SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
Tomografia
Definição:
• É um exame complementar de diagnóstico por imagem,
que consiste numa imagem que representa uma secção
ou "fatia" do corpo. É obtida através do processamento
por computador de informação recolhida após expor o
corpo a uma sucessão de raios X. Hoje em dia a
tomografia vem sendo utilizada com freqüência como
método auxiliar em casos de:
• Biópsia
• Punção
• Marcador (exterotacxia)
• Radiofreqüência
Um Pouco da História:
• Após 72 anos da descoberta do Raio X o
físico Golldfrey Hounsfield e o médico
Cormack, inventaram um novo método de
formação de imagem a partir da aplicação
do Raios X o qual denominaram
de TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA.
Procedimentos:
• Para obter uma TC, o paciente é colocado
numa mesa que se desloca para o interior
de um anel de cerca de 70 cm de
diâmetro. À volta deste encontra-se
uma ampola de Raios-X, num suporte
circular designado gantry. Do lado oposto
à ampola encontra-se o detector
responsável por captar a radiação e
transmitir essa informação ao computador
ao qual está conectado.
Na tomografia as imagens se formam da seguinte
maneira:
• Os raios X passam através do corpo humano e da mesma
maneira que na radiografia convencional sofre atenuação
de acordo com os diversos órgãos do corpo humano, só
que na tomografia ao invés dos raios x impressionarem o
filme radiográfico, ela sensibiliza um conjunto detectores
que ficam posicionados paralelos ao feixe de raios x, o
qual gira 360º ao redor do paciente colhendo informações
de densidade do corpo.
• Estas informações são enviadas eletronicamente para um
computador que as processa matematicamente formando
então imagens do corpo em “fatias”. A mesa que o
paciente está se move e forma outra imagem e assim
sucessivamente até que toda a região seja examinada.
Características:
1 – A Tomografia apresenta feixe de
aspecto laminar e em forma de leque.
2 – A aquisição das imagens ocorre no
plano do “gantry” o que, primariamente,
gera cortes transversais ao plano do
corpo.
3 – A imagem final é digital e pode ser
facilmente manipulada por softwares.
4 – Quanto maior a matriz melhor será a
resolução da imagem.
• As setas vermelhas
representam a
direção dos raios-x
• As setas (T,D) verdes
representam o tubo
de raios-x e seu
receptor
• A seta R representa o
sentido em que ele
gira.
Gantry
Mesa de Comando
• Monitor para
planejamento dos
exames e
processamento das
imagens.
Mesa de Exames
• Suporta pacientes de
até 180 kg, faz
movimentos de
elevação , sendo
deslizante.
Evolução dos Aparelhos:
• 1º Geração - 1 detector, cortes de vários
minutos.
• 2º Geração - 5 a 50 detectores, cortes de
6 a 20 segundos
• 3º geração - 200 a 600 detectores, cortes
de 3 a 8 segundos
• 4º geração - 300 a 1000 detectores, cortes
de 1 a 4 segundos.
UM DOS PRIMEIROS
TOMÓGRAFOS
Quinta Geração
(Espiral/Helicoidal):
• Rotação contínua.
• Movimento de translação da
mesa.
• Tempo de sub-segundo na
aquisição.
• Tubo com apenas um foco.
• Uma fileira de detectores.
• Reconstrução instantânea.
• Ilimitada capacidade calorífica
do tubo.
• Aumento da cobertura
anatômica.
• Exames com menos filmes.
Sexta Geração (Multislice):
• Rotação contínua do tubo
• Translação da mesa.
• Tubo com duplo foco.
• Dupla fileira de detectores.
• Redução do tempo de escaneamento.
Limitações da CT
• Mulheres grávidas;
• Pessoas alérgicas ao contraste ;desde que o
uso seja necessário;
• Pessoas que se submeteram a exames
contrastados recentemente com a utilização de
sulfato de bário;
• Distúrbios neurológicos (Parkinson ou outras
afecções que causam movimentos
involuntários);
• Distúrbios psiquiátricos
IMAGEM
• Convencionou-se
examinar a TC produzida
como se estivesse
olhando para ela de
baixo pra cima(a partir
dos pés do paciente) ,
assim é importante
lembrar que as estruturas
vistas a sua direita são
aquelas do lado
esquerdo do corpo do
paciente.
CONTRASTE EM CT
• Via oral/ou via retal- Contraste hidrossolúvel (a base de
iodo ) ou baritado diluído. Serve para aumentar a
atenuação entre duas estruturas(analise de vísceras
ocas). Administrado 1 hora antes do exame em sala. Via
retal fazer diretamente em sala. (Usado para doenças
pélvicas)
• Endovenoso - Administrado para o realce das estruturas
vasculares e para aumentar o contraste entre estruturas
parenquimatosas, vascularizadas, hipovascularizadas,
avascularizadas . O contraste iodado não-iônico vem
progressivamente aumentando, devido a diminuição de
número de reações alérgicas adversas comparado ao
iônico.
Algumas imagens de Tomografia
Exemplos de segmentação de uma lesão de AVC
hemorrágico em imagem de CT de crânio.
IMAGENS 3D
OBRIGADO PELA ATENÇÃO!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a TC (2).ppt

Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Rodrigo Ribeiro Jr.
 
TOMOGRAFANDO A TÉCNICA DE TOMOGRAFAR
TOMOGRAFANDO A TÉCNICA DE TOMOGRAFARTOMOGRAFANDO A TÉCNICA DE TOMOGRAFAR
TOMOGRAFANDO A TÉCNICA DE TOMOGRAFARLeonardo Flor
 
Aula de tomografia 2019
Aula de tomografia   2019Aula de tomografia   2019
Aula de tomografia 2019FLAVIO LOBATO
 
DOC-20230522-WA0030_.ppt
DOC-20230522-WA0030_.pptDOC-20230522-WA0030_.ppt
DOC-20230522-WA0030_.pptWellyson Rocha
 
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira Wendesor Oliveira
 
Tomografia fisica basica
Tomografia   fisica basicaTomografia   fisica basica
Tomografia fisica basicaLuanapqt
 
Tomografia para tecnicos
Tomografia   para tecnicosTomografia   para tecnicos
Tomografia para tecnicosLuanapqt
 
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptxRADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptxVanessaMalvesteIto1
 
Tomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em OdontologiaTomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em OdontologiaLorem Morais
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanogrtalves
 
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdf
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdfRessonancia magnetica professor desconhecido.pdf
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdfPatriciaFarias81
 
Tipos de exames Radiológicos, e posições radiológicas .pptx
Tipos de exames Radiológicos, e posições radiológicas .pptxTipos de exames Radiológicos, e posições radiológicas .pptx
Tipos de exames Radiológicos, e posições radiológicas .pptxRaquelOlimpio1
 

Semelhante a TC (2).ppt (20)

Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia
 
Modulo 21
Modulo 21Modulo 21
Modulo 21
 
Tomografia feixe conico
Tomografia feixe conicoTomografia feixe conico
Tomografia feixe conico
 
Tomografia computadorizada
Tomografia computadorizadaTomografia computadorizada
Tomografia computadorizada
 
TOMOGRAFANDO A TÉCNICA DE TOMOGRAFAR
TOMOGRAFANDO A TÉCNICA DE TOMOGRAFARTOMOGRAFANDO A TÉCNICA DE TOMOGRAFAR
TOMOGRAFANDO A TÉCNICA DE TOMOGRAFAR
 
Aula de tomografia 2019
Aula de tomografia   2019Aula de tomografia   2019
Aula de tomografia 2019
 
DOC-20230522-WA0030_.ppt
DOC-20230522-WA0030_.pptDOC-20230522-WA0030_.ppt
DOC-20230522-WA0030_.ppt
 
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
 
Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
 
WLGLIMA AULA TC 1.pptx
WLGLIMA AULA TC 1.pptxWLGLIMA AULA TC 1.pptx
WLGLIMA AULA TC 1.pptx
 
Tomografia fisica basica
Tomografia   fisica basicaTomografia   fisica basica
Tomografia fisica basica
 
Tomografia para tecnicos
Tomografia   para tecnicosTomografia   para tecnicos
Tomografia para tecnicos
 
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptxRADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
 
Tomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em OdontologiaTomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em Odontologia
 
Wlglima aula tc 1
Wlglima aula tc 1Wlglima aula tc 1
Wlglima aula tc 1
 
WLGLIMA AULA TC 1.pptx
WLGLIMA AULA TC 1.pptxWLGLIMA AULA TC 1.pptx
WLGLIMA AULA TC 1.pptx
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordano
 
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdf
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdfRessonancia magnetica professor desconhecido.pdf
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdf
 
Tomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Tomografia Computadorizada Aplicada na OncologiaTomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Tomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
 
Tipos de exames Radiológicos, e posições radiológicas .pptx
Tipos de exames Radiológicos, e posições radiológicas .pptxTipos de exames Radiológicos, e posições radiológicas .pptx
Tipos de exames Radiológicos, e posições radiológicas .pptx
 

Último

O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoPamelaMariaMoreiraFo
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999vanessa270433
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfanalucia839701
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdfLEANDROSPANHOL1
 
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptx
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptxAula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptx
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptxRaissaEufrazio
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptfernandoalvescosta3
 

Último (11)

O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
 
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptx
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptxAula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptx
Aula TE 18-19 Legislação Aula 2 - Entidades de Classe.pptx
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
 

TC (2).ppt

  • 2. Definição: • É um exame complementar de diagnóstico por imagem, que consiste numa imagem que representa uma secção ou "fatia" do corpo. É obtida através do processamento por computador de informação recolhida após expor o corpo a uma sucessão de raios X. Hoje em dia a tomografia vem sendo utilizada com freqüência como método auxiliar em casos de: • Biópsia • Punção • Marcador (exterotacxia) • Radiofreqüência
  • 3. Um Pouco da História: • Após 72 anos da descoberta do Raio X o físico Golldfrey Hounsfield e o médico Cormack, inventaram um novo método de formação de imagem a partir da aplicação do Raios X o qual denominaram de TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA.
  • 4.
  • 5. Procedimentos: • Para obter uma TC, o paciente é colocado numa mesa que se desloca para o interior de um anel de cerca de 70 cm de diâmetro. À volta deste encontra-se uma ampola de Raios-X, num suporte circular designado gantry. Do lado oposto à ampola encontra-se o detector responsável por captar a radiação e transmitir essa informação ao computador ao qual está conectado.
  • 6. Na tomografia as imagens se formam da seguinte maneira: • Os raios X passam através do corpo humano e da mesma maneira que na radiografia convencional sofre atenuação de acordo com os diversos órgãos do corpo humano, só que na tomografia ao invés dos raios x impressionarem o filme radiográfico, ela sensibiliza um conjunto detectores que ficam posicionados paralelos ao feixe de raios x, o qual gira 360º ao redor do paciente colhendo informações de densidade do corpo. • Estas informações são enviadas eletronicamente para um computador que as processa matematicamente formando então imagens do corpo em “fatias”. A mesa que o paciente está se move e forma outra imagem e assim sucessivamente até que toda a região seja examinada.
  • 7.
  • 8. Características: 1 – A Tomografia apresenta feixe de aspecto laminar e em forma de leque. 2 – A aquisição das imagens ocorre no plano do “gantry” o que, primariamente, gera cortes transversais ao plano do corpo. 3 – A imagem final é digital e pode ser facilmente manipulada por softwares. 4 – Quanto maior a matriz melhor será a resolução da imagem.
  • 9. • As setas vermelhas representam a direção dos raios-x • As setas (T,D) verdes representam o tubo de raios-x e seu receptor • A seta R representa o sentido em que ele gira. Gantry
  • 10. Mesa de Comando • Monitor para planejamento dos exames e processamento das imagens.
  • 11. Mesa de Exames • Suporta pacientes de até 180 kg, faz movimentos de elevação , sendo deslizante.
  • 12. Evolução dos Aparelhos: • 1º Geração - 1 detector, cortes de vários minutos. • 2º Geração - 5 a 50 detectores, cortes de 6 a 20 segundos • 3º geração - 200 a 600 detectores, cortes de 3 a 8 segundos • 4º geração - 300 a 1000 detectores, cortes de 1 a 4 segundos.
  • 14. Quinta Geração (Espiral/Helicoidal): • Rotação contínua. • Movimento de translação da mesa. • Tempo de sub-segundo na aquisição. • Tubo com apenas um foco. • Uma fileira de detectores. • Reconstrução instantânea. • Ilimitada capacidade calorífica do tubo. • Aumento da cobertura anatômica. • Exames com menos filmes.
  • 15. Sexta Geração (Multislice): • Rotação contínua do tubo • Translação da mesa. • Tubo com duplo foco. • Dupla fileira de detectores. • Redução do tempo de escaneamento.
  • 16. Limitações da CT • Mulheres grávidas; • Pessoas alérgicas ao contraste ;desde que o uso seja necessário; • Pessoas que se submeteram a exames contrastados recentemente com a utilização de sulfato de bário; • Distúrbios neurológicos (Parkinson ou outras afecções que causam movimentos involuntários); • Distúrbios psiquiátricos
  • 17.
  • 18. IMAGEM • Convencionou-se examinar a TC produzida como se estivesse olhando para ela de baixo pra cima(a partir dos pés do paciente) , assim é importante lembrar que as estruturas vistas a sua direita são aquelas do lado esquerdo do corpo do paciente.
  • 19. CONTRASTE EM CT • Via oral/ou via retal- Contraste hidrossolúvel (a base de iodo ) ou baritado diluído. Serve para aumentar a atenuação entre duas estruturas(analise de vísceras ocas). Administrado 1 hora antes do exame em sala. Via retal fazer diretamente em sala. (Usado para doenças pélvicas) • Endovenoso - Administrado para o realce das estruturas vasculares e para aumentar o contraste entre estruturas parenquimatosas, vascularizadas, hipovascularizadas, avascularizadas . O contraste iodado não-iônico vem progressivamente aumentando, devido a diminuição de número de reações alérgicas adversas comparado ao iônico.
  • 20. Algumas imagens de Tomografia
  • 21. Exemplos de segmentação de uma lesão de AVC hemorrágico em imagem de CT de crânio.