SlideShare uma empresa Scribd logo
Programa minha EmPrEsa rural
AssociAtivismo, cooperAtivismo e
sindicAlismo no Agronegócio
Quando vivenciados de forma paralela e complementar, o
associativismo, o cooperativismo e o sindicalismo formam
uma resistente base de sustentação para boas parcerias no
agronegócio. Diante disto, este curso irá proporcionar um
melhor entendimento sobre os conceitos, as similaridades e as
diferenças desses movimentos, bem como reforçar e permitir a
compreensão de como é possível encontrar nas ações coletivas
e cooperativas a oportunidade de empreender e gerar bons
negócios na propriedade rural.
Bons estudos!
Este curso tem
20 horas
SENAR 2015
Programa Minha Empresa Rural
Associativismo, Cooperativismo e
Sindicalismo no Agronegócio
2015. Serviço Nacional de Aprendizagem Rural - SENAR
Informações e Contato
Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Goiás - SENAR/AR-GO
Rua87,nº662,Ed.Faeg,1ºAndar–SetorSul,Goiânia/GO,CEP:74.093-
300 (62) 3412-2700 / 3412-2701 – E-mail: senar@senargo.org.br
http://www.senargo.org.br/
http://ead.senargo.org.br/
Programa Minha Empresa Rural
Presidente do conselho administrativo
José Mário Schreiner
Titulares do conselho administrativo
Daniel Klüppel Carrara, Alair Luiz dos Santos, Osvaldo Moreira Guima-
rães e Tiago Freitas de Mendonça.
Suplentes do conselho administrativo
Bartolomeu Braz Pereira, Silvano José da Silva, Eleandro Borges da
Silva, Bruno Heuser Higino da Costa e Tiago de Castro Raynaud de
Faria.
Superintendente
Eurípedes Bassamurfo da Costa
Gestora
Rosilene Jaber Alves
COORDENAÇÃO
Stella Miranda Menezes Corrêa
Ficha Técnica
IEA - instituto de estudos avançados s/s
Conteudista – Jaqueline Bernardi Ferreira
Tratamento de linguagem e revisão
IEA – INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS S/S
Diagramação e projeto gráfico
IEA – INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS S/S
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 11
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
O Associativismo Rural
Você sabia que o associativismo é uma alternativa para a viabilização
das atividades econômicas rurais? Ele possibilita aos trabalhadores e
pequenos proprietários um caminho efetivo para participar do mercado
em melhores condições de concorrência.
Neste módulo, você estudará o conceito de associativismo, os princí-
pios para parcerias eficientes e a relevância de ações coletivas.
Nele serão apresentados assuntos introdutórios sobre o associativis-
mo e sua aplicação no meio rural para que você seja capaz de concei-
tuar o associativismo, analisar os princípios que devem ser respeita-
dos em uma boa parceria e reconhecer formas efetivas de estabelecer
contatos com parceiros.
Módulo 1
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 12
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Fonte: Shutterstock
Também será capaz de viabilizar uma parceria para o trabalho coletivo,
classificar e definir ações coletivas, conhecer maneiras de aumentar a
capacidade produtiva e comercial por meio de ações coletivas, além
de como trocar experiências e explorar de maneira positiva a capaci-
dade de pessoas associadas.
Desta forma, vamos introduzir e familiarizar o conhecimento com o
associativismo rural e suas alternativas por meio das seguintes aulas:
• Aula 1: Conceito de associativismo
• Aula 2: Princípios para uma parceria eficiente
• Aula 3: A relevância de ações coletivas
Siga em frente e bom estudo!
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 13
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Aula 1
Conceito de associativismo
Você já ouviu falar em associativismo? Sabe se na sua comunidade ou
bairro existe alguma associação? Você sabe o que é e como funcio-
nam as organizações associativas? Durante esta aula, você estudará
sobre o associativismo, conhecerá o seu conceito e como se formam
as associações.
Antes de iniciar seus estudos, é importante que você saiba a definição
de associativismo.
O associativismo é uma forma de organização na qual
um grupo de pessoas se une de maneira formal ou
informal e, por meio de ações coletivas, busca superar
dificuldades e alcançar benefícios comuns para os
seus associados.
Por ser uma união de pessoas que buscam ações coletivas que se-
jam benéficas para o grupo, podemos dizer que o associativismo tem
como característica o sentimento de solidariedade, de necessidade de
associação, de união, de convivência e de troca. Ele atua localmen-
te, procurando estabelecer uma relação com a realidade, contribuindo
para a construção de uma sociedade com mais dignidade e para o
fortalecimento das de cada grupo.
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 14
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Reflexão
O que vem à sua cabeça quando ouve a expressão “associativismo”? Você
sabia que o associativismo é resultado de uma luta pela sobrevivência e por
melhores condições nas comunidades?
Se preferir, utilize o espaço abaixo para anotar suas reflexões.
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 15
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Olá, tudo bem?
Essa questão do associativismo é bem simples,
não é mesmo? Se você respondeu que a par-
ticipação, a solidariedade e a cooperação em
busca de objetivos comuns têm sido fundamen-
tais para assegurar melhores condições de vida
e que isso faz parte do associativismo, está no
caminho certo para compreender melhor esse
termo.
Basicamente, o associativismo ocorre quando
pessoas que compartilham de uma mesma
dificuldade e/ou objetivo se unem para enfrentar
com mais facilidade os conflitos que a vida em
sociedade apresenta do que cada um agindo
sozinho e isoladamente.
Bom estudo!
Paulo.
Para fortalecer ainda mais o seu entendimento sobre o associativismo,
conheça abaixo os sete princípios definidos pela ACI (Aliança Coope-
rativa Internacional).
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 16
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
PRINCÍPIOS DA ALIANÇA COOPERATIVA INTERNACIONAL (ACI)
Adesão
voluntária
e livre
Gestão
democrática
pelos sócios
Interesse pela
comunidade
Interação e
intercooperação
Autonomia e
independência Educação,
formação e
informação
Participação
econômica dos
sócios
Confira na tabela a seguir a definição de cada um desses sete Princí-
pios da Aliança Cooperativa Internacional (ACI).
Adesão voluntária
e livre
As associações são organizações volun-
tárias, abertas a todas as pessoas aptas
a usar seus serviços e dispostas a aceitar
as responsabilidades de sócio, sem discri-
minação social, racial, política, religiosa e
de gênero.
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 17
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Gestão democrática
pelos sócios
As associações são organizações demo-
cráticas, controladas por seus sócios, que
participam ativamente no estabelecimen-
to de suas políticas e na tomada de deci-
sões. Homens e mulheres, eleitos como
representantes, são responsáveis para
com os sócios.
Participação
econômica dos
sócios
Os sócios contribuem de forma igualitária
e controlam democraticamente as suas
associações. Eles destinam as eventuais
sobras para os seus objetivos por meio de
deliberação em assembleia geral.
Autonomia e
independência
As associações são organizações autô-
nomas de ajuda mútua, controlada por
seus membros. Entrando em acordo ope-
racional com outras entidades, inclusive
governamentais, ou recebendo capital de
origem externa, devem fazê-lo de forma a
preservar seu controle democrático pelos
sócios e manter sua autonomia.
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 18
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Educação, formação
e informação
As associações devem proporcionar edu-
cação e formação aos sócios, dirigentes
eleitos e administradores, de modo a con-
tribuir efetivamente para o seu desenvol-
vimento. Eles deverão informar o público
em geral, particularmente os jovens e os
líderes formadores de opinião, sobre a na-
tureza e os benefícios da cooperação.
Interação e
intercooperação
As associações atendem a seus sócios
mais efetivamente e fortalecem o movi-
mento associativo trabalhando juntas, por
meio de estruturas locais, nacionais, re-
gionais e internacionais.
Interesse pela
comunidade
As associações trabalham pelo desenvol-
vimento sustentável de suas comunida-
des, municípios, regiões, estados e país
por meio de políticas aprovadas por seus
membros.
Agora que você já estudou um pouco sobre o que é o associativismo,
vamos entender melhor como se forma uma associação e quais são as
suas particularidades.
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 19
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Formação da associação
A associação é um tipo de organização associativa, formada por um
grupo de duas ou mais pessoas, que assume princípios da doutrina do
associativo que são reconhecidos no mundo todo e servem como base
para várias formas de associações, como: organizações da sociedade
civil de interesse público – OSCIPs, cooperativas, sindicatos, funda-
ções, organizações socais, clubes.
Na prática, é importante que sejam pelo menos dez
pessoas, pois é o número mínimo para preencher os
cargos de conselho de administração e conselho fiscal.
O que diferencia cada tipo de associação é a natureza jurídica dela.
É importante saber que tudo o que uma associação tem é fruto do
investimento de seus associados ou membros, pois uma organização
associativa não realiza atividades econômicas, ou seja, não possui fins
lucrativos.
A vida no ambiente associativo é um instrumento de
exercício da sociabilidade. Por meio dela você con-
quista novos amigos, aumenta seus conhecimentos,
exercita a liderança e atua como agente transformador
da sociedade.
O principal e mais importante recurso de uma associação é o grupo
de pessoas que a compõe. A associação é uma entidade de direito
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 20
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
privado e não público que tem como foco trabalhar de forma coletiva
em defesa dos interesses das pessoas (físicas e/ou jurídicas) que a
constituíram. Abaixo, analise alguns dos principais objetivos da asso-
ciação de pessoas.
ASSOCIAÇÃO
DE PESSOAS
Fortalecer os
laços de amizade
e solidariedade.
Reunir esforços para
reivindicar melhorias
em sua comunidade.
Desenvolver
interesses
coletivos de
trabalho.
Melhorar a
qualidade
de vida.
Participar do
desenvolvimento
da região.
Produzir e
comercializar de
forma cooperada.
Defender os
interesses dos
associados.
O processo de criação de uma associação é muito simples, mas é
preciso estar atento para a participação espontânea das pessoas, ga-
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 21
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
rantindo a democracia e o respeito entre elas. Então, conheça a seguir
os principais passos para a criação de uma associação:
Identificar o interesse de organização do local
ou da sociedade.
Comunicar a todos os moradores a intenção de
formar uma associação.
Na primeira reunião: apresentar objetivos,
problemas enfrentados, possíveis soluções,
minuta (primeira escrita de um documento) de
um estatuto (conjunto de normas) para a
associação, eleição da diretoria e do conselho
fiscal, tendo a seguinte estrutura:
• Diretoria Executiva - Presidente,
Vice-presidente, 1º e 2º Secretários, 1º e 2º
Tesoureiros.
• Conselho Fiscal - Formado por seis pessoas,
sendo três titulares e três suplentes.
Concluída a r
próprio, relat
seu final, ela
Após a consti
mesma seja v
seu registro.
a) Registrar n
de atas, aprov
posse da dire
publicar a ata
Estado.
b) Fazer o Re
Nacional de P
Federal.
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 22
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Concluída a reunião, é lavrada a ata, em livro
próprio, relatando todos os fatos ocorridos. Em
seu final, ela é assinada por todos os presentes.
Após a constituição da associação, para que a
mesma seja validada, é necessário proceder o
seu registro. Para isso é necessário:
a) Registrar no cartório de Registro Civil o livro
de atas, aprovação do estatuto social, eleição de
posse da diretoria e do conselho fiscal e
publicar a ata e o estatuto no Diário Oficial do
Estado.
b) Fazer o Registro da associação no Cadastro
Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) na Receita
Federal.
O associativismo com um todo é constituído por fatores e alternativas
que viabilizam atividades econômicas. Isso possibilita aos trabalhado-
res e pequenos produtores um caminho efetivo para melhores condi-
ções de concorrência no mercado.
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 23
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Reflexão
Agora que você já conhece o conceito e algumas características do associati-
vismo, reflita sobre o seguinte:
Como o produtor rural pode se beneficiar do associativismo?
Se preferir, utilize o espaço abaixo para anotar suas reflexões.
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 24
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Olá, tudo bem? O que tenho observado
nesses anos trabalhando no meio rural
é que, geralmente, pequenos produtores
possuem o mesmo cenário e as mesmas
dificuldades para possuírem um bom de-
sempenho econômico. Sendo assim, po-
dem encontrar nas associações uma forma
de garantir um melhor desempenho para
se posicionar perante a concorrência no
mercado.
Quando, nós, produtores rurais se reú-
nem em forma de associação é possível
a aquisição de insumos e equipamentos
com menores preços e melhores prazos de
pagamento, podem negociar também o uso
de tratores, colheitadeiras, caminhões para
transporte etc.
Se estes recursos são divididos entre vá-
rios associados, certamente são financei-
ramente mais acessíveis e os produtores
saem ganhando, reúnem esforços para o
bem comum, o compartilhamento do cus-
to e da assistência técnica do agrônomo,
veterinário e de tecnologias de capacitação
profissional.
Até logo,
Paulo
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 25
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Você percebeu que quando tornamos as ações familiares e individuais
em ações grupais e comunitárias, é possível alavancar mecanismos que
acrescentam a capacidade produtiva e comercial de todos os associa-
dos, permitindo melhores condições para viabilizar suas atividades?
Este cenário ainda possibilita a troca de experiências, a possibilidade
de explorar o potencial de cada um, de utilizar uma estrutura comum
e organizada e, consequentemente, conseguir um melhor resultado
financeiro para o seu trabalho.
Antes de iniciar a constituição de um grupo associativo, é importante
que o grupo interessado reflita e defina o seu objetivo: por que cons-
tituir uma organização associativa? Qual a finalidade de constituir um
grupo associativo?
Exemplo
No estado de Goiás, temos como exemplo a FAEG, Federação da
Agricultura e Pecuária de Goiás, que nasceu como Federação das
Associações Rurais do Estado de Goiás, que tem como objetivo prin-
cipal a representação do homem do campo.
Cabe à entidade abranger os diversos segmentos da atividade rural,
envolver pequenos e médios produtores, fortalecer a classe e tornar
o ambiente produtivo rural mais desenvolvido, competente e competi-
tivo. É de competência da FAEG promover o conhecimento sobre os
assuntos inerentes à classe de produtores rurais e coordenar a ação
sindical.
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 26
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Agora que você já entendeu como funciona e do que se trata o asso-
ciativismo e os resultados que uma “parceria associativa” pode gerar,
vamos conhecer e entender quais são os princípios que devem ser
respeitados em uma boa parceria.
Fonte: Shutterstock
Os grupos de associativismo devem ser constituídos com a ideia de
cooperação, em um processo de evolução contínua, numa sequência
de ações em busca de sustentabilidade, persistindo ao longo do tempo
e enquanto esse desenvolvimento for bom para os seus associados.
A principal base do associativismo são os sete princípios que estuda-
mos anteriormente. O cumprimento e a busca da aproximação cada
vez mais efetiva de cada um deles contribuem com as organizações
associativas para o bom andamento de suas atividades.
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 27
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
 Importante
Atenção! Esses princípios são norteadores e importantes, mas cada associa-
ção tem particularidades que devem ser combinadas e adaptadas à realidade
de cada entidade para que as coisas funcionem de forma justa e ordenada,
inclusive, muitas delas, são amparadas legalmente e devem constar no esta-
tuto da associação.
Agora que você já teve a oportunidade de conhecer os conceitos e
os princípios do associativismo e identificar algumas das característi-
cas das organizações associativas e os princípios a serem respeitados
nestas parcerias, continue seus estudos aprofundando os detalhes so-
bre os princípios para uma parceria eficiente, rede de contatos e viabi-
lização de parcerias de trabalho.
Preparado para a próxima aula? Siga em frente e bons estudos!
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 28
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Aula 2
Princípios para uma parceria eficiente
Na aula anterior, você estudou os princípios que contribuem para uma
boa parceria dentro do associativismo, agora você entenderá um pou-
co melhor sobre a importância da rede contatos e a viabilização de
parcerias.
Manter uma rede de relacionamentos é uma necessidade básica do
ser humano para convivência em sociedade, seja com a sua família,
vizinhos, amigos, fornecedores, estabelecimentos comerciais ou insti-
tuições etc.
Você precisa criar a sua rede de contatos e transformá-la em poten-
ciais parceiros. Para facilitar seus estudos, vamos trabalhar o conceito
de networking e adaptar ao cenário do agronegócio.
Networking é a união do termo “net” que significa rede e
“working” que significa trabalhando, logo, temos um concei-
to bastante similar ao conceito de associativismo que pode
se traduzir no termo “ trabalhando em rede”.
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 29
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
O networking é uma das ferramentas agregadas ao
marketing pessoal que tem ajudado as pessoas no
processo de se fazerem conhecer para os públicos de
seu interesse.
Fazer networking é buscar maneiras de se aproximar
de outras pessoas, utilizando as alternativas que
estivessem ao seu alcance
Construir relacionamentos é algo natural e essencial para a natureza
humana, seja por vontade própria ou por necessidade. Mas como se-
lecionar os bons contatos que resultarão em parcerias significativas ao
negócio rural? A seguir, confira algumas dicas.
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 30
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Esteja sempre preparado e
com uma boa apresentação
pessoal. Tenha seus canais de
comunicação sempre à mão.
Presenteie e dedique brindes
personalizados . Isso faz com que
a pessoa se sinta valorizada e se
lembre de você posteriormente.
Defina metas diárias de contato.
Os canais de comunicação
(e-mail, redes sociais etc.) ajudam
muito nesse sentido!
DICAS PARA
PARCERIAS
FUTURAS.
Em uma negociação:
1º) Peça um conselho, isso valoriza
a relação que está por acontecer.
2º) Peça uma orientação.
3º) Mostre que conhece o assunto.
4º) Faça uma sugestão.
5º) Promova a aproximação (dê o
seu celular, por exemplo).
Crie um banco de dados
completo, separe por
tipos de relacionamento
(família, amigos, empresa,
imprensa etc.) e o atualize
frequentemente.
Elabore um objetivo
diferente para cada
grupo da sua rede.
Participe de palestras,
confraternizações,
reuniões.
01
02
03
04
05
06
07
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 31
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Participar de uma associação bem consolidada é uma boa alternativa,
pois a associação reúne pessoas de perfis diferentes, mas que têm os
mesmos objetivos. Analise as propostas da associação, converse com
as pessoas que já fazem parte do grupo e observe as ações sugeridas,
assim terá os insumos necessários para avaliar se a associação tem
objetivos em comuns com você.
Como você viu, o fortalecimento da rede de contatos é
um dos fatores que podem viabilizar o trabalho coletivo
no meio rural.
Se uma comunidade decide constituir uma associação e buscar, a par-
tir de seu trabalho coletivo, recursos para investimento em logística,
por exemplo, isso favorece o contato com seus clientes, fornecedores
e parceiros de negócios, melhorando assim a sua capacidade compe-
titiva no mercado.
Agora que você estudou sobre como é importante ter uma rede de
relacionamentos e fortalecer estas parcerias, siga para a próxima aula
e estude conceitos importantes sobre ações coletivas, confira as dicas
de como aumentar sua capacidade produtiva por meio delas, e sobre
como utilizar e explorar a capacidades de todos em grupo de ação co-
letivo. Está preparado? Siga em frente e bons estudos!
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 32
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
AulA 3
A RelevÂnciA de AÇÕes cOletivAs
Você sabe o que é uma ação coletiva ou já ouviu falar neste termo?
Uma ação coletiva é um fenômeno organizado capaz de trazer mudan-
ças às estruturas sociais em termos de bem coletivo, por este motivo
acabam nos direcionando para a existência de alguma classe ou mo-
vimento da sociedade.
Portanto, toda ação coletiva possui como principal
objetivo a defesa de interesses comuns, elevando do
individual ao coletivo.
A associação precisa esclarecer aos seus associados sobre a impor-
tância da conscientização coletiva. Por isso, é importante que os inte-
grantes de um grupo onde se desenvolverá ações coletivas conheçam
os objetivos e desenvolvam sensibilidade e consciência para um me-
lhor desempenho das ações em grupo.
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 33
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Uma ação coletiva pode ser caracterizada a partir da identificação de
interesses comuns do grupo. Após esse primeiro momento, as ações
devem ser planejadas, de forma consciente e organizada, para que o
objetivo definido como benefício para o grupo seja alcançado.
A conquista de oportunidades para expressar seus
pontosdevista,osdesejos,ascrençaseasexpectativas
são resultados da ação coletiva.
Como você estudou nos conceitos de rede de contatos da aula ante-
rior e na classificação de ações coletivas nesta aula, sempre surgem
oportunidades e conquistas em movimentos que tem por premissa a
coletividade, porém a coletividade é composta por indivíduos, e cada
um possui fraquezas e habilidades específicas.
Olá, tudo bem?
Aqui na associação da qual faço parte sem-
pre conversamos sobre como é importante
que o associado esteja aberto e disposto a
aprender com as características do grupo e
com o conhecimento específico dos demais
participantes.
Módulo 1 - O Associativismo Rural // 34
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Isso demonstra amadurecimento e atitude
cooperativa, pois as pessoas gostam de
ser ouvidas e respeitadas. Por isso, quan-
do recebemos um novo associado, nós
esclarecemos a ele que é sempre possível
contribuir com nossas habilidades, assim
como aprender e nos beneficiar dos conhe-
cimentos e habilidades dos outros.
Bom estudo!
Paulo.
Você chegou ao final do Módulo 1. Neste módulo, você estudou o que
é o associativismo e a importância das ações coletivas. Também co-
nheceu mais sobre os princípios necessários para parcerias eficientes
e o que deve ser feito para uma boa parceria e para reconhecer formas
de estabelecer contatos com parceiros.
Siga em frente e bom estudo!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra cooperativismo ni2011
Palestra cooperativismo ni2011Palestra cooperativismo ni2011
Palestra cooperativismo ni2011
Silvia Regina de Almeida
 
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Matheus Yuri
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
Sebastião Nascimento
 
Cooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdfCooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdf
Adm.Geisiane Soares
 
Cooperativismo e Associativismo
Cooperativismo e AssociativismoCooperativismo e Associativismo
Cooperativismo e Associativismo
Peterson Rodrigues
 
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de CambaráPalestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
Pedro Manoel Rosa Domingues Santos
 
Associativismo, Cooperativismo e Autogestão
Associativismo, Cooperativismo e Autogestão Associativismo, Cooperativismo e Autogestão
Associativismo, Cooperativismo e Autogestão
LuizGustavoPereiraGo1
 
ASSOCIATIVISMO 3
ASSOCIATIVISMO 3ASSOCIATIVISMO 3
ASSOCIATIVISMO 3
Karlla Costa
 
Associativismo
AssociativismoAssociativismo
Associativismo
Rafael Maurício
 
Cartilha do-associativismo-e-cooperativismo-emater (1)
Cartilha do-associativismo-e-cooperativismo-emater (1)Cartilha do-associativismo-e-cooperativismo-emater (1)
Cartilha do-associativismo-e-cooperativismo-emater (1)
jhoarlles
 
Empreendedorismo social é para você?
Empreendedorismo social é para você?Empreendedorismo social é para você?
Empreendedorismo social é para você?
Criativa EaD
 
Metodologia participativa no meio rural
Metodologia participativa no meio ruralMetodologia participativa no meio rural
Metodologia participativa no meio rural
Klerysson Santana
 
Introdução Cooperativismo
Introdução CooperativismoIntrodução Cooperativismo
Introdução Cooperativismo
José Augusto Fiorin
 
Fernanda e vanessa economia solidaria
Fernanda e vanessa economia solidariaFernanda e vanessa economia solidaria
Fernanda e vanessa economia solidaria
Vanessa Nogueira
 
Como constituir uma empresa
Como constituir uma empresaComo constituir uma empresa
Como constituir uma empresa
Nyedson Barbosa
 
Curso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismoCurso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismo
corevisa
 
Economia solidária
Economia solidáriaEconomia solidária
Economia solidária
Alana Silva
 
Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade social
saracfmarques2013
 
Aula politicas publicas na agricultura familiar
Aula politicas publicas na agricultura familiarAula politicas publicas na agricultura familiar
Aula politicas publicas na agricultura familiar
Cris Godoy
 
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAAPRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
INSTITUTO VOZ POPULAR
 

Mais procurados (20)

Palestra cooperativismo ni2011
Palestra cooperativismo ni2011Palestra cooperativismo ni2011
Palestra cooperativismo ni2011
 
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
 
Cooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdfCooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdf
 
Cooperativismo e Associativismo
Cooperativismo e AssociativismoCooperativismo e Associativismo
Cooperativismo e Associativismo
 
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de CambaráPalestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
 
Associativismo, Cooperativismo e Autogestão
Associativismo, Cooperativismo e Autogestão Associativismo, Cooperativismo e Autogestão
Associativismo, Cooperativismo e Autogestão
 
ASSOCIATIVISMO 3
ASSOCIATIVISMO 3ASSOCIATIVISMO 3
ASSOCIATIVISMO 3
 
Associativismo
AssociativismoAssociativismo
Associativismo
 
Cartilha do-associativismo-e-cooperativismo-emater (1)
Cartilha do-associativismo-e-cooperativismo-emater (1)Cartilha do-associativismo-e-cooperativismo-emater (1)
Cartilha do-associativismo-e-cooperativismo-emater (1)
 
Empreendedorismo social é para você?
Empreendedorismo social é para você?Empreendedorismo social é para você?
Empreendedorismo social é para você?
 
Metodologia participativa no meio rural
Metodologia participativa no meio ruralMetodologia participativa no meio rural
Metodologia participativa no meio rural
 
Introdução Cooperativismo
Introdução CooperativismoIntrodução Cooperativismo
Introdução Cooperativismo
 
Fernanda e vanessa economia solidaria
Fernanda e vanessa economia solidariaFernanda e vanessa economia solidaria
Fernanda e vanessa economia solidaria
 
Como constituir uma empresa
Como constituir uma empresaComo constituir uma empresa
Como constituir uma empresa
 
Curso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismoCurso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismo
 
Economia solidária
Economia solidáriaEconomia solidária
Economia solidária
 
Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade social
 
Aula politicas publicas na agricultura familiar
Aula politicas publicas na agricultura familiarAula politicas publicas na agricultura familiar
Aula politicas publicas na agricultura familiar
 
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAAPRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
 

Semelhante a CURSO ASSOCIATIVISMO 1

ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4
Karlla Costa
 
aula-22.pptx
aula-22.pptxaula-22.pptx
aula-22.pptx
Nayane Souza
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 2
CURSO ASSOCIATIVISMO 2CURSO ASSOCIATIVISMO 2
CURSO ASSOCIATIVISMO 2
Karlla Costa
 
153 -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
153  -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212153  -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
153 -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
Edvaldo Magalhães Magalhães
 
Tratado de sintonia
Tratado de sintoniaTratado de sintonia
Tratado de sintonia
Ariel Pascke
 
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Ariel Pascke
 
Tratado De Sintonia
Tratado De  SintoniaTratado De  Sintonia
Tratado De Sintonia
Ariel Pascke
 
COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...
COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...
COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...
Jazon Pereira
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
Jazon Pereira
 
ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5
Karlla Costa
 
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Vai Totó
 
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Vai Totó
 
2. Conceito de associativismo + parcerias eficientes + relevância de ações co...
2. Conceito de associativismo + parcerias eficientes + relevância de ações co...2. Conceito de associativismo + parcerias eficientes + relevância de ações co...
2. Conceito de associativismo + parcerias eficientes + relevância de ações co...
Taciana M. M. de Oliveira
 
ASSOCATIVISMO 5
ASSOCATIVISMO 5ASSOCATIVISMO 5
ASSOCATIVISMO 5
Karlla Costa
 
Escudo Espartano
Escudo EspartanoEscudo Espartano
Escudo Espartano
EscudoEspartano
 
Cooperativismo e associativismo - Conceitos
Cooperativismo e associativismo - ConceitosCooperativismo e associativismo - Conceitos
Cooperativismo e associativismo - Conceitos
andersonwebler1
 
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdf
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdfAssociativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdf
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdf
andersonwebler1
 
Autogestão
Autogestão   Autogestão
Autogestão
SamillaSantosdeDeus
 
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITOCOOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
INSTITUTO VOZ POPULAR
 
Rede papel solidário 1 o que é terceiro setor-
Rede papel solidário   1  o que é terceiro setor-Rede papel solidário   1  o que é terceiro setor-
Rede papel solidário 1 o que é terceiro setor-
fabiosmas
 

Semelhante a CURSO ASSOCIATIVISMO 1 (20)

ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4
 
aula-22.pptx
aula-22.pptxaula-22.pptx
aula-22.pptx
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 2
CURSO ASSOCIATIVISMO 2CURSO ASSOCIATIVISMO 2
CURSO ASSOCIATIVISMO 2
 
153 -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
153  -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212153  -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
153 -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
 
Tratado de sintonia
Tratado de sintoniaTratado de sintonia
Tratado de sintonia
 
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
 
Tratado De Sintonia
Tratado De  SintoniaTratado De  Sintonia
Tratado De Sintonia
 
COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...
COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...
COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
 
ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5
 
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! Comunicação
 
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! Comunicação
 
2. Conceito de associativismo + parcerias eficientes + relevância de ações co...
2. Conceito de associativismo + parcerias eficientes + relevância de ações co...2. Conceito de associativismo + parcerias eficientes + relevância de ações co...
2. Conceito de associativismo + parcerias eficientes + relevância de ações co...
 
ASSOCATIVISMO 5
ASSOCATIVISMO 5ASSOCATIVISMO 5
ASSOCATIVISMO 5
 
Escudo Espartano
Escudo EspartanoEscudo Espartano
Escudo Espartano
 
Cooperativismo e associativismo - Conceitos
Cooperativismo e associativismo - ConceitosCooperativismo e associativismo - Conceitos
Cooperativismo e associativismo - Conceitos
 
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdf
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdfAssociativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdf
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdf
 
Autogestão
Autogestão   Autogestão
Autogestão
 
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITOCOOPERATIVAS DE CRÉDITO
COOPERATIVAS DE CRÉDITO
 
Rede papel solidário 1 o que é terceiro setor-
Rede papel solidário   1  o que é terceiro setor-Rede papel solidário   1  o que é terceiro setor-
Rede papel solidário 1 o que é terceiro setor-
 

Mais de Karlla Costa

Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedinCertificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Karlla Costa
 
Trabalho Remoto
Trabalho RemotoTrabalho Remoto
Trabalho Remoto
Karlla Costa
 
FACILITADORES DA APRENDIZAGEM
FACILITADORES DA APRENDIZAGEMFACILITADORES DA APRENDIZAGEM
FACILITADORES DA APRENDIZAGEM
Karlla Costa
 
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO  DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
Karlla Costa
 
PAA
PAAPAA
MROC
MROCMROC
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAISFORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
Karlla Costa
 
Certificadoempreendedorismonaep
CertificadoempreendedorismonaepCertificadoempreendedorismonaep
Certificadoempreendedorismonaep
Karlla Costa
 
Turismo e-hotelaria
Turismo e-hotelariaTurismo e-hotelaria
Turismo e-hotelaria
Karlla Costa
 
Agroturismo
AgroturismoAgroturismo
Agroturismo
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 6
Agricultura de precisao modulo 6Agricultura de precisao modulo 6
Agricultura de precisao modulo 6
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1
Karlla Costa
 
Plano ambiental de una
Plano ambiental de unaPlano ambiental de una
Plano ambiental de una
Karlla Costa
 
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digital
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digitalMaterial aula 01-semana-da-influenciado-a-digital
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digital
Karlla Costa
 
Guia definitivo para dashboards perfeitos
Guia definitivo para dashboards perfeitosGuia definitivo para dashboards perfeitos
Guia definitivo para dashboards perfeitos
Karlla Costa
 
guia-ef-englishlive-aprender-ingles-sozinho
 guia-ef-englishlive-aprender-ingles-sozinho guia-ef-englishlive-aprender-ingles-sozinho
guia-ef-englishlive-aprender-ingles-sozinho
Karlla Costa
 

Mais de Karlla Costa (20)

Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedinCertificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
 
Trabalho Remoto
Trabalho RemotoTrabalho Remoto
Trabalho Remoto
 
FACILITADORES DA APRENDIZAGEM
FACILITADORES DA APRENDIZAGEMFACILITADORES DA APRENDIZAGEM
FACILITADORES DA APRENDIZAGEM
 
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO  DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
 
PAA
PAAPAA
PAA
 
MROC
MROCMROC
MROC
 
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAISFORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
 
Certificadoempreendedorismonaep
CertificadoempreendedorismonaepCertificadoempreendedorismonaep
Certificadoempreendedorismonaep
 
Turismo e-hotelaria
Turismo e-hotelariaTurismo e-hotelaria
Turismo e-hotelaria
 
Agroturismo
AgroturismoAgroturismo
Agroturismo
 
Agricultura de precisao modulo 6
Agricultura de precisao modulo 6Agricultura de precisao modulo 6
Agricultura de precisao modulo 6
 
Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5
 
Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4
 
Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3
 
Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2
 
Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1
 
Plano ambiental de una
Plano ambiental de unaPlano ambiental de una
Plano ambiental de una
 
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digital
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digitalMaterial aula 01-semana-da-influenciado-a-digital
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digital
 
Guia definitivo para dashboards perfeitos
Guia definitivo para dashboards perfeitosGuia definitivo para dashboards perfeitos
Guia definitivo para dashboards perfeitos
 
guia-ef-englishlive-aprender-ingles-sozinho
 guia-ef-englishlive-aprender-ingles-sozinho guia-ef-englishlive-aprender-ingles-sozinho
guia-ef-englishlive-aprender-ingles-sozinho
 

Último

1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 

CURSO ASSOCIATIVISMO 1

  • 1. Programa minha EmPrEsa rural AssociAtivismo, cooperAtivismo e sindicAlismo no Agronegócio Quando vivenciados de forma paralela e complementar, o associativismo, o cooperativismo e o sindicalismo formam uma resistente base de sustentação para boas parcerias no agronegócio. Diante disto, este curso irá proporcionar um melhor entendimento sobre os conceitos, as similaridades e as diferenças desses movimentos, bem como reforçar e permitir a compreensão de como é possível encontrar nas ações coletivas e cooperativas a oportunidade de empreender e gerar bons negócios na propriedade rural. Bons estudos! Este curso tem 20 horas
  • 2. SENAR 2015 Programa Minha Empresa Rural Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
  • 3. 2015. Serviço Nacional de Aprendizagem Rural - SENAR Informações e Contato Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Goiás - SENAR/AR-GO Rua87,nº662,Ed.Faeg,1ºAndar–SetorSul,Goiânia/GO,CEP:74.093- 300 (62) 3412-2700 / 3412-2701 – E-mail: senar@senargo.org.br http://www.senargo.org.br/ http://ead.senargo.org.br/ Programa Minha Empresa Rural Presidente do conselho administrativo José Mário Schreiner Titulares do conselho administrativo Daniel Klüppel Carrara, Alair Luiz dos Santos, Osvaldo Moreira Guima- rães e Tiago Freitas de Mendonça. Suplentes do conselho administrativo Bartolomeu Braz Pereira, Silvano José da Silva, Eleandro Borges da Silva, Bruno Heuser Higino da Costa e Tiago de Castro Raynaud de Faria. Superintendente Eurípedes Bassamurfo da Costa Gestora Rosilene Jaber Alves COORDENAÇÃO Stella Miranda Menezes Corrêa Ficha Técnica
  • 4. IEA - instituto de estudos avançados s/s Conteudista – Jaqueline Bernardi Ferreira Tratamento de linguagem e revisão IEA – INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS S/S Diagramação e projeto gráfico IEA – INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS S/S
  • 5. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 11 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio O Associativismo Rural Você sabia que o associativismo é uma alternativa para a viabilização das atividades econômicas rurais? Ele possibilita aos trabalhadores e pequenos proprietários um caminho efetivo para participar do mercado em melhores condições de concorrência. Neste módulo, você estudará o conceito de associativismo, os princí- pios para parcerias eficientes e a relevância de ações coletivas. Nele serão apresentados assuntos introdutórios sobre o associativis- mo e sua aplicação no meio rural para que você seja capaz de concei- tuar o associativismo, analisar os princípios que devem ser respeita- dos em uma boa parceria e reconhecer formas efetivas de estabelecer contatos com parceiros. Módulo 1
  • 6. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 12 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Fonte: Shutterstock Também será capaz de viabilizar uma parceria para o trabalho coletivo, classificar e definir ações coletivas, conhecer maneiras de aumentar a capacidade produtiva e comercial por meio de ações coletivas, além de como trocar experiências e explorar de maneira positiva a capaci- dade de pessoas associadas. Desta forma, vamos introduzir e familiarizar o conhecimento com o associativismo rural e suas alternativas por meio das seguintes aulas: • Aula 1: Conceito de associativismo • Aula 2: Princípios para uma parceria eficiente • Aula 3: A relevância de ações coletivas Siga em frente e bom estudo!
  • 7. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 13 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Aula 1 Conceito de associativismo Você já ouviu falar em associativismo? Sabe se na sua comunidade ou bairro existe alguma associação? Você sabe o que é e como funcio- nam as organizações associativas? Durante esta aula, você estudará sobre o associativismo, conhecerá o seu conceito e como se formam as associações. Antes de iniciar seus estudos, é importante que você saiba a definição de associativismo. O associativismo é uma forma de organização na qual um grupo de pessoas se une de maneira formal ou informal e, por meio de ações coletivas, busca superar dificuldades e alcançar benefícios comuns para os seus associados. Por ser uma união de pessoas que buscam ações coletivas que se- jam benéficas para o grupo, podemos dizer que o associativismo tem como característica o sentimento de solidariedade, de necessidade de associação, de união, de convivência e de troca. Ele atua localmen- te, procurando estabelecer uma relação com a realidade, contribuindo para a construção de uma sociedade com mais dignidade e para o fortalecimento das de cada grupo.
  • 8. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 14 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Reflexão O que vem à sua cabeça quando ouve a expressão “associativismo”? Você sabia que o associativismo é resultado de uma luta pela sobrevivência e por melhores condições nas comunidades? Se preferir, utilize o espaço abaixo para anotar suas reflexões.
  • 9. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 15 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Olá, tudo bem? Essa questão do associativismo é bem simples, não é mesmo? Se você respondeu que a par- ticipação, a solidariedade e a cooperação em busca de objetivos comuns têm sido fundamen- tais para assegurar melhores condições de vida e que isso faz parte do associativismo, está no caminho certo para compreender melhor esse termo. Basicamente, o associativismo ocorre quando pessoas que compartilham de uma mesma dificuldade e/ou objetivo se unem para enfrentar com mais facilidade os conflitos que a vida em sociedade apresenta do que cada um agindo sozinho e isoladamente. Bom estudo! Paulo. Para fortalecer ainda mais o seu entendimento sobre o associativismo, conheça abaixo os sete princípios definidos pela ACI (Aliança Coope- rativa Internacional).
  • 10. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 16 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio PRINCÍPIOS DA ALIANÇA COOPERATIVA INTERNACIONAL (ACI) Adesão voluntária e livre Gestão democrática pelos sócios Interesse pela comunidade Interação e intercooperação Autonomia e independência Educação, formação e informação Participação econômica dos sócios Confira na tabela a seguir a definição de cada um desses sete Princí- pios da Aliança Cooperativa Internacional (ACI). Adesão voluntária e livre As associações são organizações volun- tárias, abertas a todas as pessoas aptas a usar seus serviços e dispostas a aceitar as responsabilidades de sócio, sem discri- minação social, racial, política, religiosa e de gênero.
  • 11. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 17 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Gestão democrática pelos sócios As associações são organizações demo- cráticas, controladas por seus sócios, que participam ativamente no estabelecimen- to de suas políticas e na tomada de deci- sões. Homens e mulheres, eleitos como representantes, são responsáveis para com os sócios. Participação econômica dos sócios Os sócios contribuem de forma igualitária e controlam democraticamente as suas associações. Eles destinam as eventuais sobras para os seus objetivos por meio de deliberação em assembleia geral. Autonomia e independência As associações são organizações autô- nomas de ajuda mútua, controlada por seus membros. Entrando em acordo ope- racional com outras entidades, inclusive governamentais, ou recebendo capital de origem externa, devem fazê-lo de forma a preservar seu controle democrático pelos sócios e manter sua autonomia.
  • 12. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 18 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Educação, formação e informação As associações devem proporcionar edu- cação e formação aos sócios, dirigentes eleitos e administradores, de modo a con- tribuir efetivamente para o seu desenvol- vimento. Eles deverão informar o público em geral, particularmente os jovens e os líderes formadores de opinião, sobre a na- tureza e os benefícios da cooperação. Interação e intercooperação As associações atendem a seus sócios mais efetivamente e fortalecem o movi- mento associativo trabalhando juntas, por meio de estruturas locais, nacionais, re- gionais e internacionais. Interesse pela comunidade As associações trabalham pelo desenvol- vimento sustentável de suas comunida- des, municípios, regiões, estados e país por meio de políticas aprovadas por seus membros. Agora que você já estudou um pouco sobre o que é o associativismo, vamos entender melhor como se forma uma associação e quais são as suas particularidades.
  • 13. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 19 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Formação da associação A associação é um tipo de organização associativa, formada por um grupo de duas ou mais pessoas, que assume princípios da doutrina do associativo que são reconhecidos no mundo todo e servem como base para várias formas de associações, como: organizações da sociedade civil de interesse público – OSCIPs, cooperativas, sindicatos, funda- ções, organizações socais, clubes. Na prática, é importante que sejam pelo menos dez pessoas, pois é o número mínimo para preencher os cargos de conselho de administração e conselho fiscal. O que diferencia cada tipo de associação é a natureza jurídica dela. É importante saber que tudo o que uma associação tem é fruto do investimento de seus associados ou membros, pois uma organização associativa não realiza atividades econômicas, ou seja, não possui fins lucrativos. A vida no ambiente associativo é um instrumento de exercício da sociabilidade. Por meio dela você con- quista novos amigos, aumenta seus conhecimentos, exercita a liderança e atua como agente transformador da sociedade. O principal e mais importante recurso de uma associação é o grupo de pessoas que a compõe. A associação é uma entidade de direito
  • 14. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 20 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio privado e não público que tem como foco trabalhar de forma coletiva em defesa dos interesses das pessoas (físicas e/ou jurídicas) que a constituíram. Abaixo, analise alguns dos principais objetivos da asso- ciação de pessoas. ASSOCIAÇÃO DE PESSOAS Fortalecer os laços de amizade e solidariedade. Reunir esforços para reivindicar melhorias em sua comunidade. Desenvolver interesses coletivos de trabalho. Melhorar a qualidade de vida. Participar do desenvolvimento da região. Produzir e comercializar de forma cooperada. Defender os interesses dos associados. O processo de criação de uma associação é muito simples, mas é preciso estar atento para a participação espontânea das pessoas, ga-
  • 15. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 21 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio rantindo a democracia e o respeito entre elas. Então, conheça a seguir os principais passos para a criação de uma associação: Identificar o interesse de organização do local ou da sociedade. Comunicar a todos os moradores a intenção de formar uma associação. Na primeira reunião: apresentar objetivos, problemas enfrentados, possíveis soluções, minuta (primeira escrita de um documento) de um estatuto (conjunto de normas) para a associação, eleição da diretoria e do conselho fiscal, tendo a seguinte estrutura: • Diretoria Executiva - Presidente, Vice-presidente, 1º e 2º Secretários, 1º e 2º Tesoureiros. • Conselho Fiscal - Formado por seis pessoas, sendo três titulares e três suplentes. Concluída a r próprio, relat seu final, ela Após a consti mesma seja v seu registro. a) Registrar n de atas, aprov posse da dire publicar a ata Estado. b) Fazer o Re Nacional de P Federal.
  • 16. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 22 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Concluída a reunião, é lavrada a ata, em livro próprio, relatando todos os fatos ocorridos. Em seu final, ela é assinada por todos os presentes. Após a constituição da associação, para que a mesma seja validada, é necessário proceder o seu registro. Para isso é necessário: a) Registrar no cartório de Registro Civil o livro de atas, aprovação do estatuto social, eleição de posse da diretoria e do conselho fiscal e publicar a ata e o estatuto no Diário Oficial do Estado. b) Fazer o Registro da associação no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) na Receita Federal. O associativismo com um todo é constituído por fatores e alternativas que viabilizam atividades econômicas. Isso possibilita aos trabalhado- res e pequenos produtores um caminho efetivo para melhores condi- ções de concorrência no mercado.
  • 17. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 23 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Reflexão Agora que você já conhece o conceito e algumas características do associati- vismo, reflita sobre o seguinte: Como o produtor rural pode se beneficiar do associativismo? Se preferir, utilize o espaço abaixo para anotar suas reflexões.
  • 18. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 24 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Olá, tudo bem? O que tenho observado nesses anos trabalhando no meio rural é que, geralmente, pequenos produtores possuem o mesmo cenário e as mesmas dificuldades para possuírem um bom de- sempenho econômico. Sendo assim, po- dem encontrar nas associações uma forma de garantir um melhor desempenho para se posicionar perante a concorrência no mercado. Quando, nós, produtores rurais se reú- nem em forma de associação é possível a aquisição de insumos e equipamentos com menores preços e melhores prazos de pagamento, podem negociar também o uso de tratores, colheitadeiras, caminhões para transporte etc. Se estes recursos são divididos entre vá- rios associados, certamente são financei- ramente mais acessíveis e os produtores saem ganhando, reúnem esforços para o bem comum, o compartilhamento do cus- to e da assistência técnica do agrônomo, veterinário e de tecnologias de capacitação profissional. Até logo, Paulo
  • 19. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 25 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Você percebeu que quando tornamos as ações familiares e individuais em ações grupais e comunitárias, é possível alavancar mecanismos que acrescentam a capacidade produtiva e comercial de todos os associa- dos, permitindo melhores condições para viabilizar suas atividades? Este cenário ainda possibilita a troca de experiências, a possibilidade de explorar o potencial de cada um, de utilizar uma estrutura comum e organizada e, consequentemente, conseguir um melhor resultado financeiro para o seu trabalho. Antes de iniciar a constituição de um grupo associativo, é importante que o grupo interessado reflita e defina o seu objetivo: por que cons- tituir uma organização associativa? Qual a finalidade de constituir um grupo associativo? Exemplo No estado de Goiás, temos como exemplo a FAEG, Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás, que nasceu como Federação das Associações Rurais do Estado de Goiás, que tem como objetivo prin- cipal a representação do homem do campo. Cabe à entidade abranger os diversos segmentos da atividade rural, envolver pequenos e médios produtores, fortalecer a classe e tornar o ambiente produtivo rural mais desenvolvido, competente e competi- tivo. É de competência da FAEG promover o conhecimento sobre os assuntos inerentes à classe de produtores rurais e coordenar a ação sindical.
  • 20. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 26 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Agora que você já entendeu como funciona e do que se trata o asso- ciativismo e os resultados que uma “parceria associativa” pode gerar, vamos conhecer e entender quais são os princípios que devem ser respeitados em uma boa parceria. Fonte: Shutterstock Os grupos de associativismo devem ser constituídos com a ideia de cooperação, em um processo de evolução contínua, numa sequência de ações em busca de sustentabilidade, persistindo ao longo do tempo e enquanto esse desenvolvimento for bom para os seus associados. A principal base do associativismo são os sete princípios que estuda- mos anteriormente. O cumprimento e a busca da aproximação cada vez mais efetiva de cada um deles contribuem com as organizações associativas para o bom andamento de suas atividades.
  • 21. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 27 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio  Importante Atenção! Esses princípios são norteadores e importantes, mas cada associa- ção tem particularidades que devem ser combinadas e adaptadas à realidade de cada entidade para que as coisas funcionem de forma justa e ordenada, inclusive, muitas delas, são amparadas legalmente e devem constar no esta- tuto da associação. Agora que você já teve a oportunidade de conhecer os conceitos e os princípios do associativismo e identificar algumas das característi- cas das organizações associativas e os princípios a serem respeitados nestas parcerias, continue seus estudos aprofundando os detalhes so- bre os princípios para uma parceria eficiente, rede de contatos e viabi- lização de parcerias de trabalho. Preparado para a próxima aula? Siga em frente e bons estudos!
  • 22. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 28 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Aula 2 Princípios para uma parceria eficiente Na aula anterior, você estudou os princípios que contribuem para uma boa parceria dentro do associativismo, agora você entenderá um pou- co melhor sobre a importância da rede contatos e a viabilização de parcerias. Manter uma rede de relacionamentos é uma necessidade básica do ser humano para convivência em sociedade, seja com a sua família, vizinhos, amigos, fornecedores, estabelecimentos comerciais ou insti- tuições etc. Você precisa criar a sua rede de contatos e transformá-la em poten- ciais parceiros. Para facilitar seus estudos, vamos trabalhar o conceito de networking e adaptar ao cenário do agronegócio. Networking é a união do termo “net” que significa rede e “working” que significa trabalhando, logo, temos um concei- to bastante similar ao conceito de associativismo que pode se traduzir no termo “ trabalhando em rede”.
  • 23. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 29 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio O networking é uma das ferramentas agregadas ao marketing pessoal que tem ajudado as pessoas no processo de se fazerem conhecer para os públicos de seu interesse. Fazer networking é buscar maneiras de se aproximar de outras pessoas, utilizando as alternativas que estivessem ao seu alcance Construir relacionamentos é algo natural e essencial para a natureza humana, seja por vontade própria ou por necessidade. Mas como se- lecionar os bons contatos que resultarão em parcerias significativas ao negócio rural? A seguir, confira algumas dicas.
  • 24. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 30 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Esteja sempre preparado e com uma boa apresentação pessoal. Tenha seus canais de comunicação sempre à mão. Presenteie e dedique brindes personalizados . Isso faz com que a pessoa se sinta valorizada e se lembre de você posteriormente. Defina metas diárias de contato. Os canais de comunicação (e-mail, redes sociais etc.) ajudam muito nesse sentido! DICAS PARA PARCERIAS FUTURAS. Em uma negociação: 1º) Peça um conselho, isso valoriza a relação que está por acontecer. 2º) Peça uma orientação. 3º) Mostre que conhece o assunto. 4º) Faça uma sugestão. 5º) Promova a aproximação (dê o seu celular, por exemplo). Crie um banco de dados completo, separe por tipos de relacionamento (família, amigos, empresa, imprensa etc.) e o atualize frequentemente. Elabore um objetivo diferente para cada grupo da sua rede. Participe de palestras, confraternizações, reuniões. 01 02 03 04 05 06 07
  • 25. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 31 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Participar de uma associação bem consolidada é uma boa alternativa, pois a associação reúne pessoas de perfis diferentes, mas que têm os mesmos objetivos. Analise as propostas da associação, converse com as pessoas que já fazem parte do grupo e observe as ações sugeridas, assim terá os insumos necessários para avaliar se a associação tem objetivos em comuns com você. Como você viu, o fortalecimento da rede de contatos é um dos fatores que podem viabilizar o trabalho coletivo no meio rural. Se uma comunidade decide constituir uma associação e buscar, a par- tir de seu trabalho coletivo, recursos para investimento em logística, por exemplo, isso favorece o contato com seus clientes, fornecedores e parceiros de negócios, melhorando assim a sua capacidade compe- titiva no mercado. Agora que você estudou sobre como é importante ter uma rede de relacionamentos e fortalecer estas parcerias, siga para a próxima aula e estude conceitos importantes sobre ações coletivas, confira as dicas de como aumentar sua capacidade produtiva por meio delas, e sobre como utilizar e explorar a capacidades de todos em grupo de ação co- letivo. Está preparado? Siga em frente e bons estudos!
  • 26. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 32 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio AulA 3 A RelevÂnciA de AÇÕes cOletivAs Você sabe o que é uma ação coletiva ou já ouviu falar neste termo? Uma ação coletiva é um fenômeno organizado capaz de trazer mudan- ças às estruturas sociais em termos de bem coletivo, por este motivo acabam nos direcionando para a existência de alguma classe ou mo- vimento da sociedade. Portanto, toda ação coletiva possui como principal objetivo a defesa de interesses comuns, elevando do individual ao coletivo. A associação precisa esclarecer aos seus associados sobre a impor- tância da conscientização coletiva. Por isso, é importante que os inte- grantes de um grupo onde se desenvolverá ações coletivas conheçam os objetivos e desenvolvam sensibilidade e consciência para um me- lhor desempenho das ações em grupo.
  • 27. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 33 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Uma ação coletiva pode ser caracterizada a partir da identificação de interesses comuns do grupo. Após esse primeiro momento, as ações devem ser planejadas, de forma consciente e organizada, para que o objetivo definido como benefício para o grupo seja alcançado. A conquista de oportunidades para expressar seus pontosdevista,osdesejos,ascrençaseasexpectativas são resultados da ação coletiva. Como você estudou nos conceitos de rede de contatos da aula ante- rior e na classificação de ações coletivas nesta aula, sempre surgem oportunidades e conquistas em movimentos que tem por premissa a coletividade, porém a coletividade é composta por indivíduos, e cada um possui fraquezas e habilidades específicas. Olá, tudo bem? Aqui na associação da qual faço parte sem- pre conversamos sobre como é importante que o associado esteja aberto e disposto a aprender com as características do grupo e com o conhecimento específico dos demais participantes.
  • 28. Módulo 1 - O Associativismo Rural // 34 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Isso demonstra amadurecimento e atitude cooperativa, pois as pessoas gostam de ser ouvidas e respeitadas. Por isso, quan- do recebemos um novo associado, nós esclarecemos a ele que é sempre possível contribuir com nossas habilidades, assim como aprender e nos beneficiar dos conhe- cimentos e habilidades dos outros. Bom estudo! Paulo. Você chegou ao final do Módulo 1. Neste módulo, você estudou o que é o associativismo e a importância das ações coletivas. Também co- nheceu mais sobre os princípios necessários para parcerias eficientes e o que deve ser feito para uma boa parceria e para reconhecer formas de estabelecer contatos com parceiros. Siga em frente e bom estudo!