SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
Baixar para ler offline
Sistema PUXADO
JIT/Kanban
EAD 661 – Prof. Dr. Alvair Silveira Torres Junior
Visão de Push / Pull
• Processos PULL ( Puxado -Make to order) –
ordens em resposta aos pedidos de clientes
– A demanda é conhecida ao executar PULL
– É um processo reativo
• Processos PUSH ( Empurrado – make to
stock)– ordens antecipando os pedidos de
clientes
– A demanda é prevista ao executar PUSH
– É um processo prospectivo
• Fronteira PUSH / PULL na cadeia separa os
dois processos
Push/Pull: Dell Computer
 O que é produção empurrada ?
Cada processo produz de acordo com a previsão
da demanda
Produção Empurrada – Make-to-Stock
Produção Puxada
 Produção Puxada é um sistema de produção em que cada
etapa do processo só deve produzir um bem ou serviço
quando um processo posterior, ou cliente final, solicitar.
A programação se dá através do consumo de um estoque
controlado de um determinado item (FG, comp, MP),
chamado de supermercado localizado entre os processos
Fornecedor Cliente
LT Informação
LT Disponibilidade
LT Processo
LT Espera
FornecedorFornecedor ClienteCliente
LT Informação
LT Disponibilidade
LT Processo
LT Espera
Produção Puxada - Make-to-Order
 Itens que saem mais existem em maior quantidade e em locais
privilegiados
 Itens que saem menos existem em menores quantidades e em
prateleiras mais baixas
 Itens esporádicos somente sob encomenda
O que é um Supermercado?
Kanban de produção paraKanban de produção para
programar processos em fluxoprogramar processos em fluxo
MONTAGEM 1
Cliente
Novo
produto
Transporte
do produto
Pedido
Kanban de
produção
Supermercado
de produtos acabados
PCP
Regras para o uso do kanbanRegras para o uso do kanban
 O processo cliente puxa do processo fornecedor
 O processo fornecedor repõe a quantidade retirada
 Não deve ser permitido que nenhum defeito passe
para o próximo processo
 O kanban deve ser anexado com a peça ou com a
embalagem
 Nenhuma peça pode ser produzida ou transportada
sem kanban
 A quantidade indicada no kanban deve ser igual a
quantidade real na embalagem
9
Heijunka – sequenciamento dosHeijunka – sequenciamento dos
cartõescartões
Informa a um processo anterior que tipo e em que
quantidade o produto deve ser produzido ou entregue
para atender a um processo posterior. Ex:
Kanban de Produção
Representação
de Kanban
Cartão Kanban
Cliente retira itens do supermercado quando necessário
e o cartão de produção que acompanhava a caixa é
levado para o quadro (Regra 1)
Kanban de produçãoKanban de produção
A dinâmica do sistema
O processo fornecedor produz o item mais crítico do
supermercado retirando o Kanban do quadro e colocando
o na caixa de volta ao supermercado (Regra 2)
Kanban de produçãoKanban de produção
A dinâmica do sistema
Processo 1 Processo 2 Processo 3
X O X O
Controle da
Produção
cliente
Kanban de produção
Kanban de retirada
Kanban - sistema puxado de reposição
Processo 1 Processo 2 Processo 3
cliente
X O X O
FIFO FIFO
Entrada
Controle
De produção
Kanban de produção
Kanban - sistema puxado sequenciado
Processo 1 Processo 2
Controle da
Produção
cliente
Kanban de produção
Kanban de retirada
Processo 3
X O X O
Entrada
Itens C
Itens A e B
FIFO FIFO
Kanban - sistema puxado misto
Kanban triangular – para lotesKanban triangular – para lotes
Controle de produção usando oControle de produção usando o
kanban triangularkanban triangular
1545
5
Quanto de cada produto deve serQuanto de cada produto deve ser
mantido no estoque de produtosmantido no estoque de produtos
acabados?acabados?
Estoque de
Ciclo
Quantidade
requerida para
cobrir a
demanda
normal
Estoque Pulmão
Quantidade
requerida para
cobrir a
variação
induzida pelo
cliente
Estoque de
Segurança
Quantidade
requerida para
cobrir perdas
internas
Demanda média
Lead time de reposição
Volatilidade de demanda
Erros de previsão
Perdas com paradas
Perdas por qualidade
Direcionadores chave
Níveis do estoque
de produtos
acabados
Semana1
Semana2
Semana3
Análise dos itens para composição do
Supermercado
O Quadro Kanban
Quadro Kanban
Exemplo : Quadro Kanban
Apresentação J&J Lean Summit 2004
Composição do Supermercado
Quantidade de cartões = demanda
durante lead time de reposição/itens
da embalagem
Custos
Tamanho do lote
Custo de estocar
Custo de pedir
Custo total
Lote Econômico
(Tamanho de lote
que minimiza custo
total)
Modelo básico: quanto pedir?
LE = √2.D.Cf / Ce
Reduzir set-up
Reduzir Cf
Reduzir lotes
Lote Econômico viável com
pequenas quantidades
No JIT o mínimo
precisa ser
Deslocado -
Tender à zero
Ce – custo unitário anual de estocagem
Cf – custo de fazer o pedido
Diminuindo o lote econômico, através da redução do tempo de
preparação – (menor o custo de pedir)
25
Pit Stop de Formula 1 = 3 segundos
Viabiliza mais paradas
A Origem do SMED
• Shigeo Shingo: responsável por uma
série de avanços na organização e
gestão da produção, criou o SMED
• Single Minute Exchange Die.
Shigeo Shingo
(1909 - 1990)
Desenvolveu e aplicou em dezenas de empresas “SMED”: O
Sistema de Troca de Ferramenta em “Um Dígito de Minuto”.
Meta de Shingo: Tempos < 10 min
Preparar as condições de operação antes do Setup
Exemplo: Criar checklist, preparar as ferramentas e
dispositivos externamente.
deslocamento
1302 passos ≅ 1042 metros
2hrs e 17 min
Deslocamento 75 passos ≅ 60 metros
55 min (60%)
Fonte : Docol – Summit 2006
Composição do Supermercado
Quantidade de cartões = 2 vezes o
desvio padrão da demanda no período
de LT /itens da embalagem
Proteção de 97,72% de toda variação
de demanda
Prof. Alvair Torres
DISTRIBUIÇÃO NORMAL
• Média e Dispersão
• Dispersão – Desvio padrão – σ ( sigma)
σ = √ Σ(D – Dm)²/ n -1
NS
Prof. Alvair Torres
Prof. Alvair Torres
NIVEL DE SERVIÇO DEFINE PROTEÇÂO
O nível de serviço é diretamente relacionado ao número de desvios padrão
necessários , chamado de fator de segurança – FS
• O fator de segurança pode ser obtido do valor de z da curva normal ou
de tabelas de nível de serviço – NS
•Nível de serviço de 90% significa que com a variação de demanda calculada
seu estoque de segurança calculado permitirá o atendimento dos pedidos
em 90% das vezes.
Prof. Alvair Torres
PLANEJAMENTO DO ABASTECIMENTO,
DISTRIBUIÇÃO E ENTREGA
FS ou σ
Composição do Supermercado
Quantidade de cartões = período de
segurança estipulado para proteger
contra falhas de operação
QUADRO KANBAN
com régua de programação
Os kanbans são colocados nesta régua de horário
Prof. Alvair Torres
QUADRO KANBAN – MAIOR VOLUME
Prof. Alvair Torres
PROGRAMAÇÃO DE PRODUÇÃO – HEIJUNKA BOX
Quadros Kanban concebidos de acordo com a necessidade do
processo/produção.
Exercício
Demanda nas últimas dez semanas: 1700, 2200, 1900, 2000,
2400, 1800, 2100, 2000, 1600, 2100.
Média da demanda = 1980/semana
Desvio padrão na semana = 239
Lead time de reposição = 1 semana
Fator de segurança/falha na entrega – 1 dia
Supermercado
- Estoque ciclo – faixa verde = 1 semana = 1980/100 = 20 cartões
-Estoque pulmão – faixa amarela = 2 X 239 = 478/100 = 5 cartões
-Estoque proteção – 1 dia = 396/100 = 4 cartões
Prof. Alvair Torres
Correção p/ Intervalo de previsão de demanda diferente do Lead-time
Exemplo: a demanda é medida mensalmente (4 semanas) e o lead-time é de
3 semanas.
• o desvio padrão precisa ser corrigido
Supondo que as vendas são registradas mensalmente com desvio padrão de
32 unidades, qual o devio padrão da demanda se o lead-time for de 3 semanas ?
A correção é dada por (√intervalo LT/ intervalo da demanda), assim temos:
√ ¾, logo desvio padrão nas 3 semanas é de 32 x √0,75 = 28
•40
Sex1 /semana Seg Ter Qua Qui
4PM1 /dia 8AM 10AM 12PM 2PM
4PM8AM 10AM 12PM 2PM4 /dia
Qual o efeito ??
Frequência de entrega alteradaFrequência de entrega alterada
•41
7AM 9AM 11AM 1PM 3PM
Fluxo NiveladoFluxo Nivelado
Prof. Alvair Torres
Caminh
ão
Fornecedor A
Fornecedor
B
Fornecedor C
PORTARIA
Armazém
FILA
no MODELO
TRADICIONAL
DocadeRecebimento
Prof. Alvair Torres
ROTA
1
ROTA
2
ROTA
3
9:00
7:00 11:00 13:00 15:00
17:00
12:00
Janela de Recebimento - JITJanela de Recebimento - JIT

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)douglas
 
Competição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentosCompetição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentosRicardo Domingues
 
Administração de Produção II
Administração de Produção IIAdministração de Produção II
Administração de Produção IIRomilson Cesar
 
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)Caio Roberto de Souza Filho
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoCharles Rebouças
 
Treinamento kanban-avanado-29761
Treinamento kanban-avanado-29761Treinamento kanban-avanado-29761
Treinamento kanban-avanado-29761ISMAR FEITOSA
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesMoises Ribeiro
 
MRP na prática - gerenciamento da produção
MRP na prática - gerenciamento da produção MRP na prática - gerenciamento da produção
MRP na prática - gerenciamento da produção Nara Oliveira
 
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)douglas
 
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade ProdutivaGestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade ProdutivaWilian Gatti Jr
 
01 _fundamentos_de_logistica___introducao (1)
01  _fundamentos_de_logistica___introducao (1)01  _fundamentos_de_logistica___introducao (1)
01 _fundamentos_de_logistica___introducao (1)Aline Trevisol
 
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rspDougPabiton
 
Planejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produçãoPlanejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produçãoLuiza Mucida
 

Mais procurados (20)

Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
 
Competição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentosCompetição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentos
 
Kanban
KanbanKanban
Kanban
 
Arranjos Físico
 Arranjos Físico Arranjos Físico
Arranjos Físico
 
Mrp
MrpMrp
Mrp
 
Administração de Produção II
Administração de Produção IIAdministração de Produção II
Administração de Produção II
 
06 aula just in time e kanban
06 aula just in time e kanban06 aula just in time e kanban
06 aula just in time e kanban
 
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentação
 
Treinamento kanban-avanado-29761
Treinamento kanban-avanado-29761Treinamento kanban-avanado-29761
Treinamento kanban-avanado-29761
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoques
 
MRP na prática - gerenciamento da produção
MRP na prática - gerenciamento da produção MRP na prática - gerenciamento da produção
MRP na prática - gerenciamento da produção
 
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
 
MRP II
MRP II MRP II
MRP II
 
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade ProdutivaGestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
 
01 _fundamentos_de_logistica___introducao (1)
01  _fundamentos_de_logistica___introducao (1)01  _fundamentos_de_logistica___introducao (1)
01 _fundamentos_de_logistica___introducao (1)
 
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp
 
Planejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produçãoPlanejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produção
 
Aula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de ProduçãoAula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de Produção
 
Lean Manufacturing 6
Lean Manufacturing 6Lean Manufacturing 6
Lean Manufacturing 6
 

Semelhante a JIT KANBAN - CALCULAR

Sistema Kanban 2.ppt
Sistema Kanban 2.pptSistema Kanban 2.ppt
Sistema Kanban 2.pptMaressaCosta9
 
Gestão da Produção
Gestão da ProduçãoGestão da Produção
Gestão da Produçãozbam
 
Lean Manufacturing Aula 2
Lean Manufacturing Aula 2Lean Manufacturing Aula 2
Lean Manufacturing Aula 2VicenteTino
 
Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Geovana Pires Lima
 
Ferramentas stp 2017_moodle
Ferramentas stp 2017_moodleFerramentas stp 2017_moodle
Ferramentas stp 2017_moodleTelmo Telles
 
11. módulo 6 just in time (lean manufacturing)
11. módulo 6   just in time (lean manufacturing)11. módulo 6   just in time (lean manufacturing)
11. módulo 6 just in time (lean manufacturing)Eliana Celiven
 
Mecanismo da Função Produção Perdas
Mecanismo da Função Produção PerdasMecanismo da Função Produção Perdas
Mecanismo da Função Produção PerdasUniversity
 
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo FisicoAdministração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisicodouglas
 
Slide Kamban
Slide KambanSlide Kamban
Slide KambanAbei
 
MATERIAL GENÉRICO DE APOIO A MENTALIDADE_ENXUTA_ALT.pptx
MATERIAL GENÉRICO DE APOIO A MENTALIDADE_ENXUTA_ALT.pptxMATERIAL GENÉRICO DE APOIO A MENTALIDADE_ENXUTA_ALT.pptx
MATERIAL GENÉRICO DE APOIO A MENTALIDADE_ENXUTA_ALT.pptxAlessandro M da Rocha
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de EstoquesAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoquesdouglas
 
Processos da Cadeia de Suprimentos
Processos da Cadeia de SuprimentosProcessos da Cadeia de Suprimentos
Processos da Cadeia de SuprimentosWellington Luiz
 

Semelhante a JIT KANBAN - CALCULAR (20)

Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)
Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)
Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)
 
Pcp aula8
Pcp aula8Pcp aula8
Pcp aula8
 
Sistema Kanban 2.ppt
Sistema Kanban 2.pptSistema Kanban 2.ppt
Sistema Kanban 2.ppt
 
Gestão da Produção
Gestão da ProduçãoGestão da Produção
Gestão da Produção
 
Lean Manufacturing Aula 2
Lean Manufacturing Aula 2Lean Manufacturing Aula 2
Lean Manufacturing Aula 2
 
Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção
 
Ferramentas stp 2017_moodle
Ferramentas stp 2017_moodleFerramentas stp 2017_moodle
Ferramentas stp 2017_moodle
 
Jit kanban
Jit kanbanJit kanban
Jit kanban
 
EWM processos
EWM processosEWM processos
EWM processos
 
11. módulo 6 just in time (lean manufacturing)
11. módulo 6   just in time (lean manufacturing)11. módulo 6   just in time (lean manufacturing)
11. módulo 6 just in time (lean manufacturing)
 
Mecanismo da Função Produção Perdas
Mecanismo da Função Produção PerdasMecanismo da Função Produção Perdas
Mecanismo da Função Produção Perdas
 
Kanban lean scm 2015
Kanban lean scm 2015Kanban lean scm 2015
Kanban lean scm 2015
 
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo FisicoAdministração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
 
Slide Kamban
Slide KambanSlide Kamban
Slide Kamban
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
MATERIAL GENÉRICO DE APOIO A MENTALIDADE_ENXUTA_ALT.pptx
MATERIAL GENÉRICO DE APOIO A MENTALIDADE_ENXUTA_ALT.pptxMATERIAL GENÉRICO DE APOIO A MENTALIDADE_ENXUTA_ALT.pptx
MATERIAL GENÉRICO DE APOIO A MENTALIDADE_ENXUTA_ALT.pptx
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de EstoquesAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
 
Porque devo devo ter um setor de ppcp
Porque devo devo ter um setor de ppcpPorque devo devo ter um setor de ppcp
Porque devo devo ter um setor de ppcp
 
Processos da Cadeia de Suprimentos
Processos da Cadeia de SuprimentosProcessos da Cadeia de Suprimentos
Processos da Cadeia de Suprimentos
 
Gestão de estoques
Gestão de estoquesGestão de estoques
Gestão de estoques
 

JIT KANBAN - CALCULAR

  • 1. Sistema PUXADO JIT/Kanban EAD 661 – Prof. Dr. Alvair Silveira Torres Junior
  • 2. Visão de Push / Pull • Processos PULL ( Puxado -Make to order) – ordens em resposta aos pedidos de clientes – A demanda é conhecida ao executar PULL – É um processo reativo • Processos PUSH ( Empurrado – make to stock)– ordens antecipando os pedidos de clientes – A demanda é prevista ao executar PUSH – É um processo prospectivo • Fronteira PUSH / PULL na cadeia separa os dois processos
  • 4.  O que é produção empurrada ? Cada processo produz de acordo com a previsão da demanda Produção Empurrada – Make-to-Stock
  • 5. Produção Puxada  Produção Puxada é um sistema de produção em que cada etapa do processo só deve produzir um bem ou serviço quando um processo posterior, ou cliente final, solicitar. A programação se dá através do consumo de um estoque controlado de um determinado item (FG, comp, MP), chamado de supermercado localizado entre os processos Fornecedor Cliente LT Informação LT Disponibilidade LT Processo LT Espera FornecedorFornecedor ClienteCliente LT Informação LT Disponibilidade LT Processo LT Espera Produção Puxada - Make-to-Order
  • 6.  Itens que saem mais existem em maior quantidade e em locais privilegiados  Itens que saem menos existem em menores quantidades e em prateleiras mais baixas  Itens esporádicos somente sob encomenda O que é um Supermercado?
  • 7. Kanban de produção paraKanban de produção para programar processos em fluxoprogramar processos em fluxo MONTAGEM 1 Cliente Novo produto Transporte do produto Pedido Kanban de produção Supermercado de produtos acabados PCP
  • 8. Regras para o uso do kanbanRegras para o uso do kanban  O processo cliente puxa do processo fornecedor  O processo fornecedor repõe a quantidade retirada  Não deve ser permitido que nenhum defeito passe para o próximo processo  O kanban deve ser anexado com a peça ou com a embalagem  Nenhuma peça pode ser produzida ou transportada sem kanban  A quantidade indicada no kanban deve ser igual a quantidade real na embalagem
  • 9. 9 Heijunka – sequenciamento dosHeijunka – sequenciamento dos cartõescartões
  • 10. Informa a um processo anterior que tipo e em que quantidade o produto deve ser produzido ou entregue para atender a um processo posterior. Ex: Kanban de Produção Representação de Kanban Cartão Kanban
  • 11. Cliente retira itens do supermercado quando necessário e o cartão de produção que acompanhava a caixa é levado para o quadro (Regra 1) Kanban de produçãoKanban de produção A dinâmica do sistema
  • 12. O processo fornecedor produz o item mais crítico do supermercado retirando o Kanban do quadro e colocando o na caixa de volta ao supermercado (Regra 2) Kanban de produçãoKanban de produção A dinâmica do sistema
  • 13. Processo 1 Processo 2 Processo 3 X O X O Controle da Produção cliente Kanban de produção Kanban de retirada Kanban - sistema puxado de reposição
  • 14. Processo 1 Processo 2 Processo 3 cliente X O X O FIFO FIFO Entrada Controle De produção Kanban de produção Kanban - sistema puxado sequenciado
  • 15. Processo 1 Processo 2 Controle da Produção cliente Kanban de produção Kanban de retirada Processo 3 X O X O Entrada Itens C Itens A e B FIFO FIFO Kanban - sistema puxado misto
  • 16. Kanban triangular – para lotesKanban triangular – para lotes
  • 17. Controle de produção usando oControle de produção usando o kanban triangularkanban triangular 1545 5
  • 18. Quanto de cada produto deve serQuanto de cada produto deve ser mantido no estoque de produtosmantido no estoque de produtos acabados?acabados? Estoque de Ciclo Quantidade requerida para cobrir a demanda normal Estoque Pulmão Quantidade requerida para cobrir a variação induzida pelo cliente Estoque de Segurança Quantidade requerida para cobrir perdas internas Demanda média Lead time de reposição Volatilidade de demanda Erros de previsão Perdas com paradas Perdas por qualidade Direcionadores chave Níveis do estoque de produtos acabados Semana1 Semana2 Semana3
  • 19. Análise dos itens para composição do Supermercado
  • 21. Quadro Kanban Exemplo : Quadro Kanban
  • 22. Apresentação J&J Lean Summit 2004
  • 23. Composição do Supermercado Quantidade de cartões = demanda durante lead time de reposição/itens da embalagem
  • 24. Custos Tamanho do lote Custo de estocar Custo de pedir Custo total Lote Econômico (Tamanho de lote que minimiza custo total) Modelo básico: quanto pedir? LE = √2.D.Cf / Ce Reduzir set-up Reduzir Cf Reduzir lotes Lote Econômico viável com pequenas quantidades No JIT o mínimo precisa ser Deslocado - Tender à zero Ce – custo unitário anual de estocagem Cf – custo de fazer o pedido
  • 25. Diminuindo o lote econômico, através da redução do tempo de preparação – (menor o custo de pedir) 25 Pit Stop de Formula 1 = 3 segundos Viabiliza mais paradas
  • 26. A Origem do SMED • Shigeo Shingo: responsável por uma série de avanços na organização e gestão da produção, criou o SMED • Single Minute Exchange Die. Shigeo Shingo (1909 - 1990) Desenvolveu e aplicou em dezenas de empresas “SMED”: O Sistema de Troca de Ferramenta em “Um Dígito de Minuto”. Meta de Shingo: Tempos < 10 min
  • 27. Preparar as condições de operação antes do Setup Exemplo: Criar checklist, preparar as ferramentas e dispositivos externamente. deslocamento 1302 passos ≅ 1042 metros 2hrs e 17 min Deslocamento 75 passos ≅ 60 metros 55 min (60%) Fonte : Docol – Summit 2006
  • 28. Composição do Supermercado Quantidade de cartões = 2 vezes o desvio padrão da demanda no período de LT /itens da embalagem Proteção de 97,72% de toda variação de demanda
  • 29. Prof. Alvair Torres DISTRIBUIÇÃO NORMAL • Média e Dispersão • Dispersão – Desvio padrão – σ ( sigma) σ = √ Σ(D – Dm)²/ n -1 NS
  • 31. Prof. Alvair Torres NIVEL DE SERVIÇO DEFINE PROTEÇÂO O nível de serviço é diretamente relacionado ao número de desvios padrão necessários , chamado de fator de segurança – FS • O fator de segurança pode ser obtido do valor de z da curva normal ou de tabelas de nível de serviço – NS •Nível de serviço de 90% significa que com a variação de demanda calculada seu estoque de segurança calculado permitirá o atendimento dos pedidos em 90% das vezes.
  • 32. Prof. Alvair Torres PLANEJAMENTO DO ABASTECIMENTO, DISTRIBUIÇÃO E ENTREGA FS ou σ
  • 33. Composição do Supermercado Quantidade de cartões = período de segurança estipulado para proteger contra falhas de operação
  • 34. QUADRO KANBAN com régua de programação Os kanbans são colocados nesta régua de horário
  • 35.
  • 36. Prof. Alvair Torres QUADRO KANBAN – MAIOR VOLUME
  • 37. Prof. Alvair Torres PROGRAMAÇÃO DE PRODUÇÃO – HEIJUNKA BOX Quadros Kanban concebidos de acordo com a necessidade do processo/produção.
  • 38. Exercício Demanda nas últimas dez semanas: 1700, 2200, 1900, 2000, 2400, 1800, 2100, 2000, 1600, 2100. Média da demanda = 1980/semana Desvio padrão na semana = 239 Lead time de reposição = 1 semana Fator de segurança/falha na entrega – 1 dia Supermercado - Estoque ciclo – faixa verde = 1 semana = 1980/100 = 20 cartões -Estoque pulmão – faixa amarela = 2 X 239 = 478/100 = 5 cartões -Estoque proteção – 1 dia = 396/100 = 4 cartões
  • 39. Prof. Alvair Torres Correção p/ Intervalo de previsão de demanda diferente do Lead-time Exemplo: a demanda é medida mensalmente (4 semanas) e o lead-time é de 3 semanas. • o desvio padrão precisa ser corrigido Supondo que as vendas são registradas mensalmente com desvio padrão de 32 unidades, qual o devio padrão da demanda se o lead-time for de 3 semanas ? A correção é dada por (√intervalo LT/ intervalo da demanda), assim temos: √ ¾, logo desvio padrão nas 3 semanas é de 32 x √0,75 = 28
  • 40. •40 Sex1 /semana Seg Ter Qua Qui 4PM1 /dia 8AM 10AM 12PM 2PM 4PM8AM 10AM 12PM 2PM4 /dia Qual o efeito ?? Frequência de entrega alteradaFrequência de entrega alterada
  • 41. •41 7AM 9AM 11AM 1PM 3PM Fluxo NiveladoFluxo Nivelado
  • 42. Prof. Alvair Torres Caminh ão Fornecedor A Fornecedor B Fornecedor C PORTARIA Armazém FILA no MODELO TRADICIONAL DocadeRecebimento
  • 43. Prof. Alvair Torres ROTA 1 ROTA 2 ROTA 3 9:00 7:00 11:00 13:00 15:00 17:00 12:00 Janela de Recebimento - JITJanela de Recebimento - JIT