Aula família real portuguesa no brasil

1.539 visualizações

Publicada em

Principais tópicos da Transferência da Família real Portuguesa.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.539
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
57
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula família real portuguesa no brasil

  1. 1. Chegada Vinda Fuga Da Família Real Portuguesa para o Brasil
  2. 2. Contexto Europeu  Disputas entre França e Inglaterra pela liderança do continente europeu / Em 1806, Napoleão Bonaparte decreta o Bloqueio Continental à Inglaterra;  Portugal, sob o comando do príncipe regente D. João, fica entre a cruz e a espada, pois mantinha relações comerciais de longa data com a Inglaterra.  Em 1807, Napoleão ordenou a invasão de Portugal;  Sem condições de resistir à invasão francesa, D. João e toda a corte portuguesa fugiram para o Brasil, sob a proteção naval da marinha inglesa.  A Inglaterra ofereceu escolta na travessia do
  3. 3.  A corte portuguesa partiu “às pressas” de Lisboa em 29 de novembro de 1807. Na comitiva vinha D. João, sua mãe D. Maria I, a princesa Carlota Joaquina; as crianças D. Miguel, D. Maria Teresa, D. Maria Isabel, D. Maria Assunção, D. Ana de Jesus Maria e D. Pedro, o futuro imperador do Brasil e mais cerca de 15 mil pessoas entre nobres, militares, religiosos e funcionários da Coroa. Trazendo tudo o que era possível carregar; móveis, objetos de arte, joias, louças, livros, arquivos e todo o tesouro real imperial. TRANSFERÊNCIA
  4. 4.  Após 54 dias de viagem a esquadra portuguesa chegou ao porto de Salvador na Bahia, em 22 de janeiro de 1808.  Em 8 de março, desembarcou no Rio de Janeiro, capital da colônia.  A transferência da corte portuguesa para o Rio de Janeiro provocou uma grande transformação na cidade. D. João teve que organizar a estrutura administrativa do governo. Nomeou ministros de Estado, colocou em funcionamento diversas secretarias públicas, instalou tribunais de justiça e
  5. 5. Transformações urbanas  Duas mil residências (as melhores casas) receberam a marca “PR”;  Prédios públicos, quartéis, igrejas e conventos também foram ocupados. A cidade passou por uma reforma geral: limpeza de ruas, pinturas nas fachadas dos prédios e apreensão de animais.  Aumento da população na cidade do Rio de Janeiro, que, por volta de 1820, somava mais de 100 mil habitantes.
  6. 6. Economia  Com a Abertura dos Portos (1808) e os Tratados de Comércio e Navegação e de Aliança e Amizade (1810) estabelecendo tarifas preferenciais aos produtos ingleses, o comércio cresceu. O porto do Rio de Janeiro aumentou seu movimento que passou de 500 para 1200 embarcações anuais.
  7. 7. Melhorias Socioculturais  Em abril de 1808, foi criado o Arquivo Central, que reunia mapas e cartas geográficas do Brasil e projetos de obras públicas. Em maio, D. João criou a Imprensa Régia e, em setembro, surgiu a Gazeta do Rio de Janeiro. Logo vieram livros didáticos, técnicos e de poesia. Em janeiro de 1810, foi aberta a Biblioteca Real, com 60 mil volumes trazidos de Lisboa.
  8. 8.  Criaram-se as Escolas de Cirurgia e Academia de Marinha (1808), a Aula de Comércio e Academia Militar (1810) e a Academia Médico-cirúrgica (1813). A ciência também ganhou com a criação do Observatório Astronômico (1808), do Jardim Botânico (1810) e do Laboratório de Química (1818).  Em 1813, foi inaugurado o Teatro São João (atual João Caetano). Em 1816, a Missão Francesa, composta de pintores, escultores, arquitetos e artesãos, chegaram ao Rio de Janeiro para criar a Imperial Academia e Escola de Belas-Artes. Em 1820, foi a vez da Real Academia de Desenho, Pintura, Escultura e Arquitetura-
  9. 9. O Contexto muda  1815 – Derrota de Napoleão  1815 – Elevação da colônia a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves  1820 – Revolução Liberal do Porto  1821 – Retorno da Família real a Portugal; D. Pedro é deixado como Príncipe Regente

×