SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
COLUNA CERVICAL /LOMBAR/ TORÁCICA

                                            &

             PELVE ÓSSEA (BACIA) MEMBROS INFERIORES

                         ANATOMIA E POSICIONAMENTO

A coluna vertebral é constituída por 33 vértebras, incluindo as 5 que se fundem e formam o
sacro e as 4 coccígeas. Desta maneira, desconsiderando-se as vértebras sacrais e as
coccigeanas, que foram a região pélvica, restam 24 vértebras, que são divididas em:

-   7 vértebras cervicais
-   12 vértebras torácicas
-   5 vértebras lombares
-   4 vértebras coccígeas


As vértebras da coluna vertebral são ligadas por articulações denominadas de discos
intervertebrais, esses discos são constituídos de material fibroso e gelatinoso que
desempenham a função de amortecedores e dão a mobilidade para a locomoção.




    MÉTODO DE TWINNING PARA REGIÃO C4-T3 E VISUALIZAÇÃO
                        DE C7 A T1

                               Perfil com braço levantado

Também conhecida como incidência de Twinning, ou perfil de nadador, é usada
como complementar no estudo radiográfico da coluna cervical.
RC- Incide perpendicular em relação ao filme radiográfico, centralizado no plano
biauricular (poro acústico externo), entrando no nível superior da cartilagem
tireóidea.




                       Técnicas Radiológicas AntonioBiasoli.




Observação: Segundo o Livro Tratado de Tecnica Radiológica e Base Anatômica
Bontrager o RC é direcionado para T1- 2,5 cm acima do nível da fúrcula esternal
anteriormente, e no nível da proeminência vertebral, posteriormente, e é conhecida
como método com giro para a região C4-C7 /Posição Cervicotorácica (Nadador)

                          AP DE COLUNA LOMBAR
O paciente deve estar em decúbito dorsal, com os joelhos fletidos. Ou também pode ser feito na posição
ortostática.

Raio Central:Raio central direcionado para a 3ª vértebra lombar, ou 4cm acima da crista ilíaca.

Prender a respiração em expiração

DFoFi-1m

Proteçao: posicionar o escudo de contato sobre as gônadas sem obscurecer a área de interesse.
PERFIL DA COLUNA LOMBAR
O paciente deve estar em decúbito lateral, com os joelhos fletidos. Ou também pode ser feito na posição
ortostática.

Raio Central:

         direcionar o raio central perpendicular ao eixo longitudinal da coluna.
         centralizar o raio central a L3 ao nível da margem costal inferior ou 4cm
         acima da crista ilíaca. Esse posicionamento deve incluir as 5 vertebras
         lombares.
         centralizar o filme em relação ao raio central

Prender a respiração em expiração


DFoFi-1m

Proteçao: posicionar o escudo de contato sobre as gônadas sem obscurecer a área
de interesse.
OBLÍQUA PARA COLUNA LOMBAR
O paciente deve estar em posição de semidecúbito dorsal (OPD ou OPE),
ousemidecúbitoventral(OAD ou OAE).

Fazer a rotação do corpo a 45º para situar a coluna vertebral diretamente sobre a
linha média da mesa e/ou grade, alinhada ao RC. Fletir os joelhos para dar
estabilidade ao corpo.

Raio Central:

         Centralizar o raio central para L3 ao nível da margem costal inferior(4cm)
         acima da crista ilíaca
         Centralizar 5cm medial á espinha ilíaca antero superior do lado de cima.
         Centralizar o filme em relação ao raio central.

DFoFi-1m

Prender a respiração em expiração


Proteçao: posicionar o escudo de contato sobre as gônadas sem obscurecer a área
de interesse.




Observação:Um posicionamento oblíquo de 50º a partir do plano da mesa visualiza melhor as articulações
interapofisáriasde L1 a L2 e obliquidade de 30° para L5 a S1

Articulações interapofisárias são visíveis (OPD e OPE)monstram o lado de baixo; OAD e OAEmonstram o lado
de cima). O Fox terrier deve ser visualizado, e a articulação interapofisária deve parecer aberta.
PELVE ÓSSEA (BACIA) MEMBROS INFERIORES




                              Anatomia Radiológica da Bacia


     INCIDÊNCIA ÂNTERO-POSTERIOR (AP) BILATERAL COM
         ROTAÇÃO INTERNA E ABDUÇÃO (VAN ROSEN)

Também denominada incidência de Van Rosen, é usada como complementar no
estudo radiográfico das articulações dos quadris (coxofemoral. O paciente deve
permanecer imóvel durante a realização da incidência.

POSIÇÃO DO PACIENTE (Fig.15.123)- O paciente deve estar em decúbito dorsal
na mesa bucky com os membros inferiores estendidos e posicionados com a região
posterior apoiada na mesa. O plano médio sagital do paciente deve estar alinhado
com a linha central da mesa.

POSIÇÃO DAS COXAS DO PACIENTE- Os membros inferiores devem ser
rodados internamente (rotação medial) e abduzidos (afastados) simetricamente de
maneira que formem um ângulo aproximado de 45º.

RAIO CENTRAL (RC)- Incide perpendicular ao filme radiográfico, entrando na
região anterior, na topografia das bordas superiores dos trocantes maiores.
Figura.15.123- Posicionamento do paciente para a radiografia das articulações dos
quadris (coxofemorais) com rotação interna e abdução em ântero-posterior.

                               OBLÍQUA POSTERIOR- ALAR

Também denominada incidência de Judet, oblíqua ântero- posterior, ou alar, é usada
como complementar no estudo da articulação do quadril (coxofemoral). O paciente
deve permanecer imóvel durante a realização da incidência.

POSIÇÃO DO PACIENTE (Fig.15.126). O paciente deve estar deitado em decúbito
dorsal na mesabucky. Rodar o paciente para o lado a ser radiografado de maneira que
a região dorsal forme um ângulo de aproximadamente 45º com a superfície da mesa
(oblíqua posterior). O membro inferior do lado a ser radiografado deve ser flexionado
e o contralateral estendido.

POSIÇÃO DA COXA DO PACIENTE- O colo de fêmur do lado a ser radiografado
deve estar alinhado com a linha central da mesa bucky.




Posicionamento do paciente para a radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em oblíqua posterior- Alar

RAIO CENTRAL- Incide perpendicular ao filme radiográfico entrando cerca de 5 cm adiante e abaixo da espinha
ilíaca ântero-superior do lado oposto levantado.
Figura.15.127a-Radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em oblíqua ântero-posterior- Alar




Anatomia radiográfica da articulaçãodo quadril (coxofemoral) na incidência em
oblíqua ântero-posterior - Alar

1- Ìlio; 2-Cabeça do fêmur; 3- Trocantermaior;4- Trocanter menor; 5- Teto do
acetábulo; 6- Espinha isquíatica

                                  FATORES RADIOGRÁFICOS

KV=2e+K: aproximado na faixa de 75 KV -+5kV

mAs: aproximado na faixa de 30mAs-+ 5mAs distância foco-filme (dFofi): 1m

Foco/grade: foco-fino com grade móvel (bucky)

Parâmetros de avaliação técnica da incidência em oblíqua ântero-posterior- Alar da
articulação do quadril (coxofemoral) (Fig.15.127a e 15.127b)

- O ílio aparece bem demonstrado na radiografia

- A porção inferior e a borda anterior do acetábulo aparecem bem demonstrados na
radiografia.

Proteçao: posicionar o escudo de contato sobre as gônadas sem obscurecer a área
de interesse.

                        OBLÍQUA POSTERIOR -OBTURATRIZ

Também denominada incidência de Judet, oblíqua ântero-posterior, ou obturatriz, é
usada como complementar no estudo radiográfico da articulação do quadril
(coxofemoral). O paciente deve permanecer imóvel durante a realização da
incidência.

POSIÇÃO DO PACIENTE (Fig. 15.128)- O paciente deve estar deitado em decúbito
dorsal na mesa bucky com os membros inferiores estendidos e posicionados com a
região posterior apoiada na mesa. Rodar o paciente para o lado oposto a ser
examinado de maneira que a região dorsal forme um ângulo de aproximadamente 45º
com a superfície da mesa (oblíqua posterior). O lado a ser examinado fica mais
afastado da superfície da mesa. O membro inferior do lado a ser examinado deve
ficar estendido e o contralateral, flexionado




Figura- 15.128- Posicionamento do paciente para a radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em
oblíqua posterior- Obturatriz
Figura- 15.129a- Radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em oblíqua ântero-posterior-
Obturatriz




Anatomia radiográfica da articulaçãodo quadril (coxofemoral) na incidência em
oblíqua ântero-posterior - Obturatriz

1- Ìlio; 2-Ramo superior do púbis; 3- Ramo do ísquio; 4- Forame obturador; 5-
Cabeça do fêmur; 6- Colo do fêmur; 7- Trocanter maior; 8- Teto do acetábulo

RAIO CENTRAL- Incide perpendicular ao filme radiográfico entrando cerca de 5 cm abaixo da espinha ilíaca
ântero-superior do lado a ser radiografado (levantado).

                                      FATORES RADIOGRÁFICOS


KV=2e+K: aproximado na faixa de 75 KV -+5kV

mAs: aproximado na faixa de 30mAs-+ 5mAs distância foco-filme (dFofi): 1m

Foco/grade: foco-fino com grade móvel (bucky)

Parâmetros de avaliação técnica da incidência em oblíqua ântero-posterior-
Obturatriz da articulação do quadril (coxofemoral) (Fig.15.129a e 15.129b)
- A porção superior e a borda posterior do acetábulo aparecem bem demonstrados na
radiografia.

- O forame obturador aparece bem aberto, sem superposições.

Proteçao: posicionar o escudo de contato sobre as gônadas sem obscurecer a área de interesse.


       ÂNTERO-POSTERIOR (AP) COM INCLINAÇÃO PODÁLICA

                                                  INLET

Também conhecida como bacia em Inlet, é usada como complementar no estudo
radiográfico da pelve óssea (bacia). O termo inglês inlet aqui significa "vista por
dentro ou por cima" que corresponde á imagem da bacia vista por cima. Esta
incidência é indicada no estudo radiográfico dos ramos dos púbis e dos ísquios e da
sínfise pubiana. O paciente deve permanecer imóvel durante a realização da
incidência.

POSIÇÃO DO PACIENTE-(Fig. 15.137)- O paciente deve estar deitado em decúbito
dorsal na mesa bucky com os membros inferiores estendidos e posicionados com a
região posterior apoiada na mesa. O plano médio sagital do paciente deve estar
alinhado com a linha central da mesa.




Fig. 15.137- Posicionamento do paciente para a radiográfia da pelve óssea na
incidência ântero-posterior com inclinação podálica (caudal).

Os membros inferiores devem estar na posição anatômica(ausência de rotação).

RAIO CENTRAL(RC)- Incide com uma inclinação podálica de aproximadamente
30º, a aproximadamente 5cm acima da sínfise pubiana.

                                  FATORES RADIOGRÁFICOS

KV= 2e+K: aproximado na faixa de 80KV -+ 5KVmAs: aproximado na faixa de
40mAs -+ 5mAs distância foco-filme (dFofi): 1m foco/grade: foco fino com grade
móvel (bucky).

Parâmetros de avaliação técnica da incidência em ântero-posterior (AP)- com
inclinação podálica do raio central- (Fig.15.138a e 15.138b) - Os ramos superiores
dos púbis e a sínfise pubiana aparecem sem superposição ao sacro.
Fig. 15.138a- Radiografia da pelve óssea (bacia) em ântero-posterior com inclinação
podálica.




Fig.15.138b- Anatomia radiográfica da pelve óssea (bacia) na incidência em ântero-
                posterior com inclinação podálica do raio central.

1- Ìlio; 2- Ramos do púbis; 3- Espinha isquiática; 4- Sínfise púbica; 5- Cabeça do
fêmur; 6-Colo do fêmur;7- Trocanter maior; 8- Trocanter menor; 9- Teto do
acetábulo ;10-Articulação sacroiliaca; 11- Crista ilíaca; 12- Espinha ilíaca ântero-
superior.

      ÂNTERO-POSTERIOR (AP) COM INCIDÊNCIA CEFÁLICA

                                 TAYLOR/OUTLET
Também conhecida como incidência de Taylor ou bacia em outlet, é usada como
complementar no estudo radiográfico da pelve óssea (bacia). O termo inglês outlet
aqui significa "vista por fora", que corresponde á imagem da bacia vista por fora.
Essa incidência é indicada no estudo radiográfico dos ramos dos púbis e dos ísquios e
da sínfise pubiana. O paciente deve permanecer imóvel durante a realização da
incidência.

POSIÇÃO DO PACIENTE (Fig. 15.135)- O paciente deve estar deitado em decúbito
dorsal na mesa bucky com os membros inferiores estendidos e posicionados com a
região posterior apoiada na mesa. O plano médio sagital do paciente deve estar
alinhado com a linha central da mesa.




Figura. 15.135- Posicionamento do paciente para a radiografia da pelve óssea (bacia)
em ântero-posterior com inclinação cefálica do raio central.

Os membros inferiores devem estar na posição anatômica (ausência de rotação).

RAIO CENTRAL (RC)- Incide com uma inclinação cefálica de aproximadamente
30º, a aproximadamente 5cm abaixo da sínfise pubiana.

                          FATORES RADIOGRÁFICOS

KV= 2e+K: aproximado na faixa de 80KV -+ 5KVmAs: aproximado na faixa de
40mAs -+ 5mAs distância foco-filme (dFofi): 1m foco/grade: foco fino com grade
móvel (bucky)

Parâmetros de avaliação técnica da incidência em ântero-posterior (AP)- com
inclinação cefálica do raio central- (Fig.15.136a e 15.136b)

- Os ramos superiores dos púbis e a sínfise pubiana aparecem superpostos ao sacro.
Figura 15.136a- Radiografia da pelve óssea (bacia) em ântero-posterior com
inclinação cefálica do raios central.




Figura 15.136b- Anatomia radiográfica da pelve óssea (bacia) na incidência em
ântero-posterior com inclinação cefálica do raio central.

1- Ìlio; 2- Ramo superior do púbis; 3- Espinha isquiática; 4- Forame obturador; 5-
Cabeça do fêmur; 6- Colo do fêmur; 7- Trocanter maior; 8- Trocanter menor; 9- Teto
do acetábulo; 10- Articulação sacroíliaca; 11- Crista ìliaca

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de EscápulaSeminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de EscápulaCristiane Dias
 
Posicionamento radiológico punho - carpo - rotina e especiais
Posicionamento radiológico   punho - carpo - rotina e especiaisPosicionamento radiológico   punho - carpo - rotina e especiais
Posicionamento radiológico punho - carpo - rotina e especiaisMagno Cavalheiro Faria
 
Aula sobre quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
Aula sobre  quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabularAula sobre  quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
Aula sobre quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabularRobson Rocha
 
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios X
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios XAula sobre ATM e Mandíbula - raios X
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios XRobson Rocha
 
Apostila de radiologia
Apostila de radiologiaApostila de radiologia
Apostila de radiologiaBruna Silva
 
APOSTILA PROF. IONIZANTE - INCIDÊNCIA RADIOGRÁFICA
APOSTILA PROF. IONIZANTE - INCIDÊNCIA RADIOGRÁFICAAPOSTILA PROF. IONIZANTE - INCIDÊNCIA RADIOGRÁFICA
APOSTILA PROF. IONIZANTE - INCIDÊNCIA RADIOGRÁFICAAlexMateus14
 
Terminologia Radiografica
Terminologia Radiografica Terminologia Radiografica
Terminologia Radiografica Cristiane Dias
 
Posicionamento radiológico tórax rotina e complementares
Posicionamento radiológico   tórax rotina e complementaresPosicionamento radiológico   tórax rotina e complementares
Posicionamento radiológico tórax rotina e complementaresMagno Cavalheiro
 
Crânio e Face Posicionamento radiográfico.
Crânio e Face Posicionamento radiográfico.Crânio e Face Posicionamento radiográfico.
Crânio e Face Posicionamento radiográfico.MiguelArcangeo
 
Posicionamento radiológico tornozelo
Posicionamento radiológico   tornozeloPosicionamento radiológico   tornozelo
Posicionamento radiológico tornozeloMagno Cavalheiro
 
Estudo Radiográfico do Ombro
Estudo Radiográfico do OmbroEstudo Radiográfico do Ombro
Estudo Radiográfico do OmbroQuarksVeg
 
Tecnicas de cranio tabalho faculdade unig
Tecnicas de cranio  tabalho faculdade unigTecnicas de cranio  tabalho faculdade unig
Tecnicas de cranio tabalho faculdade unigRenata Cristina
 
Curso de anatomia radiológica exercicios
Curso de anatomia radiológica exerciciosCurso de anatomia radiológica exercicios
Curso de anatomia radiológica exerciciosRenata Cristina
 

Mais procurados (20)

Lequesne e ducroquet
Lequesne e ducroquetLequesne e ducroquet
Lequesne e ducroquet
 
Seminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de EscápulaSeminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de Escápula
 
Posicionamento radiologico123
Posicionamento radiologico123Posicionamento radiologico123
Posicionamento radiologico123
 
Posicionamento radiológico abdome
Posicionamento radiológico   abdomePosicionamento radiológico   abdome
Posicionamento radiológico abdome
 
Posicionamento radiológico punho - carpo - rotina e especiais
Posicionamento radiológico   punho - carpo - rotina e especiaisPosicionamento radiológico   punho - carpo - rotina e especiais
Posicionamento radiológico punho - carpo - rotina e especiais
 
Aula sobre quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
Aula sobre  quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabularAula sobre  quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
Aula sobre quadril, série para sindrome do impacto femoro acetabular
 
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios X
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios XAula sobre ATM e Mandíbula - raios X
Aula sobre ATM e Mandíbula - raios X
 
Posicionamento radiológico calcâneo
Posicionamento radiológico   calcâneoPosicionamento radiológico   calcâneo
Posicionamento radiológico calcâneo
 
Apostila de radiologia
Apostila de radiologiaApostila de radiologia
Apostila de radiologia
 
Axial longo tornozelo[1]
Axial longo tornozelo[1]Axial longo tornozelo[1]
Axial longo tornozelo[1]
 
Posicionamento do membros superiores
Posicionamento do membros superioresPosicionamento do membros superiores
Posicionamento do membros superiores
 
APOSTILA PROF. IONIZANTE - INCIDÊNCIA RADIOGRÁFICA
APOSTILA PROF. IONIZANTE - INCIDÊNCIA RADIOGRÁFICAAPOSTILA PROF. IONIZANTE - INCIDÊNCIA RADIOGRÁFICA
APOSTILA PROF. IONIZANTE - INCIDÊNCIA RADIOGRÁFICA
 
Terminologia Radiografica
Terminologia Radiografica Terminologia Radiografica
Terminologia Radiografica
 
Posicionamento radiológico tórax rotina e complementares
Posicionamento radiológico   tórax rotina e complementaresPosicionamento radiológico   tórax rotina e complementares
Posicionamento radiológico tórax rotina e complementares
 
Crânio e Face Posicionamento radiográfico.
Crânio e Face Posicionamento radiográfico.Crânio e Face Posicionamento radiográfico.
Crânio e Face Posicionamento radiográfico.
 
Posicionamento radiológico tornozelo
Posicionamento radiológico   tornozeloPosicionamento radiológico   tornozelo
Posicionamento radiológico tornozelo
 
Estudo Radiográfico do Ombro
Estudo Radiográfico do OmbroEstudo Radiográfico do Ombro
Estudo Radiográfico do Ombro
 
Aula de coluna cervical
Aula de coluna cervicalAula de coluna cervical
Aula de coluna cervical
 
Tecnicas de cranio tabalho faculdade unig
Tecnicas de cranio  tabalho faculdade unigTecnicas de cranio  tabalho faculdade unig
Tecnicas de cranio tabalho faculdade unig
 
Curso de anatomia radiológica exercicios
Curso de anatomia radiológica exerciciosCurso de anatomia radiológica exercicios
Curso de anatomia radiológica exercicios
 

Destaque

Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)Cristiane Dias
 
Avaliação Radiologica do Quadril Doloroso
Avaliação Radiologica do Quadril DolorosoAvaliação Radiologica do Quadril Doloroso
Avaliação Radiologica do Quadril DolorosoKleber Rangel
 
Pelve Masculina e Feminina
Pelve Masculina e FemininaPelve Masculina e Feminina
Pelve Masculina e FemininaNorberto Werle
 
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e CavumAula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e CavumRobson Rocha
 
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADAESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADAAdriano Silva
 
rx Pelvis.proyec.no convencionales-Lic.Juan Jose MOntico -Argentina.Casilda S...
rx Pelvis.proyec.no convencionales-Lic.Juan Jose MOntico -Argentina.Casilda S...rx Pelvis.proyec.no convencionales-Lic.Juan Jose MOntico -Argentina.Casilda S...
rx Pelvis.proyec.no convencionales-Lic.Juan Jose MOntico -Argentina.Casilda S...guesta389e4
 
Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularÁgatha Mayara
 
Radioanatomia de pelvis osea
Radioanatomia de pelvis oseaRadioanatomia de pelvis osea
Radioanatomia de pelvis oseaRadiología
 

Destaque (20)

Pelve, quadril e joelho
Pelve, quadril e joelhoPelve, quadril e joelho
Pelve, quadril e joelho
 
Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)
 
Avaliação Radiologica do Quadril Doloroso
Avaliação Radiologica do Quadril DolorosoAvaliação Radiologica do Quadril Doloroso
Avaliação Radiologica do Quadril Doloroso
 
Pelve Masculina e Feminina
Pelve Masculina e FemininaPelve Masculina e Feminina
Pelve Masculina e Feminina
 
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e CavumAula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
Aula Científica Sobre Seios Paranasais e Cavum
 
ANATOMIA PELVIS
ANATOMIA PELVISANATOMIA PELVIS
ANATOMIA PELVIS
 
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
 
Seminário Anatomia Pelve
Seminário Anatomia PelveSeminário Anatomia Pelve
Seminário Anatomia Pelve
 
Traumatologia Ortopédica
Traumatologia OrtopédicaTraumatologia Ortopédica
Traumatologia Ortopédica
 
Fraturas do Anel Pélvico
Fraturas do Anel Pélvico Fraturas do Anel Pélvico
Fraturas do Anel Pélvico
 
Anatomia óssea da coluna vertebral
Anatomia óssea da coluna vertebralAnatomia óssea da coluna vertebral
Anatomia óssea da coluna vertebral
 
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADAESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
 
rx Pelvis.proyec.no convencionales-Lic.Juan Jose MOntico -Argentina.Casilda S...
rx Pelvis.proyec.no convencionales-Lic.Juan Jose MOntico -Argentina.Casilda S...rx Pelvis.proyec.no convencionales-Lic.Juan Jose MOntico -Argentina.Casilda S...
rx Pelvis.proyec.no convencionales-Lic.Juan Jose MOntico -Argentina.Casilda S...
 
Anatomia do tórax
Anatomia do tóraxAnatomia do tórax
Anatomia do tórax
 
Anatomia da pelve
Anatomia da pelveAnatomia da pelve
Anatomia da pelve
 
Crânio
CrânioCrânio
Crânio
 
Musculos do tórax
Musculos do tóraxMusculos do tórax
Musculos do tórax
 
Coluna Vertebral
Coluna VertebralColuna Vertebral
Coluna Vertebral
 
Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedular
 
Radioanatomia de pelvis osea
Radioanatomia de pelvis oseaRadioanatomia de pelvis osea
Radioanatomia de pelvis osea
 

Semelhante a Coluna e bacia

Articulacao coxofemural
Articulacao coxofemuralArticulacao coxofemural
Articulacao coxofemuralUF Fly
 
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológicoTerminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológicoCristiane Dias
 
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 (1)
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 (1)Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 (1)
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 (1)Adailton Gonçalves
 
Apostila de posicionamento completa
Apostila de posicionamento completa Apostila de posicionamento completa
Apostila de posicionamento completa Thiago Zaganelli
 
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 - cópia
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 - cópiaApostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 - cópia
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 - cópiacezarlima35
 
Escanometria
EscanometriaEscanometria
Escanometriasamyara
 
Seminario mmii camp coventry
Seminario mmii   camp coventrySeminario mmii   camp coventry
Seminario mmii camp coventryCristiane Dias
 
Estudo radiologico dos ossos da face
Estudo radiologico dos ossos da faceEstudo radiologico dos ossos da face
Estudo radiologico dos ossos da faceThiago Cancio
 
Avaliação mmss apontamentos
Avaliação mmss   apontamentosAvaliação mmss   apontamentos
Avaliação mmss apontamentosRosana
 
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...DborahVictoy
 
Apostiladeradiologia.... estudo prático
Apostiladeradiologia.... estudo práticoApostiladeradiologia.... estudo prático
Apostiladeradiologia.... estudo práticoAdriana Alves
 
Cinesiologia e biomecanica do cotovelo
Cinesiologia e biomecanica do cotoveloCinesiologia e biomecanica do cotovelo
Cinesiologia e biomecanica do cotoveloClaudio Pereira
 

Semelhante a Coluna e bacia (20)

Estudo cranio
Estudo cranioEstudo cranio
Estudo cranio
 
Articulacao coxofemural
Articulacao coxofemuralArticulacao coxofemural
Articulacao coxofemural
 
Posicionamento.pdf
Posicionamento.pdfPosicionamento.pdf
Posicionamento.pdf
 
Joelho anatomia e radiologia
Joelho   anatomia e radiologiaJoelho   anatomia e radiologia
Joelho anatomia e radiologia
 
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológicoTerminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
 
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 (1)
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 (1)Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 (1)
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 (1)
 
Apostila de posicionamento completa
Apostila de posicionamento completa Apostila de posicionamento completa
Apostila de posicionamento completa
 
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 - cópia
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 - cópiaApostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 - cópia
Apostilaposicionamentocompleta 140324113446-phpapp01 - cópia
 
Aula teorica do torax
Aula teorica do toraxAula teorica do torax
Aula teorica do torax
 
Escanometria
EscanometriaEscanometria
Escanometria
 
Abdome
AbdomeAbdome
Abdome
 
Terminologia Radiográfica
Terminologia RadiográficaTerminologia Radiográfica
Terminologia Radiográfica
 
Terminologia Radiográfica
Terminologia RadiográficaTerminologia Radiográfica
Terminologia Radiográfica
 
Seminario mmii camp coventry
Seminario mmii   camp coventrySeminario mmii   camp coventry
Seminario mmii camp coventry
 
Estudo radiologico dos ossos da face
Estudo radiologico dos ossos da faceEstudo radiologico dos ossos da face
Estudo radiologico dos ossos da face
 
Avaliação mmss apontamentos
Avaliação mmss   apontamentosAvaliação mmss   apontamentos
Avaliação mmss apontamentos
 
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
 
Apostila de radiologia
Apostila de radiologiaApostila de radiologia
Apostila de radiologia
 
Apostiladeradiologia.... estudo prático
Apostiladeradiologia.... estudo práticoApostiladeradiologia.... estudo prático
Apostiladeradiologia.... estudo prático
 
Cinesiologia e biomecanica do cotovelo
Cinesiologia e biomecanica do cotoveloCinesiologia e biomecanica do cotovelo
Cinesiologia e biomecanica do cotovelo
 

Coluna e bacia

  • 1. COLUNA CERVICAL /LOMBAR/ TORÁCICA & PELVE ÓSSEA (BACIA) MEMBROS INFERIORES ANATOMIA E POSICIONAMENTO A coluna vertebral é constituída por 33 vértebras, incluindo as 5 que se fundem e formam o sacro e as 4 coccígeas. Desta maneira, desconsiderando-se as vértebras sacrais e as coccigeanas, que foram a região pélvica, restam 24 vértebras, que são divididas em: - 7 vértebras cervicais - 12 vértebras torácicas - 5 vértebras lombares - 4 vértebras coccígeas As vértebras da coluna vertebral são ligadas por articulações denominadas de discos intervertebrais, esses discos são constituídos de material fibroso e gelatinoso que desempenham a função de amortecedores e dão a mobilidade para a locomoção. MÉTODO DE TWINNING PARA REGIÃO C4-T3 E VISUALIZAÇÃO DE C7 A T1 Perfil com braço levantado Também conhecida como incidência de Twinning, ou perfil de nadador, é usada como complementar no estudo radiográfico da coluna cervical.
  • 2. RC- Incide perpendicular em relação ao filme radiográfico, centralizado no plano biauricular (poro acústico externo), entrando no nível superior da cartilagem tireóidea. Técnicas Radiológicas AntonioBiasoli. Observação: Segundo o Livro Tratado de Tecnica Radiológica e Base Anatômica Bontrager o RC é direcionado para T1- 2,5 cm acima do nível da fúrcula esternal anteriormente, e no nível da proeminência vertebral, posteriormente, e é conhecida como método com giro para a região C4-C7 /Posição Cervicotorácica (Nadador) AP DE COLUNA LOMBAR
  • 3. O paciente deve estar em decúbito dorsal, com os joelhos fletidos. Ou também pode ser feito na posição ortostática. Raio Central:Raio central direcionado para a 3ª vértebra lombar, ou 4cm acima da crista ilíaca. Prender a respiração em expiração DFoFi-1m Proteçao: posicionar o escudo de contato sobre as gônadas sem obscurecer a área de interesse.
  • 5. O paciente deve estar em decúbito lateral, com os joelhos fletidos. Ou também pode ser feito na posição ortostática. Raio Central: direcionar o raio central perpendicular ao eixo longitudinal da coluna. centralizar o raio central a L3 ao nível da margem costal inferior ou 4cm acima da crista ilíaca. Esse posicionamento deve incluir as 5 vertebras lombares. centralizar o filme em relação ao raio central Prender a respiração em expiração DFoFi-1m Proteçao: posicionar o escudo de contato sobre as gônadas sem obscurecer a área de interesse.
  • 7. O paciente deve estar em posição de semidecúbito dorsal (OPD ou OPE), ousemidecúbitoventral(OAD ou OAE). Fazer a rotação do corpo a 45º para situar a coluna vertebral diretamente sobre a linha média da mesa e/ou grade, alinhada ao RC. Fletir os joelhos para dar estabilidade ao corpo. Raio Central: Centralizar o raio central para L3 ao nível da margem costal inferior(4cm) acima da crista ilíaca Centralizar 5cm medial á espinha ilíaca antero superior do lado de cima. Centralizar o filme em relação ao raio central. DFoFi-1m Prender a respiração em expiração Proteçao: posicionar o escudo de contato sobre as gônadas sem obscurecer a área
  • 8. de interesse. Observação:Um posicionamento oblíquo de 50º a partir do plano da mesa visualiza melhor as articulações interapofisáriasde L1 a L2 e obliquidade de 30° para L5 a S1 Articulações interapofisárias são visíveis (OPD e OPE)monstram o lado de baixo; OAD e OAEmonstram o lado de cima). O Fox terrier deve ser visualizado, e a articulação interapofisária deve parecer aberta.
  • 9. PELVE ÓSSEA (BACIA) MEMBROS INFERIORES Anatomia Radiológica da Bacia INCIDÊNCIA ÂNTERO-POSTERIOR (AP) BILATERAL COM ROTAÇÃO INTERNA E ABDUÇÃO (VAN ROSEN) Também denominada incidência de Van Rosen, é usada como complementar no estudo radiográfico das articulações dos quadris (coxofemoral. O paciente deve permanecer imóvel durante a realização da incidência. POSIÇÃO DO PACIENTE (Fig.15.123)- O paciente deve estar em decúbito dorsal na mesa bucky com os membros inferiores estendidos e posicionados com a região posterior apoiada na mesa. O plano médio sagital do paciente deve estar alinhado com a linha central da mesa. POSIÇÃO DAS COXAS DO PACIENTE- Os membros inferiores devem ser rodados internamente (rotação medial) e abduzidos (afastados) simetricamente de maneira que formem um ângulo aproximado de 45º. RAIO CENTRAL (RC)- Incide perpendicular ao filme radiográfico, entrando na região anterior, na topografia das bordas superiores dos trocantes maiores.
  • 10. Figura.15.123- Posicionamento do paciente para a radiografia das articulações dos quadris (coxofemorais) com rotação interna e abdução em ântero-posterior. OBLÍQUA POSTERIOR- ALAR Também denominada incidência de Judet, oblíqua ântero- posterior, ou alar, é usada como complementar no estudo da articulação do quadril (coxofemoral). O paciente deve permanecer imóvel durante a realização da incidência. POSIÇÃO DO PACIENTE (Fig.15.126). O paciente deve estar deitado em decúbito dorsal na mesabucky. Rodar o paciente para o lado a ser radiografado de maneira que a região dorsal forme um ângulo de aproximadamente 45º com a superfície da mesa (oblíqua posterior). O membro inferior do lado a ser radiografado deve ser flexionado e o contralateral estendido. POSIÇÃO DA COXA DO PACIENTE- O colo de fêmur do lado a ser radiografado deve estar alinhado com a linha central da mesa bucky. Posicionamento do paciente para a radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em oblíqua posterior- Alar RAIO CENTRAL- Incide perpendicular ao filme radiográfico entrando cerca de 5 cm adiante e abaixo da espinha ilíaca ântero-superior do lado oposto levantado.
  • 11. Figura.15.127a-Radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em oblíqua ântero-posterior- Alar Anatomia radiográfica da articulaçãodo quadril (coxofemoral) na incidência em oblíqua ântero-posterior - Alar 1- Ìlio; 2-Cabeça do fêmur; 3- Trocantermaior;4- Trocanter menor; 5- Teto do acetábulo; 6- Espinha isquíatica FATORES RADIOGRÁFICOS KV=2e+K: aproximado na faixa de 75 KV -+5kV mAs: aproximado na faixa de 30mAs-+ 5mAs distância foco-filme (dFofi): 1m Foco/grade: foco-fino com grade móvel (bucky) Parâmetros de avaliação técnica da incidência em oblíqua ântero-posterior- Alar da
  • 12. articulação do quadril (coxofemoral) (Fig.15.127a e 15.127b) - O ílio aparece bem demonstrado na radiografia - A porção inferior e a borda anterior do acetábulo aparecem bem demonstrados na radiografia. Proteçao: posicionar o escudo de contato sobre as gônadas sem obscurecer a área de interesse. OBLÍQUA POSTERIOR -OBTURATRIZ Também denominada incidência de Judet, oblíqua ântero-posterior, ou obturatriz, é usada como complementar no estudo radiográfico da articulação do quadril (coxofemoral). O paciente deve permanecer imóvel durante a realização da incidência. POSIÇÃO DO PACIENTE (Fig. 15.128)- O paciente deve estar deitado em decúbito dorsal na mesa bucky com os membros inferiores estendidos e posicionados com a região posterior apoiada na mesa. Rodar o paciente para o lado oposto a ser examinado de maneira que a região dorsal forme um ângulo de aproximadamente 45º com a superfície da mesa (oblíqua posterior). O lado a ser examinado fica mais afastado da superfície da mesa. O membro inferior do lado a ser examinado deve ficar estendido e o contralateral, flexionado Figura- 15.128- Posicionamento do paciente para a radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em oblíqua posterior- Obturatriz
  • 13. Figura- 15.129a- Radiografia da articulação do quadril (coxofemoral) em oblíqua ântero-posterior- Obturatriz Anatomia radiográfica da articulaçãodo quadril (coxofemoral) na incidência em oblíqua ântero-posterior - Obturatriz 1- Ìlio; 2-Ramo superior do púbis; 3- Ramo do ísquio; 4- Forame obturador; 5- Cabeça do fêmur; 6- Colo do fêmur; 7- Trocanter maior; 8- Teto do acetábulo RAIO CENTRAL- Incide perpendicular ao filme radiográfico entrando cerca de 5 cm abaixo da espinha ilíaca ântero-superior do lado a ser radiografado (levantado). FATORES RADIOGRÁFICOS KV=2e+K: aproximado na faixa de 75 KV -+5kV mAs: aproximado na faixa de 30mAs-+ 5mAs distância foco-filme (dFofi): 1m Foco/grade: foco-fino com grade móvel (bucky) Parâmetros de avaliação técnica da incidência em oblíqua ântero-posterior- Obturatriz da articulação do quadril (coxofemoral) (Fig.15.129a e 15.129b)
  • 14. - A porção superior e a borda posterior do acetábulo aparecem bem demonstrados na radiografia. - O forame obturador aparece bem aberto, sem superposições. Proteçao: posicionar o escudo de contato sobre as gônadas sem obscurecer a área de interesse. ÂNTERO-POSTERIOR (AP) COM INCLINAÇÃO PODÁLICA INLET Também conhecida como bacia em Inlet, é usada como complementar no estudo radiográfico da pelve óssea (bacia). O termo inglês inlet aqui significa "vista por dentro ou por cima" que corresponde á imagem da bacia vista por cima. Esta incidência é indicada no estudo radiográfico dos ramos dos púbis e dos ísquios e da sínfise pubiana. O paciente deve permanecer imóvel durante a realização da incidência. POSIÇÃO DO PACIENTE-(Fig. 15.137)- O paciente deve estar deitado em decúbito dorsal na mesa bucky com os membros inferiores estendidos e posicionados com a região posterior apoiada na mesa. O plano médio sagital do paciente deve estar alinhado com a linha central da mesa. Fig. 15.137- Posicionamento do paciente para a radiográfia da pelve óssea na incidência ântero-posterior com inclinação podálica (caudal). Os membros inferiores devem estar na posição anatômica(ausência de rotação). RAIO CENTRAL(RC)- Incide com uma inclinação podálica de aproximadamente 30º, a aproximadamente 5cm acima da sínfise pubiana. FATORES RADIOGRÁFICOS KV= 2e+K: aproximado na faixa de 80KV -+ 5KVmAs: aproximado na faixa de 40mAs -+ 5mAs distância foco-filme (dFofi): 1m foco/grade: foco fino com grade móvel (bucky). Parâmetros de avaliação técnica da incidência em ântero-posterior (AP)- com inclinação podálica do raio central- (Fig.15.138a e 15.138b) - Os ramos superiores dos púbis e a sínfise pubiana aparecem sem superposição ao sacro.
  • 15. Fig. 15.138a- Radiografia da pelve óssea (bacia) em ântero-posterior com inclinação podálica. Fig.15.138b- Anatomia radiográfica da pelve óssea (bacia) na incidência em ântero- posterior com inclinação podálica do raio central. 1- Ìlio; 2- Ramos do púbis; 3- Espinha isquiática; 4- Sínfise púbica; 5- Cabeça do fêmur; 6-Colo do fêmur;7- Trocanter maior; 8- Trocanter menor; 9- Teto do acetábulo ;10-Articulação sacroiliaca; 11- Crista ilíaca; 12- Espinha ilíaca ântero- superior. ÂNTERO-POSTERIOR (AP) COM INCIDÊNCIA CEFÁLICA TAYLOR/OUTLET
  • 16. Também conhecida como incidência de Taylor ou bacia em outlet, é usada como complementar no estudo radiográfico da pelve óssea (bacia). O termo inglês outlet aqui significa "vista por fora", que corresponde á imagem da bacia vista por fora. Essa incidência é indicada no estudo radiográfico dos ramos dos púbis e dos ísquios e da sínfise pubiana. O paciente deve permanecer imóvel durante a realização da incidência. POSIÇÃO DO PACIENTE (Fig. 15.135)- O paciente deve estar deitado em decúbito dorsal na mesa bucky com os membros inferiores estendidos e posicionados com a região posterior apoiada na mesa. O plano médio sagital do paciente deve estar alinhado com a linha central da mesa. Figura. 15.135- Posicionamento do paciente para a radiografia da pelve óssea (bacia) em ântero-posterior com inclinação cefálica do raio central. Os membros inferiores devem estar na posição anatômica (ausência de rotação). RAIO CENTRAL (RC)- Incide com uma inclinação cefálica de aproximadamente 30º, a aproximadamente 5cm abaixo da sínfise pubiana. FATORES RADIOGRÁFICOS KV= 2e+K: aproximado na faixa de 80KV -+ 5KVmAs: aproximado na faixa de 40mAs -+ 5mAs distância foco-filme (dFofi): 1m foco/grade: foco fino com grade móvel (bucky) Parâmetros de avaliação técnica da incidência em ântero-posterior (AP)- com inclinação cefálica do raio central- (Fig.15.136a e 15.136b) - Os ramos superiores dos púbis e a sínfise pubiana aparecem superpostos ao sacro.
  • 17. Figura 15.136a- Radiografia da pelve óssea (bacia) em ântero-posterior com inclinação cefálica do raios central. Figura 15.136b- Anatomia radiográfica da pelve óssea (bacia) na incidência em ântero-posterior com inclinação cefálica do raio central. 1- Ìlio; 2- Ramo superior do púbis; 3- Espinha isquiática; 4- Forame obturador; 5- Cabeça do fêmur; 6- Colo do fêmur; 7- Trocanter maior; 8- Trocanter menor; 9- Teto do acetábulo; 10- Articulação sacroíliaca; 11- Crista ìliaca