SlideShare uma empresa Scribd logo
Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 35
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Associativismo de Interesse Econômico
Você sabia que a busca por ações que objetivem concretizar interes-
ses comuns capazes de promover o desenvolvimento econômico e so-
cial por meio de práticas associativas vem sendo idealizada há muito
tempo?
Por isso, a compreensão do processo de transformação e consolida-
ção das bases locais, descritas pelo associativismo como um conjunto
de iniciativas para o enfrentamento das diferenças e para a promoção
do desenvolvimento local, só é possível por meio de argumentações
críticas sobre o significado e os conceitos que retratam o tema.
Módulo 2
Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 36
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Fonte: Shutterstock
Neste módulo, vamos resgatar as origens do associativismo no Brasil,
os impasses econômicos do sistema associativo e a importância de
participar e interagir. Para isso, você estudará as seguintes aulas:
•	 Aula 1: Associativismo no Brasil
•	 Aula 2: Impasses do associativismo econômico
•	 Aula 3: A importância da participação e da interação
Ao final deste módulo, você será capaz de conhecer a origem do as-
sociativismo no mundo, identificar as premissas do associativismo no
Brasil, avaliar a estrutura e o funcionamento das associações, reco-
nhecer as políticas para expansão do associativismo rural no Brasil,
identificar as dificuldades de ordem legal e as ações de falta de in-
centivo, informações e ausência de líderes, avaliar as vantagens do
associativismo econômico e reconhecer a importância de participar de
entidades de representação.
Siga em frente e bom estudo!
Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 37
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Aula 1
Associativismo no Brasil
Nesta aula, você estudará as premissas do associativismo no Brasil,
estrutura e funcionamento de associações e políticas de expansão do
associativismo no Brasil.
Você sabia que a associação de pessoas começou como uma questão
de sobrevivência?
É isso mesmo! Para sobreviver, o homem se agrupou
em pequenas tribos e, a partir daí, percebeu que ao
fazer as coisas em conjunto conseguia melhores re-
sultados pelos seus esforços.
Desde o início, ainda no tempo das cavernas e da caça, em que ho-
mens e mulheres viveram cerca de trinta mil anos, o associativismo
era a base do desenvolvimento da humanidade. Com a convivência,
a comunicação se expandiu, facilitando a realização de tarefas como
se alimentar, proteger-se do frio e dos ataques de animais selvagens.
As pessoas aprenderam a caçar com armas feitas de pedras, bem
como a dominar o fogo e a cozinhar. A agricultura surgiu da conse-
quente organização do trabalho para cultivar a terra e isso acelerou
muito o desenvolvimento das sociedades.
Bem interessante saber que o associativismo tem ori-
gem nas necessidades mais básicas do ser humano,
não é mesmo?
Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 38
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Quer saber como surgiu esse movimento aqui no Brasil? Então, acom-
panhe a linha do tempo abaixo e conheça alguns marcos do associa-
tivismo no Brasil.
O associativismo no Brasil teve sua origem no
período colonial com a formação de irmandades
religiosas das quais se destacam as Santas Casas
de Misericórdia. Tinha o objetivo de promover
atividades de solidariedade social, como
alimentação aos necessitados, cuidado aos
doentes e abrigo aos viajantes.
Surgem os clubes abolicionistas no Rio de
Janeiro, Ouro Preto e Recife, que são clubes de
participação voluntária que admitiam a adesão de
mulheres e realizavam manifestações públicas
para discussões de conteúdo moral. Seguidos por
associações de ajuda mútua, constituídas por
brasileiros e imigrantes que buscavam a
previdência de seus filiados.
A intensa mobilização de movimentos sociais
dessa época geraram à sociedade civil uma
expressiva característica associativa com o
objetivo de lutar por direitos e cidadania. A partir
desse momento, os movimentos avançam para
um diferente nível de ação associativa.
PERÍODO
COLONIAL
1870
1980
Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 39
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
No início desta aula, você teve a oportunidade de estudar sobre o sur-
gimento do associativismo no mundo e no Brasil. Agora, vamos co-
nhecer sobre a estrutura e o funcionamento das associações no nosso
país.
O termo associação agrega uma série de modelos de organização
que possuem objetivos e finalidades diferentes entre si, mas que se
unem sob essa nomenclatura por possuírem características básicas
semelhantes.
As associações no Brasil estão regulamentadas na Constituição Fe-
deral e no Novo Código Civil. Em ambos, estão descritas as leis que
regem o modelo em nosso país e que embasam sua organização. Em
alguns estados, pode se encontrar legislação específica para atender
uma ou outra especificidade estadual, mas qualquer que seja a legis-
lação deverá estar subordinada às leis federais.
Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 40
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
De modo geral, essas organizações não têm a atividade econômica
como objetivo principal, mas defendem os interesses de um grupo que
encontrou na união de esforços a melhor solução para determinados
problemas da comunidade. Abaixo, conheça a estrutura básica organi-
zacional de uma associação:
Assembleia geral
É o órgão supremo de uma associação que, dentro dos limites
da lei, tomará toda e qualquer decisão de interesse da socieda-
de constituída. É na Assembleia Geral que cada associado, com
igual poder, concretiza seus direitos de igualdade de participa-
ção e de gestão democrática por meio do voto.
Diretoria
Administra a associação e também propõe e executa o plano
anual de atividades que é aprovado em Assembleia Geral. Ela-
bora e apresenta o relatório anual, estabelece valor da mensali-
dade para os sócios contribuintes, relaciona-se com instituições
públicas e privadas em atividades de interesse comum, define
a programação de eventos da Associação, contrata e demite
funcionários e convoca Assembleia Geral.
Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 41
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Conselho fiscal
É o órgão de fiscalização das atividades econômicas e financei-
ras da associação. Tem a missão de zelar pelos interesses da
organização e dos associados por meio da fiscalização periódi-
ca da entidade.
Presidência
Representa a associação ativa e passivamente, judicial e extra-
judicialmente. Deve cumprir e fazer cumprir o estatuto, convocar
e presidir a assembleia geral e das reuniões da diretoria. É seu
papel assinar todos os cheques, ordens de pagamentos e títulos
que representem obrigações financeiras da associação.
Vice-presidente
Seu papel é prestar colaboração à presidência. Em algumas
circunstâncias, deve substituir o presidente em suas faltas ou
impedimentos, podendo ainda assumir a presidência até o fim
do mandato.
Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 42
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Secretário
Suas atividades são secretariar as reuniões da diretoria e As-
sembleia Geral e redigir as atas. Deve também publicar as
notícias das atividades da entidade.
Diretor financeiro
Responsável por todas as atividades e obrigações financeiras
da associação. Arrecada e contabiliza as contribuições dos
associados, rendas, auxílios e donativos, mantendo em dia a
escrituração. É responsável pelo pagamento das contas autori-
zadas pelo presidente e deve apresentar relatórios de receita e
despesas, sempre que forem solicitados.
Agora que já conhece melhor sobre como são estruturadas e como
funcionam as associações, você estudará sobre políticas para expan-
são do associativismo no Brasil.
A elaboração de políticas públicas para atender as necessidades da
sociedade ou parte dela, constitui-se pela demanda de determinadas
classes sociais. O associativismo contempla diversas modalidades de
organização da sociedade civil, tais como: o sindicalismo, o cooperati-
vismo, as organizações não-governamentais, as associações de bair-
ro, os movimentos sociais etc.
Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 43
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Olá, tudo bem?
Você viu como uma associação é importan-
te na defesa dos interesses de uma comu-
nidade?
Aqui na minha região, as pessoas estão
aderindo cada vez mais ao associativismo
rural, pois estão conscientes de que ele é
uma importante estratégia de sustentabili-
dade econômica dos pequenos produtores
rurais.
Nós sabemos que a organização associa-
tiva, dentre outros benefícios, potencializa
a superação das barreiras impostas pelos
capitais comercial, industrial e financeiro
tanto para a compra de insumos quanto
para a comercialização de produtos agro-
pecuários.
E isso pode nos fortalecer cada vez mais
enquanto pequenos produtores!
Até logo e bom estudo!
Paulo.
Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 44
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
O associativismo rural vem gerando debates para os pesquisadores
devido à expressividade adquirida em escala nacional, principalmente
para aqueles pesquisadores que têm se preocupado com a formula-
ção de políticas públicas voltadas ao universo da produção familiar do
campo, na perspectiva do desenvolvimento rural.
Com isso, as associações de produtores rurais foram adquirindo cada
vez mais relevância no espaço rural brasileiro, tanto pela possibilidade
de obtenção de recursos provenientes das políticas públicas quanto
pela necessidade de organizar pautas reivindicatórias perante as ins-
tâncias governamentais.
Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 45
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Exemplo
Na região Centro-Oeste, o associativismo emerge no âmbito do pro-
cesso de incorporação capitalista do cerrado à fronteira de expansão
da agricultura moderna, desencadeado a partir de meados da
década de 1960 com a criação do SNCR (Sistema Nacional de Crédi-
to Rural).
Esse sistema visava acelerar a expansão
da utilização de máquinas, sementes e
insumos químicos provenientes da in-
dústria por meio da concessão do crédito
rural farto e barato aos grandes e médios
produtores rurais dedicados ao cultivo
de produtos agrícolas destinados à expor-
tação.
No Brasil, as políticas públicas de desenvolvimento rural historicamen-
te estão vinculadas ao campo produtivo e voltadas à produção empre-
sarial rural, com capacidade de produção em grande escala, e voltada
ao mercado exterior.
Atualmente, as políticas de desenvolvimento rural têm associado o ter-
ritorial ao setorial na medida em que têm valorizado os saberes e as
Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 46
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
técnicas tradicionais de produção familiar, bem como a implementação
de certificações de qualidade atreladas ao local de origem dos produ-
tos, visando ocupar nichos específicos de mercado em uma sociedade
urbana disposta a pagar mais por produtos originários de seus próprios
países.
Por isso, podemos dizer que a agricultura em nosso
país está altamente apta à construção de característi-
cas e identidade coletiva dentro da produção familiar,
e a prática associativa tem condições de ser a ferra-
menta de alavancagem e sustentação dos grupos.
É possível que os produtores rurais em conjunto desenvolvam novas
alternativas de participação e atuação na sociedade civil organizada,
com capacidade de exercer influência na formação de políticas públi-
cas com o objetivo de desenvolvimento do meio rural.
Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 47
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Aula 2
Impasses do associativismo econômico
Como você estudou nas aulas anteriores, o movimento associativo
busca benefícios ao grupo, porém possui alguns impasses, como difi-
culdades de ordem legal, falta de incentivo, informações e a dificulda-
de das lideranças.
Muitos dos esforços concentrados para consolidar direitos econômi-
cos, sociais e culturais fomentam o associativismo, o cooperativismo,
o empreendedorismo e outras estratégias de inclusão social, produtiva
e cidadã, visando o desenvolvimento sustentável e redução das dife-
renças sociais no Brasil.
Porém, outros fatores de ordem legal, técnica e econô-
mica atuam gerando obstáculos burocráticos, tecnoló-
gicos e onerosos para associações populares.
Em relação a questões legais, embora a liberdade de associação este-
ja prevista em nossa Constituição Federal e no Código Civil como um
direito fundamental do estado democrático, reconhecendo que mulhe-
res e homens podem livremente se associar para a realização de obje-
tivos coletivos diversos, as regras são tão amplas que faz coexistirem,
no mesmo formato de instituição, organizações extremamente diferen-
Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 48
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
ciadas, voltadas para seus associados, hospitais e universidades pri-
vadas, ONGs de defesa de direitos e entidades de assistência social.
Alguns procedimentos le-
gais e administrativos, mui-
tas vezes burocráticos e
onerosos, fazem com que
alguns grupos que se reú-
nem para ações coletivas
tenham dificuldade para
se constituir e instituciona-
lizar e depois para manter
sua estrutura associativa.
Assim, acabam não con-
seguindo representar tão
bem seus interesses.
Outros impasses que podemos considerar no mundo do associativismo
econômico brasileiro em todos os seus segmentos são o despreparo
dos associados para a cooperação e a dificuldade de preenchimento
dos cargos de direção com formação moral e técnica específica para a
administração de organizações associativas, e com conhecimento da
cultura e da doutrina da cooperação.
As organizações associativas e os órgãos apoiadores precisam em-
pregar tempo e recursos exclusivamente voltados para a educação,
formação e informação do associativismo, visando a conscientiza-
Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 49
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
ção dos sócios, dirigentes e funcionários, preparando-os para o asso-
ciativismo e para cooperar.
Aqui entra uma abordagem sobre o 5º princípio do associativismo, que
trata da educação, formação e informação e respalda a importância das
ações que formam e informam a sociedade em prol do associativismo
Conviver e participar de ações associativas não são
tarefas fáceis, pois cada indivíduo pensa de forma di-
ferente e nem sempre concorda com o consenso. Ou-
tra questão é também o desafio da disponibilidade de
assumir lideranças e incorporar as responsabilidades,
tendo consciência do seu papel no bem comum.
Além disso, uma dificuldade dos grupos associativos é o reconheci-
mento da sociedade como um todo, dos apoios locais que nem sempre
têm o conhecimento e o instinto associativo para incentivar e colaborar
com o desenvolvimento e manutenção dessas organizações. Por isso,
a importância de entidades e pessoas envolvidas aplicarem esforços
para a difusão da cultura associativa.
Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 50
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Aula 3
A importância da participação e da interação
Agora que você já teve a oportunidade de conhecer sobre os impasses
do associativismo econômico, vamos estudar sobre as vantagens do
associativismo e a importância da participação e interação no associa-
tivismo econômico.
VANTAGENS DO
ASSOCIATIVISMO
Possibilita o crescimento pessoal
e profissional, uma vez que, se
houver interesse, as habilidades
de uns podem ser aprendidas
pelos outros, ocorrendo troca de
informação entre seus membros.
As pessoas desenvolvem suas
funções como parte de uma
estrutura, cada um com sua
importância no desenvolvimento
de soluções para problemas
inerentes ao seu negócio. Isso
cria um ambiente para discussão
de novas ideias e direcionamento
para as tomadas de decisões.
As entidades de classe, por
exemplo, têm a oportunidade de
desempenhar um importante
papel no desenvolvimento da
região onde atua. Porém, o
reconhecimento de cada uma
dependerá da postura diante dos
desafios da sociedade.
Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 51
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
A diferença básica entre sociedades que obtêm êxito e as que acabam
por encerrar suas atividades, ou insistem em permanecer no conflito, é
o espírito associativo de seus associados, o nível de envolvimento de
cada um em fazer parte dos projetos, em doar e compartilhar o tempo,
o conhecimento, o recurso.
Um dos maiores desafios da sociedade atual é a ma-
nutenção e os resgate de valores, por isso dentro das
comunidades é difícil constituir entidades que estejam
sempre em busca do interesse de seus associados,
com perspectivas de crescimento contribuindo para
melhorar a sociedade.
Por isso, é necessário promover a união e o associativismo como for-
mas de cidadania e dedicação, buscando produzir esforços e novas
estratégias para o desenvolvimento coletivo.
Siga em frente e bom estudo!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAAPRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
INSTITUTO VOZ POPULAR
 
ASSOCIATIVISMO 3
ASSOCIATIVISMO 3ASSOCIATIVISMO 3
ASSOCIATIVISMO 3
Karlla Costa
 
Curso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismoCurso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismo
corevisa
 
Associativismo
AssociativismoAssociativismo
Associativismo
Rafael Maurício
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
Sebastião Nascimento
 
Metodologia participativa no meio rural
Metodologia participativa no meio ruralMetodologia participativa no meio rural
Metodologia participativa no meio rural
Klerysson Santana
 
Palestra cooperativismo ni2011
Palestra cooperativismo ni2011Palestra cooperativismo ni2011
Palestra cooperativismo ni2011
Silvia Regina de Almeida
 
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de CambaráPalestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
Pedro Manoel Rosa Domingues Santos
 
Agricultura familiar iica
Agricultura familiar   iicaAgricultura familiar   iica
Agricultura familiar iica
Universidade Estadual de Santa Cruz
 
Associativismo, Cooperativismo e Autogestão
Associativismo, Cooperativismo e Autogestão Associativismo, Cooperativismo e Autogestão
Associativismo, Cooperativismo e Autogestão
LuizGustavoPereiraGo1
 
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento ruralAula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
Cris Godoy
 
Apostila de associativismo e cooperativismo
Apostila de associativismo e cooperativismoApostila de associativismo e cooperativismo
Apostila de associativismo e cooperativismo
Luiz Oliveira
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
Laís Karla
 
Cooperativismo e Associativismo
Cooperativismo e AssociativismoCooperativismo e Associativismo
Cooperativismo e Associativismo
Peterson Rodrigues
 
Como constituir uma empresa
Como constituir uma empresaComo constituir uma empresa
Como constituir uma empresa
Nyedson Barbosa
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentável
Kelwin Souza
 
Empreendedorismo Social
Empreendedorismo SocialEmpreendedorismo Social
Empreendedorismo Social
Sara Levy
 
Sociologia rural 4
Sociologia rural 4Sociologia rural 4
Sociologia rural 4
Jorge Oscar Miranda
 
Cooperativas Agropecuarias
Cooperativas AgropecuariasCooperativas Agropecuarias
Cooperativas Agropecuarias
cgf1234
 
Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade social
saracfmarques2013
 

Mais procurados (20)

APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAAPRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
 
ASSOCIATIVISMO 3
ASSOCIATIVISMO 3ASSOCIATIVISMO 3
ASSOCIATIVISMO 3
 
Curso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismoCurso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismo
 
Associativismo
AssociativismoAssociativismo
Associativismo
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
 
Metodologia participativa no meio rural
Metodologia participativa no meio ruralMetodologia participativa no meio rural
Metodologia participativa no meio rural
 
Palestra cooperativismo ni2011
Palestra cooperativismo ni2011Palestra cooperativismo ni2011
Palestra cooperativismo ni2011
 
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de CambaráPalestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
Palestra de Associativismo - Comitê Gestor da LGMPE de Cambará
 
Agricultura familiar iica
Agricultura familiar   iicaAgricultura familiar   iica
Agricultura familiar iica
 
Associativismo, Cooperativismo e Autogestão
Associativismo, Cooperativismo e Autogestão Associativismo, Cooperativismo e Autogestão
Associativismo, Cooperativismo e Autogestão
 
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento ruralAula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
 
Apostila de associativismo e cooperativismo
Apostila de associativismo e cooperativismoApostila de associativismo e cooperativismo
Apostila de associativismo e cooperativismo
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
 
Cooperativismo e Associativismo
Cooperativismo e AssociativismoCooperativismo e Associativismo
Cooperativismo e Associativismo
 
Como constituir uma empresa
Como constituir uma empresaComo constituir uma empresa
Como constituir uma empresa
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentável
 
Empreendedorismo Social
Empreendedorismo SocialEmpreendedorismo Social
Empreendedorismo Social
 
Sociologia rural 4
Sociologia rural 4Sociologia rural 4
Sociologia rural 4
 
Cooperativas Agropecuarias
Cooperativas AgropecuariasCooperativas Agropecuarias
Cooperativas Agropecuarias
 
Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade social
 

Semelhante a CURSO ASSOCIATIVISMO 2

COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...
COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...
COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...
Jazon Pereira
 
ASSOCATIVISMO 5
ASSOCATIVISMO 5ASSOCATIVISMO 5
ASSOCATIVISMO 5
Karlla Costa
 
153 -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
153  -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212153  -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
153 -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
Edvaldo Magalhães Magalhães
 
ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4
Karlla Costa
 
Ppt projetos sociais aspectos basicos) ufc 2102 ultim versão
Ppt projetos sociais aspectos basicos) ufc 2102 ultim versãoPpt projetos sociais aspectos basicos) ufc 2102 ultim versão
Ppt projetos sociais aspectos basicos) ufc 2102 ultim versão
Magali Kleber
 
aula-22.pptx
aula-22.pptxaula-22.pptx
aula-22.pptx
Nayane Souza
 
GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR
GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR
GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR
Rosane Domingues
 
GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR
GLOSSÁRIO  DO  TERCEIRO  SETOR GLOSSÁRIO  DO  TERCEIRO  SETOR
GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR
Rosane Domingues
 
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdf
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdfAssociativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdf
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdf
andersonwebler1
 
Aula Terceiro Setor no Brasil
Aula Terceiro Setor no BrasilAula Terceiro Setor no Brasil
Aula Terceiro Setor no Brasil
Cleide Magáli dos Santos
 
Multidisciplinar oasspjxxii
Multidisciplinar   oasspjxxiiMultidisciplinar   oasspjxxii
Multidisciplinar oasspjxxii
Alif Souza
 
Tratado de sintonia
Tratado de sintoniaTratado de sintonia
Tratado de sintonia
Ariel Pascke
 
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Ariel Pascke
 
Tratado De Sintonia
Tratado De  SintoniaTratado De  Sintonia
Tratado De Sintonia
Ariel Pascke
 
Resuminho livro o que é o cooperativismo
Resuminho livro o que é o cooperativismoResuminho livro o que é o cooperativismo
Resuminho livro o que é o cooperativismo
Rafael Farias
 
Informativo sicredijustica junho_2011
Informativo sicredijustica junho_2011Informativo sicredijustica junho_2011
Informativo sicredijustica junho_2011
Vai Totó
 
Manual para criar_uma_ong
Manual para criar_uma_ongManual para criar_uma_ong
Manual para criar_uma_ong
Edvaldo TJ
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
Karlla Costa
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
Jazon Pereira
 
Economia solidária laura e andressa
Economia solidária  laura e andressaEconomia solidária  laura e andressa
Economia solidária laura e andressa
Lau_Schmitt
 

Semelhante a CURSO ASSOCIATIVISMO 2 (20)

COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...
COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...
COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...
 
ASSOCATIVISMO 5
ASSOCATIVISMO 5ASSOCATIVISMO 5
ASSOCATIVISMO 5
 
153 -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
153  -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212153  -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
153 -associacoes_rurais_0_0.21228900 1514989212
 
ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4
 
Ppt projetos sociais aspectos basicos) ufc 2102 ultim versão
Ppt projetos sociais aspectos basicos) ufc 2102 ultim versãoPpt projetos sociais aspectos basicos) ufc 2102 ultim versão
Ppt projetos sociais aspectos basicos) ufc 2102 ultim versão
 
aula-22.pptx
aula-22.pptxaula-22.pptx
aula-22.pptx
 
GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR
GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR
GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR
 
GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR
GLOSSÁRIO  DO  TERCEIRO  SETOR GLOSSÁRIO  DO  TERCEIRO  SETOR
GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR
 
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdf
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdfAssociativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdf
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdf
 
Aula Terceiro Setor no Brasil
Aula Terceiro Setor no BrasilAula Terceiro Setor no Brasil
Aula Terceiro Setor no Brasil
 
Multidisciplinar oasspjxxii
Multidisciplinar   oasspjxxiiMultidisciplinar   oasspjxxii
Multidisciplinar oasspjxxii
 
Tratado de sintonia
Tratado de sintoniaTratado de sintonia
Tratado de sintonia
 
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
Tratado De Sintonia Dojo(Editado)
 
Tratado De Sintonia
Tratado De  SintoniaTratado De  Sintonia
Tratado De Sintonia
 
Resuminho livro o que é o cooperativismo
Resuminho livro o que é o cooperativismoResuminho livro o que é o cooperativismo
Resuminho livro o que é o cooperativismo
 
Informativo sicredijustica junho_2011
Informativo sicredijustica junho_2011Informativo sicredijustica junho_2011
Informativo sicredijustica junho_2011
 
Manual para criar_uma_ong
Manual para criar_uma_ongManual para criar_uma_ong
Manual para criar_uma_ong
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
 
Economia solidária laura e andressa
Economia solidária  laura e andressaEconomia solidária  laura e andressa
Economia solidária laura e andressa
 

Mais de Karlla Costa

Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedinCertificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Karlla Costa
 
Trabalho Remoto
Trabalho RemotoTrabalho Remoto
Trabalho Remoto
Karlla Costa
 
FACILITADORES DA APRENDIZAGEM
FACILITADORES DA APRENDIZAGEMFACILITADORES DA APRENDIZAGEM
FACILITADORES DA APRENDIZAGEM
Karlla Costa
 
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO  DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
Karlla Costa
 
PAA
PAAPAA
MROC
MROCMROC
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAISFORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
Karlla Costa
 
Certificadoempreendedorismonaep
CertificadoempreendedorismonaepCertificadoempreendedorismonaep
Certificadoempreendedorismonaep
Karlla Costa
 
Turismo e-hotelaria
Turismo e-hotelariaTurismo e-hotelaria
Turismo e-hotelaria
Karlla Costa
 
Agroturismo
AgroturismoAgroturismo
Agroturismo
Karlla Costa
 
ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 6
Agricultura de precisao modulo 6Agricultura de precisao modulo 6
Agricultura de precisao modulo 6
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1
Karlla Costa
 
Plano ambiental de una
Plano ambiental de unaPlano ambiental de una
Plano ambiental de una
Karlla Costa
 
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digital
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digitalMaterial aula 01-semana-da-influenciado-a-digital
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digital
Karlla Costa
 
Guia definitivo para dashboards perfeitos
Guia definitivo para dashboards perfeitosGuia definitivo para dashboards perfeitos
Guia definitivo para dashboards perfeitos
Karlla Costa
 

Mais de Karlla Costa (20)

Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedinCertificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
 
Trabalho Remoto
Trabalho RemotoTrabalho Remoto
Trabalho Remoto
 
FACILITADORES DA APRENDIZAGEM
FACILITADORES DA APRENDIZAGEMFACILITADORES DA APRENDIZAGEM
FACILITADORES DA APRENDIZAGEM
 
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO  DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
 
PAA
PAAPAA
PAA
 
MROC
MROCMROC
MROC
 
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAISFORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
 
Certificadoempreendedorismonaep
CertificadoempreendedorismonaepCertificadoempreendedorismonaep
Certificadoempreendedorismonaep
 
Turismo e-hotelaria
Turismo e-hotelariaTurismo e-hotelaria
Turismo e-hotelaria
 
Agroturismo
AgroturismoAgroturismo
Agroturismo
 
ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5
 
Agricultura de precisao modulo 6
Agricultura de precisao modulo 6Agricultura de precisao modulo 6
Agricultura de precisao modulo 6
 
Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5
 
Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4
 
Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3
 
Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2
 
Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1
 
Plano ambiental de una
Plano ambiental de unaPlano ambiental de una
Plano ambiental de una
 
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digital
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digitalMaterial aula 01-semana-da-influenciado-a-digital
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digital
 
Guia definitivo para dashboards perfeitos
Guia definitivo para dashboards perfeitosGuia definitivo para dashboards perfeitos
Guia definitivo para dashboards perfeitos
 

CURSO ASSOCIATIVISMO 2

  • 1. Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 35 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Associativismo de Interesse Econômico Você sabia que a busca por ações que objetivem concretizar interes- ses comuns capazes de promover o desenvolvimento econômico e so- cial por meio de práticas associativas vem sendo idealizada há muito tempo? Por isso, a compreensão do processo de transformação e consolida- ção das bases locais, descritas pelo associativismo como um conjunto de iniciativas para o enfrentamento das diferenças e para a promoção do desenvolvimento local, só é possível por meio de argumentações críticas sobre o significado e os conceitos que retratam o tema. Módulo 2
  • 2. Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 36 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Fonte: Shutterstock Neste módulo, vamos resgatar as origens do associativismo no Brasil, os impasses econômicos do sistema associativo e a importância de participar e interagir. Para isso, você estudará as seguintes aulas: • Aula 1: Associativismo no Brasil • Aula 2: Impasses do associativismo econômico • Aula 3: A importância da participação e da interação Ao final deste módulo, você será capaz de conhecer a origem do as- sociativismo no mundo, identificar as premissas do associativismo no Brasil, avaliar a estrutura e o funcionamento das associações, reco- nhecer as políticas para expansão do associativismo rural no Brasil, identificar as dificuldades de ordem legal e as ações de falta de in- centivo, informações e ausência de líderes, avaliar as vantagens do associativismo econômico e reconhecer a importância de participar de entidades de representação. Siga em frente e bom estudo!
  • 3. Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 37 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Aula 1 Associativismo no Brasil Nesta aula, você estudará as premissas do associativismo no Brasil, estrutura e funcionamento de associações e políticas de expansão do associativismo no Brasil. Você sabia que a associação de pessoas começou como uma questão de sobrevivência? É isso mesmo! Para sobreviver, o homem se agrupou em pequenas tribos e, a partir daí, percebeu que ao fazer as coisas em conjunto conseguia melhores re- sultados pelos seus esforços. Desde o início, ainda no tempo das cavernas e da caça, em que ho- mens e mulheres viveram cerca de trinta mil anos, o associativismo era a base do desenvolvimento da humanidade. Com a convivência, a comunicação se expandiu, facilitando a realização de tarefas como se alimentar, proteger-se do frio e dos ataques de animais selvagens. As pessoas aprenderam a caçar com armas feitas de pedras, bem como a dominar o fogo e a cozinhar. A agricultura surgiu da conse- quente organização do trabalho para cultivar a terra e isso acelerou muito o desenvolvimento das sociedades. Bem interessante saber que o associativismo tem ori- gem nas necessidades mais básicas do ser humano, não é mesmo?
  • 4. Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 38 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Quer saber como surgiu esse movimento aqui no Brasil? Então, acom- panhe a linha do tempo abaixo e conheça alguns marcos do associa- tivismo no Brasil. O associativismo no Brasil teve sua origem no período colonial com a formação de irmandades religiosas das quais se destacam as Santas Casas de Misericórdia. Tinha o objetivo de promover atividades de solidariedade social, como alimentação aos necessitados, cuidado aos doentes e abrigo aos viajantes. Surgem os clubes abolicionistas no Rio de Janeiro, Ouro Preto e Recife, que são clubes de participação voluntária que admitiam a adesão de mulheres e realizavam manifestações públicas para discussões de conteúdo moral. Seguidos por associações de ajuda mútua, constituídas por brasileiros e imigrantes que buscavam a previdência de seus filiados. A intensa mobilização de movimentos sociais dessa época geraram à sociedade civil uma expressiva característica associativa com o objetivo de lutar por direitos e cidadania. A partir desse momento, os movimentos avançam para um diferente nível de ação associativa. PERÍODO COLONIAL 1870 1980
  • 5. Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 39 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio No início desta aula, você teve a oportunidade de estudar sobre o sur- gimento do associativismo no mundo e no Brasil. Agora, vamos co- nhecer sobre a estrutura e o funcionamento das associações no nosso país. O termo associação agrega uma série de modelos de organização que possuem objetivos e finalidades diferentes entre si, mas que se unem sob essa nomenclatura por possuírem características básicas semelhantes. As associações no Brasil estão regulamentadas na Constituição Fe- deral e no Novo Código Civil. Em ambos, estão descritas as leis que regem o modelo em nosso país e que embasam sua organização. Em alguns estados, pode se encontrar legislação específica para atender uma ou outra especificidade estadual, mas qualquer que seja a legis- lação deverá estar subordinada às leis federais.
  • 6. Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 40 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio De modo geral, essas organizações não têm a atividade econômica como objetivo principal, mas defendem os interesses de um grupo que encontrou na união de esforços a melhor solução para determinados problemas da comunidade. Abaixo, conheça a estrutura básica organi- zacional de uma associação: Assembleia geral É o órgão supremo de uma associação que, dentro dos limites da lei, tomará toda e qualquer decisão de interesse da socieda- de constituída. É na Assembleia Geral que cada associado, com igual poder, concretiza seus direitos de igualdade de participa- ção e de gestão democrática por meio do voto. Diretoria Administra a associação e também propõe e executa o plano anual de atividades que é aprovado em Assembleia Geral. Ela- bora e apresenta o relatório anual, estabelece valor da mensali- dade para os sócios contribuintes, relaciona-se com instituições públicas e privadas em atividades de interesse comum, define a programação de eventos da Associação, contrata e demite funcionários e convoca Assembleia Geral.
  • 7. Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 41 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Conselho fiscal É o órgão de fiscalização das atividades econômicas e financei- ras da associação. Tem a missão de zelar pelos interesses da organização e dos associados por meio da fiscalização periódi- ca da entidade. Presidência Representa a associação ativa e passivamente, judicial e extra- judicialmente. Deve cumprir e fazer cumprir o estatuto, convocar e presidir a assembleia geral e das reuniões da diretoria. É seu papel assinar todos os cheques, ordens de pagamentos e títulos que representem obrigações financeiras da associação. Vice-presidente Seu papel é prestar colaboração à presidência. Em algumas circunstâncias, deve substituir o presidente em suas faltas ou impedimentos, podendo ainda assumir a presidência até o fim do mandato.
  • 8. Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 42 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Secretário Suas atividades são secretariar as reuniões da diretoria e As- sembleia Geral e redigir as atas. Deve também publicar as notícias das atividades da entidade. Diretor financeiro Responsável por todas as atividades e obrigações financeiras da associação. Arrecada e contabiliza as contribuições dos associados, rendas, auxílios e donativos, mantendo em dia a escrituração. É responsável pelo pagamento das contas autori- zadas pelo presidente e deve apresentar relatórios de receita e despesas, sempre que forem solicitados. Agora que já conhece melhor sobre como são estruturadas e como funcionam as associações, você estudará sobre políticas para expan- são do associativismo no Brasil. A elaboração de políticas públicas para atender as necessidades da sociedade ou parte dela, constitui-se pela demanda de determinadas classes sociais. O associativismo contempla diversas modalidades de organização da sociedade civil, tais como: o sindicalismo, o cooperati- vismo, as organizações não-governamentais, as associações de bair- ro, os movimentos sociais etc.
  • 9. Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 43 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Olá, tudo bem? Você viu como uma associação é importan- te na defesa dos interesses de uma comu- nidade? Aqui na minha região, as pessoas estão aderindo cada vez mais ao associativismo rural, pois estão conscientes de que ele é uma importante estratégia de sustentabili- dade econômica dos pequenos produtores rurais. Nós sabemos que a organização associa- tiva, dentre outros benefícios, potencializa a superação das barreiras impostas pelos capitais comercial, industrial e financeiro tanto para a compra de insumos quanto para a comercialização de produtos agro- pecuários. E isso pode nos fortalecer cada vez mais enquanto pequenos produtores! Até logo e bom estudo! Paulo.
  • 10. Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 44 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio O associativismo rural vem gerando debates para os pesquisadores devido à expressividade adquirida em escala nacional, principalmente para aqueles pesquisadores que têm se preocupado com a formula- ção de políticas públicas voltadas ao universo da produção familiar do campo, na perspectiva do desenvolvimento rural. Com isso, as associações de produtores rurais foram adquirindo cada vez mais relevância no espaço rural brasileiro, tanto pela possibilidade de obtenção de recursos provenientes das políticas públicas quanto pela necessidade de organizar pautas reivindicatórias perante as ins- tâncias governamentais.
  • 11. Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 45 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Exemplo Na região Centro-Oeste, o associativismo emerge no âmbito do pro- cesso de incorporação capitalista do cerrado à fronteira de expansão da agricultura moderna, desencadeado a partir de meados da década de 1960 com a criação do SNCR (Sistema Nacional de Crédi- to Rural). Esse sistema visava acelerar a expansão da utilização de máquinas, sementes e insumos químicos provenientes da in- dústria por meio da concessão do crédito rural farto e barato aos grandes e médios produtores rurais dedicados ao cultivo de produtos agrícolas destinados à expor- tação. No Brasil, as políticas públicas de desenvolvimento rural historicamen- te estão vinculadas ao campo produtivo e voltadas à produção empre- sarial rural, com capacidade de produção em grande escala, e voltada ao mercado exterior. Atualmente, as políticas de desenvolvimento rural têm associado o ter- ritorial ao setorial na medida em que têm valorizado os saberes e as
  • 12. Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 46 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio técnicas tradicionais de produção familiar, bem como a implementação de certificações de qualidade atreladas ao local de origem dos produ- tos, visando ocupar nichos específicos de mercado em uma sociedade urbana disposta a pagar mais por produtos originários de seus próprios países. Por isso, podemos dizer que a agricultura em nosso país está altamente apta à construção de característi- cas e identidade coletiva dentro da produção familiar, e a prática associativa tem condições de ser a ferra- menta de alavancagem e sustentação dos grupos. É possível que os produtores rurais em conjunto desenvolvam novas alternativas de participação e atuação na sociedade civil organizada, com capacidade de exercer influência na formação de políticas públi- cas com o objetivo de desenvolvimento do meio rural.
  • 13. Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 47 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Aula 2 Impasses do associativismo econômico Como você estudou nas aulas anteriores, o movimento associativo busca benefícios ao grupo, porém possui alguns impasses, como difi- culdades de ordem legal, falta de incentivo, informações e a dificulda- de das lideranças. Muitos dos esforços concentrados para consolidar direitos econômi- cos, sociais e culturais fomentam o associativismo, o cooperativismo, o empreendedorismo e outras estratégias de inclusão social, produtiva e cidadã, visando o desenvolvimento sustentável e redução das dife- renças sociais no Brasil. Porém, outros fatores de ordem legal, técnica e econô- mica atuam gerando obstáculos burocráticos, tecnoló- gicos e onerosos para associações populares. Em relação a questões legais, embora a liberdade de associação este- ja prevista em nossa Constituição Federal e no Código Civil como um direito fundamental do estado democrático, reconhecendo que mulhe- res e homens podem livremente se associar para a realização de obje- tivos coletivos diversos, as regras são tão amplas que faz coexistirem, no mesmo formato de instituição, organizações extremamente diferen-
  • 14. Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 48 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio ciadas, voltadas para seus associados, hospitais e universidades pri- vadas, ONGs de defesa de direitos e entidades de assistência social. Alguns procedimentos le- gais e administrativos, mui- tas vezes burocráticos e onerosos, fazem com que alguns grupos que se reú- nem para ações coletivas tenham dificuldade para se constituir e instituciona- lizar e depois para manter sua estrutura associativa. Assim, acabam não con- seguindo representar tão bem seus interesses. Outros impasses que podemos considerar no mundo do associativismo econômico brasileiro em todos os seus segmentos são o despreparo dos associados para a cooperação e a dificuldade de preenchimento dos cargos de direção com formação moral e técnica específica para a administração de organizações associativas, e com conhecimento da cultura e da doutrina da cooperação. As organizações associativas e os órgãos apoiadores precisam em- pregar tempo e recursos exclusivamente voltados para a educação, formação e informação do associativismo, visando a conscientiza-
  • 15. Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 49 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio ção dos sócios, dirigentes e funcionários, preparando-os para o asso- ciativismo e para cooperar. Aqui entra uma abordagem sobre o 5º princípio do associativismo, que trata da educação, formação e informação e respalda a importância das ações que formam e informam a sociedade em prol do associativismo Conviver e participar de ações associativas não são tarefas fáceis, pois cada indivíduo pensa de forma di- ferente e nem sempre concorda com o consenso. Ou- tra questão é também o desafio da disponibilidade de assumir lideranças e incorporar as responsabilidades, tendo consciência do seu papel no bem comum. Além disso, uma dificuldade dos grupos associativos é o reconheci- mento da sociedade como um todo, dos apoios locais que nem sempre têm o conhecimento e o instinto associativo para incentivar e colaborar com o desenvolvimento e manutenção dessas organizações. Por isso, a importância de entidades e pessoas envolvidas aplicarem esforços para a difusão da cultura associativa.
  • 16. Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 50 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Aula 3 A importância da participação e da interação Agora que você já teve a oportunidade de conhecer sobre os impasses do associativismo econômico, vamos estudar sobre as vantagens do associativismo e a importância da participação e interação no associa- tivismo econômico. VANTAGENS DO ASSOCIATIVISMO Possibilita o crescimento pessoal e profissional, uma vez que, se houver interesse, as habilidades de uns podem ser aprendidas pelos outros, ocorrendo troca de informação entre seus membros. As pessoas desenvolvem suas funções como parte de uma estrutura, cada um com sua importância no desenvolvimento de soluções para problemas inerentes ao seu negócio. Isso cria um ambiente para discussão de novas ideias e direcionamento para as tomadas de decisões. As entidades de classe, por exemplo, têm a oportunidade de desempenhar um importante papel no desenvolvimento da região onde atua. Porém, o reconhecimento de cada uma dependerá da postura diante dos desafios da sociedade.
  • 17. Módulo 2 - Associativismo de Interesse Econômico // 51 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio A diferença básica entre sociedades que obtêm êxito e as que acabam por encerrar suas atividades, ou insistem em permanecer no conflito, é o espírito associativo de seus associados, o nível de envolvimento de cada um em fazer parte dos projetos, em doar e compartilhar o tempo, o conhecimento, o recurso. Um dos maiores desafios da sociedade atual é a ma- nutenção e os resgate de valores, por isso dentro das comunidades é difícil constituir entidades que estejam sempre em busca do interesse de seus associados, com perspectivas de crescimento contribuindo para melhorar a sociedade. Por isso, é necessário promover a união e o associativismo como for- mas de cidadania e dedicação, buscando produzir esforços e novas estratégias para o desenvolvimento coletivo. Siga em frente e bom estudo!