Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira

2.547 visualizações

Publicada em

Fala sobre a primeira geração Romântica abordando abordando sobre poemas e prosas.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira

  1. 1. O ROMANTISMO NO BRASIL: POESIA Capítulo 5 Literatura Colégio Argemiro Antonio de Araujo Posse - GO
  2. 2. PRIMEIRA GERAÇÃO DE POETAS ROMANTICOS Capítulo 5 Literatura Colégio Argemiro Antonio de Araujo Posse - GO
  3. 3.  Os romances no Brasil podem ser classificados como indianistas urbanos ou históricos e regionalistas.  No romance indianista, o índio era o foco, pois era considerado uma autêntica expressão da nacionalidade, e era altamente idealizado.  Os romances urbanos tratam da vida na capital e relatam as particularidades da vida cotidiana da burguesia.  O romance regionalista propunha uma construção de texto que valorizasse as diferenças étnicas, linguísticas, sociais e culturais que afastavam o povo brasileiro da Europa, e caracterizava-os como uma nação.
  4. 4.  A primeira geração (nacionalista– indianista) era voltada para a natureza, o regresso ao passado histórico e ao medievalismo. Cria um herói nacional na figura do índio, de onde surgiu a denominação de geração indianista. O sentimentalismo e a religiosidade são outras características presentes. Entre os principais autores podemos destacar Gonçalves de Magalhães, Gonçalves Dias e Araújo Porto Alegre.
  5. 5.  Fundamentos teóricos  Três fundamentos do estilo romântico: o egocentrismo, o nacionalismo e liberdade de expressão.  O egocentrismo: também chamado de subjetivismo, ou individualismo. Evidencia a tendência romântica à pessoalidade e ao desligamento da sociedade. O artista volta-se para dentro de si mesmo, colocando-se como centro do universo poético, ganhando relevância nos poemas.  O nacionalismo: corresponde à valorização das particularidades locais. Opondo-se ao registro de ambiente árcade, que se pautava pela mesmice, vendo pastoralismo em todos os lugares, o Romantismo propõe um destaque da chamada "cor local".
  6. 6.  A liberdade de expressão: "Pretendendo explorar as dimensões variadas de seu próprio "eu", o artista se recusa a adaptar a expressão de suas emoções a um conjunto de regras pré-estabelecido.  O sentimentalismo ganha destaque especial.A emoção supera a razão na determinação das ações .O amor, o ódio, a amizade o respeito e a honra são valores sempre presentes.  Na sua luta contra a racionalidade, o artista romântico valoriza todo e qualquer estado onírico.  O mundo não corresponde aos anseios românticos, o artista parte para a idealização criando um universo independente, particular, original , depositando suas aspirações de liberdade e à perfeição física.
  7. 7.  Temos sempre a figura do herói associada ao Bem, de outro é quase obrigatória nos romances a presença de um vilão, que encarna o Mal. Essa concepção moral recebe o nome de maniqueísmo.  Normalmente, associamos o Romantismo a imagens de inocência e lirismo, mas ele tem sua face escura, tétrica e trágica. O pessimismo romântico aparece nas referências à morte e no arrebatamento passional.  A Natureza, ganhará contornos particulares no Romantismo.  O romântico, ao desenvolver um mundo particular, pode transformá-lo em seu espaço de fuga: é o escapismo.
  8. 8.  Sentimentalismo - Os sentimentos dos personagens entram em foco no amor, a cólera, a paixão etc. O sentimentalismo geralmente implica na exploração da temática amorosa e nos dramas de amor.  Nacionalismo, ufanismo - Os autores brasileiros procuravam expressar uma opinião, um gosto, uma cultura e um jeito autênticos, livres de traços europeus.  Maior liberdade formal - Entrava em evidência a expressão em detrimento da estrutura formal (versificação, rima etc).
  9. 9.  Vocabulário mais brasileiro - Os artistas buscavam utilizando-se de vocábulos indígenas e regionalismos brasileiros.  Religiosidade - A produção literária romântica, utiliza-se não só da fé católica como um meio de mostrar recato e austeridade, mas utiliza-se também da espiritualidade, expressando uma presença divina no ambiente natural.  Mal do Século - Essa geração, também conhecida como Byroniana e Ultrarromantismo, sua característica de abordar temas obscuros como a morte, amores impossíveis e a escuridão.  Evasão - O artista romântico (do ultrarromantismo) interpretava o mundo como cruel e frequentemente buscava a fuga da sociedade que não o aceitava.  Indianismo - O autor romântico utilizava-se da figura do índio como inspiração para seu trabalho, depositando em sua imagem a confiança num símbolo de patriotismo e brasilidade, adotando o indígena como a figura do herói nacional (bom selvagem).  A idealização da realidade - A análise dos fatos, das aparências, dos costumes etc. Era muito superficial e pessoal, por isso era idealizada, imaginada, assim o sonho e o desejo invadiam o mundo real.
  10. 10.  Escapismo - Os artistas românticos procuravam fugir da opressão capitalista gerada pela revolução industrial.Apesar de criticarem a burguesia, procuravam escapar da realidade através da idealização. As formas de escape seriam a seguinte: Fuga no tempo, Fuga no sonho e na imaginação, Fuga na loucura, Fuga no espaço e Fuga na morte.  O culto à natureza - Com a busca de um passado indígena e de uma cultura naturalmente brasileira surge o culto ao natural, observar o ambiente natural como algo divino e puro.  A idealização da Mulher (figura feminina)- a mulher era a fonte de toda a inspiração. Era intocável, vista como um anjo em que jamais poderiam desfrutar de suas características puras e angelicais.
  11. 11.  No Brasil, a poesia romântica é marcada, num primeiro momento, pelo teor patriótico, de afirmação nacional, de compreensão do que era ser brasileiro, ou pela expressão do eu, isto tudo seguido de uma revolução na linguagem poética, que passou a buscar uma proximidade com o cotidiano das pessoas, com a linguagem do dia-a-dia. No poema "Invocação do Anjo da Poesia", Gonçalves de Magalhães diz que vai abandonar as convenções clássicas em favor do sentimento pessoal e do sentimento patriótico.  A poesia romântica surge em meio aos fervores independentistas da primeira metade do século XIX, tendo como marco inicial a obra de Gonçalves de Magalhães, "Suspiros Poéticos e Saudades". Apesar de servir como marco de início do romantismo no Brasil, a obra "Suspiros Poéticos e Saudades" não apresenta grande notoriedade ou importância no cenário artístico poético do romantismo brasileiro assim como as outras obras de Gonçalves de Magalhães
  12. 12. OBRAS  Poesia lírica: “Suspiros Poéticos e Saudades" (1836)  Poesia épica: “Confederação dos Tamoios" (1856) ”Os Mistérios” (1858) “Cânticos Fúnebres (1864)  Novela: Amância (1844);  Teatro(em verso): AntônioJosé ou O Poeta e a Inquisição (1838). GONÇALVES DE MAGALHÃES (Rio de Janeiro – RJ 1811 , Roma- Itália,1882)
  13. 13. OBRAS  Poesia: "PrimeirosCantos" (1846) "Segundos Cantos e Sextilhas de frei Antão"(1848) "Últimos Cantos" (1851); "OsTimbiras" (1857) “I-Juca-Piram”a (1851)  Teatro: "BeatrizCenci" (1843) "Leonor de Mendonça" (1847) "Boabdil" (1850).  Outros Gêneros: "Memórias de Agapito Goiaba (1841) "Dicionário da língua tupi" (1858). GONÇALVES DIAS (Caxias-MA,1823 - São Luís-MA, 1864)
  14. 14. BASÍLIO DA GAMA SANTA RITA DURÃO
  15. 15. OBRAS  “ A destruição das florestas” (1846)  “Brasilianas” (1863)  “Colombo” (1866). Manuel José de Araújo Porto Alegre (1806-1879)
  16. 16. OBRAS  ”O Moço Loiro” (1845)  “A Luneta Mágica” (1869)  “AsVítimas-Algozes” (1869)  “A Moreninha” publicada em 1844 Joaquim Manuel de Macedo (1820-1882)
  17. 17. OBRAS  “Memórias de um sargento de Milícias” (1852). Publicada durante um ano (1852- 1853) nos folhetins do jornal Correio Mercantil, no qual era redator. Manuel Antônio de Almeida (1831-1861)
  18. 18. OBRAS  Cinco Minutos (1856), O guarani (1857)  A viuvinha (1857)  Iracema (1865)  Ubirajara (1874)  O sertanejo (1875). José Martiniano de Alencar (1829-1877)

×