SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Baixar para ler offline
Alexandre Herculano 1810-1877
Poeta, romancista, historiador e ensaísta português, Alexandre Herculano de Carvalho e Araújo nasceu a 28 de março de 1810, em Lisboa, e morreu a 18 de setembro de 1877, em Santarém.
Alexandre Herculano de Carvalho e Araújo poeta, romancista, historiador e ensaísta português nasceu no Pátio do Gil, à Rua de São Bento, a 28 de Março de  1810 .
As suas obras são de cunho romântico e vão desde a poesia ao drama e ao romance. Foi, além de um dos mais importantes escritores portugueses do século XIX, o renovador do estudo da história de Portugal. Como historiador, a sua obra é igualmente vasta e de um rigor indiscutível.
A família modesta, que não pode facultar-lhe estudos universitários. 1831 – Adverso ao absolutismo miguelista, é obrigado a exilar-se em Inglaterra. 1832 – Regressa a Portugal na expedição liberal de D. Pedro, desembarcando no Mindelo. Trabalha na Biblioteca Pública do Porto, como segundo bibliotecário. 1836 – Publica  A Voz do Profeta  (prosa poética). 1837 – Publica  A Harpa do Crente  (poesia). Sai o primeiro número da revista  O Panoroma . Aí vai publicando as  Lendas e Narrativas , só reunidas em volume em 1851. 1838 – Estreia-se no teatro com  O Fronteiro de África . 1839 – É nomeado diretor das bibliotecas reais das Necessidades e da Ajuda. 1830 – É eleito deputado cartista, mas logo se desilude com a atividade parlamentar. CRONOLOGIA DE ALEXANDRE HERCULANO
1841- Publica alguns capítulos de  O Monge de Cister  na revista  O Panorama . 1842 – Escreve o drama lírico em um ato  Os Infantes em Ceuta . 1843 – Publica na  Revista Universal Lisbonense  «Cartas sobre a História de Portugal». Inicia a publicação do romance histórico  O Bobo  na revista  O Panorama . 1844 – Publica  Eurico, o Presbítero   e  O Pároco da Aldeia . 1846 – Publica o primeiro volume da  História de Portugal   (seguem-se-lhe mais três até 1853). 1848 – Publica  O Monge de Cister , romance que constitui, com  Eurico, o Presbítero , um díptico, que o autor intitulou  Monasticon . 1850 – Interrompe a  História de Portugal  para se ocupar de uma obra relacionada com a política de intolerância religiosa,  História da Origem e Estabelecimento da Inquisição em Portugal . CRONOLOGIA DE ALEXANDRE HERCULANO
1853 – Inicia a recolha dos  Portugaliae Monumenta Historica . Funda o Partido Progressista Histórico. 1857 – Manifesta discordância relativamente à Concordata de Roma, que restringia os direitos do padroado português na Índia. 1858 – Recusa a regência de uma cadeira de História do Curso Superior de Letras, oferecida por D. Pedro V. CRONOLOGIA DE ALEXANDRE HERCULANO 1859 – Adquire a quinta de Vale de Lobos, perto de Santarém, onde, embora retirado, continua a receber correspondência e muitas personalidades ligadas à cultura e ao poder.
Em 1867, desgostoso com a morte precoce de D. Pedro V, vitimado pela peste, rei em quem depositava muitas esperanças, e desiludido com a vida pública, retirou-se para a sua quinta em Vale de Lobos, na Azóia, a 6 quilómetros de Santarém (comprada com o produto da venda dos direitos de autor das suas obras). Casa-se em 1 de Maio de 1867, aos 57 anos, com D. Maria Hermínia Meira, de quem se enamorara aos 26 anos, e que aceitara o sacrifício, que ele lhe pedira, na demora do noivado, para poder realizar a sua obra.  1860 – Participa na redação do primeiro Código Civil português. 1865 – Publica  Estudos sobre o Casamento Civil , logo posto no índex romano. D. Pedro V – rei de Portugal
1871- Escreve uma carta sobre o encerramento das Conferências do Casino. 1872 – Inicia a publicação de  Opúsculos . 1877 – Morre rodeado de enorme prestígio, traduzido numa manifestação nacional de luto organizada por João de Deus. CRONOLOGIA DE ALEXANDRE HERCULANO
Mosteiro dos Jerónimos – Lisboa Túmulo de Alexandre Herculano na Sala do Capítulo
Alexandre Herculano, que exerceu um magistério moral sobre o país, foi um intelectual sem nunca ter frequentado a Universidade. Contingências da vida. Foi um dos vultos maiores do Romantismo em Portugal.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
   Insere-se em pleno ambiente romântico;   As suas poesias tendem para a problemática relativa aos pensamentos ou sentimentos;   As paisagens, assim como as atitudes emotivas, servem de veículo para as meditações de ordem filosófica, moral ou religiosa;   Caráter testemunhal de sua poesia    Vários de seus poemas referem-se à Guerra Civil e ao exílio, funcionando como testemunho poético da crise da instauração do liberalismo em Portugal;   Para Herculano, a poesia deveria ser dotada de uma função pública, doutrinária; visão de poesia como instrumento de conscientização; Poesia de Herculano
   Introduz em Portugal  o romance histórico , género consagrado por Walter Scott;   Lendas e Narrativas     Inicia a literatura de cunho histórico;   O romance histórico inicia a novelística portuguesa moderna, uma vez que toda a tradição do romance de cavalaria e da novela sentimental havia sido perdida;   Algumas narrativas históricas de Herculano apresentam um sentimento de eternidade em contraste com o efêmero das vidas humanas;   Alguns temas são de ordem religiosa, mostrando  seres dotados de forças sobre-humanas, anjos ou demónios, consagrados a uma obra de maldição ou de santificação;   Abordagem maniqueísta, bem ao gosto romântico, apresentando uma polarização entre os dois extremos do sagrado (o divino e o demoníaco);   Gosto pela reconstituição minuciosa de trajes, interiores, arquiteturas e cerimónias;   Alternância entre o gosto pelo concreto e os cenários puramente imaginários; Herculano romancista
   Culto do cavaleiresco    Como uma espécie de herança medieval, é uma característica geral do romance histórico de Herculano; Romances históricos de Herculano    Abarcam todo o conjunto da Idade Média portuguesa, tema que se dedicou a investigar;   Evocação medieval presente em seus romances    Parte de um projeto literário pertencente ao Romantismo, que pregava  “o regresso às raízes nacionais”;   Estética romântica    Tendência a uma caracterização deformadora das personagens, polarizadas entre o grotesco e o sublime;   Herculano romancista
Herculano criticava a historiografia portuguesa, que ele julgava reduzida a uma “biografia de indivíduos eminentes”;   Proposta revolucionária, no sentido de redimensionar o estudo historiográfico em Portugal ( Cartas sobre a História de Portugal );   No lugar de histórias de indivíduos e peripécias, apresenta uma visão da coletividade através das instituições, direito, sentimentos coletivos, classes sociais;   Como historiador, Herculano caracteriza-se por : - notável técnica de documentação; - agudo senso crítico; - coragem em relação aos mitos históricos tradicionais e intocáveis; Herculano historiador
Literatura Portuguesa Profª:  Helena Maria Coutinho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Corrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os MaiasCorrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os Maiasmauro dinis
 
Maias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no HipódromoMaias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no HipódromoPedro Oliveira
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaAntónio Aragão
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesGijasilvelitz 2
 
A Educação nos Maias
A Educação nos MaiasA Educação nos Maias
A Educação nos Maiasmauro dinis
 
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVAMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVEmília Maij
 
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptxSíntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptxLaraCosta708069
 
Os Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítuloOs Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítuloDaniela Filipa Sousa
 
Os Maias - análise
Os Maias - análise Os Maias - análise
Os Maias - análise nanasimao
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoRaffaella Ergün
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Maria Góis
 
Antero de Quental
Antero de QuentalAntero de Quental
Antero de Quental010693
 
Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Sofia Yuna
 
Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Rita Costa
 
Eça de Queirós vida e obra
Eça de Queirós vida e obraEça de Queirós vida e obra
Eça de Queirós vida e obraElisabete Silva
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Joana Filipa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Corrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os MaiasCorrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os Maias
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Maias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no HipódromoMaias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no Hipódromo
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
Os Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo VOs Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo V
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
A Educação nos Maias
A Educação nos MaiasA Educação nos Maias
A Educação nos Maias
 
Camilo Castelo Branco
Camilo Castelo BrancoCamilo Castelo Branco
Camilo Castelo Branco
 
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVAMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
 
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptxSíntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
 
Os Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítuloOs Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítulo
 
Os Maias - análise
Os Maias - análise Os Maias - análise
Os Maias - análise
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do convento
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
Antero de Quental
Antero de QuentalAntero de Quental
Antero de Quental
 
Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"
 
Eça de Queirós vida e obra
Eça de Queirós vida e obraEça de Queirós vida e obra
Eça de Queirós vida e obra
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
 

Destaque

A vida e obra de alexandre herculano
A vida e obra de  alexandre herculanoA vida e obra de  alexandre herculano
A vida e obra de alexandre herculanoMarcelo Gil Simões
 
Eurico, o presbitero
 Eurico, o presbitero Eurico, o presbitero
Eurico, o presbiteroItaandrea
 
Alexandre herculano eurico o presbitero
Alexandre herculano   eurico o presbiteroAlexandre herculano   eurico o presbitero
Alexandre herculano eurico o presbiterosapi
 
Apresentação do livro eurico o presbitero
Apresentação do livro eurico o presbiteroApresentação do livro eurico o presbitero
Apresentação do livro eurico o presbiteroJuliane Chiarello
 
Eurico o presbítero
Eurico o presbíteroEurico o presbítero
Eurico o presbíteroMárcio Nunes
 
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenárioAlexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenárioDomingos Boieiro
 
Camilo Castelo Branco
Camilo Castelo BrancoCamilo Castelo Branco
Camilo Castelo Brancoguestd54ce5
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
 
Os maias análise
Os maias análiseOs maias análise
Os maias análiseluiza1973
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deFernanda Pantoja
 
Júlio Dinis
Júlio DinisJúlio Dinis
Júlio DinisBia Reis
 
António Feliciano de Castilho
António Feliciano de CastilhoAntónio Feliciano de Castilho
António Feliciano de CastilhoMaiina
 

Destaque (20)

Texto a abóbada
Texto a abóbadaTexto a abóbada
Texto a abóbada
 
Alexandre herculano
Alexandre herculanoAlexandre herculano
Alexandre herculano
 
Eurico, o presbítero
Eurico, o presbíteroEurico, o presbítero
Eurico, o presbítero
 
A vida e obra de alexandre herculano
A vida e obra de  alexandre herculanoA vida e obra de  alexandre herculano
A vida e obra de alexandre herculano
 
Lendas e narrativas_Alexandre Herculano
Lendas e narrativas_Alexandre HerculanoLendas e narrativas_Alexandre Herculano
Lendas e narrativas_Alexandre Herculano
 
Eurico, o Presbítero - 2ª A - 2011)
Eurico, o Presbítero - 2ª A - 2011)Eurico, o Presbítero - 2ª A - 2011)
Eurico, o Presbítero - 2ª A - 2011)
 
Eurico, o presbitero
 Eurico, o presbitero Eurico, o presbitero
Eurico, o presbitero
 
1ª Ficha De AvaliaçãO
1ª Ficha De AvaliaçãO1ª Ficha De AvaliaçãO
1ª Ficha De AvaliaçãO
 
Alexandre herculano eurico o presbitero
Alexandre herculano   eurico o presbiteroAlexandre herculano   eurico o presbitero
Alexandre herculano eurico o presbitero
 
Alexandre herculano Fotos e Obras
Alexandre herculano Fotos e ObrasAlexandre herculano Fotos e Obras
Alexandre herculano Fotos e Obras
 
Apresentação do livro eurico o presbitero
Apresentação do livro eurico o presbiteroApresentação do livro eurico o presbitero
Apresentação do livro eurico o presbitero
 
Eurico o presbítero
Eurico o presbíteroEurico o presbítero
Eurico o presbítero
 
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenárioAlexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
 
Camilo Castelo Branco
Camilo Castelo BrancoCamilo Castelo Branco
Camilo Castelo Branco
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Os maias análise
Os maias análiseOs maias análise
Os maias análise
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
 
Júlio Dinis
Júlio DinisJúlio Dinis
Júlio Dinis
 
António Feliciano de Castilho
António Feliciano de CastilhoAntónio Feliciano de Castilho
António Feliciano de Castilho
 

Semelhante a Alexandre Herculano, poeta e historiador português do século XIX

Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenárioAlexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenárioDomingos Boieiro
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_históriaLilian Lima
 
O romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalO romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalDaianniSilv
 
Almeida Garrett, historia
Almeida Garrett, historiaAlmeida Garrett, historia
Almeida Garrett, historiaTomás Verdelho
 
Almeida Garrett
Almeida Garrett Almeida Garrett
Almeida Garrett andreaires
 
historia da litteratura Portuguesa - Teófilo Braga -Volume I
 historia da litteratura Portuguesa - Teófilo Braga -Volume I  historia da litteratura Portuguesa - Teófilo Braga -Volume I
historia da litteratura Portuguesa - Teófilo Braga -Volume I Laurinda Ferreira
 
A literatura portuguesa no século xx
A literatura portuguesa no século xxA literatura portuguesa no século xx
A literatura portuguesa no século xxPjaquinha
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugalSinziana Socol
 
Almeida Garrett Biografia
Almeida Garrett BiografiaAlmeida Garrett Biografia
Almeida Garrett BiografiaHelena Coutinho
 
Os Maias Apresentação
Os Maias   Apresentação Os Maias   Apresentação
Os Maias Apresentação joanana
 
Resumo da vida e da obra de camões
Resumo da vida e da obra de camõesResumo da vida e da obra de camões
Resumo da vida e da obra de camõesElisabete Pinto
 
O renascimento ou classicismo 1º ano
O renascimento ou classicismo  1º anoO renascimento ou classicismo  1º ano
O renascimento ou classicismo 1º anoColégio Santa Luzia
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugalJonatas Carlos
 

Semelhante a Alexandre Herculano, poeta e historiador português do século XIX (20)

Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenárioAlexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
Alexandre herculano biobibliografia comemorativa do bicentenário
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
 
O romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalO romantismo em_portugal
O romantismo em_portugal
 
Almeida Garrett, historia
Almeida Garrett, historiaAlmeida Garrett, historia
Almeida Garrett, historia
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptx
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptxAula 4 Humanismo em Portugal.pptx
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptx
 
Almeida Garrett
Almeida Garrett Almeida Garrett
Almeida Garrett
 
historia da litteratura Portuguesa - Teófilo Braga -Volume I
 historia da litteratura Portuguesa - Teófilo Braga -Volume I  historia da litteratura Portuguesa - Teófilo Braga -Volume I
historia da litteratura Portuguesa - Teófilo Braga -Volume I
 
A literatura portuguesa no século xx
A literatura portuguesa no século xxA literatura portuguesa no século xx
A literatura portuguesa no século xx
 
..
....
..
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugal
 
Almeida Garrett Biografia
Almeida Garrett BiografiaAlmeida Garrett Biografia
Almeida Garrett Biografia
 
Renascimento e Classicismo
Renascimento e ClassicismoRenascimento e Classicismo
Renascimento e Classicismo
 
Trovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao BarrocoTrovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao Barroco
 
Os Maias Apresentação
Os Maias   Apresentação Os Maias   Apresentação
Os Maias Apresentação
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Resumo da vida e da obra de camões
Resumo da vida e da obra de camõesResumo da vida e da obra de camões
Resumo da vida e da obra de camões
 
O renascimento ou classicismo 1º ano
O renascimento ou classicismo  1º anoO renascimento ou classicismo  1º ano
O renascimento ou classicismo 1º ano
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 

Mais de Helena Coutinho

Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasHelena Coutinho
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particularHelena Coutinho
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralHelena Coutinho
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particularHelena Coutinho
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraHelena Coutinho
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibirHelena Coutinho
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteHelena Coutinho
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaHelena Coutinho
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoHelena Coutinho
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaHelena Coutinho
 

Mais de Helena Coutinho (20)

Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 

Alexandre Herculano, poeta e historiador português do século XIX

  • 2. Poeta, romancista, historiador e ensaísta português, Alexandre Herculano de Carvalho e Araújo nasceu a 28 de março de 1810, em Lisboa, e morreu a 18 de setembro de 1877, em Santarém.
  • 3. Alexandre Herculano de Carvalho e Araújo poeta, romancista, historiador e ensaísta português nasceu no Pátio do Gil, à Rua de São Bento, a 28 de Março de 1810 .
  • 4. As suas obras são de cunho romântico e vão desde a poesia ao drama e ao romance. Foi, além de um dos mais importantes escritores portugueses do século XIX, o renovador do estudo da história de Portugal. Como historiador, a sua obra é igualmente vasta e de um rigor indiscutível.
  • 5. A família modesta, que não pode facultar-lhe estudos universitários. 1831 – Adverso ao absolutismo miguelista, é obrigado a exilar-se em Inglaterra. 1832 – Regressa a Portugal na expedição liberal de D. Pedro, desembarcando no Mindelo. Trabalha na Biblioteca Pública do Porto, como segundo bibliotecário. 1836 – Publica A Voz do Profeta (prosa poética). 1837 – Publica A Harpa do Crente (poesia). Sai o primeiro número da revista O Panoroma . Aí vai publicando as Lendas e Narrativas , só reunidas em volume em 1851. 1838 – Estreia-se no teatro com O Fronteiro de África . 1839 – É nomeado diretor das bibliotecas reais das Necessidades e da Ajuda. 1830 – É eleito deputado cartista, mas logo se desilude com a atividade parlamentar. CRONOLOGIA DE ALEXANDRE HERCULANO
  • 6. 1841- Publica alguns capítulos de O Monge de Cister na revista O Panorama . 1842 – Escreve o drama lírico em um ato Os Infantes em Ceuta . 1843 – Publica na Revista Universal Lisbonense «Cartas sobre a História de Portugal». Inicia a publicação do romance histórico O Bobo na revista O Panorama . 1844 – Publica Eurico, o Presbítero e O Pároco da Aldeia . 1846 – Publica o primeiro volume da História de Portugal (seguem-se-lhe mais três até 1853). 1848 – Publica O Monge de Cister , romance que constitui, com Eurico, o Presbítero , um díptico, que o autor intitulou Monasticon . 1850 – Interrompe a História de Portugal para se ocupar de uma obra relacionada com a política de intolerância religiosa, História da Origem e Estabelecimento da Inquisição em Portugal . CRONOLOGIA DE ALEXANDRE HERCULANO
  • 7. 1853 – Inicia a recolha dos Portugaliae Monumenta Historica . Funda o Partido Progressista Histórico. 1857 – Manifesta discordância relativamente à Concordata de Roma, que restringia os direitos do padroado português na Índia. 1858 – Recusa a regência de uma cadeira de História do Curso Superior de Letras, oferecida por D. Pedro V. CRONOLOGIA DE ALEXANDRE HERCULANO 1859 – Adquire a quinta de Vale de Lobos, perto de Santarém, onde, embora retirado, continua a receber correspondência e muitas personalidades ligadas à cultura e ao poder.
  • 8. Em 1867, desgostoso com a morte precoce de D. Pedro V, vitimado pela peste, rei em quem depositava muitas esperanças, e desiludido com a vida pública, retirou-se para a sua quinta em Vale de Lobos, na Azóia, a 6 quilómetros de Santarém (comprada com o produto da venda dos direitos de autor das suas obras). Casa-se em 1 de Maio de 1867, aos 57 anos, com D. Maria Hermínia Meira, de quem se enamorara aos 26 anos, e que aceitara o sacrifício, que ele lhe pedira, na demora do noivado, para poder realizar a sua obra. 1860 – Participa na redação do primeiro Código Civil português. 1865 – Publica Estudos sobre o Casamento Civil , logo posto no índex romano. D. Pedro V – rei de Portugal
  • 9. 1871- Escreve uma carta sobre o encerramento das Conferências do Casino. 1872 – Inicia a publicação de Opúsculos . 1877 – Morre rodeado de enorme prestígio, traduzido numa manifestação nacional de luto organizada por João de Deus. CRONOLOGIA DE ALEXANDRE HERCULANO
  • 10. Mosteiro dos Jerónimos – Lisboa Túmulo de Alexandre Herculano na Sala do Capítulo
  • 11. Alexandre Herculano, que exerceu um magistério moral sobre o país, foi um intelectual sem nunca ter frequentado a Universidade. Contingências da vida. Foi um dos vultos maiores do Romantismo em Portugal.
  • 12.
  • 13. Insere-se em pleno ambiente romântico;   As suas poesias tendem para a problemática relativa aos pensamentos ou sentimentos;   As paisagens, assim como as atitudes emotivas, servem de veículo para as meditações de ordem filosófica, moral ou religiosa;   Caráter testemunhal de sua poesia  Vários de seus poemas referem-se à Guerra Civil e ao exílio, funcionando como testemunho poético da crise da instauração do liberalismo em Portugal;   Para Herculano, a poesia deveria ser dotada de uma função pública, doutrinária; visão de poesia como instrumento de conscientização; Poesia de Herculano
  • 14. Introduz em Portugal o romance histórico , género consagrado por Walter Scott;   Lendas e Narrativas  Inicia a literatura de cunho histórico;   O romance histórico inicia a novelística portuguesa moderna, uma vez que toda a tradição do romance de cavalaria e da novela sentimental havia sido perdida;   Algumas narrativas históricas de Herculano apresentam um sentimento de eternidade em contraste com o efêmero das vidas humanas;   Alguns temas são de ordem religiosa, mostrando seres dotados de forças sobre-humanas, anjos ou demónios, consagrados a uma obra de maldição ou de santificação;   Abordagem maniqueísta, bem ao gosto romântico, apresentando uma polarização entre os dois extremos do sagrado (o divino e o demoníaco);   Gosto pela reconstituição minuciosa de trajes, interiores, arquiteturas e cerimónias;   Alternância entre o gosto pelo concreto e os cenários puramente imaginários; Herculano romancista
  • 15.    Culto do cavaleiresco  Como uma espécie de herança medieval, é uma característica geral do romance histórico de Herculano; Romances históricos de Herculano  Abarcam todo o conjunto da Idade Média portuguesa, tema que se dedicou a investigar;   Evocação medieval presente em seus romances  Parte de um projeto literário pertencente ao Romantismo, que pregava “o regresso às raízes nacionais”;   Estética romântica  Tendência a uma caracterização deformadora das personagens, polarizadas entre o grotesco e o sublime;   Herculano romancista
  • 16. Herculano criticava a historiografia portuguesa, que ele julgava reduzida a uma “biografia de indivíduos eminentes”;   Proposta revolucionária, no sentido de redimensionar o estudo historiográfico em Portugal ( Cartas sobre a História de Portugal );   No lugar de histórias de indivíduos e peripécias, apresenta uma visão da coletividade através das instituições, direito, sentimentos coletivos, classes sociais;   Como historiador, Herculano caracteriza-se por : - notável técnica de documentação; - agudo senso crítico; - coragem em relação aos mitos históricos tradicionais e intocáveis; Herculano historiador
  • 17. Literatura Portuguesa Profª: Helena Maria Coutinho