Aula Revolta da Chibata

439 visualizações

Publicada em

Principais acontecimentos do evento marcante de 1910!

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
439
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula Revolta da Chibata

  1. 1. Encouraçado MinasGerais, onde teve início a Revolta
  2. 2.  castigos corporais  falta de estrutura para trabalhar, como alimentação ruim, horários de trabalho pesados e a falta de treinamento para os novos navios comprados recentemente da Inglaterra.
  3. 3. • O castigo de 250 chibatadas dado ao marinheiro Marcelino Rodrigues no dia 21/11 por ele ter levado uma garrafa de cachaça a bordo adiantou o levante e os marinheiros tiveram apenas um dia para orquestrar os pontos decisivos do confronto. • Eles tomaram o encouraçado Minas Gerais e mataram seu comandante. Houve posteriormente a adesão dos navios Bahia, São Paulo e Deodoro. •Após tomarem os navios, os marinheiros apontaram os canhões para o Rio de Janeiro e efetuaram disparos de alerta. Houve pânico em toda a cidade, vidraças foram estilhaçadas com o estrondo dos disparos, as pessoas fugiam para o subúrbio para poder ficar mais longe do mar com medo dos disparos. Era o caos total.
  4. 4. Os marinheiros redigiram uma carta para o presidente, e nela consta reivindicações sobre o papel dos marinheiros para a melhoria de suas condições de vida, além do fim da chibata e do "bolo", um outro tipo de castigo físico. O verdadeiro redator da carta continua um mistério, mas alguns pesquisadores atribuem a autoria ao marinheiro Francisco Dias Martins, outros ao Adalberto Ferreira Ribas. Estes dois eram dos poucos marinheiros que sabiam ler e escrever.
  5. 5. "Rio de Janeiro, 22 de novembro de 1910 Il.mo e Ex.mo Sr. Presidente da República Brasileira Cumpre-nos comunicar aV. Ex.a, como Chefe da Nação brasileira: Nós, marinheiros, cidadãos brasileiros e republicanos, não podendo mais suportar a escravidão na Marinha brasileira, a falta de proteção que a Pátria nos dá; e até então não nos chegou; rompemos o negro véu que nos cobria aos olhos do patriótico e enganado povo. Achando-se todos os navios em nosso poder, tendo a seu bordo prisioneiros todos os oficiais, os quais têm sido os causadores da Marinha brasileira não ser grandiosa, porque durante vinte anos de República ainda não foi bastante para tratar-nos como cidadãos fardados em defesa da Pátria, mandamos esta honrada mensagem para que V. Ex. a faça aos marinheiros brasileiros possuirmos os direitos sagrados que as leis da República nos facilita, acabando com a desordem e nos dando outros gozos que venham engrandecer a Marinha brasileira; bem assim como: retirar os oficiais incompetentes e indignos de servir à Nação brasileira. Reformar o código imoral e vergonhoso que nos rege, a fim de que desapareça a chibata, o bolo e outros castigos semelhantes; aumentar o nosso soldo pelos últimos planos do ilustre Senador José Carlos de Carvalho, educar os marinheiros que não têm competência para vestir a orgulhosa farda, mandar pôr em vigor a tabela de serviço diário, que a acompanha. TemV. Ex.a o prazo de 12 horas para mandar-nos a resposta satisfatória, sob pena de ver a Pátria aniquilada. Bordo do encouraçado São Paulo, em 22 de novembro de 1910. Nota: Não poderá ser interrompida a ida e volta do mensageiro. Marinheiros."
  6. 6. "Artigo 1º - É concedida anistia aos insurretos da parte de navios da Armada Nacional, se os mesmos, dentro do prazo que lhes for marcado pelo Governo, se submeterem às autoridades constituídas. Artigo 2º - Revogam-se as disposições em contrário. Rio de Janeiro, 25 de novembro de 1910, 89º da Independência e 22º da República." Os marinheiros aguardaram a anistia sair no Diário Oficial, para ter a certeza que iam ser respeitados em suas medidas, e garantias de nenhuma punição para eles e que pudessem continuar na Marinha, mas de agora de uma forma mais digna.
  7. 7. Manchete do Jornal Correio da Manhã em 27 de novembro de 1910 João Cândido entrega o Minas Gerais ao capitão Pereira Leite
  8. 8.  Desarme dos canhões dos navios que se rebelaram.  Expulsão dos marinheiros revoltosos, entre eles João Cândido e Francisco Dias Martins;  Prisão de marinheiros acusados de novas conspirações.  Revolta no Batalhão Naval.  João Cândido vai para a Ilha das Cobras – Hospício – Ilha das Cobras.
  9. 9.  Antes de se julgar qualquer ex-amotinado, a Marinha já começava a puni-los. Centenas de marinheiros foram deportados para o Pará nos porões do paquete Satélite. A viagem, contudo, terminaria no Acre, onde foram oferecidos para o trabalho nos seringais e na abertura da ferrovia Madeira- Mamoré. A polícia, a Marinha e o Exército aproveitaram a mesma viagem do Satélite para "limpar" a cidade, extirpando todos aqueles que representassem ameaça à ordem e à disciplina: marinheiros, soldados, presos e presas civis. Porém, antes de chegarem ao destino, alguns marinheiros foram fuzilados sob a acusação de estarem tramando uma revolta a bordo do Satélite.
  10. 10.  Mesmo absolvidos, João Cândido e os outros marinheiros foram excluídos da corporação. Perseguido pelos militares, não conseguiu voltar para a Marinha de Guerra, que tanto amava.Tentou entrar na Marinha Mercante, mas quando descobriam quem ele era, João Cândido era "dispensado". Passou a sustentar a família vendendo peixe. Faleceu aos 89 anos, em 1969.
  11. 11.  Toda essa aula foi retirada do excelente site http://chibatas.blogspot.com.br/

×