Causas da Degradacao do Solo em Mocambique

4.739 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
2 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.739
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
59
Comentários
2
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Causas da Degradacao do Solo em Mocambique

  1. 1. Degradação dos Solos em Moçambique 2012Índice1. Resumo ...................................................................................................................... 22. Introdução.................................................................................................................. 33. Objectivos.................................................................................................................. 4 3.1. Geral ................................................................................................................... 4 3.2. Específicos ......................................................................................................... 44. Metodologia .............................................................................................................. 45. Degradação do solo ................................................................................................... 4 5.1. Causas da degradação do solo ........................................................................... 5 5.2. Consequências da degradação dos solos ............................................................ 6 5.3. Prevenção da degradação dos solos ................................................................... 76. Conclusão .................................................................................................................. 87. Bibliografia................................................................................................................ 9
  2. 2. Degradação dos Solos em Moçambique 2012 1. ResumoO solo tem sofrido grandes interferências promovidas pelo manejo incorreto, essasinterferências reduzem sua qualidade e a produtividade, resultando na destruição daestrutura do solo. A acção do homem inicia o processo de degradação (desmatamentos,queimadas, poluição) e o intemperismo de forma natural amplia os impactos. O solo énaturalmente protegido por cobertura vegetal, nele existem microorganismos que ativamo ciclo biológico, no momento em que o homem promove a retirada da vegetação, osolo fica exposto à acção de ventos, chuvas, raios solares, altas temperaturas, quedestroem a estrutura do solo, boa parte dos microorganismos morrem deixando o soloimprodutivo. Os seres vivos são dependentes dos benefícios gerados pelo solo, o solo éum recurso natural essencial para a manutenção da vida, assim para amenizar osimpactos gerados pelas atividades desempenhadas no solo, é necessário criar práticas deconservação que visam à manutenção das propriedades físicas, químicas e biológicas dosolo. O objectivo da implantação de técnicas de conservação é a proteção de solos embom estado, e recuperação de solos degradados. Assim os solos em actividade podemser utilizados por mais tempo de forma sustentável, poupando os solos intactos, sem anecessidade de desbravar novas terras ou destruir sua vegetação para a implantação deatividades econômicas. A melhor maneira de combater a degradação dos solos é o usodo mesmo de forma adequada e sustentável, para que seja mantida sua produtividade e,portanto, a vida! 2
  3. 3. Degradação dos Solos em Moçambique 2012 2. IntroduçãoA localização geográfica de Moçambique nos trópicos e sub-trópicos, faz com que eleseja vulnerável a eventos extremos de origem meteorológica tais como secas, cheias eciclones tropicais e de origem geológica como é o caso de tsunamis. Entre todas asdiversas zonas do país, as áridas, semi-áridas e sub-húmidas secas são as maisvulneráveis, devido à degradação da terra caracterizada por perda persistente deprodutividade de vegetação, solos e pastagens e exacerbada pelo seu uso inapropriado.(UNDP; 1992), Citado por FAO, Governo de Moçambique; 2009).O solo é produto da desintegração e decomposição de rochas pelo trabalho da água,temperatura, ar, organismos. O solo como recurso natural gerador de energia, no qual osseres vivos são dependentes para a manutenção da vida, vêm sofrendo impactos queresultam em sua degradação. Essa degradação do solo ocorre por toda parte. Devido àextrema importância que o solo representa para todos os seres viventes, em especialpara o homem, é que se atentou para a necessidade de manutenção, proteção econservação desse recurso. (GONÇALVES; 2002)Em Moçambique, a degradação do solo aumenta em consequência do desenvolvimentoe crescimento populacional. Para atender a demanda de alimentos e materiais, o solo e abiodiversidade são destruídos. As atividades realizadas, que necessitam de ocupação dosolo são os principais fatores contribuintes para a degeneração do mesmo. (SANTOS;2009). O crescimento de áreas urbanas e polos industriais, pecuária e agricultura,extração de minérios, são atividades que sobrecarregam a capacidade do solo de gerarcondições para a vida. Essas atividades manejadas incorretamente podem provocargrandes impactos no solo e em seus componentes (flora e fauna). A destruição do sologera preocupações para ambientalistas e profissionais da área (agrônomos, engenheirosambientais, engenheiros florestais, biólogos, geólogos), o solo é a base para qualqueratividade, por isso deve-se utilizar de forma racional. (SANTOS; 2009). 3
  4. 4. Degradação dos Solos em Moçambique 2012 3. Objectivos 3.1.GeralO presente trabalho tem como objectivo a identificação de factores que causam adegradação do solo em Moçambique. 3.2.EspecíficosO trabalho tem como objectivos específicos identificar as causas, efeitos e formas decombater a degradação dos solos em Moçambique, identificar os estágios da degradaçãodo solo com enfoque no seu estado mais avançado de degradação. 4. MetodologiaPara a elaboração do presente trabalho, foram consultados e analisados os documentos(manuais e dissertações) existentes que têm relação com o uso, aproveitamento e gestãosustentável da terra, incluindo o relatório nacional da consultoria de Moçambiqueelaborado pela FAO, para o projecto de cooperação técnica TCP-CPLP/FAO. 5. Degradação do soloA exposição do solo a alguns agentes físicos e químicos, contribui para o processo dedegradação, e consequentemente ocorre a diminuição da produtividade.A degradação pode contribuir para a deterioração desse solo, sendo ela por interferênciahumana ou por factores naturais, incluindo as variações climáticas. Esse processodiminui a capacidade de suportar e manter a vida. Com a degradação são alteradasnegativamente as propriedades e o equilíbrio biológico do solo, retirando a capacidadede produção do mesmo. As formas para se degradar o solo são diversas, as mais comunssão desmatamento, expansão desordenada de cidades, poluição, uso de substânciastóxicas e o intemperismo.De acordo com BRAGAGNOLO (1997),citado por GONÇALVES (2002), um solodegradado apresenta as seguintes características:  Desequilíbrio nutricional;  Compactação e pulverização (aplicação de líquidos em pequenas gotas) do solo; 4
  5. 5. Degradação dos Solos em Moçambique 2012  Queda da actividade biológica e dos níveis de matéria orgânica;Além desses factores um solo degradado apresenta acidificação, salinização, perda deestrutura, diminuição da permeabilidade entre outros. O ideal é prevenir a degradação,pois um solo degradado, mesmo com interferências de adubos e fertilizantes, não terá amesma capacidade de produção, comparado com o não degradado. 5.1.Causas da degradação do soloA degradação dos solos compreende: a destruição da estrutura de solos, a perda denutrientes do solo através de processos como a erosão eólica ou da água (hídrica), oencharcamento do solo, a salinização e a compactação do solo. O principal motivo paraa degradação dos solos é a utilização inadequada dos mesmos, que se deve, segundoGEF (2003), principalmente a três fenómenos: práticas agrícolas inadequadas; excessode pastoreio e desflorestação. Práticas agrícolas modernas, utilizadas sem critério, comdensidades excessivas e com os períodos de pousio cada vez mais curtos, com ou semfertilizantes, podem levar ao enfraquecimento da capacidade natural do solo derecuperar a sua fertilidade, levando à degradação do mesmo e à redução da suaprodutividade agrícola. Em solos irrigados, a principal causa da degradação é a mágestão dos sistemas de água e de irrigação, que levam frequentemente aoencharcamento e à salinização do solo, reduzindo ainda a produtividade agrícola.Condições de baixa produtividade agrícola levam normalmente à intensificação dascolheitas, especialmente monoculturas, expansão da agricultura para áreas marginais,utilização de máquinas agrícolas e práticas não indicadas para as condições regionais desolos e água, que agravam o problema da degradação. As cabeças de gadoafectam/degradam o solo de dois modos – promovendo maior perda da coberturavegetal, consumido pelos animais e, maior compactação do solo, sob as patas dosmesmos. O aumento das áreas agrícolas e a extinção dos mecanismos tradicionais decontrolo do número de cabeças de gado leva a um deslocamento dos pastos para zonasque não suportam os rebanhos e manadas, reduzindo a qualidade destas e degradandoainda mais os solos. Dentre as várias actividades humanas: o abate de árvores,queimadas descontroladas, práticas inadequadas na agricultura, o uso e aproveitamento 5
  6. 6. Degradação dos Solos em Moçambique 2012de terras em áreas propensas à erosão de solos; são as principais causas de erosão emMoçambique.A desflorestação é também uma perda de coberto florestal, que leva consequentementeà degradação de solos. Os grandes motivos para a desflorestação são o corte de florestaspara vendas comerciais de madeira, conversão de áreas florestais em pastos ou zonasagrícolas, fogos florestais acidentais ou intencionais, abrindo a possibilidade deconversão de terras ou de ocupação por populações humanas, corte de árvores paraobtenção de combustível vegetal para produção energética e, falta de disponibilidade ouquase ausência de água ou recursos hídricos, o que torna os ecossistemas nas áreasafectadas frágeis. Segundo SANTOS (2009), a desflorestação é a principal causa dadegradação de solos, em particular quando seguida de sobre-exploração agrícola esobre-pastoreio em áreas não adequadas à agricultura.O desmatamento e a degradação de solos apresentam também causas directas, tais comoa expansão de áreas agrícolas de pequena escala e da pobreza; e as causas indirectas,como as políticas do Estado e interesses empresariais dentro e fora do sector florestal(RUDEL; 2007). 5.2.Consequências da degradação dos solosSegundo as organizações CIAT, TSBF e ICRAF (2002) citadas por SANTOS (2009), adegradação dos solos leva:  À redução da cobertura vegetal;  Desgaste dos solos;  Ao aumento das alterações dos habitats naturais;  À redução da qualidade da água;  À redução da eficiência da utilização e gestão dos recursos hídricos;  Ao aumento do risco de insectos e doenças devido à redução da capacidade de controlo biológico, aumento de riscos para a saúde humana pela mesma razão e pela redução da qualidade da água;  Ao aumento da prevalência de eventos catastróficos como deslizamentos de terras e cheias;  À redução da resiliência do solo às variabilidades climáticas;Quando o solo estiver no seu estado mais avançado de degradação, leva àdesertificação, que é o estágio final. 6
  7. 7. Degradação dos Solos em Moçambique 2012 5.3.Prevenção da degradação dos solosSegundo a Revista do Instituto Campineiro de Ensino Agrícola – Brasil (1973, p.70) “aconservação do solo, é o uso inteligente; é o uso racional do solo, objectivando alcançaro máximo rendimento de maneira permanente”.Por conservação do solo, dever-se-á entender a preservação e o desenvolvimento, demodo a proporcionar o maior bem para o maior número e pelo maior período de tempo,dos recursos naturais de caráter renovável, quais seja, o solo, as florestas, as pastagens,a fauna silvestre e, em certa extensão, a água. (BERTONI e LOMBARDI, 1990), Citadopor (GONÇALVES; 2002).A utilização do solo de maneira sustentável previne efeitos degradantes e cria condiçõespara o uso consciente, visando à preservação. A ciência da conservação do solo éformada por um conjunto de medidas no qual seus objectivos são a preservação erecuperação das condições físicas, químicas e biológicas do solo. Para que seja mantidaa produtividade, precisa-se utilizá-lo de modo sustentável, baseando em princípiosconservacionistas, usando o solo conforme seu potencial produtivo e suas necessidadesde proteção. A espécie humana sempre dependeu do solo para a sobrevivência, o qualsendo conservado propicia grandes benefícios à vida. A variedade da alimentaçãohumana advém da imensa área de solos cultivados e actividades agropecuárias. Apreservação é necessária e indispensável. De acordo com (BERTONI e LOMBARDI,1990), o problema de preservar o solo juntamente com os recursos naturais é assegurar aprodução de alimentos e outros materiais para atender a demanda da população.Utilizá-lo de forma sustentável seria a solução, por isso foram criadas leis que orientamo uso do solo, seja para explorar, seja para ocupação. Uma dessas leis torna obrigatórioque, antes de se proceder à ocupação do solo, é necessário o estudo do ambiente comfinalidade de descobrir os possíveis impactos gerados. (MICOA; 2007)Na agricultura existem normas para o uso correto do solo, as quais ainda não são leis,por isso não há a obrigação de cumpri-las, mas já estão sendo usadas por muitosagricultores. O importante é que seja evitado o processo de degradação. O solo é umafonte natural e deve ser usada de forma adequada e sustentável, para que seja mantidasua produtividade e, portanto, a vida! 7
  8. 8. Degradação dos Solos em Moçambique 2012 6. ConclusãoEm Moçambique, os problemas ambientais, no seu sentido mais restrito, relacionam-secom a degradação do solo, erosão, desflorestamento, redução da fauna, poluição do ar,das águas, destruição de mangais e queimadas descontroladas. Nas zonas rurais, osproblemas ambientais resultam de uma exploração inadequada dos recursos pelapopulação no processo da satisfação das suas necessidades básicas. Em particular, adegradação dos solos manifesta-se por: uma desigualdade na distribuição de terras decultivo e, consequentemente crescente uso de terras com grande declive ou poucoférteis, o que acelera o empobrecimento; práticas inadequadas tais como, a queima ecorte de árvores para a abertura de machambas; utilização indevida dos agro-químicos;gestão e manutenção inadequada dos sistemas de regadio e drenagem que dão origem àsalinização, alcanização e erosão dos solos; abate indiscriminado das florestas para aprodução de carvão vegetal e queimadas que resultam na erosão e empobrecimento dossolos. A melhor maneira de prevenção da degradação dos solos é a utilização do solo demaneira sustentável pois previne efeitos degradantes e cria condições para o usoconsciente, visando à preservaçãoRecomenda-se que antes de se proceder à ocupação do solo, é necessário o estudo doambiente com finalidade de descobrir os possíveis impactos gerados e, o importante éque seja evitado o processo de degradação, pois o solo é uma fonte natural e deve serusada de forma adequada e sustentável, para que seja mantida sua produtividade e,portanto, a vida! 8
  9. 9. Degradação dos Solos em Moçambique 20127. Bibliografia FAO; Moçambique; Quadro das demandas e propostas de Guiné-Bissau para o desenvolvimento de um programa regional de cooperação entre países da CPLP no domínio da luta contra a desertificação e gestão sustentável das terras; 2008; 36-39pp TCP-CPLP/FAO-MADRRM, orgs: Mosquito, D.; Samo, G., e De Deus, N. Governo de Moçambique. 2009; 11-14pp GONÇALVES, Simone Rodrigues. 2002. Gestão de Solos Degradados. Brasil. 57-58pp GEF (2003). Operational Program on Sustainable Land Management. Global Environment Facility. Disponível em: http://www.gefweb.org/Operational_Policies/Operational_Programs/OP_15_En glish_Revised.pdf [Consultado em: 20/10/12] RUDEL, T.K. 2007. Changing agents of deforestation: From state-initiated to Enterprise driven processes, 1970-2000, Land Use Policy, Volume 24(1):35-41. SANTOS, João Camargo Ribeiro Marques.2009. Degradação Ambiental na África Subsahariana. Lisboa. 22-24pp MICOA; Estratégia Ambiental Para O Desenvolvimento Sustentável De Moçambique; Maputo-Moçambique; Julho-2007; 20-21pp 9

×