SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
TÉCNICA E ROTINA
EM MAMOGRAFIA
Aula 8 : Posicionamento Radiográfico
Manobras
MÉTODOS DE LOCALIZAÇÃO
Padronização das Abreviações PNQM (Programa
Nacional de Qualidade em Mamografia – 2011)
•Crânio-caudal - CC-E e CC-D
•Medio lateral Oblíqua - MLO-E e MLO-D
•Crânio-caudal forçada - XCC-E e XCC-D
•Cleavage - CV-E e CV-D
•Perfil Médio Lateral - ML-E e ML-D
•Perfil Medial ou Latero Medial - LM-D e LM-E
•Caudo cranial - RCC-E e RCC-D
•Ampliação - AMP
•Axilar – AXI-D e AXI-E
•Eklund - EKL
MANOBRAS
São recursos para estudar as alterações detectadas na
mamografia e que podem ser associados a qualquer
incidência. As manobras mais utilizadas são:
compressão localizada,
ampliação,
associação entre compressão e ampliação,
manobra angular,
rotacional (roll) ,
tangencial.
COMPRESSÃO LOCALIZADA (SPOT)
Está indicada para:
Estudo de áreas densas e analise de contorno de nódulos.
•Identifica a presença de uma lesão;
•Distingui entre lesões verdadeiras e pesudo-lesões
resultantes de superposição de tecidos;
•Avalia com maior precisão os contornos de lesões focais;
•Avalia a região subareolar, especialmente quando a área
anterior da mama não está suficientemente comprimida;
•Obtém a definição das área particularmente densa;
•Aborda áreas muito próximas da parede torácica
COMPRESSÃO LOCALIZADA (SPOT)
• A compressão localizada "espalha" o parênquima mamário,
diminuindo o "efeito de soma" (superposição de estruturas
com densidade radiográfica semelhante), que pode ser
responsável por imagens "caprichosas".
• Indicação: estudo de áreas densas e análise do contorno de
nódulos. Nos casos de áreas densas (assimetrias), quando a
lesão é de natureza benigna ou quando representa
superposição de estruturas, geralmente ocorre mudança de
aspecto da área densa.
Posicionamento
• Localizar a lesão na mamografia e colocar o compressor
adequado sobre a área a ser estudada.
COMPRESSÃO LOCALIZADA (SPOT)
COMPRESSÃO LOCALIZADA (SPOT)
COMPRESSÃO LOCALIZADA (SPOT)
AMPLIAÇÃO ou MAGNIFICAÇÃO
• Representa a ampliação de parte da mama.
• Indicação: para visibilizar detalhes nas áreas suspeitas e,
principalmente, estudar a morfologia das microcalcificações.
Posicionamento
• Usar o dispositivo para ampliação, de acordo com o aumento
desejado (preferência para fator de ampliação 1,8x).
• Colocar o compressor para ampliação.
• Mudar para foco fino (0,1 mm).
AMPLIAÇÃO ou MAGNIFICAÇÃO
•A ampliação com ou sem compressão seletiva (spot) está
indicada sempre que em alguma das incidências padrão forem
detectadas imagens suspeitas muito pequenas.
•A ampliação é fundamental no estudo das microcalcificações,
por permitir uma avaliação mais precisa das margens de um
nódulo, além de melhor avaliar distorções arquiteturais e
assimetrias mamárias.
•Está técnica pode, por vezes, revelar aspectos interessantes,
que não foram tão evidentes nas incidências de rotina.
AMPLIAÇÃO ou MAGNIFICAÇÃO
Dois pré-requisitos necessários
para utilização da ampliação:
•Microfoco (0,1 mm ) - Foco Fino
•Dispositivo que permita
aumentar a distância objeto-
filme.
A indicação para ampliação deve
ser particularmente restrita,
considerando o fato de acarretar
um aumento na dose de
radiação (aproximadamente 4
vezes) em relação às demais
incidências.
AMPLIAÇÃO ou MAGNIFICAÇÃO
AMPLIAÇÃO ou MAGNIFICAÇÃO
AMPLIAÇÃO ou MAGNIFICAÇÃO
AMPLIAÇÃO ou MAGNIFICAÇÃO
ASSOCIAÇÃO ENTRE COMPRESSÃO E AMPLIAÇÃO
• Recomenda-se utilizar simultaneamente compressão e
ampliação, permitindo obter os benefícios das duas
manobras, com menor exposição da paciente e
racionalização no uso de filmes.
MANOBRA ANGULAR
• Consiste em realizar incidências com várias angulações do
tubo, para dissociar imagens sugestivas de superposição de
estruturas (efeito de "soma"). É mais empregada, com melhor
aproveitamento, quando a imagem a ser estudada foi
visualizada na MLO.
• Indicação: estudo de áreas densas, identificadas na
incidência MLO.
MANOBRA ANGULAR
Posicionamento
• A paciente será reposicionada na mesma incidência que se
deseja estudar, variando apenas a angulação do tubo de 10º a
20º . Exemplo: numa incidência MLO identificou-se área densa
no quadrante inferior da mama, muito sugestiva de "efeito de
soma". A incidência MLO original foi realizada com 40º. A
paciente será reposicionada e a incidência será repetida com
angulação do tubo em 50º e/ou 60º. Em caso de superposição
de estruturas, ocorrerá modificação do aspecto da área densa;
em caso de lesão verdadeira, a imagem permanecerá igual (a
angulação utilizada deve ser escrita no filme).
MANOBRA ANGULAR
Posicionamento
• Na prática, para agilizar o estudo, reduzir a dose na paciente
e racionalizar o uso de filmes, parte-se direto da MLO para o
perfil absoluto (90º), promovendo completa dissociação de
estruturas.
MANOBRA ANGULAR
Manobra angular
A) Provável assimetria focal na mama esquerda;
B) Total mudança de aspecto, com dissociação da estrutura
(a assimetria representava superposição de estruturas)
A B
MANOBRA ROTACIONAL - ROLL - RL OU RM
• A finalidade também é dissociar estruturas, melhor indicada e
executada quando a imagem é visualizada na incidência CC.
• Indicação: estudo de áreas densas, identificadas na incidência
CC.
Posicionamento
• Realizar "rotação" da mama, deslocando a porção superior,
que não está em contato com o filme, para produzir
deslocamento das estruturas da mama.
• Geralmente é feita na incidência CC, utilizando, no filme, a
indicação "RL", se o deslocamento for para o lado externo
(lateral) e "RM“ se o deslocamento for para o lado interno
(medial).
• A rotação é realizada após posicionar a paciente e pouco
antes de aplicar a compressão.
MANOBRA ROTACIONAL - ROLL - RL OU RM
MANOBRA ROTACIONAL - ROLL - RL OU RM
MANOBRA ROTACIONAL - ROLL - RL OU RM
Manobra rotacional
A) Provável distorção focal na mama direita;
B) Total mudança de aspecto, com dissociação da estrutura
(a distorção representava superposição de estruturas)
MANOBRA TANGENCIAL - TAN
• Consiste em fazer incidências com o feixe tangenciando a
mama.
• Indicação: para diagnóstico diferencial entre lesões cutâneas
(cicatrizes cirúrgicas, verrugas, calcificações, cistos sebáceos,
cosméticos contendo sais opacos) e lesões mamárias.
Posicionamento
• Realizar incidência CC ou P e marcar a pele na projeção da
lesão (utilizar marcador metálico).
• Fazer uma incidência com o feixe de raios X tangenciando a
área com o marcador metálico (pode-se realizar qualquer
incidência, mesmo que não seja padronizada, desde que o feixe
de raios X tangencie a área com o marcador).
• Se a lesão for de origem cutânea, será identificada na pele
(utilizar lâmpada forte).
MANOBRA TANGENCIAL - TAN
MANOBRA EKLUND - EKL
•A Manobra de Eklund é utilizada em paciente portadoras de
prótese de silicone e visa eliminar, ou reduzir a superposição
dos tecidos do corpo mamário com a prótese, permitindo
melhor estudo do tecido glandular.
•Realizar incidências normais com a projeção da prótese com
técnica manual, antes de realizar a manobra de Eklund.
MANOBRA EKLUND - EKL
MANOBRA EKLUND - EKL
MANOBRA EKLUND - EKL
MANOBRA EKLUND - EKL
MANOBRA EKLUND - EKL
MANOBRA EKLUND - EKL
MANOBRA EKLUND - EKL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Evolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Evolução tecnológica em Tomografia ComputadorizadaEvolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Evolução tecnológica em Tomografia ComputadorizadaRafael Sciammarella
 
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptxIncidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptxGabrielaAmaral56
 
Prof magno formação da imagem
Prof magno   formação da imagemProf magno   formação da imagem
Prof magno formação da imagemCristiane Dias
 
CONTROLE DE QUALIDADE EM DENSITOMETRIA ÓSSEA - TESTE A CURTO E LONGO PRAZO
CONTROLE DE QUALIDADE EM DENSITOMETRIA ÓSSEA - TESTE A CURTO E LONGO PRAZOCONTROLE DE QUALIDADE EM DENSITOMETRIA ÓSSEA - TESTE A CURTO E LONGO PRAZO
CONTROLE DE QUALIDADE EM DENSITOMETRIA ÓSSEA - TESTE A CURTO E LONGO PRAZORafael Sciammarella
 
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
A qualidade do ponto de vista médico    mamografiaA qualidade do ponto de vista médico    mamografia
A qualidade do ponto de vista médico mamografiaGerciane Neves
 
Controle de qualidade em Densitometria Óssea
Controle de qualidade em Densitometria ÓsseaControle de qualidade em Densitometria Óssea
Controle de qualidade em Densitometria ÓsseaRafael Sciammarella
 
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADAESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADAAdriano Silva
 
Processamento de filme e Imagens radiográficas
Processamento de filme e Imagens radiográficasProcessamento de filme e Imagens radiográficas
Processamento de filme e Imagens radiográficasThamires Marinho
 
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESAULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESMagno Cavalheiro
 
Fatores de controle de qualidade da imagem: Sistema filme-ecran X sistema dig...
Fatores de controle de qualidade da imagem: Sistema filme-ecran X sistema dig...Fatores de controle de qualidade da imagem: Sistema filme-ecran X sistema dig...
Fatores de controle de qualidade da imagem: Sistema filme-ecran X sistema dig...Rafael Sciammarella
 
MEIOS DE CONTRASTE E BOMBA INJETORA
MEIOS DE CONTRASTE E BOMBA INJETORAMEIOS DE CONTRASTE E BOMBA INJETORA
MEIOS DE CONTRASTE E BOMBA INJETORANilton Campos
 

Mais procurados (20)

Noçoes de mamografia
Noçoes de mamografiaNoçoes de mamografia
Noçoes de mamografia
 
Evolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Evolução tecnológica em Tomografia ComputadorizadaEvolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Evolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
 
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptxIncidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
 
Prof magno formação da imagem
Prof magno   formação da imagemProf magno   formação da imagem
Prof magno formação da imagem
 
Métodos de biópsia no cancer de mama
Métodos de biópsia no cancer de mamaMétodos de biópsia no cancer de mama
Métodos de biópsia no cancer de mama
 
15 c 084
15 c 08415 c 084
15 c 084
 
Mamografia
MamografiaMamografia
Mamografia
 
CONTROLE DE QUALIDADE EM DENSITOMETRIA ÓSSEA - TESTE A CURTO E LONGO PRAZO
CONTROLE DE QUALIDADE EM DENSITOMETRIA ÓSSEA - TESTE A CURTO E LONGO PRAZOCONTROLE DE QUALIDADE EM DENSITOMETRIA ÓSSEA - TESTE A CURTO E LONGO PRAZO
CONTROLE DE QUALIDADE EM DENSITOMETRIA ÓSSEA - TESTE A CURTO E LONGO PRAZO
 
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
A qualidade do ponto de vista médico    mamografiaA qualidade do ponto de vista médico    mamografia
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
 
Tomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Tomografia Computadorizada Aplicada na OncologiaTomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Tomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
 
Controle de qualidade em Densitometria Óssea
Controle de qualidade em Densitometria ÓsseaControle de qualidade em Densitometria Óssea
Controle de qualidade em Densitometria Óssea
 
Mamografia
MamografiaMamografia
Mamografia
 
Mamografia
MamografiaMamografia
Mamografia
 
HISTÓRIA DA MAMOGRAFIA
HISTÓRIA DA MAMOGRAFIAHISTÓRIA DA MAMOGRAFIA
HISTÓRIA DA MAMOGRAFIA
 
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADAESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
ESTUDO DA COLUNA VERTEBRAL POR TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
 
Aula 3 mamografia controle de qualidade
Aula 3 mamografia controle de qualidadeAula 3 mamografia controle de qualidade
Aula 3 mamografia controle de qualidade
 
Processamento de filme e Imagens radiográficas
Processamento de filme e Imagens radiográficasProcessamento de filme e Imagens radiográficas
Processamento de filme e Imagens radiográficas
 
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESAULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
 
Fatores de controle de qualidade da imagem: Sistema filme-ecran X sistema dig...
Fatores de controle de qualidade da imagem: Sistema filme-ecran X sistema dig...Fatores de controle de qualidade da imagem: Sistema filme-ecran X sistema dig...
Fatores de controle de qualidade da imagem: Sistema filme-ecran X sistema dig...
 
MEIOS DE CONTRASTE E BOMBA INJETORA
MEIOS DE CONTRASTE E BOMBA INJETORAMEIOS DE CONTRASTE E BOMBA INJETORA
MEIOS DE CONTRASTE E BOMBA INJETORA
 

Semelhante a Técnicas de mamografia e manobras radiográficas

apresentação mamo
apresentação mamoapresentação mamo
apresentação mamoLuanaNeves30
 
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptxRADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptxVanessaMalvesteIto1
 
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...KarlosEduardo30
 
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...Alex Eduardo Ribeiro
 
Diametro ideal do preparo apical na instrumentação de canais radiculares ;:r...
Diametro  ideal do preparo apical na instrumentação de canais radiculares ;:r...Diametro  ideal do preparo apical na instrumentação de canais radiculares ;:r...
Diametro ideal do preparo apical na instrumentação de canais radiculares ;:r...Ines Jacyntho Inojosa
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)Carolina Baione
 
Conjunto de slides - Intervindo na Oclusão
Conjunto de slides - Intervindo na OclusãoConjunto de slides - Intervindo na Oclusão
Conjunto de slides - Intervindo na OclusãoJoaoPauloTribst
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)Jean Carlos
 
Trabalho articuladores
Trabalho articuladoresTrabalho articuladores
Trabalho articuladoresmayana silva
 
9 radiologia em endodontia pdf
9 radiologia em endodontia pdf9 radiologia em endodontia pdf
9 radiologia em endodontia pdfAlexRoberto13
 
Mamografia aula
Mamografia aulaMamografia aula
Mamografia aularadiomed
 
Aspectos técnicos em radioterapia de tórax e mama (2011)
Aspectos técnicos em radioterapia de tórax e mama (2011)Aspectos técnicos em radioterapia de tórax e mama (2011)
Aspectos técnicos em radioterapia de tórax e mama (2011)Lucas Radicchi
 

Semelhante a Técnicas de mamografia e manobras radiográficas (20)

Mamo. 07
Mamo. 07Mamo. 07
Mamo. 07
 
Mamo. 07
Mamo. 07Mamo. 07
Mamo. 07
 
apresentação mamo
apresentação mamoapresentação mamo
apresentação mamo
 
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptxRADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
 
Apostila mamo tec
Apostila mamo  tecApostila mamo  tec
Apostila mamo tec
 
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...
 
mamo.pdf
mamo.pdfmamo.pdf
mamo.pdf
 
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
Utilização da Tomografia Computadorizada no Planejamento de Colocação de Impl...
 
Odontometria
OdontometriaOdontometria
Odontometria
 
Otimização dos métodos de imagem
Otimização dos métodos de imagemOtimização dos métodos de imagem
Otimização dos métodos de imagem
 
Diametro ideal do preparo apical na instrumentação de canais radiculares ;:r...
Diametro  ideal do preparo apical na instrumentação de canais radiculares ;:r...Diametro  ideal do preparo apical na instrumentação de canais radiculares ;:r...
Diametro ideal do preparo apical na instrumentação de canais radiculares ;:r...
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)
 
Conjunto de slides - Intervindo na Oclusão
Conjunto de slides - Intervindo na OclusãoConjunto de slides - Intervindo na Oclusão
Conjunto de slides - Intervindo na Oclusão
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
 
Tomografia feixe conico
Tomografia feixe conicoTomografia feixe conico
Tomografia feixe conico
 
Trabalho articuladores
Trabalho articuladoresTrabalho articuladores
Trabalho articuladores
 
artigo mama
artigo mama artigo mama
artigo mama
 
9 radiologia em endodontia pdf
9 radiologia em endodontia pdf9 radiologia em endodontia pdf
9 radiologia em endodontia pdf
 
Mamografia aula
Mamografia aulaMamografia aula
Mamografia aula
 
Aspectos técnicos em radioterapia de tórax e mama (2011)
Aspectos técnicos em radioterapia de tórax e mama (2011)Aspectos técnicos em radioterapia de tórax e mama (2011)
Aspectos técnicos em radioterapia de tórax e mama (2011)
 

Técnicas de mamografia e manobras radiográficas

  • 1. TÉCNICA E ROTINA EM MAMOGRAFIA Aula 8 : Posicionamento Radiográfico Manobras
  • 3. Padronização das Abreviações PNQM (Programa Nacional de Qualidade em Mamografia – 2011) •Crânio-caudal - CC-E e CC-D •Medio lateral Oblíqua - MLO-E e MLO-D •Crânio-caudal forçada - XCC-E e XCC-D •Cleavage - CV-E e CV-D •Perfil Médio Lateral - ML-E e ML-D •Perfil Medial ou Latero Medial - LM-D e LM-E •Caudo cranial - RCC-E e RCC-D •Ampliação - AMP •Axilar – AXI-D e AXI-E •Eklund - EKL
  • 4. MANOBRAS São recursos para estudar as alterações detectadas na mamografia e que podem ser associados a qualquer incidência. As manobras mais utilizadas são: compressão localizada, ampliação, associação entre compressão e ampliação, manobra angular, rotacional (roll) , tangencial.
  • 5. COMPRESSÃO LOCALIZADA (SPOT) Está indicada para: Estudo de áreas densas e analise de contorno de nódulos. •Identifica a presença de uma lesão; •Distingui entre lesões verdadeiras e pesudo-lesões resultantes de superposição de tecidos; •Avalia com maior precisão os contornos de lesões focais; •Avalia a região subareolar, especialmente quando a área anterior da mama não está suficientemente comprimida; •Obtém a definição das área particularmente densa; •Aborda áreas muito próximas da parede torácica
  • 6. COMPRESSÃO LOCALIZADA (SPOT) • A compressão localizada "espalha" o parênquima mamário, diminuindo o "efeito de soma" (superposição de estruturas com densidade radiográfica semelhante), que pode ser responsável por imagens "caprichosas". • Indicação: estudo de áreas densas e análise do contorno de nódulos. Nos casos de áreas densas (assimetrias), quando a lesão é de natureza benigna ou quando representa superposição de estruturas, geralmente ocorre mudança de aspecto da área densa. Posicionamento • Localizar a lesão na mamografia e colocar o compressor adequado sobre a área a ser estudada.
  • 10. AMPLIAÇÃO ou MAGNIFICAÇÃO • Representa a ampliação de parte da mama. • Indicação: para visibilizar detalhes nas áreas suspeitas e, principalmente, estudar a morfologia das microcalcificações. Posicionamento • Usar o dispositivo para ampliação, de acordo com o aumento desejado (preferência para fator de ampliação 1,8x). • Colocar o compressor para ampliação. • Mudar para foco fino (0,1 mm).
  • 11. AMPLIAÇÃO ou MAGNIFICAÇÃO •A ampliação com ou sem compressão seletiva (spot) está indicada sempre que em alguma das incidências padrão forem detectadas imagens suspeitas muito pequenas. •A ampliação é fundamental no estudo das microcalcificações, por permitir uma avaliação mais precisa das margens de um nódulo, além de melhor avaliar distorções arquiteturais e assimetrias mamárias. •Está técnica pode, por vezes, revelar aspectos interessantes, que não foram tão evidentes nas incidências de rotina.
  • 12. AMPLIAÇÃO ou MAGNIFICAÇÃO Dois pré-requisitos necessários para utilização da ampliação: •Microfoco (0,1 mm ) - Foco Fino •Dispositivo que permita aumentar a distância objeto- filme. A indicação para ampliação deve ser particularmente restrita, considerando o fato de acarretar um aumento na dose de radiação (aproximadamente 4 vezes) em relação às demais incidências.
  • 17. ASSOCIAÇÃO ENTRE COMPRESSÃO E AMPLIAÇÃO • Recomenda-se utilizar simultaneamente compressão e ampliação, permitindo obter os benefícios das duas manobras, com menor exposição da paciente e racionalização no uso de filmes.
  • 18. MANOBRA ANGULAR • Consiste em realizar incidências com várias angulações do tubo, para dissociar imagens sugestivas de superposição de estruturas (efeito de "soma"). É mais empregada, com melhor aproveitamento, quando a imagem a ser estudada foi visualizada na MLO. • Indicação: estudo de áreas densas, identificadas na incidência MLO.
  • 19. MANOBRA ANGULAR Posicionamento • A paciente será reposicionada na mesma incidência que se deseja estudar, variando apenas a angulação do tubo de 10º a 20º . Exemplo: numa incidência MLO identificou-se área densa no quadrante inferior da mama, muito sugestiva de "efeito de soma". A incidência MLO original foi realizada com 40º. A paciente será reposicionada e a incidência será repetida com angulação do tubo em 50º e/ou 60º. Em caso de superposição de estruturas, ocorrerá modificação do aspecto da área densa; em caso de lesão verdadeira, a imagem permanecerá igual (a angulação utilizada deve ser escrita no filme).
  • 20. MANOBRA ANGULAR Posicionamento • Na prática, para agilizar o estudo, reduzir a dose na paciente e racionalizar o uso de filmes, parte-se direto da MLO para o perfil absoluto (90º), promovendo completa dissociação de estruturas.
  • 21. MANOBRA ANGULAR Manobra angular A) Provável assimetria focal na mama esquerda; B) Total mudança de aspecto, com dissociação da estrutura (a assimetria representava superposição de estruturas) A B
  • 22. MANOBRA ROTACIONAL - ROLL - RL OU RM • A finalidade também é dissociar estruturas, melhor indicada e executada quando a imagem é visualizada na incidência CC. • Indicação: estudo de áreas densas, identificadas na incidência CC. Posicionamento • Realizar "rotação" da mama, deslocando a porção superior, que não está em contato com o filme, para produzir deslocamento das estruturas da mama. • Geralmente é feita na incidência CC, utilizando, no filme, a indicação "RL", se o deslocamento for para o lado externo (lateral) e "RM“ se o deslocamento for para o lado interno (medial). • A rotação é realizada após posicionar a paciente e pouco antes de aplicar a compressão.
  • 23. MANOBRA ROTACIONAL - ROLL - RL OU RM
  • 24. MANOBRA ROTACIONAL - ROLL - RL OU RM
  • 25. MANOBRA ROTACIONAL - ROLL - RL OU RM Manobra rotacional A) Provável distorção focal na mama direita; B) Total mudança de aspecto, com dissociação da estrutura (a distorção representava superposição de estruturas)
  • 26. MANOBRA TANGENCIAL - TAN • Consiste em fazer incidências com o feixe tangenciando a mama. • Indicação: para diagnóstico diferencial entre lesões cutâneas (cicatrizes cirúrgicas, verrugas, calcificações, cistos sebáceos, cosméticos contendo sais opacos) e lesões mamárias. Posicionamento • Realizar incidência CC ou P e marcar a pele na projeção da lesão (utilizar marcador metálico). • Fazer uma incidência com o feixe de raios X tangenciando a área com o marcador metálico (pode-se realizar qualquer incidência, mesmo que não seja padronizada, desde que o feixe de raios X tangencie a área com o marcador). • Se a lesão for de origem cutânea, será identificada na pele (utilizar lâmpada forte).
  • 28. MANOBRA EKLUND - EKL •A Manobra de Eklund é utilizada em paciente portadoras de prótese de silicone e visa eliminar, ou reduzir a superposição dos tecidos do corpo mamário com a prótese, permitindo melhor estudo do tecido glandular. •Realizar incidências normais com a projeção da prótese com técnica manual, antes de realizar a manobra de Eklund.