SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 53
Técnicas de Exames
Professor Dr. Victor Hugo Pereira Coelho
Aula #01
 
Fonte: Felson, Benjamin in Princípios de Radiologia do Tórax: texto programado São Paulo: Atheneu, 1978. 

1
Técnicas de Exames

FUMAR EMAGRECE

2
Técnicas de Exames

ANATOMIA PULMONAR

3
Técnicas de Exames

FILME RADIOGRÁFICO

4
Técnicas de Exames

5
Técnicas de Exames

6
Técnicas de Exames

Radiografia do Tórax - PA

    A incidência padrão de 
radiografia  do  tórax  é 
a póstero – anterior.

Paciente  em  ortostatismo, 
raio  X  horizontal,       
distância  foco  -  filme  1,80 
m,  inspiração  algo  maior 
que o habitual.

7
Técnicas de Exames

8
Técnicas de Exames

Radiografia do Tórax
PA
9
Técnicas de Exames

10
Técnicas de Exames

ALINHAMENTO
ÂNTERO-POSTERIOR

11
Técnicas de Exames

Radiografia do Tórax - Perfil

    Outra radiografia de rotina é 
a  de  perfil.  O  lado  que  está 
encostado  no  filme  é  o  que 
determina o nome do perfil – 
direito  ou  esquerdo.  O 
padrão  é  o  perfil  esquerdo. 
Caso  haja  lesão  no  lado 
direito,  este  é  o  perfil  a  ser 
feito  para  que  exista  menor 
deformação 
e 
melhor 
nitidez.

12
Técnicas de Exames

A Radiografia Póstero-Anterior

13
Técnicas de Exames
A  incidência  PA  (póstero-anterior)  serve  para  reduzir  a 
deformação e aumentar a nitidez.
 
A  incidência  AP  (antero-posterior)é  habitualmente  realizada  em 
pacientes deitados e substitui a incidência PA nos pacientes muito 
doentes, nas crianças ou qualquer pessoa que não possa ficar de 
pé ou sentada.

14
Técnicas de Exames

15
Técnicas de Exames

A Radiografia De Perfil
1,80 m

16
Técnicas de Exames

MAGNIFICAÇÃO

http://www.sel.eesc.sc.usp.br/homero/sel705_pdf/12_raios-x_3.pdf

17
Técnicas de Exames

PENUMBRA

http://www.sel.eesc.sc.usp.br/homero/sel705_pdf/12_raios-x_3.pdf

18
Técnicas de Exames

PENUMBRA

http://www.sel.eesc.sc.usp.br/homero/sel705_pdf/12_raios-x_3.pdf

19
Técnicas de Exames

As radiografias AP são tomadas a uma distância de 1,00
m desta forma aumentam a deformidade e diminuem a
nitidez.
A incidência ortostática é preferida à em decúbito porque:
. mostra maior quantidade de pulmão uma vez que o
diafragma está mais baixo.
. é mais rápida
. é mais fácil atingir a distância de 1,80 m de tal forma
que as imagens são mais nítidas e menos deformadas.

20
Técnicas de Exames

As incidências oblíquas são usadas para localizar lesões e as
projetarem livres das estruturas que se sobrepõe(bifurcação
traqueal, câmaras cardíacas).

Como nas radiografias de perfil a porção do tórax que toca o
filme da o nome a incidência oblíqua(direita/esquerda –
posterior/anterior).

21
Técnicas de Exames

SILHUETA
É comum que uma lesão
localizada atrás do coração,
ou na base dos pulmões,
seja invisível na incidência
PA, porque a sombra do
coração e do diafragma a
escondem,
daí
a
necessidade de radiografia
rotineira de perfil.

22
Técnicas de Exames

Líquido Na Cavidade Pleural
O líquido na cavidade pleural é
afetado pela gravidade, desta
forma acumula-se sempre na
posição mais inferior, salvo se
estiver septado (bloqueado).

23
Técnicas de Exames

Líquido Na Cavidade Pleural

24
Técnicas de Exames

NÍVEL HIDRO-AÉREO
EM QUALQUER CAVI DADE QUE CONTENHA LÍ QUI DO E GÁS

AR

LÍQUIDO

AR
LÍQUIDO

RAI O - X HORI ZONTAL

RAIO - X VERTICAL

25
Técnicas de Exames

TÓRAX PERFIL

26
Técnicas de Exames

Lembrete:
Incidência–Teletórax(PA) - Raio-X horizontal
Incidência–Tórax(AP) – Raio-X vertical
Incidência–Decúbito lateral (dir/esq) – raio-x horizontal

27
Técnicas de Exames

INCIDÊNCIA LORDÓTICA
( ÁPICO-LORDÓTICA )

Outra incidência importante é a lordótica que é feita
com o paciente em posição ortostática em AP (anteroposterior)com o paciente inclinando-se para trás cerca
de 30 graus, apoiando a porção superior do tórax no
chassi.

28
Técnicas de Exames

INCIDÊNCIA ÁPICO-LORDÓTICA
REALI ZADA EM AP

INCIDÊNCIA PA

INCIDÊNCIA ÁPICO-LORDÓTICA

29
Técnicas de Exames

LORDÓTICA

30
Técnicas de Exames

MICETOMA
Aspergilos fumigatus

31
Técnicas de Exames

MICETOMA
Aspergilos fumigatus

32
Técnicas de Exames
12. A incidência feita com o paciente em decúbito ventral ou
dorsal com raio – X horizontal deve ser chamada como tal.
14. Duas porções do pulmão, o lobo médio direito e a língula,
são relativamente estreitos no diâmetro AP e em casos de
pneumonia ou colapso podem projetar sombras muito fracas.
Na incidência lordótica, os raios atravessam o diâmetro mais
longo do lobo médio e da língula, de tal forma que quando
doentes eles aparecem mais radiopacos.

I NCIDÊNCIA ÁPICO-LORDÓTICA
REALI ZADA EM AP

INCIDÊNCIA PA

INCIDÊNCIA ÁPICO-LORDÓTICA

33
Técnicas de Exames

Enfisema

34
Técnicas de Exames

TÓRAX PA

A radiografia do tórax é feita em inspiração.

35
Técnicas de Exames

A radiografia em expiração é útil para pesquisar enfisema
obstrutivo(corpo estranho/tumor).
Uma vez que o pulmão obstruído não pode se esvaziar
prontamente o lado afetado permanecerá expandido e
hiper-transparente(escuro).
O pneumotórax aparece sempre maior na expiração.

36
Técnicas de Exames

Enfisema Obstrutivo
(corpo estranho/tumor)

37
Técnicas de Exames

Enfisema Obstrutivo
(corpo estranho/tumor)

38
Técnicas de Exames

Sombra
Três coisas acontecem
quando o feixe de raio – X
penetra o paciente:
. Alguns raios são refletidos
e/ou desviados.
. Alguns são parcialmente
absorvidos pelos tecidos do
corpo,
em
quantidades
variáveis
dependendo
da
densidade dos tecidos, antes
de atingir o filme.
.Alguns passam diretamente
ao filme sem serem afetados
pelo paciente.

39
Técnicas de Exames

Sombra

40
Técnicas de Exames

Sombra

41
Técnicas de Exames

Radiação Espalhada
A porção do feixe que atinge o paciente e depois é difundida ao
acaso é chamada de radiação difusa ou espalhada. Este tipo de
radiação é maior nos pacientes obesos. Há que se reduzir a
quantidade desta radiação espalhada uma vez que ela aumenta
o velo.
A forma de reduzir esta radiação espalhada é utilizando uma
“grade anti-difusora”. Uma “grade anti-difusora” consiste de
finas lâminas de chumbo espaçadas regularmente que
bloqueiam a passagem da maior parte da radiação primária e
reduzem ao máximo a passagem da radiação secundária
(espalhada/difusa).

42
Técnicas de Exames

Radiação Espalhada
Quase toda a investigação radiológica, como por exemplo a
radiografia e a tomografia, baseiam-se na diferença de
atenuação da radiação ao atravessar corpos diferentes tipos de
tecidos e materiais.
Assim, detectamos estranhos ou vazios existentes em um dado
material a partir das diferentes intensidades produzidas num
detetor, geralmente um filme semelhante ao fotográfico, gerando
um padrão de contrastes.
A ocorrência de efeitos de difração (espalhamento), gera uma
degradação do contraste, criando uma região de transição de
intensidades que por sua vez irá prejudicar a determinação dos
limites do objeto a ser detectado.

43
http://omnis.if.ufrj.br/~odair/espalham.html
Técnicas de Exames

GRADE ANTIDIFUSORA

44
http://www.sel.eesc.sc.usp.br/homero/sel705_pdf/12_raios-x_3.pdf
Técnicas de Exames

GRADE ANTI-DIFUSORA
Existem grades fixas e grades móveis.
- A grade fixa determina a absorção
dos raios –X e causa o aparecimento de finas
linhas sobre o filme (gradeado). Este
gradeado tende a piorar a qualidade do filme.
- Para eliminar este gradeado e por
conseqüência a nitidez da imagem utiliza-se
a grade móvel, chamada Potter-Bucky.
45
Técnicas de Exames

Planigrafia
Outra técnica importante é a planigrafia também chamada
tomografia linear
Cuidado! Não é tomografia computadorizada.
Com esta técnica obtém-se radiografias de camadas do
corpo do paciente, ao mesmo tempo borrando as
estruturas anteriores e posteriores a esta camada. Esta
técnica serve para botar em evidência estruturas que de
outra forma ficariam sobrepostas
por imagens que
diminuem sua nitidez. O planígrafo consiste em um
aparelho no qual o tubo e o filme movem-se
sincronicamente, mas em direções opostas. O fulcro
ajustável é colocado na altura da lesão a ser estudada.

46
Técnicas de Exames

Planigrafia

47
Técnicas de Exames

48
Técnicas de Exames

Tomografia
Computadorizada

49
Técnicas de Exames

Bêbado Falador-é aquele que a qualquer gole dispara a falar aos
quatro cantos do mundo.
Bêbado Cantor-é aquele que se sente o rei Roberto Carlos.
Bêbado Dançarino-aquele que só pensa em dançar.
Bêbado Romântico-é aquele que aproveita o efeito do álcool para ter
coragem de fazer uma serenata às 4hs da madrugada ou uma
declaração de amor à pretendida.
Bêbado Violento-é o perigoso, fala alto,grita,xinga,ameaça e no dia
seguinte não lembra nada.
Bêbado Dorminhoco-é aquele que só pensa em dormir.
Bêbado Esquecido-é aquele que esquece de tudo.
Bêbado Choroso-é aquele que aproveita o efeito do álcool para botar
para fora todas as suas mágoas.

50
Técnicas de Exames

DICAS PARA IRRITAR O SEU
CHEFE

Diga que entendeu como fazer o serviço e
depois volte a perguntar sobre o assunto;
Brinque dizendo:Aí heim, não vendeu nada
hoje;
Peça aumento de salário todos os meses;
Mantenha o mau humor no trabalho;
Peça desculpa pelo erro cometido e volte a
repetí-lo.

51
Técnicas de Exames

DICAS PARA IRRITAR SEU
EMPREGADO
Pergunte em tom áspero:
Porque está chegando agora?
Defenda o lema de que o chefe sempre tem razão e, ao
invés de errar, apenas comete equívocos;
Quando o chamar para contar algo que fez de bom, aponte
imediatamente um erro que encontrar no serviço dele;
Faça uma espécie de plantão perto dele quando estiver
trabalhando;
Promova um funcionário para o cargo que outro deveria
ocupar.
52
Técnicas de Exames

DICAS PARA NÃO CAIR NAS MÃOS DE GOLPISTAS
Desconfie de tudo e de todos.
Se desconfiar que está sendo passado para trás, chame a
polícia;
Segure bem a
aglomerações;

bolsa

quando

estiver

andando

em

Procure não andar com muito dinheiro na bolsa. Nas
transações comerciais, prefira os cartões e talões de
cheques;
Procure sempre ir acompanhado quando for ao banco sacar
grande quantidade de dinheiro. Os golpistas prefererm
aplicar seus golpes nas pessoas desacompanhadas.
53

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia ComputadorizadaAula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia ComputadorizadaJaqueline Almeida
 
Técnicas de posicionamento para crânio
Técnicas de posicionamento para crânioTécnicas de posicionamento para crânio
Técnicas de posicionamento para crânioSandro Molter
 
Conceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemConceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemPollyanna Medeiros
 
Técnica radiológica-receptores-imagem
Técnica radiológica-receptores-imagemTécnica radiológica-receptores-imagem
Técnica radiológica-receptores-imagemIsabel Gardiano
 
EXAMES CONTRASTADOS - INTRODUÇÃO
EXAMES CONTRASTADOS - INTRODUÇÃOEXAMES CONTRASTADOS - INTRODUÇÃO
EXAMES CONTRASTADOS - INTRODUÇÃOMagno Cavalheiro
 
Aula de tomografia 2019
Aula de tomografia   2019Aula de tomografia   2019
Aula de tomografia 2019FLAVIO LOBATO
 
Processamento Radiográfico
Processamento RadiográficoProcessamento Radiográfico
Processamento Radiográficoarianepenna
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranCristiane Dias
 
Aula filmes radiográficos
Aula   filmes radiográficosAula   filmes radiográficos
Aula filmes radiográficosLucas Pereira
 
Prof magno formação da imagem
Prof magno   formação da imagemProf magno   formação da imagem
Prof magno formação da imagemCristiane Dias
 
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)Manu Medeiros
 

Mais procurados (20)

Radiologia digital
Radiologia digitalRadiologia digital
Radiologia digital
 
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia ComputadorizadaAula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
 
Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
 
Técnicas de posicionamento para crânio
Técnicas de posicionamento para crânioTécnicas de posicionamento para crânio
Técnicas de posicionamento para crânio
 
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEMGEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
 
Conceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemConceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagem
 
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIAINTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
 
Técnica radiológica-receptores-imagem
Técnica radiológica-receptores-imagemTécnica radiológica-receptores-imagem
Técnica radiológica-receptores-imagem
 
EXAMES CONTRASTADOS - INTRODUÇÃO
EXAMES CONTRASTADOS - INTRODUÇÃOEXAMES CONTRASTADOS - INTRODUÇÃO
EXAMES CONTRASTADOS - INTRODUÇÃO
 
Aula de tomografia 2019
Aula de tomografia   2019Aula de tomografia   2019
Aula de tomografia 2019
 
Processamento Radiográfico
Processamento RadiográficoProcessamento Radiográfico
Processamento Radiográfico
 
Aula radioproteção
Aula radioproteçãoAula radioproteção
Aula radioproteção
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
 
Aula filmes radiográficos
Aula   filmes radiográficosAula   filmes radiográficos
Aula filmes radiográficos
 
Aula de rm prof. luis aguiar
Aula de rm   prof. luis aguiarAula de rm   prof. luis aguiar
Aula de rm prof. luis aguiar
 
Prof magno formação da imagem
Prof magno   formação da imagemProf magno   formação da imagem
Prof magno formação da imagem
 
HEMODINÂMICA - RADIOLOGIA
HEMODINÂMICA - RADIOLOGIAHEMODINÂMICA - RADIOLOGIA
HEMODINÂMICA - RADIOLOGIA
 
Aula 01 proteção radiológica
Aula 01  proteção radiológicaAula 01  proteção radiológica
Aula 01 proteção radiológica
 
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
 
2. Meios de contraste.pptx
2. Meios de contraste.pptx2. Meios de contraste.pptx
2. Meios de contraste.pptx
 

Semelhante a Técnicas Radiográficas do Tórax

Controle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologiaControle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologiaGerciane Neves
 
Complicacoes lasik Wallace Chamon
Complicacoes lasik Wallace ChamonComplicacoes lasik Wallace Chamon
Complicacoes lasik Wallace ChamonWallace Chamon
 
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdf
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdfcontroledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdf
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdfEndersonToscanoDeAle
 
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdfAdm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdfMeryslandeMoreira1
 
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdfAdm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdfMeryslandeMoreira1
 
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologiaEquipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologiaHeraldo Silva
 
Ultrassonografia de diagnóstico em Odontologia [Salvo automaticamente].pptx
Ultrassonografia de diagnóstico em Odontologia [Salvo automaticamente].pptxUltrassonografia de diagnóstico em Odontologia [Salvo automaticamente].pptx
Ultrassonografia de diagnóstico em Odontologia [Salvo automaticamente].pptxfabiola
 
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptxRADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptxVanessaMalvesteIto1
 
COLETÂNEA DE ANGULAÇÕES DO BONTRAGER (1).pdf
COLETÂNEA DE ANGULAÇÕES DO BONTRAGER (1).pdfCOLETÂNEA DE ANGULAÇÕES DO BONTRAGER (1).pdf
COLETÂNEA DE ANGULAÇÕES DO BONTRAGER (1).pdfLuizCarlosAnjos1
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no traumaProf Silvio Rosa
 
3aula atendimentoinicialnotrauma-140310095311-phpapp02
3aula atendimentoinicialnotrauma-140310095311-phpapp023aula atendimentoinicialnotrauma-140310095311-phpapp02
3aula atendimentoinicialnotrauma-140310095311-phpapp02Dina Alves
 
Filmes e processamento aula 1
Filmes e processamento   aula 1Filmes e processamento   aula 1
Filmes e processamento aula 1Magno Cavalheiro
 

Semelhante a Técnicas Radiográficas do Tórax (16)

Controle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologiaControle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologia
 
Modulo 21
Modulo 21Modulo 21
Modulo 21
 
Complicacoes lasik Wallace Chamon
Complicacoes lasik Wallace ChamonComplicacoes lasik Wallace Chamon
Complicacoes lasik Wallace Chamon
 
1401
14011401
1401
 
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdf
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdfcontroledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdf
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdf
 
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdfAdm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
 
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdfAdm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
 
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologiaEquipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
 
Ultrassonografia de diagnóstico em Odontologia [Salvo automaticamente].pptx
Ultrassonografia de diagnóstico em Odontologia [Salvo automaticamente].pptxUltrassonografia de diagnóstico em Odontologia [Salvo automaticamente].pptx
Ultrassonografia de diagnóstico em Odontologia [Salvo automaticamente].pptx
 
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptxRADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
 
Rp Bs Ind Ex
Rp Bs Ind ExRp Bs Ind Ex
Rp Bs Ind Ex
 
COLETÂNEA DE ANGULAÇÕES DO BONTRAGER (1).pdf
COLETÂNEA DE ANGULAÇÕES DO BONTRAGER (1).pdfCOLETÂNEA DE ANGULAÇÕES DO BONTRAGER (1).pdf
COLETÂNEA DE ANGULAÇÕES DO BONTRAGER (1).pdf
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
 
3aula atendimentoinicialnotrauma-140310095311-phpapp02
3aula atendimentoinicialnotrauma-140310095311-phpapp023aula atendimentoinicialnotrauma-140310095311-phpapp02
3aula atendimentoinicialnotrauma-140310095311-phpapp02
 
Avanços Tecnológicos na RM
Avanços Tecnológicos na RM Avanços Tecnológicos na RM
Avanços Tecnológicos na RM
 
Filmes e processamento aula 1
Filmes e processamento   aula 1Filmes e processamento   aula 1
Filmes e processamento aula 1
 

Mais de radiomed

Mamografia aula
Mamografia aulaMamografia aula
Mamografia aularadiomed
 
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhada
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhadaAula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhada
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhadaradiomed
 
Aula 2 imaginologia
Aula 2 imaginologiaAula 2 imaginologia
Aula 2 imaginologiaradiomed
 
Aula 1 imaginologia
Aula 1 imaginologiaAula 1 imaginologia
Aula 1 imaginologiaradiomed
 
Aula de Seios da face
Aula de Seios da faceAula de Seios da face
Aula de Seios da faceradiomed
 
Contraste radiologico
Contraste radiologicoContraste radiologico
Contraste radiologicoradiomed
 
Dosímetro
DosímetroDosímetro
Dosímetroradiomed
 

Mais de radiomed (7)

Mamografia aula
Mamografia aulaMamografia aula
Mamografia aula
 
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhada
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhadaAula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhada
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhada
 
Aula 2 imaginologia
Aula 2 imaginologiaAula 2 imaginologia
Aula 2 imaginologia
 
Aula 1 imaginologia
Aula 1 imaginologiaAula 1 imaginologia
Aula 1 imaginologia
 
Aula de Seios da face
Aula de Seios da faceAula de Seios da face
Aula de Seios da face
 
Contraste radiologico
Contraste radiologicoContraste radiologico
Contraste radiologico
 
Dosímetro
DosímetroDosímetro
Dosímetro
 

Último

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 

Último (20)

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 

Técnicas Radiográficas do Tórax

  • 1. Técnicas de Exames Professor Dr. Victor Hugo Pereira Coelho Aula #01   Fonte: Felson, Benjamin in Princípios de Radiologia do Tórax: texto programado São Paulo: Atheneu, 1978.  1
  • 7. Técnicas de Exames Radiografia do Tórax - PA     A incidência padrão de  radiografia  do  tórax  é  a póstero – anterior. Paciente  em  ortostatismo,  raio  X  horizontal,        distância  foco  -  filme  1,80  m,  inspiração  algo  maior  que o habitual. 7
  • 12. Técnicas de Exames Radiografia do Tórax - Perfil     Outra radiografia de rotina é  a  de  perfil.  O  lado  que  está  encostado  no  filme  é  o  que  determina o nome do perfil –  direito  ou  esquerdo.  O  padrão  é  o  perfil  esquerdo.  Caso  haja  lesão  no  lado  direito,  este  é  o  perfil  a  ser  feito  para  que  exista  menor  deformação  e  melhor  nitidez. 12
  • 14. Técnicas de Exames A  incidência  PA  (póstero-anterior)  serve  para  reduzir  a  deformação e aumentar a nitidez.   A  incidência  AP  (antero-posterior)é  habitualmente  realizada  em  pacientes deitados e substitui a incidência PA nos pacientes muito  doentes, nas crianças ou qualquer pessoa que não possa ficar de  pé ou sentada. 14
  • 16. Técnicas de Exames A Radiografia De Perfil 1,80 m 16
  • 20. Técnicas de Exames As radiografias AP são tomadas a uma distância de 1,00 m desta forma aumentam a deformidade e diminuem a nitidez. A incidência ortostática é preferida à em decúbito porque: . mostra maior quantidade de pulmão uma vez que o diafragma está mais baixo. . é mais rápida . é mais fácil atingir a distância de 1,80 m de tal forma que as imagens são mais nítidas e menos deformadas. 20
  • 21. Técnicas de Exames As incidências oblíquas são usadas para localizar lesões e as projetarem livres das estruturas que se sobrepõe(bifurcação traqueal, câmaras cardíacas). Como nas radiografias de perfil a porção do tórax que toca o filme da o nome a incidência oblíqua(direita/esquerda – posterior/anterior). 21
  • 22. Técnicas de Exames SILHUETA É comum que uma lesão localizada atrás do coração, ou na base dos pulmões, seja invisível na incidência PA, porque a sombra do coração e do diafragma a escondem, daí a necessidade de radiografia rotineira de perfil. 22
  • 23. Técnicas de Exames Líquido Na Cavidade Pleural O líquido na cavidade pleural é afetado pela gravidade, desta forma acumula-se sempre na posição mais inferior, salvo se estiver septado (bloqueado). 23
  • 24. Técnicas de Exames Líquido Na Cavidade Pleural 24
  • 25. Técnicas de Exames NÍVEL HIDRO-AÉREO EM QUALQUER CAVI DADE QUE CONTENHA LÍ QUI DO E GÁS AR LÍQUIDO AR LÍQUIDO RAI O - X HORI ZONTAL RAIO - X VERTICAL 25
  • 27. Técnicas de Exames Lembrete: Incidência–Teletórax(PA) - Raio-X horizontal Incidência–Tórax(AP) – Raio-X vertical Incidência–Decúbito lateral (dir/esq) – raio-x horizontal 27
  • 28. Técnicas de Exames INCIDÊNCIA LORDÓTICA ( ÁPICO-LORDÓTICA ) Outra incidência importante é a lordótica que é feita com o paciente em posição ortostática em AP (anteroposterior)com o paciente inclinando-se para trás cerca de 30 graus, apoiando a porção superior do tórax no chassi. 28
  • 29. Técnicas de Exames INCIDÊNCIA ÁPICO-LORDÓTICA REALI ZADA EM AP INCIDÊNCIA PA INCIDÊNCIA ÁPICO-LORDÓTICA 29
  • 33. Técnicas de Exames 12. A incidência feita com o paciente em decúbito ventral ou dorsal com raio – X horizontal deve ser chamada como tal. 14. Duas porções do pulmão, o lobo médio direito e a língula, são relativamente estreitos no diâmetro AP e em casos de pneumonia ou colapso podem projetar sombras muito fracas. Na incidência lordótica, os raios atravessam o diâmetro mais longo do lobo médio e da língula, de tal forma que quando doentes eles aparecem mais radiopacos. I NCIDÊNCIA ÁPICO-LORDÓTICA REALI ZADA EM AP INCIDÊNCIA PA INCIDÊNCIA ÁPICO-LORDÓTICA 33
  • 35. Técnicas de Exames TÓRAX PA A radiografia do tórax é feita em inspiração. 35
  • 36. Técnicas de Exames A radiografia em expiração é útil para pesquisar enfisema obstrutivo(corpo estranho/tumor). Uma vez que o pulmão obstruído não pode se esvaziar prontamente o lado afetado permanecerá expandido e hiper-transparente(escuro). O pneumotórax aparece sempre maior na expiração. 36
  • 37. Técnicas de Exames Enfisema Obstrutivo (corpo estranho/tumor) 37
  • 38. Técnicas de Exames Enfisema Obstrutivo (corpo estranho/tumor) 38
  • 39. Técnicas de Exames Sombra Três coisas acontecem quando o feixe de raio – X penetra o paciente: . Alguns raios são refletidos e/ou desviados. . Alguns são parcialmente absorvidos pelos tecidos do corpo, em quantidades variáveis dependendo da densidade dos tecidos, antes de atingir o filme. .Alguns passam diretamente ao filme sem serem afetados pelo paciente. 39
  • 42. Técnicas de Exames Radiação Espalhada A porção do feixe que atinge o paciente e depois é difundida ao acaso é chamada de radiação difusa ou espalhada. Este tipo de radiação é maior nos pacientes obesos. Há que se reduzir a quantidade desta radiação espalhada uma vez que ela aumenta o velo. A forma de reduzir esta radiação espalhada é utilizando uma “grade anti-difusora”. Uma “grade anti-difusora” consiste de finas lâminas de chumbo espaçadas regularmente que bloqueiam a passagem da maior parte da radiação primária e reduzem ao máximo a passagem da radiação secundária (espalhada/difusa). 42
  • 43. Técnicas de Exames Radiação Espalhada Quase toda a investigação radiológica, como por exemplo a radiografia e a tomografia, baseiam-se na diferença de atenuação da radiação ao atravessar corpos diferentes tipos de tecidos e materiais. Assim, detectamos estranhos ou vazios existentes em um dado material a partir das diferentes intensidades produzidas num detetor, geralmente um filme semelhante ao fotográfico, gerando um padrão de contrastes. A ocorrência de efeitos de difração (espalhamento), gera uma degradação do contraste, criando uma região de transição de intensidades que por sua vez irá prejudicar a determinação dos limites do objeto a ser detectado. 43 http://omnis.if.ufrj.br/~odair/espalham.html
  • 44. Técnicas de Exames GRADE ANTIDIFUSORA 44 http://www.sel.eesc.sc.usp.br/homero/sel705_pdf/12_raios-x_3.pdf
  • 45. Técnicas de Exames GRADE ANTI-DIFUSORA Existem grades fixas e grades móveis. - A grade fixa determina a absorção dos raios –X e causa o aparecimento de finas linhas sobre o filme (gradeado). Este gradeado tende a piorar a qualidade do filme. - Para eliminar este gradeado e por conseqüência a nitidez da imagem utiliza-se a grade móvel, chamada Potter-Bucky. 45
  • 46. Técnicas de Exames Planigrafia Outra técnica importante é a planigrafia também chamada tomografia linear Cuidado! Não é tomografia computadorizada. Com esta técnica obtém-se radiografias de camadas do corpo do paciente, ao mesmo tempo borrando as estruturas anteriores e posteriores a esta camada. Esta técnica serve para botar em evidência estruturas que de outra forma ficariam sobrepostas por imagens que diminuem sua nitidez. O planígrafo consiste em um aparelho no qual o tubo e o filme movem-se sincronicamente, mas em direções opostas. O fulcro ajustável é colocado na altura da lesão a ser estudada. 46
  • 50. Técnicas de Exames Bêbado Falador-é aquele que a qualquer gole dispara a falar aos quatro cantos do mundo. Bêbado Cantor-é aquele que se sente o rei Roberto Carlos. Bêbado Dançarino-aquele que só pensa em dançar. Bêbado Romântico-é aquele que aproveita o efeito do álcool para ter coragem de fazer uma serenata às 4hs da madrugada ou uma declaração de amor à pretendida. Bêbado Violento-é o perigoso, fala alto,grita,xinga,ameaça e no dia seguinte não lembra nada. Bêbado Dorminhoco-é aquele que só pensa em dormir. Bêbado Esquecido-é aquele que esquece de tudo. Bêbado Choroso-é aquele que aproveita o efeito do álcool para botar para fora todas as suas mágoas. 50
  • 51. Técnicas de Exames DICAS PARA IRRITAR O SEU CHEFE Diga que entendeu como fazer o serviço e depois volte a perguntar sobre o assunto; Brinque dizendo:Aí heim, não vendeu nada hoje; Peça aumento de salário todos os meses; Mantenha o mau humor no trabalho; Peça desculpa pelo erro cometido e volte a repetí-lo. 51
  • 52. Técnicas de Exames DICAS PARA IRRITAR SEU EMPREGADO Pergunte em tom áspero: Porque está chegando agora? Defenda o lema de que o chefe sempre tem razão e, ao invés de errar, apenas comete equívocos; Quando o chamar para contar algo que fez de bom, aponte imediatamente um erro que encontrar no serviço dele; Faça uma espécie de plantão perto dele quando estiver trabalhando; Promova um funcionário para o cargo que outro deveria ocupar. 52
  • 53. Técnicas de Exames DICAS PARA NÃO CAIR NAS MÃOS DE GOLPISTAS Desconfie de tudo e de todos. Se desconfiar que está sendo passado para trás, chame a polícia; Segure bem a aglomerações; bolsa quando estiver andando em Procure não andar com muito dinheiro na bolsa. Nas transações comerciais, prefira os cartões e talões de cheques; Procure sempre ir acompanhado quando for ao banco sacar grande quantidade de dinheiro. Os golpistas prefererm aplicar seus golpes nas pessoas desacompanhadas. 53