SlideShare uma empresa Scribd logo
LOGOLean ManufacturingLean Manufacturing
Pull Production SystemPull Production System
Sistema de
Produção
Puxada
11
Your site here
Conteúdo
Objetivo
Sistema Empurrado3
Definição1
2
4
22 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Sistema Empurrado X Puxado
Your site here
Conteúdo
Kanban
Inventário
Sistema de Abastecimento
7
Sistema de Produção
Puxado5
6
8
33 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Your site here
Conteúdo
Manuseador de Material
Resumo11
9
10
4
44 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Kanban e Gerenciamento de
Materiais
Your site here
55 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Definição
Se o significado do controle de produção é realmente
compreendido, o controle de estoque é desnecessário.
(Taiichi Ohno)
O sistema que utiliza o método de controle de produção
"puxado", busca ter o material necessário, na quantidade
necessária, no momento necessário e no local necessário. A
produção só inicia quando a demanda ocorre de fato, cada processo
"puxa" as peças fabricadas no processo anterior, assim sendo, o
cliente é que determina a quantidade produzida, permitindo a
formação de um estoque mínimo e a qualidade é perseguida
através do conceito "zero defeito",bem como a investigação dos
problemas diários e suas causas-raízes são investigadas e
solucionadas.
1
Your site here
66 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Objetivo
Tem 3 tarefas principais:
•Enviar material ao chão de fábrica baseado no consumo atual
•Fazer as movimentações de WIP (Trabalhos em Processo) pelo
setor baseado na demanda atual do consumidor
•Prover um mecanismo para melhorar continuamente os processos
de produção.
2
Your site here
77 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Sistema Empurrado
•A previsão da demanda futura impulsiona a programação de
produção e materiais de reposição. Ordens planejadas são usadas
para autorizar produção ou mover materiais, geralmente em modo
de lote.
•As características são:
Inerentemente complexo e inflexível
Geralmente baseado em software (sem um sistema visível)
Trabalho intensivo, exigindo significativas horas de trabalho
para manter o sistema preciso e atualizado
Incapaz de reagir rapidamente ou com precisão à freqüentes
e pequenas mudanças de demanda, comum para as operações
de produção.
3
Your site here
88 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Sistema Empurrado X Puxado4
Produzir tudo o que
for possível
Produzir o necessário
quando for preciso
•Produção aproximada
•Uso antecipado
•Grandes lotes
•Muitos inventários
•Produção precisa
•Consumo real
•Pequenos lotes
•Poucos inventários
Your site here
99 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Sistema Empurrado X Puxado4
Processo de Manufatura Puxado (Enxuto)
•A produção é puxada através da planta pelo cliente
•O material é retirado de processos descendentes (clientes),
apenas na quantidade necessária, no momento necessário. A
sinalização para material é simples e direta.
Processo de Manufatura Empurrado (Tradicional)
•Produção empurrada em lotes
•Processos de fabricação tradicionais são imprevisíveis, geralmente
produzindo bens mais rápida ou mais lentamente do que o
necessário, criando escassez ou excesso de estoque.
Your site here
1010 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Sistema de Produção Puxado5
Your site here
1111 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Kanban6
Kanban é uma palavra japonesa, que traduzido livremente
significa assinatura ou cartão. Usamos sinais Kanban para puxar
produto através do processo, e para reabastecer matéria-prima.
Usar Kanban quando os processos estão separados:
•Linhas com múltiplos finais de processo.
•Fornecedores externos.
•Células alimentadoras.
•Bens semi-acabados.
•Produtos acabados com os clientes.
Your site here
1212 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Inventário7
Ao retirar a rede de segurança que o excesso de inventário
fornece, a produção puxada normalmente expõe outros problemas
inerentes ao sistema:
Altos níveis de inventário encobrem:
•Taxas de falhas de máquinas
•Baixa qualidade do fornecedor
•Produtividade variável
•Altas taxas de defeito
•Sistemas de controle de qualidadeProblemas
Your site here
1313 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Inventário7
Baixos níveis de inventário expõem
problemas como:
•Agendamento precário
•Desbalanceamento de linha
•Longo tempo de preparação
•Absenteísmo
Melhorias a longo prazo nos processos
Problemas
Problemas
Your site here
1414 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Inventário7
Estoque de Segurança é desperdício, pois gera excesso de
inventário no sistema para controlar variações em:
•Demanda
•Tempo de espera
•Desempenho de fornecedores
•Baixa qualidade
•Diferenças entre dias do calendário e dias úteis (trabalhados).
Exemplo: O time de produção trabalha aos sábados, mas os
fornecedores não enviam aos sábados.
O objetivo é minimizar a quantidade de estoque de segurança no
sistema, sem reduzir o desempenho das entregas no prazo.
Your site here
1515 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Sistema de Abastecimento8
Sistema de abastecimento baseado em 2 bandejas com os
objetivos:
•Assegurar que o operador sempre tenha peças
•Assegurar que o operador não tenha que sair do posto de
trabalho para procurar peças
•Assegurar que o status de disponibilidade esteja visível
•Minimizar a quantidade de matéria-prima mantida na linha de
produção.
Your site here
1616 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Sistema de Abastecimento8
A primeira bandeja é usada pelo
operador para montar.
A segunda bandeja (com a mesma
quantidade) está pronta para uso
assim que a primeira esvaziar.
Bandejas cheias e vazias se
alternam.
Os manipuladores de material
coletam e repõem bandejas pelo
lado de fora sem atrapalhar o
operador.
Your site here
1717 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Sistema de Abastecimento8
Ponto de uso e sistema Pick-
to-Light (botões luminosos)
Kanban afixado à quantidade
mínima
Your site here
1818 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Sistema de Abastecimento8
Quadro de Pedido de Componentes
Your site here
1919 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Sistema de Abastecimento8
Your site here
2020 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Kanban e Gerenciamento de
Materiais9
Pequenas peças: Usar os recipientes / bandejas como
sinalizadores Kanban.
•É o recipiente que vai e volta para o reabastecimento
Peças grandes /caras: Usar o cartão de Kanban onde a possível
matéria-prima deve ser removida de estoques (armazém) e
colocá-los no chão de fábrica em (POU) pontos de uso. Esforçar-se
para eliminar estoques.
•Quantidades apropriadas nos pontos de uso dependem de:
Tamanho físico
Custo do material
Frequência de uso
Frequência de reposição
Your site here
2121 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Kanban e manufatura de Materiais9
Your site here
2222 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Manuseador de Material10
Num fluxo contínuo da célula, se os operadores abandonam suas
estações de trabalho para buscar peças, as operações adjacentes
rapidamente cairão. Um manuseador de material será responsável
pela reposição peças, remoção de recipientes vazios e separação
de peças com defeitos e que falharam.
Your site here
2323 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Manuseador de Material10
Your site here
2424 Lean ManufacturingLean Manufacturing
Resumo11
Princípios:
•O consumo é o sinal para ação.
•O Sinal se localiza na área de produção.
•A área de produção é abastecida com extrema variação na
demanda.
Benefícios:
•Simplifica o planejamento e os sistemas de controle.
•Converte o chão de fábrica numa linha de montagem.
•Controla a produção através da adesão das regras de puxamento.
Recipientes padrões
Quantidades padrões
Produção autorizada.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Seminário Just in Time
Seminário Just in TimeSeminário Just in Time
Seminário Just in Time
Renato Bafi
 
Produtividade e Qualidade
Produtividade e QualidadeProdutividade e Qualidade
Produtividade e Qualidade
Fernanda Paola Butarelli
 
Produção cap1 aula 1
Produção cap1   aula 1Produção cap1   aula 1
Produção cap1 aula 1
Diego José
 
Aula 3 logística empresarial
Aula 3   logística empresarialAula 3   logística empresarial
Aula 3 logística empresarial
Nadia Santana
 
Princípios da Filosofia Lean - Slides - Profª Silene Seibel
Princípios da Filosofia Lean - Slides - Profª Silene SeibelPrincípios da Filosofia Lean - Slides - Profª Silene Seibel
Princípios da Filosofia Lean - Slides - Profª Silene Seibel
Sustentare Escola de Negócios
 
Lean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova VisãoLean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova Visão
Jose Donizetti Moraes
 
Os 7 Desperdicios
Os 7 DesperdiciosOs 7 Desperdicios
Os 7 Desperdicios
Jay Cruz
 
Gestão/Administração da produção.
Gestão/Administração da produção.Gestão/Administração da produção.
Gestão/Administração da produção.
Henrique Ferreira
 
Teoria das restrições
Teoria das restriçõesTeoria das restrições
Teoria das restrições
nilsonjunior2012
 
Lean Manufacturing 2
Lean Manufacturing 2Lean Manufacturing 2
Lean Manufacturing 2
daniellopesfranco
 
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
Caio Roberto de Souza Filho
 
Aula 01 gestao de materiais
Aula 01 gestao de materiaisAula 01 gestao de materiais
Aula 01 gestao de materiais
Larissa da Costa Melo
 
Aula Lean
Aula LeanAula Lean
Mrp
MrpMrp
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
douglas
 
04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica
Debora Miceli
 
3 slides - planejamento mestre da produção (mps)
3   slides - planejamento mestre da produção (mps)3   slides - planejamento mestre da produção (mps)
3 slides - planejamento mestre da produção (mps)
Caio Roberto de Souza Filho
 
Planejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidadePlanejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidade
Caio Roberto de Souza Filho
 
Aula 4 c custos da qualidade
Aula 4 c custos da qualidadeAula 4 c custos da qualidade
Aula 4 c custos da qualidade
José Paulo Alves Fusco
 

Mais procurados (20)

Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Seminário Just in Time
Seminário Just in TimeSeminário Just in Time
Seminário Just in Time
 
Produtividade e Qualidade
Produtividade e QualidadeProdutividade e Qualidade
Produtividade e Qualidade
 
Produção cap1 aula 1
Produção cap1   aula 1Produção cap1   aula 1
Produção cap1 aula 1
 
Aula 3 logística empresarial
Aula 3   logística empresarialAula 3   logística empresarial
Aula 3 logística empresarial
 
Princípios da Filosofia Lean - Slides - Profª Silene Seibel
Princípios da Filosofia Lean - Slides - Profª Silene SeibelPrincípios da Filosofia Lean - Slides - Profª Silene Seibel
Princípios da Filosofia Lean - Slides - Profª Silene Seibel
 
Lean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova VisãoLean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova Visão
 
Os 7 Desperdicios
Os 7 DesperdiciosOs 7 Desperdicios
Os 7 Desperdicios
 
Gestão/Administração da produção.
Gestão/Administração da produção.Gestão/Administração da produção.
Gestão/Administração da produção.
 
Teoria das restrições
Teoria das restriçõesTeoria das restrições
Teoria das restrições
 
Lean Manufacturing 2
Lean Manufacturing 2Lean Manufacturing 2
Lean Manufacturing 2
 
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
 
Aula 01 gestao de materiais
Aula 01 gestao de materiaisAula 01 gestao de materiais
Aula 01 gestao de materiais
 
Aula Lean
Aula LeanAula Lean
Aula Lean
 
Mrp
MrpMrp
Mrp
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
 
04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica
 
3 slides - planejamento mestre da produção (mps)
3   slides - planejamento mestre da produção (mps)3   slides - planejamento mestre da produção (mps)
3 slides - planejamento mestre da produção (mps)
 
Planejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidadePlanejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidade
 
Aula 4 c custos da qualidade
Aula 4 c custos da qualidadeAula 4 c custos da qualidade
Aula 4 c custos da qualidade
 

Destaque

Lean manufacturing slides
Lean manufacturing slidesLean manufacturing slides
Lean manufacturing slides
Moises Ribeiro
 
Apresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean ManufacturingApresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean Manufacturing
Jose Donizetti Moraes
 
Lean Manufacturing 3
Lean Manufacturing 3Lean Manufacturing 3
Lean Manufacturing 3
daniellopesfranco
 
Aula 12 produção enxuta (1)
Aula 12   produção enxuta (1)Aula 12   produção enxuta (1)
Aula 12 produção enxuta (1)
RD COACH
 
Lean Principios
Lean PrincipiosLean Principios
Lean Principios
Adriano Oliveira
 
Lean Manufacturing 6
Lean Manufacturing 6Lean Manufacturing 6
Lean Manufacturing 6
daniellopesfranco
 
Produção enxuta
Produção enxutaProdução enxuta
Produção enxuta
Rafael Passos
 
Sistema puxado de abastecimento
Sistema puxado de abastecimentoSistema puxado de abastecimento
Sistema puxado de abastecimento
frogthand1
 
Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1
daniellopesfranco
 

Destaque (9)

Lean manufacturing slides
Lean manufacturing slidesLean manufacturing slides
Lean manufacturing slides
 
Apresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean ManufacturingApresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean Manufacturing
 
Lean Manufacturing 3
Lean Manufacturing 3Lean Manufacturing 3
Lean Manufacturing 3
 
Aula 12 produção enxuta (1)
Aula 12   produção enxuta (1)Aula 12   produção enxuta (1)
Aula 12 produção enxuta (1)
 
Lean Principios
Lean PrincipiosLean Principios
Lean Principios
 
Lean Manufacturing 6
Lean Manufacturing 6Lean Manufacturing 6
Lean Manufacturing 6
 
Produção enxuta
Produção enxutaProdução enxuta
Produção enxuta
 
Sistema puxado de abastecimento
Sistema puxado de abastecimentoSistema puxado de abastecimento
Sistema puxado de abastecimento
 
Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1
 

Semelhante a Sistema de Produção Puxada

O Sistema Kanban
O Sistema KanbanO Sistema Kanban
O Sistema Kanban
CLT Valuebased Services
 
Kanban15jun13 130708115143-phpapp01
Kanban15jun13 130708115143-phpapp01Kanban15jun13 130708115143-phpapp01
Kanban15jun13 130708115143-phpapp01
Rogério Tolentino
 
Princípios da administração das operações
Princípios da administração das operaçõesPrincípios da administração das operações
Princípios da administração das operações
Lucas Mendes
 
Pcp aula8
Pcp aula8Pcp aula8
Aula -5 JIT_KANBAN.pdf
Aula -5 JIT_KANBAN.pdfAula -5 JIT_KANBAN.pdf
Aula -5 JIT_KANBAN.pdf
GiancarloSimes
 
Porque devo devo ter um setor de ppcp
Porque devo devo ter um setor de ppcpPorque devo devo ter um setor de ppcp
Porque devo devo ter um setor de ppcp
Mauricio Mascarenhas Machado
 
Kanban lean scm 2015
Kanban lean scm 2015Kanban lean scm 2015
Kanban lean scm 2015
CLT Valuebased Services
 
Sistema Kanban
Sistema KanbanSistema Kanban
Sistema Kanban
Gabriel Galdino
 
Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)
Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)
Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)
Alisson Baptista Figueiró
 
Just
JustJust
Administração de operações
Administração de operaçõesAdministração de operações
Administração de operações
Eduardo Braga Jr
 
Administração de operações
Administração de operaçõesAdministração de operações
Administração de operações
Eduardo Braga Jr
 
Introdução ao Lean manufacturing
Introdução ao Lean manufacturingIntrodução ao Lean manufacturing
Introdução ao Lean manufacturing
Edomar Hornburg
 
Etiquetas (kanban)
Etiquetas (kanban)Etiquetas (kanban)
Etiquetas (kanban)
edumm001
 
11. módulo 6 just in time (lean manufacturing)
11. módulo 6   just in time (lean manufacturing)11. módulo 6   just in time (lean manufacturing)
11. módulo 6 just in time (lean manufacturing)
Eliana Celiven
 
Aula just in time
Aula just in timeAula just in time
Aula just in time
Sávia Maria Queiroz
 
Adm Producao
Adm ProducaoAdm Producao
A mentalidade enxuta nas empresas
A mentalidade enxuta nas empresasA mentalidade enxuta nas empresas
A mentalidade enxuta nas empresas
Murilo Mothsin
 
Jit kanban
Jit kanbanJit kanban
Jit kanban
Alberto Santos
 
Logística LEAN
Logística LEANLogística LEAN
Logística LEAN
Gian Gabriel Guglielmelli
 

Semelhante a Sistema de Produção Puxada (20)

O Sistema Kanban
O Sistema KanbanO Sistema Kanban
O Sistema Kanban
 
Kanban15jun13 130708115143-phpapp01
Kanban15jun13 130708115143-phpapp01Kanban15jun13 130708115143-phpapp01
Kanban15jun13 130708115143-phpapp01
 
Princípios da administração das operações
Princípios da administração das operaçõesPrincípios da administração das operações
Princípios da administração das operações
 
Pcp aula8
Pcp aula8Pcp aula8
Pcp aula8
 
Aula -5 JIT_KANBAN.pdf
Aula -5 JIT_KANBAN.pdfAula -5 JIT_KANBAN.pdf
Aula -5 JIT_KANBAN.pdf
 
Porque devo devo ter um setor de ppcp
Porque devo devo ter um setor de ppcpPorque devo devo ter um setor de ppcp
Porque devo devo ter um setor de ppcp
 
Kanban lean scm 2015
Kanban lean scm 2015Kanban lean scm 2015
Kanban lean scm 2015
 
Sistema Kanban
Sistema KanbanSistema Kanban
Sistema Kanban
 
Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)
Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)
Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)
 
Just
JustJust
Just
 
Administração de operações
Administração de operaçõesAdministração de operações
Administração de operações
 
Administração de operações
Administração de operaçõesAdministração de operações
Administração de operações
 
Introdução ao Lean manufacturing
Introdução ao Lean manufacturingIntrodução ao Lean manufacturing
Introdução ao Lean manufacturing
 
Etiquetas (kanban)
Etiquetas (kanban)Etiquetas (kanban)
Etiquetas (kanban)
 
11. módulo 6 just in time (lean manufacturing)
11. módulo 6   just in time (lean manufacturing)11. módulo 6   just in time (lean manufacturing)
11. módulo 6 just in time (lean manufacturing)
 
Aula just in time
Aula just in timeAula just in time
Aula just in time
 
Adm Producao
Adm ProducaoAdm Producao
Adm Producao
 
A mentalidade enxuta nas empresas
A mentalidade enxuta nas empresasA mentalidade enxuta nas empresas
A mentalidade enxuta nas empresas
 
Jit kanban
Jit kanbanJit kanban
Jit kanban
 
Logística LEAN
Logística LEANLogística LEAN
Logística LEAN
 

Mais de マルセロ 白井

European express shipping drop or impact study
European express shipping drop or impact studyEuropean express shipping drop or impact study
European express shipping drop or impact study
マルセロ 白井
 
Distribution and Environment Study
Distribution and Environment StudyDistribution and Environment Study
Distribution and Environment Study
マルセロ 白井
 
Ensaio Acelerado em Relés
Ensaio Acelerado em RelésEnsaio Acelerado em Relés
Ensaio Acelerado em Relés
マルセロ 白井
 
Getting Started with Collaborative Robots
Getting Started with Collaborative RobotsGetting Started with Collaborative Robots
Getting Started with Collaborative Robots
マルセロ 白井
 
Colaborative Robots - Introduction
Colaborative Robots - IntroductionColaborative Robots - Introduction
Colaborative Robots - Introduction
マルセロ 白井
 
Preparação de Cross-Section
Preparação de Cross-SectionPreparação de Cross-Section
Preparação de Cross-Section
マルセロ 白井
 
What measurement geometry_fits_my_applications
What measurement geometry_fits_my_applicationsWhat measurement geometry_fits_my_applications
What measurement geometry_fits_my_applications
マルセロ 白井
 
Introduction - Solid Color
Introduction - Solid ColorIntroduction - Solid Color
Introduction - Solid Color
マルセロ 白井
 
Reliabilityweb 5 sources_of_defects
Reliabilityweb 5 sources_of_defectsReliabilityweb 5 sources_of_defects
Reliabilityweb 5 sources_of_defects
マルセロ 白井
 
Plantas fitoterápicas
Plantas fitoterápicasPlantas fitoterápicas
Plantas fitoterápicas
マルセロ 白井
 
12 respostas para você mudar de vez a sua visão sobre carma
12 respostas para você mudar de vez a sua visão sobre carma12 respostas para você mudar de vez a sua visão sobre carma
12 respostas para você mudar de vez a sua visão sobre carma
マルセロ 白井
 
7 segredos de_pessoas_milionarias_que_ficaram_ricas_por_seu_proprio_esforço_(...
7 segredos de_pessoas_milionarias_que_ficaram_ricas_por_seu_proprio_esforço_(...7 segredos de_pessoas_milionarias_que_ficaram_ricas_por_seu_proprio_esforço_(...
7 segredos de_pessoas_milionarias_que_ficaram_ricas_por_seu_proprio_esforço_(...
マルセロ 白井
 
SMT - Solder Paste mixing after Cold Storage
SMT - Solder Paste mixing after Cold StorageSMT - Solder Paste mixing after Cold Storage
SMT - Solder Paste mixing after Cold Storage
マルセロ 白井
 
Folclore Brasileiro
Folclore BrasileiroFolclore Brasileiro
Folclore Brasileiro
マルセロ 白井
 
Folclore brasileiro
Folclore brasileiroFolclore brasileiro
Folclore brasileiro
マルセロ 白井
 
Capoeira
CapoeiraCapoeira
SMT - Extraction and Filtration Technology Importance
SMT - Extraction and Filtration Technology ImportanceSMT - Extraction and Filtration Technology Importance
SMT - Extraction and Filtration Technology Importance
マルセロ 白井
 
SMT - 3D Printing
SMT - 3D PrintingSMT - 3D Printing
SMT - 3D Printing
マルセロ 白井
 
SMT - Process Control in Thermal Profiling
SMT - Process Control in Thermal ProfilingSMT - Process Control in Thermal Profiling
SMT - Process Control in Thermal Profiling
マルセロ 白井
 
SMT - Intermittent BGA Test Problems
SMT - Intermittent BGA Test ProblemsSMT - Intermittent BGA Test Problems
SMT - Intermittent BGA Test Problems
マルセロ 白井
 

Mais de マルセロ 白井 (20)

European express shipping drop or impact study
European express shipping drop or impact studyEuropean express shipping drop or impact study
European express shipping drop or impact study
 
Distribution and Environment Study
Distribution and Environment StudyDistribution and Environment Study
Distribution and Environment Study
 
Ensaio Acelerado em Relés
Ensaio Acelerado em RelésEnsaio Acelerado em Relés
Ensaio Acelerado em Relés
 
Getting Started with Collaborative Robots
Getting Started with Collaborative RobotsGetting Started with Collaborative Robots
Getting Started with Collaborative Robots
 
Colaborative Robots - Introduction
Colaborative Robots - IntroductionColaborative Robots - Introduction
Colaborative Robots - Introduction
 
Preparação de Cross-Section
Preparação de Cross-SectionPreparação de Cross-Section
Preparação de Cross-Section
 
What measurement geometry_fits_my_applications
What measurement geometry_fits_my_applicationsWhat measurement geometry_fits_my_applications
What measurement geometry_fits_my_applications
 
Introduction - Solid Color
Introduction - Solid ColorIntroduction - Solid Color
Introduction - Solid Color
 
Reliabilityweb 5 sources_of_defects
Reliabilityweb 5 sources_of_defectsReliabilityweb 5 sources_of_defects
Reliabilityweb 5 sources_of_defects
 
Plantas fitoterápicas
Plantas fitoterápicasPlantas fitoterápicas
Plantas fitoterápicas
 
12 respostas para você mudar de vez a sua visão sobre carma
12 respostas para você mudar de vez a sua visão sobre carma12 respostas para você mudar de vez a sua visão sobre carma
12 respostas para você mudar de vez a sua visão sobre carma
 
7 segredos de_pessoas_milionarias_que_ficaram_ricas_por_seu_proprio_esforço_(...
7 segredos de_pessoas_milionarias_que_ficaram_ricas_por_seu_proprio_esforço_(...7 segredos de_pessoas_milionarias_que_ficaram_ricas_por_seu_proprio_esforço_(...
7 segredos de_pessoas_milionarias_que_ficaram_ricas_por_seu_proprio_esforço_(...
 
SMT - Solder Paste mixing after Cold Storage
SMT - Solder Paste mixing after Cold StorageSMT - Solder Paste mixing after Cold Storage
SMT - Solder Paste mixing after Cold Storage
 
Folclore Brasileiro
Folclore BrasileiroFolclore Brasileiro
Folclore Brasileiro
 
Folclore brasileiro
Folclore brasileiroFolclore brasileiro
Folclore brasileiro
 
Capoeira
CapoeiraCapoeira
Capoeira
 
SMT - Extraction and Filtration Technology Importance
SMT - Extraction and Filtration Technology ImportanceSMT - Extraction and Filtration Technology Importance
SMT - Extraction and Filtration Technology Importance
 
SMT - 3D Printing
SMT - 3D PrintingSMT - 3D Printing
SMT - 3D Printing
 
SMT - Process Control in Thermal Profiling
SMT - Process Control in Thermal ProfilingSMT - Process Control in Thermal Profiling
SMT - Process Control in Thermal Profiling
 
SMT - Intermittent BGA Test Problems
SMT - Intermittent BGA Test ProblemsSMT - Intermittent BGA Test Problems
SMT - Intermittent BGA Test Problems
 

Sistema de Produção Puxada

  • 1. LOGOLean ManufacturingLean Manufacturing Pull Production SystemPull Production System Sistema de Produção Puxada 11
  • 2. Your site here Conteúdo Objetivo Sistema Empurrado3 Definição1 2 4 22 Lean ManufacturingLean Manufacturing Sistema Empurrado X Puxado
  • 3. Your site here Conteúdo Kanban Inventário Sistema de Abastecimento 7 Sistema de Produção Puxado5 6 8 33 Lean ManufacturingLean Manufacturing
  • 4. Your site here Conteúdo Manuseador de Material Resumo11 9 10 4 44 Lean ManufacturingLean Manufacturing Kanban e Gerenciamento de Materiais
  • 5. Your site here 55 Lean ManufacturingLean Manufacturing Definição Se o significado do controle de produção é realmente compreendido, o controle de estoque é desnecessário. (Taiichi Ohno) O sistema que utiliza o método de controle de produção "puxado", busca ter o material necessário, na quantidade necessária, no momento necessário e no local necessário. A produção só inicia quando a demanda ocorre de fato, cada processo "puxa" as peças fabricadas no processo anterior, assim sendo, o cliente é que determina a quantidade produzida, permitindo a formação de um estoque mínimo e a qualidade é perseguida através do conceito "zero defeito",bem como a investigação dos problemas diários e suas causas-raízes são investigadas e solucionadas. 1
  • 6. Your site here 66 Lean ManufacturingLean Manufacturing Objetivo Tem 3 tarefas principais: •Enviar material ao chão de fábrica baseado no consumo atual •Fazer as movimentações de WIP (Trabalhos em Processo) pelo setor baseado na demanda atual do consumidor •Prover um mecanismo para melhorar continuamente os processos de produção. 2
  • 7. Your site here 77 Lean ManufacturingLean Manufacturing Sistema Empurrado •A previsão da demanda futura impulsiona a programação de produção e materiais de reposição. Ordens planejadas são usadas para autorizar produção ou mover materiais, geralmente em modo de lote. •As características são: Inerentemente complexo e inflexível Geralmente baseado em software (sem um sistema visível) Trabalho intensivo, exigindo significativas horas de trabalho para manter o sistema preciso e atualizado Incapaz de reagir rapidamente ou com precisão à freqüentes e pequenas mudanças de demanda, comum para as operações de produção. 3
  • 8. Your site here 88 Lean ManufacturingLean Manufacturing Sistema Empurrado X Puxado4 Produzir tudo o que for possível Produzir o necessário quando for preciso •Produção aproximada •Uso antecipado •Grandes lotes •Muitos inventários •Produção precisa •Consumo real •Pequenos lotes •Poucos inventários
  • 9. Your site here 99 Lean ManufacturingLean Manufacturing Sistema Empurrado X Puxado4 Processo de Manufatura Puxado (Enxuto) •A produção é puxada através da planta pelo cliente •O material é retirado de processos descendentes (clientes), apenas na quantidade necessária, no momento necessário. A sinalização para material é simples e direta. Processo de Manufatura Empurrado (Tradicional) •Produção empurrada em lotes •Processos de fabricação tradicionais são imprevisíveis, geralmente produzindo bens mais rápida ou mais lentamente do que o necessário, criando escassez ou excesso de estoque.
  • 10. Your site here 1010 Lean ManufacturingLean Manufacturing Sistema de Produção Puxado5
  • 11. Your site here 1111 Lean ManufacturingLean Manufacturing Kanban6 Kanban é uma palavra japonesa, que traduzido livremente significa assinatura ou cartão. Usamos sinais Kanban para puxar produto através do processo, e para reabastecer matéria-prima. Usar Kanban quando os processos estão separados: •Linhas com múltiplos finais de processo. •Fornecedores externos. •Células alimentadoras. •Bens semi-acabados. •Produtos acabados com os clientes.
  • 12. Your site here 1212 Lean ManufacturingLean Manufacturing Inventário7 Ao retirar a rede de segurança que o excesso de inventário fornece, a produção puxada normalmente expõe outros problemas inerentes ao sistema: Altos níveis de inventário encobrem: •Taxas de falhas de máquinas •Baixa qualidade do fornecedor •Produtividade variável •Altas taxas de defeito •Sistemas de controle de qualidadeProblemas
  • 13. Your site here 1313 Lean ManufacturingLean Manufacturing Inventário7 Baixos níveis de inventário expõem problemas como: •Agendamento precário •Desbalanceamento de linha •Longo tempo de preparação •Absenteísmo Melhorias a longo prazo nos processos Problemas Problemas
  • 14. Your site here 1414 Lean ManufacturingLean Manufacturing Inventário7 Estoque de Segurança é desperdício, pois gera excesso de inventário no sistema para controlar variações em: •Demanda •Tempo de espera •Desempenho de fornecedores •Baixa qualidade •Diferenças entre dias do calendário e dias úteis (trabalhados). Exemplo: O time de produção trabalha aos sábados, mas os fornecedores não enviam aos sábados. O objetivo é minimizar a quantidade de estoque de segurança no sistema, sem reduzir o desempenho das entregas no prazo.
  • 15. Your site here 1515 Lean ManufacturingLean Manufacturing Sistema de Abastecimento8 Sistema de abastecimento baseado em 2 bandejas com os objetivos: •Assegurar que o operador sempre tenha peças •Assegurar que o operador não tenha que sair do posto de trabalho para procurar peças •Assegurar que o status de disponibilidade esteja visível •Minimizar a quantidade de matéria-prima mantida na linha de produção.
  • 16. Your site here 1616 Lean ManufacturingLean Manufacturing Sistema de Abastecimento8 A primeira bandeja é usada pelo operador para montar. A segunda bandeja (com a mesma quantidade) está pronta para uso assim que a primeira esvaziar. Bandejas cheias e vazias se alternam. Os manipuladores de material coletam e repõem bandejas pelo lado de fora sem atrapalhar o operador.
  • 17. Your site here 1717 Lean ManufacturingLean Manufacturing Sistema de Abastecimento8 Ponto de uso e sistema Pick- to-Light (botões luminosos) Kanban afixado à quantidade mínima
  • 18. Your site here 1818 Lean ManufacturingLean Manufacturing Sistema de Abastecimento8 Quadro de Pedido de Componentes
  • 19. Your site here 1919 Lean ManufacturingLean Manufacturing Sistema de Abastecimento8
  • 20. Your site here 2020 Lean ManufacturingLean Manufacturing Kanban e Gerenciamento de Materiais9 Pequenas peças: Usar os recipientes / bandejas como sinalizadores Kanban. •É o recipiente que vai e volta para o reabastecimento Peças grandes /caras: Usar o cartão de Kanban onde a possível matéria-prima deve ser removida de estoques (armazém) e colocá-los no chão de fábrica em (POU) pontos de uso. Esforçar-se para eliminar estoques. •Quantidades apropriadas nos pontos de uso dependem de: Tamanho físico Custo do material Frequência de uso Frequência de reposição
  • 21. Your site here 2121 Lean ManufacturingLean Manufacturing Kanban e manufatura de Materiais9
  • 22. Your site here 2222 Lean ManufacturingLean Manufacturing Manuseador de Material10 Num fluxo contínuo da célula, se os operadores abandonam suas estações de trabalho para buscar peças, as operações adjacentes rapidamente cairão. Um manuseador de material será responsável pela reposição peças, remoção de recipientes vazios e separação de peças com defeitos e que falharam.
  • 23. Your site here 2323 Lean ManufacturingLean Manufacturing Manuseador de Material10
  • 24. Your site here 2424 Lean ManufacturingLean Manufacturing Resumo11 Princípios: •O consumo é o sinal para ação. •O Sinal se localiza na área de produção. •A área de produção é abastecida com extrema variação na demanda. Benefícios: •Simplifica o planejamento e os sistemas de controle. •Converte o chão de fábrica numa linha de montagem. •Controla a produção através da adesão das regras de puxamento. Recipientes padrões Quantidades padrões Produção autorizada.