Alexandre herculano

15.149 visualizações

Publicada em

Alexandre herculano

  1. 1. Alexandre Herculano 1810-1877
  2. 2. Poeta, romancista, historiador e ensaísta português, Alexandre Herculano de Carvalho e Araújo nasceu a 28 de março de 1810, em Lisboa, e morreu a 18 de setembro de 1877, em Santarém.
  3. 3. Alexandre Herculano de Carvalho e Araújo poeta, romancista, historiador e ensaísta português nasceu no Pátio do Gil, à Rua de São Bento, a 28 de Março de 1810 .
  4. 4. As suas obras são de cunho romântico e vão desde a poesia ao drama e ao romance. Foi, além de um dos mais importantes escritores portugueses do século XIX, o renovador do estudo da história de Portugal. Como historiador, a sua obra é igualmente vasta e de um rigor indiscutível.
  5. 5. A família modesta, que não pode facultar-lhe estudos universitários. 1831 – Adverso ao absolutismo miguelista, é obrigado a exilar-se em Inglaterra. 1832 – Regressa a Portugal na expedição liberal de D. Pedro, desembarcando no Mindelo. Trabalha na Biblioteca Pública do Porto, como segundo bibliotecário. 1836 – Publica A Voz do Profeta (prosa poética). 1837 – Publica A Harpa do Crente (poesia). Sai o primeiro número da revista O Panoroma . Aí vai publicando as Lendas e Narrativas , só reunidas em volume em 1851. 1838 – Estreia-se no teatro com O Fronteiro de África . 1839 – É nomeado diretor das bibliotecas reais das Necessidades e da Ajuda. 1830 – É eleito deputado cartista, mas logo se desilude com a atividade parlamentar. CRONOLOGIA DE ALEXANDRE HERCULANO
  6. 6. 1841- Publica alguns capítulos de O Monge de Cister na revista O Panorama . 1842 – Escreve o drama lírico em um ato Os Infantes em Ceuta . 1843 – Publica na Revista Universal Lisbonense «Cartas sobre a História de Portugal». Inicia a publicação do romance histórico O Bobo na revista O Panorama . 1844 – Publica Eurico, o Presbítero e O Pároco da Aldeia . 1846 – Publica o primeiro volume da História de Portugal (seguem-se-lhe mais três até 1853). 1848 – Publica O Monge de Cister , romance que constitui, com Eurico, o Presbítero , um díptico, que o autor intitulou Monasticon . 1850 – Interrompe a História de Portugal para se ocupar de uma obra relacionada com a política de intolerância religiosa, História da Origem e Estabelecimento da Inquisição em Portugal . CRONOLOGIA DE ALEXANDRE HERCULANO
  7. 7. 1853 – Inicia a recolha dos Portugaliae Monumenta Historica . Funda o Partido Progressista Histórico. 1857 – Manifesta discordância relativamente à Concordata de Roma, que restringia os direitos do padroado português na Índia. 1858 – Recusa a regência de uma cadeira de História do Curso Superior de Letras, oferecida por D. Pedro V. CRONOLOGIA DE ALEXANDRE HERCULANO 1859 – Adquire a quinta de Vale de Lobos, perto de Santarém, onde, embora retirado, continua a receber correspondência e muitas personalidades ligadas à cultura e ao poder.
  8. 8. Em 1867, desgostoso com a morte precoce de D. Pedro V, vitimado pela peste, rei em quem depositava muitas esperanças, e desiludido com a vida pública, retirou-se para a sua quinta em Vale de Lobos, na Azóia, a 6 quilómetros de Santarém (comprada com o produto da venda dos direitos de autor das suas obras). Casa-se em 1 de Maio de 1867, aos 57 anos, com D. Maria Hermínia Meira, de quem se enamorara aos 26 anos, e que aceitara o sacrifício, que ele lhe pedira, na demora do noivado, para poder realizar a sua obra. 1860 – Participa na redação do primeiro Código Civil português. 1865 – Publica Estudos sobre o Casamento Civil , logo posto no índex romano. D. Pedro V – rei de Portugal
  9. 9. 1871- Escreve uma carta sobre o encerramento das Conferências do Casino. 1872 – Inicia a publicação de Opúsculos . 1877 – Morre rodeado de enorme prestígio, traduzido numa manifestação nacional de luto organizada por João de Deus. CRONOLOGIA DE ALEXANDRE HERCULANO
  10. 10. Mosteiro dos Jerónimos – Lisboa Túmulo de Alexandre Herculano na Sala do Capítulo
  11. 11. Alexandre Herculano, que exerceu um magistério moral sobre o país, foi um intelectual sem nunca ter frequentado a Universidade. Contingências da vida. Foi um dos vultos maiores do Romantismo em Portugal.
  12. 12. <ul><li>Principais obras : </li></ul><ul><ul><li>O Bobo (1843) </li></ul></ul><ul><ul><li>Eurico, o presbítero (1844) </li></ul></ul><ul><ul><li>Cartas sobre a História de Portugal (1842) </li></ul></ul><ul><ul><li>Lendas e narrativas (1851) </li></ul></ul><ul><ul><li>História de Portugal (1º vol.) (1846) </li></ul></ul><ul><ul><li>(2º vol.) (1847) </li></ul></ul><ul><ul><li>O monge de Cister (1848) </li></ul></ul>
  13. 13.  Insere-se em pleno ambiente romântico;   As suas poesias tendem para a problemática relativa aos pensamentos ou sentimentos;   As paisagens, assim como as atitudes emotivas, servem de veículo para as meditações de ordem filosófica, moral ou religiosa;   Caráter testemunhal de sua poesia  Vários de seus poemas referem-se à Guerra Civil e ao exílio, funcionando como testemunho poético da crise da instauração do liberalismo em Portugal;   Para Herculano, a poesia deveria ser dotada de uma função pública, doutrinária; visão de poesia como instrumento de conscientização; Poesia de Herculano
  14. 14.  Introduz em Portugal o romance histórico , género consagrado por Walter Scott;   Lendas e Narrativas  Inicia a literatura de cunho histórico;   O romance histórico inicia a novelística portuguesa moderna, uma vez que toda a tradição do romance de cavalaria e da novela sentimental havia sido perdida;   Algumas narrativas históricas de Herculano apresentam um sentimento de eternidade em contraste com o efêmero das vidas humanas;   Alguns temas são de ordem religiosa, mostrando seres dotados de forças sobre-humanas, anjos ou demónios, consagrados a uma obra de maldição ou de santificação;   Abordagem maniqueísta, bem ao gosto romântico, apresentando uma polarização entre os dois extremos do sagrado (o divino e o demoníaco);   Gosto pela reconstituição minuciosa de trajes, interiores, arquiteturas e cerimónias;   Alternância entre o gosto pelo concreto e os cenários puramente imaginários; Herculano romancista
  15. 15.    Culto do cavaleiresco  Como uma espécie de herança medieval, é uma característica geral do romance histórico de Herculano; Romances históricos de Herculano  Abarcam todo o conjunto da Idade Média portuguesa, tema que se dedicou a investigar;   Evocação medieval presente em seus romances  Parte de um projeto literário pertencente ao Romantismo, que pregava “o regresso às raízes nacionais”;   Estética romântica  Tendência a uma caracterização deformadora das personagens, polarizadas entre o grotesco e o sublime;   Herculano romancista
  16. 16. Herculano criticava a historiografia portuguesa, que ele julgava reduzida a uma “biografia de indivíduos eminentes”;   Proposta revolucionária, no sentido de redimensionar o estudo historiográfico em Portugal ( Cartas sobre a História de Portugal );   No lugar de histórias de indivíduos e peripécias, apresenta uma visão da coletividade através das instituições, direito, sentimentos coletivos, classes sociais;   Como historiador, Herculano caracteriza-se por : - notável técnica de documentação; - agudo senso crítico; - coragem em relação aos mitos históricos tradicionais e intocáveis; Herculano historiador
  17. 17. Literatura Portuguesa Profª: Helena Maria Coutinho

×