Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6

1.699 visualizações

Publicada em

AULA 5
Custo por Absorção
Custeio Direto;
Custos Diretos;
Custos Indiretos;
Custos Fixos;
Custos Variáveis.

AULA 6
Formação do Preço de Vendas;
Preço.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.699
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
107
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6

  1. 1. Práticas Financeiras e Contábeis Prof. Wandick Rocha wandickrocha@yahoo.com.br http://contabilidademais.blogspot.com.br/
  2. 2. AULA 5 a) Custo por Absorção b) Custeio Direto; c) Custos Diretos; d) Custos Indiretos; e) Custos Fixos; f) Custos Variáveis.
  3. 3. O que significa custos?
  4. 4. Conceito de Custo  Custo é o gasto financeiro que a empresa arca no momento da utilização dos fatores de produção para a realização de um bem ou serviço.  Desta forma, custo é o valor gasto com bens e serviços para a produção de outros bens e serviços.  Exemplos: matéria-prima, energia elétrica gasta na produção, salários e encargos do pessoal da produção.  Ver vídeo neste link: http://www.youtube.com/watch?v=cfUx3br_8Fk
  5. 5. Custo de Mercadorias e Serviços • Considerar todos os valores: Indústria: materiais, insumos, mão de obra direta; Comércio: valor de aquisição das mercadorias; Serviços: mão de obra direta, material aplicado.
  6. 6. Gestão de Custos  A gestão de custos tem como finalidade tornar a empresa mais sólida e competitiva, estudando quais custos são controláveis e os componentes que contribuem nas despesas.  Objetivos do estudo da Gestão de Custos: Informações sobre a rentabilidade e desempenho das atividades da empresa; Planejamento, controle e desenvolvimento das operações; Tomada de decisões.
  7. 7. Contabilidade de Custos  É o ramo da contabilidade que utiliza métodos específicos para identificar, classificar e registrar os custos ligados diretamente à produção ou venda de bens e serviços.  Utiliza a gestão dos custos para determinar o desempenho, o planejamento e o controle das operações para alocação mais criteriosa dos custos aos produtos ou serviços.
  8. 8. Método de Custeio  Método de custeio é a forma como as empresas agregam seus custos de fabricação ao preço de venda.  O principal objetivo é a separação de custos variáveis e custos fixos, definindo qual o peso deles na formação do preço de venda do produto.  Existem dois métodos de custeio: Custeio por absorção; Custeio variável.
  9. 9. Custeio por Absorção  É o método contábil de atribuir ou apropriar a um produto ou serviço todos os custos diretos e indiretos, fixos e variáveis, necessários à sua fabricação.  O resultado do custo sofre influência direta do volume produzido.  Está de acordo com os Princípios Fundamentais de Contabilidade e com as leis tributárias.
  10. 10. Custeio por Absorção PRODUÇÃO DO MÊS DE JANEIRO Custos diretos e indiretos de fabricação .................. 2.000,00 Quantidade produzidas (unidades) ............................. 400 un. Matéria-prima por unidade ............................................ 20,00 Rateio custos diretos/indiretos (2.000,00 : 400) .............. 5,00 Total (20,00 + 5,00) ........................................................ 25,00 PRODUÇÃO DO MÊS DE FEVEREIRO Custos diretos e indiretos de fabricação .................. 2.000,00 Quantidade produzidas (unidades) ............................. 500 un. Matéria-prima por unidade ............................................ 20,00 Rateio custos diretos/indiretos (2.000,00 : 500) .............. 4,00 Total (20,00 + 4,00) ........................................................ 24,00
  11. 11. Custos Diretos  São os correlacionados diretamente aos objetos de custeio (produtos ou serviços), não necessitando de rateios.  São diretamente relacionados aos produtos fabricados ou serviços porque há uma forma fácil e objetiva de medir seu consumo.  Compreendem os gastos com materiais, mão de obra e gastos gerais de fabricação diretamente aplicados aos objetos de custeio.
  12. 12. Custos Diretos  Podem ser diretamente apropriados aos produtos, bastando haver uma medida de consumo: Peso Embalagens Horas de mão de obra Matéria prima
  13. 13. Custos Indiretos  São os custos não plenamente identificados com os objetivos de custeio.  Compreendem os gastos com materiais, mão de obra e gastos gerais de fabricação indiretamente aplicados aos objetos de custeio.  São todos os recursos consumidos pela empresa que não estão diretamente relacionados com o produto, porém são realizados para possibilitar a sua produção.
  14. 14. Custos Indiretos  Não apresentam condições de uma medida objetiva e qualquer tentativa de alocação tem de ser feita de maneira estimada e muitas vezes arbitrária como: Aluguel; Energia elétrica; Salário da supervisão.
  15. 15. Custos Fixos  São os custos que não variam independentemente dos níveis de produção, ou seja, não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção.  Exemplos: Limpeza e Conservação; Aluguel; Depreciação de equipamentos; Salários da Administração; Segurança e Vigilância.
  16. 16. Custos Variáveis  São os custos que variam, proporcionalmente, de acordo com o nível de produção ou atividades.  Quanto maior a produção, maiores serão os custos variáveis.  Exemplos: Matéria-Prima; Mão de obra; Comissão sobre Vendas; Água; Energia elétrica; Impostos.  Ver vídeo neste lnk: http://www.youtube.com/watch?v=NEVLaYd9pXE
  17. 17. Custeio Direto ou Variável  É o método de custeio em que somente os custos claramente identificados com os produtos devem ser apropriados.  No processo de seleção e produção, no sistema de custeio variável, o fluxo dos componentes dos custos de produção são separados em dois grupos: os custos fixos e os custos variáveis.  Os custos variáveis tomam a direção dos estoques e o fixos são direcionados para resultado do exercício.
  18. 18. Preço de venda: R$ 40,00 Matéria-prima e materiais secundários: R$ 15,00 ICMS: 25% PIS e COFINS: 3,65% Comissão dos vendedores: 5% Custos Variáveis de Produção: Matéria-prima e materiais secundários: R$ 15,00 Subtotal: R$ 15,00 Despesas Variáveis de Vendas: ICMS  40,00 x 25% = R$ 10,00 PIS e COFINS  40,00 x 3,65% = R$ 1,46 Comissão dos vendedores  40,00 x 5% = R$ 2,00 Subtotal: R$ 13,46 Custo unitário do produto vendido: Total  15,00 + 13,46 = R$ 28,46
  19. 19. Custeio por Absorção X Custeio Variável Representação gráfica do fluxo no custeio por Absorção Representação gráfica do fluxo no custeio variável  Mão obra direta  Materiais diretos  Gastos gerais de Fabricação Processo Produtivo Custos Fixos Custos Variáveis Resultado do Período Estoques  Mão obra direta  Materiais diretos  Gastos gerais de Fabricação Processo Produtivo Custos Fixos Custos Variáveis Estoques
  20. 20. Custos variáveis totais: R$ 10.500,00 Custos fixos totais: R$ 3.500,00 Despesas administrativas: R$ 2.000,00 Despesas de vendas: R$ 1.500,00 Receita total: R$ 30.000,00 Vendeu toda a produção. DRE CUSTEIO POR ABSORÇÃO CUSTEIO VARIÁVEL Venda bruta 30.000,00 30.000,00 (-) CPV (14.000,00) (10.500,00) (=) Lucro bruto 16.000,00 19.500,00 (-) Despesas administrativas (2.000,00) (2.000,00) (-) Despesas de vendas (1.500,00) (1.500,00) (-) Custos Fixos 0,00 (3.500,00) (=) Lucro líquido 12.500,00 12.500,00
  21. 21. Custos variáveis totais: R$ 14.000,00 Custos fixos totais: R$ 4.500,00 Despesas administrativas: R$ 2.500,00 Despesas de vendas: R$ 2.000,00 Receita total: R$ 40.000,00 Vendeu 70% da produção. DRE CUSTEIO POR ABSORÇÃO CUSTEIO VARIÁVEL Venda bruta 28.000,00 28.000,00 (-) CPV (12.950,00) (9.800,00) (=) Lucro bruto 15.050,00 18.200,00 (-) Despesas administrativas (2.500,00) (2.500,00) (-) Despesas de vendas (2.000,00) (2.000,00) (-) Custos Fixos 0,00 (4.500,00) (=) Lucro líquido 10.550,00 9.200,00
  22. 22. Por que as empresas devem controlar os custos?
  23. 23. Necessidade de Controlar os Custos  Mercado competitivo.  Aumento do lucro.  Formação do preço de venda.  Informações atualizadas.  Tomada de decisão com rapidez.  Crescimento da empresa.
  24. 24. Ponto de Equilíbrio  Ponto de equilíbrio é o valor ou a quantidade que a empresa precisa vender para cobrir o custo das mercadorias vendidas, as despesas variáveis e as despesas fixas.  A empresa atinge o ponto de equilíbrio quando as vendas igualam-se ao total dos custos e despesas.  No Ponto de Equilíbrio, a empresa não tem lucro e nem prejuízo.
  25. 25. Custos Variáveis Ponto de Equilíbrio (PE) Custos Fixos 0 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 Valor (em mil R$) 160,00 140,00 120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 Quantidade (em mil unidades) Prejuízo Lucro GRÁFICO DO PONTO DE EQUILÍBRIO
  26. 26. Ponto de Equilíbrio DESCRIÇÃO PREJUÍZO PONTO DE EQUILÍBRIO LUCRO Quantidade Menor que 10.000 un. Igual a 10.000 un. Maior que 10.000 un. Valor Menor que R$ 100.000,00 Igual a R$ 100.000,00 Maior que R$ 100.000,00
  27. 27. Custos, Despesas e Investimento  Custos: valores gastos diretamente na aquisição ou elaboração do produto e (ou) na execução de serviços.  Despesas: valores gastos na comercialização de produtos ou serviços e administração das atividades empresariais.  Investimentos: valores aplicados na aquisição de bens utilizados nas atividades operacionais por vários períodos.
  28. 28. AULA 6 a) Formação do Preço de Vendas; b) Preço.
  29. 29. Qual é a importância do preço de vendas?
  30. 30. Preço de Venda  Para fixar o preço de venda dos produtos, para ter lucro, o empresário deverá conhecer a importância da formação criteriosa de preços e compreender sua estrutura.  O preço de venda é um fator que influencia o cliente em suas decisões de compra, pois, em mercados com um grande número de concorrentes, as empresas precisam ter certeza de que estão oferecendo a melhor oferta sem perder a lucratividade.
  31. 31. Definição de Preço  Preço é a quantidade de dinheiro que o consumidor paga para adquirir um produto e que a empresa recebe em troca da venda desse produto.  Determinar o preço de venda é uma das peças fundamentais do planejamento empresarial, pois proporcionará rentabilidade, competitividade, crescimento e retorno do capital investido.
  32. 32. Importância do Preço  Influencia a decisão de compra;  Ganhar da concorrência;  Aumentar a lucratividade;  Capital de giro mais rápido;  Rotatividade maior dos estoques;  Crescimento da empresa.
  33. 33. Preço – Um dos 4 P’s Marketing Produto Preço MERCADO Praça Promoção
  34. 34. Decisão de Compra  Produto: qualidade, marca, design, embalagem, disponibilização e serviços agregados.  Praça / Ponto: localização da loja e o layout (disposição e arrumação física da empresa e das mercadorias).  Promoção: oferta, comunicação, persuasão, preferência, fidelização.  Preço: valor, descontos, prazos, condições de pagamentos.
  35. 35. Fatores internos e Externos  Preço tem que buscar o equilíbrio entre os fatores internos e externos relativos à empresa para atingir o lucro desejado. EXTERNO INTERNO CONCORRÊNCIA CUSTOS PREÇO LUCRO
  36. 36. Triângulo do Preço PRODUTO CUSTO
  37. 37. Como elaborar o preço de Vendas?
  38. 38. Custos e Despesas  Custos: gastos efetuados pela empresa na elaboração ou na aquisição de produtos ou na prestação de serviços.  Despesas: gastos que servem como apoio para que as empresas atinjam seus objetivos.  É importante entender como se comportam os custos e as despesas para determinar estratégias na formação de preços de venda.
  39. 39. Elementos para Formação de Preço  Fatores financeiros e mercadológicos;  Apuração correta dos custos;  Particularidades do segmento do mercado;  Analisar a concorrência;  Expectativas do consumidor.
  40. 40. Custos  Indústria: materiais diretos + mão de obra + custos indiretos de produção.  Comércio: valor da mercadoria + outros gastos (impostos, fretes).  Serviços: mão de obra + (outros custos) energia, gás, transporte, combustível).
  41. 41. Mark-up  Mark-Up é um índice aplicado sobre o custo de um produto ou serviço para a formação do preço de venda,ou seja, é a margem para cobrir os gastos não incluídos nos custos.  O preço deve ser suficiente para cobrir todos os custos, despesas, impostos e no final gerar um lucro na venda para manter a empresa ativa.  Exemplos:comissões, impostos, margem de lucro, despesas administrativas.
  42. 42. Cálculo do Preço de Venda Preço de Venda = Custo + Murk-up Matéria Prima 20,00 Custos Diretos e Indiretos 2.000,00 Unidades Produzidas 400 Custo Unitário (2.000,00 / 400) 5,00 Total do Custo Unitário (20,00 + 5,00) 25,00 Despesas Gerais Administrativas 10% Comissões dos Vendedores 5% Tributos sobre Vendas 20% Margem de Lucro Desejada 5% Mark-up 40%
  43. 43. Cálculo do Preço de Venda Preço de Venda = Custo + Murk-up (PV) 1PV = 25,00 + 40% (PV) 1PV = 25,00 + 40 / 100 (PV) 1PV = 25,00 + 0,40 PV 1PV – 0,4PV = 25,00 0,6PV = 25,00 PV = 25,00 / 0,6 PV = R$ 41,66
  44. 44. Preço de Venda Ideal • Preço de venda ideal é aquele que cobre todos os custos e despesas e ainda sobra o Lucro Líquido. • Preço de venda ideal tem de ser competitivo, ser melhor do que o preço da concorrência. • Será determinante para os resultados da empresa: - Estratégias x Volume
  45. 45. Margem de Contribuição  É a diferença entre o preço de venda e os gastos variáveis (custos e despesas). MC = Preço de venda - (Cv + Dv)  Representa quanto cada produto ou serviço contribui para cobrir as despesas fixas e formar o lucro da empresa.
  46. 46. Margem de Contribuição DESCRIÇÃO VALOR (R$) % (+) Preço de Venda 22,50 100% (-) Despesas Variáveis 2,36 10,49% (-) Custo Variável 15,00 66,67% (=) Margem de Contribuição 5,14 22,84% Veja que a Margem de Contribuição, isto é, a contribuição deste preço de venda para pagar as despesas fixas e gerar lucro, é de R$ 5,14 por unidade ou 22,84% do preço de venda. Ver vídeo neste link: http://www.youtube.com/watch?v=q-JRlgrAiEA

×