SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
Escola B+S D.Lucinda Andrade 
2014/2015 
Medição do pH com Diferentes Substâncias 
Carla Sofia nº2, 11º-turma C 
Jéssica Fernandes nº4, 11º-turma C 
Ricardina Figueira, nº10, 11º-turma-C 
Relatório experimental para a disciplina de física e química 
São Vicente, 27 de Novembro de 2014
Índice 
Introdução………………………………………………………………….3 
Desenvolvimento 
Escala de pH…………………………………………………………..4 
Indicador Universal……………………………………………………5 
Procedimento Experimental………………………………………………6 
Resultados………………………………………………………………….7 
Discussão/Conclusão………………………………………………………8 
Webgrafia……………………………………………………………………9 
Anexos………………………………………………………………………10
Introdução 
O trabalho realizado teve como objetivo realizar a medição do pH com 
várias substâncias, utilizando diferentes indicadores. Todas as substâncias 
possuem características químicas e físicas que nos permite caracterizá-las, e 
uma que pode facilmente ser utilizada é o pH. 
Os indicadores ácido-base são substâncias naturais ou sintéticas que 
têm a propriedade de mudarem de cor na presença de um ácido ou de uma 
base. 
Pág.3
Desenvolvimento 
Escala de Ph 
A escala de Ph geralmente varia entre 0 e 14, sendo que o 7 representa 
um meio neutro, os valores abaixo de 7 são meios ácidos e quanto menor o Ph, 
mais ácido é o meio, enquanto os valores acima de 7 são meios básicos e 
quanto maior esse valor, mais básico é o meio. 
Assim, os indicadores ácido-base são também usados para indicar os 
valores aproximados de Ph. 
O sistema de funcionamento dos indicadores é o seguinte: eles são um 
ácido fraco ou uma base fraca que entra em equilíbrio com a sua base ou ácido 
conjugado que apresenta coloração diferente. 
Existem vários indicadores artificiais usados em laboratório, sendo que 
os três mais usados: 
 Fenolftaleína: é um indicador líquido que fica incolor em 
meio ácido e rosa intenso em meio básico. 
 Papel de tornassol: Fica com cor azul na presença de bases e adquire 
cor na presença de bases e adquire cor vermelha na presença de 
ácidos . 
Pág.4
Indicador universal 
São obtidos quando se penetram as tiras de papel em soluções com 
uma mistura de indicadores, que depois são secas. Desse modo, eles 
apresentam cores diferentes para cada valor de pH, sendo mais. 
Assim, no laboratório, quando se quer determinar o pH de alguma 
solução, basta introduzir essas tiras na solução estudada e comparar a cor 
obtida com a escala que aparece na embalagem do indicador. 
 Tintura azul de Tornassol: na presença de soluções ácidas 
apresenta um tom avermelhado e na presença de soluções básicas 
ou alcalinas adquire uma cor azul-arroxeada. 
 Solução alcoólica de fenolftaleína: é incolor na presença de 
soluções ácidas e neutras e apresenta uma cor carmim característica 
na presença de soluções básicas. 
 Indicador universal- é composto por uma mistura de vários 
indicadores, o que permite identificar soluções ácidas e básicas 
como ainda, através de ma gradação de cores, mostrar se essa 
solução é muito ou pouco ácida ou básica. 
Pág.5
Parte Experimental 
Objetivo 
O objetivo desta experiência é mostrar três técnicas de medição do Ph de 
soluções de diferentes tipos como básicas, acidas ou alcalinas. 
Material 
 2 Vidros de relógio; 
 Papel indicador universal; 
 Censor de Ph; 
 5 Goblé; 
 Pinça; 
 Papel higiénico. 
Reagentes/Produtos 
 Sumo de limão; 
 Solução de tampão; 
 Vinagre; 
 Água e sabão; 
 Água açucarada; 
 Fenolftaleína; 
 Água de tornassol; 
 Água destilada; 
 Ph6. 
Pág.6
Procedimento Experimental 
 1º Medição de Ph dos indicadores azuis de tornassol e 
fenolftaleína nas diferentes soluções. 
 2º Medição do pH com o papel indicador universal nas diferentes 
soluções. 
 3º Medição do pH com um aparelho medidor Ph nas diversas 
soluções. 
Para começar, na primeira experiência começamos por medir o pH de 
cinco soluções, água açucarada, água e sabão, vinagre, sumo de limão e 
solução tampão. Para isso, utilizamos um medidor de pH. 
De seguida colocamos um pouco de cada solução num goblé, à vez. 
Desta vez, utilizamos o papel medidor universal. Depois de seco comparamos 
a cor do papel com a capa dos papéis e obtivemos o valor de pH. Assim 
realizamos a segunda experiencia. 
Para terminar realizamos uma terceira e última experiência. Para isso 
utilizamos de novo os goblé, e novamente com um pouco de cada solução, à 
vez. Às soluções juntamos fenolftaleína e a solução mudou de cor, por último 
voltamos a fazer o mesmo só que juntamos o tornassol. Sempre apontando 
tudo nas tabelas fornecidas pela professora da disciplina. 
No final da experiência limpamos a bancada. 
Pág.7
Resultados 
Medição do pH com os indicadores (azul tornesol e fenolftaleína) de 
diferentes soluções. 
Goblé 
Tipo de 
solução 
Cor adquirida 
ao deitar o 
tornesol 
Cor adquirida ao 
deitar 
fenolftaleína 
Caracter 
químico 
A Água 
Açucarada 
Azul 
arroxeado 
Incolor Ácida 
B Água e sabão Azul 
arroxeado 
Incolor Ácida 
C Vinagre Vermelho Incolor Ácida 
D Sumo limão Vermelho Incolor Ácida 
E Solução 
tampão pH=9 
Azul Rosa carmim Básica 
Medição do pH com o papel indicador universal de diferentes soluções. 
Goblé Tipo de 
solução 
pH papel 
indicador 
universal 
Cor adquirida pelo 
papel indicador 
universal 
Caracte 
r 
químico 
A Água 
Açucarada 
6 Amarelo Ácida 
B Água e sabão 7 Verde-claro Neutra 
C Vinagre 3 Laranja Ácida 
D Sumo limão 2 Vermelho-escuro Ácida 
E Solução 
tampão pH=9 
9 Verde- escuro Básica 
Medição do pH com o aparelho medidor de pH de diferentes soluções. 
Goblé Tipo de 
solução 
pH aparelho medidor 
de pH 
Caracter químico 
A Água 
Açucarada 
6.9 Neutra 
B Água e sabão 9.3 Básica 
C Vinagre 2.2 Ácida 
D Sumo limão 2 Ácida 
E Solução 
tampão pH=9 
9.1 Básica
Discussão/Conclusão 
A solução água e sabão não resultaram utilizando o papel 
indicador. O sabão devia ter pouca quantidade de amoníaco, logo não 
era muito ácida, mas sim neutro. 
Para conseguirmos o indicador do sabão tínhamos que usar o 
indicador alaranjado de nitilo e não a fenolftaleína, a solução ficava 
amarela e permanecia básica, devido a zona de viragem. 
Pág.8
Webgrafia 
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Indicador_de_pH 
 http://www.explicatorium.com/CFQ8/Indicadores_de_acido_base. 
php 
 http://www.mundoeducacao.com/quimica/indicadores-acido-base. 
htm 
Pág.9
Anexos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoAna Morais Nascimento
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕESJessica Amaral
 
Calculo de Concentrações e Preparação de Soluções
Calculo de Concentrações e Preparação de SoluçõesCalculo de Concentrações e Preparação de Soluções
Calculo de Concentrações e Preparação de SoluçõesFabio Santos Nery
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreDhion Meyg Fernandes
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTAAdrianne Mendonça
 
Relatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasRelatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasIlana Moura
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoDhion Meyg Fernandes
 
76592979 relatorio-4-dosagem-do-acido-acetilsalicilico-aas-em-medicamentos-po...
76592979 relatorio-4-dosagem-do-acido-acetilsalicilico-aas-em-medicamentos-po...76592979 relatorio-4-dosagem-do-acido-acetilsalicilico-aas-em-medicamentos-po...
76592979 relatorio-4-dosagem-do-acido-acetilsalicilico-aas-em-medicamentos-po...Emílio Dos Santos
 
Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Paulo George
 
Síntese de Aspirina
Síntese de AspirinaSíntese de Aspirina
Síntese de AspirinaLuís Rita
 
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetricaaifa230600
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDOEzequias Guimaraes
 
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) Bioquímica
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) BioquímicaDoseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) Bioquímica
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) BioquímicaDavid Quintino
 
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Karen Pirovano
 
Seminário potenciometria
Seminário potenciometriaSeminário potenciometria
Seminário potenciometriaCarla Simon
 
Quimica analitica pratica final
Quimica analitica pratica finalQuimica analitica pratica final
Quimica analitica pratica finalFernanda Luiza
 
Texto nº 3 Volumetria de Neutralização
Texto nº 3   Volumetria de NeutralizaçãoTexto nº 3   Volumetria de Neutralização
Texto nº 3 Volumetria de NeutralizaçãoMarta Pinheiro
 

Mais procurados (20)

Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
 
Calculo de Concentrações e Preparação de Soluções
Calculo de Concentrações e Preparação de SoluçõesCalculo de Concentrações e Preparação de Soluções
Calculo de Concentrações e Preparação de Soluções
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
 
Relatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasRelatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínas
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de Precipitação
 
Teste de Chama
Teste de ChamaTeste de Chama
Teste de Chama
 
76592979 relatorio-4-dosagem-do-acido-acetilsalicilico-aas-em-medicamentos-po...
76592979 relatorio-4-dosagem-do-acido-acetilsalicilico-aas-em-medicamentos-po...76592979 relatorio-4-dosagem-do-acido-acetilsalicilico-aas-em-medicamentos-po...
76592979 relatorio-4-dosagem-do-acido-acetilsalicilico-aas-em-medicamentos-po...
 
Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.
 
Síntese de Aspirina
Síntese de AspirinaSíntese de Aspirina
Síntese de Aspirina
 
Potenciometria
PotenciometriaPotenciometria
Potenciometria
 
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) Bioquímica
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) BioquímicaDoseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) Bioquímica
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) Bioquímica
 
7 titulacoes
7  titulacoes7  titulacoes
7 titulacoes
 
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
 
Seminário potenciometria
Seminário potenciometriaSeminário potenciometria
Seminário potenciometria
 
Quimica analitica pratica final
Quimica analitica pratica finalQuimica analitica pratica final
Quimica analitica pratica final
 
Texto nº 3 Volumetria de Neutralização
Texto nº 3   Volumetria de NeutralizaçãoTexto nº 3   Volumetria de Neutralização
Texto nº 3 Volumetria de Neutralização
 

Destaque

EducaçãO A DistâNcia... Trabalho
EducaçãO A DistâNcia... TrabalhoEducaçãO A DistâNcia... Trabalho
EducaçãO A DistâNcia... TrabalhoDaiane Freda Araujo
 
Trabalho sobre EAD
Trabalho sobre EADTrabalho sobre EAD
Trabalho sobre EADkalebsoares
 
Guia prático para o desenvolvimento de projetos de ead
Guia prático para o desenvolvimento de projetos de eadGuia prático para o desenvolvimento de projetos de ead
Guia prático para o desenvolvimento de projetos de eaddocenciaonlinecnj
 
Relatório experimental 2 corrigido
Relatório experimental 2   corrigidoRelatório experimental 2   corrigido
Relatório experimental 2 corrigidoantoniopedropinheiro
 
Modelo de relatório experimental.pdf fim
Modelo de relatório experimental.pdf fimModelo de relatório experimental.pdf fim
Modelo de relatório experimental.pdf fimrenataiatsunik
 

Destaque (6)

Ácidos e Bases
Ácidos e BasesÁcidos e Bases
Ácidos e Bases
 
EducaçãO A DistâNcia... Trabalho
EducaçãO A DistâNcia... TrabalhoEducaçãO A DistâNcia... Trabalho
EducaçãO A DistâNcia... Trabalho
 
Trabalho sobre EAD
Trabalho sobre EADTrabalho sobre EAD
Trabalho sobre EAD
 
Guia prático para o desenvolvimento de projetos de ead
Guia prático para o desenvolvimento de projetos de eadGuia prático para o desenvolvimento de projetos de ead
Guia prático para o desenvolvimento de projetos de ead
 
Relatório experimental 2 corrigido
Relatório experimental 2   corrigidoRelatório experimental 2   corrigido
Relatório experimental 2 corrigido
 
Modelo de relatório experimental.pdf fim
Modelo de relatório experimental.pdf fimModelo de relatório experimental.pdf fim
Modelo de relatório experimental.pdf fim
 

Semelhante a Medição do pH com diferentes substâncias

Como distinguir soluções aquosas ácidas, básicas e neutras.pptx
Como distinguir soluções aquosas ácidas, básicas e neutras.pptxComo distinguir soluções aquosas ácidas, básicas e neutras.pptx
Como distinguir soluções aquosas ácidas, básicas e neutras.pptxMarta Gonçalves
 
cfq8-exercicios4.pdf
cfq8-exercicios4.pdfcfq8-exercicios4.pdf
cfq8-exercicios4.pdfNuno Belo
 
Carácter Químico das Substâncias
Carácter Químico das SubstânciasCarácter Químico das Substâncias
Carácter Químico das SubstânciasFlow, Inc.
 
Prática repolho roxo.
Prática repolho roxo.Prática repolho roxo.
Prática repolho roxo.Sílvia Rubert
 
Indicadores ácido base naturais
Indicadores ácido base naturaisIndicadores ácido base naturais
Indicadores ácido base naturaisWeber Bragante
 
Newton gostava de ler - Sintra - Módulo III
Newton gostava de ler - Sintra - Módulo IIINewton gostava de ler - Sintra - Módulo III
Newton gostava de ler - Sintra - Módulo IIIbibsintra
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de químicaGabriel Vegas
 
Indicadores
IndicadoresIndicadores
Indicadoreseufisica
 
Club de ciências
Club de ciênciasClub de ciências
Club de ciênciasKatia Nunes
 
Reações Ácido-Base- Física-Química
Reações Ácido-Base- Física-QuímicaReações Ácido-Base- Física-Química
Reações Ácido-Base- Física-QuímicaBeatrizPina5
 
Experimento de química; Ácidos e Bases. 1 ano
Experimento de química; Ácidos e Bases. 1 anoExperimento de química; Ácidos e Bases. 1 ano
Experimento de química; Ácidos e Bases. 1 anoAbraão Matos
 
3º Experimento - pH da Água
 3º Experimento - pH da Água  3º Experimento - pH da Água
3º Experimento - pH da Água PIBID Joel Job
 

Semelhante a Medição do pH com diferentes substâncias (20)

Como distinguir soluções aquosas ácidas, básicas e neutras.pptx
Como distinguir soluções aquosas ácidas, básicas e neutras.pptxComo distinguir soluções aquosas ácidas, básicas e neutras.pptx
Como distinguir soluções aquosas ácidas, básicas e neutras.pptx
 
Aula prática 2
Aula prática 2Aula prática 2
Aula prática 2
 
cfq8-exercicios4.pdf
cfq8-exercicios4.pdfcfq8-exercicios4.pdf
cfq8-exercicios4.pdf
 
Cfq8 exercicios4
Cfq8 exercicios4Cfq8 exercicios4
Cfq8 exercicios4
 
Carácter Químico das Substâncias
Carácter Químico das SubstânciasCarácter Químico das Substâncias
Carácter Químico das Substâncias
 
Prática repolho roxo.
Prática repolho roxo.Prática repolho roxo.
Prática repolho roxo.
 
Indicadores ácido base naturais
Indicadores ácido base naturaisIndicadores ácido base naturais
Indicadores ácido base naturais
 
Newton gostava de ler - Sintra - Módulo III
Newton gostava de ler - Sintra - Módulo IIINewton gostava de ler - Sintra - Módulo III
Newton gostava de ler - Sintra - Módulo III
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
 
Indicadores
IndicadoresIndicadores
Indicadores
 
O ph da água
O ph da águaO ph da água
O ph da água
 
pH de soluções
pH de soluçõespH de soluções
pH de soluções
 
áCidos e bases
áCidos e basesáCidos e bases
áCidos e bases
 
Projeto indicador
Projeto indicadorProjeto indicador
Projeto indicador
 
Pigmentos
PigmentosPigmentos
Pigmentos
 
Club de ciências
Club de ciênciasClub de ciências
Club de ciências
 
Reações Ácido-Base- Física-Química
Reações Ácido-Base- Física-QuímicaReações Ácido-Base- Física-Química
Reações Ácido-Base- Física-Química
 
Experimento de química; Ácidos e Bases. 1 ano
Experimento de química; Ácidos e Bases. 1 anoExperimento de química; Ácidos e Bases. 1 ano
Experimento de química; Ácidos e Bases. 1 ano
 
pH
pHpH
pH
 
3º Experimento - pH da Água
 3º Experimento - pH da Água  3º Experimento - pH da Água
3º Experimento - pH da Água
 

Último

Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 

Último (20)

Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 

Medição do pH com diferentes substâncias

  • 1. Escola B+S D.Lucinda Andrade 2014/2015 Medição do pH com Diferentes Substâncias Carla Sofia nº2, 11º-turma C Jéssica Fernandes nº4, 11º-turma C Ricardina Figueira, nº10, 11º-turma-C Relatório experimental para a disciplina de física e química São Vicente, 27 de Novembro de 2014
  • 2. Índice Introdução………………………………………………………………….3 Desenvolvimento Escala de pH…………………………………………………………..4 Indicador Universal……………………………………………………5 Procedimento Experimental………………………………………………6 Resultados………………………………………………………………….7 Discussão/Conclusão………………………………………………………8 Webgrafia……………………………………………………………………9 Anexos………………………………………………………………………10
  • 3. Introdução O trabalho realizado teve como objetivo realizar a medição do pH com várias substâncias, utilizando diferentes indicadores. Todas as substâncias possuem características químicas e físicas que nos permite caracterizá-las, e uma que pode facilmente ser utilizada é o pH. Os indicadores ácido-base são substâncias naturais ou sintéticas que têm a propriedade de mudarem de cor na presença de um ácido ou de uma base. Pág.3
  • 4. Desenvolvimento Escala de Ph A escala de Ph geralmente varia entre 0 e 14, sendo que o 7 representa um meio neutro, os valores abaixo de 7 são meios ácidos e quanto menor o Ph, mais ácido é o meio, enquanto os valores acima de 7 são meios básicos e quanto maior esse valor, mais básico é o meio. Assim, os indicadores ácido-base são também usados para indicar os valores aproximados de Ph. O sistema de funcionamento dos indicadores é o seguinte: eles são um ácido fraco ou uma base fraca que entra em equilíbrio com a sua base ou ácido conjugado que apresenta coloração diferente. Existem vários indicadores artificiais usados em laboratório, sendo que os três mais usados:  Fenolftaleína: é um indicador líquido que fica incolor em meio ácido e rosa intenso em meio básico.  Papel de tornassol: Fica com cor azul na presença de bases e adquire cor na presença de bases e adquire cor vermelha na presença de ácidos . Pág.4
  • 5. Indicador universal São obtidos quando se penetram as tiras de papel em soluções com uma mistura de indicadores, que depois são secas. Desse modo, eles apresentam cores diferentes para cada valor de pH, sendo mais. Assim, no laboratório, quando se quer determinar o pH de alguma solução, basta introduzir essas tiras na solução estudada e comparar a cor obtida com a escala que aparece na embalagem do indicador.  Tintura azul de Tornassol: na presença de soluções ácidas apresenta um tom avermelhado e na presença de soluções básicas ou alcalinas adquire uma cor azul-arroxeada.  Solução alcoólica de fenolftaleína: é incolor na presença de soluções ácidas e neutras e apresenta uma cor carmim característica na presença de soluções básicas.  Indicador universal- é composto por uma mistura de vários indicadores, o que permite identificar soluções ácidas e básicas como ainda, através de ma gradação de cores, mostrar se essa solução é muito ou pouco ácida ou básica. Pág.5
  • 6. Parte Experimental Objetivo O objetivo desta experiência é mostrar três técnicas de medição do Ph de soluções de diferentes tipos como básicas, acidas ou alcalinas. Material  2 Vidros de relógio;  Papel indicador universal;  Censor de Ph;  5 Goblé;  Pinça;  Papel higiénico. Reagentes/Produtos  Sumo de limão;  Solução de tampão;  Vinagre;  Água e sabão;  Água açucarada;  Fenolftaleína;  Água de tornassol;  Água destilada;  Ph6. Pág.6
  • 7. Procedimento Experimental  1º Medição de Ph dos indicadores azuis de tornassol e fenolftaleína nas diferentes soluções.  2º Medição do pH com o papel indicador universal nas diferentes soluções.  3º Medição do pH com um aparelho medidor Ph nas diversas soluções. Para começar, na primeira experiência começamos por medir o pH de cinco soluções, água açucarada, água e sabão, vinagre, sumo de limão e solução tampão. Para isso, utilizamos um medidor de pH. De seguida colocamos um pouco de cada solução num goblé, à vez. Desta vez, utilizamos o papel medidor universal. Depois de seco comparamos a cor do papel com a capa dos papéis e obtivemos o valor de pH. Assim realizamos a segunda experiencia. Para terminar realizamos uma terceira e última experiência. Para isso utilizamos de novo os goblé, e novamente com um pouco de cada solução, à vez. Às soluções juntamos fenolftaleína e a solução mudou de cor, por último voltamos a fazer o mesmo só que juntamos o tornassol. Sempre apontando tudo nas tabelas fornecidas pela professora da disciplina. No final da experiência limpamos a bancada. Pág.7
  • 8. Resultados Medição do pH com os indicadores (azul tornesol e fenolftaleína) de diferentes soluções. Goblé Tipo de solução Cor adquirida ao deitar o tornesol Cor adquirida ao deitar fenolftaleína Caracter químico A Água Açucarada Azul arroxeado Incolor Ácida B Água e sabão Azul arroxeado Incolor Ácida C Vinagre Vermelho Incolor Ácida D Sumo limão Vermelho Incolor Ácida E Solução tampão pH=9 Azul Rosa carmim Básica Medição do pH com o papel indicador universal de diferentes soluções. Goblé Tipo de solução pH papel indicador universal Cor adquirida pelo papel indicador universal Caracte r químico A Água Açucarada 6 Amarelo Ácida B Água e sabão 7 Verde-claro Neutra C Vinagre 3 Laranja Ácida D Sumo limão 2 Vermelho-escuro Ácida E Solução tampão pH=9 9 Verde- escuro Básica Medição do pH com o aparelho medidor de pH de diferentes soluções. Goblé Tipo de solução pH aparelho medidor de pH Caracter químico A Água Açucarada 6.9 Neutra B Água e sabão 9.3 Básica C Vinagre 2.2 Ácida D Sumo limão 2 Ácida E Solução tampão pH=9 9.1 Básica
  • 9. Discussão/Conclusão A solução água e sabão não resultaram utilizando o papel indicador. O sabão devia ter pouca quantidade de amoníaco, logo não era muito ácida, mas sim neutro. Para conseguirmos o indicador do sabão tínhamos que usar o indicador alaranjado de nitilo e não a fenolftaleína, a solução ficava amarela e permanecia básica, devido a zona de viragem. Pág.8
  • 10. Webgrafia  http://pt.wikipedia.org/wiki/Indicador_de_pH  http://www.explicatorium.com/CFQ8/Indicadores_de_acido_base. php  http://www.mundoeducacao.com/quimica/indicadores-acido-base. htm Pág.9