SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Apoio:
Uma cooperativa de crédito nada mais é do que uma
instituição financeira formada por uma sociedade de pessoas,
com forma jurídica própria, de natureza civil, sem fins lucrativos e
não sujeita à falência.
Quando um grupo de pessoas constitui uma cooperativa
de crédito, o objetivo é propiciar crédito e prestar serviços de
modo mais simples e vantajoso para seus associados (por
exemplo: emprestar dinheiro com juros bem menores e com
menos exigências do que os bancos).
O QUE É UMA COOPERATIVA?
As primeiras cooperativas de que se tem notícia surgiram
na França e na Inglaterra, entre 1820 e 1840.
No início, além de suas funções econômicas, a
cooperativa desempenhava o papel de sociedade beneficente, de
sindicato e até de universidade popular.
Foi a partir do fim do século XIX que o movimento
cooperativista envolveu novos setores, como agricultura,
comércio varejista, pesca, construção e habitação.
ORIGEM DO COOPERATIVISMO DE
CRÉDITO
No Brasil, o cooperativismo surgiu no começo do
século XX, com ações, principalmente, em São Paulo e no Rio
Grande do Sul.
Foi em 1902, na pequena localidade de Linha Imperial,
município de Nova Petrópolis, Rio Grande do Sul, que surgiu
a primeira cooperativa de crédito da América Latina, criada
pelo padre suíço Theodor Amstadt.
ORIGEM DO COOPERATIVISMO DE
CRÉDITO
Estabelecer instrumentos que possibilitem o acesso ao
crédito e a outros produtos financeiros pelos associados.
Despertar no associado o sentido de poupança.
Conceder empréstimos a juros abaixo do mercado.
OBJETIVOS E VANTAGENS DO
COOPERATIVISMO DE CRÉDITO
Promover maior integração entre os empregados de
uma mesma empresa, entre profissionais de uma mesma
categoria e entre micro e pequenos empresários,
desenvolvendo espírito de grupo, solidariedade e ajuda
mútua.
OBJETIVOS E VANTAGENS DO
COOPERATIVISMO DE CRÉDITO
A cooperativa pode ser dirigida e controlada pelos próprios
associados.
O associado pode participar do planejamento da
cooperativa.
Retenção e aplicação dos recursos de poupança e renda no
próprio município, contribuindo com o desenvolvimento local.
VANTAGENS DE UMA COOPERATIVA DE
CRÉDITO
Acesso de pequenos empreendedores ao crédito, poupança
e outros serviços bancários.
As operações bancárias de pequeno porte podem constituir-
se como objeto das cooperativas de crédito, enquanto que, nos
bancos convencionais, não estão entre seus principais objetivos.
Menor custo operacional em relação aos bancos.
VANTAGENS DE UMA COOPERATIVA DE
CRÉDITO
Crédito imediato e adequado às condições dos associados
(valor, carência, amortização etc.).
Atendimento personalizado.
Facilidade na abertura de contas.
VANTAGENS DE UMA COOPERATIVA DE
CRÉDITO
Oportunidade de maior rendimento nas aplicações
financeiras.
Possibilidade dos associados se beneficiarem da
distribuição de sobras ou excedentes.
No caso dos bancos, por exemplo, esses excedentes
vão para seus acionistas como lucro.
VANTAGENS DE UMA COOPERATIVA DE
CRÉDITO
MAPA DAS COOPERATIVAS DE
CRÉDITO NO BRASIL
PRINCIPAIS COOPERATIVAS DE
CRÉDITO NO BRASIL
Fonte: https://www.cecred.coop.br/cooperativismo/como-constituir-uma-cooperativa/como-constituir-uma-
O QUE É UMA COOPERATIVA?
Criou-se o Fórum Nacional de Cooperativas de
Economia Familiar e Solidária, onde as centrais, as
cooperativas de crédito e as instituições parceiras passaram a
se reunir em seminários, intercâmbios e outros eventos,
elaborando reivindicações que eram focadas nos órgãos
governamentais e reguladoras, pensando políticas públicas que
viessem ao encontro das cooperativas, bem como um novo
formato legal que proporcionaria uma expansão maior dos
sistemas cooperativos.
FONTE: http://www.ancosol.org.br/sobre.php
COOPERATIVAS DE CRÉDITO DE
ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL
As várias discussões levaram à criação, em junho de
2004, da Ancosol - Associação Nacional do Cooperativismo
de Crédito de Economia Familiar e Solidária, como forma de
ampliar os poderes políticos e jurídicos, objetivando
contribuir para a dinamização socioeconômica dos
agricultores familiares, no combate à pobreza, à
desigualdade social, propondo qualidade de vida e
alternativas econômicas.
FONTE: http://www.ancosol.org.br/sobre.php
COOPERATIVAS DE CRÉDITO DE
ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL
A Ancosol, primeira entidade nacional do segmento
cooperativo do país no campo das finanças solidárias, tem a
missão de articular, integrar e representar as seis experiências
cooperativistas atuais de seu quadro social, compostas de
sistemas e cooperativas de crédito de economia familiar e
solidária no Brasil, identificadas por processos de
desenvolvimento local sustentável.
FONTE: http://www.ancosol.org.br/sobre.php
COOPERATIVAS DE CRÉDITO DE
ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL
Orientada por princípios solidários, a
ANCOSOL se pauta na ética, na pluralidade, na
transparência, na intercooperação, na economia de
proximidade e ainda pelo respeito e valorização dos
direitos humanos, da cidadania, da democracia e da
promoção da paz.
FONTE: http://www.ancosol.org.br/sobre.php
COOPERATIVAS DE CRÉDITO DE
ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL
MAPA DAS COOPERATIVAS DE CRÉDITO DE
ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL
•O que é uma cooperativa de crédito
•Quem pode participar de cooperativas de crédito
•Vantagens de uma cooperativa de crédito
•Talão de cheque
•Empréstimo
•Vínculo empregatício
•Pessoa jurídica
•Entes públicos
•Base normativa
•Outras informações
Cooperativas de Crédito
BANCO CENTRAL DO BRASIL
A cooperativa de crédito é uma instituição financeira formada por
uma associação autônoma de pessoas unidas voluntariamente, com
forma e natureza jurídica próprias, de natureza civil, sem fins lucrativos,
constituída para prestar serviços a seus associados.
O objetivo da constituição de uma cooperativa de crédito é
prestar serviços financeiros de modo mais simples e vantajoso aos seus
associados, possibilitando o acesso ao crédito e outros produtos
financeiros (aplicações, investimentos, empréstimos, financiamentos,
recebimento de contas, seguros, etc.).
1. O QUE É UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?
Não. As cooperativas também podem ser formadas por
pessoas de uma determinada profissão ou atividade;
agricultores; pequenos e microempresários e
microempreendedores.
Além disso, existem cooperativas de crédito de livre
admissão de associados, nas quais coexistem grupos de
associados de diversas origens e atividades econômicas.
2. AS COOPERATIVAS DE CRÉDITO PODEM SER
FORMADAS POR EMPREGADOS DE EMPRESAS?
AS VANTAGENS SÃO:
•a cooperativa pode ser dirigida e controlada pelos próprios
associados;
•a assembleia de associados é quem decide sobre o planejamento
operacional da cooperativa;
•a aplicação dos recursos de poupança é direcionada aos
cooperados, contribuindo para o desenvolvimento do grupo e,
também, para o desenvolvimento social do ambiente onde vivem;
3. QUAIS AS VANTAGENS DA CONSTITUIÇÃO
DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?
•o atendimento é personalizado;
•o crédito pode ser concedido em prazos e condições mais
adequados às características dos associados;
•os associados podem se beneficiar com o retorno de
eventuais sobras ou excedentes.
3. QUAIS AS VANTAGENS DA CONSTITUIÇÃO DE
UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?
Sim.
O fornecimento de até dez folhas de cheques por mês é considerado
serviço essencial a pessoas naturais que mantenham conta de depósito à
vista na instituição e pode ser oferecido, desde que o correntista reúna os
requisitos necessários à utilização de cheques, de acordo com a
regulamentação em vigor e as condições pactuadas.
Conforme estabelece a Resolução CMN 3.919, de 2010, a instituição não
poderá cobrar tarifas pela prestação desse serviço.
4. A COOPERATIVA DE CRÉDITO PODE
FORNECER TALÃO DE CHEQUE?
Sim.
As cooperativas de crédito podem oferecer praticamente
todos os serviços e produtos financeiros disponibilizados
pelos bancos, desde que os clientes sejam seus
associados. Para ser associado é necessária a
integralização de uma cota do capital da cooperativa.
5. POSSO OBTER UM EMPRÉSTIMO EM
UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?
Não, se ele for associado de uma cooperativa que
congregue somente funcionários de uma empresa ou grupo de
empresas.
Caso seja associado de uma cooperativa cujo vínculo
não seja o empregador ou de uma cooperativa de livre
admissão, não há necessidade de se desligar da cooperativa.
6. UM ASSOCIADO DE COOPERATIVA DE CRÉDITO
QUE PERDEU O VÍCULO EMPREGATÍCIO PODE
PERMANECER NA COOPERATIVA?
A Lei 5.764, de 1971, em seu artigo 35 exige a exclusão de
associados que deixem de atender aos requisitos estatutários de ingresso
ou permanência na cooperativa. Assim, a administração da cooperativa
está obrigada a providenciar a sua exclusão, nos termos legais.
Adicionalmente, de acordo com o inciso III do artigo 21 da
referida Lei, deve constar no estatuto social da cooperativa a forma de
devolução do capital ao associado que se desliga.
6. UM ASSOCIADO DE COOPERATIVA DE CRÉDITO
QUE PERDEU O VÍCULO EMPREGATÍCIO PODE
PERMANECER NA COOPERATIVA?
Sim.
As pessoas jurídicas podem figurar como associadas nas
cooperativas de crédito, desde que sejam observadas as
regras de admissão específicas para cada tipo de cooperativa,
com relação à origem e atividade econômica.
7. UMA PESSOA JURÍDICA PODE PARTICIPAR
DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?
Não.
Conforme determina o artigo 4º, parágrafo único, da Lei
Complementar 130, de 2009, não serão admitidos no quadro social
da sociedade cooperativa de crédito a União, os Estados, o Distrito
Federal e os Municípios bem como suas respectivas autarquias,
fundações e empresas estatais dependentes.
8. AS COOPERATIVAS DE CRÉDITO PODEM
ADMITIR ENTES PÚBLICOS COOPERADOS?
•Lei 4.595, de 1964
•Lei 5.764, de 1971
•Lei Complementar 130, de 2009
•Resolução CMN 3.859, de 2010
•Circular 3.502, de 2010
- Outras informações:
•"Cooperativas de Crédito - História da evolução normativa no Brasil"
•"Microfinanças - O Papel do BCB e a Importância do Cooperativismo
de Crédito"
Atendimento: 0800 979 2345 | Deficiente auditivo/fala: 0800 642 2345 | Fale conosco | Ajuda
Política de privacidade | Política de acessibilidade | © Banco Central do Brasil - Todos os direitos reservados
Fonte: http://www.bcb.gov.br/?COOPERATIVASFAQ
BASES NORMATIVAS
CENTRO POPULAR DE CULTURA E COMUNICAÇÃO
Site: http://www.cpcc.webnode.com.br
Email: cpcc.org.br@gmail.com
Fones: (83) 9 8886-6277 (83) 9 8854-8148
SITE DA SICRED. Disponível em: <http://www.sicredi.com.br/>. Acesso em: 17-06-2014.
BLOG DA UNICRED MOSSORÓ. Disponível em:
<http://unicredmossoro.blogspot.com.br/2010_04_01_archive.html>. Acesso em: 17-06-2014
SITE DA ASCOOB. Disponível em: <http://www.ascoob.org.br/index.php>. Acesso em: 17-06-
2014.
SITE DA ANCOSOL. Disponível em: <http://www.ancosol.org.br/associados.php>. Acesso em:
17-06-2014.
SITE DO BANCO CENTRAL DO BRASIL. Disponível em:
<http://www.bcb.gov.br/?COOPERATIVASFAQ>. Acesso em: 17-06-2014.
SITE COOPERATIVISMO DE CRÉDITO. Disponível em:
<http://cooperativismodecredito.coop.br/cenario-brasileiro/confesol/>. Acesso em: 17-06-2014.
REFERÊNCIAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CONTAS A PAGAR E RECEBER
CONTAS A PAGAR E RECEBERCONTAS A PAGAR E RECEBER
CONTAS A PAGAR E RECEBEREdno Santos
 
Aula 4 Prof Júlia
Aula 4 Prof JúliaAula 4 Prof Júlia
Aula 4 Prof JúliaMatheus Yuri
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosJaqueline Almeida
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSGhiordanno Bruno
 
Atençao a saude da pessoa idosa e envelhecimento
Atençao a saude da pessoa idosa e envelhecimentoAtençao a saude da pessoa idosa e envelhecimento
Atençao a saude da pessoa idosa e envelhecimentoCentro Universitário Ages
 
Posicionamentos e transferências
Posicionamentos e transferênciasPosicionamentos e transferências
Posicionamentos e transferênciaseccifafe
 
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociaisO papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociaisAlinebrauna Brauna
 
Caderno de exercícios dp testes departamento pessoal - adicionais mai-16
Caderno  de  exercícios  dp   testes departamento pessoal - adicionais mai-16Caderno  de  exercícios  dp   testes departamento pessoal - adicionais mai-16
Caderno de exercícios dp testes departamento pessoal - adicionais mai-16Prof Hamilton Marin
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na SaúdeYlla Cohim
 
Cartilha saude mental
Cartilha saude mentalCartilha saude mental
Cartilha saude mentalkarol_ribeiro
 
Conceitos Básicos
Conceitos BásicosConceitos Básicos
Conceitos Básicosagemais
 
Introdução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicasIntrodução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicascomunidadedepraticas
 
FamíLia E Equipe De SaúDe
FamíLia E Equipe De SaúDeFamíLia E Equipe De SaúDe
FamíLia E Equipe De SaúDeLuiza Farias
 
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014Matheus Yuri
 

Mais procurados (20)

CONTAS A PAGAR E RECEBER
CONTAS A PAGAR E RECEBERCONTAS A PAGAR E RECEBER
CONTAS A PAGAR E RECEBER
 
Fitoterapia
FitoterapiaFitoterapia
Fitoterapia
 
Aula 4 Prof Júlia
Aula 4 Prof JúliaAula 4 Prof Júlia
Aula 4 Prof Júlia
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
 
Atençao a saude da pessoa idosa e envelhecimento
Atençao a saude da pessoa idosa e envelhecimentoAtençao a saude da pessoa idosa e envelhecimento
Atençao a saude da pessoa idosa e envelhecimento
 
Posicionamentos e transferências
Posicionamentos e transferênciasPosicionamentos e transferências
Posicionamentos e transferências
 
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociaisO papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
 
Caderno de exercícios dp testes departamento pessoal - adicionais mai-16
Caderno  de  exercícios  dp   testes departamento pessoal - adicionais mai-16Caderno  de  exercícios  dp   testes departamento pessoal - adicionais mai-16
Caderno de exercícios dp testes departamento pessoal - adicionais mai-16
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
 
Emulsoes
Emulsoes Emulsoes
Emulsoes
 
Cartilha saude mental
Cartilha saude mentalCartilha saude mental
Cartilha saude mental
 
Associativismo
AssociativismoAssociativismo
Associativismo
 
Conceitos Básicos
Conceitos BásicosConceitos Básicos
Conceitos Básicos
 
Manual de cuidados paliativos
Manual de cuidados paliativosManual de cuidados paliativos
Manual de cuidados paliativos
 
Introdução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicasIntrodução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicas
 
FamíLia E Equipe De SaúDe
FamíLia E Equipe De SaúDeFamíLia E Equipe De SaúDe
FamíLia E Equipe De SaúDe
 
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
Aula 1 Cooperativismo prova dia 05/11/2014
 
Folhas e flores
Folhas e floresFolhas e flores
Folhas e flores
 

Semelhante a COOPERATIVAS DE CRÉDITO

Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoVai Totó
 
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoVai Totó
 
Instituição financeira cooperativa alternativa nota 10
Instituição financeira cooperativa   alternativa nota 10Instituição financeira cooperativa   alternativa nota 10
Instituição financeira cooperativa alternativa nota 10Andréa Hollerbach Athayde
 
Orientação para constituição de cooperativas
Orientação para constituição de cooperativasOrientação para constituição de cooperativas
Orientação para constituição de cooperativasrazonetecontabil
 
Informativo sicredijustica junho_2011
Informativo sicredijustica junho_2011Informativo sicredijustica junho_2011
Informativo sicredijustica junho_2011Vai Totó
 
Tipologia Cooperativista
Tipologia CooperativistaTipologia Cooperativista
Tipologia Cooperativistaejaes
 
Artigo cooperativas de crédito
Artigo cooperativas de créditoArtigo cooperativas de crédito
Artigo cooperativas de créditoJulio Cesar
 
Ministério da Agricultura - Cooperativismo
Ministério da Agricultura - CooperativismoMinistério da Agricultura - Cooperativismo
Ministério da Agricultura - CooperativismoPortal Canal Rural
 
Curso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismoCurso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismocorevisa
 
Donos do proprio dinheiro
Donos do proprio dinheiroDonos do proprio dinheiro
Donos do proprio dinheirovitadenarium
 
COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...
COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...
COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...Jazon Pereira
 
Apresentação 1 jornada de negócios inclusivos
Apresentação 1   jornada de negócios inclusivosApresentação 1   jornada de negócios inclusivos
Apresentação 1 jornada de negócios inclusivosecosol
 
Inclusao pelo credito
Inclusao pelo creditoInclusao pelo credito
Inclusao pelo creditovitadenarium
 
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sdsCartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sdsClaudio Inacio Schuck
 
Aula 3 Cooperativismo, prova dia 05/11/2014
Aula 3 Cooperativismo, prova dia 05/11/2014Aula 3 Cooperativismo, prova dia 05/11/2014
Aula 3 Cooperativismo, prova dia 05/11/2014Matheus Yuri
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1Karlla Costa
 
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdf
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdfAssociativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdf
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdfandersonwebler1
 

Semelhante a COOPERATIVAS DE CRÉDITO (20)

Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! Comunicação
 
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! Comunicação
 
Instituição financeira cooperativa alternativa nota 10
Instituição financeira cooperativa   alternativa nota 10Instituição financeira cooperativa   alternativa nota 10
Instituição financeira cooperativa alternativa nota 10
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
 
aula-22.pptx
aula-22.pptxaula-22.pptx
aula-22.pptx
 
Orientação para constituição de cooperativas
Orientação para constituição de cooperativasOrientação para constituição de cooperativas
Orientação para constituição de cooperativas
 
Informativo sicredijustica junho_2011
Informativo sicredijustica junho_2011Informativo sicredijustica junho_2011
Informativo sicredijustica junho_2011
 
Tipologia Cooperativista
Tipologia CooperativistaTipologia Cooperativista
Tipologia Cooperativista
 
Artigo cooperativas de crédito
Artigo cooperativas de créditoArtigo cooperativas de crédito
Artigo cooperativas de crédito
 
Ministério da Agricultura - Cooperativismo
Ministério da Agricultura - CooperativismoMinistério da Agricultura - Cooperativismo
Ministério da Agricultura - Cooperativismo
 
Curso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismoCurso noções de cooperativismo
Curso noções de cooperativismo
 
Donos do proprio dinheiro
Donos do proprio dinheiroDonos do proprio dinheiro
Donos do proprio dinheiro
 
COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...
COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...
COOPERATIVISMO JESSICA NAIARA A. DE SOUZA, KALIANE AMANDA OTTONI, TAMIRES CAR...
 
Apresentação 1 jornada de negócios inclusivos
Apresentação 1   jornada de negócios inclusivosApresentação 1   jornada de negócios inclusivos
Apresentação 1 jornada de negócios inclusivos
 
Autogestão
Autogestão   Autogestão
Autogestão
 
Inclusao pelo credito
Inclusao pelo creditoInclusao pelo credito
Inclusao pelo credito
 
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sdsCartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
 
Aula 3 Cooperativismo, prova dia 05/11/2014
Aula 3 Cooperativismo, prova dia 05/11/2014Aula 3 Cooperativismo, prova dia 05/11/2014
Aula 3 Cooperativismo, prova dia 05/11/2014
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
 
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdf
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdfAssociativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdf
Associativismo e cooperativismo - Carolina Della Giustina.pdf
 

Mais de INSTITUTO VOZ POPULAR

APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULARAPRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULARINSTITUTO VOZ POPULAR
 
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIASMODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIASINSTITUTO VOZ POPULAR
 
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCCREGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCCINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTEAPRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTEINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIALAPRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIALINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCD
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCDAPRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCD
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCDINSTITUTO VOZ POPULAR
 
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)INSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIAS
APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIASAPRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIAS
APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIASINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCDAPRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCDINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOS
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOSAPRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOS
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOSINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICO
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICOAPRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICO
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICOINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCDAPRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCDINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROAPRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUALAPRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUALINSTITUTO VOZ POPULAR
 
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTELISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTEINSTITUTO VOZ POPULAR
 

Mais de INSTITUTO VOZ POPULAR (20)

APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULARAPRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
 
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIASMODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
 
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCCREGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
 
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTEAPRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
 
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIALAPRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
 
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCD
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCDAPRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCD
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCD
 
APRESENTAÇÃO - WEB RÁDIO
APRESENTAÇÃO - WEB RÁDIOAPRESENTAÇÃO - WEB RÁDIO
APRESENTAÇÃO - WEB RÁDIO
 
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
 
APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100
APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100
APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100
 
APRESENTAÇÃO E-DINHEIRO
APRESENTAÇÃO  E-DINHEIROAPRESENTAÇÃO  E-DINHEIRO
APRESENTAÇÃO E-DINHEIRO
 
APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIAS
APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIASAPRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIAS
APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIAS
 
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCDAPRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD
 
APRESENTAÇÃO CAC
APRESENTAÇÃO CACAPRESENTAÇÃO CAC
APRESENTAÇÃO CAC
 
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOS
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOSAPRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOS
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOS
 
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICO
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICOAPRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICO
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICO
 
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCDAPRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
 
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROAPRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
 
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUALAPRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
 
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTELISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
 
APRESENTAÇÃO SOBRE MEI
APRESENTAÇÃO SOBRE MEIAPRESENTAÇÃO SOBRE MEI
APRESENTAÇÃO SOBRE MEI
 

COOPERATIVAS DE CRÉDITO

  • 2. Uma cooperativa de crédito nada mais é do que uma instituição financeira formada por uma sociedade de pessoas, com forma jurídica própria, de natureza civil, sem fins lucrativos e não sujeita à falência. Quando um grupo de pessoas constitui uma cooperativa de crédito, o objetivo é propiciar crédito e prestar serviços de modo mais simples e vantajoso para seus associados (por exemplo: emprestar dinheiro com juros bem menores e com menos exigências do que os bancos). O QUE É UMA COOPERATIVA?
  • 3. As primeiras cooperativas de que se tem notícia surgiram na França e na Inglaterra, entre 1820 e 1840. No início, além de suas funções econômicas, a cooperativa desempenhava o papel de sociedade beneficente, de sindicato e até de universidade popular. Foi a partir do fim do século XIX que o movimento cooperativista envolveu novos setores, como agricultura, comércio varejista, pesca, construção e habitação. ORIGEM DO COOPERATIVISMO DE CRÉDITO
  • 4. No Brasil, o cooperativismo surgiu no começo do século XX, com ações, principalmente, em São Paulo e no Rio Grande do Sul. Foi em 1902, na pequena localidade de Linha Imperial, município de Nova Petrópolis, Rio Grande do Sul, que surgiu a primeira cooperativa de crédito da América Latina, criada pelo padre suíço Theodor Amstadt. ORIGEM DO COOPERATIVISMO DE CRÉDITO
  • 5. Estabelecer instrumentos que possibilitem o acesso ao crédito e a outros produtos financeiros pelos associados. Despertar no associado o sentido de poupança. Conceder empréstimos a juros abaixo do mercado. OBJETIVOS E VANTAGENS DO COOPERATIVISMO DE CRÉDITO
  • 6. Promover maior integração entre os empregados de uma mesma empresa, entre profissionais de uma mesma categoria e entre micro e pequenos empresários, desenvolvendo espírito de grupo, solidariedade e ajuda mútua. OBJETIVOS E VANTAGENS DO COOPERATIVISMO DE CRÉDITO
  • 7. A cooperativa pode ser dirigida e controlada pelos próprios associados. O associado pode participar do planejamento da cooperativa. Retenção e aplicação dos recursos de poupança e renda no próprio município, contribuindo com o desenvolvimento local. VANTAGENS DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO
  • 8. Acesso de pequenos empreendedores ao crédito, poupança e outros serviços bancários. As operações bancárias de pequeno porte podem constituir- se como objeto das cooperativas de crédito, enquanto que, nos bancos convencionais, não estão entre seus principais objetivos. Menor custo operacional em relação aos bancos. VANTAGENS DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO
  • 9. Crédito imediato e adequado às condições dos associados (valor, carência, amortização etc.). Atendimento personalizado. Facilidade na abertura de contas. VANTAGENS DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO
  • 10. Oportunidade de maior rendimento nas aplicações financeiras. Possibilidade dos associados se beneficiarem da distribuição de sobras ou excedentes. No caso dos bancos, por exemplo, esses excedentes vão para seus acionistas como lucro. VANTAGENS DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO
  • 11. MAPA DAS COOPERATIVAS DE CRÉDITO NO BRASIL
  • 14. Criou-se o Fórum Nacional de Cooperativas de Economia Familiar e Solidária, onde as centrais, as cooperativas de crédito e as instituições parceiras passaram a se reunir em seminários, intercâmbios e outros eventos, elaborando reivindicações que eram focadas nos órgãos governamentais e reguladoras, pensando políticas públicas que viessem ao encontro das cooperativas, bem como um novo formato legal que proporcionaria uma expansão maior dos sistemas cooperativos. FONTE: http://www.ancosol.org.br/sobre.php COOPERATIVAS DE CRÉDITO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL
  • 15. As várias discussões levaram à criação, em junho de 2004, da Ancosol - Associação Nacional do Cooperativismo de Crédito de Economia Familiar e Solidária, como forma de ampliar os poderes políticos e jurídicos, objetivando contribuir para a dinamização socioeconômica dos agricultores familiares, no combate à pobreza, à desigualdade social, propondo qualidade de vida e alternativas econômicas. FONTE: http://www.ancosol.org.br/sobre.php COOPERATIVAS DE CRÉDITO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL
  • 16. A Ancosol, primeira entidade nacional do segmento cooperativo do país no campo das finanças solidárias, tem a missão de articular, integrar e representar as seis experiências cooperativistas atuais de seu quadro social, compostas de sistemas e cooperativas de crédito de economia familiar e solidária no Brasil, identificadas por processos de desenvolvimento local sustentável. FONTE: http://www.ancosol.org.br/sobre.php COOPERATIVAS DE CRÉDITO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL
  • 17. Orientada por princípios solidários, a ANCOSOL se pauta na ética, na pluralidade, na transparência, na intercooperação, na economia de proximidade e ainda pelo respeito e valorização dos direitos humanos, da cidadania, da democracia e da promoção da paz. FONTE: http://www.ancosol.org.br/sobre.php COOPERATIVAS DE CRÉDITO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL
  • 18. MAPA DAS COOPERATIVAS DE CRÉDITO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL
  • 19. •O que é uma cooperativa de crédito •Quem pode participar de cooperativas de crédito •Vantagens de uma cooperativa de crédito •Talão de cheque •Empréstimo •Vínculo empregatício •Pessoa jurídica •Entes públicos •Base normativa •Outras informações Cooperativas de Crédito BANCO CENTRAL DO BRASIL
  • 20. A cooperativa de crédito é uma instituição financeira formada por uma associação autônoma de pessoas unidas voluntariamente, com forma e natureza jurídica próprias, de natureza civil, sem fins lucrativos, constituída para prestar serviços a seus associados. O objetivo da constituição de uma cooperativa de crédito é prestar serviços financeiros de modo mais simples e vantajoso aos seus associados, possibilitando o acesso ao crédito e outros produtos financeiros (aplicações, investimentos, empréstimos, financiamentos, recebimento de contas, seguros, etc.). 1. O QUE É UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?
  • 21. Não. As cooperativas também podem ser formadas por pessoas de uma determinada profissão ou atividade; agricultores; pequenos e microempresários e microempreendedores. Além disso, existem cooperativas de crédito de livre admissão de associados, nas quais coexistem grupos de associados de diversas origens e atividades econômicas. 2. AS COOPERATIVAS DE CRÉDITO PODEM SER FORMADAS POR EMPREGADOS DE EMPRESAS?
  • 22. AS VANTAGENS SÃO: •a cooperativa pode ser dirigida e controlada pelos próprios associados; •a assembleia de associados é quem decide sobre o planejamento operacional da cooperativa; •a aplicação dos recursos de poupança é direcionada aos cooperados, contribuindo para o desenvolvimento do grupo e, também, para o desenvolvimento social do ambiente onde vivem; 3. QUAIS AS VANTAGENS DA CONSTITUIÇÃO DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?
  • 23. •o atendimento é personalizado; •o crédito pode ser concedido em prazos e condições mais adequados às características dos associados; •os associados podem se beneficiar com o retorno de eventuais sobras ou excedentes. 3. QUAIS AS VANTAGENS DA CONSTITUIÇÃO DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?
  • 24. Sim. O fornecimento de até dez folhas de cheques por mês é considerado serviço essencial a pessoas naturais que mantenham conta de depósito à vista na instituição e pode ser oferecido, desde que o correntista reúna os requisitos necessários à utilização de cheques, de acordo com a regulamentação em vigor e as condições pactuadas. Conforme estabelece a Resolução CMN 3.919, de 2010, a instituição não poderá cobrar tarifas pela prestação desse serviço. 4. A COOPERATIVA DE CRÉDITO PODE FORNECER TALÃO DE CHEQUE?
  • 25. Sim. As cooperativas de crédito podem oferecer praticamente todos os serviços e produtos financeiros disponibilizados pelos bancos, desde que os clientes sejam seus associados. Para ser associado é necessária a integralização de uma cota do capital da cooperativa. 5. POSSO OBTER UM EMPRÉSTIMO EM UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?
  • 26. Não, se ele for associado de uma cooperativa que congregue somente funcionários de uma empresa ou grupo de empresas. Caso seja associado de uma cooperativa cujo vínculo não seja o empregador ou de uma cooperativa de livre admissão, não há necessidade de se desligar da cooperativa. 6. UM ASSOCIADO DE COOPERATIVA DE CRÉDITO QUE PERDEU O VÍCULO EMPREGATÍCIO PODE PERMANECER NA COOPERATIVA?
  • 27. A Lei 5.764, de 1971, em seu artigo 35 exige a exclusão de associados que deixem de atender aos requisitos estatutários de ingresso ou permanência na cooperativa. Assim, a administração da cooperativa está obrigada a providenciar a sua exclusão, nos termos legais. Adicionalmente, de acordo com o inciso III do artigo 21 da referida Lei, deve constar no estatuto social da cooperativa a forma de devolução do capital ao associado que se desliga. 6. UM ASSOCIADO DE COOPERATIVA DE CRÉDITO QUE PERDEU O VÍCULO EMPREGATÍCIO PODE PERMANECER NA COOPERATIVA?
  • 28. Sim. As pessoas jurídicas podem figurar como associadas nas cooperativas de crédito, desde que sejam observadas as regras de admissão específicas para cada tipo de cooperativa, com relação à origem e atividade econômica. 7. UMA PESSOA JURÍDICA PODE PARTICIPAR DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?
  • 29. Não. Conforme determina o artigo 4º, parágrafo único, da Lei Complementar 130, de 2009, não serão admitidos no quadro social da sociedade cooperativa de crédito a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios bem como suas respectivas autarquias, fundações e empresas estatais dependentes. 8. AS COOPERATIVAS DE CRÉDITO PODEM ADMITIR ENTES PÚBLICOS COOPERADOS?
  • 30. •Lei 4.595, de 1964 •Lei 5.764, de 1971 •Lei Complementar 130, de 2009 •Resolução CMN 3.859, de 2010 •Circular 3.502, de 2010 - Outras informações: •"Cooperativas de Crédito - História da evolução normativa no Brasil" •"Microfinanças - O Papel do BCB e a Importância do Cooperativismo de Crédito" Atendimento: 0800 979 2345 | Deficiente auditivo/fala: 0800 642 2345 | Fale conosco | Ajuda Política de privacidade | Política de acessibilidade | © Banco Central do Brasil - Todos os direitos reservados Fonte: http://www.bcb.gov.br/?COOPERATIVASFAQ BASES NORMATIVAS
  • 31. CENTRO POPULAR DE CULTURA E COMUNICAÇÃO Site: http://www.cpcc.webnode.com.br Email: cpcc.org.br@gmail.com Fones: (83) 9 8886-6277 (83) 9 8854-8148
  • 32. SITE DA SICRED. Disponível em: <http://www.sicredi.com.br/>. Acesso em: 17-06-2014. BLOG DA UNICRED MOSSORÓ. Disponível em: <http://unicredmossoro.blogspot.com.br/2010_04_01_archive.html>. Acesso em: 17-06-2014 SITE DA ASCOOB. Disponível em: <http://www.ascoob.org.br/index.php>. Acesso em: 17-06- 2014. SITE DA ANCOSOL. Disponível em: <http://www.ancosol.org.br/associados.php>. Acesso em: 17-06-2014. SITE DO BANCO CENTRAL DO BRASIL. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/?COOPERATIVASFAQ>. Acesso em: 17-06-2014. SITE COOPERATIVISMO DE CRÉDITO. Disponível em: <http://cooperativismodecredito.coop.br/cenario-brasileiro/confesol/>. Acesso em: 17-06-2014. REFERÊNCIAS