SUPPLY CHAIN MANAGEMENT
Junho de 2015
Vânia Oliveira
Cristina Ferreira
Susana Batista
Tiago Batista
Kanban
Trabalho Prátic...
1
Kanban|Junhode2015
KanbanKanbanKanbanKanban
Trabalho Prático em empresa
Introdução
É uma palavra de origem japonesa que ...
2
Kanban|Junhode2015
Implementação Kanban
A implementação do kanban passa por várias fases, nomeadamente:
Preparação da im...
3
Kanban|Junhode2015
Armazenamento com localização fixa
Todas as referências devem ter uma localização definida. O nome e ...
4
Kanban|Junhode2015
Pré-requisitos na criação de um sistema Kanban
Para que se possa implementar um sistema de Kanban, pr...
5
Kanban|Junhode2015
Kanban de libertação
Quando o processo seguinte inicia o uso do produto, o cartão de kanban é removid...
6
Kanban|Junhode2015
• Manutenção do kanban
O sistema de kanban deve ser ajustado quando os requerimentos de produção, osc...
7
Kanban|Junhode2015
8
Kanban|Junhode2015
• Ganhos do kanban
Com a implementação do Kanban de Produção a empresa consegue:
Facilitar o planeame...
9
Kanban|Junhode2015
• Limitações/dificuldades do Kanban
Requer uma disciplina simples, embora rigorosa;
Não pode responde...
10
Kanban|Junhode2015
Conclusão
O kanban é apenas um método de organização e de gestão da empresa. Cada uma que adote este...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Kanban lean scm 2015

423 visualizações

Publicada em

Trabalho prático realizado no

Publicada em: Engenharia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
423
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Kanban lean scm 2015

  1. 1. SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Junho de 2015 Vânia Oliveira Cristina Ferreira Susana Batista Tiago Batista Kanban Trabalho Prático em empresa
  2. 2. 1 Kanban|Junhode2015 KanbanKanbanKanbanKanban Trabalho Prático em empresa Introdução É uma palavra de origem japonesa que significa placa ou etiqueta. Permite agilizar a entrega e a produção de peças: Produzir o que é necessário Apenas quando é necessário Na quantidade necessária É uma ferramenta para facilitar a gestão visual da produção pois permite visualizar os problemas escondidos e aumentar a possibilidade de implementar melhorias. Tipos de problemas que se pode encontrar ao implementar esta ferramenta: Falta de material Excesso de material Transportes desnecessários Procuras desnecessárias • Função do Kanban: - Garantir o Just-in-time ( JIT ) - Eliminar o desperdício de excesso de produção (Muda of Overproduction) - Comunicar instruções de produção e transferência de materiais (transporte) - Gestão visual do processo • Regras básicas do kanban: O processo seguinte vai buscar ao processo anterior apenas o que precisa, quando precisa e só na quantidade necessária - sistema de puxar (pull system). Trabalha sobre uma quantidade estável com frequência previamente combinada.
  3. 3. 2 Kanban|Junhode2015 Implementação Kanban A implementação do kanban passa por várias fases, nomeadamente: Preparação da implementação Definição dos cartões kanban o Tipos de cartões de kanban o Dimensionamento do kanban o Manutenção do kanban Fluxo do cartão kanban de Produto Acabado o Descrição do trajeto do kanban o Fluxo de informação o Responsabilidades • Preparação da implementação do kanban: Nesta fase é necessário ter em conta os seguintes pontos e fazê-los cumprir com o maior rigor. São considerados os pontos-chave para o sucesso de uma implementação estruturada e sólida desta ferramenta, designada kanban: Fluxo contínuo – operações normalizadas O trabalho é realizado de uma parte do processo para outra de acordo com a sequência de produção. Trata-se de uma repetição de tarefas com takt time definido (standardize work). Pequenos lotes de produção – Setup frequentes Alterações frequentes e rápidas são a solução para reduzir o tamanho dos lotes de produção. Acabar com o método tradicional de produção com lotes grandes e o mínimo de setup. Lotes grandes de produção resultam em excesso de produção. Produzir uma peça de cada vez deve ser o objetivo. Pequenos lotes de produção – Ordens de produção mais frequentes pelo processo seguinte O ciclo de produção tem de ser encurtado e aumentar a frequência de forma a nivelar a produção do processo seguinte. Referência para produzir diariamente O Kanban é a ferramenta para circular continuamente entre o processo anterior e o processo seguinte (não ao longo de vários processos). Com a intenção de manter o processo fluido, é necessário não receber, não produzir e não enviar produtos defeituosos.
  4. 4. 3 Kanban|Junhode2015 Armazenamento com localização fixa Todas as referências devem ter uma localização definida. O nome e a quantidade devem estar indicados claramente para que qualquer um saiba onde encontrar o que necessita e qual a quantidade que deve lá estar. Especificação e gestão de contentores ou caixas Contentores e caixas são necessários para armazenar e transportar produtos. Um contentor deve ser usado só para um único produto. Continuar a garantir a qualidade é um aspeto a ser considerado aquando da decisão das caixas a usar. O manuseamento deve ser fácil e a quantidade que pode sustentar deve estar claramente indicada. Caixas de dimensão reduzida são importantes para a produção de lotes pequenos, pois diminuem tanto quanto possível a amplitude de movimentos dos operadores. • Aspetos importantes a seguir na implementação A quantidade de cartões de kanban deve ser ajustada numa base mensal, em função da oscilação ou alteração do volume de produção. Os cartões de kanban adicionais, com o propósito de constituírem stock de segurança, devem ser minimizados, melhorando o processo, estabilizando-o. Os kanbans devem circular um a um tão frequentemente quanto possível, evitando que se acumulem. As quantidades e intervalos a "puxar" dos processos anteriores, devem ser tão consistentes quanto possível. A produção a ser efetuada, em situações de envios urgentes, modificações de equipamento, etc., tem de ser efetivamente comunicadas entre os processos (seguintes e anteriores). Os cartões kanban adicionais devem ser recolhidos assim que a produção estiver completa. Apesar de o funcionamento do sistema Kanban ser bastante simples, a sua operacionalidade está fortemente baseada no comportamento das pessoas. Por esse motivo, o treino é bastante importante. A conversão de um sistema de gestão da produção baseado num MRP, para um sistema baseado num Kanban, implica um trabalho bastante minucioso no seu desenvolvimento. Torna-se ainda mais complexo quando ainda não existem dados reais sobre a produção e/ou funcionamento da linha, isto é, quando existe a falta de um histórico. O primeiro pressuposto é que a previsão de vendas representa a realidade e que não vão existir variações da procura ao longo do tempo. O primeiro passo é o de determinar a procura mensal e semanal, para determinar a relação de vendas/produção entre as várias referências.
  5. 5. 4 Kanban|Junhode2015 Pré-requisitos na criação de um sistema Kanban Para que se possa implementar um sistema de Kanban, primeiro é necessário alterar o método de produção, de forma a cumprir os seguintes pré requisitos: 1. Tem de existir um fluxo de material bem definido, com um tempo de ciclo constante; 2. O tamanho do lote de transferência tem de ser pequeno, devendo ser idealmente de 1; 3. A produção deve ser constante, sem flutuações no tipo e nas quantidades; 4. O tempo de transporte e as distâncias a percorrer pelo WIP têm de ser curtas; 5. O número de defeitos que uma estação passa para a outra deve ser igual a zero; 6. Tem de existir o conceito de fornecedor e cliente na linha de produção. • Cartões kanban Devem conter só a informação necessária ao processo em causa. As dimensões e a informação contida depende da empresa em que é implementado, sendo desenhado para corresponder às necessidades específicas de cada empresa. O planeamento da produção tornou-se mais fácil e intuitivo, visto que o cartão kanban permite a gestão visual. Vantagens do sistema Informações que podem constar num cartão kanban: (1) Tipo de Produto – Se é produto final, produto semi-acabado ou buffer de stock; (2) Referência – A referência final do produto ao qual o cartão se refere; (3) Designação – A designação do produto; (4) Nº de peças por embalagem – O número de peças em cada embalagem; (5) Tipo de embalagem – O tipo de embalagem, caixa de cartão, contentor, etc; (6) Nº de embalagens por cartão – O número de embalagens que cada cartão representa; (7) Nº do quadro de produção – Identificação do quadro de gestão deste produto; (8) Localização em armazém – O local onde é armazenado o produto; (9) Identificação do cartão – Número atribuído ao cartão para o identificar. Na empresa utilizam-se 3 tipos de kanban: Kanban de instrução de produção Os kanbans de instrução estão anexados aos produtos localizados nos supermercados. Quando o processo seguinte "puxa" o que precisa, o kanban é removido e colocado no posto dos kanbans, e quando recolhido do posto funciona como instrução para produção novamente. A parte de trás do kanban pode ser usada para colocar informações importantes como condições da máquina, condições de tratamento, modo de operar, etc.
  6. 6. 5 Kanban|Junhode2015 Kanban de libertação Quando o processo seguinte inicia o uso do produto, o cartão de kanban é removido e colocado no posto de kanban respetivo. Ao movimentar produtos do supermercado até ao processo onde vão ser usados, o kanban de libertação deve ser anexado ao produto, em substituição do kanban de instrução. Os distribuidores, nos horários que forem determinados, segundo um critério consistente, recolhem os cartões de kanban. Com estes cartões, vão aos supermercados, "comprar" os produtos indicados pelos mesmos. A localização de armazenamento no processo anterior assim como a do processo seguinte estão especificadas em cada cartão. Kanban temporário Quando seja necessário stock de segurança ou amortecedor por um período de tempo a fim de evitar paragens no processo anterior ou seguinte, kanbans adicionais devem ser emitidos. Kanbans temporários devem ser claramente distinguíveis dos kanbans de uso regular, exibindo uma linha diagonal vermelha, bem visível. Devem ainda, indicar a razão do seu uso e data de expiração da validade, no verso. As regras de uso são as mesmas dos outros kanban, mas devem ser usados apenas uma vez. Quando removidos de circulação, devem ser devolvidos imediatamente ao departamento emissor. Os produtos "puxados" por um kanban temporário não devem ser usados noutro âmbito. Os produtos "puxados" por um kanban temporário devem ser segregados dos "puxados" pelos kanban de circulação regular. Neste relatório apenas se irá abordar o kanban de instrução de produção. • Kanban de instrução de produção Cálculo dos cartões de kanban: A) çã º + ç ~20% B) Adicionar ao lead time os tempos de espera dos kanbans nos postos á á × ! "ℎ + ç ~20%
  7. 7. 6 Kanban|Junhode2015 • Manutenção do kanban O sistema de kanban deve ser ajustado quando os requerimentos de produção, oscilação ou especificações alteram. Deve estar determinada a verificação regular, numa base mensal. A quantidade de cartões em circulação deve ser minimizada, para que constituam uma ferramenta para a implementação da produção sincronizada e redução trabalho no processo. Deve apoiar-se e garantir dados fiáveis, nomeadamente acerca dos cartões em circulação. Como base de apoio, devem existir listagens, atualizadas, com informação detalhada, dos cartões em circulação, e dados dos produtos aos quais dizem respeito. • Dimensionamento do kanban Trabalha-se numa folha de excel com os seguintes campos: Quantidade por caixa: É um valor fixo, não se altera ao longo do tempo. Produto: Referência/código que identifica o produto. É único para cada produto Meses: A quantidade baseia-se nos 4 últimos meses de produção Quantidade total: Soma da quantidade dos 4 últimos meses Média mensal: à quantidade total divide-se por 4 (meses analisados) Média semanal: à quantidade mensal divide-se por 4 (número de semanas por mês) Quantidade para kanbans: multiplicar a média semanal pelo número de semanas que se quer ter em stock (entra-se com variáveis: férias, manutenção de máquinas, avarias, etc) Quantidade de caixas: divide-se a quantidade para kanban por a quantidade por caixa • Fluxo do cartão kanban de produto acabado
  8. 8. 7 Kanban|Junhode2015
  9. 9. 8 Kanban|Junhode2015 • Ganhos do kanban Com a implementação do Kanban de Produção a empresa consegue: Facilitar o planeamento da produção; Permitir uma maior facilidade da gestão de stocks através da gestão visual de stocks; Diminuir os stocks de produtos acabados e intermédios, ganhando espaço em armazém; Permitir uma circulação rápida e eficiente da informação; Permitir produzir em função das necessidades; Expõe problemas de forma clara (alerta de ruturas de stock). Com este método a empresa obtém: Sincronização e alinhamento da produção e abastecimento entre os diversos departamentos; Flexibilidade de programação; Aumento da capacidade produtiva; Controlo visual, em “tempo real” da situação de cada área e cada material ou produto; Redução de inutilizados ou perdas; Deteção imediata de problemas de produção ou abastecimento; Deteção precoce de problemas de qualidade A utilização destes identificadores visuais possibilita também o controlo de utilizações mais específicas, como o controlo dos materiais e da sua necessidade em obra – kanbans de transporte. O sistema do Kanban de produção à primeira vista parece simples, tanto no funcionamento como na compreensão. Contudo é difícil a sua implementação para se alcançar o êxito. Existe nas empresas uma grande resistência à mudança e este é um dos maiores problemas que o JIT encontra. No entanto, depois de implementado, a empresa ganhou uma grande facilidade de se ajustarem às mudanças dos mercados.
  10. 10. 9 Kanban|Junhode2015 • Limitações/dificuldades do Kanban Requer uma disciplina simples, embora rigorosa; Não pode responder rapidamente a mudanças irregulares no projeto do produto; Requer mudança no layout da fábrica para proporcionar um fluxo de produção em pequenos lotes e uniforme; Requer mudanças de equipamento para diminuir os tempos de preparação de ferramentas; Precisa de condições relativamente estáveis, bem como, de uma produção nivelada e bem próxima do programado; O sistema kanban requer que a qualidade dos produtos seja próxima a 100%; Precisa de contentores padronizados para o manuseio das peças; Existem diversos aspetos que pela vitalidade que têm para o bom funcionamento da metodologia é de importância capital salientá-los: Perda de cartões; Alteração às regras estabelecidas; Falta de ajuste de cartões vs aumento ou diminuição de consumos; Falta de comunicação; Treino e formação inadequados. As desvantagens do Kanban são: Caso existam grandes variações de procura, torna-se difícil redimensionar o sistema de Kanban, porque é necessário modificar todos os contentores/cartões; A perda dos Kanbans é um dos grandes problemas deste sistema, porque pode conduzir a falhas nas quantidades a produzir. Como tal é necessário ter um sistema informático associado ao sistema Kanban. Como se trata de um sistema inflexível no que toca a quantidades, a produção de encomendas especiais de pequenas quantidades torna-se bastante complexa.
  11. 11. 10 Kanban|Junhode2015 Conclusão O kanban é apenas um método de organização e de gestão da empresa. Cada uma que adote este método evolui num ambiente perfeitamente estável em termos de procura. Num ambiente instável torna-se necessário associar o kanban ao MRP para assegurar a estabilidade da procura e tornar o funcionamento desta ferramenta possível e eficaz. Para o kanban ser realmente eficaz, existem elementos que são necessários, nomeadamente a polivalência, a autonomia e a flexibilidade das pessoas. A implementação desta ferramenta permitiu o nivelamento dos stocks, a distribuição do trabalho ao longo de todo o mês, a diminuição de ruturas e a diminuição do tempo gasto no processo. O kanban permite demonstrar que é possível otimizar processos de forma simples, sem custos para as empresas e que podem trazer grandes benefícios, disponibilizando profissionais para outras tarefas. Para além disso esta ferramenta serviu de ponto de partida para a informatização do processo de encomenda, possibilitando assim o seu controlo numa fase inicial.

×