SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Baixar para ler offline
RADIOLOGIA CONVENCIONAL
EXAMES DE CRÂNIO E FACE
COMPONENTES:
MIGUEL ARCANGEO
NAYARA THAIS
MÁRIO HENRIQUE
JOELMA ALEXANDRE
ANTÔNIO MENDONÇA
BRUNO DA SILVA
Topografia do Crânio & Pontos de Referência
Incidências De Crânio
 Básicas:
 AP axial (método de Towne).
 Perfil.
 PA axial a 15º (método de Caldwell), ou PA axial de 25 a 30º.
 PA a 0º.
Crânio
 AP axial (método de Towne).
 Chassi 24x30 cm sentido longitudinal.
 RC a 30º da LOM ou a 37º da LIOM.
 DFOFI: 100 cm.
Crânio
Observações
 Patologia demonstrada tanto no PA
quanto no Perfil e todas as séries do
crânio: são fraturas, (deslocamento
medial e lateral), processos neoplásicos,
e doença de Paget.
 Remover todos os objetos de metal,
plástico, e demais objetos situados na
região de interesse, realizar o exame com
paciente em decúbito dorsal, ou em
posição ereta.
 Respiração: prender respiração.
 Colimação: colimar as margens externas
do crânio.
 Critérios de avaliação estruturas
mostradas: osso occipital, pirâmides
petrosas, forame magno são mostrados
com o dorso da sela posteriores
visualizados na sombra do forame
magno.
Crânio
 Posição em perfil
 Chassi 24 x 30cm sentido transversal.
 RC perpendicular ao receptor de
imagem, centralizar a um ponto cerca de
5 cm acima do MAE.
 DFOFI 100 cm.
Crânio
Observações
 Posicionamento do paciente: realizar o
exame com o paciente na posição ereta,
deitada, semipronada.
 Posição da parte: colocar a cabeça em
posição de perfil verdadeiro com o lado
de interesse em contato o receptor de
imagem.
 Respiração prender.
 RC para outras morfologias de crânio
deve-se centralizar no meio da distância
entre o ínio e a glabela.
 Critérios de avaliação estruturas
mostradas: metades cranianas
superpostas com o detalhe superior da
região lateral do crânio mais próxima do
receptor de imagem. A sela turca e clivo
são mostrados em perfil, incluindo os
clinoides anteriores, e posteriores.
 Traumatismos: para pacientes poli
traumatizados é necessário um feixe
horizontal.
Crânio
 PA axial (método de Caldwell).
 Chassi 24x30 cm sentido longitudinal.
 RC posicionar a 15º caudais e centralizar
para sair no násio. Alternar o ângulo do
RC de 25 a 30º e centralizar para sair no
násio. DFOFI: 100 cm.
Crânio
 PA a 0º
 Chassi 24 x 30 cm sentido longitudinal.
 RC perpendicular ao receptor de imagem
(paralelo a LOM) e centralizado para sair
na glabela.
 DFOFI 100 cm.
Crânio
Especiais
 Submentovértice (SMV).
 Chassi 24 x 30cm longitudinal.
 RC perpendicular a linha
infraorbitomeatal, centralizado 2 cm
abaixo do nível da sínfise mandibular, ou
no meio das distâncias entre os gônios.
Centralizar o receptor de imagem no raio
central.
 DFOFI 100 cm.
Submentovértice (SMV).
Visualização das estruturas Visualização das estruturas
Observações Submentovértice
 Patologia demonstrada: patologia óssea
avançada das estruturas internas do osso
temporal. Base do crânio, fratura da base
do crânio.
 Deve-se eliminar a possibilidade de
fratura ou subluxação cervical no
paciente traumatizado, antes de realizar o
essa incidência.
 Posicionamento das partes: elevar o
queixo e estender o pescoço do paciente
o máximo possível até a LIOM ficar
paralela ao receptor de imagem.
 Estruturas mostradas: forame oval e
espinhoso, mandíbula, seio esfenoidal, e
etmoidais posteriores, processos
mastoides, cristas petrosas, palato duro,
forame magno e osso occipital.
Método De Haas
Chassi: 24 x 30cm, sentido
longitudinal.
RC: formar um ângulo de 25º
cefálicos em relação à LOM.
Centralizar ao plano médio sagital
para passar através do nível dos
MAES , saindo a um nível de 4 cm
acima do nasio. Centralizar o
receptor de imagem à projeção do
raio central.
DFOFI: 100 cm.
Observações
 O método de Haas é uma incidência destinada a paciente que não conseguem flexionar o
pescoço suficiente para a realização da incidência AP AXIAL (TOWNE). O método
resulta na ampliação da área occipital, ocasiona dosagens menores para as estruturas faciais
e para a glândula tireoide.
 Estruturas visualizadas: osso occipital, pirâmides petrosas, e forame magno, com o dorso
da sela e os clinoides posteriores em sua sombra.
 Colimação: colimar as margens externas do crânio.
 Respiração: suspender.
 Assegura-se de que não ocorra rotação ou inclinação no plano médio sagital perpendicular
ao receptor de imagem.
Perfil – Sela Turca
Chassi: 24 x 30cm sentido
transversal.
RC: alinhar perpendicularmente ao
receptor de imagem. Centralizar em
um ponto 2 cm anterior e 2 cm
superior ao MAE.
DFOFI: 100 cm.
Posição da parte: colocar a cabeça
do paciente em posição de perfil
verdadeiro, alinhar a linha
interpupilar perpendicular à
superfície da mesa/bucky.
Incidência AP Axial – Sela Turca
Método de Towne
 Chassi: 24 x 30 cm, sentido longitudinal.
 RC: Deve formar um ângulo de 37º
caudais se o objetivo do estudo for dorso
da sela, e clinoides posteriores. E deve
formar 30º se o objeto de estudo for
clinoides anteriores.
 Respiração: apnéia inspiratória durante a
exposição.
 Distância: DFOFI 100 cm.
Ossos Da Face
Compreende o estudo radiológico.
Ossos faciais orbitais.
Ossos Nasais.
Arcos zigomáticos.
Forames ópticos.
Mandibula.
ATMs.
Seios paranasais.
Anatomia radiográfica
Perfil dos ossos faciais.
(Direito ou esquerdo)
Chassi: 18 x 24 cm, sentido
longitudinal.
RC: perpendicular ao receptor de
imagem. Centralizar o RC no zigoma
(proeminência da bochecha), a meio
caminho entre o canto externo do MAE.
Distância: DFOFi 100 cm.
Patologia demonstrada: fraturas,
processos neoplásicos e ou
inflamatórios, dos ossos faciais, orbita,
mandíbula.
Parietoacantial
Método de Waters
Chassi: 24 x 30 cm, sentido
longitudinal.
RC: alinhar o raio central
perpendicularmente ao RI raio saindo no
acântio.
Distância: DFOFI 100 cm.
Patologia demonstrada: fraturas
especialmente as de tripé e de Le Fort,
corpos estranhos no olho, processos
neoplásicos.
PA (Método de Caldwell)
Chassi: 24 x 30 ou 18 x 24, sentido
longitudinal.
RC: posicionar o RC a um ângulo de 15º
sentido caudal para que o mesmo saia
no nasio.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada processos
neoplásicos e inflamatórios.
Parietoacantial (Método de
Waters Modificado)
Chassi: 24 x 30 cm sentido longitudinal.
RC: alinhar o RC perpendicularmente
centrado para sair no acântio.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada: fraturas orbitais
por exemplo: fraturas por explosão,
corpos estranhos no olho, e processos
neoplásicos.
Perfil De Ossos Nasais
Chassi: 18 x 24 cm sentido transversal.
RC: alinhar perpendicularmente ao
receptor de imagem. Centralizar o RC
1,25 cm abaixo do násio.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada: fraturas do osso
nasal ambos os lados devem ser
examinados para comparação com a
visualização do lado mais próximo ao
RI.
Incidência Tangêncial Axial
Superoinferior (Ossos
Nasais).
Chassi: 18 x 24 cm sentido transversal.
RC: centralizar no nasio e incliná-lo
conforme necessário para garantir que
esteja paralelo a LGA. ( O RC deve
apenas “deslizar” sobre a glabela e os
dentes frontais superiores).
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada: fratura de osso
nasal, e deslocamento mediolateral
septal.
SMV Arco Zigomático
Chassi: 18 x 24 cm sentido transversal.
RC: perpendicular ao receptor de
imagem, centralizar o RC entre os arcos
zigomáticos 4 cm inferior à sínfise
mandibular. Liom paralela ao plano do
receptor.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada: fraturas de arco
zigomático e processos neoplásicos e
insflamatórios.
Obliqua Inferossuperior
(Tangencial) Arcos
Zigomáticos
Chassi: 18 x 24 cm, sentido
longitudinal.
RC: Alinhar o RC perpendicularmente
ao receptor de imagem e a linha
infraorbitomeatal. Centralizar no
zigomático de interesse.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada: são visualizadas
fraturas no zigomático, visualização de
afundamento dos arcos resultante de
traumatismo, e morfologia.
AP Axial Método de Towne
Modificado (Vista De Jug
Handle)
Chassi: 18 x 24 cm sentido transversal.
RC: inclinar a 30º caudal em direção
LOM ou a 37º em direção a LIOM,
centralizar o RC 2,5 cm acima da
glabela com a finalidade de passar
através dos arcos médios ao nível do
gônio.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada: fraturas e
processos neoplásicos.
Incidência Parieto Orbital:
Forames Ópticos (Método de
Rhese)
Chassi: 18 x 20 cm, sentido transversal.
RC: alinhar o RC perpendicular ao
receptor de imagem, no ponto médio do
lado inferior da órbita.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada: anormalidades
ósseas do forame óptico.
Observação: exame radiográfico de
ambos os lados obtido para efeito de
comparação.
Incidência Axiolateral
Obliqua Da Mandibula
Chassi: 18 x 24 cm, sentido transversal.
RC: há três métodos de se fazer.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada: fraturas e
processos neoplásicos da mandíbula.
Observação: ambos os lados são
examinados.
Incidência De PA ou AP Axial
(Mandibula)
Chassi: 18 x 24 longitudinal.
RC: Pa alinhar o RC ao RI, centralizado
para sair na junção dos lábios. Em casos
de pacientes com traumatismo a melhor
posição é a de decúbito dorsal.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demosntrada: fraturas e
processos neoplásicos da mandíbula.
AP AXIAL MANDIBULA
(Método de Towne)
Chassi: 18 x 24 longitudinal.
RC: inclinar o RC 35º a 42º caudal
centralizar o RC na glabela e ao receptor
de imagem.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada: fratura e
processos neoplásicos e inflamatórios da
mandíbula e processos condiloides.
SUBMENTOVÉRTICE
MANDIBULA
Chassi: 18 x 24 sentido longitudinal.
RC: alinhar o RC perpendicularmente
ao RI ou a LIOM, centralizar um ponto
intermédio entre os ângulos da
mandíbula, ou a um nível situado a 4 cm
abaixo da sínfise mandibular.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demosntrada: fratura e
processos neoplásicos e inflamatórios da
mandíbula.
Tomografia Panorâmica –
Panorex ou
Ortopantomografia
Tamanho do RI: 23 x 30 cm, sentido
transversal.
RC: a direção do feixe de raios-x é fixa
e ligeiramente cefálica para projetar
estruturas anatômicas, posicionadas na
mesma altura, uma por sobre a outra.
DFOFI: é fixada por uma unidade
panorâmica.
Avaliação da Panorâmica
AP AXIAL ATMs
Chassi: 18 x 24 transversal.
RC: posicionar a um ângulo caudal de
35ºa partir da LOM ou 42º a partir de
LIOM, direcionar o RC de modo que ele
passe 2,5 cm anteriormente ao nível das
ATMs 5 cm antes anteriormente aos
MAEs.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada: fratura, a
amplitude de movimento anormal entre
o côndilo e a fossa temporo mandibular.
Método de Law Modificado
Incidência Axiolateral
Obliqua (ATM)
Chassi: 18 x 24 longitudinal.
RC: posicionar o RC a um ângulo
caudal de 15º, centralizado a 4 cm
acima da parte superior do MAE (passar
através da parte inferor da atm).
Centralizar RC no receptor de imagem
projetado.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada: amplitude de
movimento anormal entre o côndilo e a
fossa temporo mandibular.
Método de Schuller
Incidência Axiolateral (ATM)
Chassi: 18 x 24 longitudinal.
RC: 25º a 30º caudais, centralizado a 1,3
cm anteriormente e 5 cm acima da parte
superior do MAE. Centralizar o receptor
de imagem na atm projetada.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada: amplitude de
movimento anormal entre o côndilo e a
fossa temporo mandibular.
Posição Em Perfil Direito Ou
Esquerdo ( Seios Da Face)
Chassi: 18 x 24 longitudinal.
RC: centralizado horizontalmente e
perpendicular ao RI. Centralizar o RC
entre o canto externo e o MAE.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada: Patologia
demonstrada: condições inflamatórias
(sinusite, osteomielite secundária) e
pólipos nos seios da face.
Incidência PA Método de
Cadwell (Seios Da Face)
Chassi: 18 x 24 longitudinal.
RC: alinhar horizontalmente paralelo ao
chão, centralizar para que o RC saia no
násio.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada: Patologia
demonstrada: condições inflamatórias
(sinusite, osteomielite secundária) e
pólipos nos seios da face.
Incidência Parietoacantial
(Seios Da Face) M. Waters.
Chassi: 18 x 24 na longitudinal.
RC: alinhar o RC horizontalmente
perpendicular ao RI, centralizado para
sair no acântio.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada: Patologia
demonstrada: condições inflamatórias
(sinusite, osteomielite secundária) e
pólipos nos seios da face.
Incidência SMV para Seios
Da Face
Chassi: 18 x 24 longitudinal.
RC: perpendicular a LIOM, centralizar
o RC entre os ângulos da mandibula 4
cm abaixo da sínfise mandibular.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada: Patologia
demonstrada: condições inflamatórias
(sinusite, osteomielite secundária) e
pólipos nos seios da face.
Incidência Parietoacantial Trans
Oral (Seios Da Face) (M.Waters
Com A Boca Aberta)
Chassi: 18 x 24 cm sentido longitudinal.
RC: alinhar o RC horizontal
perpendicular ao RI. Centralizar para
que o RC saia no acântio.
DFOFI: 100 cm.
Patologia demonstrada: condições
inflamatórias (sinusite, osteomielite
secundária) e pólipos nos seios da face.
Referências Bibliográficas
 BONTRAGER. Kenneth L; LAMPIGNANO Jonh P. Tratado De Posicionamento
Radiográfico E Anatomia Associada; Tradução da 7ª Edição.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Terminologia Radiografica
Terminologia Radiografica Terminologia Radiografica
Terminologia Radiografica Cristiane Dias
 
Posicionamento radiológico tórax rotina e complementares
Posicionamento radiológico   tórax rotina e complementaresPosicionamento radiológico   tórax rotina e complementares
Posicionamento radiológico tórax rotina e complementaresMagno Cavalheiro
 
Seminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de EscápulaSeminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de EscápulaCristiane Dias
 
Estudo Radiográfico do Ombro
Estudo Radiográfico do OmbroEstudo Radiográfico do Ombro
Estudo Radiográfico do OmbroQuarksVeg
 
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...Robson Rocha
 
técnicas radiológicas-mmss
técnicas radiológicas-mmss técnicas radiológicas-mmss
técnicas radiológicas-mmss Thaís Menchini
 
Rotinas Específicas nas Incidências do Punho
Rotinas Específicas nas Incidências do PunhoRotinas Específicas nas Incidências do Punho
Rotinas Específicas nas Incidências do PunhoRobson Rocha
 
Aula 8 incidencias
Aula 8  incidenciasAula 8  incidencias
Aula 8 incidenciasrsmbarros
 
técnicas-radiológicas-mmii1
técnicas-radiológicas-mmii1técnicas-radiológicas-mmii1
técnicas-radiológicas-mmii1Thaís Menchini
 
Crânio,saf,sela,mandibula,atm
Crânio,saf,sela,mandibula,atmCrânio,saf,sela,mandibula,atm
Crânio,saf,sela,mandibula,atmfirenze
 
Estudo radiologico dos ossos da face
Estudo radiologico dos ossos da faceEstudo radiologico dos ossos da face
Estudo radiologico dos ossos da faceThiago Cancio
 
Técnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicosTécnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicosradiomed
 
Conceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemConceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemPollyanna Medeiros
 

Mais procurados (20)

Terminologia Radiografica
Terminologia Radiografica Terminologia Radiografica
Terminologia Radiografica
 
Posicionamento radiológico tórax rotina e complementares
Posicionamento radiológico   tórax rotina e complementaresPosicionamento radiológico   tórax rotina e complementares
Posicionamento radiológico tórax rotina e complementares
 
Seminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de EscápulaSeminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de Escápula
 
Estudo Radiográfico do Ombro
Estudo Radiográfico do OmbroEstudo Radiográfico do Ombro
Estudo Radiográfico do Ombro
 
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...
 
Posicionamento radiologico123
Posicionamento radiologico123Posicionamento radiologico123
Posicionamento radiologico123
 
técnicas radiológicas-mmss
técnicas radiológicas-mmss técnicas radiológicas-mmss
técnicas radiológicas-mmss
 
Rotinas Específicas nas Incidências do Punho
Rotinas Específicas nas Incidências do PunhoRotinas Específicas nas Incidências do Punho
Rotinas Específicas nas Incidências do Punho
 
Aula 8 incidencias
Aula 8  incidenciasAula 8  incidencias
Aula 8 incidencias
 
Crânio
CrânioCrânio
Crânio
 
Rx ombro
Rx ombroRx ombro
Rx ombro
 
técnicas-radiológicas-mmii1
técnicas-radiológicas-mmii1técnicas-radiológicas-mmii1
técnicas-radiológicas-mmii1
 
Crânio,saf,sela,mandibula,atm
Crânio,saf,sela,mandibula,atmCrânio,saf,sela,mandibula,atm
Crânio,saf,sela,mandibula,atm
 
Estudo radiologico dos ossos da face
Estudo radiologico dos ossos da faceEstudo radiologico dos ossos da face
Estudo radiologico dos ossos da face
 
RADIOLOGIA DIGITAL
RADIOLOGIA DIGITALRADIOLOGIA DIGITAL
RADIOLOGIA DIGITAL
 
Tomografia computadorizada
Tomografia computadorizadaTomografia computadorizada
Tomografia computadorizada
 
Técnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicosTécnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicos
 
Aula de coluna cervical
Aula de coluna cervicalAula de coluna cervical
Aula de coluna cervical
 
Conceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemConceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagem
 
Lequesne e ducroquet
Lequesne e ducroquetLequesne e ducroquet
Lequesne e ducroquet
 

Semelhante a Crânio e Face Posicionamento radiográfico.

9 radiologia em endodontia pdf
9 radiologia em endodontia pdf9 radiologia em endodontia pdf
9 radiologia em endodontia pdfAlexRoberto13
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)Jean Carlos
 
Diametro ideal do preparo apical na instrumentação de canais radiculares ;:r...
Diametro  ideal do preparo apical na instrumentação de canais radiculares ;:r...Diametro  ideal do preparo apical na instrumentação de canais radiculares ;:r...
Diametro ideal do preparo apical na instrumentação de canais radiculares ;:r...Ines Jacyntho Inojosa
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)Carolina Baione
 
Importancia da radiologia na ortodontia 1
Importancia da radiologia na ortodontia 1Importancia da radiologia na ortodontia 1
Importancia da radiologia na ortodontia 1AlessandraParreiraMe
 
4 Anatomia Radiográfica.ppt
4 Anatomia Radiográfica.ppt4 Anatomia Radiográfica.ppt
4 Anatomia Radiográfica.pptyasmingomes72
 
8- INCIDENCIAS RADIOLOGICAS DE OMBRO E CINTURA ESCAPULAR-1-1.pdf
8- INCIDENCIAS RADIOLOGICAS DE OMBRO E CINTURA ESCAPULAR-1-1.pdf8- INCIDENCIAS RADIOLOGICAS DE OMBRO E CINTURA ESCAPULAR-1-1.pdf
8- INCIDENCIAS RADIOLOGICAS DE OMBRO E CINTURA ESCAPULAR-1-1.pdfprof karla sao luis
 
09 POSICIONAMENTOS DOS OSSOS DA FACE.pdf
09 POSICIONAMENTOS DOS OSSOS DA FACE.pdf09 POSICIONAMENTOS DOS OSSOS DA FACE.pdf
09 POSICIONAMENTOS DOS OSSOS DA FACE.pdfAdenildoSouza8
 
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e CavumAula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e CavumRobson Rocha
 
Aula sobre quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
Aula sobre  quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabularAula sobre  quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
Aula sobre quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabularRobson Rocha
 
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoesAnatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoesGabriel da Cruz
 
Semiologia radiologica-estudantes-medicina
Semiologia radiologica-estudantes-medicinaSemiologia radiologica-estudantes-medicina
Semiologia radiologica-estudantes-medicinaKarlinhos Talita
 
cranio2.pptx incidência de crânio na radiologia
cranio2.pptx incidência de crânio na radiologiacranio2.pptx incidência de crânio na radiologia
cranio2.pptx incidência de crânio na radiologianetosardinha
 

Semelhante a Crânio e Face Posicionamento radiográfico. (20)

Anatomia Radiológia
Anatomia Radiológia Anatomia Radiológia
Anatomia Radiológia
 
Tomografia trabalho
Tomografia trabalhoTomografia trabalho
Tomografia trabalho
 
9 radiologia em endodontia pdf
9 radiologia em endodontia pdf9 radiologia em endodontia pdf
9 radiologia em endodontia pdf
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
 
Diametro ideal do preparo apical na instrumentação de canais radiculares ;:r...
Diametro  ideal do preparo apical na instrumentação de canais radiculares ;:r...Diametro  ideal do preparo apical na instrumentação de canais radiculares ;:r...
Diametro ideal do preparo apical na instrumentação de canais radiculares ;:r...
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)
 
Coluna e bacia
Coluna  e baciaColuna  e bacia
Coluna e bacia
 
Aula de Radiologia
Aula de RadiologiaAula de Radiologia
Aula de Radiologia
 
Importancia da radiologia na ortodontia 1
Importancia da radiologia na ortodontia 1Importancia da radiologia na ortodontia 1
Importancia da radiologia na ortodontia 1
 
Aula 4 articuladores
Aula 4  articuladoresAula 4  articuladores
Aula 4 articuladores
 
4 Anatomia Radiográfica.ppt
4 Anatomia Radiográfica.ppt4 Anatomia Radiográfica.ppt
4 Anatomia Radiográfica.ppt
 
8- INCIDENCIAS RADIOLOGICAS DE OMBRO E CINTURA ESCAPULAR-1-1.pdf
8- INCIDENCIAS RADIOLOGICAS DE OMBRO E CINTURA ESCAPULAR-1-1.pdf8- INCIDENCIAS RADIOLOGICAS DE OMBRO E CINTURA ESCAPULAR-1-1.pdf
8- INCIDENCIAS RADIOLOGICAS DE OMBRO E CINTURA ESCAPULAR-1-1.pdf
 
Posicionamento.pdf
Posicionamento.pdfPosicionamento.pdf
Posicionamento.pdf
 
09 POSICIONAMENTOS DOS OSSOS DA FACE.pdf
09 POSICIONAMENTOS DOS OSSOS DA FACE.pdf09 POSICIONAMENTOS DOS OSSOS DA FACE.pdf
09 POSICIONAMENTOS DOS OSSOS DA FACE.pdf
 
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e CavumAula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
 
Aula sobre quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
Aula sobre  quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabularAula sobre  quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
Aula sobre quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
 
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoesAnatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
 
Semiologia radiologica-estudantes-medicina
Semiologia radiologica-estudantes-medicinaSemiologia radiologica-estudantes-medicina
Semiologia radiologica-estudantes-medicina
 
Semiologia radiologica-estudantes-medicina
Semiologia radiologica-estudantes-medicinaSemiologia radiologica-estudantes-medicina
Semiologia radiologica-estudantes-medicina
 
cranio2.pptx incidência de crânio na radiologia
cranio2.pptx incidência de crânio na radiologiacranio2.pptx incidência de crânio na radiologia
cranio2.pptx incidência de crânio na radiologia
 

Último

O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999vanessa270433
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoPamelaMariaMoreiraFo
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptfernandoalvescosta3
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfanalucia839701
 
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptx
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptxAula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptx
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptxRaissaEufrazio
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdfLEANDROSPANHOL1
 

Último (11)

O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
 
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptx
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptxAula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptx
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptx
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
 

Crânio e Face Posicionamento radiográfico.

  • 1. RADIOLOGIA CONVENCIONAL EXAMES DE CRÂNIO E FACE COMPONENTES: MIGUEL ARCANGEO NAYARA THAIS MÁRIO HENRIQUE JOELMA ALEXANDRE ANTÔNIO MENDONÇA BRUNO DA SILVA
  • 2. Topografia do Crânio & Pontos de Referência
  • 3. Incidências De Crânio  Básicas:  AP axial (método de Towne).  Perfil.  PA axial a 15º (método de Caldwell), ou PA axial de 25 a 30º.  PA a 0º.
  • 4. Crânio  AP axial (método de Towne).  Chassi 24x30 cm sentido longitudinal.  RC a 30º da LOM ou a 37º da LIOM.  DFOFI: 100 cm.
  • 5. Crânio Observações  Patologia demonstrada tanto no PA quanto no Perfil e todas as séries do crânio: são fraturas, (deslocamento medial e lateral), processos neoplásicos, e doença de Paget.  Remover todos os objetos de metal, plástico, e demais objetos situados na região de interesse, realizar o exame com paciente em decúbito dorsal, ou em posição ereta.  Respiração: prender respiração.  Colimação: colimar as margens externas do crânio.  Critérios de avaliação estruturas mostradas: osso occipital, pirâmides petrosas, forame magno são mostrados com o dorso da sela posteriores visualizados na sombra do forame magno.
  • 6. Crânio  Posição em perfil  Chassi 24 x 30cm sentido transversal.  RC perpendicular ao receptor de imagem, centralizar a um ponto cerca de 5 cm acima do MAE.  DFOFI 100 cm.
  • 7. Crânio Observações  Posicionamento do paciente: realizar o exame com o paciente na posição ereta, deitada, semipronada.  Posição da parte: colocar a cabeça em posição de perfil verdadeiro com o lado de interesse em contato o receptor de imagem.  Respiração prender.  RC para outras morfologias de crânio deve-se centralizar no meio da distância entre o ínio e a glabela.  Critérios de avaliação estruturas mostradas: metades cranianas superpostas com o detalhe superior da região lateral do crânio mais próxima do receptor de imagem. A sela turca e clivo são mostrados em perfil, incluindo os clinoides anteriores, e posteriores.  Traumatismos: para pacientes poli traumatizados é necessário um feixe horizontal.
  • 8. Crânio  PA axial (método de Caldwell).  Chassi 24x30 cm sentido longitudinal.  RC posicionar a 15º caudais e centralizar para sair no násio. Alternar o ângulo do RC de 25 a 30º e centralizar para sair no násio. DFOFI: 100 cm.
  • 9. Crânio  PA a 0º  Chassi 24 x 30 cm sentido longitudinal.  RC perpendicular ao receptor de imagem (paralelo a LOM) e centralizado para sair na glabela.  DFOFI 100 cm.
  • 10. Crânio Especiais  Submentovértice (SMV).  Chassi 24 x 30cm longitudinal.  RC perpendicular a linha infraorbitomeatal, centralizado 2 cm abaixo do nível da sínfise mandibular, ou no meio das distâncias entre os gônios. Centralizar o receptor de imagem no raio central.  DFOFI 100 cm.
  • 11. Submentovértice (SMV). Visualização das estruturas Visualização das estruturas
  • 12. Observações Submentovértice  Patologia demonstrada: patologia óssea avançada das estruturas internas do osso temporal. Base do crânio, fratura da base do crânio.  Deve-se eliminar a possibilidade de fratura ou subluxação cervical no paciente traumatizado, antes de realizar o essa incidência.  Posicionamento das partes: elevar o queixo e estender o pescoço do paciente o máximo possível até a LIOM ficar paralela ao receptor de imagem.  Estruturas mostradas: forame oval e espinhoso, mandíbula, seio esfenoidal, e etmoidais posteriores, processos mastoides, cristas petrosas, palato duro, forame magno e osso occipital.
  • 13. Método De Haas Chassi: 24 x 30cm, sentido longitudinal. RC: formar um ângulo de 25º cefálicos em relação à LOM. Centralizar ao plano médio sagital para passar através do nível dos MAES , saindo a um nível de 4 cm acima do nasio. Centralizar o receptor de imagem à projeção do raio central. DFOFI: 100 cm.
  • 14. Observações  O método de Haas é uma incidência destinada a paciente que não conseguem flexionar o pescoço suficiente para a realização da incidência AP AXIAL (TOWNE). O método resulta na ampliação da área occipital, ocasiona dosagens menores para as estruturas faciais e para a glândula tireoide.  Estruturas visualizadas: osso occipital, pirâmides petrosas, e forame magno, com o dorso da sela e os clinoides posteriores em sua sombra.  Colimação: colimar as margens externas do crânio.  Respiração: suspender.  Assegura-se de que não ocorra rotação ou inclinação no plano médio sagital perpendicular ao receptor de imagem.
  • 15. Perfil – Sela Turca Chassi: 24 x 30cm sentido transversal. RC: alinhar perpendicularmente ao receptor de imagem. Centralizar em um ponto 2 cm anterior e 2 cm superior ao MAE. DFOFI: 100 cm. Posição da parte: colocar a cabeça do paciente em posição de perfil verdadeiro, alinhar a linha interpupilar perpendicular à superfície da mesa/bucky.
  • 16. Incidência AP Axial – Sela Turca Método de Towne  Chassi: 24 x 30 cm, sentido longitudinal.  RC: Deve formar um ângulo de 37º caudais se o objetivo do estudo for dorso da sela, e clinoides posteriores. E deve formar 30º se o objeto de estudo for clinoides anteriores.  Respiração: apnéia inspiratória durante a exposição.  Distância: DFOFI 100 cm.
  • 17.
  • 18. Ossos Da Face Compreende o estudo radiológico. Ossos faciais orbitais. Ossos Nasais. Arcos zigomáticos. Forames ópticos. Mandibula. ATMs. Seios paranasais.
  • 20. Perfil dos ossos faciais. (Direito ou esquerdo) Chassi: 18 x 24 cm, sentido longitudinal. RC: perpendicular ao receptor de imagem. Centralizar o RC no zigoma (proeminência da bochecha), a meio caminho entre o canto externo do MAE. Distância: DFOFi 100 cm. Patologia demonstrada: fraturas, processos neoplásicos e ou inflamatórios, dos ossos faciais, orbita, mandíbula.
  • 21. Parietoacantial Método de Waters Chassi: 24 x 30 cm, sentido longitudinal. RC: alinhar o raio central perpendicularmente ao RI raio saindo no acântio. Distância: DFOFI 100 cm. Patologia demonstrada: fraturas especialmente as de tripé e de Le Fort, corpos estranhos no olho, processos neoplásicos.
  • 22. PA (Método de Caldwell) Chassi: 24 x 30 ou 18 x 24, sentido longitudinal. RC: posicionar o RC a um ângulo de 15º sentido caudal para que o mesmo saia no nasio. DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada processos neoplásicos e inflamatórios.
  • 23. Parietoacantial (Método de Waters Modificado) Chassi: 24 x 30 cm sentido longitudinal. RC: alinhar o RC perpendicularmente centrado para sair no acântio. DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada: fraturas orbitais por exemplo: fraturas por explosão, corpos estranhos no olho, e processos neoplásicos.
  • 24. Perfil De Ossos Nasais Chassi: 18 x 24 cm sentido transversal. RC: alinhar perpendicularmente ao receptor de imagem. Centralizar o RC 1,25 cm abaixo do násio. DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada: fraturas do osso nasal ambos os lados devem ser examinados para comparação com a visualização do lado mais próximo ao RI.
  • 25. Incidência Tangêncial Axial Superoinferior (Ossos Nasais). Chassi: 18 x 24 cm sentido transversal. RC: centralizar no nasio e incliná-lo conforme necessário para garantir que esteja paralelo a LGA. ( O RC deve apenas “deslizar” sobre a glabela e os dentes frontais superiores). DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada: fratura de osso nasal, e deslocamento mediolateral septal.
  • 26. SMV Arco Zigomático Chassi: 18 x 24 cm sentido transversal. RC: perpendicular ao receptor de imagem, centralizar o RC entre os arcos zigomáticos 4 cm inferior à sínfise mandibular. Liom paralela ao plano do receptor. DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada: fraturas de arco zigomático e processos neoplásicos e insflamatórios.
  • 27. Obliqua Inferossuperior (Tangencial) Arcos Zigomáticos Chassi: 18 x 24 cm, sentido longitudinal. RC: Alinhar o RC perpendicularmente ao receptor de imagem e a linha infraorbitomeatal. Centralizar no zigomático de interesse. DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada: são visualizadas fraturas no zigomático, visualização de afundamento dos arcos resultante de traumatismo, e morfologia.
  • 28. AP Axial Método de Towne Modificado (Vista De Jug Handle) Chassi: 18 x 24 cm sentido transversal. RC: inclinar a 30º caudal em direção LOM ou a 37º em direção a LIOM, centralizar o RC 2,5 cm acima da glabela com a finalidade de passar através dos arcos médios ao nível do gônio. DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada: fraturas e processos neoplásicos.
  • 29. Incidência Parieto Orbital: Forames Ópticos (Método de Rhese) Chassi: 18 x 20 cm, sentido transversal. RC: alinhar o RC perpendicular ao receptor de imagem, no ponto médio do lado inferior da órbita. DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada: anormalidades ósseas do forame óptico. Observação: exame radiográfico de ambos os lados obtido para efeito de comparação.
  • 30. Incidência Axiolateral Obliqua Da Mandibula Chassi: 18 x 24 cm, sentido transversal. RC: há três métodos de se fazer. DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada: fraturas e processos neoplásicos da mandíbula. Observação: ambos os lados são examinados.
  • 31. Incidência De PA ou AP Axial (Mandibula) Chassi: 18 x 24 longitudinal. RC: Pa alinhar o RC ao RI, centralizado para sair na junção dos lábios. Em casos de pacientes com traumatismo a melhor posição é a de decúbito dorsal. DFOFI: 100 cm. Patologia demosntrada: fraturas e processos neoplásicos da mandíbula.
  • 32. AP AXIAL MANDIBULA (Método de Towne) Chassi: 18 x 24 longitudinal. RC: inclinar o RC 35º a 42º caudal centralizar o RC na glabela e ao receptor de imagem. DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada: fratura e processos neoplásicos e inflamatórios da mandíbula e processos condiloides.
  • 33. SUBMENTOVÉRTICE MANDIBULA Chassi: 18 x 24 sentido longitudinal. RC: alinhar o RC perpendicularmente ao RI ou a LIOM, centralizar um ponto intermédio entre os ângulos da mandíbula, ou a um nível situado a 4 cm abaixo da sínfise mandibular. DFOFI: 100 cm. Patologia demosntrada: fratura e processos neoplásicos e inflamatórios da mandíbula.
  • 34. Tomografia Panorâmica – Panorex ou Ortopantomografia Tamanho do RI: 23 x 30 cm, sentido transversal. RC: a direção do feixe de raios-x é fixa e ligeiramente cefálica para projetar estruturas anatômicas, posicionadas na mesma altura, uma por sobre a outra. DFOFI: é fixada por uma unidade panorâmica.
  • 36. AP AXIAL ATMs Chassi: 18 x 24 transversal. RC: posicionar a um ângulo caudal de 35ºa partir da LOM ou 42º a partir de LIOM, direcionar o RC de modo que ele passe 2,5 cm anteriormente ao nível das ATMs 5 cm antes anteriormente aos MAEs. DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada: fratura, a amplitude de movimento anormal entre o côndilo e a fossa temporo mandibular.
  • 37. Método de Law Modificado Incidência Axiolateral Obliqua (ATM) Chassi: 18 x 24 longitudinal. RC: posicionar o RC a um ângulo caudal de 15º, centralizado a 4 cm acima da parte superior do MAE (passar através da parte inferor da atm). Centralizar RC no receptor de imagem projetado. DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada: amplitude de movimento anormal entre o côndilo e a fossa temporo mandibular.
  • 38. Método de Schuller Incidência Axiolateral (ATM) Chassi: 18 x 24 longitudinal. RC: 25º a 30º caudais, centralizado a 1,3 cm anteriormente e 5 cm acima da parte superior do MAE. Centralizar o receptor de imagem na atm projetada. DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada: amplitude de movimento anormal entre o côndilo e a fossa temporo mandibular.
  • 39. Posição Em Perfil Direito Ou Esquerdo ( Seios Da Face) Chassi: 18 x 24 longitudinal. RC: centralizado horizontalmente e perpendicular ao RI. Centralizar o RC entre o canto externo e o MAE. DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada: Patologia demonstrada: condições inflamatórias (sinusite, osteomielite secundária) e pólipos nos seios da face.
  • 40. Incidência PA Método de Cadwell (Seios Da Face) Chassi: 18 x 24 longitudinal. RC: alinhar horizontalmente paralelo ao chão, centralizar para que o RC saia no násio. DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada: Patologia demonstrada: condições inflamatórias (sinusite, osteomielite secundária) e pólipos nos seios da face.
  • 41. Incidência Parietoacantial (Seios Da Face) M. Waters. Chassi: 18 x 24 na longitudinal. RC: alinhar o RC horizontalmente perpendicular ao RI, centralizado para sair no acântio. DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada: Patologia demonstrada: condições inflamatórias (sinusite, osteomielite secundária) e pólipos nos seios da face.
  • 42. Incidência SMV para Seios Da Face Chassi: 18 x 24 longitudinal. RC: perpendicular a LIOM, centralizar o RC entre os ângulos da mandibula 4 cm abaixo da sínfise mandibular. DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada: Patologia demonstrada: condições inflamatórias (sinusite, osteomielite secundária) e pólipos nos seios da face.
  • 43. Incidência Parietoacantial Trans Oral (Seios Da Face) (M.Waters Com A Boca Aberta) Chassi: 18 x 24 cm sentido longitudinal. RC: alinhar o RC horizontal perpendicular ao RI. Centralizar para que o RC saia no acântio. DFOFI: 100 cm. Patologia demonstrada: condições inflamatórias (sinusite, osteomielite secundária) e pólipos nos seios da face.
  • 44. Referências Bibliográficas  BONTRAGER. Kenneth L; LAMPIGNANO Jonh P. Tratado De Posicionamento Radiográfico E Anatomia Associada; Tradução da 7ª Edição.