SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudos sobre o Romantismo: século XVIII

INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS
ROMÂNTICOS
Romantismo
movimento artístico, político e filosófico surgi
do nas últimas décadas do século
XVIII na Europa que perdurou por grande
parte do século XIX. Caracterizou-se como
uma
visão
de
mundo
contrária
ao
racionalismo
que
marcou
o
período
neoclássico
e
buscou
um nacionalismo que viria a consolidar os
estados nacionais na Europa.
 Inicialmente apenas uma atitude, um estado

de espírito, o Romantismo toma mais tarde a
forma de um movimento e o espírito
romântico passa a designar toda uma visão de
mundo centrada no indivíduo. Os autores
românticos voltaram-se cada vez mais para si
mesmos,
retratando
o
drama
humano, amores trágicos, ideais utópicos e
desejos de escapismo.
O termo romântico refere-se, assim, ao movimento estético ou, em um
sentido mais lato, à tendência idealista ou poética de alguém que
carece de sentido objetivo.
Origem
 O Romantismo surgiu na Europa em uma época
em que o ambiente intelectual era de grande

rebeldia. Na política, caíam os sistemas de
governo despóticos e surgia o liberalismo
político (não confundir com o liberalismo
econômico do Século XX). No campo social
imperava o inconformismo. No campo
artístico, o repúdio às regras. A Revolução
Francesa é o clímax desse século de oposição.
 O Romantismo viria a se manifestar de formas
bastante variadas nas diferentes artes e
marcaria,
sobretudo,
a
literatura
e

a música (embora ele só venha a se manifestar
realmente aqui mais tarde do que em outras
artes). À medida que a escola foi sendo
explorada, foram surgindo críticos à sua
demasiada idealização da realidade. Destes
críticos surgiu o movimento que daria forma
ao Realismo.


“Metamos o martelo nas teorias, nas poéticas e
nos sistemas. Abaixo este velho reboco que
mascara a fachada da arte!” Victor Hugo
 Na Europa, a partir da metade do século

XVIII, surgem autores que, libertando-se
parcialmente dos limites traçados pela
poética neoclássica, apresentam novas
concepções literárias. Em suas obras, eles
expressam sentimentos inspirados nas
tradições nacionais, falam de amor e saudade
num tom pessoal, realizando uma poesia
mais comunicativa e espontânea do que a
neoclássica.
 Era o nascimento do Romantismo que foi

desenvolvendo-se e enriquecendo-se à
medida que se expandia. Assim, acabou
adquirindo características tão variadas que se
torna impossível descrevê-lo em todas as
suas dimensões.
Os sofrimentos do jovem Werther (Johann
Wolfgang von Goethe)
 No Brasil, percebe-se o desejo de criação de

uma literatura nacional. Assim representou a
primeira tentativa consciente de se produzir
literatura
verdadeiramente
brasileira.
Abandonou aos poucos o tom lusitano, a fim
de dar lugar a um estilo mais próximo da fala
brasileira.
A prosa Romântica Brasileira
 A prosa romântica inicia-se com a publicação do

primeiro romance brasileiro "O filho do
Pescador", de Antônio Gonçalves Teixeira e Sousa
em 1843. O primeiro romance brasileiro em folhetim
foi "A Moreninha", de Joaquim Manuel de
Macedo, publicado em 1844. O romance brasileiro
caracteriza-se por ser uma "adaptação" do romance
europeu, conservando a estrutura folhetinesca
européia, com início, meio e fim seguindo a ordem
cronológica dos fatos.

 O Romance brasileiro poderia ser dividido em

duas fases: Antes de José de Alencar e PósJosé de Alencar, pois antes desse importante
autor as narrativas eram basicamente
urbanas, ambientadas no Rio de Janeiro, e
apresentavam uma visão muito superficial
dos hábitos e comportamentos da sociedade
burguesa.
 E com José de Alencar surgiram novos estilos de
prosa
romântica
como
os
romances
regionalistas, históricos e indianistas e o

romance passou a ser mais crítico e realista. Os
romances brasileiros fizeram muito sucesso em
sua época já que uniam o útil ao agradável: A
estrutura típica do romance europeu,
ambientada
nos
cenários
facilmente
identificáveis pelo leitor brasileiro(cafés, teatros,
ruas de cidades como o Rio de Janeiro).
 O sucesso também se deve ao fato de que os

romances eram feitos para a classe
burguesa, ressaltando o luxo e a pompa da
vida social burguesa e ocultando a hipocrisia
dos costumes burgueses. Por isso pode-se
dizer que, no geral, o romance brasileiro era
urbano, superficial, folhetinesco e burguês.
José de Alencar
 José

de Alencar é considerado o patriarca
da literatura brasileira. Inaugurou novos estilos
românticos e consolidou o romantismo no Brasil
desenhando o retrato cultural brasileiro de forma
completa e abrangente. E devido a essa visão ampla
do cenário brasileiro, sua obra iniciaria um período
de transição entre Romantismo e Realismo. Suas
narrativas apresentam um desenvolvimento dos
conflitos femininos da mulher burguesa do século
XIX, já que seus romances a tinha como público alvo.
Sua obra pode ser fragmentada em três categorias:


 Romances Urbanos
 Romances ambientados no Rio de Janeiro, protagonizados por

personagens femininos, mostravam o luxo e a pompa das
atividades sociais burguesas, no entanto apresentavam uma
critica sutil aos hábitos hipócritas da burguesia e seu caráter
capitalista. São exemplos de romances urbanos de José de
Alencar:
 Senhora - Faz crítica ao casamento por interesse, à hipocrisia, à
cobiça e à soberba burguesa.
 Lucíola - Critica o fato de a burguesia, que financia a prostituição
durante a noite, ter aversão às mesmas durante o dia.
 Diva - Ressalta a beleza das jovens e ricas burguesas, o
virtuosismo e a pureza e, em contrapartida, critica o casamento
por interesse financeiro.
 Romances Regionalistas
 Narrativas que se sucedem em centros afastados da capital

imperial, ou seja, histórias que acontecem em lugares
tipicamente brasileiros, mais pitorescos, menos influenciados
pela cultura européia. Apesar de José de Alencar narrar seus
romances regionalistas com uma incrível fluência e suavidade, as
histórias narradas são superficiais devido ao fato de que o autor
não viajara para as regiões que descreveu, mas pesquisara a
fundo sobre elas. Basicamente, são romances que procuram ser
mais fiéis ao projeto de brasilidade e propaganda do Brasil
independente, o objetivo é fazer propaganda aos próprios
brasileiros, expondo a diversidade do país. São Exemplos de
romances regionalistas de José de Alencar:
 O Gaúcho
 O Sertanejo
 O Tronco do Ipê








Romances Históricos e Indianistas
Romances que revelam a preocupação de José de Alencar em exibir
o índio como herói nacional. Enquanto os autores românticos da Europa
retratavam o saudosismo através de menções à época medieval, no
Brasil, Alencar procurou buscar na cultura indígena brasileira o passado
fiel da história brasileira. Seus romances trazem uma linguagem mais
original, com vocábulos do tupi, retratam o índio como símbolo de
bravura, de pureza e de amor ao ambiente natural. Pode-se dizer que
suas narrativas tendiam ao estilo poético por entrelaçar o caráter básico
da prosa com o lirismo do gênero poético. Em resumo, suas obras
utilizam o indianismo como forma de revelar um conceito mais original
de brasilidade e criar um projeto de língua brasileira. Dentre as obras
mais importantes de José de Alencar nesse ramo do romantismo, estão:
O Guarani
Ubirajara
As Minas de Prata
Iracema
 A Importância da Obra de José de Alencar
 Considerado o mais importante escritor do Romantismo

brasileiro, é ele quem consegue expressar o perfeito retrato
da cultura brasileira, explorando novas vertentes da produção
literária, criando e abrindo caminhos para a criação de uma
literatura brasileira original, ampla e de boa qualidade. E por isso
foi o autor que mais se aproximou do objetivo da escola
romântica, mesclando a idealização e o sonho com um realismo
sutil, valorizando os elementos naturais da cultura brasileira e o
índio como figura-mãe da original cultura brasileira. Suas obras
foram capazes de inspirar nos burgueses o gosto pela leitura
nacional e também, de inspirar diversos autores a seguir
caminhos por ele traçados, concretizando assim seu projeto
nacionalista
de
revelar
o
Brasil
num
todo.
Referências históricas
 Contexto sócio-político da época (início do Romantismo no








Brasil):
1808 - chegada ao Brasil de D. João VI e da família Real
1808/1821 - abertura dos portos às nações amigas;
instalações de bibliotecas e escolas de nível superior; início
da atividade editorial.
1822 - Proclamação da Independência. Daí nasce o desejo
de uma literatura autenticamente brasileira.
1831 - abdicação de D. Pedro I e início do Período de
Regência, que vai até 1840 (maioridade de D. Pedro II);
fundação da Companhia Dramática Nacional; início da
Guerra do Paraguai até 1840)
Ferdinand Victor Eugène Delacroix
Características
 Podem-se apontar, no amplo e diversificado movimento









romântico, algumas tendências básicas:
a exaltação dos sentimentos pessoais, muitas vezes até
autopiedade
exaltação de seu “eu” - subjetivismo
a expressão dos estados da alma, das paixões e emoções, da
fé, dos ideais religiosos
apóiam-se em valores nacionais e populares
desejo de liberdade, de igualdade e de reformas sociais; e a
valorização da Natureza, que é vista como exemplo de
manifestação do poder de Deus e como refúgio acolhedor para o
homem que foge dos vícios e corrupções da vida em sociedade
em alguns casos, fuga da realidade através da arte (direção
histórica e nacionalista ou direção idílica e saudosista)
 A linguagem sofreu transformações: em lugar da
bem cuidada sintaxe clássica e das composições
de metro fixo, os românticos preferiram uma

linguagem mais coloquial, comunicativa e
simples, criando ritmos novos e variando as
formas métricas. Essa liberdade de expressão é
uma das características típicas do Romantismo e
constitui um aspecto importante para a evolução
da literatura ocidental. O espírito de renovação
lingüística é uma contribuição importante do
Romantismo e foi retomado, no século XX, pelos
modernistas.
Na poesia, distinguem-se três fases, as
chamadas Gerações Românticas:
Gerações
1ª Geração

2ª Geração

3ª Geração

Nomes

Principais poetas

Principais temas

Nacionalista ou
Indianista

Gonçalves de
Magalhães, Gonçalves
Dias e Araújo PortoAlegre

Exaltação da natureza,
excesso de
sentimentalismo, amor
indianista, ufanismo
(exaltação da pátria)

Ultra-Romântica ou Mal
do Século

Álvares de Azevedo,
Casimiro de Abreu,
Junqueira Freire e
Fagundes Varela

Egocentrismo,
sentimentalismo
exagerado, morte,
tristeza, solidão, tédio,
melancolia,
subjetivismo,
idealização da mulher.

Condoreira ou Social

Castro Alves,
Sousândrade, Tobias
Barreto

Sentimentos liberais e
abolicionistas
 Indianismo - uma das formas mais significativas do

nacionalismo romântico. O índio é um ser idealizado
(nobre, valoroso, fiel), apesar disso demonstra a
valorização das origens da nacionalidade.
 Ultra Romântico ou Mal do Século - voltando-se
inteiramente para dentro de si mesmos, esses
poetas expressaram em seus versos pessimistas um
profundo desencanto pela vida. Muitos marcados
pela tuberculose, mal que deu nome à fase
 Condoreirismo - poesia social e libertária que reflete
as lutas internas da Segunda metade do reinado de
D. Pedro II.
Autores
 Gonçalves de Magalhães
 Domingos José Gonçalves de Magalhães nasceu no Rio de

Janeiro, em 1811. Viveu na Europa, onde teve contato com
a poesia romântica. A obra Suspiros Poéticos e Saudades foi
considerada a obra inaugural do Romantismo no Brasil. O
autor procurou criar e consolidar uma literatura nacional
para o país. Morreu em Roma, em 1882. Seu poema de
destaque foi Noite tempestuosa do livro Urânias.

 Obras: Suspiros Poéticos e Saudades (1836); Urânias (1862);

Cânticos Fúnebres (1864) e outros
Gonçalves Magalhães
Gonçalves Dias
 Primeiro grande poeta do Romantismo
brasileiro. A temática indianista que caracteriza
sua obra apresenta forte colorido e ritmo. Seu

grande poema indianista Os Timbiras ficou
incompleto, pois durante o naufrágio em que o
poeta morreu perderam-se também os textos.
Além da vertente indianista, também se destaca
a lírica amorosa, mas não apresenta
passionalidade. Aqui a mulher é sempre um anjo,
idealizada, numa ótica platônica.


 Obras Principais:
 "I Juca Pirama", "Canção do Tamoio", “Os Timbiras” -









sentimento de honra e valentia do índio
"Leito de folhas verdes", "Se se morre de amor", "Como? És
tu?", "Ainda uma vez - adeus!", "Seus olhos" - sentimento
amoroso
"Canção do Exílio" - solidão, exílio, amor à pátria, retomada
por muitos modernistas
"O mar", "A noite", "A tarde" - poesias impregnadas de
religiosidade sobre a majestade da natureza
Livros - Primeiros Cantos (1846), Segundos Cantos
(1848), Sextilhas de Frei Antão (1848), Últimos Cantos
(1851), Os Timbiras, Cantos (1857).
Gonçalves Dias
Álvares de Azevedo
 Poeta que melhor representou a estética ultra-romântica.

Tendência aos aspectos mórbidos e depressivos da
existência, degeneração dos sentimentos, decadentismo e
até satanismo. A escolha vocabular reflete essa tendência:
"pálpebra demente", "matéria impura", "fúnebre
clarão",
"boca
maldita",
entre
outros.
Esta
linguagem, acrescida de termos científicos, voltará no
Simbolismo com Augusto dos Anjos.

 Morreu tuberculoso aos 20 anos de idade, não sendo

reunida em livro sua obra.


Obras
 "Liras dos vinte anos" - livro-síntese dessa
geração pois revela a força lírica e a v ironia
romântico-macabra
 "Macário" - composição livre, meio diálogo, meio
narração
 "O Conde Lopo"
 "Poema do Frade"
 "Pedro Ivo" (poemetos)
 "Noite na Taverna" - prosa narrativa fala da
boemia estudantil da época, que era uma forma
de protesto e fuga
Álvares de Azevedo
Junqueira Freire
 Luís Junqueira Freire nasceu em 1832, em

Salvador. Formou-se professor aos 20 anos.
Morreu em 1855, logo após a publicação das
Inspirações do Claustro. Seu poema em
destaque foi Meu filho no claustro.
 Obras Principais:
 Inspirações do claustro (1855)
 Contradições poéticas (data incerta)
Junqueira Freire
Casimiro de Abreu
 Poeta que representa a sensibilidade brasileira
espontânea. Levou vida boemia e morreu de
tuberculose Sua poesia não foi muito
inovadora, sendo considerado mais ingênuo dos
românticos. Conhecido como "poeta da
infância", fala muito da inocência perdida
Trabalha também temas do chamado
“romantismo descabelado”: exílio e lirismo
amoroso.

 Obras Principais:
 Camões e o Jau (teatro)

 Carolina (romance)
 Camila (memórias)
 A Virgem Loura (prosa)

 Primaveras (poesia)
Casimiro de Abreu
Castro Alves


Porta-voz das ânsias coletivas tem na poesia abolicionista sua melhor
realização na linha social ("Navio Negreiro" e "Vozes d'África). Em suas
obras, atribui ao poeta a missão de denunciar as injustiças sociais e de
clamar pela liberdade ("Adeus, meu canto").
 Esse tipo de poesia se realiza num estilo vibrante, em que predominam
as
comparações, metáforas, antíteses, hipérboles, apóstrofes, empregadas
quase sempre em função de elementos grandiosos da natureza, que
sugerem
imensidão,
força,
majestade,
como:
montanhas, cordilheiras, oceanos, tempestades, furacões, astros, cacho
eiras, configurando assim o estilo chamado Condoreirismo.
 Sua poesia amorosa é bem mais sensual do que se fazia na época.
Nela, a mulher, diante das vagas idealizações ultra-românticas, aparece
em toda sua beleza física e envolvida por um clima de erotismo e paixão.
 Como a maioria dos poetas românticos morre cedo, aos 24 anos de
idade.
 Obras Principais:
 "Espumas Flutuantes" (1870)

 "A Cachoeira de Paulo Afonso" (1876)
 "Os escravos" (1883)
 além das poesias escreveu para o teatro

“Gonzaga ou a Revolução de Minas” (1876)
Castro Alves
Bibliografia
 Romantismo - Poesia (séc. XIX, no BR). Retirado em:

http://www.graudez.com.br/literatura/romantismopoesia.
html Acesso em: 24/02/2011.
 Romantismo: Retirado em:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Romantismo Acesso em:
24/02/2011.
 Romantismo no Brasil. Retirado em:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Romantismo_no_Brasil Acesso em:
24/02/2011.



Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
Fernando Moreira
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
Marcimária Xavier
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
Realismo
RealismoRealismo
Literatura Portuguesa
Literatura PortuguesaLiteratura Portuguesa
Literatura Portuguesa
Paula Fialho Silva
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
Blog Estudo
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
CrisBiagio
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
Jéssica Maria Bartnikowsky
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
Amanda Rodrigues
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Agatha Abreu
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
Luciene Gomes
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
Junior Onildo
 
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioO Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
Ceber Alves
 
Barroco
BarrocoBarroco
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
Jonatas Carlos
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
Cláudia Heloísa
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Luciene Gomes
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
martinsramon
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Andriane Cursino
 

Mais procurados (20)

Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Literatura Portuguesa
Literatura PortuguesaLiteratura Portuguesa
Literatura Portuguesa
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioO Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 

Destaque

Classificação Qualis periódicos Letras e Linguística 2014
Classificação Qualis periódicos Letras e Linguística 2014Classificação Qualis periódicos Letras e Linguística 2014
Classificação Qualis periódicos Letras e Linguística 2014
Pibid Letras Português Ufal
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
kattunge
 
Classificação Qualis periódicos Letras e Linguística 2014
Classificação Qualis periódicos Letras e Linguística 2014Classificação Qualis periódicos Letras e Linguística 2014
Classificação Qualis periódicos Letras e Linguística 2014
Pibid Letras Português Ufal
 
Fordismo e Pós-Fordismo
Fordismo e Pós-FordismoFordismo e Pós-Fordismo
Fordismo e Pós-Fordismo
Maurício Modesto
 
Os Maias - educação de Pedro da Maia
Os Maias - educação de Pedro da MaiaOs Maias - educação de Pedro da Maia
Os Maias - educação de Pedro da Maia
António Fernandes
 
JCR: o que é e como consultar?
JCR: o que é e como consultar?JCR: o que é e como consultar?
JCR: o que é e como consultar?
Universidade de São Paulo
 
Romantismo poesia power point
Romantismo poesia power pointRomantismo poesia power point
Romantismo poesia power point
sfotoinpoc
 
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
I   Juca Pirama - Gonçalves DiasI   Juca Pirama - Gonçalves Dias
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias
Análise de i juca-pirama, de gonçalves diasAnálise de i juca-pirama, de gonçalves dias
Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias
ma.no.el.ne.ves
 
Comuna de paris (1871)
Comuna de paris (1871)Comuna de paris (1871)
Comuna de paris (1871)
André Janzon
 
Historiografia positivista
Historiografia positivistaHistoriografia positivista
Historiografia positivista
Mibelly Rocha
 
Amor
AmorAmor
Amor
berenvaz
 
Lírica Trovadoresca
Lírica TrovadorescaLírica Trovadoresca
Lírica Trovadoresca
Paula Oliveira Cruz
 
Lista de Periódicos por Fator de Impacto (JCR) e Qualis (CAPES)
Lista de Periódicos por Fator de Impacto (JCR) e Qualis (CAPES)Lista de Periódicos por Fator de Impacto (JCR) e Qualis (CAPES)
Lista de Periódicos por Fator de Impacto (JCR) e Qualis (CAPES)
Universidade de São Paulo
 
Os Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e IIOs Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e II
sin3stesia
 
Os Maias Apresentação
Os Maias   Apresentação Os Maias   Apresentação
Os Maias Apresentação
joanana
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
Lurdes Augusto
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Lurdes Augusto
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemas
Paula CAA
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias

Destaque (20)

Classificação Qualis periódicos Letras e Linguística 2014
Classificação Qualis periódicos Letras e Linguística 2014Classificação Qualis periódicos Letras e Linguística 2014
Classificação Qualis periódicos Letras e Linguística 2014
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Classificação Qualis periódicos Letras e Linguística 2014
Classificação Qualis periódicos Letras e Linguística 2014Classificação Qualis periódicos Letras e Linguística 2014
Classificação Qualis periódicos Letras e Linguística 2014
 
Fordismo e Pós-Fordismo
Fordismo e Pós-FordismoFordismo e Pós-Fordismo
Fordismo e Pós-Fordismo
 
Os Maias - educação de Pedro da Maia
Os Maias - educação de Pedro da MaiaOs Maias - educação de Pedro da Maia
Os Maias - educação de Pedro da Maia
 
JCR: o que é e como consultar?
JCR: o que é e como consultar?JCR: o que é e como consultar?
JCR: o que é e como consultar?
 
Romantismo poesia power point
Romantismo poesia power pointRomantismo poesia power point
Romantismo poesia power point
 
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
I   Juca Pirama - Gonçalves DiasI   Juca Pirama - Gonçalves Dias
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
 
Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias
Análise de i juca-pirama, de gonçalves diasAnálise de i juca-pirama, de gonçalves dias
Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias
 
Comuna de paris (1871)
Comuna de paris (1871)Comuna de paris (1871)
Comuna de paris (1871)
 
Historiografia positivista
Historiografia positivistaHistoriografia positivista
Historiografia positivista
 
Amor
AmorAmor
Amor
 
Lírica Trovadoresca
Lírica TrovadorescaLírica Trovadoresca
Lírica Trovadoresca
 
Lista de Periódicos por Fator de Impacto (JCR) e Qualis (CAPES)
Lista de Periódicos por Fator de Impacto (JCR) e Qualis (CAPES)Lista de Periódicos por Fator de Impacto (JCR) e Qualis (CAPES)
Lista de Periódicos por Fator de Impacto (JCR) e Qualis (CAPES)
 
Os Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e IIOs Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e II
 
Os Maias Apresentação
Os Maias   Apresentação Os Maias   Apresentação
Os Maias Apresentação
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemas
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 

Semelhante a Concepção do amor romântico.

Romantismo 1
Romantismo 1Romantismo 1
Romantismo 1
nixsonmachado
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Daniel Leitão
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Amanda Resende
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
Davison Assis
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
martinsramon
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Salete Costa
 
webnode
webnodewebnode
webnode
pauloyjosiele
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
miovi
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
GreenDragon123
 
O guarani - José de Alencar
O guarani - José de AlencarO guarani - José de Alencar
O guarani - José de Alencar
jasonrplima
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
Movimento romântico literário
Movimento romântico literárioMovimento romântico literário
Movimento romântico literário
ArthurVincius33
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
Ana Sales
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Arieli Bis Sobbis
 
Romanticismo base.ppt
Romanticismo base.pptRomanticismo base.ppt
Romanticismo base.ppt
AldenoraMarciaChaves
 
Romantismo no brasil 1
Romantismo no brasil 1Romantismo no brasil 1
Romantismo no brasil 1
Cleia Moura
 
ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL/ POESIA E PROSA
ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL/ POESIA E PROSAROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL/ POESIA E PROSA
ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL/ POESIA E PROSA
RegileneCutrim1
 
Romantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagensRomantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagens
kacau
 
Literatura informativa
Literatura informativaLiteratura informativa
Literatura informativa
Solrac Solrac
 
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europaRomantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Igor Moura
 

Semelhante a Concepção do amor romântico. (20)

Romantismo 1
Romantismo 1Romantismo 1
Romantismo 1
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
webnode
webnodewebnode
webnode
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O guarani - José de Alencar
O guarani - José de AlencarO guarani - José de Alencar
O guarani - José de Alencar
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Movimento romântico literário
Movimento romântico literárioMovimento romântico literário
Movimento romântico literário
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romanticismo base.ppt
Romanticismo base.pptRomanticismo base.ppt
Romanticismo base.ppt
 
Romantismo no brasil 1
Romantismo no brasil 1Romantismo no brasil 1
Romantismo no brasil 1
 
ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL/ POESIA E PROSA
ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL/ POESIA E PROSAROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL/ POESIA E PROSA
ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL/ POESIA E PROSA
 
Romantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagensRomantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagens
 
Literatura informativa
Literatura informativaLiteratura informativa
Literatura informativa
 
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europaRomantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
 

Mais de Fábio Oliveira

Rumos e caminhos
Rumos e caminhosRumos e caminhos
Rumos e caminhos
Fábio Oliveira
 
Maui
MauiMaui
Oficna de escrita criativa
Oficna de escrita criativaOficna de escrita criativa
Oficna de escrita criativa
Fábio Oliveira
 
A semântica das cores na literatura fantástica
A semântica das cores na literatura fantásticaA semântica das cores na literatura fantástica
A semântica das cores na literatura fantástica
Fábio Oliveira
 
Concretismo
ConcretismoConcretismo
Concretismo
Fábio Oliveira
 
Eu e Bebu na hora neutra da Madrugada.
Eu e Bebu na hora neutra da Madrugada.Eu e Bebu na hora neutra da Madrugada.
Eu e Bebu na hora neutra da Madrugada.
Fábio Oliveira
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
Fábio Oliveira
 
O jovem, a natureza, a ética
O jovem, a natureza, a éticaO jovem, a natureza, a ética
O jovem, a natureza, a ética
Fábio Oliveira
 
O trabalho docente. Maurice Tardif e Claude Lessard.
O trabalho docente. Maurice Tardif e Claude Lessard.O trabalho docente. Maurice Tardif e Claude Lessard.
O trabalho docente. Maurice Tardif e Claude Lessard.
Fábio Oliveira
 
Os doze trabalhos de hércules
Os doze trabalhos de hérculesOs doze trabalhos de hércules
Os doze trabalhos de hércules
Fábio Oliveira
 
Franz kafka
Franz kafkaFranz kafka
Franz kafka
Fábio Oliveira
 

Mais de Fábio Oliveira (11)

Rumos e caminhos
Rumos e caminhosRumos e caminhos
Rumos e caminhos
 
Maui
MauiMaui
Maui
 
Oficna de escrita criativa
Oficna de escrita criativaOficna de escrita criativa
Oficna de escrita criativa
 
A semântica das cores na literatura fantástica
A semântica das cores na literatura fantásticaA semântica das cores na literatura fantástica
A semântica das cores na literatura fantástica
 
Concretismo
ConcretismoConcretismo
Concretismo
 
Eu e Bebu na hora neutra da Madrugada.
Eu e Bebu na hora neutra da Madrugada.Eu e Bebu na hora neutra da Madrugada.
Eu e Bebu na hora neutra da Madrugada.
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
O jovem, a natureza, a ética
O jovem, a natureza, a éticaO jovem, a natureza, a ética
O jovem, a natureza, a ética
 
O trabalho docente. Maurice Tardif e Claude Lessard.
O trabalho docente. Maurice Tardif e Claude Lessard.O trabalho docente. Maurice Tardif e Claude Lessard.
O trabalho docente. Maurice Tardif e Claude Lessard.
 
Os doze trabalhos de hércules
Os doze trabalhos de hérculesOs doze trabalhos de hércules
Os doze trabalhos de hércules
 
Franz kafka
Franz kafkaFranz kafka
Franz kafka
 

Concepção do amor romântico.

  • 1. Estudos sobre o Romantismo: século XVIII INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS ROMÂNTICOS
  • 2. Romantismo movimento artístico, político e filosófico surgi do nas últimas décadas do século XVIII na Europa que perdurou por grande parte do século XIX. Caracterizou-se como uma visão de mundo contrária ao racionalismo que marcou o período neoclássico e buscou um nacionalismo que viria a consolidar os estados nacionais na Europa.
  • 3.  Inicialmente apenas uma atitude, um estado de espírito, o Romantismo toma mais tarde a forma de um movimento e o espírito romântico passa a designar toda uma visão de mundo centrada no indivíduo. Os autores românticos voltaram-se cada vez mais para si mesmos, retratando o drama humano, amores trágicos, ideais utópicos e desejos de escapismo.
  • 4. O termo romântico refere-se, assim, ao movimento estético ou, em um sentido mais lato, à tendência idealista ou poética de alguém que carece de sentido objetivo.
  • 5. Origem  O Romantismo surgiu na Europa em uma época em que o ambiente intelectual era de grande rebeldia. Na política, caíam os sistemas de governo despóticos e surgia o liberalismo político (não confundir com o liberalismo econômico do Século XX). No campo social imperava o inconformismo. No campo artístico, o repúdio às regras. A Revolução Francesa é o clímax desse século de oposição.
  • 6.  O Romantismo viria a se manifestar de formas bastante variadas nas diferentes artes e marcaria, sobretudo, a literatura e a música (embora ele só venha a se manifestar realmente aqui mais tarde do que em outras artes). À medida que a escola foi sendo explorada, foram surgindo críticos à sua demasiada idealização da realidade. Destes críticos surgiu o movimento que daria forma ao Realismo. 
  • 7. “Metamos o martelo nas teorias, nas poéticas e nos sistemas. Abaixo este velho reboco que mascara a fachada da arte!” Victor Hugo
  • 8.  Na Europa, a partir da metade do século XVIII, surgem autores que, libertando-se parcialmente dos limites traçados pela poética neoclássica, apresentam novas concepções literárias. Em suas obras, eles expressam sentimentos inspirados nas tradições nacionais, falam de amor e saudade num tom pessoal, realizando uma poesia mais comunicativa e espontânea do que a neoclássica.
  • 9.  Era o nascimento do Romantismo que foi desenvolvendo-se e enriquecendo-se à medida que se expandia. Assim, acabou adquirindo características tão variadas que se torna impossível descrevê-lo em todas as suas dimensões.
  • 10. Os sofrimentos do jovem Werther (Johann Wolfgang von Goethe)
  • 11.  No Brasil, percebe-se o desejo de criação de uma literatura nacional. Assim representou a primeira tentativa consciente de se produzir literatura verdadeiramente brasileira. Abandonou aos poucos o tom lusitano, a fim de dar lugar a um estilo mais próximo da fala brasileira.
  • 12. A prosa Romântica Brasileira  A prosa romântica inicia-se com a publicação do primeiro romance brasileiro "O filho do Pescador", de Antônio Gonçalves Teixeira e Sousa em 1843. O primeiro romance brasileiro em folhetim foi "A Moreninha", de Joaquim Manuel de Macedo, publicado em 1844. O romance brasileiro caracteriza-se por ser uma "adaptação" do romance europeu, conservando a estrutura folhetinesca européia, com início, meio e fim seguindo a ordem cronológica dos fatos. 
  • 13.  O Romance brasileiro poderia ser dividido em duas fases: Antes de José de Alencar e PósJosé de Alencar, pois antes desse importante autor as narrativas eram basicamente urbanas, ambientadas no Rio de Janeiro, e apresentavam uma visão muito superficial dos hábitos e comportamentos da sociedade burguesa.
  • 14.  E com José de Alencar surgiram novos estilos de prosa romântica como os romances regionalistas, históricos e indianistas e o romance passou a ser mais crítico e realista. Os romances brasileiros fizeram muito sucesso em sua época já que uniam o útil ao agradável: A estrutura típica do romance europeu, ambientada nos cenários facilmente identificáveis pelo leitor brasileiro(cafés, teatros, ruas de cidades como o Rio de Janeiro).
  • 15.  O sucesso também se deve ao fato de que os romances eram feitos para a classe burguesa, ressaltando o luxo e a pompa da vida social burguesa e ocultando a hipocrisia dos costumes burgueses. Por isso pode-se dizer que, no geral, o romance brasileiro era urbano, superficial, folhetinesco e burguês.
  • 17.  José de Alencar é considerado o patriarca da literatura brasileira. Inaugurou novos estilos românticos e consolidou o romantismo no Brasil desenhando o retrato cultural brasileiro de forma completa e abrangente. E devido a essa visão ampla do cenário brasileiro, sua obra iniciaria um período de transição entre Romantismo e Realismo. Suas narrativas apresentam um desenvolvimento dos conflitos femininos da mulher burguesa do século XIX, já que seus romances a tinha como público alvo. Sua obra pode ser fragmentada em três categorias: 
  • 18.  Romances Urbanos  Romances ambientados no Rio de Janeiro, protagonizados por personagens femininos, mostravam o luxo e a pompa das atividades sociais burguesas, no entanto apresentavam uma critica sutil aos hábitos hipócritas da burguesia e seu caráter capitalista. São exemplos de romances urbanos de José de Alencar:  Senhora - Faz crítica ao casamento por interesse, à hipocrisia, à cobiça e à soberba burguesa.  Lucíola - Critica o fato de a burguesia, que financia a prostituição durante a noite, ter aversão às mesmas durante o dia.  Diva - Ressalta a beleza das jovens e ricas burguesas, o virtuosismo e a pureza e, em contrapartida, critica o casamento por interesse financeiro.
  • 19.  Romances Regionalistas  Narrativas que se sucedem em centros afastados da capital imperial, ou seja, histórias que acontecem em lugares tipicamente brasileiros, mais pitorescos, menos influenciados pela cultura européia. Apesar de José de Alencar narrar seus romances regionalistas com uma incrível fluência e suavidade, as histórias narradas são superficiais devido ao fato de que o autor não viajara para as regiões que descreveu, mas pesquisara a fundo sobre elas. Basicamente, são romances que procuram ser mais fiéis ao projeto de brasilidade e propaganda do Brasil independente, o objetivo é fazer propaganda aos próprios brasileiros, expondo a diversidade do país. São Exemplos de romances regionalistas de José de Alencar:  O Gaúcho  O Sertanejo  O Tronco do Ipê
  • 20.       Romances Históricos e Indianistas Romances que revelam a preocupação de José de Alencar em exibir o índio como herói nacional. Enquanto os autores românticos da Europa retratavam o saudosismo através de menções à época medieval, no Brasil, Alencar procurou buscar na cultura indígena brasileira o passado fiel da história brasileira. Seus romances trazem uma linguagem mais original, com vocábulos do tupi, retratam o índio como símbolo de bravura, de pureza e de amor ao ambiente natural. Pode-se dizer que suas narrativas tendiam ao estilo poético por entrelaçar o caráter básico da prosa com o lirismo do gênero poético. Em resumo, suas obras utilizam o indianismo como forma de revelar um conceito mais original de brasilidade e criar um projeto de língua brasileira. Dentre as obras mais importantes de José de Alencar nesse ramo do romantismo, estão: O Guarani Ubirajara As Minas de Prata Iracema
  • 21.  A Importância da Obra de José de Alencar  Considerado o mais importante escritor do Romantismo brasileiro, é ele quem consegue expressar o perfeito retrato da cultura brasileira, explorando novas vertentes da produção literária, criando e abrindo caminhos para a criação de uma literatura brasileira original, ampla e de boa qualidade. E por isso foi o autor que mais se aproximou do objetivo da escola romântica, mesclando a idealização e o sonho com um realismo sutil, valorizando os elementos naturais da cultura brasileira e o índio como figura-mãe da original cultura brasileira. Suas obras foram capazes de inspirar nos burgueses o gosto pela leitura nacional e também, de inspirar diversos autores a seguir caminhos por ele traçados, concretizando assim seu projeto nacionalista de revelar o Brasil num todo.
  • 22. Referências históricas  Contexto sócio-político da época (início do Romantismo no      Brasil): 1808 - chegada ao Brasil de D. João VI e da família Real 1808/1821 - abertura dos portos às nações amigas; instalações de bibliotecas e escolas de nível superior; início da atividade editorial. 1822 - Proclamação da Independência. Daí nasce o desejo de uma literatura autenticamente brasileira. 1831 - abdicação de D. Pedro I e início do Período de Regência, que vai até 1840 (maioridade de D. Pedro II); fundação da Companhia Dramática Nacional; início da Guerra do Paraguai até 1840)
  • 24. Características  Podem-se apontar, no amplo e diversificado movimento       romântico, algumas tendências básicas: a exaltação dos sentimentos pessoais, muitas vezes até autopiedade exaltação de seu “eu” - subjetivismo a expressão dos estados da alma, das paixões e emoções, da fé, dos ideais religiosos apóiam-se em valores nacionais e populares desejo de liberdade, de igualdade e de reformas sociais; e a valorização da Natureza, que é vista como exemplo de manifestação do poder de Deus e como refúgio acolhedor para o homem que foge dos vícios e corrupções da vida em sociedade em alguns casos, fuga da realidade através da arte (direção histórica e nacionalista ou direção idílica e saudosista)
  • 25.  A linguagem sofreu transformações: em lugar da bem cuidada sintaxe clássica e das composições de metro fixo, os românticos preferiram uma linguagem mais coloquial, comunicativa e simples, criando ritmos novos e variando as formas métricas. Essa liberdade de expressão é uma das características típicas do Romantismo e constitui um aspecto importante para a evolução da literatura ocidental. O espírito de renovação lingüística é uma contribuição importante do Romantismo e foi retomado, no século XX, pelos modernistas.
  • 26. Na poesia, distinguem-se três fases, as chamadas Gerações Românticas: Gerações 1ª Geração 2ª Geração 3ª Geração Nomes Principais poetas Principais temas Nacionalista ou Indianista Gonçalves de Magalhães, Gonçalves Dias e Araújo PortoAlegre Exaltação da natureza, excesso de sentimentalismo, amor indianista, ufanismo (exaltação da pátria) Ultra-Romântica ou Mal do Século Álvares de Azevedo, Casimiro de Abreu, Junqueira Freire e Fagundes Varela Egocentrismo, sentimentalismo exagerado, morte, tristeza, solidão, tédio, melancolia, subjetivismo, idealização da mulher. Condoreira ou Social Castro Alves, Sousândrade, Tobias Barreto Sentimentos liberais e abolicionistas
  • 27.  Indianismo - uma das formas mais significativas do nacionalismo romântico. O índio é um ser idealizado (nobre, valoroso, fiel), apesar disso demonstra a valorização das origens da nacionalidade.  Ultra Romântico ou Mal do Século - voltando-se inteiramente para dentro de si mesmos, esses poetas expressaram em seus versos pessimistas um profundo desencanto pela vida. Muitos marcados pela tuberculose, mal que deu nome à fase  Condoreirismo - poesia social e libertária que reflete as lutas internas da Segunda metade do reinado de D. Pedro II.
  • 28. Autores  Gonçalves de Magalhães  Domingos José Gonçalves de Magalhães nasceu no Rio de Janeiro, em 1811. Viveu na Europa, onde teve contato com a poesia romântica. A obra Suspiros Poéticos e Saudades foi considerada a obra inaugural do Romantismo no Brasil. O autor procurou criar e consolidar uma literatura nacional para o país. Morreu em Roma, em 1882. Seu poema de destaque foi Noite tempestuosa do livro Urânias.  Obras: Suspiros Poéticos e Saudades (1836); Urânias (1862); Cânticos Fúnebres (1864) e outros
  • 30. Gonçalves Dias  Primeiro grande poeta do Romantismo brasileiro. A temática indianista que caracteriza sua obra apresenta forte colorido e ritmo. Seu grande poema indianista Os Timbiras ficou incompleto, pois durante o naufrágio em que o poeta morreu perderam-se também os textos. Além da vertente indianista, também se destaca a lírica amorosa, mas não apresenta passionalidade. Aqui a mulher é sempre um anjo, idealizada, numa ótica platônica. 
  • 31.  Obras Principais:  "I Juca Pirama", "Canção do Tamoio", “Os Timbiras” -      sentimento de honra e valentia do índio "Leito de folhas verdes", "Se se morre de amor", "Como? És tu?", "Ainda uma vez - adeus!", "Seus olhos" - sentimento amoroso "Canção do Exílio" - solidão, exílio, amor à pátria, retomada por muitos modernistas "O mar", "A noite", "A tarde" - poesias impregnadas de religiosidade sobre a majestade da natureza Livros - Primeiros Cantos (1846), Segundos Cantos (1848), Sextilhas de Frei Antão (1848), Últimos Cantos (1851), Os Timbiras, Cantos (1857).
  • 33. Álvares de Azevedo  Poeta que melhor representou a estética ultra-romântica. Tendência aos aspectos mórbidos e depressivos da existência, degeneração dos sentimentos, decadentismo e até satanismo. A escolha vocabular reflete essa tendência: "pálpebra demente", "matéria impura", "fúnebre clarão", "boca maldita", entre outros. Esta linguagem, acrescida de termos científicos, voltará no Simbolismo com Augusto dos Anjos.  Morreu tuberculoso aos 20 anos de idade, não sendo reunida em livro sua obra. 
  • 34. Obras  "Liras dos vinte anos" - livro-síntese dessa geração pois revela a força lírica e a v ironia romântico-macabra  "Macário" - composição livre, meio diálogo, meio narração  "O Conde Lopo"  "Poema do Frade"  "Pedro Ivo" (poemetos)  "Noite na Taverna" - prosa narrativa fala da boemia estudantil da época, que era uma forma de protesto e fuga
  • 36. Junqueira Freire  Luís Junqueira Freire nasceu em 1832, em Salvador. Formou-se professor aos 20 anos. Morreu em 1855, logo após a publicação das Inspirações do Claustro. Seu poema em destaque foi Meu filho no claustro.  Obras Principais:  Inspirações do claustro (1855)  Contradições poéticas (data incerta)
  • 38. Casimiro de Abreu  Poeta que representa a sensibilidade brasileira espontânea. Levou vida boemia e morreu de tuberculose Sua poesia não foi muito inovadora, sendo considerado mais ingênuo dos românticos. Conhecido como "poeta da infância", fala muito da inocência perdida Trabalha também temas do chamado “romantismo descabelado”: exílio e lirismo amoroso. 
  • 39.  Obras Principais:  Camões e o Jau (teatro)  Carolina (romance)  Camila (memórias)  A Virgem Loura (prosa)  Primaveras (poesia)
  • 41. Castro Alves  Porta-voz das ânsias coletivas tem na poesia abolicionista sua melhor realização na linha social ("Navio Negreiro" e "Vozes d'África). Em suas obras, atribui ao poeta a missão de denunciar as injustiças sociais e de clamar pela liberdade ("Adeus, meu canto").  Esse tipo de poesia se realiza num estilo vibrante, em que predominam as comparações, metáforas, antíteses, hipérboles, apóstrofes, empregadas quase sempre em função de elementos grandiosos da natureza, que sugerem imensidão, força, majestade, como: montanhas, cordilheiras, oceanos, tempestades, furacões, astros, cacho eiras, configurando assim o estilo chamado Condoreirismo.  Sua poesia amorosa é bem mais sensual do que se fazia na época. Nela, a mulher, diante das vagas idealizações ultra-românticas, aparece em toda sua beleza física e envolvida por um clima de erotismo e paixão.  Como a maioria dos poetas românticos morre cedo, aos 24 anos de idade.
  • 42.  Obras Principais:  "Espumas Flutuantes" (1870)  "A Cachoeira de Paulo Afonso" (1876)  "Os escravos" (1883)  além das poesias escreveu para o teatro “Gonzaga ou a Revolução de Minas” (1876)
  • 44. Bibliografia  Romantismo - Poesia (séc. XIX, no BR). Retirado em: http://www.graudez.com.br/literatura/romantismopoesia. html Acesso em: 24/02/2011.  Romantismo: Retirado em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Romantismo Acesso em: 24/02/2011.  Romantismo no Brasil. Retirado em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Romantismo_no_Brasil Acesso em: 24/02/2011. 