SlideShare uma empresa Scribd logo
DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS,
CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES
Prof. Dr. Antônio Cesar Silva Lima
Mestrando: Hipolito Murga Orrillo
Orientador: Dr. Wellington F. Araújo
Co-orientador: Dr. Valdinar Ferreira Melo
INTRODUÇÃO
Um solo de qualidade dentro de um ecossistema, sustenta:
o A produtividade biológica;
o Qualidade do meio ambiente;
o Promove a saúde das plantas e dos animais.
2
Ao longo da evolução humana, aconteceu apropriação e
transformação da natureza: Satisfazer suas necessidades;
Em fusão a intensidade das atividades, produze-se perda ou
redução de suas propriedades. (CARVALHO e NETO, 2011)
Pressão antrópica
intensiva
Ação do homem
3
Cerri e Amaral (1998)
DEGRADAÇÃO
DO SOLO
Fatores
exógenos
Fatores
endógenos
Textura e
estrutura
Ações
antrópicas
EconômicoSocialBióticoMeio físico
IMPACTOS
Condições
climáticas
INTERAÇÃO
4
o Perda da fertilidade natural do solo;
o Contaminação de aqüíferos;
o Obstrução de cursos de água;
o Perda da capacidade de armazenamento de água;
o Etc. (GUERRA e JORGE, 2012).
Impactos
5
Guerra e Jorge (2012) No Brasil, se inicia com:
Processos de degradação
6
Guerra e Jorge (2012), abrange uma série de processos
complexos:
o Erosão hídrica e eólica (de desertificação);
o Movimentos de massa;
o Contaminação dos solos, (acidificação e salinização).
Processos de degradação
7
o Proporcionar informação sobre os efeitos ao longo do
tempo das ações antrópicas ocasionastes do processo de
degradação do solo, e as atuações repressivas adotadas até
o atualidade por parte do Brasil.
8
OBJETIVO
9
Mahar (1979), forças indutoras décadas 1970-1980:
o Pressões econômicas e demográficas dos fazendeiros;
o Incentivos fiscais;
o Os subsídios: Superintendência para o Desenvolvimento
da Amazônia (SUDAM).
Margulis (2003), depois de 1984:
o Mas em 1987, houve lucro da pastagem (carne bovina);
o Incentivos pelo governo escassos.
Desmatamento: 1970-1987
10
o A recessão econômica;
o Collor de Melo, confisca contas bancárias (03/1990);
o Liberado em pequenas prestações (posteriormente).
Desmatamento: 1987-1991
11FONTE: INPE, 2009
0
5
10
15
20
25
30
78 80 82 84 86 88 90 92 94 96 98 00 02 04 06 08
Desmatamento(103km2ano-1)
ANOS (1978-2008)
Eleições municipais, em 1994 (reformas):
o Aumento de crédito agrícola;
o Recuperação econômica (1995);
o Alto índice da inflação (1996 e 1997).
Desmatamento: 1991-1997
12
0
5
10
15
20
25
30
78 80 82 84 86 88 90 92 94 96 98 00 02 04 06 08
Desmatamento(103km2ano-1)
ANOS (1978-2008)FONTE: INPE, 2009
Kaimowitz et al. (2004), em 2002, mercado internacional:
o Criação de gado (carne);
o Cultivo de soja;
o Implementação de políticas meio ambientais.
0
5
10
15
20
25
30
78 80 82 84 86 88 90 92 94 96 98 00 02 04 06 08
Desmatamento(103km2ano-1)
ANOS (1978-2008)FONTE: INPE, 2009
Desmatamento: 1997-2008
13
Equivale a 584 600 Km2 (7% do território total de Brasil )
Desmatamento acumulado
14
20.4
584.6
0
100
200
300
400
500
600
700
78 80 82 84 86 88 90 92 94 96 98 00 02 04 06 08
103km2
ANOS (1978-2008)FONTE: INPE, 2009
Laurance et al. (2001), Cenários: Otimista 25%; pessimista
42%.
Prognósticos para o ano 2020
15
Nepstad et al. (2004), as aberturas no dossel, com à
ação do sol-vento:
o Resulta microclimas mais secos;
o Depois de várias queimadas, a área fica devastada.
Barbosa e Fearnside (1999), fenômeno El Niño, em
1997-1998, Roraima queimou aprox. 13.928 km2 .
Corte seletivo e queimada da floresta
16
DEGRADAÇÃO DE SOLOS
Biodiversidade
Produtividade Regime hídrico
Impactos: desmatamentos - queimas
17
18
Kichel et al. (1997), processo evolutivo de perda de vigor,
de produtividade, tornando-a incapaz de sustentar os níveis
de produção e qualidade exigidos pelos animais.
Degradação de pastagem
19
A baixa capacidade de suporte no período de estiagem,
contribui para acelerar o processo de degradação (SILVA et
al., 2004).
Degradação de pastagem
20
o Schaefer et al. (2002), ocorre perda de matéria orgânica,
e nutrientes como P, K, e Mg;
o Plantas mais superficiais, diminui as raízes: susceptível
a déficits hídricos e baixa capacidade de absorver
nutrientes.
Degradação de pastagem
21
O pastejo realizado em condições de umidade elevada,
maximiza a degradação física do solo (BETTERIDGE et
al., 1999).
Degradação de pastagem
22
Pastagem- Cabeças de gado
Segundo MAPA (2010):
163 milhões de ha de pastagem:
o 106 milhões de ha cultivadas;
o 57 milhões de ha nativas.
230 milhões de cabeças:
o 160 a 200 milhões de bovinos;
o 14 a 16 milhões de ovinos.
Estimativa de 20 a 40 milhões de ha
degradadas (EMBRAPA, 2011).
23
24
Brasil tem as maiores áreas de terras potencialmente aráveis:
quase 400 milhões de ha (FAO, 2009).
Terras agrícolas no Brasil
25
Ministério do ambiente-MMA
(2012). Até 2020 há uma previsão
de incorporar 15 a 20 milhões de ha
ao processo produtivo.
26
Angelini (2012), Por ocupação urbana e agrícola, no Brasil há
uma estimativa de que 200 milhões de ha estão degradadas;
MMA (2012), 140 milhões de ha de terras brasileiras estão
degradadas, da atividade agrícola e pecuária.
Degradação: Agropecuárias - Urbano
27
o A erosão acelerada é preocupação mundial, por
acarretarem enormes prejuízos de ordem física,
financeira e social;
o É o desprendimento, transporte e deposição das
partículas do solo: agentes a água e o vento;
o Brasil perde 30 milhões de dólares ao ano;
o A erosividade no Brasil: 3.116 - 20.035 mm ha-1h-1ano-1
Degradação: Pela erosão
28
(OLIVEIRA et al., 2010)
A mais comum no Brasil, é a forma mais prejudicial de
degradação, capaz de tornar insustentáveis os sistemas de
produção agrícola. (GUERRA e JORGE, 2012)
Erosão Hídrica
29
Cunha e Guerra ( 2006), condicionado por cinco fatores:
o Chuva;
o Solo;
o Cobertura e manejo;
o Topografia;
o Práticas.
A combinação desses fatores determina a intensidade e as
variações nas taxas de perda de solo.
Fatores da erosão hídrica
30
Laminar e em sulcos
Tipos de erosão hídrica
31
Tipos de erosão hídrica
32
Voçorocas
Movimento coletivo de solo e rocha, pela força da
gravidade (CROZIER, 1986);
Guerra e Jorge ( 2012), Fenômenos naturais, e induzidos
por ações antrópicas.
Tipos de erosão hídrica
33
Deslocamentos de massas
Processo de densificação, devido a que uma pressão
exterior é aplicada sobre o solo (VEIGA et al., 2007);
O tráfego de maquinarias agrícolas e pisoteio de animais
som as fontes geradoras dessas pressões.
COMPACTAÇÃO DO SOLO
34
Capacidade de campo é aumentado, mas a aeração, a
infiltração são reduzidas;
É por estas alterações, se gera a resistência do solo à
penetração das raízes (REICHERT et al., 2009).
Dinâmica da solo-água-planta
35
36
Em resultado dos conflitos de uso da terra, por atividades
que não respeitam a capacidade de uso do solo;
Surge o Sistema de Capacidade de Uso das Terras
(SCUT), por Klingebiel e Montgomery (1961):
o Para o Serviço de Conservação do Solo dos EUA.
Sistema de capacidade de uso das terras
37
No Brasil, foi adaptado e divulgado por Lepsch (1983).
Telles et al. (2011), para isso é importante investigar:
o Tipo de solo;
o Localização;
o Extensão;
o Planejamento e adequação de uso;
o Identificação dos efeitos do mau uso.
SCUT : No Brasil
38
Campos et al. (2010), ferramenta que imprime caráter
seletivo, racionalizador e de orientação ao uso das terras;
Pode garantir ao alto retorno financeiro, além de proteger
os recursos naturais da degradação.
SCUT: No Brasil
39
Controlado pela repressão, através de
licenças, fiscalizações e multas;
EMBRAPA (2011), no 2000 Fundação Estadual do Meio
Ambiente Mato Grosso (FEMA). incluindo a impressão
de imagens de satélite e multas.
Desaceleração do desmatamento
40
Elaboram planos para estender em outros estados
estas medidas.
41
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária
(INCRA), nas décadas 1980 e 1990, exige que os novos
assentamentos sejam alocados em áreas desmatadas
(FEARNSIDE, 2001).
Título e reformas de assentamento
42
o Protocolo de Kyoto, em
1997;
o Mecanismo de
Desenvolvimento Limpo
(CDM) compromisso do
protocolo (2008-2012).
Serviços ambientais
A manutenção da biodiversidade, o estoque de carbono e a
ciclagem da água:
43
Gráfico. Evolução do Financiamento Rural (em R$ bilhões)
Fonte. Plano Agrícola e Pecuário: 2012-2013
Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR)
44
o Agricultura de Baixo Carbono (ABC);
o Programa de Modernização da Agricultura e
Conservação dos Recursos Naturais (MODERAGRO);
o Programa de Desenvolvimento Cooperativo para
Agregação de Valor à Produção Agropecuária
(PRODECOOP)
Plano Agrícola e Pecuário: 2012- 2013
Políticas de produção sustentável
45
Compromisso do Brasil na Conferência da ONU sobre
Mudanças Climáticas, 2009 – Copenhague:
o Governo estimula à implantação e ao desenvolvimento
de sistemas produtivos agrícolas ambientalmente
sustentáveis: Priorizando Programa a recuperação de
áreas e pastagens degradadas.
46
Contempla objetivos para a safra 2012-2013, no valor
de R$ 3,4 bilhões.
o Preservação e recomposição de áreas de preservação
permanente e de reserva legal;
o Implantação de sistemas orgânicos de produção
agropecuária;
o Redução do desmatamento, mediante a ampliação
das atividades agropecuária e agroflorestal em áreas
degradadas ou em processo de recuperação. 47
Ampliação do limite para R$ 150 mil na concessão
de crédito.
48
Conta com R$ 2 bilhões para apoio financeiro:
o Produção;
o Beneficiamento;
o Industrialização e armazenagem (produtos) ;
o Adequação sanitária; e
o Recuperação de solos.
49
o A heterogeneidade das crescentes necessidades e
procuração da satisfação destas mesmas, o homem faz
pressão desatinada sobre o único ativo que tem a
humanidade que é nosso planeta, provocando muitas
vezes alterações irreversíveis;
o As atividades agropecuárias sem planejamento adequado
em um pais como o Brasil, com condições edafo-
climáticas especiais, é suscetível á degradação de solos de
maneira progressiva.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
50
o Os conhecimentos sobre à degradação de solos no Brasil, é
relevante, pois possibilita geração de instrumentos de
planejamento estratégico e gestão adequados ao território;
o A implementação das políticas publicas de recuperação das
áreas degradadas com suporte financeiro são essenciais, no
uso razoável e sustentável dos solos.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
51
o BRASIL. Decreto nº 97.632, de 10 de abril de 1989. Dispõe sobre a regulamentação do artigo 2º, Incisso VII, da
Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Brasília, 1989. Disponível em: <
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1980-1989/D97632.htm>. Acesso em: 16 jun 2012.
o CARVAJAL, G. F. Análise da relação chuva-escorregamento em regiões tropicaismontanhosas urbanas, caso de
estudo Rio de Janeiro, Brasil. Universidade de Brasília. Brasília, p. 136. 2011.
o EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUARIA. Manual de Métodos de Análise de Solo. 2ª. ed.
Rio de Janeiro: [s.n.], 2012.
o FERREIRA, V. M. et al. Influência antrópica e atributos do solo: inter -relações em ambientes de voçorocas na
mesorregião Campos das Vertentes, MG. Geografia, Rio Claro, v. 36, p. 209-219, jan/abr 2011.
o GUERRA, A. J. T.; JORGE, M. D. C. O. Geomorfologia do Cotidiano - A degradação dos solos. Revista
Geonorte, Manaus, v. 4, n. Especial, p. 116-135, junho 2012.
o INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Mapa Político -administrativo do
Brasil. Escala 1:5.000.000. 2004. Disponível
em<ftp://geoftp.ibge.gov.br/mapas_tematicos/mapas_murais/brasil_2004.pdf> . Acesso em 27 ago 2012.
o INSTITUTO BRASILEIRO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS (IBAMA). Vegetação Nativa
do Estado de Minas Gerais. Escala 1:1.000.000. 2007. Disponível em <
http://siscom.ibama.gov.br/index.php?page=inicio>. Acesso em 27 ago 2012.
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS
52
53

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Meio ambiente x agronegocios
Meio ambiente  x agronegociosMeio ambiente  x agronegocios
Meio ambiente x agronegocios
Contabilidaderuraluepg01
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
laiszanatta
 
Solos 4
Solos 4Solos 4
Ações humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientaisAções humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientais
Prof. Francesco Torres
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
Fabíola Mello
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
Elvio Giasson
 
Processo de Desertificação
Processo de DesertificaçãoProcesso de Desertificação
Processo de Desertificação
Francine Lunardi - GRADUAÇÃO
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Agropecuária brasileira
Agropecuária brasileira Agropecuária brasileira
Agropecuária brasileira
Gabriel Francisco
 
Aula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos AmbientaisAula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos Ambientais
Carlos Priante
 
Solos 2
Solos 2Solos 2
Origem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verdeOrigem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verde
igor-oliveira
 
Aula 01: Água x Recursos Hídricos
Aula 01: Água x Recursos HídricosAula 01: Água x Recursos Hídricos
Aula 01: Água x Recursos Hídricos
Lucas Soares
 
Aula origem dos solos
Aula  origem dos solosAula  origem dos solos
Aula origem dos solos
Carolina Corrêa
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
lucasvinicius98
 
Impacto da ação humana no meio ambiente
Impacto da ação humana no meio ambienteImpacto da ação humana no meio ambiente
Impacto da ação humana no meio ambiente
acrlessa
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
dela28
 
Agropecuária geral e do brasil
Agropecuária   geral e do brasilAgropecuária   geral e do brasil
Agropecuária geral e do brasil
Professor
 
Impactos ambientais no brasil
Impactos ambientais no brasilImpactos ambientais no brasil
Impactos ambientais no brasil
metodologia2011
 

Mais procurados (20)

Meio ambiente x agronegocios
Meio ambiente  x agronegociosMeio ambiente  x agronegocios
Meio ambiente x agronegocios
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
 
Solos 4
Solos 4Solos 4
Solos 4
 
Ações humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientaisAções humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientais
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
 
Processo de Desertificação
Processo de DesertificaçãoProcesso de Desertificação
Processo de Desertificação
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do Solo
 
Agropecuária brasileira
Agropecuária brasileira Agropecuária brasileira
Agropecuária brasileira
 
Aula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos AmbientaisAula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos Ambientais
 
Solos 2
Solos 2Solos 2
Solos 2
 
Origem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verdeOrigem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verde
 
Aula 01: Água x Recursos Hídricos
Aula 01: Água x Recursos HídricosAula 01: Água x Recursos Hídricos
Aula 01: Água x Recursos Hídricos
 
Aula origem dos solos
Aula  origem dos solosAula  origem dos solos
Aula origem dos solos
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
 
Impacto da ação humana no meio ambiente
Impacto da ação humana no meio ambienteImpacto da ação humana no meio ambiente
Impacto da ação humana no meio ambiente
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 
Agropecuária geral e do brasil
Agropecuária   geral e do brasilAgropecuária   geral e do brasil
Agropecuária geral e do brasil
 
Impactos ambientais no brasil
Impactos ambientais no brasilImpactos ambientais no brasil
Impactos ambientais no brasil
 

Semelhante a DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES

Questões sobre dilemas ambientais do mundo atual
Questões sobre dilemas ambientais do mundo atualQuestões sobre dilemas ambientais do mundo atual
Questões sobre dilemas ambientais do mundo atual
telmamedeiros2010
 
Poluição
 Poluição Poluição
Poluição
erika_cdias
 
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
ANCP Ribeirão Preto
 
AULA_1.pptx
AULA_1.pptxAULA_1.pptx
Questões desafio
Questões desafioQuestões desafio
Questões desafio
Christie Freitas
 
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
Revista Cafeicultura
 
ACAO DO HOMEM NA FORMACAO VEGETAL.pptx
ACAO DO HOMEM NA FORMACAO VEGETAL.pptxACAO DO HOMEM NA FORMACAO VEGETAL.pptx
ACAO DO HOMEM NA FORMACAO VEGETAL.pptx
OsneiCecchin
 
ACAO DO HOMEM NA FORMACAO VEGETAL.pptx
ACAO DO HOMEM NA FORMACAO VEGETAL.pptxACAO DO HOMEM NA FORMACAO VEGETAL.pptx
ACAO DO HOMEM NA FORMACAO VEGETAL.pptx
OsneiCecchin
 
A Problemática dos Transgenicos_Licao-sintese
A Problemática dos Transgenicos_Licao-sinteseA Problemática dos Transgenicos_Licao-sintese
A Problemática dos Transgenicos_Licao-sintese
João Soares
 
A ciência e o desenvolvimento sustentável
A ciência e o desenvolvimento sustentávelA ciência e o desenvolvimento sustentável
A ciência e o desenvolvimento sustentável
Fernando Alcoforado
 
I simp rec_hidric_norte_centro_oeste20
I simp rec_hidric_norte_centro_oeste20I simp rec_hidric_norte_centro_oeste20
I simp rec_hidric_norte_centro_oeste20
fernandameneguzzo
 
DEMANDA DE ÁGUA ATUAL E FUTURA NAS APLICAÇÒES DE AGROQUIMICOS
DEMANDA DE ÁGUA ATUAL E FUTURA NAS APLICAÇÒES DE AGROQUIMICOSDEMANDA DE ÁGUA ATUAL E FUTURA NAS APLICAÇÒES DE AGROQUIMICOS
DEMANDA DE ÁGUA ATUAL E FUTURA NAS APLICAÇÒES DE AGROQUIMICOS
fernandameneguzzo
 
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ PnumaO Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
Instituto Besc
 
Pegada Ecológica.pptx
Pegada Ecológica.pptxPegada Ecológica.pptx
Pegada Ecológica.pptx
EniGomes3
 
Prof Demétrio Melo - Agropecuária e Impactos Socioambientais
Prof Demétrio Melo - Agropecuária e Impactos SocioambientaisProf Demétrio Melo - Agropecuária e Impactos Socioambientais
Prof Demétrio Melo - Agropecuária e Impactos Socioambientais
Deto - Geografia
 
Plano nacional de agroenergia
Plano nacional de agroenergiaPlano nacional de agroenergia
Plano nacional de agroenergia
Carlos Henrique Sousa
 
Fabio e diogo
Fabio e diogoFabio e diogo
Fabio e diogo
Diogo924
 
Fabio E Diogo
Fabio E  DiogoFabio E  Diogo
Fabio E Diogo
Pacheco19
 
Economia e meio ambiente apa do pratigi
Economia e meio ambiente   apa do pratigiEconomia e meio ambiente   apa do pratigi
Economia e meio ambiente apa do pratigi
Roque Fraga
 
Sustentabilidade Rural
Sustentabilidade RuralSustentabilidade Rural
Sustentabilidade Rural
Vitor Vieira Vasconcelos
 

Semelhante a DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES (20)

Questões sobre dilemas ambientais do mundo atual
Questões sobre dilemas ambientais do mundo atualQuestões sobre dilemas ambientais do mundo atual
Questões sobre dilemas ambientais do mundo atual
 
Poluição
 Poluição Poluição
Poluição
 
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
 
AULA_1.pptx
AULA_1.pptxAULA_1.pptx
AULA_1.pptx
 
Questões desafio
Questões desafioQuestões desafio
Questões desafio
 
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
 
ACAO DO HOMEM NA FORMACAO VEGETAL.pptx
ACAO DO HOMEM NA FORMACAO VEGETAL.pptxACAO DO HOMEM NA FORMACAO VEGETAL.pptx
ACAO DO HOMEM NA FORMACAO VEGETAL.pptx
 
ACAO DO HOMEM NA FORMACAO VEGETAL.pptx
ACAO DO HOMEM NA FORMACAO VEGETAL.pptxACAO DO HOMEM NA FORMACAO VEGETAL.pptx
ACAO DO HOMEM NA FORMACAO VEGETAL.pptx
 
A Problemática dos Transgenicos_Licao-sintese
A Problemática dos Transgenicos_Licao-sinteseA Problemática dos Transgenicos_Licao-sintese
A Problemática dos Transgenicos_Licao-sintese
 
A ciência e o desenvolvimento sustentável
A ciência e o desenvolvimento sustentávelA ciência e o desenvolvimento sustentável
A ciência e o desenvolvimento sustentável
 
I simp rec_hidric_norte_centro_oeste20
I simp rec_hidric_norte_centro_oeste20I simp rec_hidric_norte_centro_oeste20
I simp rec_hidric_norte_centro_oeste20
 
DEMANDA DE ÁGUA ATUAL E FUTURA NAS APLICAÇÒES DE AGROQUIMICOS
DEMANDA DE ÁGUA ATUAL E FUTURA NAS APLICAÇÒES DE AGROQUIMICOSDEMANDA DE ÁGUA ATUAL E FUTURA NAS APLICAÇÒES DE AGROQUIMICOS
DEMANDA DE ÁGUA ATUAL E FUTURA NAS APLICAÇÒES DE AGROQUIMICOS
 
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ PnumaO Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
 
Pegada Ecológica.pptx
Pegada Ecológica.pptxPegada Ecológica.pptx
Pegada Ecológica.pptx
 
Prof Demétrio Melo - Agropecuária e Impactos Socioambientais
Prof Demétrio Melo - Agropecuária e Impactos SocioambientaisProf Demétrio Melo - Agropecuária e Impactos Socioambientais
Prof Demétrio Melo - Agropecuária e Impactos Socioambientais
 
Plano nacional de agroenergia
Plano nacional de agroenergiaPlano nacional de agroenergia
Plano nacional de agroenergia
 
Fabio e diogo
Fabio e diogoFabio e diogo
Fabio e diogo
 
Fabio E Diogo
Fabio E  DiogoFabio E  Diogo
Fabio E Diogo
 
Economia e meio ambiente apa do pratigi
Economia e meio ambiente   apa do pratigiEconomia e meio ambiente   apa do pratigi
Economia e meio ambiente apa do pratigi
 
Sustentabilidade Rural
Sustentabilidade RuralSustentabilidade Rural
Sustentabilidade Rural
 

Último

Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Geagra UFG
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
tyciavilela
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Ademir36
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
viictorrkk
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
DeboraGomes73
 

Último (7)

Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
 

DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES

  • 1. DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES Prof. Dr. Antônio Cesar Silva Lima Mestrando: Hipolito Murga Orrillo Orientador: Dr. Wellington F. Araújo Co-orientador: Dr. Valdinar Ferreira Melo
  • 2. INTRODUÇÃO Um solo de qualidade dentro de um ecossistema, sustenta: o A produtividade biológica; o Qualidade do meio ambiente; o Promove a saúde das plantas e dos animais. 2
  • 3. Ao longo da evolução humana, aconteceu apropriação e transformação da natureza: Satisfazer suas necessidades; Em fusão a intensidade das atividades, produze-se perda ou redução de suas propriedades. (CARVALHO e NETO, 2011) Pressão antrópica intensiva Ação do homem 3
  • 4. Cerri e Amaral (1998) DEGRADAÇÃO DO SOLO Fatores exógenos Fatores endógenos Textura e estrutura Ações antrópicas EconômicoSocialBióticoMeio físico IMPACTOS Condições climáticas INTERAÇÃO 4
  • 5. o Perda da fertilidade natural do solo; o Contaminação de aqüíferos; o Obstrução de cursos de água; o Perda da capacidade de armazenamento de água; o Etc. (GUERRA e JORGE, 2012). Impactos 5
  • 6. Guerra e Jorge (2012) No Brasil, se inicia com: Processos de degradação 6
  • 7. Guerra e Jorge (2012), abrange uma série de processos complexos: o Erosão hídrica e eólica (de desertificação); o Movimentos de massa; o Contaminação dos solos, (acidificação e salinização). Processos de degradação 7
  • 8. o Proporcionar informação sobre os efeitos ao longo do tempo das ações antrópicas ocasionastes do processo de degradação do solo, e as atuações repressivas adotadas até o atualidade por parte do Brasil. 8 OBJETIVO
  • 9. 9
  • 10. Mahar (1979), forças indutoras décadas 1970-1980: o Pressões econômicas e demográficas dos fazendeiros; o Incentivos fiscais; o Os subsídios: Superintendência para o Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM). Margulis (2003), depois de 1984: o Mas em 1987, houve lucro da pastagem (carne bovina); o Incentivos pelo governo escassos. Desmatamento: 1970-1987 10
  • 11. o A recessão econômica; o Collor de Melo, confisca contas bancárias (03/1990); o Liberado em pequenas prestações (posteriormente). Desmatamento: 1987-1991 11FONTE: INPE, 2009 0 5 10 15 20 25 30 78 80 82 84 86 88 90 92 94 96 98 00 02 04 06 08 Desmatamento(103km2ano-1) ANOS (1978-2008)
  • 12. Eleições municipais, em 1994 (reformas): o Aumento de crédito agrícola; o Recuperação econômica (1995); o Alto índice da inflação (1996 e 1997). Desmatamento: 1991-1997 12 0 5 10 15 20 25 30 78 80 82 84 86 88 90 92 94 96 98 00 02 04 06 08 Desmatamento(103km2ano-1) ANOS (1978-2008)FONTE: INPE, 2009
  • 13. Kaimowitz et al. (2004), em 2002, mercado internacional: o Criação de gado (carne); o Cultivo de soja; o Implementação de políticas meio ambientais. 0 5 10 15 20 25 30 78 80 82 84 86 88 90 92 94 96 98 00 02 04 06 08 Desmatamento(103km2ano-1) ANOS (1978-2008)FONTE: INPE, 2009 Desmatamento: 1997-2008 13
  • 14. Equivale a 584 600 Km2 (7% do território total de Brasil ) Desmatamento acumulado 14 20.4 584.6 0 100 200 300 400 500 600 700 78 80 82 84 86 88 90 92 94 96 98 00 02 04 06 08 103km2 ANOS (1978-2008)FONTE: INPE, 2009
  • 15. Laurance et al. (2001), Cenários: Otimista 25%; pessimista 42%. Prognósticos para o ano 2020 15
  • 16. Nepstad et al. (2004), as aberturas no dossel, com à ação do sol-vento: o Resulta microclimas mais secos; o Depois de várias queimadas, a área fica devastada. Barbosa e Fearnside (1999), fenômeno El Niño, em 1997-1998, Roraima queimou aprox. 13.928 km2 . Corte seletivo e queimada da floresta 16
  • 17. DEGRADAÇÃO DE SOLOS Biodiversidade Produtividade Regime hídrico Impactos: desmatamentos - queimas 17
  • 18. 18
  • 19. Kichel et al. (1997), processo evolutivo de perda de vigor, de produtividade, tornando-a incapaz de sustentar os níveis de produção e qualidade exigidos pelos animais. Degradação de pastagem 19
  • 20. A baixa capacidade de suporte no período de estiagem, contribui para acelerar o processo de degradação (SILVA et al., 2004). Degradação de pastagem 20
  • 21. o Schaefer et al. (2002), ocorre perda de matéria orgânica, e nutrientes como P, K, e Mg; o Plantas mais superficiais, diminui as raízes: susceptível a déficits hídricos e baixa capacidade de absorver nutrientes. Degradação de pastagem 21
  • 22. O pastejo realizado em condições de umidade elevada, maximiza a degradação física do solo (BETTERIDGE et al., 1999). Degradação de pastagem 22
  • 23. Pastagem- Cabeças de gado Segundo MAPA (2010): 163 milhões de ha de pastagem: o 106 milhões de ha cultivadas; o 57 milhões de ha nativas. 230 milhões de cabeças: o 160 a 200 milhões de bovinos; o 14 a 16 milhões de ovinos. Estimativa de 20 a 40 milhões de ha degradadas (EMBRAPA, 2011). 23
  • 24. 24
  • 25. Brasil tem as maiores áreas de terras potencialmente aráveis: quase 400 milhões de ha (FAO, 2009). Terras agrícolas no Brasil 25
  • 26. Ministério do ambiente-MMA (2012). Até 2020 há uma previsão de incorporar 15 a 20 milhões de ha ao processo produtivo. 26
  • 27. Angelini (2012), Por ocupação urbana e agrícola, no Brasil há uma estimativa de que 200 milhões de ha estão degradadas; MMA (2012), 140 milhões de ha de terras brasileiras estão degradadas, da atividade agrícola e pecuária. Degradação: Agropecuárias - Urbano 27
  • 28. o A erosão acelerada é preocupação mundial, por acarretarem enormes prejuízos de ordem física, financeira e social; o É o desprendimento, transporte e deposição das partículas do solo: agentes a água e o vento; o Brasil perde 30 milhões de dólares ao ano; o A erosividade no Brasil: 3.116 - 20.035 mm ha-1h-1ano-1 Degradação: Pela erosão 28 (OLIVEIRA et al., 2010)
  • 29. A mais comum no Brasil, é a forma mais prejudicial de degradação, capaz de tornar insustentáveis os sistemas de produção agrícola. (GUERRA e JORGE, 2012) Erosão Hídrica 29
  • 30. Cunha e Guerra ( 2006), condicionado por cinco fatores: o Chuva; o Solo; o Cobertura e manejo; o Topografia; o Práticas. A combinação desses fatores determina a intensidade e as variações nas taxas de perda de solo. Fatores da erosão hídrica 30
  • 31. Laminar e em sulcos Tipos de erosão hídrica 31
  • 32. Tipos de erosão hídrica 32 Voçorocas
  • 33. Movimento coletivo de solo e rocha, pela força da gravidade (CROZIER, 1986); Guerra e Jorge ( 2012), Fenômenos naturais, e induzidos por ações antrópicas. Tipos de erosão hídrica 33 Deslocamentos de massas
  • 34. Processo de densificação, devido a que uma pressão exterior é aplicada sobre o solo (VEIGA et al., 2007); O tráfego de maquinarias agrícolas e pisoteio de animais som as fontes geradoras dessas pressões. COMPACTAÇÃO DO SOLO 34
  • 35. Capacidade de campo é aumentado, mas a aeração, a infiltração são reduzidas; É por estas alterações, se gera a resistência do solo à penetração das raízes (REICHERT et al., 2009). Dinâmica da solo-água-planta 35
  • 36. 36
  • 37. Em resultado dos conflitos de uso da terra, por atividades que não respeitam a capacidade de uso do solo; Surge o Sistema de Capacidade de Uso das Terras (SCUT), por Klingebiel e Montgomery (1961): o Para o Serviço de Conservação do Solo dos EUA. Sistema de capacidade de uso das terras 37
  • 38. No Brasil, foi adaptado e divulgado por Lepsch (1983). Telles et al. (2011), para isso é importante investigar: o Tipo de solo; o Localização; o Extensão; o Planejamento e adequação de uso; o Identificação dos efeitos do mau uso. SCUT : No Brasil 38
  • 39. Campos et al. (2010), ferramenta que imprime caráter seletivo, racionalizador e de orientação ao uso das terras; Pode garantir ao alto retorno financeiro, além de proteger os recursos naturais da degradação. SCUT: No Brasil 39
  • 40. Controlado pela repressão, através de licenças, fiscalizações e multas; EMBRAPA (2011), no 2000 Fundação Estadual do Meio Ambiente Mato Grosso (FEMA). incluindo a impressão de imagens de satélite e multas. Desaceleração do desmatamento 40
  • 41. Elaboram planos para estender em outros estados estas medidas. 41
  • 42. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), nas décadas 1980 e 1990, exige que os novos assentamentos sejam alocados em áreas desmatadas (FEARNSIDE, 2001). Título e reformas de assentamento 42
  • 43. o Protocolo de Kyoto, em 1997; o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (CDM) compromisso do protocolo (2008-2012). Serviços ambientais A manutenção da biodiversidade, o estoque de carbono e a ciclagem da água: 43
  • 44. Gráfico. Evolução do Financiamento Rural (em R$ bilhões) Fonte. Plano Agrícola e Pecuário: 2012-2013 Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR) 44
  • 45. o Agricultura de Baixo Carbono (ABC); o Programa de Modernização da Agricultura e Conservação dos Recursos Naturais (MODERAGRO); o Programa de Desenvolvimento Cooperativo para Agregação de Valor à Produção Agropecuária (PRODECOOP) Plano Agrícola e Pecuário: 2012- 2013 Políticas de produção sustentável 45
  • 46. Compromisso do Brasil na Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas, 2009 – Copenhague: o Governo estimula à implantação e ao desenvolvimento de sistemas produtivos agrícolas ambientalmente sustentáveis: Priorizando Programa a recuperação de áreas e pastagens degradadas. 46
  • 47. Contempla objetivos para a safra 2012-2013, no valor de R$ 3,4 bilhões. o Preservação e recomposição de áreas de preservação permanente e de reserva legal; o Implantação de sistemas orgânicos de produção agropecuária; o Redução do desmatamento, mediante a ampliação das atividades agropecuária e agroflorestal em áreas degradadas ou em processo de recuperação. 47
  • 48. Ampliação do limite para R$ 150 mil na concessão de crédito. 48
  • 49. Conta com R$ 2 bilhões para apoio financeiro: o Produção; o Beneficiamento; o Industrialização e armazenagem (produtos) ; o Adequação sanitária; e o Recuperação de solos. 49
  • 50. o A heterogeneidade das crescentes necessidades e procuração da satisfação destas mesmas, o homem faz pressão desatinada sobre o único ativo que tem a humanidade que é nosso planeta, provocando muitas vezes alterações irreversíveis; o As atividades agropecuárias sem planejamento adequado em um pais como o Brasil, com condições edafo- climáticas especiais, é suscetível á degradação de solos de maneira progressiva. CONSIDERAÇÕES FINAIS 50
  • 51. o Os conhecimentos sobre à degradação de solos no Brasil, é relevante, pois possibilita geração de instrumentos de planejamento estratégico e gestão adequados ao território; o A implementação das políticas publicas de recuperação das áreas degradadas com suporte financeiro são essenciais, no uso razoável e sustentável dos solos. CONSIDERAÇÕES FINAIS 51
  • 52. o BRASIL. Decreto nº 97.632, de 10 de abril de 1989. Dispõe sobre a regulamentação do artigo 2º, Incisso VII, da Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Brasília, 1989. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1980-1989/D97632.htm>. Acesso em: 16 jun 2012. o CARVAJAL, G. F. Análise da relação chuva-escorregamento em regiões tropicaismontanhosas urbanas, caso de estudo Rio de Janeiro, Brasil. Universidade de Brasília. Brasília, p. 136. 2011. o EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUARIA. Manual de Métodos de Análise de Solo. 2ª. ed. Rio de Janeiro: [s.n.], 2012. o FERREIRA, V. M. et al. Influência antrópica e atributos do solo: inter -relações em ambientes de voçorocas na mesorregião Campos das Vertentes, MG. Geografia, Rio Claro, v. 36, p. 209-219, jan/abr 2011. o GUERRA, A. J. T.; JORGE, M. D. C. O. Geomorfologia do Cotidiano - A degradação dos solos. Revista Geonorte, Manaus, v. 4, n. Especial, p. 116-135, junho 2012. o INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Mapa Político -administrativo do Brasil. Escala 1:5.000.000. 2004. Disponível em<ftp://geoftp.ibge.gov.br/mapas_tematicos/mapas_murais/brasil_2004.pdf> . Acesso em 27 ago 2012. o INSTITUTO BRASILEIRO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS (IBAMA). Vegetação Nativa do Estado de Minas Gerais. Escala 1:1.000.000. 2007. Disponível em < http://siscom.ibama.gov.br/index.php?page=inicio>. Acesso em 27 ago 2012. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS 52
  • 53. 53