SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
SILVERMAN, D. Relevance and Ethics.
In: Interpreting Qualitative Data. London:
Sage, 2001.
Slides by Raquel Salcedo Gomes
9 Relevância e ética
é relativamente flexível
estuda o que as pessoas
fazem em seu contexto
natural
funciona tanto para o
estudo de processos
quanto de resultados
estuda significados e
causas
O valor da pesquisa qualitativa para a comunidade em geral
seu status como
empreendimento
naturalístico é discutível
estudos quantitativos
também podem abordar
estas características
problemas de validade,
generalização e
anedotalismo
mas...
exemplo: sistema educacional britânico - distribuição e
seleção em escolas inclusivas - uma nova variável a
pesquisas quantitativas
habilidade de analisar o que realmente acontece em
configurações naturalísticas
recusa a definir temas de pesquisa a partir de “problemas
sociais” dados
divisão do trabalho: pesquisa qualitativa - “como” e “o
quê” / pesquisa quantitativa - “por quê”
O que os pesquisadores qualitativos oferecem de
relevante à comunidade em geral?
9.1 Três papeis para o
cientista social
A questão não é se devemos tomar partido, já que
inevitavelmente acontecerá, mas sim de que lado estamos?
(BECKER, 1967, p. 239)
Papel Política Compromisso Exemplos
Intelectual Liberal
O conhecimento pelo
conhecimento,
protegido pela
consciência
Weber, Denzin
Conselheiro do
Estado
Burocrática
Engenharia social ou
esclarecimento para
legisladores e poder
executivo
Popper, Bulmer
Militante
Esquerda
Direita
Conhecimento para
apoiar tanto a teoria
como a prática política
Marx, Habermas,
centros de
pesquisa política
Max Weber Norman Denzin Karl Popper
Martin Bulmer Karl Marx Jürgen Habermas
9.2 O público da pesquisa
qualitativa
Público Expectativa
Colegas acadêmicos insights teóricos, factuais e metodológicos
Legisladores e poder
executivo
informações práticas relevantes a questões
políticas atuais
Praticantes
arcabouço teórico para entender melhor os clientes,
informação factual, sugestões práticas para melhoria
dos processos, reforma das práticas existentes
O público em geral
ideias para reforma de práticas ou políticas atuais, orientações
sobre como gerenciar ou obter um melhor serviço a partir de
praticantes ou instituições, garantias de que outros compartilham
de sua experiência de problemas particulares na vida
“...o equivalente sociológico de um homerun carregado
nas bases é levar o material preparado para uma aula,
entregá-lo em uma reunião profissional, publicá-lo em
uma revista qualificada, tê-lo reproduzido em uma
coleção editada, usá-lo em um livro que você escrever,
publicar versões estrangeiras e uma versão mais
popular e fazer o trabalho informar um
documentário.” (p. 267, apud Marx, 1977)
boa comunicação exige foco e
ainda mais foco
LEVERAGE ☞ influência, poder, potência de alavanca
9.2.1 O público que faz
política(s)
A ideia de que a pesquisa social poderia influenciar políticas públicas
funciona como inspiração para muitos jovens cientistas sociais.
Não ser ouvido é uma experiência comum entre os pesquisadores
sociais de origem anglo-americana. Segundo Hadley: 1) a pesquisa é
muitas vezes encomendada para ganhar tempo em face de escândalo
público ou crítica; 2) o intervalo de tempo entre a proposta de um
estudo e a emissão de seu relatório pode significar que os interesses
do cliente mudaram; 3) pesquisadores que produzem conclusões
desagradáveis
podem ser taxados como "irrealistas".
Órgãos públicos podem estar começando a levar a pesquisa social mais
a sério (grupos focais).
A comunidade política não é o público principal da pesquisa social
(BLOOR, 1997).
9.2.2 O público praticante
Praticantes, em vez de políticos, são o público que mais
confia e mais se abre à investigação social.
Influência de pesquisadores sobre praticantes: 1) eles
podem construir relações de pesquisa com os
profissionais, a fim de discutir as implicações práticas, 2) o
detalhe e a transparência de alguns dados têm um apelo
para muitos profissionais - oportunidade para fazer juízos
de valor sobre as próprias práticas e experiências com a
adoção de novas abordagens descritas nos resultados da
pesquisa.
9.2.3 O público em geral
1) para responder a perguntas feitas por seus
entrevistados;
2) para "verificar" conclusões provisórias;
3) para oferecer 'feedback' a organizações e grupos
relevantes;
4) para fornecer informações à mídia.
Razões pelas quais pode ser interessante
reportar-se ao público em geral:
9.3 Ética na pesquisa
qualitativa
Weber (1946) - contaminação da pesquisa com valores do
pesquisador
Dilema - informar os sujeitos sem contaminá-los com
informações que direcionem suas respostas
Mason (1996) - intimidade com as vidas públicas e
particulares de indivíduos; mudanças durante a pesquisa
implicam dilemas éticos inesperados
Para confrontar tais problemas, Mason sugere
esclarecer duas intenções no momento de
formulação do problema de pesquisa:
Decidir qual é o propósito de sua pesquisa, por exemplo,
desenvolvimento pessoal, defesa política.
Examinar que indivíduos ou grupos estariam interessados
ou seriam afetados por seu tópico de pesquisa.
Considerar quais são as implicações para essas partes a
respeito do enquadramento de seu tópico de pesquisa da
maneira como você o fez.
Consentimento Informado
Fornecer informações sobre a pesquisa que sejam relevantes à
decisão do sujeito de participar ou não.
Assegurar-se de que os sujeitos compreendem a informação.
Assegurar-se de que a participação é voluntária.
Quando não couber aos sujeitos decidir, buscar o consentimento do
responsável.
GRAUS DE CONSENTIMENTO
9.4 A contribuição da ciência
social qualitativa
participação em debates públicos (exemplo dos pais
de crianças com problemas de coração);
fornecimento de novas oportunidades para as
pessoas tomarem suas próprias decisões;
oferta de uma nova perspectiva a praticantes e
clientes;
Superação do Relativismo
9.5 Resumo: a contribuição
específica da pesquisa qualitativa
explicar as práticas do senso comum, a fim de revelar seus
grandes detalhes
os aspectos das coisas que são mais importantes para nós
estão escondidos por causa de sua simplicidade e
familiaridade
se a pesquisa de campo tem algo a oferecer, seus
imperativos teóricos a dirigem em uma direção que pode
oferecer aos participantes novas perspectivas sobre seus
problemas
9.6 Conclusão
as práticas de pesquisa qualitativa podem ajudar a mudar o
mundo de formas positivas;
para tanto, os pesquisadores qualitativos devem resistir às
definições de administradores, jornalistas e praticantes
sobre o que se configura como ‘problema’;
é importante objetivar um diálogo entre o mundo da
academia e o mundo cotidiano;
cada um terá de ceder um pouco: políticos, pesquisadores
qualitativos e pesquisadores quantitativos.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Icai goa - ser. tax - critical issues
Icai   goa - ser. tax - critical issuesIcai   goa - ser. tax - critical issues
Icai goa - ser. tax - critical issuesoswinfo
 
makalah White Hat Hackers
makalah White Hat Hackersmakalah White Hat Hackers
makalah White Hat HackersSandy Wck
 
Hoi nghi truyen thong dv 4 sao for mr tuan
Hoi nghi truyen thong dv 4 sao for mr tuanHoi nghi truyen thong dv 4 sao for mr tuan
Hoi nghi truyen thong dv 4 sao for mr tuanQuynh Pham
 
Clase velocidad,desplazamiento y trayectoria
Clase velocidad,desplazamiento y trayectoriaClase velocidad,desplazamiento y trayectoria
Clase velocidad,desplazamiento y trayectoriamarionliss
 
VIJAY KUMAR (New)
VIJAY KUMAR (New)VIJAY KUMAR (New)
VIJAY KUMAR (New)Vijay Kumar
 
Cultural Connections October 2015 Program - Financial Stability
Cultural Connections October 2015 Program - Financial StabilityCultural Connections October 2015 Program - Financial Stability
Cultural Connections October 2015 Program - Financial Stabilitybayareamuseums
 
земля Первомайская : сборник научно-популярных очерков
земля Первомайская : сборник научно-популярных очерковземля Первомайская : сборник научно-популярных очерков
земля Первомайская : сборник научно-популярных очерковDIM0SSS
 
Presentation1
Presentation1Presentation1
Presentation1lfbvlblb
 
Healing Our Heroes- LCA Presentation
Healing Our Heroes- LCA PresentationHealing Our Heroes- LCA Presentation
Healing Our Heroes- LCA PresentationChristopher Monceaux
 
新人教育と(Javaと)Python
新人教育と(Javaと)Python新人教育と(Javaと)Python
新人教育と(Javaと)Python7pairs
 

Destaque (15)

Icai goa - ser. tax - critical issues
Icai   goa - ser. tax - critical issuesIcai   goa - ser. tax - critical issues
Icai goa - ser. tax - critical issues
 
makalah White Hat Hackers
makalah White Hat Hackersmakalah White Hat Hackers
makalah White Hat Hackers
 
h5
h5h5
h5
 
VCS Catering
VCS CateringVCS Catering
VCS Catering
 
Hoi nghi truyen thong dv 4 sao for mr tuan
Hoi nghi truyen thong dv 4 sao for mr tuanHoi nghi truyen thong dv 4 sao for mr tuan
Hoi nghi truyen thong dv 4 sao for mr tuan
 
Clase velocidad,desplazamiento y trayectoria
Clase velocidad,desplazamiento y trayectoriaClase velocidad,desplazamiento y trayectoria
Clase velocidad,desplazamiento y trayectoria
 
VIJAY KUMAR (New)
VIJAY KUMAR (New)VIJAY KUMAR (New)
VIJAY KUMAR (New)
 
Cultural Connections October 2015 Program - Financial Stability
Cultural Connections October 2015 Program - Financial StabilityCultural Connections October 2015 Program - Financial Stability
Cultural Connections October 2015 Program - Financial Stability
 
земля Первомайская : сборник научно-популярных очерков
земля Первомайская : сборник научно-популярных очерковземля Первомайская : сборник научно-популярных очерков
земля Первомайская : сборник научно-популярных очерков
 
Марафон важных дел - 12 слайдов
Марафон важных дел - 12 слайдовМарафон важных дел - 12 слайдов
Марафон важных дел - 12 слайдов
 
Happiness 2nd c
Happiness 2nd cHappiness 2nd c
Happiness 2nd c
 
Presentation1
Presentation1Presentation1
Presentation1
 
Healing Our Heroes- LCA Presentation
Healing Our Heroes- LCA PresentationHealing Our Heroes- LCA Presentation
Healing Our Heroes- LCA Presentation
 
新人教育と(Javaと)Python
新人教育と(Javaと)Python新人教育と(Javaと)Python
新人教育と(Javaと)Python
 
Business model canvas 161220 smart biz
Business model canvas 161220 smart bizBusiness model canvas 161220 smart biz
Business model canvas 161220 smart biz
 

Semelhante a Relevância ética pesquisa qualitativa

Pesquisa participante
Pesquisa participantePesquisa participante
Pesquisa participanteGleyton Gomes
 
Aula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iiiAula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iiijeancff84
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociaisFábio Miguel
 
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativagisa_legal
 
A pesquisa no ensino superior
A pesquisa no ensino superiorA pesquisa no ensino superior
A pesquisa no ensino superiorSuênya Mourão
 
Como elaborar um projeto de pesquisa
Como elaborar um projeto de pesquisaComo elaborar um projeto de pesquisa
Como elaborar um projeto de pesquisaAcesso Consultoria
 
Apresentação metodologia
Apresentação metodologiaApresentação metodologia
Apresentação metodologiaGestaoconstcivil
 
Estratégias de elaboração de questões e grupo focal
Estratégias de elaboração de questões e grupo focalEstratégias de elaboração de questões e grupo focal
Estratégias de elaboração de questões e grupo focalFernando Antonio
 
Elaboração da Questão de Pesquisa (aula 3)
Elaboração da Questão de Pesquisa (aula 3)Elaboração da Questão de Pesquisa (aula 3)
Elaboração da Questão de Pesquisa (aula 3)Sandra Lago Moraes
 
Método em Pesquisa e Redação Científica - Aula1 e 2
Método em Pesquisa e Redação Científica - Aula1 e 2Método em Pesquisa e Redação Científica - Aula1 e 2
Método em Pesquisa e Redação Científica - Aula1 e 2Débora Santos
 
Planejamento de Pesquisas qualitativas
Planejamento de Pesquisas qualitativasPlanejamento de Pesquisas qualitativas
Planejamento de Pesquisas qualitativasSonia Matos Moutinho
 
Aula 1-metodologia-da-pesquisa
Aula 1-metodologia-da-pesquisaAula 1-metodologia-da-pesquisa
Aula 1-metodologia-da-pesquisaPT
 
Aula 1-metodologia-da-pesquisa
Aula 1-metodologia-da-pesquisaAula 1-metodologia-da-pesquisa
Aula 1-metodologia-da-pesquisaclayton Clayton
 
Estudo de caso planejamento e m robert k. yin
Estudo de caso planejamento e m   robert k. yinEstudo de caso planejamento e m   robert k. yin
Estudo de caso planejamento e m robert k. yinErika Bedin
 

Semelhante a Relevância ética pesquisa qualitativa (20)

Pesquisa ação
Pesquisa açãoPesquisa ação
Pesquisa ação
 
Cap. 26 além do auto-report survey de opinião pública baseada na web
Cap. 26   além do auto-report survey de opinião pública baseada na webCap. 26   além do auto-report survey de opinião pública baseada na web
Cap. 26 além do auto-report survey de opinião pública baseada na web
 
Pesquisa participante
Pesquisa participantePesquisa participante
Pesquisa participante
 
Aula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iiiAula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iii
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
 
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
 
A pesquisa no ensino superior
A pesquisa no ensino superiorA pesquisa no ensino superior
A pesquisa no ensino superior
 
Cap. 4 survey em comunicação política desafios tendências e oportunidades
Cap. 4   survey em comunicação política desafios tendências e oportunidadesCap. 4   survey em comunicação política desafios tendências e oportunidades
Cap. 4 survey em comunicação política desafios tendências e oportunidades
 
Como elaborar um projeto de pesquisa
Como elaborar um projeto de pesquisaComo elaborar um projeto de pesquisa
Como elaborar um projeto de pesquisa
 
Dissertação Cientifica
Dissertação CientificaDissertação Cientifica
Dissertação Cientifica
 
Apresentação metodologia
Apresentação metodologiaApresentação metodologia
Apresentação metodologia
 
Estratégias de elaboração de questões e grupo focal
Estratégias de elaboração de questões e grupo focalEstratégias de elaboração de questões e grupo focal
Estratégias de elaboração de questões e grupo focal
 
Cap. 3 Entrevistas individuais e grupais de George Gaskell
Cap. 3 Entrevistas individuais e grupais de George GaskellCap. 3 Entrevistas individuais e grupais de George Gaskell
Cap. 3 Entrevistas individuais e grupais de George Gaskell
 
Elaboração da Questão de Pesquisa (aula 3)
Elaboração da Questão de Pesquisa (aula 3)Elaboração da Questão de Pesquisa (aula 3)
Elaboração da Questão de Pesquisa (aula 3)
 
Método em Pesquisa e Redação Científica - Aula1 e 2
Método em Pesquisa e Redação Científica - Aula1 e 2Método em Pesquisa e Redação Científica - Aula1 e 2
Método em Pesquisa e Redação Científica - Aula1 e 2
 
Apostila de método de pesquisa 2
Apostila de  método de pesquisa 2 Apostila de  método de pesquisa 2
Apostila de método de pesquisa 2
 
Planejamento de Pesquisas qualitativas
Planejamento de Pesquisas qualitativasPlanejamento de Pesquisas qualitativas
Planejamento de Pesquisas qualitativas
 
Aula 1-metodologia-da-pesquisa
Aula 1-metodologia-da-pesquisaAula 1-metodologia-da-pesquisa
Aula 1-metodologia-da-pesquisa
 
Aula 1-metodologia-da-pesquisa
Aula 1-metodologia-da-pesquisaAula 1-metodologia-da-pesquisa
Aula 1-metodologia-da-pesquisa
 
Estudo de caso planejamento e m robert k. yin
Estudo de caso planejamento e m   robert k. yinEstudo de caso planejamento e m   robert k. yin
Estudo de caso planejamento e m robert k. yin
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoRaquel Salcedo Gomes
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Raquel Salcedo Gomes
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaRaquel Salcedo Gomes
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?Raquel Salcedo Gomes
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoRaquel Salcedo Gomes
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasRaquel Salcedo Gomes
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Raquel Salcedo Gomes
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Raquel Salcedo Gomes
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisRaquel Salcedo Gomes
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasRaquel Salcedo Gomes
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesRaquel Salcedo Gomes
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes (20)

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da cultura
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemia
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cognição
 
Cognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagemCognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagem
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
 
Educação na cultura digital
Educação na cultura digitalEducação na cultura digital
Educação na cultura digital
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
 
O que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre LévyO que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre Lévy
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitais
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidências
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and Challenges
 
Bergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha teseBergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha tese
 
Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)
 

Último

QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 

Último (20)

QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 

Relevância ética pesquisa qualitativa

  • 1. SILVERMAN, D. Relevance and Ethics. In: Interpreting Qualitative Data. London: Sage, 2001. Slides by Raquel Salcedo Gomes
  • 2. 9 Relevância e ética é relativamente flexível estuda o que as pessoas fazem em seu contexto natural funciona tanto para o estudo de processos quanto de resultados estuda significados e causas O valor da pesquisa qualitativa para a comunidade em geral seu status como empreendimento naturalístico é discutível estudos quantitativos também podem abordar estas características problemas de validade, generalização e anedotalismo mas...
  • 3. exemplo: sistema educacional britânico - distribuição e seleção em escolas inclusivas - uma nova variável a pesquisas quantitativas habilidade de analisar o que realmente acontece em configurações naturalísticas recusa a definir temas de pesquisa a partir de “problemas sociais” dados divisão do trabalho: pesquisa qualitativa - “como” e “o quê” / pesquisa quantitativa - “por quê” O que os pesquisadores qualitativos oferecem de relevante à comunidade em geral?
  • 4. 9.1 Três papeis para o cientista social A questão não é se devemos tomar partido, já que inevitavelmente acontecerá, mas sim de que lado estamos? (BECKER, 1967, p. 239) Papel Política Compromisso Exemplos Intelectual Liberal O conhecimento pelo conhecimento, protegido pela consciência Weber, Denzin Conselheiro do Estado Burocrática Engenharia social ou esclarecimento para legisladores e poder executivo Popper, Bulmer Militante Esquerda Direita Conhecimento para apoiar tanto a teoria como a prática política Marx, Habermas, centros de pesquisa política
  • 5. Max Weber Norman Denzin Karl Popper Martin Bulmer Karl Marx Jürgen Habermas
  • 6. 9.2 O público da pesquisa qualitativa Público Expectativa Colegas acadêmicos insights teóricos, factuais e metodológicos Legisladores e poder executivo informações práticas relevantes a questões políticas atuais Praticantes arcabouço teórico para entender melhor os clientes, informação factual, sugestões práticas para melhoria dos processos, reforma das práticas existentes O público em geral ideias para reforma de práticas ou políticas atuais, orientações sobre como gerenciar ou obter um melhor serviço a partir de praticantes ou instituições, garantias de que outros compartilham de sua experiência de problemas particulares na vida
  • 7. “...o equivalente sociológico de um homerun carregado nas bases é levar o material preparado para uma aula, entregá-lo em uma reunião profissional, publicá-lo em uma revista qualificada, tê-lo reproduzido em uma coleção editada, usá-lo em um livro que você escrever, publicar versões estrangeiras e uma versão mais popular e fazer o trabalho informar um documentário.” (p. 267, apud Marx, 1977) boa comunicação exige foco e ainda mais foco LEVERAGE ☞ influência, poder, potência de alavanca
  • 8. 9.2.1 O público que faz política(s) A ideia de que a pesquisa social poderia influenciar políticas públicas funciona como inspiração para muitos jovens cientistas sociais. Não ser ouvido é uma experiência comum entre os pesquisadores sociais de origem anglo-americana. Segundo Hadley: 1) a pesquisa é muitas vezes encomendada para ganhar tempo em face de escândalo público ou crítica; 2) o intervalo de tempo entre a proposta de um estudo e a emissão de seu relatório pode significar que os interesses do cliente mudaram; 3) pesquisadores que produzem conclusões desagradáveis podem ser taxados como "irrealistas". Órgãos públicos podem estar começando a levar a pesquisa social mais a sério (grupos focais). A comunidade política não é o público principal da pesquisa social (BLOOR, 1997).
  • 9. 9.2.2 O público praticante Praticantes, em vez de políticos, são o público que mais confia e mais se abre à investigação social. Influência de pesquisadores sobre praticantes: 1) eles podem construir relações de pesquisa com os profissionais, a fim de discutir as implicações práticas, 2) o detalhe e a transparência de alguns dados têm um apelo para muitos profissionais - oportunidade para fazer juízos de valor sobre as próprias práticas e experiências com a adoção de novas abordagens descritas nos resultados da pesquisa.
  • 10. 9.2.3 O público em geral 1) para responder a perguntas feitas por seus entrevistados; 2) para "verificar" conclusões provisórias; 3) para oferecer 'feedback' a organizações e grupos relevantes; 4) para fornecer informações à mídia. Razões pelas quais pode ser interessante reportar-se ao público em geral:
  • 11. 9.3 Ética na pesquisa qualitativa Weber (1946) - contaminação da pesquisa com valores do pesquisador Dilema - informar os sujeitos sem contaminá-los com informações que direcionem suas respostas Mason (1996) - intimidade com as vidas públicas e particulares de indivíduos; mudanças durante a pesquisa implicam dilemas éticos inesperados
  • 12. Para confrontar tais problemas, Mason sugere esclarecer duas intenções no momento de formulação do problema de pesquisa: Decidir qual é o propósito de sua pesquisa, por exemplo, desenvolvimento pessoal, defesa política. Examinar que indivíduos ou grupos estariam interessados ou seriam afetados por seu tópico de pesquisa. Considerar quais são as implicações para essas partes a respeito do enquadramento de seu tópico de pesquisa da maneira como você o fez.
  • 13. Consentimento Informado Fornecer informações sobre a pesquisa que sejam relevantes à decisão do sujeito de participar ou não. Assegurar-se de que os sujeitos compreendem a informação. Assegurar-se de que a participação é voluntária. Quando não couber aos sujeitos decidir, buscar o consentimento do responsável. GRAUS DE CONSENTIMENTO
  • 14. 9.4 A contribuição da ciência social qualitativa participação em debates públicos (exemplo dos pais de crianças com problemas de coração); fornecimento de novas oportunidades para as pessoas tomarem suas próprias decisões; oferta de uma nova perspectiva a praticantes e clientes; Superação do Relativismo
  • 15. 9.5 Resumo: a contribuição específica da pesquisa qualitativa explicar as práticas do senso comum, a fim de revelar seus grandes detalhes os aspectos das coisas que são mais importantes para nós estão escondidos por causa de sua simplicidade e familiaridade se a pesquisa de campo tem algo a oferecer, seus imperativos teóricos a dirigem em uma direção que pode oferecer aos participantes novas perspectivas sobre seus problemas
  • 16. 9.6 Conclusão as práticas de pesquisa qualitativa podem ajudar a mudar o mundo de formas positivas; para tanto, os pesquisadores qualitativos devem resistir às definições de administradores, jornalistas e praticantes sobre o que se configura como ‘problema’; é importante objetivar um diálogo entre o mundo da academia e o mundo cotidiano; cada um terá de ceder um pouco: políticos, pesquisadores qualitativos e pesquisadores quantitativos.