uma classe promocional, etc.); - O apelo (claim): a intersubjectividade; - A emotividade: a subjectividade ‘Força’ pragmática da mensagem Avaliação da ‘vocação’, da ‘funcionalidade’, da mensagem: informar, prevenir/aconselhar, apelar à compra, etc.. Significações denotativas (explícitas) da mensagem Grau de simplicidade textual - Compreensão do produto (numa perspectiva genérica ou mais concreta, no que concerne às suas características) - Compreensão da promessa (vantagem competitiva, benefício ou gratificação) - Compreensão das razões, das provas que sustentam a promessa (reason-why). Significações conotativas (implícitas) da mensagem a propósito do produto ou da marca Grau de complexidade textual - Associações de ideias; - Impressões; - Estereótipos; - Atmosferas; I – A INTELIGIBILIDADE
    8. 8. I – A INTELIGIBILIDADE Para que esta avaliação da inteligibilidade, possa ser relevante, no sentido de contribuir para uma incremento da eficácia comunicacional das estratégias de comunicação, deverá responder às seguintes questões: 1ª- Em que medida os efeitos de sentido são suficientemente transparentes e reconhecíveis atendendo às intencionalidades comunicacionais patentes no briefing? 2ª Surgiram ‘zonas’ destituídas de sentido? Qual a sua funcionalidade? A única aceitável é a funcionalidae fática. 3ª Em que medida existem zonas de duplo sentido? É fundamental ponderar as potencialidades estratégicas destes ‘duplos sentido’. Contribuem para reforçar as intencionalidades comunicacionais que estavam subjacentes à concepção e à produção da campnha? 4ªQual o grau de singularidade das abordagens criativas? Do ponto de vista estratégico constitui alguma vantagem? Porquê? 5ª Quais as partes ‘textuais’ mais bem conseguidas da campanha de comunicação? Que fazer (relatório de recomendações) relativamente às menos conseguidas? A resposta a estas questões e a outras que eventualmente possam surgir (estando adstritas às tais situações concretas de enunciação publicitária), vai originar uma grelha de classificação de inteligibilidade do anúncio que nada tem a ver com as suas potencialidades do ponto de vista performativo. De acordo com os diversos parâmetros de análise, assim o anúncio é classificado de modo a descortinarem-se os seus pontos fortes e fracos em termos de inteligibilidade.
    9. 9. I – A INTELIGIBILIDADE Exemplo de uma tabela de avaliação DIMENSÕES DE ANÁLISE PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO OBSERVAÇÕES E SUGESTÕES DE APERFEIÇOAMENTO 1 2 3 4 5 TECNICIDADE DAS MENSAGENS - Títulos (headlines e baselines) - Textos - Imagens - Grafismos e cromatismos - Letterings (tipografias) - Paginações - Sons - Músicas - Montagens (filmes) e modalidades de construção/disposição - Símbolos - Logótipos MORFOLOGIA DAS MENSAGENS - Coerência cromática, gráfica; - Coerência temática; - Coerência estilística: redaccional, áudio, audiovisual, etc.. ELEMENTOS ESTILÍSTTICOS Figuras de estilo (no respeitante à sua clareza e objectividade sobre o tema publicitado)
    10. 10. I – A INTELIGIBILIDADE Exemplo de uma tabela de avaliação (CONTINUAÇÃO) DIMENSÕES DE ANÁLISE PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO OBSERVAÇÕES E SUGESTÕES DE APERFEIÇOAMENTO 1 2 3 4 5 MODALIDADES DE EXPRESSÃO -A referencialidade: clareza e objectividade (sua adequação ao público-alvo); -A função fática: duração, suspensão, troca sintáctica; -A esteticidade: beleza, estilo; -A metalinguagem: reconhecimento do material promocional (no respeitante a um género, a uma classe promocional, etc.); -O apelo (claim): a intersubjectividade; -A emotividade: a subjectividade Reconhecimento da ‘vocação’, da ‘funcionalidade’, da mensagem: informar, prevenir/aconselhar, apelar à compra, etc.. DENOTAÇÃO -Compreensão do produto (numa perspectiva genérica ou mais concreta, no que concerne às suas características) -Compreensão da promessa (vantagem competitiva, benefício ou gratificação) -Compreensão das razões, das provas que sustentam a promessa (reason-why). CONOTAÇÃO -Associações de ideias; -Impressões; Estereótipos;
    11. 11. II – A PERFORMATIVIDADE NO ÂMBITO DA PERFORMATIVIDADE, É NOSSO OBJECTIVO PONDERAR/PREVER AS POTENCIALIDADES DAS CAMPANHAS DE COMUNICAÇÃO PARA A CONCRETIZAÇÃO DOS COMPORTAMENTOS ESTABELECIDOS NOS BRIEFINGS.
    12. 12. II – A PERFORMATIVIDADE A AVALIAÇÃO DAS POTENCIALIDADES ESTRATÉGICAS DAS CAMPANHAS DE COMUNICAÇÃO É DESENVOLVIDA A PARTIR DA METODOLOGIA ‘CRA’ (COGNITIVE RESPONSE ANALYSIS). Trata-se de uma metodologia, primogénita das teorias de processamento cognitivo, que visa avaliar a natureza dos pensamentos formulados pelos públicos-alvo quando em confronto com as mensagens de uma determinada campanha de comunicação. PRESSUPOSTOS EPISTEMOLÓGICOS: -Os pensamentos relevantes para os próprios públicos alvo – de natureza positiva ou negativa – possibilitam aferir sobre o potencial das mensagens para a concretização de certos comportamentos; -Já não é o analista que estuda as mensagens, mas amostras significativas de públicos-alvo organizados em ‘focus groups’ -Do ponto de vista semiótico, estes pensamentos, são interpretações, reacções (pragmáticas) relativas aos efeitos de sentido entretanto veiculados.
    13. 13. Categorias de pensamentos Relevantes para o Self Irrelevantes para o Self Observações (+) (-) (+) (-) SOBRE O PRODUTO “Parece-me de fácil utilização” “Já estou satisfeito com o carro que possuo” “É um Mercedes” “Esta marca não oferece confiança” a) Avaliação da qualidade do anúncio para a produção de competências ou para a melhoria da qualidade da performance dos públicos-alvo. O fazer (e o ser) decorre do poder e do saber proporcionados na mensagem. b) Teoricamente, esta é categoria mais importante. Uma pontuação elevada pressupõe que a estratégia de comunicação apresenta potencial performativo; Esta asserção é no entanto relativa: A performatividade da campanha de comunicação dependerá do reconhecimento (maior ou menor) dos públicos-alvo relativo à utilidade do que é comunicado ou de um elevado grau de envolvimento com o que é comunicado (reconhecimento de importância) . c) A sobrevalorização deste parâmetro no âmbito da avaliação implica que as estratégias de comunicação se integram do domínio das rotas centrais de persuasão no âmbito das quais as abordagens apresentam um forte teor denotativo. Será esse o caso? II – A PERFORMATIVIDADE Grelha de anÁlise discursiva (não incide sobre as mensagens mas sobre a especificidade das reacções dos públicos às mensagens )
    14. 14. Categorias de pensamentos Relevantes para o Self Irrelevantes para o Self Observações (+) (-) (+) (-) MODOS DE EXECUÇÃO “Gosto desta música” “Não com- preendi” “A duração do anúncio é suficiente” “O anúncio não é compreen- sível” a) Avaliação das dimensões discursivas das estratégias de comunicação; b) Nas dimensões discursivas integramos, as abordagens criativas, os temas, espaços e os tempos de acção; c) A sobrevalorização das potencialidades performativas deste parâmetro vai implicar que as estratégias de comunicação se integrem no domínio das rotas periféricas de persuasão e as abordagens tendem a apresentar um teor de natureza conotativa. II – A PERFORMATIVIDADE Grelha de analise discursiva (não incide sobre as mensagens mas sobre a especificidade das reacções dos públicos às mensagens )
    15. 15. Categorias de pensamentos Relevantes para o Self Irrelevantes para o Self Observações (+) (-) (+) (-) COMUNI- CADORES (ACTORES) “Este persona- gem é mesmo engra- çado” O actor conseguiu- me convencer” “A voz do narrador é estri- dente” “A actriz é suficien- temente convincente daquilo que promove” “Este não é o consumidor típico do produto” a) Avaliação das dimensões discursivas das estratégias de comunicação; b) Nestas dimensões discursivas, as reacções dos públicos-alvo incidem sobre a performance concretizada pelos actores; c) A sobrevalorização das potencialidades performativas deste parâmetro vai implicar que as estratégias de comunicação se integrem no domínio das rotas periféricas de persuasão e as abordagens tendem a apresentar um teor de natureza conotativa. d) De algum modo, as considerações sobre os actores integram não só particularidades dramatúrgicas, mas também manipulativas. Em que medida as reacções dos públicos-alvo incidem no modo como os actores conseguiram qualificar positiva ou negativamente o referente da comunicação (sedução ou intimidação)? E de que maneira os actores conseguiram estimulá-los ou desmotivá-los a realizar uma determinada acção (sedução e provocação)? II – A PERFORMATIVIDADE Grelha de analise discursiva (não incide sobre as mensagens mas sobre a especificidade das reacções dos públicos às mensagens )
    16. 16. II – A PERFORMATIVIDADE O que referimos relativamente à necessidade de ponderar estrategicamente os resultados decorrentes da avaliação sobre a inteligibilidade, voltamos a repetir no que concerne ao parâmetro da performatividade. De algum modo, é fundamental estabelecer um ponto da situação da estratégia de comunicação relativamente ao parâmetro mais importante que lhe está subjacente: o do produto/referente de comunicação, o das modalidades de execução ou o relativo às modalidades de representação dramatúrgica. A descoberta do parâmetro mais importante decorre da análise dos briefings que estiveram subjacentes às estratégias de comunicação. A avaliação da eficácia performativa de uma estratégia de comunicação deverá de algum modo apresentar uma configuração gráfica.
    17. 17. Rejeição (-) Indiferença (-) Aceitação (+) Indiferença (+) Tipo de reacções: RELEVANTES PARA O SELF Tipo de reacções: IRRELEVANTES PARA O SELF Natureza das reacções: NEGATIVAS Natureza das reacções: POSITIVAS ACEITAÇÃO Situação ideal REJEIÇÃO Situação a evitar DESINTERESSE SUPERFICIALIDADE PERFORMATIVIDADE GRELHA DE OUTPUTS [agregados ou referentes ao parâmetro mais fundamental do ponto de vista estraté gico]

    ×