SlideShare uma empresa Scribd logo
Dispersões
e Soluções
O que é um sistema;
Substância simples e composta;
Mistura homogênea e heterogênea;
Ligações químicas.
Para melhor entender essa aula você
deverá saber os seguintes tópicos:
- Ao final dessa aula você será capaz de:
Diferenciar suspensão, dispersão coloidal e solução;
Distinguir os componentes de uma solução;
Compreender o que é solubilidade e como pode ser
representada(coeficiente de solubilidade) ;
Interpretar gráficos de curva de solubilidade;
Classificar as soluções de acordo com a proporção do
soluto e com o grau de saturação.
Objetivos dessa aula:
Vocabulário e conceitos:
- Dispersão: Sistema heterogêneo, onde as partículas dispersas são
detectadas a olho nu ou com o auxílio de microscópios comuns.
- Suspensão coloidal: Sistema heterogêneo, onde as partículas
dispersas são detectadas com o auxílio do microscópio eletrônico e
do ultramicroscópio.
- Solução: Sistema homogêneo, onde as partículas dispersas não
são detectadas por nenhum tipo de instrumento de pesquisa.
- Soluto: Substância presente em menor proporção na mistura.
- Solvente: Substância presente em maior proporção na mistura.
- Centrifugadores: Aparelhos que realizam separação em
amostras fluidas .
Vocabulário e conceitos:
- Lei de Henry: Lei que estabelece a influência da pressão na
solubilidade de um gás em um líquido.
- Solução iônica: Solução que tem como soluto um composto
iônico.
- Solução molecular: Solução que tem como soluto um composto
molecular.
- Solução eletrolítica: Que conduz eletricidade.
- Solução não-eletrolítica: Que não conduz eletricidade.
- Solução diluída: Contém proporções relativamente pequenas de
soluto.
- Solução concentrada: Contém proporções relativamente maiores
de soluto.
- Solução saturada: Possui quantidade de soluto equivalente
ao máximo que pode solubilizar.
Vocabulário e conceitos:
- Solução insaturada: Possui quantidade de soluto menor do que
pode solubilizar .
- Solução supersaturada: Possui quantidade de soluto maior do que
pode solubilizar.
- Coeficiente de solubilidade: quantidade máxima de soluto que
pode ser dissolvida numa certa quantidade de solvente, a uma dada
temperatura.
- Precipitado: Quantidade de substância do soluto que não é
solubilizada na solução formando um “corpo de chão”.
- Gérmen de cristalização: Pequena pedra de soluto que causa
precipitação de excesso de soluto em solução supersaturada.
Classificação
Dispersão
Definição É uma mistura
Esquema Organizacional
Global
Heterogênea
Possui mais de uma fase
Homogênea
Tipos
Solução
Suspensão
Dispersão coloidal
As partículas dispersas
são detectadas com o
auxílio do microscópio
eletrônico e do
ultramicroscópio.
As partículas dispersas são
detectadas a olho nu ou com o
auxílio de microscópios
comuns.
As partículas dispersas não são
detectadas por nenhum tipo
de instrumento de pesquisa.
Possui apenas uma fase
Tipo
Esquema Organizacional
Global
Soluções
Uma mistura homogênea a olho nu e ao microscópioDefinição
Soluto (menor quantidade) + solvente (maior quantidade)Composição
Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma
dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de
solvente ou g de soluto /100 mL de solvente.
Solubilidade
Definição
Gases
Classificação
Quanto maior a temperatura
menor a solubilidade.
Temperatur
a
Pressão
Quanto maior a pressão maior
a solubilidade, em
temperatura constante.
Influência
Curvas de
solubilidade
Relembrando...Relembrando...
Composição
de um
Sistema
Substâncias
Mistura
Simples
Compostas
Formada por só um tipo de elemento químico
Formada por dois ou mais tipos de elementos químicos
Dispersão
Classificação
Dispersão
Definição É uma mistura
Esquema Organizacional
Global
Heterogênea
Possui mais de uma fase
Homogênea
Tipos
Solução
Suspensão
Dispersão coloidal
As partículas dispersas
são detectadas com o
auxílio do microscópio
eletrônico e do
ultramicroscópio.
As partículas dispersas são
detectadas a olho nu ou com o
auxílio de microscópios
comuns.
As partículas dispersas não são
detectadas por nenhum tipo
de instrumento de pesquisa.
Possui apenas uma fase
Tipo
DispersãoDispersão
Obs: 1nm = 10-9
metro
As dispersões se classificam em:

Solução: Possui partículas dispersas menores que 1
nm;
Ex: sacarose em água ou NaCl em água

Dispersão Coloidal: Possui partículas dispersas
maiores que 1 nm e menor que 1000 nm;
Ex: gelatina em água

Suspensão: Possui partículas dispersas maior que
1000 nm.
Ex: leite de magnésia
Características das partículas nos
diferentes tipos de dispersão:
Solução Dispersão Coloidal Suspensão
Ação da gravidade e de
centrifugadores comuns
Não se sedimentam Não se sedimentam Sedimentam-se
Ação de
ultracentrifugadores
Não se sedimentam Sedimentam-se Sedimentam-se
Ação do filtro comum Não são retidas Não são retidas São retidas
Ação do ultrafiltro Não são retidas São retidas São retidas
Visibilidade ao
microscópio comum
Não são visíveis Não são visíveis São visíveis
Visibilidade ao
ultramicroscópio
Não são visíveis São visíveis São visíveis
Vamos exercitar?
1) (Unirio- RJ) Considere o quadro a seguir:
Logo, podemos afirmar que:
Propriedade Dispersão A Dispersão B Dispersão C
Natureza da
molécula
Átomos, íons, ou
pequenas moléculas
Macromoléculas ou
grupo de
moléculas
Partículas visíveis
a olho nu
Efeito da gravidade Não sedimenta Não sedimenta
Sedimenta
rapidamente
Uniformidade Homogênea
Não tão
homogênea
Heterogênea
Separabilidade Não Por filtros especiais Por filtro comum
Vamos exercitar?
1) (Unirio- RJ) Considere o quadro a seguir:
Logo, podemos afirmar que:
Propriedade Dispersão A Dispersão B Dispersão C
Natureza da
molécula
Átomos, íons, ou
pequenas moléculas
Macromoléculas ou
grupo de
moléculas
Partículas visíveis
a olho nu
Efeito da gravidade Não sedimenta Não sedimenta
Sedimenta
rapidamente
Uniformidade Homogênea
Não tão
homogênea
Heterogênea
Separabilidade Não Por filtros especiais Por filtro comum
a)A = solução verdadeira; B = suspensão; C = dispersão
coloidal
b)A = suspensão; B = solução coloidal; C = solução
verdadeira
c)A = dispersão coloidal; B = solução verdadeira; C =
suspensão
d)A = dispersão coloidal; B = suspensão; C = solução
verdadeira
e)A = solução verdadeira; B = dispersão coloidal; C=
suspensão
Vamos exercitar?
Tipos
Dispersão
Definição
Solução
Suspensão
Dispersão coloidal As partículas dispersas são detectadas com o auxílio do
microscópio eletrônico e do ultramicroscópio.
As partículas dispersas são detectadas a olho nu ou com
o auxílio de microscópios comuns.
As partículas dispersas não são detectadas por nenhum
tipo de instrumento de pesquisa.
Resposta
A dispersão A é formada por átomos ou íons, etc (partículas que
não são visíveis por nenhum tipo de instrumento) Solução verdadeira.
Propriedade Dispersão A Dispersão B Dispersão C
Natureza da
molécula
Átomos, íons, ou
pequenas moléculas
Macromoléculas ou
grupo de
moléculas
Partículas visíveis
a olho nu
Efeito da gravidade Não sedimenta Não sedimenta
Sedimenta
rapidamente
Uniformidade Homogênea
Não tão
homogênea
Heterogênea
Separabilidade Não Por filtros especiais Por filtro comum
É uma mistura
Tipos
Dispersão
Definição
Solução
Suspensão
Dispersão coloidal As partículas dispersas são detectadas com o auxílio do
microscópio eletrônico e do ultramicroscópio.
As partículas dispersas são detectadas a olho nu ou com
o auxílio de microscópios comuns.
As partículas dispersas não são detectadas por nenhum
tipo de instrumento de pesquisa.
Resposta
A dispersão B por macromoléculas (podem ser separadas por filtros
especiais e detectadas com ultramicroscópicos) Dispersão coloidal.
Propriedade Dispersão A Dispersão B Dispersão C
Natureza da
molécula
Átomos, íons, ou
pequenas moléculas
Macromoléculas ou
grupo de
moléculas
Partículas visíveis
a olho nu
Efeito da gravidade Não sedimenta Não sedimenta
Sedimenta
rapidamente
Uniformidade Homogênea
Não tão
homogênea
Heterogênea
Separabilidade Não Por filtros especiais Por filtro comum
É uma mistura
Tipos
Dispersão
Definição
Solução
Suspensão
Dispersão coloidal
É uma mistura
As partículas dispersas são detectadas com o auxílio do
microscópio eletrônico e do ultramicroscópio.
As partículas dispersas são detectadas a olho nu ou com
o auxílio de microscópios comuns.
As partículas dispersas não são detectadas por nenhum
tipo de instrumento de pesquisa.
Resposta
A dispersão C é formada por partículas visíveis a olho nu.
Suspensão.
Propriedade Dispersão A Dispersão B Dispersão C
Natureza da
molécula
Átomos, íons, ou
pequenas moléculas
Macromoléculas ou
grupo de
moléculas
Partículas visíveis
a olho nu
Efeito da gravidade Não sedimenta Não sedimenta
Sedimenta
rapidamente
Uniformidade Homogênea
Não tão
homogênea
Heterogênea
Separabilidade Não Por filtros especiais Por filtro comum
Tipos
Dispersão
Definição
Solução
Suspensão
Dispersão coloidal
É uma mistura
As partículas dispersas são detectadas com o auxílio do
microscópio eletrônico e do ultramicroscópio.
As partículas dispersas são detectadas a olho nu ou com
o auxílio de microscópios comuns.
As partículas dispersas não são detectadas por nenhum
tipo de instrumento de pesquisa.
Resposta
Resposta: Letra EResposta: Letra E
Propriedade Dispersão A Dispersão B Dispersão C
Natureza da
molécula
Átomos, íons, ou
pequenas moléculas
Macromoléculas ou
grupo de
moléculas
Partículas visíveis
a olho nu
Efeito da gravidade Não sedimenta Não sedimenta
Sedimenta
rapidamente
Uniformidade Homogênea
Não tão
homogênea
Heterogênea
Separabilidade Não Por filtros especiais Por filtro comum
2) (Cesgranrio-RJ) O colágeno é a proteína mais abundante no
corpo humano, fazendo parte da composição de órgãos e
tecidos de sustentação. Apesar de não ser comestível, seu
aquecimento em água produz uma mistura de outras
proteínas comestíveis, denominadas gelatinas. Essas proteínas
possuem diâmetros médios entre 1,0 nm e 1.000 nm e,
quando em solução aquosa, formam sistemas caracterizados
como:
a) soluções verdadeiras
b) dispersantes
c) coagulantes
d) homogêneos
e) coloides
Agora é a sua vez!
2) (Cesgranrio-RJ) O colágeno é a proteína mais abundante no
corpo humano, fazendo parte da composição de órgãos e
tecidos de sustentação. Apesar de não ser comestível, seu
aquecimento em água produz uma mistura de outras
proteínas comestíveis, denominadas gelatinas. Essas proteínas
possuem diâmetros médios entre 1,0 nm e 1.000 nm e,
quando em solução aquosa, formam sistemas caracterizados
como:
a) soluções verdadeiras
b) dispersantes
c) coagulantes
d) homogêneos
e) coloides
Agora é a sua vez!
É uma coloide, ou seja, dispersão coloidal, já que as suas
partículas possuem entre 1 nm e 1.000 nm.
Tipos
Dispersão
Definição
Solução
Suspensão
Dispersão coloidal
Possui partículas dispersas maiores que 1 nm e menor
que 1000 nm.
Possui partículas dispersas menores que 1 nm.
Possui partículas dispersas maior que 1000 nm
Resposta
Resposta: Letra EResposta: Letra E
É uma mistura
Classificação
Dispersão
Definição É uma mistura
Esquema Organizacional
Global
Heterogênea
Possui mais de uma fase
Homogênea
Tipos
Solução
Suspensão
Dispersão coloidal
As partículas dispersas
são detectadas com o
auxílio do microscópio
eletrônico e do
ultramicroscópio.
As partículas dispersas são
detectadas a olho nu ou com o
auxílio de microscópios
comuns.
Possui apenas uma fase
Tipo
Esquema Organizacional
Parcial
Soluções
Uma mistura homogênea a olho nu e ao microscópioDefinição
É o nome dado a dispersões cujo tamanho das
moléculas dispersas é menor que 1 nanometro. A
solução ainda pode ser caracterizada por formar um
sistema homogêneo (a olho nu e ao microscópio), por
ser impossível separar o disperso do dispersante por
processos físicos.
Soluções
Esquema Organizacional
Parcial
Soluções
Uma mistura homogênea a olho nu e ao microscópioDefinição
Soluto (menor quantidade) + solvente (maior quantidade)Composição
Composição da Solução
A solução é composta por soluto e solvente, sendo:
Soluto – Substância que está sendo dissolvida. É o
componente da solução que se apresenta em menor
quantidade.
Solvente – Substância que efetua a dissolução. É o
componente da solução que se apresenta em maior
quantidade.
Obs: Solução aquosa é aquela no qual o solvente é a
água.
Sal (soluto) + Água (solvente)
Solução aquosa
com sal de cozinha =Ex:
Cuidado para não confundir
Soluto – Está dissolvido na solução.
Solvente – Está dissolvendo o soluto.
Ex:
Fonte: FELTRE, R.; Química; Volume 1; 6° edição; Editora Moderna
Esquema Organizacional
Parcial
Soluções
Uma mistura homogênea a olho nu e ao microscópioDefinição
Soluto (menor quantidade) + solvente (maior quantidade)Composição
Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma
dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de
solvente ou g de soluto /100 mL de solvente.
Solubilidade
Definição
Solubilidade é a quantidade máxima de soluto que
pode ser dissolvida numa certa quantidade de solvente, a
uma dada temperatura. Também pode ser chamada de
coeficiente de solubilidade(CS), que pode ser expresso em
g de soluto/100 g de solvente ou g de soluto/100 mL de
solvente.
Solubilidade
Ex: Em temperatura constante e
sob agitação contínua, verifica-se
que, o sal só dissolve até certo
ponto, após irá se depositar no
fundo do recipiente. Isso quer dizer
que a solução está saturada, pois
atingiu o seu ponto de saturação.
Fonte: FELTRE, R.; Química; Volume 1; 6° edição; Editora Moderna
Esquema Organizacional
Parcial
Soluções
Uma mistura homogênea a olho nu e ao microscópioDefinição
Soluto (menor quantidade) + solvente (maior quantidade)Composição
Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma
dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de
solvente ou g de soluto /100 mL de solvente.
Solubilidade
Definição
Gases
Quanto maior a temperatura
menor a solubilidade.
Temperatur
a
Pressão
Quanto maior a pressão maior
a solubilidade, em
temperatura constante.
Influência
Solubilidade
Normalmente, os gases são pouco solúveis nos líquidos.
Dois fatores alteram consideravelmente a solubilidade:
1.Temperatura: Todo aumento de temperatura diminui a
solubilidade do gás no líquido.
2.Pressão: Quando não ocorre reação do gás com o líquido,
a influência da pressão é estabelecida pela lei de Henry:
Ex: Os refrigerantes, que apresentam
grande quantidade de CO2 dissolvido sob
pressão.
Quando o refrigerante é aberto, a pressão
diminui, fazendo com que o excesso de CO2
“Em temperatura constante, a solubilidade de um gás num
líquido é diretamente proporcional à pressão”.
“Em temperatura constante, a solubilidade de um gás num
líquido é diretamente proporcional à pressão”.
Fonte: FELTRE, R.; Química; Volume 1; 6° edição; Editora Moderna
3) (Unitau- SP) Na carbonatação de um refrigerante, as
condições em que se deve dissolver o gás carbônico na
bebida são:
a)Pressão e temperatura quaisquer.
b)Pressão e temperatura elevadas.
c)Pressão e temperatura baixas.
d)Baixa pressão e elevada temperatura.
e)Alta pressão e baixa temperatura.
Vamos exercitar?
3) (Unitau- SP) Na carbonatação de um refrigerante, as
condições em que se deve dissolver o gás carbônico na
bebida são:
a)Pressão e temperatura quaisquer.
b)Pressão e temperatura elevadas.
c)Pressão e temperatura baixas.
d)Baixa pressão e elevada temperatura.
e)Alta pressão e baixa temperatura.
Vamos exercitar?
As condições que se deve dissolver o gás carbônico na
bebida deve ser em maior pressão e baixa temperatura já que
a solubilidade de um gás em um líquido aumenta em maior
pressão e menor temperatura.
Resposta
Resposta: Letra EResposta: Letra E
Solubilidade Gases
Quanto maior a temperatura
menor a solubilidade.
Temperatur
a
Pressão
Influência
Quanto maior a pressão maior
a solubilidade, em
temperatura constante.
4) (PUC-MG) Um grave problema ambiental atualmente é
o aquecimento das águas dos rios, lagos e mares por
industrias que as utilizam para o resfriamento de turbinas
e elevam a temperatura até 25°C acima do normal. Isso
pode provocar a morte de peixes e outras espécies
aquáticas, ao diminuir a quantidade de oxigênio
dissolvido na água. Portanto, é correto concluir que:
a) Esse aquecimento diminui a solubilidade do oxigênio
na água, provocando o seu desprendimento.
Vamos exercitar?
4) (PUC-MG) Um grave problema ambiental atualmente é
o aquecimento das águas dos rios, lagos e mares por
industrias que as utilizam para o resfriamento de turbinas
e elevam a temperatura até 25°C acima do normal. Isso
pode provocar a morte de peixes e outras espécies
aquáticas, ao diminuir a quantidade de oxigênio
dissolvido na água. Portanto, é correto concluir que:
a) Esse aquecimento diminui a solubilidade do oxigênio
na água, provocando o seu desprendimento.
Vamos exercitar?
b) Esse aquecimento provoca o rompimento das ligações
H e O nas moléculas de água.
c) Esse aquecimento provoca o aquecimento do gás
carbônico.
d) Esse aquecimento faz com que mais de um átomo de
oxigênio se liga a cada molécula de água.
e) Os peixes e outras espécies acabam morrendo por
aquecimento e não por asfixia.
Vamos exercitar?
b) Esse aquecimento provoca o rompimento das ligações
H e O nas moléculas de água.
c) Esse aquecimento provoca o aquecimento do gás
carbônico.
d) Esse aquecimento faz com que mais de um átomo de
oxigênio se liga a cada molécula de água.
e) Os peixes e outras espécies acabam morrendo por
aquecimento e não por asfixia.
Vamos exercitar?
O aumento da temperatura da água faz com que o gás
dissolvido nela perca a solubilidade. Logo, o oxigênio
dissolvido na água se desprende.
Resposta
Resposta: Letra AResposta: Letra A
Solubilidade Gases
Quanto maior a temperatura
menor a solubilidade.
Temperatur
a
Pressão
Influência
Quanto maior a pressão maior
a solubilidade, em
temperatura constante.
Agora é a sua vez!
5) (ITA-SP) Quando submersos em “águas profundas”, os
mergulhadores necessitam voltar lentamente à superfície
para evitar a formação de bolhas de gás no sangue.
I) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de gás
no sangue quando o mergulhador desloca-se de regiões
próximas à superfície para as regiões de “águas
profundas”.
II) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de gás
no sangue quando o mergulhador desloca-se muito
lentamente de regiões de “águas profundas” para as
regiões próximas da superfície.
Agora é a sua vez!
5) (ITA-SP) Quando submersos em “águas profundas”, os
mergulhadores necessitam voltar lentamente à superfície
para evitar a formação de bolhas de gás no sangue.
I) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de gás
no sangue quando o mergulhador desloca-se de regiões
próximas à superfície para as regiões de “águas
profundas”.
II) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de gás
no sangue quando o mergulhador desloca-se muito
lentamente de regiões de “águas profundas” para as
regiões próximas da superfície.
Agora é a sua vez!
III) Explique o motivo da FORMAÇÃO de bolhas de gás no
sangue quando o mergulhador desloca-se muito
rapidamente de regiões de “águas profundas” para as
regiões próximas da superfície.
Agora é a sua vez!
III) Explique o motivo da FORMAÇÃO de bolhas de gás no
sangue quando o mergulhador desloca-se muito
rapidamente de regiões de “águas profundas” para as
regiões próximas da superfície.
I) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de gás no sangue
quando o mergulhador desloca-se de regiões próximas à superfície
para as regiões de “águas profundas”.
Justificativa: Em regiões de águas profundas a pressão é maior e a
solubilidade dos gases aumenta com o aumento da pressão. Por
isso, não se formam bolhas no sangue do mergulhador.
Resposta
Solubilidade Gases
Quanto maior a temperatura
menor a solubilidade.
Temperatur
a
Pressão
Influência
Quanto maior a pressão maior
a solubilidade, em
temperatura constante.
II) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de gás no sangue
quando o mergulhador desloca-se muito lentamente de regiões de
“águas profundas” para as regiões próximas da superfície.
Justificativa: A pressão diminui lentamente por isso, a solubilidade
do gás no sangue também diminui lentamente, evitando a
formação de bolhas no sangue do mergulhador.
Resposta
Solubilidade Gases
Quanto maior a temperatura
menor a solubilidade.
Temperatur
a
Pressão
Influência
Quanto maior a pressão maior
a solubilidade, em
temperatura constante.
III) Explique o motivo da FORMAÇÃO de bolhas de gás no sangue
quando o mergulhador desloca-se muito rapidamente de regiões de
“águas profundas” para as regiões próximas da superfície.
Justificativa: Ao subir rapidamente para a superfície, a solubilidade
do gás no sangue diminui bruscamente, com a rápida redução da
pressão, ocorrendo formação de bolhas.
Resposta
Solubilidade Gases
Quanto maior a temperatura
menor a solubilidade.
Temperatur
a
Pressão
Influência
Quanto maior a pressão maior
a solubilidade, em
temperatura constante.
Esquema Organizacional
Parcial
Soluções
Uma mistura homogênea a olho nu e ao microscópioDefinição
Soluto (menor quantidade) + solvente (maior quantidade)Composição
Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma
dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de
solvente ou g de soluto /100 mL de solvente.
Solubilidade
Definição
Gases
Classificação
Quanto maior a temperatura
menor a solubilidade.
Temperatur
a
Pressão
Quanto maior a pressão maior
a solubilidade, em
temperatura constante.
Influência

Quanto ao estado

Quanto à natureza do soluto

Quanto à proporção do soluto

Quanto à solubilidade
Classificação das soluções
Quanto
ao estado
Sólido
O solvente é sempre líquido e o soluto pode
ser: sólido, líquido ou gasoso.
líquido
gasoso
O solvente é sempre sólido e o soluto pode
ser: sólido, líquido ou gasoso.
O solvente é gasoso e o soluto gasoso.
Classificação
Esquema Organizacional
de Classificação das Soluções
Soluções sólidas – O solvente é sempre sólido e o
soluto pode ser: sólido, líquido ou gasoso.
Soluções líquidas – O solvente é sempre líquido e o
soluto pode ser: sólido, líquido ou gasoso.
Ex: Soro fisiológico (líquido + sólido)
Quanto ao estado
Ex: Ouro 18 quilates:
75% ouro + 25% cobre e prata (sólido + sólido)
Soluções gasosas – O solvente é sempre gasoso e o
soluto pode ser: sólido, líquido ou gasoso.
Ex: Ar atmosférico (gás + gás)
Fonte: www.tudojoia.blog.br
Fonte: www.tudosobreplantas.com.br
Fonte: www.wikipedia.org
Quanto
ao estado
Sólido
O solvente é sempre líquido e o soluto pode
ser: sólido, líquido ou gasoso.
Quanto à
natureza do
soluto
líquido
gasoso
Moleculares
Iônicas
O solvente é sempre sólido e o soluto pode
ser: sólido, líquido ou gasoso.
O solvente é gasoso e o soluto gasoso.
As partículas dispersas são moléculas. Essas
soluções não conduzem eletricidade.
As partículas dispersas são íons. Essas soluções
conduzem eletricidade.Classificação
Esquema Organizacional
de Classificação das Soluções
Quanto à natureza do soluto
Exceção:
Embora os ácidos sejam compostos moleculares, em
água, eles originam uma solução eletrolítica.
Soluções moleculares – Não-eletrolíticas - o soluto é um
composto molecular. Ela é não-eletrolítica por que não conduz
eletricidade.
Ex: Solução aquosa de açúcar.
Açúcar (soluto) + água (solvente)
Soluções iônicas – Eletrolíticas - o soluto é um composto
iônico. Ela é eletrolítica por que conduz eletricidade.
Ex: Solução aquosa de sal de cozinha(NaCl).
NaCl (soluto) + água (solvente)
Quanto
ao estado
Sólido
O solvente é sempre líquido e o soluto pode
ser: sólido, líquido ou gasoso.
Quanto à
natureza do
soluto
Quanto à
proporção
de soluto
líquido
gasoso
Moleculares
Iônicas
Concentrada
Diluída
O solvente é sempre sólido e o soluto pode
ser: sólido, líquido ou gasoso.
O solvente é gasoso e o soluto gasoso.
Pouco soluto dissolvido em relação ao solvente
Muito soluto dissolvido em relação ao solvente
As partículas dispersas são moléculas. Essas
soluções não conduzem eletricidade.
As partículas dispersas são íons. Essas soluções
conduzem eletricidade.Classificação
Esquema Organizacional
de Classificação das Soluções
Solução diluída– É aquela que contém proporções
relativamente pequenas de soluto.
Solução concentrada – É aquela que contém
proporções relativamente maiores de soluto. Elas são
somente possíveis quando o soluto é muito solúvel.
Quanto à proporção do soluto
Esquema Organizacional
de Classificação das Soluções
Quanto
ao estado
Sólido
O solvente é sempre líquido e o soluto pode
ser: sólido, líquido ou gasoso.
Quanto à
natureza do
soluto
Quanto à
proporção
de soluto
líquido
gasoso
Moleculares
Iônicas
Concentrada
Diluída
O solvente é sempre sólido e o soluto pode
ser: sólido, líquido ou gasoso.
O solvente é gasoso e o soluto gasoso.
Pouco soluto dissolvido em relação ao solvente
Muito soluto dissolvido em relação ao solvente
As partículas dispersas são moléculas. Essas
soluções não conduzem eletricidade.
As partículas dispersas são íons. Essas soluções
conduzem eletricidade.
Quanto à
solubilidade
Insaturada
Saturada
Supersaturada
massa(soluto dissolvido) < Cs
massa(soluto dissolvido) = Cs
massa(soluto dissolvido) > Cs
Classificação
Solução saturada – contém a máxima quantidade de
soluto possível de ser dissolvida. massa(soluto dissolvido) = Cs
Solução insaturada – possui menos soluto do que se
pode dissolver. massa(soluto dissolvido) < Cs
Solução supersaturada – contém mais soluto do que o
solvente presente pode dissolver. massa(soluto dissolvido) > Cs
As soluções em relação à capacidade de solubilidade
podem ser classificadas como:
Quanto à solubilidade
Para classificar uma solução de acordo com a sua
solubilidade, é essencial conhecer o coeficiente de
solubilidade dela. Esses coeficientes são determinados
experimentalmente e geralmente serão dados nos
exercícios.
Observação:
A classificação da solubilidade pode ser representada
esquematicamente do seguinte modo:
O ponto de saturação representa um limite de
estabilidade. Consequentemente, as soluções
supersaturadas só podem existir em condições especiais
e, quando ocorrem, são sempre instáveis.
Fonte: FELTRE, R.; Química; Volume 1; 6° edição; Editora Moderna
Observe o seguinte esquema:
Fonte: FELTRE, R.; Química; Volume 1; 6° edição; Editora Moderna
1L de água a 70°C
Insaturada
Exemplo 1
Quantidade de soluto < Cs
Coeficiente de solubilidade (Cs) do KNO3 é 138g de KNO3
em 100g de H2O (70°C)
Em 1L de água o Cs = 1380g de KNO3 (70°C)
Exemplo 2
1L de água a 70°C
Saturada Quantidade de soluto = Cs
Em 1L de água o Cs = 1380g de KNO3 (70°C)
Exemplo 3
Em 1L de água o Cs = 1380g de KNO3 (70°C)
Precipitado 220g de KNO3
(1600 g – 1380 g = 220 g)
Saturada com
precipitado
(corpo de fundo )
Quantidade de soluto = Cs
Precipitado = Quantidade além do Cs
Exemplo 4
Em 1L de água o Cs = 1380g de KNO3 (70°C)
1L de água
a 90°C
1L de água
a 70°C
Após resfriar
lentamente Soluto = 1600g
Supersaturada Quantidade de soluto > Cs
Exemplo 4
Em 1L de água o Cs = 1380g de KNO3 (70°C)

Adicionando um gérmen de cristalização na solução
supersaturada:
Soluto = 1600g
Precipitado
220g de KNO3
Obs: Gérmen de cristalização é um pequeno cristal
de soluto sobre o qual o excesso de soluto se
precipita.
Vamos exercitar?
6) (Puc-rio) A tabela a seguir mostra a solubilidade de
vários sais, a temperatura ambiente, em g/100ml:
AgNO3 (nitrato de prata): 260
Al2(SO4)3 (sulfato de alumínio): 160
NaCl (cloreto de sódio): 36
KNO3 (nitrato de potássio): 52
KBr (brometo de potássio): 64
Se 25ml de uma solução saturada de um destes sais
foram completamente evaporados, e o resíduo sólido
pesou 13g, o sal é:
a) AgNO3 b) Al2(SO4)3 c) NaCl d) KNO3 e) KBr
Vamos exercitar?
6) (Puc-rio) A tabela a seguir mostra a solubilidade de
vários sais, a temperatura ambiente, em g/100ml:
AgNO3 (nitrato de prata): 260
Al2(SO4)3 (sulfato de alumínio): 160
NaCl (cloreto de sódio): 36
KNO3 (nitrato de potássio): 52
KBr (brometo de potássio): 64
Se 25ml de uma solução saturada de um destes sais
foram completamente evaporados, e o resíduo sólido
pesou 13g, o sal é:
a) AgNO3 b) Al2(SO4)3 c) NaCl d) KNO3 e) KBr
Resposta
25 ml ---- 13g
100ml ---- X
25X = 100 x 13
X = 1300/25
X= 52g
52g em 100ml é a solubilidade do KNO3
Resposta: Letra DResposta: Letra D
Quanto à
solubilidade
Insaturada
Saturada
Supersaturada
massa(soluto dissolvido) < Cs
massa(soluto dissolvido) = Cs
massa(soluto dissolvido) > Cs
Classificação
Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma
dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de
solvente ou g de soluto /100 mL de solvente.
Solubilidade Definição
Vamos exercitar?
7) (FUVEST-SP) Quatro tubos contêm 20 mL de água cada um.
Coloca-se nesses tubos dicromato de potássio nas seguintes
quantidades:
A solubilidade do sal, a 20°C, é igual a 12,5g por 100 mL de
água. Após agitação, em quais dos tubos coexistem, nessa
temperatura, solução saturada e fase sólida?
a) em nenhum.
b) apenas em D.
c) apenas em C e D.
d) apenas em B, C e D.
e) em todos.
Tubos Tubo A Tubo B Tubo C Tubo D
Massa de K2CrO7 1,0 3,0 5,0 7,0
Vamos exercitar?
7) (FUVEST-SP) Quatro tubos contêm 20 mL de água cada um.
Coloca-se nesses tubos dicromato de potássio nas seguintes
quantidades:
A solubilidade do sal, a 20°C, é igual a 12,5g por 100 mL de
água. Após agitação, em quais dos tubos coexistem, nessa
temperatura, solução saturada e fase sólida?
a) em nenhum.
b) apenas em D.
c) apenas em C e D.
d) apenas em B, C e D.
e) em todos.
Tubos Tubo A Tubo B Tubo C Tubo D
Massa de K2CrO7 1,0 3,0 5,0 7,0
Resposta
100ml ---- 12,5g
20 ml ---- X
Solubiliza 2,5g de K2Cr2O7 em 20 ml de água a 20° C.
100X = 20 x 12,5
X = 250/100
X= 2,5g
Tubo A: 1,0 < 2,5 Solução insaturada sem sólido
Tubo B: 3,0 > 2,5 Solução saturada com 0,5g de sólido
Tubo C: 5,0 > 2,5 Solução saturada com 2,5g de sólido
Tubo D: 7,0 > 2,5 Solução saturada com 4,5g de sólido
Resposta: Letra DResposta: Letra D
Quanto à
solubilidade
Insaturada
Saturada
Supersaturada
massa(soluto dissolvido) < Cs
massa(soluto dissolvido) = Cs
massa(soluto dissolvido) > Cs
Classificação
Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma
dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de
solvente ou g de soluto /100 mL de solvente.
Solubilidade Definição
Agora é a sua vez!
8) (COVEST-PE) A solubilidade do oxalato de cálcio a 20°C
é de 33,0g por 100g de água. Qual a massa, em gramas,
de CaC2O4 depositada no fundo do recipiente quando
100g de CaC2O4(s) são adicionados em 200g de água a
20°C?
Agora é a sua vez!
8) (COVEST-PE) A solubilidade do oxalato de cálcio a 20°C
é de 33,0g por 100g de água. Qual a massa, em gramas,
de CaC2O4 depositada no fundo do recipiente quando
100g de CaC2O4(s) são adicionados em 200g de água a
20°C?
Resposta
100g ---- 33g
200g ---- X
66 g de CaC2O4 são solubilizados em 200 g de água a 20° C. Irá se
depositar no fundo 34 g.
100X = 200 x 33
X = 6600/100
X= 66g
Quanto à
solubilidade
Insaturada
Saturada
Supersaturada
massa(soluto dissolvido) < Cs
massa(soluto dissolvido) = Cs
massa(soluto dissolvido) > Cs
Classificação
Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma
dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de
solvente ou g de soluto /100 mL de solvente.
Solubilidade Definição
Massa solubilizada: 66g
Massa adicionada: 100g
Massa depositada no fundo:
100g – 66g = 34g
Esquema Organizacional
Parcial
Soluções
Uma mistura homogênea a olho nu e ao microscópioDefinição
Soluto (menor quantidade) + solvente (maior quantidade)Composição
Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma
dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de
solvente ou g de soluto /100 mL de solvente.
Solubilidade
Definição
Gases
Classificação
Quanto maior a temperatura
menor a solubilidade.
Temperatur
a
Pressão
Quanto maior a pressão maior
a solubilidade, em
temperatura constante.
Influência
Curvas de
solubilidade
Esquema Organizacional
de Curvas
Curvas de
solubilidade
Função
Representar a quantidade máxima de soluto que pode ser dissolvida a
uma certa temperatura
Curvas de Solubilidade
As curvas de solubilidade são utilizadas para
representar as quantidades máximas de soluto que
podem ser dissolvidas, em diferentes temperaturas, de
uma massa fixa de um solvente. Veja, por exemplo, como
pode ser construída a curva de solubilidade do KNO3:
BOSQUILHA, G.; Minimanual compacto de química – Teoria e prática; 2° edição revista; Editora Rideel
Curvas de Solubilidade
Colocamos esses valores em um gráfico e obtemos a curva de
solubilidade do KNO3.
As curvas de solubilidade podem ser ascendentes, descendentes
ou constantes.
BOSQUILHA, G.; Minimanual compacto de química – Teoria e prática; 2° edição revista; Editora Rideel
Curvas de
solubilidade
Interpretação
do gráfico
Região das soluções
supersaturadas (instáveis)
A cima
da curva
Abaixo
da curva
Região das soluções
insaturadas (estáveis)
Região
Na curva
Região das soluções
saturadas (estáveis)
Função
Representar a quantidade máxima de soluto que pode ser dissolvida a
uma certa temperatura
Esquema Organizacional
de Curvas de Solubilidade
Curvas de Solubilidade
Interpretando o gráfico:
Na temperatura 20°C temos:
X  Insaturada
Y  Saturada
Z  Supersaturada
Na temperatura 20°C temos:
X  Insaturada
Y  Saturada
Z  Supersaturada
Fonte: FELTRE, R.; Química; Volume 1; 6° edição; Editora Moderna
Esquema Organizacional
de Curvas de Solubilidade
Curvas de
solubilidade
Interpretação
do gráfico
Região das soluções
supersaturadas (instáveis)
A cima
da curva
Abaixo
da curva
Região das soluções
insaturadas (estáveis)
Região
Tipo de
curva
Na curva
Região das soluções
insaturadas (estáveis)
Dissolução
endotérmica
Ascendente
Dissolução
exotérmica
Descendente
O calor aumenta
a solubilidade
O calor diminui a
solubilidade
Função
Representar a quantidade máxima de soluto que pode ser dissolvida a
uma certa temperatura
Curvas de Solubilidade
Uma curva de solubilidade é
ascendente quando o aumento
da temperatura aumenta a
solubilidade. Nesse caso temos
uma dissolução endotérmica.
Uma curva de solubilidade é
descendente quando o aumento
da temperatura diminui a
solubilidade. Nesse caso temos
uma dissolução exotérmica.
Fonte:http://turmadomario.com.br/cms/images/downl
oad/quimica/2012_cm1241_revisao_de_solucoes_.pdf
Fonte:http://turmadomario.com.br/cms/images/downl
oad/quimica/2012_cm1241_revisao_de_solucoes_.pdf
9) A curva de solubilidade de um sal hipotético é:
j
A quantidade de água necessária para dissolver 30
gramas do sal a 35°C será, em gramas:
a) 45 b) 60 c) 75 d) 90 e) 105
Vamos exercitar?
9) A curva de solubilidade de um sal hipotético é:
j
A quantidade de água necessária para dissolver 30
gramas do sal a 35°C será, em gramas:
a) 45 b) 60 c) 75 d) 90 e) 105
Vamos exercitar?
Resposta
35° C
50g ---- 100g
30g ---- X
A 35°C são solubilizados 50g de sal em 100g de água.
50
Função
Representar a quantidade máxima
de soluto que pode ser dissolvida a
uma certa temperatura
Interpretação
do gráfico
Curvas de
solubilidade
Resposta
35° C
50g ---- 100g
30g ---- X
A 35°C são solubilizados 50g de sal em 100g de água. Nessa mesma
temperatura 60 g de água são suficientes para solubilizar 30g de
sal.
Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma
dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de
solvente ou g de soluto /100 mL de solvente.
Solubilidade Definição
50X = 100 x 30
X = 3000/50
X= 60g
Vamos exercitar?
10) (UFC-CE) O gráfico mostra a curva de solubilidade de um sal em
água.
Considerando que em uma determinada temperatura 40g deste sal
foram dissolvidos em 100g de água. Indique:
Vamos exercitar?
10) (UFC-CE) O gráfico mostra a curva de solubilidade de um sal em
água.
Considerando que em uma determinada temperatura 40g deste sal
foram dissolvidos em 100g de água. Indique:
a) a característica desta solução, quanto à concentração,
nos pontos A, B e C do gráfico;
b) a quantidade de sal que será possível cristalizar,
resfriando a solução até 30°C;
c) a quantidade de sal que será cristalizada quando se
evapora 20g de água a 40°C.
Vamos exercitar?
a) a característica desta solução, quanto à concentração,
nos pontos A, B e C do gráfico;
b) a quantidade de sal que será possível cristalizar,
resfriando a solução até 30°C;
c) a quantidade de sal que será cristalizada quando se
evapora 20g de água a 40°C.
Vamos exercitar?
Resposta
a) a característica desta solução, quanto à concentração, nos
pontos A, B e C do gráfico;
No ponto A a solução está supersaturada, no ponto B está saturada
e no ponto C está insaturada.
Interpretação
do gráfico
Região das soluções
supersaturadas
(instáveis)
A cima
da curva
Abaixo
da curva
Região das soluções
insaturadas (estáveis)
Região Na curva
Região das soluções
saturadas (estáveis)
Resposta
b) a quantidade de sal que será possível cristalizar, resfriando a
solução até 30°C;
Quantidade de soluto dissolvida em 100g a uma dada
temperatura: 40g
Quantidade de soluto dissolvida em 100g a 30°C: 10g
Quantidade de soluto que é possível cristalizar: 40g - 10g = 30g
Função
Representar a quantidade máxima
de soluto que pode ser dissolvida a
uma certa temperatura
Interpretação
do gráfico
Resposta
c) a quantidade de sal que será cristalizada quando se evapora 20g
de água a 40°C.
30g (soluto) --- 100g de água
X --- 80g(100g - 20g) de água
100X = 30 x 80
X = 2400/100 = 24g (soluto)
A quantidade de sal que irá cristalizar será 40g – 24g =
16g
A quantidade de sal que irá cristalizar será 40g – 24g =
16g
Quantidade de sal adicionada
Agora é a sua vez!
11) Seis soluções aquosas de nitrato de sódio, NaNO3,
numeradas de I a VI, foram preparadas, em diferentes
temperaturas, dissolvendo-se diferentes massas de
NaNO3 em 100g de água. Em alguns casos, o NaNO3 não
se dissolveu completamente.
Este gráfico representa a curva de solubilidade de
NaNO3, em função da temperatura, e seis pontos, que
correspondem aos sistemas preparados:
Agora é a sua vez!
11) Seis soluções aquosas de nitrato de sódio, NaNO3,
numeradas de I a VI, foram preparadas, em diferentes
temperaturas, dissolvendo-se diferentes massas de
NaNO3 em 100g de água. Em alguns casos, o NaNO3 não
se dissolveu completamente.
Este gráfico representa a curva de solubilidade de
NaNO3, em função da temperatura, e seis pontos, que
correspondem aos sistemas preparados:
A partir da análise desse gráfico, é CORRETO afirmar
que os dois sistemas em que há precipitado são
a) I e II.
b) I e III.
c) IV e V.
d) V e VI.
Agora é a sua vez!
A partir da análise desse gráfico, é CORRETO afirmar
que os dois sistemas em que há precipitado são
a) I e II.
b) I e III.
c) IV e V.
d) V e VI.
Agora é a sua vez!
Resposta
Resposta: Letra BResposta: Letra B
Interpretação
do gráfico
Região das soluções
supersaturadas (instáveis)
A cima
da curva
Abaixo
da curva
Região das soluções
insaturadas (estáveis)
Região
Tipo de
curva
Na curva
Região das soluções
saturadas (estáveis)
Dissolução
endotérmica
Ascendente
Dissolução
exotérmicaDescendente
O calor aumenta
a solubilidade
O calor diminui a
solubilidade
Bibliografia
Imagens
FELTRE, R.; Química; Volume 1; 6° edição; Editora Moderna
<http://www.tudojoia.blog.br>
Acesso em: 20/12/12 às 22:00
<http://www.wikipedia.org>
Acesso em 20/12/12 às 22:30
<http://www.tudosobreplantas.com.br>
Acesso em: 20/12/12 às 23:00
Capa
<http://www.mundoeducacao.com.br/quimica/tipos-dispersoes.htm>
Acesso em: 21/12/12 às 16:00
Bibliografia
Livros
USBERCO J.; SALVADOR E.; Química; Volume Único; 5° edição reformulada;
Editora Saraiva
FELTRE, R.; Química; Volume 1; 6° edição; Editora Moderna
BOSQUILHA, G.; Minimanual compacto de química – Teoria e prática; 2° edição
revista; Editora Rideel
Sites
<http://www.vestibulandoweb.com.br/quimica/teoria/solubilidade-
solucoes.asp>
Acesso em: 06/12/12 às 00:05
<http://www.pucrs.br/quimica/mateus/solucoes.pdf>
Acesso em: 06/12/12 às 00:05

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

P h
P hP h
Coloides
ColoidesColoides
Estudo das Soluções
Estudo das SoluçõesEstudo das Soluções
Estudo das Soluções
Carlos Priante
 
Apresentação1 autoestima AUTOESTIMA
Apresentação1 autoestima AUTOESTIMA Apresentação1 autoestima AUTOESTIMA
Apresentação1 autoestima AUTOESTIMA
Eunice Mendes de Oliveira
 
Dispersões, o que são
Dispersões, o que sãoDispersões, o que são
Dispersões, o que são
Isadora Girio
 
Projeto de Intervenção
Projeto de IntervençãoProjeto de Intervenção
Projeto de Intervenção
moniquests
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
UNIME
 
Cálculos empregados em química analítica
Cálculos empregados em química analíticaCálculos empregados em química analítica
Cálculos empregados em química analítica
Rafael Cesar Russo Chagas
 
Soluções e Solubilidade
Soluções e SolubilidadeSoluções e Solubilidade
Soluções e Solubilidade
Luana Salgueiro
 
PLANEJAMENTO EDUCACIONAL.pptx
PLANEJAMENTO  EDUCACIONAL.pptxPLANEJAMENTO  EDUCACIONAL.pptx
PLANEJAMENTO EDUCACIONAL.pptx
TamaraCamara2
 
Autoestima
AutoestimaAutoestima
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
Editora Moderna
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
Ezequias Guimaraes
 
Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Dependencia Quimica - Planos de Tratamento Clínica Viva
Dependencia Quimica - Planos de Tratamento Clínica VivaDependencia Quimica - Planos de Tratamento Clínica Viva
Dependencia Quimica - Planos de Tratamento Clínica Viva
Clínica Terapêutica Viva
 
Reações químicas e classificações
Reações químicas e classificaçõesReações químicas e classificações
Reações químicas e classificações
Joanna de Paoli
 
Dinâmicas para palestras sobre drogas
Dinâmicas para palestras sobre drogasDinâmicas para palestras sobre drogas
Dinâmicas para palestras sobre drogas
Valdenice Barreto
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
Alinebrauna Brauna
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
Cristiane Thiel
 
Lista de exercício (termodinâmica) com gabarito
Lista de exercício (termodinâmica) com gabaritoLista de exercício (termodinâmica) com gabarito
Lista de exercício (termodinâmica) com gabarito
hainner2
 

Mais procurados (20)

P h
P hP h
P h
 
Coloides
ColoidesColoides
Coloides
 
Estudo das Soluções
Estudo das SoluçõesEstudo das Soluções
Estudo das Soluções
 
Apresentação1 autoestima AUTOESTIMA
Apresentação1 autoestima AUTOESTIMA Apresentação1 autoestima AUTOESTIMA
Apresentação1 autoestima AUTOESTIMA
 
Dispersões, o que são
Dispersões, o que sãoDispersões, o que são
Dispersões, o que são
 
Projeto de Intervenção
Projeto de IntervençãoProjeto de Intervenção
Projeto de Intervenção
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Cálculos empregados em química analítica
Cálculos empregados em química analíticaCálculos empregados em química analítica
Cálculos empregados em química analítica
 
Soluções e Solubilidade
Soluções e SolubilidadeSoluções e Solubilidade
Soluções e Solubilidade
 
PLANEJAMENTO EDUCACIONAL.pptx
PLANEJAMENTO  EDUCACIONAL.pptxPLANEJAMENTO  EDUCACIONAL.pptx
PLANEJAMENTO EDUCACIONAL.pptx
 
Autoestima
AutoestimaAutoestima
Autoestima
 
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
 
Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?
 
Dependencia Quimica - Planos de Tratamento Clínica Viva
Dependencia Quimica - Planos de Tratamento Clínica VivaDependencia Quimica - Planos de Tratamento Clínica Viva
Dependencia Quimica - Planos de Tratamento Clínica Viva
 
Reações químicas e classificações
Reações químicas e classificaçõesReações químicas e classificações
Reações químicas e classificações
 
Dinâmicas para palestras sobre drogas
Dinâmicas para palestras sobre drogasDinâmicas para palestras sobre drogas
Dinâmicas para palestras sobre drogas
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
Lista de exercício (termodinâmica) com gabarito
Lista de exercício (termodinâmica) com gabaritoLista de exercício (termodinâmica) com gabarito
Lista de exercício (termodinâmica) com gabarito
 

Destaque

Dispersoes I
Dispersoes IDispersoes I
"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
Thiago
 
Dispersões 2013 objetivo
Dispersões 2013   objetivoDispersões 2013   objetivo
Dispersões 2013 objetivo
José Marcelo Cangemi
 
1. dispersões
1. dispersões1. dispersões
1. dispersões
stair735alcino
 
Soluções
SoluçõesSoluções
Soluções
Cláudio Santos
 
Soluções 2º ano
Soluções   2º anoSoluções   2º ano
Soluções 2º ano
Silvio Gentil
 
Soluções e Misturas
Soluções e MisturasSoluções e Misturas
Soluções e Misturas
elsacsvrs
 
Soluções Químicas
Soluções QuímicasSoluções Químicas
Soluções Químicas
José Nunes da Silva Jr.
 
Dispersões e Soluções
Dispersões e Soluções Dispersões e Soluções
Dispersões e Soluções
Aniely Freitas
 
Concentrações de soluções
Concentrações de soluçõesConcentrações de soluções
Concentrações de soluções
ProfªThaiza Montine
 
www.centroapoio.com - Química - Soluções - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Soluções - Vídeo Aulawww.centroapoio.com - Química - Soluções - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Soluções - Vídeo Aula
Vídeo Aulas Apoio
 
Soluções
SoluçõesSoluções
Soluções
Glayson Sombra
 
SOLUÇÕES - TEORIA
SOLUÇÕES - TEORIASOLUÇÕES - TEORIA
SOLUÇÕES - TEORIA
Cursos Profissionalizantes
 
14 dispersoes e composicao quantitativa de solucoes
14 dispersoes e composicao quantitativa de solucoes14 dispersoes e composicao quantitativa de solucoes
14 dispersoes e composicao quantitativa de solucoes
daniela pinto
 
coloides
   coloides   coloides
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções AquosasAula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Dispersões
DispersõesDispersões
Dispersões
unesp
 
Concentração de soluções
Concentração de soluçõesConcentração de soluções
Concentração de soluções
eufisica
 
Soluções e cálculos químicos (mariana)
Soluções e cálculos químicos (mariana)Soluções e cálculos químicos (mariana)
Soluções e cálculos químicos (mariana)
Leonardo Carneiro
 

Destaque (20)

Dispersoes I
Dispersoes IDispersoes I
Dispersoes I
 
"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas"Somos Físicos" Soluções Químicas
"Somos Físicos" Soluções Químicas
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
 
Dispersões 2013 objetivo
Dispersões 2013   objetivoDispersões 2013   objetivo
Dispersões 2013 objetivo
 
1. dispersões
1. dispersões1. dispersões
1. dispersões
 
Soluções
SoluçõesSoluções
Soluções
 
Soluções 2º ano
Soluções   2º anoSoluções   2º ano
Soluções 2º ano
 
Soluções e Misturas
Soluções e MisturasSoluções e Misturas
Soluções e Misturas
 
Soluções Químicas
Soluções QuímicasSoluções Químicas
Soluções Químicas
 
Dispersões e Soluções
Dispersões e Soluções Dispersões e Soluções
Dispersões e Soluções
 
Concentrações de soluções
Concentrações de soluçõesConcentrações de soluções
Concentrações de soluções
 
www.centroapoio.com - Química - Soluções - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Soluções - Vídeo Aulawww.centroapoio.com - Química - Soluções - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Soluções - Vídeo Aula
 
Soluções
SoluçõesSoluções
Soluções
 
SOLUÇÕES - TEORIA
SOLUÇÕES - TEORIASOLUÇÕES - TEORIA
SOLUÇÕES - TEORIA
 
14 dispersoes e composicao quantitativa de solucoes
14 dispersoes e composicao quantitativa de solucoes14 dispersoes e composicao quantitativa de solucoes
14 dispersoes e composicao quantitativa de solucoes
 
coloides
   coloides   coloides
coloides
 
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções AquosasAula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
 
Dispersões
DispersõesDispersões
Dispersões
 
Concentração de soluções
Concentração de soluçõesConcentração de soluções
Concentração de soluções
 
Soluções e cálculos químicos (mariana)
Soluções e cálculos químicos (mariana)Soluções e cálculos químicos (mariana)
Soluções e cálculos químicos (mariana)
 

Semelhante a www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Dispersões e Soluções

Soluções aula 01
Soluções   aula 01Soluções   aula 01
Soluções aula 01
Vinícius Vieira
 
Dispersoes e soluções - publicação da LeYa
Dispersoes e soluções - publicação da LeYaDispersoes e soluções - publicação da LeYa
Dispersoes e soluções - publicação da LeYa
PedroHenriqueMoraes11
 
Soluções 2011 alunos
Soluções 2011 alunosSoluções 2011 alunos
Soluções 2011 alunos
Luciane Soares
 
Dispersoes (1).pptx
Dispersoes (1).pptxDispersoes (1).pptx
Dispersoes (1).pptx
JulianeDeMoura
 
Quimicageral ii fisqui2_pucrs
Quimicageral ii fisqui2_pucrsQuimicageral ii fisqui2_pucrs
Quimicageral ii fisqui2_pucrs
adalberto miran
 
Coloides
ColoidesColoides
Química - Coloides
Química - Coloides Química - Coloides
Química - Coloides
Thais Rodrigues
 
coloides-150519005650-lva1-app6892 (1).pdf
coloides-150519005650-lva1-app6892 (1).pdfcoloides-150519005650-lva1-app6892 (1).pdf
coloides-150519005650-lva1-app6892 (1).pdf
LuizAntonio642789
 
Dispersões e soluções.pdf
Dispersões e soluções.pdfDispersões e soluções.pdf
Dispersões e soluções.pdf
hevertonvaz
 
Química geral reações
Química geral   reaçõesQuímica geral   reações
Química geral reações
Ricardo Trapeze
 
2º ano EM - Apostila de Química
2º ano EM - Apostila de Química2º ano EM - Apostila de Química
2º ano EM - Apostila de Química
Rafael Schetz
 
Técnicas de Separação de Componentes de Misturas
Técnicas de Separação de Componentes de MisturasTécnicas de Separação de Componentes de Misturas
Técnicas de Separação de Componentes de Misturas
crisnetocosta
 
Separação misturas
Separação misturasSeparação misturas
Separação misturas
crisnetocosta
 
Tópicos para formação em tic 1 soluções
Tópicos para formação em tic 1 soluçõesTópicos para formação em tic 1 soluções
Tópicos para formação em tic 1 soluções
Fernanda Gonçalves
 
Roteiro aula laboratório ranielli lima do carmo.
Roteiro aula laboratório   ranielli lima do carmo.Roteiro aula laboratório   ranielli lima do carmo.
Roteiro aula laboratório ranielli lima do carmo.
RaniL18
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
matheusrl98
 
Aula biomedicina unip 1 semestre
Aula biomedicina unip 1 semestreAula biomedicina unip 1 semestre
Aula biomedicina unip 1 semestre
Simone Belorte de Andrade
 
Coloides
ColoidesColoides
Sandrogreco Aula 4 ReaçõEs Em SoluçãO Aquosa Quimica Geral
Sandrogreco Aula 4   ReaçõEs Em SoluçãO Aquosa   Quimica GeralSandrogreco Aula 4   ReaçõEs Em SoluçãO Aquosa   Quimica Geral
Sandrogreco Aula 4 ReaçõEs Em SoluçãO Aquosa Quimica Geral
Profª Cristiana Passinato
 

Semelhante a www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Dispersões e Soluções (19)

Soluções aula 01
Soluções   aula 01Soluções   aula 01
Soluções aula 01
 
Dispersoes e soluções - publicação da LeYa
Dispersoes e soluções - publicação da LeYaDispersoes e soluções - publicação da LeYa
Dispersoes e soluções - publicação da LeYa
 
Soluções 2011 alunos
Soluções 2011 alunosSoluções 2011 alunos
Soluções 2011 alunos
 
Dispersoes (1).pptx
Dispersoes (1).pptxDispersoes (1).pptx
Dispersoes (1).pptx
 
Quimicageral ii fisqui2_pucrs
Quimicageral ii fisqui2_pucrsQuimicageral ii fisqui2_pucrs
Quimicageral ii fisqui2_pucrs
 
Coloides
ColoidesColoides
Coloides
 
Química - Coloides
Química - Coloides Química - Coloides
Química - Coloides
 
coloides-150519005650-lva1-app6892 (1).pdf
coloides-150519005650-lva1-app6892 (1).pdfcoloides-150519005650-lva1-app6892 (1).pdf
coloides-150519005650-lva1-app6892 (1).pdf
 
Dispersões e soluções.pdf
Dispersões e soluções.pdfDispersões e soluções.pdf
Dispersões e soluções.pdf
 
Química geral reações
Química geral   reaçõesQuímica geral   reações
Química geral reações
 
2º ano EM - Apostila de Química
2º ano EM - Apostila de Química2º ano EM - Apostila de Química
2º ano EM - Apostila de Química
 
Técnicas de Separação de Componentes de Misturas
Técnicas de Separação de Componentes de MisturasTécnicas de Separação de Componentes de Misturas
Técnicas de Separação de Componentes de Misturas
 
Separação misturas
Separação misturasSeparação misturas
Separação misturas
 
Tópicos para formação em tic 1 soluções
Tópicos para formação em tic 1 soluçõesTópicos para formação em tic 1 soluções
Tópicos para formação em tic 1 soluções
 
Roteiro aula laboratório ranielli lima do carmo.
Roteiro aula laboratório   ranielli lima do carmo.Roteiro aula laboratório   ranielli lima do carmo.
Roteiro aula laboratório ranielli lima do carmo.
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Aula biomedicina unip 1 semestre
Aula biomedicina unip 1 semestreAula biomedicina unip 1 semestre
Aula biomedicina unip 1 semestre
 
Coloides
ColoidesColoides
Coloides
 
Sandrogreco Aula 4 ReaçõEs Em SoluçãO Aquosa Quimica Geral
Sandrogreco Aula 4   ReaçõEs Em SoluçãO Aquosa   Quimica GeralSandrogreco Aula 4   ReaçõEs Em SoluçãO Aquosa   Quimica Geral
Sandrogreco Aula 4 ReaçõEs Em SoluçãO Aquosa Quimica Geral
 

Mais de Annalu Jannuzzi

www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Balanceamento Por Oxirreducão
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química -  Balanceamento Por Oxirreducão  www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química -  Balanceamento Por Oxirreducão
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Balanceamento Por Oxirreducão
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Vanguarda
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Vanguardawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Vanguarda
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Vanguarda
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismowww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barrocowww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Período Colonial
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Período Colonialwww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Período Colonial
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Período Colonial
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Mercantilismo.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Mercantilismo.www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Mercantilismo.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Mercantilismo.
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargaswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Médiawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Alta Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Alta Idade Médiawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Alta Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Alta Idade Média
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia - População Brasileira
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia -  População Brasileira www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia -  População Brasileira
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia - População Brasileira
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia - Bases Físicas do Brasil
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Bases Físicas do Brasilwww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Bases Físicas do Brasil
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia - Bases Físicas do Brasil
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Poríferos e Cnidários
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Poríferos e Cnidárioswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Poríferos e Cnidários
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Poríferos e Cnidários
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Platelmintos
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Platelmintoswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Platelmintos
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Platelmintos
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Os Biomas Brasileiro...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Os Biomas Brasileiro...www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Os Biomas Brasileiro...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Os Biomas Brasileiro...
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Biosfera - Parte 3.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Biosfera - Parte 3.www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Biosfera - Parte 3.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Biosfera - Parte 3.
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Classificação dos seres vivos.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Classificação dos seres vivos.www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Classificação dos seres vivos.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Classificação dos seres vivos.
Annalu Jannuzzi
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Características Gerais dos Animais
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Características Gerais dos Animaiswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Características Gerais dos Animais
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Características Gerais dos Animais
Annalu Jannuzzi
 

Mais de Annalu Jannuzzi (18)

www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Balanceamento Por Oxirreducão
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química -  Balanceamento Por Oxirreducão  www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química -  Balanceamento Por Oxirreducão
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Balanceamento Por Oxirreducão
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Vanguarda
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Vanguardawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Vanguarda
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Vanguarda
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismowww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barrocowww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Período Colonial
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Período Colonialwww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Período Colonial
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Período Colonial
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Mercantilismo.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Mercantilismo.www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Mercantilismo.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Mercantilismo.
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargaswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Médiawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Alta Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Alta Idade Médiawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Alta Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Alta Idade Média
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia - População Brasileira
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia -  População Brasileira www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia -  População Brasileira
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia - População Brasileira
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia - Bases Físicas do Brasil
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Bases Físicas do Brasilwww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Bases Físicas do Brasil
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Geografia - Bases Físicas do Brasil
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Poríferos e Cnidários
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Poríferos e Cnidárioswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Poríferos e Cnidários
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Poríferos e Cnidários
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Platelmintos
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Platelmintoswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Platelmintos
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Platelmintos
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Os Biomas Brasileiro...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Os Biomas Brasileiro...www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Os Biomas Brasileiro...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Os Biomas Brasileiro...
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Biosfera - Parte 3.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Biosfera - Parte 3.www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Biosfera - Parte 3.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Biosfera - Parte 3.
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Classificação dos seres vivos.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Classificação dos seres vivos.www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Classificação dos seres vivos.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Classificação dos seres vivos.
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Características Gerais dos Animais
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Características Gerais dos Animaiswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Características Gerais dos Animais
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Características Gerais dos Animais
 

Último

educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 

Último (20)

educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 

www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Dispersões e Soluções

  • 2. O que é um sistema; Substância simples e composta; Mistura homogênea e heterogênea; Ligações químicas. Para melhor entender essa aula você deverá saber os seguintes tópicos:
  • 3. - Ao final dessa aula você será capaz de: Diferenciar suspensão, dispersão coloidal e solução; Distinguir os componentes de uma solução; Compreender o que é solubilidade e como pode ser representada(coeficiente de solubilidade) ; Interpretar gráficos de curva de solubilidade; Classificar as soluções de acordo com a proporção do soluto e com o grau de saturação. Objetivos dessa aula:
  • 4. Vocabulário e conceitos: - Dispersão: Sistema heterogêneo, onde as partículas dispersas são detectadas a olho nu ou com o auxílio de microscópios comuns. - Suspensão coloidal: Sistema heterogêneo, onde as partículas dispersas são detectadas com o auxílio do microscópio eletrônico e do ultramicroscópio. - Solução: Sistema homogêneo, onde as partículas dispersas não são detectadas por nenhum tipo de instrumento de pesquisa. - Soluto: Substância presente em menor proporção na mistura. - Solvente: Substância presente em maior proporção na mistura. - Centrifugadores: Aparelhos que realizam separação em amostras fluidas .
  • 5. Vocabulário e conceitos: - Lei de Henry: Lei que estabelece a influência da pressão na solubilidade de um gás em um líquido. - Solução iônica: Solução que tem como soluto um composto iônico. - Solução molecular: Solução que tem como soluto um composto molecular. - Solução eletrolítica: Que conduz eletricidade. - Solução não-eletrolítica: Que não conduz eletricidade. - Solução diluída: Contém proporções relativamente pequenas de soluto. - Solução concentrada: Contém proporções relativamente maiores de soluto. - Solução saturada: Possui quantidade de soluto equivalente ao máximo que pode solubilizar.
  • 6. Vocabulário e conceitos: - Solução insaturada: Possui quantidade de soluto menor do que pode solubilizar . - Solução supersaturada: Possui quantidade de soluto maior do que pode solubilizar. - Coeficiente de solubilidade: quantidade máxima de soluto que pode ser dissolvida numa certa quantidade de solvente, a uma dada temperatura. - Precipitado: Quantidade de substância do soluto que não é solubilizada na solução formando um “corpo de chão”. - Gérmen de cristalização: Pequena pedra de soluto que causa precipitação de excesso de soluto em solução supersaturada.
  • 7. Classificação Dispersão Definição É uma mistura Esquema Organizacional Global Heterogênea Possui mais de uma fase Homogênea Tipos Solução Suspensão Dispersão coloidal As partículas dispersas são detectadas com o auxílio do microscópio eletrônico e do ultramicroscópio. As partículas dispersas são detectadas a olho nu ou com o auxílio de microscópios comuns. As partículas dispersas não são detectadas por nenhum tipo de instrumento de pesquisa. Possui apenas uma fase Tipo
  • 8. Esquema Organizacional Global Soluções Uma mistura homogênea a olho nu e ao microscópioDefinição Soluto (menor quantidade) + solvente (maior quantidade)Composição Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de solvente ou g de soluto /100 mL de solvente. Solubilidade Definição Gases Classificação Quanto maior a temperatura menor a solubilidade. Temperatur a Pressão Quanto maior a pressão maior a solubilidade, em temperatura constante. Influência Curvas de solubilidade
  • 9. Relembrando...Relembrando... Composição de um Sistema Substâncias Mistura Simples Compostas Formada por só um tipo de elemento químico Formada por dois ou mais tipos de elementos químicos Dispersão
  • 10. Classificação Dispersão Definição É uma mistura Esquema Organizacional Global Heterogênea Possui mais de uma fase Homogênea Tipos Solução Suspensão Dispersão coloidal As partículas dispersas são detectadas com o auxílio do microscópio eletrônico e do ultramicroscópio. As partículas dispersas são detectadas a olho nu ou com o auxílio de microscópios comuns. As partículas dispersas não são detectadas por nenhum tipo de instrumento de pesquisa. Possui apenas uma fase Tipo
  • 11. DispersãoDispersão Obs: 1nm = 10-9 metro As dispersões se classificam em:  Solução: Possui partículas dispersas menores que 1 nm; Ex: sacarose em água ou NaCl em água  Dispersão Coloidal: Possui partículas dispersas maiores que 1 nm e menor que 1000 nm; Ex: gelatina em água  Suspensão: Possui partículas dispersas maior que 1000 nm. Ex: leite de magnésia
  • 12. Características das partículas nos diferentes tipos de dispersão: Solução Dispersão Coloidal Suspensão Ação da gravidade e de centrifugadores comuns Não se sedimentam Não se sedimentam Sedimentam-se Ação de ultracentrifugadores Não se sedimentam Sedimentam-se Sedimentam-se Ação do filtro comum Não são retidas Não são retidas São retidas Ação do ultrafiltro Não são retidas São retidas São retidas Visibilidade ao microscópio comum Não são visíveis Não são visíveis São visíveis Visibilidade ao ultramicroscópio Não são visíveis São visíveis São visíveis
  • 13. Vamos exercitar? 1) (Unirio- RJ) Considere o quadro a seguir: Logo, podemos afirmar que: Propriedade Dispersão A Dispersão B Dispersão C Natureza da molécula Átomos, íons, ou pequenas moléculas Macromoléculas ou grupo de moléculas Partículas visíveis a olho nu Efeito da gravidade Não sedimenta Não sedimenta Sedimenta rapidamente Uniformidade Homogênea Não tão homogênea Heterogênea Separabilidade Não Por filtros especiais Por filtro comum
  • 14. Vamos exercitar? 1) (Unirio- RJ) Considere o quadro a seguir: Logo, podemos afirmar que: Propriedade Dispersão A Dispersão B Dispersão C Natureza da molécula Átomos, íons, ou pequenas moléculas Macromoléculas ou grupo de moléculas Partículas visíveis a olho nu Efeito da gravidade Não sedimenta Não sedimenta Sedimenta rapidamente Uniformidade Homogênea Não tão homogênea Heterogênea Separabilidade Não Por filtros especiais Por filtro comum
  • 15. a)A = solução verdadeira; B = suspensão; C = dispersão coloidal b)A = suspensão; B = solução coloidal; C = solução verdadeira c)A = dispersão coloidal; B = solução verdadeira; C = suspensão d)A = dispersão coloidal; B = suspensão; C = solução verdadeira e)A = solução verdadeira; B = dispersão coloidal; C= suspensão Vamos exercitar?
  • 16. Tipos Dispersão Definição Solução Suspensão Dispersão coloidal As partículas dispersas são detectadas com o auxílio do microscópio eletrônico e do ultramicroscópio. As partículas dispersas são detectadas a olho nu ou com o auxílio de microscópios comuns. As partículas dispersas não são detectadas por nenhum tipo de instrumento de pesquisa. Resposta A dispersão A é formada por átomos ou íons, etc (partículas que não são visíveis por nenhum tipo de instrumento) Solução verdadeira. Propriedade Dispersão A Dispersão B Dispersão C Natureza da molécula Átomos, íons, ou pequenas moléculas Macromoléculas ou grupo de moléculas Partículas visíveis a olho nu Efeito da gravidade Não sedimenta Não sedimenta Sedimenta rapidamente Uniformidade Homogênea Não tão homogênea Heterogênea Separabilidade Não Por filtros especiais Por filtro comum É uma mistura
  • 17. Tipos Dispersão Definição Solução Suspensão Dispersão coloidal As partículas dispersas são detectadas com o auxílio do microscópio eletrônico e do ultramicroscópio. As partículas dispersas são detectadas a olho nu ou com o auxílio de microscópios comuns. As partículas dispersas não são detectadas por nenhum tipo de instrumento de pesquisa. Resposta A dispersão B por macromoléculas (podem ser separadas por filtros especiais e detectadas com ultramicroscópicos) Dispersão coloidal. Propriedade Dispersão A Dispersão B Dispersão C Natureza da molécula Átomos, íons, ou pequenas moléculas Macromoléculas ou grupo de moléculas Partículas visíveis a olho nu Efeito da gravidade Não sedimenta Não sedimenta Sedimenta rapidamente Uniformidade Homogênea Não tão homogênea Heterogênea Separabilidade Não Por filtros especiais Por filtro comum É uma mistura
  • 18. Tipos Dispersão Definição Solução Suspensão Dispersão coloidal É uma mistura As partículas dispersas são detectadas com o auxílio do microscópio eletrônico e do ultramicroscópio. As partículas dispersas são detectadas a olho nu ou com o auxílio de microscópios comuns. As partículas dispersas não são detectadas por nenhum tipo de instrumento de pesquisa. Resposta A dispersão C é formada por partículas visíveis a olho nu. Suspensão. Propriedade Dispersão A Dispersão B Dispersão C Natureza da molécula Átomos, íons, ou pequenas moléculas Macromoléculas ou grupo de moléculas Partículas visíveis a olho nu Efeito da gravidade Não sedimenta Não sedimenta Sedimenta rapidamente Uniformidade Homogênea Não tão homogênea Heterogênea Separabilidade Não Por filtros especiais Por filtro comum
  • 19. Tipos Dispersão Definição Solução Suspensão Dispersão coloidal É uma mistura As partículas dispersas são detectadas com o auxílio do microscópio eletrônico e do ultramicroscópio. As partículas dispersas são detectadas a olho nu ou com o auxílio de microscópios comuns. As partículas dispersas não são detectadas por nenhum tipo de instrumento de pesquisa. Resposta Resposta: Letra EResposta: Letra E Propriedade Dispersão A Dispersão B Dispersão C Natureza da molécula Átomos, íons, ou pequenas moléculas Macromoléculas ou grupo de moléculas Partículas visíveis a olho nu Efeito da gravidade Não sedimenta Não sedimenta Sedimenta rapidamente Uniformidade Homogênea Não tão homogênea Heterogênea Separabilidade Não Por filtros especiais Por filtro comum
  • 20. 2) (Cesgranrio-RJ) O colágeno é a proteína mais abundante no corpo humano, fazendo parte da composição de órgãos e tecidos de sustentação. Apesar de não ser comestível, seu aquecimento em água produz uma mistura de outras proteínas comestíveis, denominadas gelatinas. Essas proteínas possuem diâmetros médios entre 1,0 nm e 1.000 nm e, quando em solução aquosa, formam sistemas caracterizados como: a) soluções verdadeiras b) dispersantes c) coagulantes d) homogêneos e) coloides Agora é a sua vez!
  • 21. 2) (Cesgranrio-RJ) O colágeno é a proteína mais abundante no corpo humano, fazendo parte da composição de órgãos e tecidos de sustentação. Apesar de não ser comestível, seu aquecimento em água produz uma mistura de outras proteínas comestíveis, denominadas gelatinas. Essas proteínas possuem diâmetros médios entre 1,0 nm e 1.000 nm e, quando em solução aquosa, formam sistemas caracterizados como: a) soluções verdadeiras b) dispersantes c) coagulantes d) homogêneos e) coloides Agora é a sua vez!
  • 22. É uma coloide, ou seja, dispersão coloidal, já que as suas partículas possuem entre 1 nm e 1.000 nm. Tipos Dispersão Definição Solução Suspensão Dispersão coloidal Possui partículas dispersas maiores que 1 nm e menor que 1000 nm. Possui partículas dispersas menores que 1 nm. Possui partículas dispersas maior que 1000 nm Resposta Resposta: Letra EResposta: Letra E É uma mistura
  • 23. Classificação Dispersão Definição É uma mistura Esquema Organizacional Global Heterogênea Possui mais de uma fase Homogênea Tipos Solução Suspensão Dispersão coloidal As partículas dispersas são detectadas com o auxílio do microscópio eletrônico e do ultramicroscópio. As partículas dispersas são detectadas a olho nu ou com o auxílio de microscópios comuns. Possui apenas uma fase Tipo
  • 24. Esquema Organizacional Parcial Soluções Uma mistura homogênea a olho nu e ao microscópioDefinição
  • 25. É o nome dado a dispersões cujo tamanho das moléculas dispersas é menor que 1 nanometro. A solução ainda pode ser caracterizada por formar um sistema homogêneo (a olho nu e ao microscópio), por ser impossível separar o disperso do dispersante por processos físicos. Soluções
  • 26. Esquema Organizacional Parcial Soluções Uma mistura homogênea a olho nu e ao microscópioDefinição Soluto (menor quantidade) + solvente (maior quantidade)Composição
  • 27. Composição da Solução A solução é composta por soluto e solvente, sendo: Soluto – Substância que está sendo dissolvida. É o componente da solução que se apresenta em menor quantidade. Solvente – Substância que efetua a dissolução. É o componente da solução que se apresenta em maior quantidade. Obs: Solução aquosa é aquela no qual o solvente é a água. Sal (soluto) + Água (solvente) Solução aquosa com sal de cozinha =Ex:
  • 28. Cuidado para não confundir Soluto – Está dissolvido na solução. Solvente – Está dissolvendo o soluto. Ex: Fonte: FELTRE, R.; Química; Volume 1; 6° edição; Editora Moderna
  • 29. Esquema Organizacional Parcial Soluções Uma mistura homogênea a olho nu e ao microscópioDefinição Soluto (menor quantidade) + solvente (maior quantidade)Composição Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de solvente ou g de soluto /100 mL de solvente. Solubilidade Definição
  • 30. Solubilidade é a quantidade máxima de soluto que pode ser dissolvida numa certa quantidade de solvente, a uma dada temperatura. Também pode ser chamada de coeficiente de solubilidade(CS), que pode ser expresso em g de soluto/100 g de solvente ou g de soluto/100 mL de solvente. Solubilidade Ex: Em temperatura constante e sob agitação contínua, verifica-se que, o sal só dissolve até certo ponto, após irá se depositar no fundo do recipiente. Isso quer dizer que a solução está saturada, pois atingiu o seu ponto de saturação. Fonte: FELTRE, R.; Química; Volume 1; 6° edição; Editora Moderna
  • 31. Esquema Organizacional Parcial Soluções Uma mistura homogênea a olho nu e ao microscópioDefinição Soluto (menor quantidade) + solvente (maior quantidade)Composição Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de solvente ou g de soluto /100 mL de solvente. Solubilidade Definição Gases Quanto maior a temperatura menor a solubilidade. Temperatur a Pressão Quanto maior a pressão maior a solubilidade, em temperatura constante. Influência
  • 32. Solubilidade Normalmente, os gases são pouco solúveis nos líquidos. Dois fatores alteram consideravelmente a solubilidade: 1.Temperatura: Todo aumento de temperatura diminui a solubilidade do gás no líquido. 2.Pressão: Quando não ocorre reação do gás com o líquido, a influência da pressão é estabelecida pela lei de Henry: Ex: Os refrigerantes, que apresentam grande quantidade de CO2 dissolvido sob pressão. Quando o refrigerante é aberto, a pressão diminui, fazendo com que o excesso de CO2 “Em temperatura constante, a solubilidade de um gás num líquido é diretamente proporcional à pressão”. “Em temperatura constante, a solubilidade de um gás num líquido é diretamente proporcional à pressão”. Fonte: FELTRE, R.; Química; Volume 1; 6° edição; Editora Moderna
  • 33. 3) (Unitau- SP) Na carbonatação de um refrigerante, as condições em que se deve dissolver o gás carbônico na bebida são: a)Pressão e temperatura quaisquer. b)Pressão e temperatura elevadas. c)Pressão e temperatura baixas. d)Baixa pressão e elevada temperatura. e)Alta pressão e baixa temperatura. Vamos exercitar?
  • 34. 3) (Unitau- SP) Na carbonatação de um refrigerante, as condições em que se deve dissolver o gás carbônico na bebida são: a)Pressão e temperatura quaisquer. b)Pressão e temperatura elevadas. c)Pressão e temperatura baixas. d)Baixa pressão e elevada temperatura. e)Alta pressão e baixa temperatura. Vamos exercitar?
  • 35. As condições que se deve dissolver o gás carbônico na bebida deve ser em maior pressão e baixa temperatura já que a solubilidade de um gás em um líquido aumenta em maior pressão e menor temperatura. Resposta Resposta: Letra EResposta: Letra E Solubilidade Gases Quanto maior a temperatura menor a solubilidade. Temperatur a Pressão Influência Quanto maior a pressão maior a solubilidade, em temperatura constante.
  • 36. 4) (PUC-MG) Um grave problema ambiental atualmente é o aquecimento das águas dos rios, lagos e mares por industrias que as utilizam para o resfriamento de turbinas e elevam a temperatura até 25°C acima do normal. Isso pode provocar a morte de peixes e outras espécies aquáticas, ao diminuir a quantidade de oxigênio dissolvido na água. Portanto, é correto concluir que: a) Esse aquecimento diminui a solubilidade do oxigênio na água, provocando o seu desprendimento. Vamos exercitar?
  • 37. 4) (PUC-MG) Um grave problema ambiental atualmente é o aquecimento das águas dos rios, lagos e mares por industrias que as utilizam para o resfriamento de turbinas e elevam a temperatura até 25°C acima do normal. Isso pode provocar a morte de peixes e outras espécies aquáticas, ao diminuir a quantidade de oxigênio dissolvido na água. Portanto, é correto concluir que: a) Esse aquecimento diminui a solubilidade do oxigênio na água, provocando o seu desprendimento. Vamos exercitar?
  • 38. b) Esse aquecimento provoca o rompimento das ligações H e O nas moléculas de água. c) Esse aquecimento provoca o aquecimento do gás carbônico. d) Esse aquecimento faz com que mais de um átomo de oxigênio se liga a cada molécula de água. e) Os peixes e outras espécies acabam morrendo por aquecimento e não por asfixia. Vamos exercitar?
  • 39. b) Esse aquecimento provoca o rompimento das ligações H e O nas moléculas de água. c) Esse aquecimento provoca o aquecimento do gás carbônico. d) Esse aquecimento faz com que mais de um átomo de oxigênio se liga a cada molécula de água. e) Os peixes e outras espécies acabam morrendo por aquecimento e não por asfixia. Vamos exercitar?
  • 40. O aumento da temperatura da água faz com que o gás dissolvido nela perca a solubilidade. Logo, o oxigênio dissolvido na água se desprende. Resposta Resposta: Letra AResposta: Letra A Solubilidade Gases Quanto maior a temperatura menor a solubilidade. Temperatur a Pressão Influência Quanto maior a pressão maior a solubilidade, em temperatura constante.
  • 41. Agora é a sua vez! 5) (ITA-SP) Quando submersos em “águas profundas”, os mergulhadores necessitam voltar lentamente à superfície para evitar a formação de bolhas de gás no sangue. I) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador desloca-se de regiões próximas à superfície para as regiões de “águas profundas”. II) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador desloca-se muito lentamente de regiões de “águas profundas” para as regiões próximas da superfície.
  • 42. Agora é a sua vez! 5) (ITA-SP) Quando submersos em “águas profundas”, os mergulhadores necessitam voltar lentamente à superfície para evitar a formação de bolhas de gás no sangue. I) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador desloca-se de regiões próximas à superfície para as regiões de “águas profundas”. II) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador desloca-se muito lentamente de regiões de “águas profundas” para as regiões próximas da superfície.
  • 43. Agora é a sua vez! III) Explique o motivo da FORMAÇÃO de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador desloca-se muito rapidamente de regiões de “águas profundas” para as regiões próximas da superfície.
  • 44. Agora é a sua vez! III) Explique o motivo da FORMAÇÃO de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador desloca-se muito rapidamente de regiões de “águas profundas” para as regiões próximas da superfície.
  • 45. I) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador desloca-se de regiões próximas à superfície para as regiões de “águas profundas”. Justificativa: Em regiões de águas profundas a pressão é maior e a solubilidade dos gases aumenta com o aumento da pressão. Por isso, não se formam bolhas no sangue do mergulhador. Resposta Solubilidade Gases Quanto maior a temperatura menor a solubilidade. Temperatur a Pressão Influência Quanto maior a pressão maior a solubilidade, em temperatura constante.
  • 46. II) Explique o motivo da NÃO formação de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador desloca-se muito lentamente de regiões de “águas profundas” para as regiões próximas da superfície. Justificativa: A pressão diminui lentamente por isso, a solubilidade do gás no sangue também diminui lentamente, evitando a formação de bolhas no sangue do mergulhador. Resposta Solubilidade Gases Quanto maior a temperatura menor a solubilidade. Temperatur a Pressão Influência Quanto maior a pressão maior a solubilidade, em temperatura constante.
  • 47. III) Explique o motivo da FORMAÇÃO de bolhas de gás no sangue quando o mergulhador desloca-se muito rapidamente de regiões de “águas profundas” para as regiões próximas da superfície. Justificativa: Ao subir rapidamente para a superfície, a solubilidade do gás no sangue diminui bruscamente, com a rápida redução da pressão, ocorrendo formação de bolhas. Resposta Solubilidade Gases Quanto maior a temperatura menor a solubilidade. Temperatur a Pressão Influência Quanto maior a pressão maior a solubilidade, em temperatura constante.
  • 48. Esquema Organizacional Parcial Soluções Uma mistura homogênea a olho nu e ao microscópioDefinição Soluto (menor quantidade) + solvente (maior quantidade)Composição Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de solvente ou g de soluto /100 mL de solvente. Solubilidade Definição Gases Classificação Quanto maior a temperatura menor a solubilidade. Temperatur a Pressão Quanto maior a pressão maior a solubilidade, em temperatura constante. Influência
  • 49.  Quanto ao estado  Quanto à natureza do soluto  Quanto à proporção do soluto  Quanto à solubilidade Classificação das soluções
  • 50. Quanto ao estado Sólido O solvente é sempre líquido e o soluto pode ser: sólido, líquido ou gasoso. líquido gasoso O solvente é sempre sólido e o soluto pode ser: sólido, líquido ou gasoso. O solvente é gasoso e o soluto gasoso. Classificação Esquema Organizacional de Classificação das Soluções
  • 51. Soluções sólidas – O solvente é sempre sólido e o soluto pode ser: sólido, líquido ou gasoso. Soluções líquidas – O solvente é sempre líquido e o soluto pode ser: sólido, líquido ou gasoso. Ex: Soro fisiológico (líquido + sólido) Quanto ao estado Ex: Ouro 18 quilates: 75% ouro + 25% cobre e prata (sólido + sólido) Soluções gasosas – O solvente é sempre gasoso e o soluto pode ser: sólido, líquido ou gasoso. Ex: Ar atmosférico (gás + gás) Fonte: www.tudojoia.blog.br Fonte: www.tudosobreplantas.com.br Fonte: www.wikipedia.org
  • 52. Quanto ao estado Sólido O solvente é sempre líquido e o soluto pode ser: sólido, líquido ou gasoso. Quanto à natureza do soluto líquido gasoso Moleculares Iônicas O solvente é sempre sólido e o soluto pode ser: sólido, líquido ou gasoso. O solvente é gasoso e o soluto gasoso. As partículas dispersas são moléculas. Essas soluções não conduzem eletricidade. As partículas dispersas são íons. Essas soluções conduzem eletricidade.Classificação Esquema Organizacional de Classificação das Soluções
  • 53. Quanto à natureza do soluto Exceção: Embora os ácidos sejam compostos moleculares, em água, eles originam uma solução eletrolítica. Soluções moleculares – Não-eletrolíticas - o soluto é um composto molecular. Ela é não-eletrolítica por que não conduz eletricidade. Ex: Solução aquosa de açúcar. Açúcar (soluto) + água (solvente) Soluções iônicas – Eletrolíticas - o soluto é um composto iônico. Ela é eletrolítica por que conduz eletricidade. Ex: Solução aquosa de sal de cozinha(NaCl). NaCl (soluto) + água (solvente)
  • 54. Quanto ao estado Sólido O solvente é sempre líquido e o soluto pode ser: sólido, líquido ou gasoso. Quanto à natureza do soluto Quanto à proporção de soluto líquido gasoso Moleculares Iônicas Concentrada Diluída O solvente é sempre sólido e o soluto pode ser: sólido, líquido ou gasoso. O solvente é gasoso e o soluto gasoso. Pouco soluto dissolvido em relação ao solvente Muito soluto dissolvido em relação ao solvente As partículas dispersas são moléculas. Essas soluções não conduzem eletricidade. As partículas dispersas são íons. Essas soluções conduzem eletricidade.Classificação Esquema Organizacional de Classificação das Soluções
  • 55. Solução diluída– É aquela que contém proporções relativamente pequenas de soluto. Solução concentrada – É aquela que contém proporções relativamente maiores de soluto. Elas são somente possíveis quando o soluto é muito solúvel. Quanto à proporção do soluto
  • 56. Esquema Organizacional de Classificação das Soluções Quanto ao estado Sólido O solvente é sempre líquido e o soluto pode ser: sólido, líquido ou gasoso. Quanto à natureza do soluto Quanto à proporção de soluto líquido gasoso Moleculares Iônicas Concentrada Diluída O solvente é sempre sólido e o soluto pode ser: sólido, líquido ou gasoso. O solvente é gasoso e o soluto gasoso. Pouco soluto dissolvido em relação ao solvente Muito soluto dissolvido em relação ao solvente As partículas dispersas são moléculas. Essas soluções não conduzem eletricidade. As partículas dispersas são íons. Essas soluções conduzem eletricidade. Quanto à solubilidade Insaturada Saturada Supersaturada massa(soluto dissolvido) < Cs massa(soluto dissolvido) = Cs massa(soluto dissolvido) > Cs Classificação
  • 57. Solução saturada – contém a máxima quantidade de soluto possível de ser dissolvida. massa(soluto dissolvido) = Cs Solução insaturada – possui menos soluto do que se pode dissolver. massa(soluto dissolvido) < Cs Solução supersaturada – contém mais soluto do que o solvente presente pode dissolver. massa(soluto dissolvido) > Cs As soluções em relação à capacidade de solubilidade podem ser classificadas como: Quanto à solubilidade
  • 58. Para classificar uma solução de acordo com a sua solubilidade, é essencial conhecer o coeficiente de solubilidade dela. Esses coeficientes são determinados experimentalmente e geralmente serão dados nos exercícios. Observação:
  • 59. A classificação da solubilidade pode ser representada esquematicamente do seguinte modo: O ponto de saturação representa um limite de estabilidade. Consequentemente, as soluções supersaturadas só podem existir em condições especiais e, quando ocorrem, são sempre instáveis. Fonte: FELTRE, R.; Química; Volume 1; 6° edição; Editora Moderna
  • 60. Observe o seguinte esquema: Fonte: FELTRE, R.; Química; Volume 1; 6° edição; Editora Moderna
  • 61. 1L de água a 70°C Insaturada Exemplo 1 Quantidade de soluto < Cs Coeficiente de solubilidade (Cs) do KNO3 é 138g de KNO3 em 100g de H2O (70°C) Em 1L de água o Cs = 1380g de KNO3 (70°C)
  • 62. Exemplo 2 1L de água a 70°C Saturada Quantidade de soluto = Cs Em 1L de água o Cs = 1380g de KNO3 (70°C)
  • 63. Exemplo 3 Em 1L de água o Cs = 1380g de KNO3 (70°C) Precipitado 220g de KNO3 (1600 g – 1380 g = 220 g) Saturada com precipitado (corpo de fundo ) Quantidade de soluto = Cs Precipitado = Quantidade além do Cs
  • 64. Exemplo 4 Em 1L de água o Cs = 1380g de KNO3 (70°C) 1L de água a 90°C 1L de água a 70°C Após resfriar lentamente Soluto = 1600g Supersaturada Quantidade de soluto > Cs
  • 65. Exemplo 4 Em 1L de água o Cs = 1380g de KNO3 (70°C)  Adicionando um gérmen de cristalização na solução supersaturada: Soluto = 1600g Precipitado 220g de KNO3 Obs: Gérmen de cristalização é um pequeno cristal de soluto sobre o qual o excesso de soluto se precipita.
  • 66. Vamos exercitar? 6) (Puc-rio) A tabela a seguir mostra a solubilidade de vários sais, a temperatura ambiente, em g/100ml: AgNO3 (nitrato de prata): 260 Al2(SO4)3 (sulfato de alumínio): 160 NaCl (cloreto de sódio): 36 KNO3 (nitrato de potássio): 52 KBr (brometo de potássio): 64 Se 25ml de uma solução saturada de um destes sais foram completamente evaporados, e o resíduo sólido pesou 13g, o sal é: a) AgNO3 b) Al2(SO4)3 c) NaCl d) KNO3 e) KBr
  • 67. Vamos exercitar? 6) (Puc-rio) A tabela a seguir mostra a solubilidade de vários sais, a temperatura ambiente, em g/100ml: AgNO3 (nitrato de prata): 260 Al2(SO4)3 (sulfato de alumínio): 160 NaCl (cloreto de sódio): 36 KNO3 (nitrato de potássio): 52 KBr (brometo de potássio): 64 Se 25ml de uma solução saturada de um destes sais foram completamente evaporados, e o resíduo sólido pesou 13g, o sal é: a) AgNO3 b) Al2(SO4)3 c) NaCl d) KNO3 e) KBr
  • 68. Resposta 25 ml ---- 13g 100ml ---- X 25X = 100 x 13 X = 1300/25 X= 52g 52g em 100ml é a solubilidade do KNO3 Resposta: Letra DResposta: Letra D Quanto à solubilidade Insaturada Saturada Supersaturada massa(soluto dissolvido) < Cs massa(soluto dissolvido) = Cs massa(soluto dissolvido) > Cs Classificação Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de solvente ou g de soluto /100 mL de solvente. Solubilidade Definição
  • 69. Vamos exercitar? 7) (FUVEST-SP) Quatro tubos contêm 20 mL de água cada um. Coloca-se nesses tubos dicromato de potássio nas seguintes quantidades: A solubilidade do sal, a 20°C, é igual a 12,5g por 100 mL de água. Após agitação, em quais dos tubos coexistem, nessa temperatura, solução saturada e fase sólida? a) em nenhum. b) apenas em D. c) apenas em C e D. d) apenas em B, C e D. e) em todos. Tubos Tubo A Tubo B Tubo C Tubo D Massa de K2CrO7 1,0 3,0 5,0 7,0
  • 70. Vamos exercitar? 7) (FUVEST-SP) Quatro tubos contêm 20 mL de água cada um. Coloca-se nesses tubos dicromato de potássio nas seguintes quantidades: A solubilidade do sal, a 20°C, é igual a 12,5g por 100 mL de água. Após agitação, em quais dos tubos coexistem, nessa temperatura, solução saturada e fase sólida? a) em nenhum. b) apenas em D. c) apenas em C e D. d) apenas em B, C e D. e) em todos. Tubos Tubo A Tubo B Tubo C Tubo D Massa de K2CrO7 1,0 3,0 5,0 7,0
  • 71. Resposta 100ml ---- 12,5g 20 ml ---- X Solubiliza 2,5g de K2Cr2O7 em 20 ml de água a 20° C. 100X = 20 x 12,5 X = 250/100 X= 2,5g Tubo A: 1,0 < 2,5 Solução insaturada sem sólido Tubo B: 3,0 > 2,5 Solução saturada com 0,5g de sólido Tubo C: 5,0 > 2,5 Solução saturada com 2,5g de sólido Tubo D: 7,0 > 2,5 Solução saturada com 4,5g de sólido Resposta: Letra DResposta: Letra D Quanto à solubilidade Insaturada Saturada Supersaturada massa(soluto dissolvido) < Cs massa(soluto dissolvido) = Cs massa(soluto dissolvido) > Cs Classificação Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de solvente ou g de soluto /100 mL de solvente. Solubilidade Definição
  • 72. Agora é a sua vez! 8) (COVEST-PE) A solubilidade do oxalato de cálcio a 20°C é de 33,0g por 100g de água. Qual a massa, em gramas, de CaC2O4 depositada no fundo do recipiente quando 100g de CaC2O4(s) são adicionados em 200g de água a 20°C?
  • 73. Agora é a sua vez! 8) (COVEST-PE) A solubilidade do oxalato de cálcio a 20°C é de 33,0g por 100g de água. Qual a massa, em gramas, de CaC2O4 depositada no fundo do recipiente quando 100g de CaC2O4(s) são adicionados em 200g de água a 20°C?
  • 74. Resposta 100g ---- 33g 200g ---- X 66 g de CaC2O4 são solubilizados em 200 g de água a 20° C. Irá se depositar no fundo 34 g. 100X = 200 x 33 X = 6600/100 X= 66g Quanto à solubilidade Insaturada Saturada Supersaturada massa(soluto dissolvido) < Cs massa(soluto dissolvido) = Cs massa(soluto dissolvido) > Cs Classificação Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de solvente ou g de soluto /100 mL de solvente. Solubilidade Definição Massa solubilizada: 66g Massa adicionada: 100g Massa depositada no fundo: 100g – 66g = 34g
  • 75. Esquema Organizacional Parcial Soluções Uma mistura homogênea a olho nu e ao microscópioDefinição Soluto (menor quantidade) + solvente (maior quantidade)Composição Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de solvente ou g de soluto /100 mL de solvente. Solubilidade Definição Gases Classificação Quanto maior a temperatura menor a solubilidade. Temperatur a Pressão Quanto maior a pressão maior a solubilidade, em temperatura constante. Influência Curvas de solubilidade
  • 76. Esquema Organizacional de Curvas Curvas de solubilidade Função Representar a quantidade máxima de soluto que pode ser dissolvida a uma certa temperatura
  • 77. Curvas de Solubilidade As curvas de solubilidade são utilizadas para representar as quantidades máximas de soluto que podem ser dissolvidas, em diferentes temperaturas, de uma massa fixa de um solvente. Veja, por exemplo, como pode ser construída a curva de solubilidade do KNO3: BOSQUILHA, G.; Minimanual compacto de química – Teoria e prática; 2° edição revista; Editora Rideel
  • 78. Curvas de Solubilidade Colocamos esses valores em um gráfico e obtemos a curva de solubilidade do KNO3. As curvas de solubilidade podem ser ascendentes, descendentes ou constantes. BOSQUILHA, G.; Minimanual compacto de química – Teoria e prática; 2° edição revista; Editora Rideel
  • 79. Curvas de solubilidade Interpretação do gráfico Região das soluções supersaturadas (instáveis) A cima da curva Abaixo da curva Região das soluções insaturadas (estáveis) Região Na curva Região das soluções saturadas (estáveis) Função Representar a quantidade máxima de soluto que pode ser dissolvida a uma certa temperatura Esquema Organizacional de Curvas de Solubilidade
  • 80. Curvas de Solubilidade Interpretando o gráfico: Na temperatura 20°C temos: X  Insaturada Y  Saturada Z  Supersaturada Na temperatura 20°C temos: X  Insaturada Y  Saturada Z  Supersaturada Fonte: FELTRE, R.; Química; Volume 1; 6° edição; Editora Moderna
  • 81. Esquema Organizacional de Curvas de Solubilidade Curvas de solubilidade Interpretação do gráfico Região das soluções supersaturadas (instáveis) A cima da curva Abaixo da curva Região das soluções insaturadas (estáveis) Região Tipo de curva Na curva Região das soluções insaturadas (estáveis) Dissolução endotérmica Ascendente Dissolução exotérmica Descendente O calor aumenta a solubilidade O calor diminui a solubilidade Função Representar a quantidade máxima de soluto que pode ser dissolvida a uma certa temperatura
  • 82. Curvas de Solubilidade Uma curva de solubilidade é ascendente quando o aumento da temperatura aumenta a solubilidade. Nesse caso temos uma dissolução endotérmica. Uma curva de solubilidade é descendente quando o aumento da temperatura diminui a solubilidade. Nesse caso temos uma dissolução exotérmica. Fonte:http://turmadomario.com.br/cms/images/downl oad/quimica/2012_cm1241_revisao_de_solucoes_.pdf Fonte:http://turmadomario.com.br/cms/images/downl oad/quimica/2012_cm1241_revisao_de_solucoes_.pdf
  • 83. 9) A curva de solubilidade de um sal hipotético é: j A quantidade de água necessária para dissolver 30 gramas do sal a 35°C será, em gramas: a) 45 b) 60 c) 75 d) 90 e) 105 Vamos exercitar?
  • 84. 9) A curva de solubilidade de um sal hipotético é: j A quantidade de água necessária para dissolver 30 gramas do sal a 35°C será, em gramas: a) 45 b) 60 c) 75 d) 90 e) 105 Vamos exercitar?
  • 85. Resposta 35° C 50g ---- 100g 30g ---- X A 35°C são solubilizados 50g de sal em 100g de água. 50 Função Representar a quantidade máxima de soluto que pode ser dissolvida a uma certa temperatura Interpretação do gráfico Curvas de solubilidade
  • 86. Resposta 35° C 50g ---- 100g 30g ---- X A 35°C são solubilizados 50g de sal em 100g de água. Nessa mesma temperatura 60 g de água são suficientes para solubilizar 30g de sal. Quantidade máxima de soluto dissolvida em solvente, a uma dada temperatura. Pode ser expressa em g de soluto/100 g de solvente ou g de soluto /100 mL de solvente. Solubilidade Definição 50X = 100 x 30 X = 3000/50 X= 60g
  • 87. Vamos exercitar? 10) (UFC-CE) O gráfico mostra a curva de solubilidade de um sal em água. Considerando que em uma determinada temperatura 40g deste sal foram dissolvidos em 100g de água. Indique:
  • 88. Vamos exercitar? 10) (UFC-CE) O gráfico mostra a curva de solubilidade de um sal em água. Considerando que em uma determinada temperatura 40g deste sal foram dissolvidos em 100g de água. Indique:
  • 89. a) a característica desta solução, quanto à concentração, nos pontos A, B e C do gráfico; b) a quantidade de sal que será possível cristalizar, resfriando a solução até 30°C; c) a quantidade de sal que será cristalizada quando se evapora 20g de água a 40°C. Vamos exercitar?
  • 90. a) a característica desta solução, quanto à concentração, nos pontos A, B e C do gráfico; b) a quantidade de sal que será possível cristalizar, resfriando a solução até 30°C; c) a quantidade de sal que será cristalizada quando se evapora 20g de água a 40°C. Vamos exercitar?
  • 91. Resposta a) a característica desta solução, quanto à concentração, nos pontos A, B e C do gráfico; No ponto A a solução está supersaturada, no ponto B está saturada e no ponto C está insaturada. Interpretação do gráfico Região das soluções supersaturadas (instáveis) A cima da curva Abaixo da curva Região das soluções insaturadas (estáveis) Região Na curva Região das soluções saturadas (estáveis)
  • 92. Resposta b) a quantidade de sal que será possível cristalizar, resfriando a solução até 30°C; Quantidade de soluto dissolvida em 100g a uma dada temperatura: 40g Quantidade de soluto dissolvida em 100g a 30°C: 10g Quantidade de soluto que é possível cristalizar: 40g - 10g = 30g Função Representar a quantidade máxima de soluto que pode ser dissolvida a uma certa temperatura Interpretação do gráfico
  • 93. Resposta c) a quantidade de sal que será cristalizada quando se evapora 20g de água a 40°C. 30g (soluto) --- 100g de água X --- 80g(100g - 20g) de água 100X = 30 x 80 X = 2400/100 = 24g (soluto) A quantidade de sal que irá cristalizar será 40g – 24g = 16g A quantidade de sal que irá cristalizar será 40g – 24g = 16g Quantidade de sal adicionada
  • 94. Agora é a sua vez! 11) Seis soluções aquosas de nitrato de sódio, NaNO3, numeradas de I a VI, foram preparadas, em diferentes temperaturas, dissolvendo-se diferentes massas de NaNO3 em 100g de água. Em alguns casos, o NaNO3 não se dissolveu completamente. Este gráfico representa a curva de solubilidade de NaNO3, em função da temperatura, e seis pontos, que correspondem aos sistemas preparados:
  • 95. Agora é a sua vez! 11) Seis soluções aquosas de nitrato de sódio, NaNO3, numeradas de I a VI, foram preparadas, em diferentes temperaturas, dissolvendo-se diferentes massas de NaNO3 em 100g de água. Em alguns casos, o NaNO3 não se dissolveu completamente. Este gráfico representa a curva de solubilidade de NaNO3, em função da temperatura, e seis pontos, que correspondem aos sistemas preparados:
  • 96. A partir da análise desse gráfico, é CORRETO afirmar que os dois sistemas em que há precipitado são a) I e II. b) I e III. c) IV e V. d) V e VI. Agora é a sua vez!
  • 97. A partir da análise desse gráfico, é CORRETO afirmar que os dois sistemas em que há precipitado são a) I e II. b) I e III. c) IV e V. d) V e VI. Agora é a sua vez!
  • 98. Resposta Resposta: Letra BResposta: Letra B Interpretação do gráfico Região das soluções supersaturadas (instáveis) A cima da curva Abaixo da curva Região das soluções insaturadas (estáveis) Região Tipo de curva Na curva Região das soluções saturadas (estáveis) Dissolução endotérmica Ascendente Dissolução exotérmicaDescendente O calor aumenta a solubilidade O calor diminui a solubilidade
  • 99. Bibliografia Imagens FELTRE, R.; Química; Volume 1; 6° edição; Editora Moderna <http://www.tudojoia.blog.br> Acesso em: 20/12/12 às 22:00 <http://www.wikipedia.org> Acesso em 20/12/12 às 22:30 <http://www.tudosobreplantas.com.br> Acesso em: 20/12/12 às 23:00 Capa <http://www.mundoeducacao.com.br/quimica/tipos-dispersoes.htm> Acesso em: 21/12/12 às 16:00
  • 100. Bibliografia Livros USBERCO J.; SALVADOR E.; Química; Volume Único; 5° edição reformulada; Editora Saraiva FELTRE, R.; Química; Volume 1; 6° edição; Editora Moderna BOSQUILHA, G.; Minimanual compacto de química – Teoria e prática; 2° edição revista; Editora Rideel Sites <http://www.vestibulandoweb.com.br/quimica/teoria/solubilidade- solucoes.asp> Acesso em: 06/12/12 às 00:05 <http://www.pucrs.br/quimica/mateus/solucoes.pdf> Acesso em: 06/12/12 às 00:05