SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Baixar para ler offline
Medicina Nuclear
Wilhelm Conrad Röntgen (Lennep,27
de março de 1845 —
Munique, 10 de fevereiro de1923) foi
um Físico Alemão que, em 8 de
Novembro de1885, produziu radiação
eletromagnética nos comprimentos
onda correspondentes aos atualmente
chamados Raios-X




 Anna Bertha Ludwig ( 1872, a 1919)
Antoine Henri Becquerel nasceu na França, em 1852 a
1908. Becquerel desenvolveu trabalhos no campo da luz
polarizada, fenômenos da fosforescência, absorção de luz
por cristais e magnetismo terrestre.




                 Uma placa fotográfica feita por Henri Becquerel
                 mostra os efeitos da exposição a
                 radioatividade. Um metal maltês cruz, colocado
                 entre a placa e sal de urânio radioativo, deixou
                 uma sombra claramente visível na placa.
(07 de novembro de 1867 04 de julho 1934) foi
uma cientista polonesa que exerceu a sua atividade
profissional na França.




Pierre Curie (Paris,15 de maio de 1859 a 19 de Abril de
1906) foi um físico Frances, pioneiro no estudo
da cristalografia,magnetismo, piezo eletricidade
e radioatividade
O Que é Medicina Nuclear?
A Medicina Nuclear é
uma especialidade
médica relacionada
à Imaginologia que se
ocupa das técnicas de
imagem, diagnóstico e
terapêutica utilizando
partículas ou nuclideos
radioativos
          ..
Radiofarmaco e Radionuclideos
Radionúclideos
Radionuclídeo é um átomo com uma núcleo instável , que é um núcleo
caracterizado por excesso de energia disponível para ser transmitida, quer para
uma partícula de radiação recentemente criado dentro do núcleo . O
radionuclídeo, neste processo, sofre decaimento radiativo, e emitem raios
gama (s) e / ou partícula subatômicas. Estas partículas constituem a radiação
ionizante. Radionuclidos ocorrem naturalmente, e também pode ser produzida
artificialmente.
Aceleradores de Partículas
               Cíclotron




O cíclotron é um acelerador de partículas nucleares subatômicas. Ele produz
uma grande quantidade de prótons (partículas pesadas com uma carga
elétrica positiva) e coloca-os em movimento a uma taxa acelerada ao longo
de uma órbita circular, dentro de uma câmara controlada por campos
eletromagnéticos poderosos alternantes.
Um dos primeiros
cíclotrons de alta
energia,
desenvolvido em
Berkeley.
Ernest Orlando Lawrence (Canton, 8 de Agosto
                            de 1901 a 27 de agosto 1958)




O cíclotron foi utilizado durante a guerra por Glenn T. Seaborg (1913-1999), do
mesmo laboratório, para produzir combustível para bombas nucleares, como o
urânio-235 e o plutônio, mas por volta de 1937 um cíclotron de 152 cm já estava
sendo utilizado por ele e sua equipe para produzir radionúclideos com utilidade
médica, como o iodo I131 Ao total, o grupo de Seaborg desenvolveu oito
radionuclídeos de aplicação médica: césio-137, cobalto-57, cobalto-60, iodo-131,
ferro-55, ferro-59, tecnécio-99m, and zinco-65. O cíclotron tornou-se uma ferramenta
essencial para a medicina nuclear.
Cíclotrons
Processo de produção de
    Radionúclideos
Radiofarmaco
 São substâncias compostas de dois elementos: um fármaco e uma
substância radioativa (radioisótopo ou radionuclídeo). A notação do
radiofármaco é feita da seguinte maneira: sestamibi-Tc 99m.
O 1º composto é o fármaco estável (não radioativo), a segunda porção é
o elemento radioativo que marca o fármaco. Daí o nome Medicina
Nuclear, pois grande parte do decaimento radioativo e emissão da
radiação gama,que é a radiação detectada pelos equipamentos de
Medicina Nuclear (Gama Câmera), ocorre dentro do núcleo do átomo.
Para cada órgão ou sistema usamos um radiofármaco específico.
Boa noite!




Xestudo.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESAULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESMagno Cavalheiro
 
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira Wendesor Oliveira
 
Medicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia DigitalMedicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia DigitalNoara Thomaz
 
História da radiologia no mundo Aula 1
História da radiologia no mundo   Aula 1História da radiologia no mundo   Aula 1
História da radiologia no mundo Aula 1Magno Cavalheiro Faria
 
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia ComputadorizadaAula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia ComputadorizadaJaqueline Almeida
 
Evolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Evolução tecnológica em Tomografia ComputadorizadaEvolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Evolução tecnológica em Tomografia ComputadorizadaRafael Sciammarella
 
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios XFormação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios XPaulo Fonseca
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanogrtalves
 
Aula de tomografia 2019
Aula de tomografia   2019Aula de tomografia   2019
Aula de tomografia 2019FLAVIO LOBATO
 

Mais procurados (20)

AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESAULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
 
Aula 04 proteção e higiene das radiações
Aula 04 proteção e higiene das radiaçõesAula 04 proteção e higiene das radiações
Aula 04 proteção e higiene das radiações
 
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
 
Medicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia DigitalMedicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia Digital
 
Medicina nuclear
Medicina nuclearMedicina nuclear
Medicina nuclear
 
História da radiologia no mundo Aula 1
História da radiologia no mundo   Aula 1História da radiologia no mundo   Aula 1
História da radiologia no mundo Aula 1
 
Tomografia computadorizada
Tomografia computadorizadaTomografia computadorizada
Tomografia computadorizada
 
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS XRADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
 
INTRODUÇÃO A RADIOTERAPIA
INTRODUÇÃO A RADIOTERAPIAINTRODUÇÃO A RADIOTERAPIA
INTRODUÇÃO A RADIOTERAPIA
 
Aula 01 proteção radiológica
Aula 01  proteção radiológicaAula 01  proteção radiológica
Aula 01 proteção radiológica
 
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕESFÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
 
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia ComputadorizadaAula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
 
História da radiologia
História da radiologiaHistória da radiologia
História da radiologia
 
Evolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Evolução tecnológica em Tomografia ComputadorizadaEvolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Evolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
 
Ressonância magnética
Ressonância magnéticaRessonância magnética
Ressonância magnética
 
Radiobiologia
RadiobiologiaRadiobiologia
Radiobiologia
 
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios XFormação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
 
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIAPROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordano
 
Aula de tomografia 2019
Aula de tomografia   2019Aula de tomografia   2019
Aula de tomografia 2019
 

Destaque

Medicina Nuclear
Medicina NuclearMedicina Nuclear
Medicina Nuclearlilitha
 
Medicina nuclear introducao
Medicina nuclear introducaoMedicina nuclear introducao
Medicina nuclear introducaoTamara Garcia
 
Medicina Nuclear - Camara Gamma
Medicina Nuclear - Camara GammaMedicina Nuclear - Camara Gamma
Medicina Nuclear - Camara GammaManuel Lazaro
 

Destaque (6)

Medicina Nuclear
Medicina NuclearMedicina Nuclear
Medicina Nuclear
 
Medicina Nuclear.
Medicina Nuclear.Medicina Nuclear.
Medicina Nuclear.
 
Medicina nuclear introducao
Medicina nuclear introducaoMedicina nuclear introducao
Medicina nuclear introducao
 
MEDICINA NUCLEAR
MEDICINA NUCLEARMEDICINA NUCLEAR
MEDICINA NUCLEAR
 
Medicina Nuclear - Camara Gamma
Medicina Nuclear - Camara GammaMedicina Nuclear - Camara Gamma
Medicina Nuclear - Camara Gamma
 
Medicina Nuclear
Medicina NuclearMedicina Nuclear
Medicina Nuclear
 

Semelhante a Medicina nuclear

Aula de radioatividade de hoje -UNIFESSPA
Aula de radioatividade de hoje -UNIFESSPAAula de radioatividade de hoje -UNIFESSPA
Aula de radioatividade de hoje -UNIFESSPAMayra Pinheiro
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
RadioatividadeMAVSS
 
Aula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdf
Aula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdfAula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdf
Aula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdfAndre Luiz Nascimento
 
Quimica radioatividade
Quimica radioatividadeQuimica radioatividade
Quimica radioatividademnmaill
 
Radioatividade
Radioatividade Radioatividade
Radioatividade Wallef1993
 
QUÍMICA | SEMANA 35 | 3ª Série |PRIMEIRA E SEGUNDA LEI DA RADIOATIVIDADE
QUÍMICA  | SEMANA  35 | 3ª Série |PRIMEIRA E SEGUNDA LEI DA RADIOATIVIDADEQUÍMICA  | SEMANA  35 | 3ª Série |PRIMEIRA E SEGUNDA LEI DA RADIOATIVIDADE
QUÍMICA | SEMANA 35 | 3ª Série |PRIMEIRA E SEGUNDA LEI DA RADIOATIVIDADEGoisBemnoEnem
 
Radioterapia - Tratamento de Câncer por Radiações
Radioterapia - Tratamento de Câncer por RadiaçõesRadioterapia - Tratamento de Câncer por Radiações
Radioterapia - Tratamento de Câncer por RadiaçõesFernando Belome Feltrin
 

Semelhante a Medicina nuclear (20)

Radioactividade
RadioactividadeRadioactividade
Radioactividade
 
Aula de radioatividade de hoje -UNIFESSPA
Aula de radioatividade de hoje -UNIFESSPAAula de radioatividade de hoje -UNIFESSPA
Aula de radioatividade de hoje -UNIFESSPA
 
Radiotividade
RadiotividadeRadiotividade
Radiotividade
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Radioatividade (1)
Radioatividade (1)Radioatividade (1)
Radioatividade (1)
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Aula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdf
Aula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdfAula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdf
Aula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdf
 
Quimica radioatividade
Quimica radioatividadeQuimica radioatividade
Quimica radioatividade
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
FÍSICA NUCLEAR
FÍSICA NUCLEARFÍSICA NUCLEAR
FÍSICA NUCLEAR
 
Radioatividade
Radioatividade Radioatividade
Radioatividade
 
Radioatividadegrupo 2
Radioatividadegrupo 2Radioatividadegrupo 2
Radioatividadegrupo 2
 
História da Radioatividade
História da RadioatividadeHistória da Radioatividade
História da Radioatividade
 
QUÍMICA | SEMANA 35 | 3ª Série |PRIMEIRA E SEGUNDA LEI DA RADIOATIVIDADE
QUÍMICA  | SEMANA  35 | 3ª Série |PRIMEIRA E SEGUNDA LEI DA RADIOATIVIDADEQUÍMICA  | SEMANA  35 | 3ª Série |PRIMEIRA E SEGUNDA LEI DA RADIOATIVIDADE
QUÍMICA | SEMANA 35 | 3ª Série |PRIMEIRA E SEGUNDA LEI DA RADIOATIVIDADE
 
Todos Os Pratos
Todos Os PratosTodos Os Pratos
Todos Os Pratos
 
Energia nuclear 2012
Energia nuclear 2012Energia nuclear 2012
Energia nuclear 2012
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Descoberta da radioatividade
Descoberta da radioatividadeDescoberta da radioatividade
Descoberta da radioatividade
 
Apostila raio x
Apostila raio xApostila raio x
Apostila raio x
 
Radioterapia - Tratamento de Câncer por Radiações
Radioterapia - Tratamento de Câncer por RadiaçõesRadioterapia - Tratamento de Câncer por Radiações
Radioterapia - Tratamento de Câncer por Radiações
 

Mais de Douglas Henrique

Mais de Douglas Henrique (11)

Aula de enema opaco
Aula de enema opacoAula de enema opaco
Aula de enema opaco
 
Aulas douglas
Aulas douglasAulas douglas
Aulas douglas
 
A importância da anatomia humana para o tecnólogo
A importância da anatomia humana para o tecnólogoA importância da anatomia humana para o tecnólogo
A importância da anatomia humana para o tecnólogo
 
Lequesne e ducroquet
Lequesne e ducroquetLequesne e ducroquet
Lequesne e ducroquet
 
Axial longo tornozelo[1]
Axial longo tornozelo[1]Axial longo tornozelo[1]
Axial longo tornozelo[1]
 
Sistema osseo cranio.pdf
Sistema osseo cranio.pdfSistema osseo cranio.pdf
Sistema osseo cranio.pdf
 
Slide padrão
Slide padrãoSlide padrão
Slide padrão
 
1ª tc[1].ppt cópia
1ª tc[1].ppt   cópia1ª tc[1].ppt   cópia
1ª tc[1].ppt cópia
 
Aula de coluna cervical
Aula de coluna cervicalAula de coluna cervical
Aula de coluna cervical
 
Anatomia da coluna cervical
Anatomia da coluna cervicalAnatomia da coluna cervical
Anatomia da coluna cervical
 
Prova técnico radiologia
Prova técnico radiologiaProva técnico radiologia
Prova técnico radiologia
 

Medicina nuclear

  • 2. Wilhelm Conrad Röntgen (Lennep,27 de março de 1845 — Munique, 10 de fevereiro de1923) foi um Físico Alemão que, em 8 de Novembro de1885, produziu radiação eletromagnética nos comprimentos onda correspondentes aos atualmente chamados Raios-X Anna Bertha Ludwig ( 1872, a 1919)
  • 3. Antoine Henri Becquerel nasceu na França, em 1852 a 1908. Becquerel desenvolveu trabalhos no campo da luz polarizada, fenômenos da fosforescência, absorção de luz por cristais e magnetismo terrestre. Uma placa fotográfica feita por Henri Becquerel mostra os efeitos da exposição a radioatividade. Um metal maltês cruz, colocado entre a placa e sal de urânio radioativo, deixou uma sombra claramente visível na placa.
  • 4. (07 de novembro de 1867 04 de julho 1934) foi uma cientista polonesa que exerceu a sua atividade profissional na França. Pierre Curie (Paris,15 de maio de 1859 a 19 de Abril de 1906) foi um físico Frances, pioneiro no estudo da cristalografia,magnetismo, piezo eletricidade e radioatividade
  • 5. O Que é Medicina Nuclear? A Medicina Nuclear é uma especialidade médica relacionada à Imaginologia que se ocupa das técnicas de imagem, diagnóstico e terapêutica utilizando partículas ou nuclideos radioativos ..
  • 7. Radionúclideos Radionuclídeo é um átomo com uma núcleo instável , que é um núcleo caracterizado por excesso de energia disponível para ser transmitida, quer para uma partícula de radiação recentemente criado dentro do núcleo . O radionuclídeo, neste processo, sofre decaimento radiativo, e emitem raios gama (s) e / ou partícula subatômicas. Estas partículas constituem a radiação ionizante. Radionuclidos ocorrem naturalmente, e também pode ser produzida artificialmente.
  • 8. Aceleradores de Partículas Cíclotron O cíclotron é um acelerador de partículas nucleares subatômicas. Ele produz uma grande quantidade de prótons (partículas pesadas com uma carga elétrica positiva) e coloca-os em movimento a uma taxa acelerada ao longo de uma órbita circular, dentro de uma câmara controlada por campos eletromagnéticos poderosos alternantes.
  • 9. Um dos primeiros cíclotrons de alta energia, desenvolvido em Berkeley.
  • 10. Ernest Orlando Lawrence (Canton, 8 de Agosto de 1901 a 27 de agosto 1958) O cíclotron foi utilizado durante a guerra por Glenn T. Seaborg (1913-1999), do mesmo laboratório, para produzir combustível para bombas nucleares, como o urânio-235 e o plutônio, mas por volta de 1937 um cíclotron de 152 cm já estava sendo utilizado por ele e sua equipe para produzir radionúclideos com utilidade médica, como o iodo I131 Ao total, o grupo de Seaborg desenvolveu oito radionuclídeos de aplicação médica: césio-137, cobalto-57, cobalto-60, iodo-131, ferro-55, ferro-59, tecnécio-99m, and zinco-65. O cíclotron tornou-se uma ferramenta essencial para a medicina nuclear.
  • 12. Processo de produção de Radionúclideos
  • 13.
  • 14. Radiofarmaco São substâncias compostas de dois elementos: um fármaco e uma substância radioativa (radioisótopo ou radionuclídeo). A notação do radiofármaco é feita da seguinte maneira: sestamibi-Tc 99m.
  • 15. O 1º composto é o fármaco estável (não radioativo), a segunda porção é o elemento radioativo que marca o fármaco. Daí o nome Medicina Nuclear, pois grande parte do decaimento radioativo e emissão da radiação gama,que é a radiação detectada pelos equipamentos de Medicina Nuclear (Gama Câmera), ocorre dentro do núcleo do átomo. Para cada órgão ou sistema usamos um radiofármaco específico.
  • 16.