O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Fernando Antônio João Paulo Sales Sheila Cunha Disciplina: Análise Qualitativa de Dados Professoras: Jomária Mata de Lima,...
<ul><li>Estratégia de Coleta de Dados </li></ul><ul><ul><li>Observação – participante </li></ul></ul><ul><ul><li>História ...
 
<ul><li>Características </li></ul><ul><ul><li>É  a metodologia mais comum para coleta de dados </li></ul></ul><ul><ul><li>...
<ul><li>IMPORTANTE! </li></ul><ul><li>“ O levantamento reside no direito de que diferentes métodos de investigação são ade...
<ul><li>Estabelecer os objetivos </li></ul><ul><li>Responder as seguintes questões: </li></ul><ul><li>Qual ou quais os mét...
<ul><li>Entrevista:  contato cara a cara, entre um sujeito designado de entrevistador (o que obtém diretamente as informaç...
<ul><li>Questionário:  o respondente proporciona informações acerca de si mesmo, é útil para obter informações de certa ma...
<ul><li>Abertas:  interlocutor constrói a resposta, porém, leva-se muito para interpretar e categorizar esse(s) tipo(s) de...
<ul><li>Fechada:  só se permite dar respostas determinadas. Respostas inclusas em lista. Limitam o interlocutor e as opçõe...
<ul><li>Utilizar a linguagem apropriada de acordo com as expressões lingüísticas do interlocutor </li></ul><ul><li>Preocup...
 
<ul><li>Esta pesquisa implica em  uma interação social entre o pesquisador e os indivíduos observados. </li></ul><ul><ul><...
<ul><li>Na observação participante o pesquisador precisa deixar de ser um estranho e passar a ser um amigo, para conquista...
 
<ul><li>Pesquisador como “Biógrafo Social”. </li></ul><ul><li>É uma técnica de pesquisa social que visa obter dados relati...
<ul><li>Definir a problemática e questões da pesquisa; </li></ul><ul><li>Selecionar os sujeitos da investigação; </li></ul...
<ul><li>Testar as hipóteses que emergiram os dados, procurando evidências e continuar modificando a geração de hipóteses; ...
 
<ul><li>A qualidade dos dados obtidos na entrevista depende: </li></ul><ul><ul><li>da  habilidade  do entrevistador; </li>...
<ul><li>Observar mensagens não verbais </li></ul><ul><li>Cautela com o uso do gravador </li></ul><ul><li>Ter habilidade na...
 
 
<ul><li>“ Técnica Qualitativa de Coleta de Dados altamente eficiente , [que fornece] alguns controles de qualidade sobre a...
<ul><li>Limitação </li></ul><ul><ul><li>Pequeno número de questões a qual é possível lidar </li></ul></ul><ul><ul><li>Prob...
<ul><li>Vantagens </li></ul><ul><li>Economia de Tempo e de Dinheiro </li></ul><ul><li>Existência de elementos realçados qu...
<ul><li>As Formas do Grupo </li></ul><ul><li>Diferença entre grupos  Homogênio  e  Heterogênio  se dá pelas diferenças ou ...
<ul><li>LIMITAÇÕES </li></ul><ul><li>Dificuldade em planejar as condições do ambiente, pode haver diferentes influências q...
<ul><li>“ A marca distintiva dos grupos de foco é o uso explícito da interação do grupo para a produção de dados e insight...
<ul><li>Condução: </li></ul><ul><li>Mais apropriado trabalhar com estranhos do que com amigos </li></ul><ul><li>Grupos Het...
<ul><li>Partiu com as observações em famílias em que as mesmas narram o acontecido em conjunto e naturalmente reestruturam...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

7

Compartilhar

Baixar para ler offline

Estratégias de elaboração de questões e grupo focal

Baixar para ler offline

Audiolivros relacionados

Gratuito durante 30 dias do Scribd

Ver tudo

Estratégias de elaboração de questões e grupo focal

  1. 1. Fernando Antônio João Paulo Sales Sheila Cunha Disciplina: Análise Qualitativa de Dados Professoras: Jomária Mata de Lima, Dra. Maria Valéria Pereira de Araújo
  2. 2. <ul><li>Estratégia de Coleta de Dados </li></ul><ul><ul><li>Observação – participante </li></ul></ul><ul><ul><li>História de Vida </li></ul></ul><ul><ul><li>Entrevista </li></ul></ul><ul><ul><li>Dinâmica de Entrevista Grupo Focal </li></ul></ul><ul><ul><li>A entrevista Grupo Focal </li></ul></ul>
  3. 4. <ul><li>Características </li></ul><ul><ul><li>É a metodologia mais comum para coleta de dados </li></ul></ul><ul><ul><li>Facilidade aparente de coleta </li></ul></ul><ul><ul><li>Caráter direto </li></ul></ul><ul><li>Funcionalidade: obter opiniões, conhecer atitudes, receber sugestões, obter dados para comparações. </li></ul>
  4. 5. <ul><li>IMPORTANTE! </li></ul><ul><li>“ O levantamento reside no direito de que diferentes métodos de investigação são adequados para aspectos particulares de um problema e uma das responsabilidades do investigador consiste em determinar que método ou combinação de métodos é a melhor para o estudo”. </li></ul>
  5. 6. <ul><li>Estabelecer os objetivos </li></ul><ul><li>Responder as seguintes questões: </li></ul><ul><li>Qual ou quais os métodos de investigação mais adequados para responder o problema? </li></ul><ul><li>Quais informações são necessárias para o estudo? </li></ul>
  6. 7. <ul><li>Entrevista: contato cara a cara, entre um sujeito designado de entrevistador (o que obtém diretamente as informações) e o entrevistado. </li></ul><ul><li>Vantagens: flexibilidade na obtenção de informações, permite alcançar um maior grau de profundidade, permite estabelecer um vinculo melhor com o sujeito. </li></ul><ul><li>Pode ser estruturada e não estruturada , caracterizados por um conjunto específico de procedimentos. </li></ul><ul><li>Limitações: dificuldade de analisar respostas pelo alto grau de subjetividade. </li></ul>
  7. 8. <ul><li>Questionário: o respondente proporciona informações acerca de si mesmo, é útil para obter informações de certa magnitude e com indivíduos separados por grandes distâncias geográficas. </li></ul><ul><li>Vantagens: custo relativamente baixo, em um curto período, consegue-se muitas informações, as informações são interpretadas de forma objetiva e pontual, capacidade de inferência a uma área muito extensa. </li></ul><ul><li>Limitações: é pouco flexível, não permite abrir perspectivas, nível de profundidade baixo. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Abertas: interlocutor constrói a resposta, porém, leva-se muito para interpretar e categorizar esse(s) tipo(s) de resposta(s). </li></ul><ul><li>Situações em que é utilizado </li></ul><ul><ul><li>Amplamente utilizada em entrevistas </li></ul></ul><ul><ul><li>Utilizada nas primeiras etapas de um questionário ou quando se deseja chegar a um maior nível de especificidade </li></ul></ul>
  9. 10. <ul><li>Fechada: só se permite dar respostas determinadas. Respostas inclusas em lista. Limitam o interlocutor e as opções de resposta devem passar por um extensivo planejamento. </li></ul><ul><li>Situações em que é utilizado </li></ul><ul><ul><li>Amplamente utilizada em questionários </li></ul></ul><ul><ul><li>Utilizado eventualmente em entrevistas </li></ul></ul>
  10. 11. <ul><li>Utilizar a linguagem apropriada de acordo com as expressões lingüísticas do interlocutor </li></ul><ul><li>Preocupação com a imagem do questionário ou ficha de em entrevista </li></ul><ul><li>Necessita ter encadeamento lógico </li></ul><ul><li>Seqüência das perguntas (do geral para o mais específico) </li></ul><ul><li>Evitar expressões que implicam valorações </li></ul><ul><li>Nunca deixar de realizar a prova preliminar </li></ul><ul><li>Aliviar a tensão da primeira pergunta </li></ul>
  11. 13. <ul><li>Esta pesquisa implica em uma interação social entre o pesquisador e os indivíduos observados. </li></ul><ul><ul><li>O pesquisador participa da vida da comunidade </li></ul></ul><ul><ul><li>Registro de dados de forma retrospectiva </li></ul></ul><ul><li>Características </li></ul><ul><ul><li>Interage-se com a comunidade, fazendo-se parte dela, sem se preocupar com a interferência do pesquisador; </li></ul></ul><ul><ul><li>Observa-se os fenômenos retrospectivamente, ou seja, depois que ocorreram, através de notas de campo; </li></ul></ul><ul><ul><li>Utiliza-se dados subjetivos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aplicação: </li></ul></ul><ul><li>Pode se dar de forma encoberta: quando o pesquisador se torna um empregado da empresa. </li></ul><ul><li>Pode se dar de forma aberta: quando o pesquisador tem permissão para observar, entrevistar e participar no ambiente de trabalho em estudo. </li></ul>
  12. 14. <ul><li>Na observação participante o pesquisador precisa deixar de ser um estranho e passar a ser um amigo, para conquistar a confiança do grupo pesquisado. </li></ul><ul><li>Muitas vezes precisará trabalhar junto com os envolvidos na pesquisa. </li></ul><ul><li>Combinar observação com entrevistas. </li></ul>
  13. 16. <ul><li>Pesquisador como “Biógrafo Social”. </li></ul><ul><li>É uma técnica de pesquisa social que visa obter dados relativos à experiência íntima do indivíduo. </li></ul><ul><li>Permite resgatar as trajetórias de indivíduos, não se limitando à narrativa de acontecimentos, mas busca entender a sua análise e interpretação. </li></ul><ul><li>Permite também a reflexão e a compreensão acerca da construção, da transformação e da incorporação dos valores e das ações do homem ao longo do tempo. </li></ul>
  14. 17. <ul><li>Definir a problemática e questões da pesquisa; </li></ul><ul><li>Selecionar os sujeitos da investigação; </li></ul><ul><li>Registrar eventos e experiências na vida do sujeito que dizem respeito ao problema em estudo; </li></ul><ul><li>Obter a interpretação dos sujeitos a respeito de tais eventos, como eles ocorreram e sua ordem cronológica natural; </li></ul><ul><li>Análise preliminar; </li></ul><ul><li>Crítica das informações obtidas; </li></ul>
  15. 18. <ul><li>Testar as hipóteses que emergiram os dados, procurando evidências e continuar modificando a geração de hipóteses; </li></ul><ul><li>Organizar o relato e submeter aos sujeitos da investigação, obtendo suas reações; </li></ul><ul><li>Trabalhar o relato em sua sequência natural à luz das reações dos sujeitos, apresentando as hipóteses e proposições que foram apoiadas no estudo e concluir sobre a relevância do relatório para teoria e pesquisa subsequente. </li></ul>
  16. 20. <ul><li>A qualidade dos dados obtidos na entrevista depende: </li></ul><ul><ul><li>da habilidade do entrevistador; </li></ul></ul><ul><ul><li>do nível de confiança ; </li></ul></ul><ul><ul><li>relevância da pesquisa para os entrevistados. </li></ul></ul><ul><li>Dicas para conquistar a confiança dos entrevistados: </li></ul><ul><ul><li>mostrar conhecimento sobre a empresa </li></ul></ul><ul><ul><li>marcar entrevistas com antecedência </li></ul></ul><ul><ul><li>manter o entrevistado informado sobre a pesquisa </li></ul></ul><ul><ul><li>Evitar entrevistas longas, e realizar várias entrevistas curtas. </li></ul></ul>
  17. 21. <ul><li>Observar mensagens não verbais </li></ul><ul><li>Cautela com o uso do gravador </li></ul><ul><li>Ter habilidade na condução da entrevista, com perguntas apropriadas. </li></ul>Cuidado com: -Então você diria que estava satisfeito com... Use: -O que lhe faz pensar assim? - Fale mais sobre isso...
  18. 24. <ul><li>“ Técnica Qualitativa de Coleta de Dados altamente eficiente , [que fornece] alguns controles de qualidade sobre a coleta de dados, visto que os participantes tendem a controlar e compensar um o outro, eliminando, assim, opiniões falsas ou radicais (...), e é razoavelmente fácil avaliar até que ponto existe uma opinião compartilhada , relativamente consistente(...) entre os participantes”. </li></ul><ul><li>(PATTON, 1990, p.335-6) </li></ul>
  19. 25. <ul><li>Limitação </li></ul><ul><ul><li>Pequeno número de questões a qual é possível lidar </li></ul></ul><ul><ul><li>Problemas em relação a anotaçãos durante a entrevista </li></ul></ul><ul><li>Sugestão: Dupla de entrevistadores, um para livre para documentar e outro para administrar a entrevista e o grupo. </li></ul><ul><li>“ O grupo de foco é, da verdade uma entrevista, uma entrevista. Não é uma discussão. Não é uma sessão para resolver um problema. Não é um grupo de tomada de decisões. É uma entrevista.” </li></ul><ul><li>(PATTON 1990, p. 335). </li></ul>
  20. 26. <ul><li>Vantagens </li></ul><ul><li>Economia de Tempo e de Dinheiro </li></ul><ul><li>Existência de elementos realçados quando em discussão em grupo </li></ul><ul><li>Diferentes opiniões são apresentadas ao entrevistador </li></ul><ul><li>Correspondem a maneira pela qual as opiniões são geradas, expressadas e cambiadas na vida cotidiana </li></ul><ul><li>Existência de correções pelo grupo com opniões que não estão socialmente compartilhadas </li></ul><ul><li>Transforma-se em uma ferramenta que reconstrói opiniões individuais </li></ul><ul><li>“ Um pequeno número de indivíduos, reunidos como um grupo de discussão ou de recurso, vale mais do que qualquer amostra representativa. Esse grupo, discutindo coletivamente sua esfera de vida e investigando-a assim, que um se depara com divergências em relação ao outro, fará mais para erguer as máscaras que cobrem a esfera da vida do que qualquer outro dispositivo do qual eu tenha conhecimento”. </li></ul><ul><li>(BLUMER, 1969, p. 41) </li></ul>
  21. 27. <ul><li>As Formas do Grupo </li></ul><ul><li>Diferença entre grupos Homogênio e Heterogênio se dá pelas diferenças ou semelhanças entre as dimensões relacionadas à pesquisa e formação </li></ul><ul><li>O Papel do Moderador </li></ul><ul><ul><li>Direcionamento Formal – Limita-se ao controle da agenda dos locutores e a determinação do início do curso e do fim da discussão </li></ul></ul><ul><ul><li>Direção do tópico – Compreende a introdução de novas perguntas e a direção da discussão rumo, a um aprofundamento e uma ampliação de tópicos específicos </li></ul></ul><ul><ul><li>Direção das Dinâmicas – Varia da reflação da discussão à aplicação de questões provocativas, podendo incluir imagens e textos </li></ul></ul>
  22. 28. <ul><li>LIMITAÇÕES </li></ul><ul><li>Dificuldade em planejar as condições do ambiente, pode haver diferentes influências quando aplicada em mais de um grupo. </li></ul><ul><li>Dificuldades em administrar a dinâmico dos grupos </li></ul><ul><li>A aparente economia obtida pode ser claramente substituída pelo alto esforço organizacional em reunir todos </li></ul>
  23. 29. <ul><li>“ A marca distintiva dos grupos de foco é o uso explícito da interação do grupo para a produção de dados e insights que seriam menos acessíveis sem a interação encontrada em um grupo” </li></ul><ul><li>(MORGAN, 1988, P.12) </li></ul><ul><li>São úteis para: </li></ul><ul><li>Orientações para um novo campo de pesquisa </li></ul><ul><li>Geração de hipóteses com base em insights </li></ul><ul><li>Avaliação de diferentes locais de pesquisa ou de população </li></ul><ul><li>Desenvolvimento de programas de pesquisas ou questionários </li></ul>
  24. 30. <ul><li>Condução: </li></ul><ul><li>Mais apropriado trabalhar com estranhos do que com amigos </li></ul><ul><li>Grupos Heterogêneos de início para passar para os homogêneos </li></ul><ul><li>Iniciar com algum tipo de aquecimento, apresentação, dinâmica </li></ul>
  25. 31. <ul><li>Partiu com as observações em famílias em que as mesmas narram o acontecido em conjunto e naturalmente reestruturam e reconstroem domínios da realidade cotidiana. </li></ul><ul><li>Limitações </li></ul><ul><li>Resultam em resultados textuais extensos </li></ul><ul><li>Mais difícil de identificar as opiniões individuais </li></ul>
  • LucasSouzadeOliveira

    Sep. 18, 2019
  • IsabelDoval

    Jan. 18, 2019
  • elenicedelfino

    Aug. 15, 2017
  • RenataSilva215

    Apr. 11, 2016
  • 100002267015899

    Aug. 24, 2015
  • SandAnnyFerreira

    Aug. 7, 2015
  • jeizadossantos

    May. 9, 2013

Vistos

Vistos totais

18.546

No Slideshare

0

De incorporações

0

Número de incorporações

234

Ações

Baixados

219

Compartilhados

0

Comentários

0

Curtir

7

×