SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTUDO RADIOLOGICA DA CABEÇA
INTRODUÇÃO
• Na interpretação de qualquer imagem radiológica,
sendo ela adquirida em qualquer método, o bom
entendimento do profissional realizador é essencial
para manter um padrão na qualidade de aquisição
destas imagens.
• O conhecimento da topografia ajuda na confecção
de uma radiografia dentro dos padrões conhecidos
de qualidade.
• O conhecimento da técnica de aquisição utilizada
na radiografia a ser estuda ajuda na interpretação
da mesma.
ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA
A cabeça óssea pertence a parte axial do esqueleto, que
corresponde também a coluna vertebral e tronco.
A cabeça óssea é formada por 29 ossos, sendo 11 pares, e
pode ser didaticamente subdividida em crânio ( ou
crânio neuronal) e face ( ou crânio visceral).
Crânio
Subdividi-se em calota e base:
Calota: dois ossos ímpares: (frontal e occipital), dois ossos
pares: ( parietais e temporais)
Base: etmóide ( anteriormente) e esfenóide (
posteriormente).
Totalizando oito ossos.
ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA
PTÉRIO: Intersecção
das suturas dos ossos
asa maior do
esfenóide
Parietal, escamóide

NASION: A Intersecção das
suturas dos osso frontal e
nasal

ASTÉRIO:
Intersecção das
suturas escamosa e
lambdóide
ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA
• Na subdivisão da cabeça óssea a face é constituída de 21
ossos sendo:
• 14 ossos: dois ossos ímpares ( vômer e mandíbula) e seis
ossos pares ( maxilas, zigomáticos, nasais, lacrimais,
palatinos e conchas nasais inferiores).
• 6 ossos: São da cavidade timpânica e encontramos os ossos
Bigorna, Martelo e Estribo.
• 1 osso: O Hióide, na região abaixo da mandíbula, que não
se articula com nenhum outro.
LINHAS E PONTOS ANATÔMICOS DO
CRÂNIO
• ALINHAMENTO DAS LINHAS
DE
ORIENTÇÃO.
• CONHECIMENTO
DOS
PONTOS
ANATÔMICOS.
• LOCALIZAÇÃO CORRETA DO RC.
• PADRONIZAÇÃO
DO
EXAME
RADIOLÓGICO.
• CONHECIMENTO DOS CRITÉRIOS DE
AVALIAÇÃO.
• CONHECIMENTO ANATÔMICO.
TOPOGRAFIA DO CRÂNIO

OS PONTOS DE REPAROS SUPERFICIAIS AJUDAM
NA CONFECÇÃO DA IMAGEM
TOPOGRAFIA DO CRÂNIO

LINHAS DE POSICIONAMENTO DO CRÂNIO
CRÂNIO AP.
Posição do Paciente: Deitado sobre a mesa, alinhar a
linha médio sagital com a linha média da mesa;
Posição da Parte: Alinhar o plano médio sagital da
cabeça com a linha média da mesa e observar
cuidadosamente para que não haja rotação
desnecessária, pedir para o paciente que abaixe a cabeça
ao ponto em que a linha orbito meatal fique
perpendicular com a mesa;
Raio Central: perpendicular incidindo na glabela;
DFoFi: 100 cm;
Filme: 24 x 30 em longitudinal;
CRÂNIO AP.
CRÂNIO EM AP
A Incidência radiológica
do crânio em AP
realiza-se normalmente
com o paciente em D.D,
com a linha orbito
meatal perpendicular
com a mesa de exame,
as órbitas tem estar no
mesmo padrão de
visualização e as
suturas sagitais tem
que aparecer nas
mesmas proporções.
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•

CRÂNIO EM AP

1- Crista galli
2- Seio frontal
3- Septo nasal
4- Concha nasal inferior
5- Corpo da mandíbula
6- Seio maxilar (maxila)
7- Asa menor do esfenóide
8- Osso frontal
9- Sutura Sagital
10- ATM
11- Células areadas da mastóide
12- Osso Temporal
13- Órbita base
14- Osso Frontal Base da Órbita

9
8

14

2
1

12

7

13

11

10
3

4

6
5
INCIDÊNCIA CRÂNIO PERFIL
Posição do Paciente: Tirar todos os objetos de metal, plástico ou outros
objetos removíveis da cabeça do paciente. Fazer a radiografia com o paciente
na posição ortostática ou deitada, semipronada (posição de Sim).
Posição da Parte: Colocar a cabeça em uma posição lateral verdadeira, com o
lado de interesse próximo do filme e o corpo do paciente com a obliqüidade
necessária para seu conforto. (Uma forma de avaliar a rotação é palpar a
protuberância occipital externa posteriormente e o násio ou glabela
anteriormente e garantir que esses dois pontos estejam à mesma distância do
tampo da mesa.) Alinhar o plano mediossagital paralelamente ao filme,
garantindo que não haja rotação ou inclinação. Alinhar a linha interpupilar
perpendicularmente ao filme, garantindo que não haja inclinação da cabeça.
Ajustar a flexão do pescoço para alinhar a LIOM perpendicularmente à borda
anterior do filme. (LGA estará paralela à borda anterior do filme.)
Raio Central: Direcionar o RC perpendicular ao filme. Centralizar para um ponto
cerca de 2 polegadas (5 cm) superior ao MAE. Centralizar o filme em relação ao
RC
DFoFi: 40 polegadas (100 cm).
Colimação: Colimar as margens externas do
crânio.
Observação: Para pacientes na posição
deitada, um suporte radiotransparente
colocado sob o queixo ajudará a manter a
posição lateral verdadeira. Um paciente com
tórax largo pode exigir uma esponja
radiotransparente sob toda a cabeça para
evitar inclinação, e um paciente magro pode
exigir suporte sob a parte superior do tórax.
Estruturas Mostradas: Metades cranianas
superpostas com detalhes superiores da
região lateral do crânio próximos ao filme
são demonstradas. Toda a sela turca,
incluindo os clinóides anteriores e
posteriores e o dorso da sela, é também
mostrada. A sela turca e clivus são
demonstrados em perfil. Nenhuma rotação
ou inclinação do crânio é evidente.
INCIDÊNCIA AXIAL EM AP: ROTINA
PARA CRÂNIO
(MÉTODO DE TOWNE )
Posição do Paciente: Tirar todos os objetos de metal, plástico ou outros objetos
removíveis da cabeça do paciente. Fazer a radiografia com o paciente na posição
ortostática ou pronada.
Posição da Parte: Apoiar a fronte e o nariz do paciente contra a mesa/superfície de
Bucky. Flexionar o pescoço conforme necessário para alinhar a LOM perpendigular ao
filme. Alinhar o plano mediossagital perpendicular à linha média do porta-filme ou
mesa/superfície de Bucky para evitar rotação e/ou inclinação da cabeça.Centralizar o
filme ao Rc.
Raio Central: Angular o RC 15 caudal e centralizar para sair no násio. Alternar o RC de
25 a 30 caudal e também centralizar para sair no násio.
DFoFi: 40 polegadas (100 cm).
Colimação: Fazer a colimação nas margens externas do crânio. Alternar de 25 a 30 :
Uma incidência alternativa é uma angulação do tubo a 25 a 30 caudal para melhor
visualizar as fissuras orbitárias superiores, o forame redondo e a região da borda
orbitária inferior.
Observação: Uma angulação caudal diminuída do RC e/ou flexão aumentada do
pescoço (queixo para baixo) resultarão na incidência das pirâmides petrosas sobre a
porção superior das órbitas. Incidência AP axial alternativa: Para pacientes incapazes
de serem posicionados para uma incidência PA (por exemplo, pacientes
traumatiza-dos), uma incidência AP axial pode ser obtida usando uma angulação
cefálica de 15 , posicionando a LOM perpendicularmente ao filme.
Estruturas Mostradas: Asas maiores e menores do esfenóide, osso
frontal, fissuras orbitais superiores, seios frontais e células etmoidais
anteriores, margens orbitais superiores e crista galli. PA com angulação
caudal de 25 a 50 . ém das estruturas mencionadas previamente, o
forame redondo adjacente a cada borda orbital inferior é visualizado e as
fissuras orbitais superiores são visualizadas em sua totalidade no interior
das órbitas.
Posição: A ausência de rotação é avaliada pela distância igual da linha
orbital oblíqua até a margem lateral do crânio de cada lado, fissuras
orbitais superiores simétricas no interior das órbitas e extensão correta do
pescoço (alinhamento da lOM). PA com angulação caudal de 15 :
Pirâmides petrosas projetadas para dentro do terço inferior das órbitas.
Margens orbitais superiores visualizadas sem sobreposição.PA com
angulação caudal de 25 a 50 : Pirâmides petrosas projetadas na borda
orbitária inferior ou justamente abaixo dela, para permitir visualização de
toda a margem orbital.
CRÂNIO TOWNE

30°
CRÂNIO INCIDÊNCIA TOWNE
A incidência de Towne normalmente é
realizada com o paciente em D.D, pede
para o paciente baixar o queixo ao
ponto em que a linha orbito meatal
fique perpendicular ao filme. Raio
central com angulação caudal de 30°
incidindo 6 cm acima da glabela.
Esta incidência é muito utilizada para
pacientes com trauma em uma terceira
incidência de rotina
INCIDÊNCIA PA RC 0°
Posição do Paciente: Tirar todos os objetos de metal, plástico
ou outros objetos removíveis da cabeça do paciente. Fazer a
radiografia com o paciente na posição ortostática ou pronada;
Posição da Parte: Apoiar a fronte e o nariz do paciente contra a
mesa/superfície de Bucky. Flexionar o pescoço para alinhar a
LOM perpendicularmente ao filme. Alinhar o plano mediossagital
perpendicularmente à linha média da mesa/superfície de Bucky
para evitar rotação e/ou inclinação da cabeça ( Mães à mesma
distância da mesa/superfície de Bucky). Centralizar o filme;
Raio Central: Perpendicular ao filme (paralelo a LOM) e
centralizado para sair na glabela.
DFoFi: 40 polegadas (100 cm).
INCIDÊNCIA PA RC 0°
SEIOS PARANASAIS
Imagem ilustrativa
demonstrando os seios
paranasais em uma
secção coronal :

Seios Maxilar
Células areadas
esfenoidal
E conchas nasais
inferiores e média
Técnica e dose:

SEIOS PARANASAIS MÉTODO DE CALDWELL

Posição do Paciente: Tirar todos os objetos de metal, plástico ou
outros objetos removíveis da cabeça do paciente. Fazer a radiografia
com o paciente na posição ortostática ou pronada.
Posição da Parte: Apoiar a fronte e o nariz do paciente contra a
mesa/superfície de Bucky. Flexionar o pescoço conforme necessário
para alinhar a LOM perpendiularmente ao filme. Alinhar o plano
mediossagital perpendicularmente à linha média do porta-filme ou
mesa/superfície de Bucky para evitar rotação e/ou inclinação da
cabeça. Centralizar o filme ao Rc.
Raio Central: Angular o RC 15 caudal e centralizar para sair no
násio. Alternar o RC de 25 a 30 caudal e também centralizar para
sair no násio.
DFoFi: 40 polegadas (100 cm).
SEIOS PARANASAIS MÉTODO DE CALDWELL
15°

30°
SEIOS PARANASAIS MÉTODO DE CALDWELL

A incidência de Caldwell, é
utilizada para estudar seio
frontal, assoalho da órbita,
conchas nasais, arco zigomático
e septo nasal, igual a incidência
de Waters o exame em
ortostático e indicado para
doenças respiratórias
infecciosas
( Sinusopatia)
SEIOS PARANASAIS MÉTODO DE CALDWELL
1- Seio Frontal
2- Seio Etmoidal
3- Seio Maxilar
4- Região Nasal
5- Crista Galli
6- Forame Redondo
7- Asa Menor do
Esfenóide
8- Espinha Nasal Anterior
9-Septo Nasal
10- Concha Nasal Média

7

6

9

10
8
OSSOS DA FACE
• A anatomia da cabeça esta relacionada entre os
ossos que formam o crânio e os ossos da faca, nos
raios-x convencional são elaboradas incidências
radiológicas que auxiliam na avaliação destas
estruturas, na face alguns seios do sistema
respiratório alto (naso faringe e oro faringe) são
avaliados com aquisições de imagem específicas,
conhecido como os raios-x de seios paranasais
indicados para estudar processos infecciosos e
cistos e tumores.
SEIOS PARANASAIS MÉTODO DE WATERS
• A incidência radiológica de
Waters, junto com a de
Caldwell, são utilizadas para
estudar os ossos da face e
para doenças que
acometem o sistema
respiratório alto, Este
método realiza-se com o
paciente em D.V para
estudar partes ósseas e para
seios é de preferência com o
paciente em ortostático.
SEIOS PARANASAIS MÉTODO DE WATERS
1- Seio Frontal
2- Septo ósseo do
nariz
3- Seio Maxilar
4- Asa menor
esfenóide
5- Asa maior da
esfenóide
6- Apófise odontóide
do forame magno

1

5
4

2
3

6
SEIOS DA FACE - WATERS

• Posição do paciente: paciente em DV
ou ortostática braços estendidos ao
longo do corpo com o PMS
PERPENDICULAR E COINCIDINDO a
LCM ou LCE, a região mentoniana deve
estar apoiada sobre a mesa fazendo
com que a linha IMAGINARIA (une o
MAE ao mento )esteja perpendicular à
mesa.
• R.C. perpendicular INCIDINDO NA
REGIÃO PERIETAL DO CRANIO e saindo
no acantio e EMERGINDO no CF
18x24cm longitudinal no bucky ou
24x30 cm dividido transversalmente no
bucky .
• Obs.: Esta incidência deve ser bem
posicionada para não haver a
sobreposição da mastóide sobre o
assoalho dos maxilares e devemos fazer
o uso do cilindro de extensão para
maior detalhe radiográfico.
• D.F.F. 1 m.
SEIOS PARANASAIS MÉTODO DE WATERS
INCIDÊNCIA LATERAL PARA SEIOS
Posição do Paciente: Tire todo metal, plástico e outros objetos removíveis
da cabeça. A posição do paciente é de pé ou em decúbito ventral.
Posição da Parte: Repouse o aspecto lateral da cabeça contra a superfície
da mesa ou do Bucky vertical, com o lado de interesse mais próximo ao
filme. Ajuste a cabeça em uma posição lateral verdadeira e o corpo em
posição oblíqua da forma que for necessária para o conforto do paciente.
(palpe a protuberância occipital externa posteriormente e o násio ou glabela
anteriormente para se assegurar de que esses dois pontos estão
eqüidistantes do topo da mesa.). Coloque esponja de apoio sob o queixo se
necessário. Alinhe o plano mediossagital paralelo ao filme. Alinhe a linha
interpupilar perpendicular ao filme. Ajuste o queixo para trazer a linha infraorbitomeatal perpendicular à borda frontal do filme.
Raio Central: Alinhe o RC perpendicular ao filme. Centre o RC no zigoma, a
meio caminho entre o canto externo e o MAE. Centre o filme no RC
DFoFi : 40 polegadas (100 cm).
INCIDÊNCIA LATERAL PARA SEIOS
INCIDÊNCIA PARIETOACANTIAL MODIFICADA

Posição do Paciente: Tire todo metal, plástico e outros objetos
remo-víveis da cabeça. A posição do paciente é de pé ou em
decúbito ventral (a posição de pé é preferida, se a condição do
paciente o permitir).
Posição da Parte: Repouse o nariz e a testa do paciente contra
o topo da mesa. Retraia o queixo, colocando a LOM
perpendicular ao filme. Alinhe o plano mediossagital
perpendicular à linha média da grade ou superfície da
mesa/Bucky. Assegure-se de que não haja rotação ou inclinação
da cabeça.
Raio Central: Angule o RC 15 no sentido caudal, para sair no
násio. Centre o RC para o filme. Assegure DFoFi mínima de 40
polegadas (100 cm).
INCIDÊNCIA PARIETOACANTIAL MODIFICADA
INCIDÊNCIA AXIAL:
ROTINA PARA CRÂNIO
(SUBMENTO-VÉRTICE)
Posição do Paciente: Tirar todos os objetos de metal, plástico ou outros objetos removíveis da
cabeça do paciente. Fazer a radiografia com o paciente na posição ortostática ou em decúbito
dorsal. A posição ortostática, que é mais fácil para o paciente, pode ser feita com uma mesa
ereta ou um Bucky vertical;
Posição da Parte: Elevar o queixo do paciente, hiperestendendo o pescoço se possível até que
a linha infra-orbitomeatal (LIaM) esteja paralela ao filme . Apoiar a cabeça do paciente pelo
vértice. Alinhar o plano mediossagital perpendicularmente à linha média do porta filme ou
mesa/superfície de Bucky, evitando rotação e/ou inclinação.
Decúbito dorsal: Com o paciente em decúbito dorsal, estenda a cabeça do paciente acima do
fim da mesa e apóie o porta-filme e a cabeça conforme mostrado, mantendo a LIaM paralela ao
filme e perpendicular ao RC Se a mesa não se inclinar como mostrado use um travesseiro sob o
dorso do paciente para permitir extensão suficiente do pescoço.
Ereta: Se o paciente for incapaz de estender suficientemente o pescoço, compense através da
angulação do RC para mantêlo perpendicular a LIaM. Dependendo do equipamento usado, o
filme pode também ser angulado para manter a relação perpendicular com o RC (como no caso
do Bucky vertical ajustável). Essa posição é muito desconfortável para os pacientes tanto na
posição ortostática quanto no decúbito dorsal; realize o exame o mais rápido possível.
Raio Central: perpendicular à linha infra-orbitomeatal. Centralizar a 3/4 de polegada (2 cm)
anterior ao nível das MÃES (a meio caminho entre os ângulos da mandíbula). Centralizar o
receptor de imagem (filme) em relação ao Rc.
DFoFi : 40 polegadas (100 cm).
CRÂNIO AXIAL SUBMENTOVÉRTICE
Estudo cranio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)
Cristiane Dias
 
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...
Robson Rocha
 
Crânio,saf,sela,mandibula,atm
Crânio,saf,sela,mandibula,atmCrânio,saf,sela,mandibula,atm
Crânio,saf,sela,mandibula,atm
firenze
 
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios X
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios XAula sobre ATM e Mandíbula - raios X
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios X
Robson Rocha
 
Tomografia posicionamento
Tomografia posicionamentoTomografia posicionamento
Tomografia posicionamento
FLAVIO LOBATO
 
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológicoTerminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Cristiane Dias
 
Posicionamento radiológico tórax rotina e complementares
Posicionamento radiológico   tórax rotina e complementaresPosicionamento radiológico   tórax rotina e complementares
Posicionamento radiológico tórax rotina e complementares
Magno Cavalheiro
 
Terminologia Radiografica
Terminologia Radiografica Terminologia Radiografica
Terminologia Radiografica
Cristiane Dias
 
Aula 8 incidencias
Aula 8  incidenciasAula 8  incidencias
Aula 8 incidencias
rsmbarros
 
Rotinas Específicas nas Incidências do Punho
Rotinas Específicas nas Incidências do PunhoRotinas Específicas nas Incidências do Punho
Rotinas Específicas nas Incidências do Punho
Robson Rocha
 
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICAEXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Apostilaposicionamento1
Apostilaposicionamento1Apostilaposicionamento1
Apostilaposicionamento1
Nathália Roncada Dias
 
Posicionamento radiológico punho - carpo - rotina e especiais
Posicionamento radiológico   punho - carpo - rotina e especiaisPosicionamento radiológico   punho - carpo - rotina e especiais
Posicionamento radiológico punho - carpo - rotina e especiais
Magno Cavalheiro Faria
 
Principios da radiologia
Principios da radiologiaPrincipios da radiologia
Anatomia radiologica-aula-introdutoria
Anatomia radiologica-aula-introdutoriaAnatomia radiologica-aula-introdutoria
Anatomia radiologica-aula-introdutoria
Manu Medeiros
 
Anatomia radiológica da coluna vertebral
Anatomia radiológica da coluna vertebral Anatomia radiológica da coluna vertebral
Anatomia radiológica da coluna vertebral
Tony Parente
 
técnicas-radiológicas-mmii1
técnicas-radiológicas-mmii1técnicas-radiológicas-mmii1
técnicas-radiológicas-mmii1
Thaís Menchini
 
Apostila de radiologia
Apostila de radiologiaApostila de radiologia
Apostila de radiologia
Bruna Silva
 
Coluna e bacia
Coluna  e baciaColuna  e bacia
Coluna e bacia
Mesaque Veloso
 
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICAANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 

Mais procurados (20)

Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)
 
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...
 
Crânio,saf,sela,mandibula,atm
Crânio,saf,sela,mandibula,atmCrânio,saf,sela,mandibula,atm
Crânio,saf,sela,mandibula,atm
 
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios X
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios XAula sobre ATM e Mandíbula - raios X
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios X
 
Tomografia posicionamento
Tomografia posicionamentoTomografia posicionamento
Tomografia posicionamento
 
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológicoTerminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
 
Posicionamento radiológico tórax rotina e complementares
Posicionamento radiológico   tórax rotina e complementaresPosicionamento radiológico   tórax rotina e complementares
Posicionamento radiológico tórax rotina e complementares
 
Terminologia Radiografica
Terminologia Radiografica Terminologia Radiografica
Terminologia Radiografica
 
Aula 8 incidencias
Aula 8  incidenciasAula 8  incidencias
Aula 8 incidencias
 
Rotinas Específicas nas Incidências do Punho
Rotinas Específicas nas Incidências do PunhoRotinas Específicas nas Incidências do Punho
Rotinas Específicas nas Incidências do Punho
 
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICAEXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
 
Apostilaposicionamento1
Apostilaposicionamento1Apostilaposicionamento1
Apostilaposicionamento1
 
Posicionamento radiológico punho - carpo - rotina e especiais
Posicionamento radiológico   punho - carpo - rotina e especiaisPosicionamento radiológico   punho - carpo - rotina e especiais
Posicionamento radiológico punho - carpo - rotina e especiais
 
Principios da radiologia
Principios da radiologiaPrincipios da radiologia
Principios da radiologia
 
Anatomia radiologica-aula-introdutoria
Anatomia radiologica-aula-introdutoriaAnatomia radiologica-aula-introdutoria
Anatomia radiologica-aula-introdutoria
 
Anatomia radiológica da coluna vertebral
Anatomia radiológica da coluna vertebral Anatomia radiológica da coluna vertebral
Anatomia radiológica da coluna vertebral
 
técnicas-radiológicas-mmii1
técnicas-radiológicas-mmii1técnicas-radiológicas-mmii1
técnicas-radiológicas-mmii1
 
Apostila de radiologia
Apostila de radiologiaApostila de radiologia
Apostila de radiologia
 
Coluna e bacia
Coluna  e baciaColuna  e bacia
Coluna e bacia
 
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICAANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
 

Destaque

Rm mastóides : Por Gisele Sena (Flor Radioativa)
Rm mastóides : Por Gisele Sena (Flor Radioativa)Rm mastóides : Por Gisele Sena (Flor Radioativa)
Rm mastóides : Por Gisele Sena (Flor Radioativa)
Gisele Sena
 
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoesAnatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
Gabriel da Cruz
 
Tc osso temporal 1
Tc osso temporal 1Tc osso temporal 1
Tc osso temporal 1
Norberto Werle
 
Neuroanatomia I
Neuroanatomia INeuroanatomia I
Anatomia óssea do crânio
Anatomia óssea do crânioAnatomia óssea do crânio
Anatomia óssea do crânio
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Atlas básico de anatomia
Atlas básico de anatomiaAtlas básico de anatomia
Atlas básico de anatomia
projetacursosba
 

Destaque (6)

Rm mastóides : Por Gisele Sena (Flor Radioativa)
Rm mastóides : Por Gisele Sena (Flor Radioativa)Rm mastóides : Por Gisele Sena (Flor Radioativa)
Rm mastóides : Por Gisele Sena (Flor Radioativa)
 
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoesAnatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
Anatomia radiologica-e-propedeutica-por-imagem-das-afeccoes
 
Tc osso temporal 1
Tc osso temporal 1Tc osso temporal 1
Tc osso temporal 1
 
Neuroanatomia I
Neuroanatomia INeuroanatomia I
Neuroanatomia I
 
Anatomia óssea do crânio
Anatomia óssea do crânioAnatomia óssea do crânio
Anatomia óssea do crânio
 
Atlas básico de anatomia
Atlas básico de anatomiaAtlas básico de anatomia
Atlas básico de anatomia
 

Semelhante a Estudo cranio

Estudo radiologico dos ossos da face
Estudo radiologico dos ossos da faceEstudo radiologico dos ossos da face
Estudo radiologico dos ossos da face
Thiago Cancio
 
Anatomia Radiológia
Anatomia Radiológia Anatomia Radiológia
Anatomia Radiológia
Renata Cristina
 
Pa frontal x
Pa frontal xPa frontal x
Pa frontal x
Bárbara Kenig
 
Aula sobre quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
Aula sobre  quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabularAula sobre  quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
Aula sobre quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
Robson Rocha
 
Articulacao coxofemural
Articulacao coxofemuralArticulacao coxofemural
Articulacao coxofemural
UF Fly
 
APOSTILA PROF. IONIZANTE - INCIDÊNCIA RADIOGRÁFICA
APOSTILA PROF. IONIZANTE - INCIDÊNCIA RADIOGRÁFICAAPOSTILA PROF. IONIZANTE - INCIDÊNCIA RADIOGRÁFICA
APOSTILA PROF. IONIZANTE - INCIDÊNCIA RADIOGRÁFICA
AlexMateus14
 
Posicionamento.pdf
Posicionamento.pdfPosicionamento.pdf
Posicionamento.pdf
RobertoSouza955665
 
Seminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de EscápulaSeminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de Escápula
Cristiane Dias
 
CRÂNIO E FACE-POSICIONAMENTOS RADIOGRÁFICOS [Salvo automaticamente] (1) (1) ...
CRÂNIO E FACE-POSICIONAMENTOS RADIOGRÁFICOS  [Salvo automaticamente] (1) (1) ...CRÂNIO E FACE-POSICIONAMENTOS RADIOGRÁFICOS  [Salvo automaticamente] (1) (1) ...
CRÂNIO E FACE-POSICIONAMENTOS RADIOGRÁFICOS [Salvo automaticamente] (1) (1) ...
LuizBritoBatista
 
01 posicionamento de esterno e costelas
01 posicionamento de esterno e costelas01 posicionamento de esterno e costelas
01 posicionamento de esterno e costelas
Erica Inacio
 
Estudo radiologico torax_2
Estudo radiologico torax_2Estudo radiologico torax_2
Estudo radiologico torax_2
JONATHAN PIOVANO
 
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 (1)
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 (1)Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 (1)
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 (1)
Adailton Gonçalves
 
Apostila de posicionamento completa
Apostila de posicionamento completa Apostila de posicionamento completa
Apostila de posicionamento completa
Thiago Zaganelli
 
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 - cópia
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 - cópiaApostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 - cópia
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 - cópia
cezarlima35
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Jean Carlos
 
cranio2.pptx incidência de crânio na radiologia
cranio2.pptx incidência de crânio na radiologiacranio2.pptx incidência de crânio na radiologia
cranio2.pptx incidência de crânio na radiologia
netosardinha
 
8- INCIDENCIAS RADIOLOGICAS DE OMBRO E CINTURA ESCAPULAR-1-1.pdf
8- INCIDENCIAS RADIOLOGICAS DE OMBRO E CINTURA ESCAPULAR-1-1.pdf8- INCIDENCIAS RADIOLOGICAS DE OMBRO E CINTURA ESCAPULAR-1-1.pdf
8- INCIDENCIAS RADIOLOGICAS DE OMBRO E CINTURA ESCAPULAR-1-1.pdf
prof karla sao luis
 
Apostila de radiologia
Apostila de radiologiaApostila de radiologia
Apostila de radiologia
Emerson Alexandre Sacomano
 
Apostiladeradiologia.... estudo prático
Apostiladeradiologia.... estudo práticoApostiladeradiologia.... estudo prático
Apostiladeradiologia.... estudo prático
Adriana Alves
 
Escanometria
EscanometriaEscanometria
Escanometria
samyara
 

Semelhante a Estudo cranio (20)

Estudo radiologico dos ossos da face
Estudo radiologico dos ossos da faceEstudo radiologico dos ossos da face
Estudo radiologico dos ossos da face
 
Anatomia Radiológia
Anatomia Radiológia Anatomia Radiológia
Anatomia Radiológia
 
Pa frontal x
Pa frontal xPa frontal x
Pa frontal x
 
Aula sobre quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
Aula sobre  quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabularAula sobre  quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
Aula sobre quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
 
Articulacao coxofemural
Articulacao coxofemuralArticulacao coxofemural
Articulacao coxofemural
 
APOSTILA PROF. IONIZANTE - INCIDÊNCIA RADIOGRÁFICA
APOSTILA PROF. IONIZANTE - INCIDÊNCIA RADIOGRÁFICAAPOSTILA PROF. IONIZANTE - INCIDÊNCIA RADIOGRÁFICA
APOSTILA PROF. IONIZANTE - INCIDÊNCIA RADIOGRÁFICA
 
Posicionamento.pdf
Posicionamento.pdfPosicionamento.pdf
Posicionamento.pdf
 
Seminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de EscápulaSeminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de Escápula
 
CRÂNIO E FACE-POSICIONAMENTOS RADIOGRÁFICOS [Salvo automaticamente] (1) (1) ...
CRÂNIO E FACE-POSICIONAMENTOS RADIOGRÁFICOS  [Salvo automaticamente] (1) (1) ...CRÂNIO E FACE-POSICIONAMENTOS RADIOGRÁFICOS  [Salvo automaticamente] (1) (1) ...
CRÂNIO E FACE-POSICIONAMENTOS RADIOGRÁFICOS [Salvo automaticamente] (1) (1) ...
 
01 posicionamento de esterno e costelas
01 posicionamento de esterno e costelas01 posicionamento de esterno e costelas
01 posicionamento de esterno e costelas
 
Estudo radiologico torax_2
Estudo radiologico torax_2Estudo radiologico torax_2
Estudo radiologico torax_2
 
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 (1)
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 (1)Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 (1)
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 (1)
 
Apostila de posicionamento completa
Apostila de posicionamento completa Apostila de posicionamento completa
Apostila de posicionamento completa
 
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 - cópia
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 - cópiaApostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 - cópia
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 - cópia
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
 
cranio2.pptx incidência de crânio na radiologia
cranio2.pptx incidência de crânio na radiologiacranio2.pptx incidência de crânio na radiologia
cranio2.pptx incidência de crânio na radiologia
 
8- INCIDENCIAS RADIOLOGICAS DE OMBRO E CINTURA ESCAPULAR-1-1.pdf
8- INCIDENCIAS RADIOLOGICAS DE OMBRO E CINTURA ESCAPULAR-1-1.pdf8- INCIDENCIAS RADIOLOGICAS DE OMBRO E CINTURA ESCAPULAR-1-1.pdf
8- INCIDENCIAS RADIOLOGICAS DE OMBRO E CINTURA ESCAPULAR-1-1.pdf
 
Apostila de radiologia
Apostila de radiologiaApostila de radiologia
Apostila de radiologia
 
Apostiladeradiologia.... estudo prático
Apostiladeradiologia.... estudo práticoApostiladeradiologia.... estudo prático
Apostiladeradiologia.... estudo prático
 
Escanometria
EscanometriaEscanometria
Escanometria
 

Estudo cranio

  • 2. INTRODUÇÃO • Na interpretação de qualquer imagem radiológica, sendo ela adquirida em qualquer método, o bom entendimento do profissional realizador é essencial para manter um padrão na qualidade de aquisição destas imagens. • O conhecimento da topografia ajuda na confecção de uma radiografia dentro dos padrões conhecidos de qualidade. • O conhecimento da técnica de aquisição utilizada na radiografia a ser estuda ajuda na interpretação da mesma.
  • 3. ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA A cabeça óssea pertence a parte axial do esqueleto, que corresponde também a coluna vertebral e tronco. A cabeça óssea é formada por 29 ossos, sendo 11 pares, e pode ser didaticamente subdividida em crânio ( ou crânio neuronal) e face ( ou crânio visceral). Crânio Subdividi-se em calota e base: Calota: dois ossos ímpares: (frontal e occipital), dois ossos pares: ( parietais e temporais) Base: etmóide ( anteriormente) e esfenóide ( posteriormente). Totalizando oito ossos.
  • 5. PTÉRIO: Intersecção das suturas dos ossos asa maior do esfenóide Parietal, escamóide NASION: A Intersecção das suturas dos osso frontal e nasal ASTÉRIO: Intersecção das suturas escamosa e lambdóide
  • 6.
  • 7. ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA • Na subdivisão da cabeça óssea a face é constituída de 21 ossos sendo: • 14 ossos: dois ossos ímpares ( vômer e mandíbula) e seis ossos pares ( maxilas, zigomáticos, nasais, lacrimais, palatinos e conchas nasais inferiores). • 6 ossos: São da cavidade timpânica e encontramos os ossos Bigorna, Martelo e Estribo. • 1 osso: O Hióide, na região abaixo da mandíbula, que não se articula com nenhum outro.
  • 8. LINHAS E PONTOS ANATÔMICOS DO CRÂNIO • ALINHAMENTO DAS LINHAS DE ORIENTÇÃO. • CONHECIMENTO DOS PONTOS ANATÔMICOS. • LOCALIZAÇÃO CORRETA DO RC. • PADRONIZAÇÃO DO EXAME RADIOLÓGICO. • CONHECIMENTO DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. • CONHECIMENTO ANATÔMICO.
  • 9. TOPOGRAFIA DO CRÂNIO OS PONTOS DE REPAROS SUPERFICIAIS AJUDAM NA CONFECÇÃO DA IMAGEM
  • 10. TOPOGRAFIA DO CRÂNIO LINHAS DE POSICIONAMENTO DO CRÂNIO
  • 11. CRÂNIO AP. Posição do Paciente: Deitado sobre a mesa, alinhar a linha médio sagital com a linha média da mesa; Posição da Parte: Alinhar o plano médio sagital da cabeça com a linha média da mesa e observar cuidadosamente para que não haja rotação desnecessária, pedir para o paciente que abaixe a cabeça ao ponto em que a linha orbito meatal fique perpendicular com a mesa; Raio Central: perpendicular incidindo na glabela; DFoFi: 100 cm; Filme: 24 x 30 em longitudinal;
  • 13. CRÂNIO EM AP A Incidência radiológica do crânio em AP realiza-se normalmente com o paciente em D.D, com a linha orbito meatal perpendicular com a mesa de exame, as órbitas tem estar no mesmo padrão de visualização e as suturas sagitais tem que aparecer nas mesmas proporções.
  • 14. • • • • • • • • • • • • • • CRÂNIO EM AP 1- Crista galli 2- Seio frontal 3- Septo nasal 4- Concha nasal inferior 5- Corpo da mandíbula 6- Seio maxilar (maxila) 7- Asa menor do esfenóide 8- Osso frontal 9- Sutura Sagital 10- ATM 11- Células areadas da mastóide 12- Osso Temporal 13- Órbita base 14- Osso Frontal Base da Órbita 9 8 14 2 1 12 7 13 11 10 3 4 6 5
  • 15. INCIDÊNCIA CRÂNIO PERFIL Posição do Paciente: Tirar todos os objetos de metal, plástico ou outros objetos removíveis da cabeça do paciente. Fazer a radiografia com o paciente na posição ortostática ou deitada, semipronada (posição de Sim). Posição da Parte: Colocar a cabeça em uma posição lateral verdadeira, com o lado de interesse próximo do filme e o corpo do paciente com a obliqüidade necessária para seu conforto. (Uma forma de avaliar a rotação é palpar a protuberância occipital externa posteriormente e o násio ou glabela anteriormente e garantir que esses dois pontos estejam à mesma distância do tampo da mesa.) Alinhar o plano mediossagital paralelamente ao filme, garantindo que não haja rotação ou inclinação. Alinhar a linha interpupilar perpendicularmente ao filme, garantindo que não haja inclinação da cabeça. Ajustar a flexão do pescoço para alinhar a LIOM perpendicularmente à borda anterior do filme. (LGA estará paralela à borda anterior do filme.) Raio Central: Direcionar o RC perpendicular ao filme. Centralizar para um ponto cerca de 2 polegadas (5 cm) superior ao MAE. Centralizar o filme em relação ao RC DFoFi: 40 polegadas (100 cm).
  • 16. Colimação: Colimar as margens externas do crânio. Observação: Para pacientes na posição deitada, um suporte radiotransparente colocado sob o queixo ajudará a manter a posição lateral verdadeira. Um paciente com tórax largo pode exigir uma esponja radiotransparente sob toda a cabeça para evitar inclinação, e um paciente magro pode exigir suporte sob a parte superior do tórax. Estruturas Mostradas: Metades cranianas superpostas com detalhes superiores da região lateral do crânio próximos ao filme são demonstradas. Toda a sela turca, incluindo os clinóides anteriores e posteriores e o dorso da sela, é também mostrada. A sela turca e clivus são demonstrados em perfil. Nenhuma rotação ou inclinação do crânio é evidente.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20. INCIDÊNCIA AXIAL EM AP: ROTINA PARA CRÂNIO (MÉTODO DE TOWNE )
  • 21. Posição do Paciente: Tirar todos os objetos de metal, plástico ou outros objetos removíveis da cabeça do paciente. Fazer a radiografia com o paciente na posição ortostática ou pronada. Posição da Parte: Apoiar a fronte e o nariz do paciente contra a mesa/superfície de Bucky. Flexionar o pescoço conforme necessário para alinhar a LOM perpendigular ao filme. Alinhar o plano mediossagital perpendicular à linha média do porta-filme ou mesa/superfície de Bucky para evitar rotação e/ou inclinação da cabeça.Centralizar o filme ao Rc. Raio Central: Angular o RC 15 caudal e centralizar para sair no násio. Alternar o RC de 25 a 30 caudal e também centralizar para sair no násio. DFoFi: 40 polegadas (100 cm). Colimação: Fazer a colimação nas margens externas do crânio. Alternar de 25 a 30 : Uma incidência alternativa é uma angulação do tubo a 25 a 30 caudal para melhor visualizar as fissuras orbitárias superiores, o forame redondo e a região da borda orbitária inferior. Observação: Uma angulação caudal diminuída do RC e/ou flexão aumentada do pescoço (queixo para baixo) resultarão na incidência das pirâmides petrosas sobre a porção superior das órbitas. Incidência AP axial alternativa: Para pacientes incapazes de serem posicionados para uma incidência PA (por exemplo, pacientes traumatiza-dos), uma incidência AP axial pode ser obtida usando uma angulação cefálica de 15 , posicionando a LOM perpendicularmente ao filme.
  • 22. Estruturas Mostradas: Asas maiores e menores do esfenóide, osso frontal, fissuras orbitais superiores, seios frontais e células etmoidais anteriores, margens orbitais superiores e crista galli. PA com angulação caudal de 25 a 50 . ém das estruturas mencionadas previamente, o forame redondo adjacente a cada borda orbital inferior é visualizado e as fissuras orbitais superiores são visualizadas em sua totalidade no interior das órbitas. Posição: A ausência de rotação é avaliada pela distância igual da linha orbital oblíqua até a margem lateral do crânio de cada lado, fissuras orbitais superiores simétricas no interior das órbitas e extensão correta do pescoço (alinhamento da lOM). PA com angulação caudal de 15 : Pirâmides petrosas projetadas para dentro do terço inferior das órbitas. Margens orbitais superiores visualizadas sem sobreposição.PA com angulação caudal de 25 a 50 : Pirâmides petrosas projetadas na borda orbitária inferior ou justamente abaixo dela, para permitir visualização de toda a margem orbital.
  • 24.
  • 25. CRÂNIO INCIDÊNCIA TOWNE A incidência de Towne normalmente é realizada com o paciente em D.D, pede para o paciente baixar o queixo ao ponto em que a linha orbito meatal fique perpendicular ao filme. Raio central com angulação caudal de 30° incidindo 6 cm acima da glabela. Esta incidência é muito utilizada para pacientes com trauma em uma terceira incidência de rotina
  • 26.
  • 27. INCIDÊNCIA PA RC 0° Posição do Paciente: Tirar todos os objetos de metal, plástico ou outros objetos removíveis da cabeça do paciente. Fazer a radiografia com o paciente na posição ortostática ou pronada; Posição da Parte: Apoiar a fronte e o nariz do paciente contra a mesa/superfície de Bucky. Flexionar o pescoço para alinhar a LOM perpendicularmente ao filme. Alinhar o plano mediossagital perpendicularmente à linha média da mesa/superfície de Bucky para evitar rotação e/ou inclinação da cabeça ( Mães à mesma distância da mesa/superfície de Bucky). Centralizar o filme; Raio Central: Perpendicular ao filme (paralelo a LOM) e centralizado para sair na glabela. DFoFi: 40 polegadas (100 cm).
  • 29. SEIOS PARANASAIS Imagem ilustrativa demonstrando os seios paranasais em uma secção coronal : Seios Maxilar Células areadas esfenoidal E conchas nasais inferiores e média
  • 30. Técnica e dose: SEIOS PARANASAIS MÉTODO DE CALDWELL Posição do Paciente: Tirar todos os objetos de metal, plástico ou outros objetos removíveis da cabeça do paciente. Fazer a radiografia com o paciente na posição ortostática ou pronada. Posição da Parte: Apoiar a fronte e o nariz do paciente contra a mesa/superfície de Bucky. Flexionar o pescoço conforme necessário para alinhar a LOM perpendiularmente ao filme. Alinhar o plano mediossagital perpendicularmente à linha média do porta-filme ou mesa/superfície de Bucky para evitar rotação e/ou inclinação da cabeça. Centralizar o filme ao Rc. Raio Central: Angular o RC 15 caudal e centralizar para sair no násio. Alternar o RC de 25 a 30 caudal e também centralizar para sair no násio. DFoFi: 40 polegadas (100 cm).
  • 33. SEIOS PARANASAIS MÉTODO DE CALDWELL A incidência de Caldwell, é utilizada para estudar seio frontal, assoalho da órbita, conchas nasais, arco zigomático e septo nasal, igual a incidência de Waters o exame em ortostático e indicado para doenças respiratórias infecciosas ( Sinusopatia)
  • 34. SEIOS PARANASAIS MÉTODO DE CALDWELL 1- Seio Frontal 2- Seio Etmoidal 3- Seio Maxilar 4- Região Nasal 5- Crista Galli 6- Forame Redondo 7- Asa Menor do Esfenóide 8- Espinha Nasal Anterior 9-Septo Nasal 10- Concha Nasal Média 7 6 9 10 8
  • 35. OSSOS DA FACE • A anatomia da cabeça esta relacionada entre os ossos que formam o crânio e os ossos da faca, nos raios-x convencional são elaboradas incidências radiológicas que auxiliam na avaliação destas estruturas, na face alguns seios do sistema respiratório alto (naso faringe e oro faringe) são avaliados com aquisições de imagem específicas, conhecido como os raios-x de seios paranasais indicados para estudar processos infecciosos e cistos e tumores.
  • 36. SEIOS PARANASAIS MÉTODO DE WATERS • A incidência radiológica de Waters, junto com a de Caldwell, são utilizadas para estudar os ossos da face e para doenças que acometem o sistema respiratório alto, Este método realiza-se com o paciente em D.V para estudar partes ósseas e para seios é de preferência com o paciente em ortostático.
  • 37. SEIOS PARANASAIS MÉTODO DE WATERS 1- Seio Frontal 2- Septo ósseo do nariz 3- Seio Maxilar 4- Asa menor esfenóide 5- Asa maior da esfenóide 6- Apófise odontóide do forame magno 1 5 4 2 3 6
  • 38. SEIOS DA FACE - WATERS • Posição do paciente: paciente em DV ou ortostática braços estendidos ao longo do corpo com o PMS PERPENDICULAR E COINCIDINDO a LCM ou LCE, a região mentoniana deve estar apoiada sobre a mesa fazendo com que a linha IMAGINARIA (une o MAE ao mento )esteja perpendicular à mesa. • R.C. perpendicular INCIDINDO NA REGIÃO PERIETAL DO CRANIO e saindo no acantio e EMERGINDO no CF 18x24cm longitudinal no bucky ou 24x30 cm dividido transversalmente no bucky . • Obs.: Esta incidência deve ser bem posicionada para não haver a sobreposição da mastóide sobre o assoalho dos maxilares e devemos fazer o uso do cilindro de extensão para maior detalhe radiográfico. • D.F.F. 1 m.
  • 40. INCIDÊNCIA LATERAL PARA SEIOS Posição do Paciente: Tire todo metal, plástico e outros objetos removíveis da cabeça. A posição do paciente é de pé ou em decúbito ventral. Posição da Parte: Repouse o aspecto lateral da cabeça contra a superfície da mesa ou do Bucky vertical, com o lado de interesse mais próximo ao filme. Ajuste a cabeça em uma posição lateral verdadeira e o corpo em posição oblíqua da forma que for necessária para o conforto do paciente. (palpe a protuberância occipital externa posteriormente e o násio ou glabela anteriormente para se assegurar de que esses dois pontos estão eqüidistantes do topo da mesa.). Coloque esponja de apoio sob o queixo se necessário. Alinhe o plano mediossagital paralelo ao filme. Alinhe a linha interpupilar perpendicular ao filme. Ajuste o queixo para trazer a linha infraorbitomeatal perpendicular à borda frontal do filme. Raio Central: Alinhe o RC perpendicular ao filme. Centre o RC no zigoma, a meio caminho entre o canto externo e o MAE. Centre o filme no RC DFoFi : 40 polegadas (100 cm).
  • 42. INCIDÊNCIA PARIETOACANTIAL MODIFICADA Posição do Paciente: Tire todo metal, plástico e outros objetos remo-víveis da cabeça. A posição do paciente é de pé ou em decúbito ventral (a posição de pé é preferida, se a condição do paciente o permitir). Posição da Parte: Repouse o nariz e a testa do paciente contra o topo da mesa. Retraia o queixo, colocando a LOM perpendicular ao filme. Alinhe o plano mediossagital perpendicular à linha média da grade ou superfície da mesa/Bucky. Assegure-se de que não haja rotação ou inclinação da cabeça. Raio Central: Angule o RC 15 no sentido caudal, para sair no násio. Centre o RC para o filme. Assegure DFoFi mínima de 40 polegadas (100 cm).
  • 44.
  • 45. INCIDÊNCIA AXIAL: ROTINA PARA CRÂNIO (SUBMENTO-VÉRTICE)
  • 46. Posição do Paciente: Tirar todos os objetos de metal, plástico ou outros objetos removíveis da cabeça do paciente. Fazer a radiografia com o paciente na posição ortostática ou em decúbito dorsal. A posição ortostática, que é mais fácil para o paciente, pode ser feita com uma mesa ereta ou um Bucky vertical; Posição da Parte: Elevar o queixo do paciente, hiperestendendo o pescoço se possível até que a linha infra-orbitomeatal (LIaM) esteja paralela ao filme . Apoiar a cabeça do paciente pelo vértice. Alinhar o plano mediossagital perpendicularmente à linha média do porta filme ou mesa/superfície de Bucky, evitando rotação e/ou inclinação. Decúbito dorsal: Com o paciente em decúbito dorsal, estenda a cabeça do paciente acima do fim da mesa e apóie o porta-filme e a cabeça conforme mostrado, mantendo a LIaM paralela ao filme e perpendicular ao RC Se a mesa não se inclinar como mostrado use um travesseiro sob o dorso do paciente para permitir extensão suficiente do pescoço. Ereta: Se o paciente for incapaz de estender suficientemente o pescoço, compense através da angulação do RC para mantêlo perpendicular a LIaM. Dependendo do equipamento usado, o filme pode também ser angulado para manter a relação perpendicular com o RC (como no caso do Bucky vertical ajustável). Essa posição é muito desconfortável para os pacientes tanto na posição ortostática quanto no decúbito dorsal; realize o exame o mais rápido possível. Raio Central: perpendicular à linha infra-orbitomeatal. Centralizar a 3/4 de polegada (2 cm) anterior ao nível das MÃES (a meio caminho entre os ângulos da mandíbula). Centralizar o receptor de imagem (filme) em relação ao Rc. DFoFi : 40 polegadas (100 cm).