Envelhecimento saudável

2.678 visualizações

Publicada em

DR RUBENS DE FRAGA JUNIOR DA DICAS DE COMO ENVELHECER COM SAUDE E QUALIDADE DE VIDA.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.678
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Topic Slide Telomeres are DNA sequences that cap off chromosome ends. They prevent chromosome degradation and inappropriate fusion or recombination. Telomerase is an enzyme that is involved in their formation and maintenance. Targeted disruption of telomerase activity is a conceivable cancer therapy, whereas reactivation of this enzyme might reverse age-dependent changes in replicative potential. Such an approach would presumably have to be tumor specific, since some cancerous cells do not have telomerase.
  • Dato che queste patologie sono età correlate, è lecito affermare che la restrizione calorica sia associata al ritardo del processo dell’invecchiamento.
  • As we age, our brain waves change and we tend to experience less deep sleep. Less time is spent in stages 3 and 4 while there may be longer periods of stage 1 and 2 sleep. In fact, stage 1 sleep can increase as much as 8-15%. Most studies also demonstrate an overall decline in REM sleep. The change in sleep architecture that occurs is associated with the aging process, but the disruptions in sleep are likely due to the impact of medical or psychiatric conditions.
  • The research on volunteers has found that: Older adults (60+) report improved health and life satisfaction, and are more likely to receive greater benefits from volunteering than younger volunteers. Age 65 and up tend to have greater longevity, lower likelihood of depression and heart disease, and higher functional ability. (Sources: The Health Benefits of Volunteering: A Review of Recent Research . CNCS. April 2007; Senior Corps Volunteer Participation: An Effective Means to Improve Life Satisfaction . CNCS. August 24, 2001.) Remind participants that people in need can drain your energy and emotional reserves. Ask: “What might be some signs that indicate that you need to take a break or get some help?” (Possible signs: Grumpiness; feeling stressed and impatient; overly involved with a client; crying or relating personal problems to the client; feeling run down or burnt out; being way over your volunteer hours.) Ask: “What do you need to do to take care of yourself?” Validate responses and then show the next slide.
  • Research article published in the Journals of Gerontology – older adults who engage in more hours of volunteering reported higher levels of well being – did not matter where or how they volunteered. Study found 34.5% of adults age 60+ volunteer and serve an average of 71.5 hours or more a year, When compared to non volunteers, the volunteering adults had better assessments than non volunteers in the areas of general well being, self rated health, and absence of depression. From – Allan Luks – The Healing Power of Doing Good
  • Research studies have been conducted to see if there are health and social benefits to volunteers: longitudinal studies look at volunteers over a period of time, and comparison studies that look at similar groups of volunteers and non-volunteers. Studies found that to receive health benefits, volunteers should serve at least 1 to 2 hours per week. (Source: The Health Benefits of Volunteering: A Review of Recent Research . CNCS. April 2007.)
  • Summarize how volunteering benefits volunteers... First, volunteers serve a certain amount of time regularly. Second, volunteering has a positive effect of social-psychological factors or improved mental health. Third, enhanced sense of purpose or well being can contribute to lower risks of poor physical health. (Source: The Health Benefits of Volunteering: A Review of Recent Research . CNCS. April 2007.)
  • Answer any further questions. Distribute handouts Issue Brief , Additional Resources , and Feedback Survey . Ask participants to complete a feedback survey. Leave them with this quote and thank everyone for coming.
  • Envelhecimento saudável

    1. 1. ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL Rubens de Fraga Junior
    2. 2. RUBENS FRAGA JR, 1962
    3. 3. O ENVELHECIMENTO
    4. 4. QUEM É IDOSO?
    5. 5. NOSSA CULTURA DEIFICA A JUVENTUDE! NO MUNDO OCIDENTAL DE HOJE, A VELHICE É TIDA COMO UMA DOENCA INCURÁVEL, COMO UM DECLÍNIO INEVITÁVEL, QUE ESTÁ VOLTADO AO FRACASSSOFRACASSSO
    6. 6. O QUE LIMITA O IDOSO... O PROCESSO NATURAL DE ENVELHECIMENTO? OU AS DOENÇAS CRÔNICAS?
    7. 7. AS DOENÇAS CRÔNICAS IBGE 2007 52,6 milhões (30 %) de brasileiros tem pelo menos uma doença crônica(DC) 25% destes tem mais de uma DC 74% de todas as mortes no país são relacionadas a DC
    8. 8. O IMPACTO ECONÔMICO GLOBAL EM 2030 O impacto econômico global das cinco principais doenças crônicas - diabetes, câncer, doenças mentais, doenças cardíacas e doenças respiratórias - pode chegar a 47 trilhões de dólares nos próximos 20 anos, segundo um estudo do Fórum Econômico Mundial (WEF). The World Economic Forum 2011
    9. 9. PREVENIR DOENÇAS NÃO TRANSMISSIVEIS EM 2011 Doenças não transmissíveis, como doenças cardíacas, AVE, diabetes, cânceres comuns e doenças crônicas do fígado, rim e respiratórias juntos causam 74% das mortes na Brasil. World Health Organization: NCD Country Profiles , 2011
    10. 10. QUAL O TIPO DE ENVELHECIMENTO TEREI ... COMPROMETIDO ACIDENTAL PLANEJADO “Saudável”
    11. 11. O GIRO DO CÍNGULO ANTERIOR ÁREA CEREBRAL RESPONSAVEL PELO ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL!
    12. 12. ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL CORRIGIR COMPOTAMENTOS POSTERGAR DOENÇAS REDUZIR O ESTRESSE AUMENTAR A REDE SOCIAL
    13. 13. CORRIGIR COMPORTAMENTOS CONTROLAR O USO DO TABACO USO NOCIVO DO ALCOOL INATIVIDADE FÍSICA SOBREPESO E OBESIDADE
    14. 14. CONTROLAR O USO DO TABACO
    15. 15. O CIGARRO PREFERIDO PELOS...
    16. 16. FUMAR SEMPRE TEVE UM CHARME EM FILMES E SHOWS DE TV… ESTRELAS COMO JOHN WAYNE, ROBERT MITCHUM, HUMPHREY BOGART E YUL BRYNNER, TODOS MORRERAM DE CANCER DE PULMÃO!
    17. 17. O FUMÓDROMO
    18. 18. PARAR DE FUMAR É UM PROCESSO
    19. 19. USO NOCIVO DO ALCOOL
    20. 20. O ALCOOL Níveis (mg/dL) Usuário esporádico Bebedor crônico 50 Euforia, desinibição Efeito mínimo 75 Loquacidade Efeito mínimo 100-200 Coordenação e reflexos Comportamento Fala Sonolência e náusea Efeito mínimo Incoordenação leve 200-300 Letargia/torpor, confusão, agressividade Euforia/desinibição Alts. motoras leves 300-400 Torpor e coma Sonolência > 500 Dep. Respiratória Morte Letargia, torpor Morte
    21. 21. CAGE ut-down nnoyed uilty ye-opener C A G E cortar ou parar incomodado culpado “acordar”
    22. 22. A INATIVIDADE FÍSICA
    23. 23. O SOBREPESO E A OBESIDADE
    24. 24. REDUÇÃO DO CONSUMO DO SAL A Organização Mundial de Saúde recomenda 5 gramas, ou uma colher de chá, por dia. Média brasileira é de 12 gramas diárias, uma colher de sopa.
    25. 25. REDUÇÃO DO CONSUMO DE GORDURAS SATURADAS E TRANS
    26. 26. ESQUEÇA!!!
    27. 27. POSTERGAR DOENÇAS... HAS IAM ICC DPOC FA AVC IRC CA 28 44 52 55 56 58 62 70 HAS IAM ICC CA 28 59 67 70
    28. 28. POSTERGAR DOENÇAS...
    29. 29. REDUÇÃO DO ESTRESSE INSÔNIA TENSÃO MUSCULAR PROBLEMAS DE DIGESTÃO AUMENTO DA PA MÃOS FRIAS
    30. 30. SISTEMA DE RESPOSTA AO ESTRESSE
    31. 31. 33 SINDROME DE ADAPTAÇÃO De acordo com Selye, o indivíduo estressado passa por três fases.
    32. 32. AUMENTAR A REDE SOCIAL “Sentir-se útil” (Ter um propósito de vida) Assumir papeis na família e na sociedade Manter-se em atividades produtivas Desenvolver redes sociais (conectar-se)
    33. 33. ENVELHECIMENTO POPULACIONAL Tempo necessário (anos): Idosos (>65 anos) de 7% para 14% Butler, Hyer, Shechter, 1993; IBGE, 2007; SEADE, 2008
    34. 34. POSTERGAR LONGEVIDADE França Japão Dois exemplos recentes de revolução na longevidade em paises industrializados
    35. 35. MUDANÇAS HISTÓRICAS DE SOBREVIDA DOS 90 AOS 100 ANOS NA FRANÇA Calendar Year 1900 1920 1940 1960 1980 2000 PercentSurvivingfromAge90to100 0 1 2 3 4 5 6 Females Males
    36. 36. MUDANÇAS HISTÓRICAS DE SOBREVIDA DOS 90 AOS 100 ANOS NO JAPÃO Calendar Year 1950 1960 1970 1980 1990 2000 PercentSurvivingfromAge90to100 0 2 4 6 8 10 Females Males
    37. 37. Thomas Perls, MD, MPH “NEW ENGLAND CENTENARIAN STUDY” 1 em 10,000 85% mulheres, 15% homens Centenários escapam de doenças letais, e experenciam menos incapacidade de doenças não letais Mulheres tem mais doenças crônicas que os homens Mulheres sobrevivem a estas doenças em taxas maiores
    38. 38. JEANNE CALMENT 1875 - 1977 122 anos e 124 dias de vida 20 anos 40 anos 60 anos 122 anos
    39. 39. JEANNE CALMENT, 122 APRENDEU ESGRIMA AOS 85 ANOS ANDOU DE BICICLETA AOS 100! CANTOU RAP EM CD AOS 121! ESPIRITUOSA E COM BOA MEMÓRIA! FAMOSA POR FALAS ENGRAÇADAS COMO: “EU NUNCA TIVE RUGAS, MAS AGORA TENHO UMA E ESTOU SENTADA SOBRE ELA!”
    40. 40. CENTENÁRIOS NO BRASIL O Censo 2010 apurou ainda que existem 23.760 brasileiros com mais de 100 anos. Bahia é a unidade da federação a contar com mais brasileiros centenários (3.525), São Paulo (3.146) e Minas Gerais (2.597).
    41. 41. COMO SE TORNAR-SE UM CENTENÁRIO ESCOLHA OS PARENTE CERTOS TENHA SORTE EVITE O TABAGISMO COMA POUCAS CALORIAS PRATIQUE UM ESTILO DE VIDA QUE REDUZA DOENÇAS ATEROSCLERÓTICAS E CANCER SENTIDO DA VIDA!!!
    42. 42. COMPONENTES DA VIDA LONGA 50% 30% 20%
    43. 43. E DETERMINANTES ! O SENTIDO DA VIDA A NUTRIÇÃO A ATIVIDADE FÍSICA OS GENES O MEIO AMBIENTE
    44. 44. Em 30% dos casos herdamos a longevidade Sindromes progeróides tem causas genéticas estabelecidas Filhos e netos de centenarios tem melhores sobrevidas GENÉTICA DA LONGEVIDADE
    45. 45. ALGUNS GENES... age-1; daf-23; daf-2, daf-16, daf-18 VIA DO ENVELHECIMENTO DO RECEPTOR INSULÍNICO Clk-1 , Clk-2, clk-3 ALTERAÇÃO DO RELÓGIO BIOLÓGICO Eat-2 RESTRIÇÃO CALÓRICA Sir2 DELEÇÕES REDUZEM LONGEVIDADE
    46. 46. OS TELÔMEROS Celulas envelhecidas com potencial proliferativo exibe encurtamento de telômero e perda da atividade da telomerase. Entretanto a hiperatividade da telomerase esta associada a transformação celular e cancer. O comprimento do telômero e a atividade da telomerase podem ser marcadores clinicos do envelhecimento humano e da oncogenese.
    47. 47. A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL muita verdura, legumes e frutas Fibras solúveis e insolúveis deve ser a base da alimentação Folhas verde escuras e alaranjadas Grãos integrais Pães integrais Carne branca peixe e frango LEITE e derivados
    48. 48. A DIETA MEDITERRÂNEA
    49. 49. O PRATO SAÚDAVEL
    50. 50. A RESTRIÇÃO CALÓRICA Estudos de RC confirmaram a extensão da longevidade em ratos, e macacos que se alimentaram de dieta com redução de 30% da caloria diaria total necessaria versos grupo controle A longevidade de macacos com média de 27 anos chegou a 40 anos Alimentação hipocalórica reduziu sarcopenia e a perda de substancia cinzenta encefalica Science. 2009 Jul 10;325(5937):201-4Science. 2009 Jul 10;325(5937):201-4
    51. 51. “RC” E DOENÇAS CRÔNICAS
    52. 52. A ATIVIDADE FÍSICA Jack Lalane 1914-2011 “A única maneira de ferir seu corpo é não usá-lo “,“A inatividade é o assassino. Lembre-se, nunca é tarde demais.”
    53. 53. A ATIVIDADE FÍSICA Alguma é melhor que nenhuma Jardinagem Caminhadas… Aeróbicos Resistidos Alongamento Equilibrio
    54. 54. AERÓBICO Freqüência: pelo menos 3 dias/semana Intensidade: moderada Tempo: 50 minutos AUMENTAR A A ATIVIDADE FÍSICA
    55. 55. PREVENÇÃO DA SARCOPENIA E DINAPENIA EXERCÍCIOS RESISTIDOS
    56. 56. O SONO ADEQUADO
    57. 57. O SONO DO IDOSO
    58. 58. O SONO DO IDOSO Com o envelhecer, a proporção do tempo total de sono gasto nos estágios profundos 3 e 4 não-rem diminui O idoso tende a ter mais dificuldade de adormecer e sustentar o sono que os mais jovens O idoso tende a adormecer mais cedo e acordar também mais cedo
    59. 59. O SONO ADEQUADO manter uma rotina diária repousar 7 a 9 horas por noite não dormir demais ou de menos sesta após o almoço (< 1 hora)
    60. 60. A MEMÓRIA
    61. 61. TREINAMENTO COGNITIVO CONCENTRAÇÃO : é preciso focar a atenção naquilo que desejamos memorizar e dispender o tempo de 4 a 8 segundos IMAGEM : Crie uma imagem mental ASSOCIAÇÃO: Devemos associar, ligar o novo ao velho
    62. 62. José Marta Raquel Sonia Rafael Manoel
    63. 63. A MEMÓRIA Pratique o processo CIA Quanto maior a clareza do processo de retenção da informação , mais fácil relembrá-larelembrá-la
    64. 64. O RELAXAMENTO descanso contraturas hiperexitabilidade ansiedade instabilidade rigidez
    65. 65. RELAXAR!!!
    66. 66. A SEXUALIDADE
    67. 67. SEXUALIDADE Intimidade : qualidade de íntimo íntimo : cordial e afetuoso; Estreitamente ligado a afeição e confiança
    68. 68. SEXUALIDADE IDENTIDADE PESSOAL SAÚDE SENSO DE BEM ESTAR ELA É IMPORTANTE?
    69. 69. A APOSENTADORIA
    70. 70. Baseado em William Bridges e Dr. Nancy K. Schlossberg TRABALHOTRABALHO APOSENTADORIAAPOSENTADORIA RAIVARAIVA TRISTEZATRISTEZA Reinvestir emReinvestir em NovasNovas atividadesatividades DEPRESSÃODEPRESSÃO CriatividadeCriatividade UMA TRANSIÇÃO… ZONA NEUTRAZONA NEUTRA TÉRMINO) TÉRMINO) NOVORECOMEÇO ExploraçãoExploração RepousoRepouso SATISFAÇÃOSATISFAÇÃO MEDO
    71. 71. Fase 1: Fantasia • Começa 3 a 5 anos antes da aposentadoria • Consiste em: – Sonhar sobre a aposentadoria – Planejar a aposentadoria – Explorar novas opções que se tornam disponíveis quando a aposentadoria começar. SOURCE: “Making the Most of Retirement” by Dwight L. Adams
    72. 72. Fase 2: Excitação • Início 1 ½ anos antes da aposentadoria • Com a data para se aposentar confirmada, duas coisas acontecem : – Planejamento mais detalhado da aposentadoria – Começa a obter mais dados, como salário, benefícios e planos de saúde
    73. 73. Fase 3: Estresse • Inicia na data da aposentadoria • Familiares e amigos devem ficar atentos as pressões e estresse do novo aposentado
    74. 74. Fase 4: Lua de mel • Continua pelos primeiros 2 anos de aposentadoria • Tempo de iniciar ou descartar novos projetos, aproveitando a liberdade da aposentadoria
    75. 75. Fase 5: 3 Rs • Rotina • Repouso • Relaxamento O aposentado aceitou e está adaptado
    76. 76. Fase 6: Desencanto Se inicia 4 a 6 anos após o início da aposentadoria: – O aposentado passa a sofrer de baixa auto-estima – O aposentado passa a sentir necessidade de aumentar sua produtividade – Aparece a pergunta “Quem eu sou?”
    77. 77. Fase 7: Reorientação • Se inicia 6 a 8 anos depois • Aprende a aceitar e desfrutar dos papeis da aposentadoria • Desenvolve um novo senso de auto-estima e novos objetivos
    78. 78. Fase 8: Contentamento A fase final O aposentado se fixa a uma rotina confortável!
    79. 79. UM APOSENTADO BEMUM APOSENTADO BEM SUCEDIDO…SUCEDIDO… 1.1. Planeja a sua aposentadoriaPlaneja a sua aposentadoria 2.2. É otimistaÉ otimista 3.3. Aceita as mudançasAceita as mudanças 4.4. Investe nos relacionamentosInveste nos relacionamentos 5.5. Desfruta dos momentos de lazerDesfruta dos momentos de lazer 6.6. Investe na sua saúdeInveste na sua saúde 7.7. Tem uma paixãoTem uma paixão 8.8. SENTIDO DE VIDA!SENTIDO DE VIDA! Fonte: Retirement Rx by Frederick Fraunfelder, M.D. and James H. Gilbaugh, Jr.,M.D.
    80. 80. O VOLUNTARIADO COMO INSTRUMENTO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO
    81. 81. Giving & Volunteering Research Conference 2009 BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE Evidências crescentes da literatura sugerem que o voluntariado aumenta ou mantem a saúde especialmente na terceira idade Os voluntários são mais propensos a relatarem boa saúde física, menos doenças crônicas e boa saúde mental. Voluntários vivem mais que os não-voluntários
    82. 82. Giving & Volunteering Research Conference 2009 TRÊS ARGUMENTOS Hipótese do prazer em doar-se: o voluntariado produz ação fisiológica anti- estresse(diminui cortisol e adrenalina) Hipótese do tamanho da rede social: o voluntariado constroi redes sociais que podem ser evocadas quando necessárias Hipótese da personalidade forte: O voluntariado aumenta o bem estar psicológico que dá suporte à saúde
    83. 83. ESTUDO LONGITUDINAL DE ENVELHECIMENTO DE AMSTERDAM (LASA) Estudo com amostragem aleatória de idosos na Holanda: entre 1992 e 1993. Coleta de informações,  elaboradas em critérios objetivos e subjetivos do estado de saúde, religião, personalidade, nível sócio-econômico, as redes sociais e engajamento em associações voluntárias. Os entrevistados foram re-entrevistados a cada três anos, salvo se incapazes ou mortos
    84. 84. DESENVOLVIMENTO DA SAÚDE SUBJETIVA 3,3 3,4 3,5 3,6 3,7 3,8 3,9 4 4,1 4,2 4,3 1992 1995 1998 2001 2003 never quit joined sustained
    85. 85. RISCO DE MORTALIDADE 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 1998 2001 2003 never 92-95 quit 92-95 joined 92-95 sustained 92-95
    86. 86. 96 RESULTADO DAS PESQUISAS Voluntários acima de 65 anos tendem ter um aumento da longevidade, baixo risco de depressão e doença cardíaca e alta capacidade funcional.
    87. 87. VOLUNTARIADO REDUZ MORTALIDADE EM IDOSOS Health Psychology: American Psychological Association 2011
    88. 88. BENEFICIOS Niveis aumentados de bem-estar Um sentimento de “estar saudável” Aumento da energia Melhora do sono Redução das dores Aumento da temperatura corporal Sistema cv saudável
    89. 89. 99 HORAS TRABALHADAS O Voluntário deve servir entre 1 a 2 horas por semana, ou cerca de 100 horas por ano para receber os benefícios para a saúde.
    90. 90. 100 BENEFICIOS PARA A SAÚDE DO IDOSO 2) Efeito positivo em fatores psicológicos e sociais (P.ex senso de propósito) 3) Baixo risco de doenças crônicas 1) Voluntariado 100 HS/ANO
    91. 91. RESULTADOS… Descobertas sobre os benefícios da saúde do voluntário indicam ... Que o próprio ato de voluntariado pode permitir que os indivíduos idosos mantenham sua independência e autonomia a medida que envelhecem e enfrentarão melhor as doenças crônicas.” The Health Benefits of Volunteering: A Review of Recent Research. CNCS. April 2007.
    92. 92. DR. HOUSE
    93. 93. DR. FRAGA
    94. 94. SEPARADOS NO NASCIMENTO Ingles, Alto Boa aparência, Aristocratico Viciado em analgésicos Espirituoso Loquas Olhos azuis Brasileiro, Alto Boa aparência, aristocrático Viciado em boa comida Espirituoso Loquas Olhos negros
    95. 95. Diagnostica,Diagnostica e Diagnostica Multiplos sintomas=Um diagnóstico Péssimo comunicador Sórdido e Sem Tempo Paciente = Alguem para se fazer testes Equipe= Empregados Não gosta de pacientes e Familias APENAS TRATA PACIENTES O GERIATRA Diagnostica,Avalia função, Cuida Um sintoma = Multiplos problemas Grande comunicador Legal & Com Tempo Paciente = Pessoa Trabalha com uma Equipe Adora pacientes e familias CUIDA E REALIZA INTERVENÇÕES DE PREVENÇÃO O ANTI-GERIATRA
    96. 96. A PREVENÇÃO O TRATAMENTO MEDICINA CONVENCIONAL A PREVENÇÃO MUDANÇAS DO ESTILO DE VIDA PROMOÇÃO DA SAÚDE
    97. 97. A QUEM VOCE ENCAMINHARIA UM PACIENTE PARA ORIENTAR INTERVENÇÕES DE PROMOÇÃO DA SUA SAÚDE?
    98. 98. VACINAS Pneumocócica repetir a cada 5 Anos Influenza Anualmente Tétano reforço a cada 10 Anos Herpes zoster Uma vez
    99. 99. DIABETES dieta, controlar o peso, exercício físicos, Controle da glicemia
    100. 100. A TIREÓIDE Realizar TSH anualmente
    101. 101. OSTEOPOROSE 19591959 1996199619891989 INGER LUNDEGAARDH
    102. 102. A OSTEOPOROSE exercícios físicos, cálcio na dieta, densitometria óssea
    103. 103. HIPERTENSÃO ARTERIAL Dieta com pouco sal, exercícios físicos, redução do estresse, aferir a PA
    104. 104. ATEROSCLEROSE 1 NASCE UMA PLACA Particulas do LDL são acumuladas na parede da artéria. 2 Na intima da artéria os monócitos se transformam em macrófagos, junto com os linfócitos T produzem marcadores inflamatórios como citocinas. 3 Macrófagos fagocitam o LDL e tornan-se as células em esponja que iniciam a formação da placa de ateroma.GORGURA SATURADAS Nicotina INATIVIDADE OBESIDADE
    105. 105. 4 PLACA FIBROSA 5 RUPTURA DA PLACA ATEROSCLEROSE
    106. 106. ATEROSCLEROSE Não fumar, controlar O colesterol, Realizar Atividades Físicas regulares
    107. 107. A MAMA Mamografia e Ecografia Realizada anualmente
    108. 108. A PRÓSTATA Toque retal anual após 45 anos PSA anual após 45 anos
    109. 109. OS INTESTINOS Pesquisa de sangue oculto nas fezes anualmente após 50 anos, com ou sem colonoscopia
    110. 110. FINALIZANDO...
    111. 111. AREAS AZUIS The Blue Zones: Lessons for Living Longer From the People Who've Lived the Longest . Dan Buettner . 2008
    112. 112. THE BLUE ZONE DAN BUETTNER Sardenha Vinho tinto Queijo e leite de cabra Dieta com verduras, frutas e peixe Loma Linda, Adventistas Nozes Dieta vegetariana com jantar “leve” Bebem muita agua
    113. 113. THE BLUE ZONE Okinawa, JapãoOkinawa, Japão hara hachi buhara hachi bu : pare de comer quando estiver: pare de comer quando estiver 80% cheio80% cheio Dieta com verduras, frutas e sojaDieta com verduras, frutas e soja Costa RicaCosta Rica Agua rica em calcioAgua rica em calcio Refeição principal pela manhãRefeição principal pela manhã Tortilhas de milho, feijõesTortilhas de milho, feijões Pouca carnePouca carne
    114. 114. LONGEVIDADE EXCEPCIONAL OSCAR NIEMEYER, 103 anos
    115. 115. SUAS FRASES... "Centenário é o cace..." "Alcançar essa idade é uma mer..., mas é bom." "A arquitetura não tem importância. A vida que é importante".
    116. 116. MOVIMENTE-SE NATURALMENTE! RELAXE! COMA COM SABEDORIA! REDE SOCIAL FÉ TRIBO!
    117. 117. O OTIMISMO… UM TRAÇO DE PERSONALIDADE COMUM A TODOS OS CENTENARIOS
    118. 118. MUITO OBRIGADO PELA SUA ATENÇÃO!!!
    119. 119. GERIPAR@HOTMAIL.COMGERIPAR@HOTMAIL.COM RUBENS DE FRAGA JÚNIOR

    ×