UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ – UECE 
2014.1 – DISCIPLINA CONTABILIDADE DE CUSTOS 
02 ª aula – Termos e conceitos utiliza...
2. UNIDADE II – Expressões Utilizadas na Contabilidade de Custos 
Terminologias: 
 Gastos: Sacrifício na aquisição de bem...
 Perda Normal: Faz parte do custo de produção. (“aparas”). Seu valor acaba por 
ser incluído como parte do custo da matér...
3. UNIDADE III – Classificação dos Custos 
Os custos de fabricação de produtos, são os custos necessários para a elaboraçã...
custo de aquisição, ressalvados os descontos incondicionais, impostos 
recuperáveis, abatimentos.. 
3.3 Custo Indiretos de...
SETOR PRODUTIVO DEMAIS SETORES 
CPV 
Logo: 
Fábrica 
Gastos 
Custos 
Administração, Marketing, Vendas 
Gastos 
Estoque 
De...
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ – UECE 
2014.1 – DISCIPLINA CONTABILIDADE DE CUSTOS 
03 ª aula – Exercício básico – Iniciaç...
Alguns princípios contábeis relacionados a custos 
 Realização da Receita: Determina o reconhecimento Contábil do 
result...
a. Breve comentário sobre avaliação de estoque 
Os métodos de avaliação de estoque objetivam separar o custo dos produtos,...
4. UNIDADE IV – OUTRAS NOMENCLATURAS 
CUSTOS 
1º 
PERÍODO 
2º 
PERÍODO 
3 º 
PERÍODO 
4 º 
PERÍODO 
EST. INICIAL ELAB. ---...
Gostaria de salientar quanto a aula de ontem em relação as informações que ficaram 
confusas no exercício do capitulo 4, q...
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ – UECE 
2014.1 – DISCIPLINA CONTABILIDADE DE CUSTOS 
05 ª aula – Departamentalização 
A uti...
CIF’S VALORES 
MOI R$ 300.000,00 
MANUT. R$ 180.000,00 
ENERGIA R$ 120.000,00 
ALUGUEL R$ 20.000,00 
DEPRECIAÇÃO R$ 130.00...
Escolhido como critério de rateio dos CIF’s, a MOD deverá ser apresentada pelo seu 
valor consumido em cada departamento, ...
SIMULANDO QUANTIDADES PRODUZIDAS TERÍAMOS: 
PRODUTO 
SEM 
DEPARTAMENTALIZAÇÃO 
COM 
DEPARTAMENTALIZAÇÃO 
FEMININO 
(3.500 ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

departamentalização

491 visualizações

Publicada em

gfgfdfyfhft

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
491
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

departamentalização

  1. 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ – UECE 2014.1 – DISCIPLINA CONTABILIDADE DE CUSTOS 02 ª aula – Termos e conceitos utilizados pela Contabilidade de Custos. 1. UNIDADE I – Conceitos Introdutórios Conceito: É uma técnica utilizada para identificar, mensurar e informar os custos dos produtos e ou serviços. Tem a função de gerar informações precisas e rápidas para a Administração, para a tomada de decisões. Surgimento: Surgiu para atender necessidades emergentes da industrialização, tais como:  Avaliação de inventários, de produtos acabados, dos produtos vendidos, matéria-prima.  Verificar dos resultados obtidos pelas empresas, como conseqüências da fabricação e venda de seus produtos.  Tomar decisões sobre: o que produzir, e quando produzir. Objetivo: Quando surgiu: Avaliar estoques e apurar resultados. Atualmente: Planejar, controlar, e auxiliar na tomada de decisões. Objetivos da Contabilidade Gerencial: Tem por objetivo extrair informações das informações contábeis que ajudem aos administradores no processo de decisão, quais sejam:  Qual o preço de venda a fixar  Comprar equipamento novo, ou reformar;  Quais produtos dão lucro, quais são deficitários;  Verificar capacidade de produção; Objetivos da Contabilidade Financeira: Suprir o gestor de informações quanto a situação financeira e econômica da entidade, através das demonstrações contábeis, onde evidenciam a situação capacidade de honrar os compromissos assumidos e fazer planejamento de investimentos sejam a curto ou a longo prazo.
  2. 2. 2. UNIDADE II – Expressões Utilizadas na Contabilidade de Custos Terminologias:  Gastos: Sacrifício na aquisição de bem ou serviço:  Investimento (MP);  Custo (MOD);  Despesa (Salários)  Investimentos: Gasto na aquisição de bem ou serviço, em função de sua vida útil e retorno futuro.  Matéria-prima – Para utilização futura em produção;  Imóveis – Para arrendamento;  Equipamento – Imobilização;  Custos: Gastos relativos a bem e serviços utilizados na produção de outros bens ou serviços. Todos os gastos relativos à produção.  Aluguel;  Seguro da fábrica;  Depreciação;  Salários dos Operários da Produção  Energia da fábrica;  Despesa: É o consumo de bem ou serviço (não utilizados no processo produtivo) direta ou indiretamente para obtenção de receitas.  Comissão Vendedor;  Salário do pessoal da administração;  Energia Elétrica;  Aluguel  Desembolso: Pagamento resultante da aquisição de bem ou serviço, podendo ocorrer no ato gasto(á vista), ou depois(compras a prazo).  Perda Anormal: Consumo anormal, de forma não voluntária ou intencional, geralmente decorrente de fatores externos.  Roubo;  Incêndio;  Remuneração em período de greve;
  3. 3.  Perda Normal: Faz parte do custo de produção. (“aparas”). Seu valor acaba por ser incluído como parte do custo da matéria-prima. Investimento Custo Despesa Gasto Ativado Gasto Transformação Gasto p/ obtenção de Logo: Gasto Receita Custo: É o gasto que tem a entidade na fabricação do produto. Relação direta com a quantidade produzida. Despesa: É gasto que não está relacionado ao produto, mas ao esforço de colocar esse produto a venda. Não tem relação direta com a quantidade produzida.
  4. 4. 3. UNIDADE III – Classificação dos Custos Os custos de fabricação de produtos, são os custos necessários para a elaboração final desejada, sendo assim definidos:  MOD – Mão de Obra Direta  MD – Materiais Diretos  CIF’s – Custos Indiretos de Fabricação  Uso de Instalações( Depreciação, Aluguel, seguro)  Consumo de materiais Indiretos  Consumo de serviço (energia, água)  Mão de Obra Indireta 3.1 Mão de Obra São recursos econômicos consumidos na forma de trabalho humano, sendo este trabalho desenvolvido na produção de bens e serviços. Classificada em Direta quando perfeitamente identificável ao produto e Indireta quando não possível a identificação direta ao produto, suprindo assim a necessidade produtiva de vários produtos. 3.1.1 MOD  Trabalho direto na produção;  Possibilidade do exato tempo despendido na elaboração do produto; Ex.: Trabalhador que executa tarefas em um só produto 3.1.2 MOI  São os gastos relativos a pessoal que executam trabalho que não são identificados diretamente a um produto. Neste caso o valor econômico relativo a essa mão de obra será rateado. Ex.: Gerente de produção. 3.2 Materiais São elementos corpóreos e com valor patrimonial necessário para elaboração dos produtos e colocá-los a venda. 3.2.1 Diretos: São materiais de fácil identificação ao produto. 3.2.2 Indiretos: Para identificação a um produto devem ser feitos rateios Todos os gastos necessários para colocação dos materiais disponíveis para utilização, deverão ser incorporados ao valor dos materiais, formando assim o
  5. 5. custo de aquisição, ressalvados os descontos incondicionais, impostos recuperáveis, abatimentos.. 3.3 Custo Indiretos de Fabricação - CIF Todos os gastos relativos a produção que não estejam enquadrados na definição de Custo Direto(MOD, MD), serão considerados como Custos Indiretos de Fabricação (CIF). a. Classificação quanto ao nível de atividade  Fixos: São aqueles que permanecem os mesmos valores independentes dos níveis de produção, podendo ser repetitivos ou não.(conta de telefone(NR) e depreciação(R)).  Variáveis: são aqueles, cujos valores variam de acordo com a quantidade produzida (Matéria-prima, embalagens).  Semi-Variáveis: são aqueles, cujos valores só variam a partir de um limite, de acordo com a capacidade de produção (Mão de obra do gerente de produção com extensão de turno).  Margem de Contribuição: Consiste na diferença entre a Receita e o Custo Variável de cada produto, sendo assim o valor que cada unidade do produto traz a empresa para contribuir com pagamento dos custos fixos. Todos os custos podem ser classificados em fixos e variáveis, ou em Diretos e Indiretos, ao mesmo tempo. Despesas somente fixa e variáveis, pois despesa independe da quantidade produzida. b. Outros Conceitos importantes  Custo da Produção: Processo produtivo num determinado tempo.  Custo Primário: Material direto + Mão de obra direta.  Custo de transformação: É o valor do esforço empregado pela empresa no processo de fabricação, sendo determinado pela soma da MOD e os CIF’s.
  6. 6. SETOR PRODUTIVO DEMAIS SETORES CPV Logo: Fábrica Gastos Custos Administração, Marketing, Vendas Gastos Estoque Despesas Resultado Custos são todos os gastos realizados até que o produto fique pronto, e a partir da realização da Receita, todos esses custos se transformam em Custos do Produto Vendido - CPV.
  7. 7. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ – UECE 2014.1 – DISCIPLINA CONTABILIDADE DE CUSTOS 03 ª aula – Exercício básico – Iniciação a Rateio 01ª questão A Cia Pé Rapado apurou os seguintes dados de seu Departamento de Produção: ITENS CONSUMIDOS PRODUTO A PRODUTO B TOTAL MATERIAIS INDIRETOS - - R$40.000,00 MÃO DE OBRA DIRETA R$26.000,00 R$38.000,00 R$64.000,00 MÃO DE OBRA INDIRETA - - R$20.000,00 MATÉRIA PRIMA R$35.000,00 R$51.000,00 R$86.000,00 HORAS DE PRODUÇÃO 2.500 hs 1.500 hs 4.000 hs Informações complementares:  Foi verificada a existência de outros custos Indiretos comuns aos dois Produtos, no total de R$ 23.000,00;  Na campanha de publicidade, ocorreram gastos no montante de R$ 4.500,00 em propagandas diversas(Rádio, televisão),  Foram iniciadas e terminadas 8.000 unidades do Produto A e 7.000 unidades do Produto B. Considerando as informações, calcular o valor unitário de cada produto.
  8. 8. Alguns princípios contábeis relacionados a custos  Realização da Receita: Determina o reconhecimento Contábil do resultado(lucro ou prejuízo) apenas no ato da realização da receita, portanto as indústrias só devem reconhecer a receita quando da transferência do bem produzido, sendo o mesmo estocado até o fato se realizar.  Competência do Exercício: Após o reconhecimento da Receita( no ato da entrega do bem/ serviço), deve-se confrontar todas as despesas e custos relativos a formação da Receita.  Custo Histórico como Base de Valor: Os Ativos devem ser registrados contabilmente por seu valor original de entrada. O problema está no tempo de estocagem e venda deste produto, e no ato da confrontação e apuração de resultado talvez tenha um resultado ilusório, decorrente do efeito da inflação.  Consistência ou Uniformidade: Respeitando os princípios contábeis, dentro de alternativas de registros contábeis, escolhido um critério, o mesmo deve ser utilizado sempre, não podendo mudar o critério a cada período, para não comprometer a consistência das informações. Sendo assim, utilizar mesmos critérios de rateios.  Conservadorismo ou Prudência: Trata-se de uma regra comportamental, portanto em casos que existam dúvidas quanto a custo ou despesa, prevalecer com a decisão mais pessimista, portanto transformando em despesa de forma imediata.  Materialidade ou Relevância: Neste caso desobriga a entidade de tratamento detalhado para itens de valores irrisórios. Procede-se então com o reconhecimento de seu valor total no ato de aquisição como custo, sem necessidade de esperar sua efetiva utilização.
  9. 9. a. Breve comentário sobre avaliação de estoque Os métodos de avaliação de estoque objetivam separar o custo dos produtos, entre os estocados e o que foram vendidos, sendo os mais usados: PEPS (Primeiro a Entrar, Primeiro a Sair): O custo das primeiras compras e produtos para valorar as quantidades vendidas, e determinar o custo do período. UEPS (Ultimo a Entrar, Primeiro a Sair): Neste caso o custo das últimas unidades é que são utilizados para valorar e determinar o custo do período. Ressalte-se que não é aceito pelo Regulamento do Imposto de Renda. PREÇO ESPECÍFICO: Quando o material direto seja adquirido especificamente para uma ordem de produção, portanto fácil de atribuir o valor aos produtos em determinado período. CUSTO MÉDIO PONDERADO: Trata-se em avaliar o estoque através de uma média a cada entrada de novos itens em estoque. Exercício: 1. 05.05.XX - Compra de 100 unidades ao valor total de R$ 1000,00; 2. 07.05.XX – Compra de 50 unidades ao valor total de R$ 600,00; 3. 10.05.XX – Venda de 30 unidades ao valor de R$ 25,00 a unidade; 4. 11.05.XX – Venda de 80 unidades ao valor de R$ 25,00 a unidade; 5. 16.05.XX – Compra de 40 unidades ao valor total de R$ 520,00. Pede-se: CALCULAR O VALOR DO ESTOQUE FINAL PELOS TRÊS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUE ( PEPS, UEPS, MÉDIA) .
  10. 10. 4. UNIDADE IV – OUTRAS NOMENCLATURAS CUSTOS 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3 º PERÍODO 4 º PERÍODO EST. INICIAL ELAB. -------------------- -------------------- 250,00(1/4) R$ 500,00(1/2) MATÉRIA-PRIMA R$ 9.000,00 R$ 10.950,00 R$ 10.350,00 R$ 12.000,00 MÃO OBRA DIRETA R$ 4.500,00 R$ 5.475,00 R$ 5.175,00 R$ 6.250,00 ENÉRGIA R$ 1.500,00 R$ 1.825,00 R$ 1.725,00 R$ 2.250,00 C.PRODUÇÃO PERÍODO R$ 15.000,00 R$ 18.250,00 R$ 17.250,00 R$ 20.500,00 UNIDS PROD. MÊS 15 18,25 17,25 20,5 UNIDS PARA VENDAS 15 21 21 24 UNIDS VENDIDAS 12 17 18 20 CUSTO UNITÁRIO R$ 1.000,00 R$ 1.000,00 R$ 1.000,00 R$ 1.000,00 PR. DE VENDA R$ 1.200,00 R$ 1.200,00 R$ 1.200,00 R$ 1.200,00 CPV R$ 12.000,00 R$ 17.000,00 R$ 18.000,00 --------------- EST. FINAL PRO. ACAB 03 04 3 4 EST. FINAL PRO. ELAB -------------------- R$ 250,00(1/4) R$ 500,00(1/2) -------------------- = REC. VENDAS R$ 14.400,00 R$ 20.400,00 R$ 21.600,00 R$ 24.000,00 (-) CPV (R$ 12.000,00) (R$ 17.000,00) (18.000,00) (R$20.000,00) = L. BRUTO R$ 2.400,00 R$ 3.400,00 R$ 3.600,00 R$ 4.000,00 Custo Produção Período 15(R$15.000,00) 18,25(R$18.250,0) 17,25(R$17.250,00) (20,5)R$20.500,00 Custo Produção Acabada 15(R$15.000,00) 18(R$ 18.000,00) 17(R$17.000,00) (21)R$21.000,00 Produção acabada: De fato acabado dentro do período/ Produção do Período: O que foi produzido
  11. 11. Gostaria de salientar quanto a aula de ontem em relação as informações que ficaram confusas no exercício do capitulo 4, que foram as informações 16,75 e 17,25cm (NO EXERCÍCIO ESTÃO CORRETAS). Ambas informações estão corretas, a confusão ficou por conta da colocação dos itens para evidenciação de cada conceito, pois no quadro reduzi algumas linhas por conta de espaço e ai criou-se os problemas. Portanto: 0,25(restante do período 2) foi transferido para o Período 3; No período 3, foram produzidas 16,75 unidades + 0,5 unidade(que ficou como restante para período 4); LOGO:  CUSTOS DO PRODUTO VENDIDO: Custo apenas das unidades produzidas e vendidas;  CUSTO DO PRODUTO ACABADO: Custo referentes todas unidades de fato terminadas;  CUSTO DE PRODUÇÃO DO PERÍODO: Custo referente a todas unidades trabalhadas no período, independente de finalizados ou não, sendo apenas as finalizadas postas a venda. Logo no 03º período ficam assim as informações:  Custo dos produtos vendido(CPV): 18 unidades  Custo da produção acabada(CPA): 17 unidades (16,75/ no 3º período) + 0,25/veio do 2º período)  Custo de produção do período(CPP): 17,25( 16,75 + 0,50/ que foi para o 4º período)
  12. 12. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ – UECE 2014.1 – DISCIPLINA CONTABILIDADE DE CUSTOS 05 ª aula – Departamentalização A utilização de rateio até então utilizados são formas arbitrárias (necessárias) de alocação de custos, que acabam por gerar distorções na apuração de custos de cada produto. Portanto a ciência contábil procurou novas metodologias para reduzir o subjetivismo e as distorções causadas por esse critério de rateio até então utilizado. Departamentalização É a atividade de combinar tarefas em grupo. Trata-se de uma forma mais elaborada de atribuição de custos por meio de rateio.  Dividir a empresa em departamentos. Ex: Costura, Colagem, Usinagem, Polimento.  Atribuir todos os custos incorridos aos departamentos direta ou indiretamente(Rateio).  Distribuir os custos dos departamentos ao produtos, através de rateio. Na departamentalização ainda será utilizado o rateio, mas a arbitrariedade diminui, por dois motivos:  Alguns custos são indiretos aos produtos, mas são diretos ao departamento. Ex: Furação de dois produtos, sendo A(furo maior), e B (furo menor).  Nem todos os produtos passam por todas os departamentos, e quando passam fazem em proporção diferentes, recebendo então parcela diferenciada de custos destes departamentos. Vejamos exemplo com departamentalização e sem departamentalização Sejam os custos: PRODUTO MÃO OBRA DIRETA % SAP. FEM R$ 1.500,00 30 SAP. MAS R$ 3.500,00 70 TOTAL R$ 5.000,00 100 PRODUTO MATÉRIA-PRIMA % SAP. FEM R$ 32.000,00 40 SAP. MAS R$ 48.000,00 60 TOTAL R$ 80.000,00 100
  13. 13. CIF’S VALORES MOI R$ 300.000,00 MANUT. R$ 180.000,00 ENERGIA R$ 120.000,00 ALUGUEL R$ 20.000,00 DEPRECIAÇÃO R$ 130.000,00 TOTAL R$ 750.000,00 Com base na alocação de custos sem departamentalização, utilizamos apenas nomes dos custos indiretos e diretos, e a Mão de Obra como BASE DE RATEIO. Logo, ficaria o mapa de distribuição de custos conforme segue abaixo: PRODUTO CIF % CUSTOS DIRETOS TOTAL SAP. FEM R$ 225.000,00 30 R$ 33.500,00 R$ 258.500,00 SAP. MAS R$ 525.000,00 70 R$ 51.500,00 R$ 576.500,00 TOTAL R$ 750.000,00 100 R$ 85.000,00 R$ 835.000,00 No caso de departamentalização, precisamos conhecer os Custos Indiretos por departamentos, e neste caso iremos tratar de três departamentos: CORTE, COLAGEM, COLAGEM. CIF’S CORTE COLAGEM COSTURA TOTAL MOI R$ 50.000,00 R$ 100.000,00 R$ 150.000,00 R$ 300.000,00 MANUTENÇÃO R$ 60.000,00 R$ 30.000,00 R$ 90.000,00 R$ 180.000,00 ENERGIA R$ 40.000,00 R$ 10.000,00 R$ 70.000,00 R$ 120.000,00 ALUGUEL R$ 8.000,00 R$ 4.000,00 R$ 8.000,00 R$ 20.000,00 DEPRECIAÇÃO R$ 50.000,00 R$ 20.000,00 R$ 6.000,00 R$ 130.000,00 TOTAL R$ 208.000,00 R$ 164.000,00 R$ 378.000,00 R$ 750.000,00  MOI – Controle de valores gastos em cada setor.  Manutenção – Utilizou-se como critério de rateio os equipamentos em cada setor.  Energia – A empresa possui medidores em cada setor.  Aluguel – O valor do rateio com base na área ocupada por cada departamento.  Depreciação – Valor determinado pelo consumo dos equipamentos de cada departamento, agregando ainda o consumo de uma máquina de colocar etiquetas.
  14. 14. Escolhido como critério de rateio dos CIF’s, a MOD deverá ser apresentada pelo seu valor consumido em cada departamento, para então procedermos com o rateio dos CIF’s usando a proporção de uso de MOD. PRODUTO CORTE % COLAGEM % COSTURA % TOTAL SAP. FEM R$ 300,00 27 R$ 1.050,00 75 R$ 150 6 R$ 1.500,00 SAP. MAS R$ 800,00 73 R$ 350,00 25 R$ 2.350,00 94 R$ 3.500,00 TOTAL R$ 1.100,00 R$ 1.400,00 R$ 2.500,00 R$ 5.000,00 Mapa de apropriação dos custos com Departamentalização Custo Direto Departamentos PRODUTO M. PRIMA MOD CORTE COLAGEM COSTURA TOTAL FEM. R$32.000,00 R$1.500,00 R$ 56.160,00 R$123.000,00 R$ 22.680,00 R$ 235.340,00 MAS. R$48.000,00 R$3.500,00 R$ 151.840,00 R$ 41.000,00 R$ 355.320,00 R$ 599.660,00 TOTAL R$80.000,00 R$5.000,00 R$ 208.000,00 R$164.000,00 R$378.000,00 R$ 835.000,00 Comparação entre os métodos PRODUTO SEM DEPARTAMENTALIZAÇÃO COM DEPARTAMENTALIZAÇÃO % +- FEMININO R$ 258.500,00 R$ 235.340,00 -8,96% MASCULINO R$ 576.500,00 R$ 599.660,00 4,01% TOTAL R$ 835.000,00 R$ 835.000,00
  15. 15. SIMULANDO QUANTIDADES PRODUZIDAS TERÍAMOS: PRODUTO SEM DEPARTAMENTALIZAÇÃO COM DEPARTAMENTALIZAÇÃO FEMININO (3.500 UN.) R$ 73,85 R$ 67,24 MASCULINO (5.000 UN.) R$ 115,30 R$ 119,93

×