1a aula envelhecimento pptx

1.225 visualizações

Publicada em

Gerontologia

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.225
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
58
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1a aula envelhecimento pptx

  1. 1. Módulo disciplinar: Recursos Terapêuticos em Gerontologia Profa. MSc. Mônica Barroso Martins ESPECIALIZAÇÃO EM GERONTOLOGIA E FAMÍLIA
  2. 2. Processo de Envelhecimento O Envelhecimento BiopsicossocialP R E C U R S O R E S Platão: visão intimista e individualista da velhice e como se preparar para esta fase ainda na juventude; Aristóteles: Dividiu a vida em 04 fases. Encara a velhice como uma enfermidade normal; Cícero: evoca as realizações de personagens durante a velhice; Sêneca: a velhice é uma doença incurável que leva à decrepitude física e mental; Bacon: a vida humana se prolongaria à medida em que a higiene e outras condições sociais e médicas melhorassem; Quetelet: é o primeiro a expressar o ciclo da vida pelo nascimento, envelhecimento e morte; Stanely May: descreveu os efeitos da natureza nas funções do envelhecimento; Pavlov: redução da condutividade das vias nervosas.
  3. 3. Introdução: a perspectiva histórica A visão do envelhecimento sofreu modificações com o passar dos séculos; Fenômeno é relativamente recente (envelhecer não era comum); Revisão: Simone de Beauvoir (1970) - “A Velhice”; Idade Média: idades entre 30 e 40 anos (guerras, precárias condições de higiene e deficiências alimentares); Renascença: desenvolvimento cultural, científico e artístico; envelhecimento mesma visão da Idade Média (mulher velha: feiticeiras).
  4. 4. PERSPECTIVA HISTÓRICA A Expectativa média de vida: 1801: 30 anos; 1913: 48 anos para os homens e 52 anos - diferenças marcantes segundo as classes sociais. Século XIX: aumento do número de idosos (progresso científico da Medicina); No Oriente: tratamento diferenciado aos mais velhos (mesmo que não houvesse um grande número); Século XX início do XXI: intenso aumento da população de idosos, no mundo e no Brasil. (Perrot, 1991)
  5. 5. ASPECTOS DEMOGRÁFICOS DO ENVELHECIMENTO Fenômeno do envelhecimento populacional = tendência mundial NO MUNDO: - 1950: 204 milhões de idosos. - 1998: 579 milhões de idosos. - 2025: 810 milhões de idosos. - 2050 deverá haver no mundo 1 bilhão e 900 milhões de pessoas idosos. (ONU) NO BRASIL: ATUALMENTE: 24.800.000 de homens e mulheres idosos (Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio (PNAD/2012). - 2025 haverá 32 milhões de idosos.
  6. 6. A Velhice Como Questão Social  Gerontologia: a partir da década de 40 - novo impulso;  Pesquisas: questionando visões preconceituosas  Preconceito: caráter necessariamente involutivo da velhice e a criação de um modelo deficitário do desenvolvimento mental na vida adulta (Néri, 1995)
  7. 7. Alguns fatores que dificultam pensar na velhice: 1. O Brasil está envelhecendo rapidamente e essa velocidade na mudança do seu perfil demográfico, ou seja, paradigmático, dificulta a necessária revisão de conceitos e de valores na sociedade ; 2. Associação da velhice com a morte. 3. Cultura relacionada com a morte conflituosa.
  8. 8. Conceitos: Envelhecimento e Velhice Envelhecimento é um processo de vida que começa a partir do momento que nascemos, Velhice é a última etapa da vida que pode ser mais ou menos retardado consoante o indivíduo e a sua trajetória de vida.
  9. 9. ENVELHECIMENTO “O envelhecimento humano representa a última fase de um processo dinâmico de desenvolvimento que tem início na concepção e prossegue ao longo da vida do indivíduo, ou seja, nascer é começar a envelhecer, mais notória nas últimas fases de vida resultante da destruição dos tecidos ou sistemas orgânicos que leva a uma evolução biológica e psicológica responsável pela quebra de poder de sobrevivência e adaptação ao indivíduo”. (Fernandes, 2002)
  10. 10. ENVELHECIMENTO É também um processo complexo resultante da interação entre fatores:  Biológicos  Psicológicos  Sociais e  Espirituais.
  11. 11. VELHICE A velhice é considerada uma condição complexa (MERCADANTE, 2005) e total (BEAUVOIR, 1990), que envolve não apenas questões biológicas mas também sociais. O que define o sentido e o valor da velhice: “é o sentido atribuído pelos homens à existência, é o seu sistema global de valores” (Beauvoir, 1990)
  12. 12. A estrutura psicológica social – soma de todas as experiências culturais, históricas, políticas religiosas, exerce uma função compreensiva no comportamento do homem, que se deve libertar mediante o amadurecimento pessoal, característicos das heranças atávicas. (Ângelis, 1990)
  13. 13. O QUE VALORIZAMOS? O envelhecimento ou velhice? A valorização de um fato, de um bem, de um momento, de uma pessoa, depende de como de como se interpreta para si mesmo esse fato, esse bem, esse momento, essa pessoa.
  14. 14. TRABALHO AVALIATIVO - INDIVIDUAL • CONSIDERAÇÕES SUBJETIVAS • TEXTO PARA ANÁLISE: RESENHA: VALE A PENA ENVELHECER?
  15. 15. “Dar espaço ao idoso em seu próprio ser não é uma tarefa fácil. A velhice está escondida não somente de nossos olhos, mas muito mais de nossos sentimentos. No mais profundo de nós mesmos, vivemos a ilusão de que sempre seremos os mesmos. Nossa tendência não é de somente negar a existência real do idoso, mas também o idoso que está despertando dentro de nosso próprio ser”. (Pessine, 1992)
  16. 16. TEORIAS DO ENVELHECIMENTO
  17. 17. TEORIAS DO ENVELHECIMENTO FISIOLÓGICA S Deterioração orgânica: os sistemas se desgastam pela utilização no tempo; Imunológica: diminuição de proteção imunológica do organismo com maior suscetibilidade a agentes externos e internos; Estresse: tensões sucessivas durante a vida leva a uma redução na capacidade de respostado organismo.
  18. 18. BIOQUÍMICAS E METABÓLICAS Acumulação de resíduos: o organismo começa a acumular corpos pigmentados, como a lipofucsina em células nervosas e músculos estriados; Radicais livres: dietas hipercalóricas ocasionam a aparição de determinadas enfermidades por “oxidação” do organismo. TEORIAS DO ENVELHECIMENTO GENÉTICA Acumulação de erros: a perda da seqüência de DNA daria origem à deterioração orgânica. Cada organismo ainda apresentaria uma Expectativa de Vida Máxima Potencial.
  19. 19. ASPECTOS ORGÂNICOS DO ENVELHECIMENTO
  20. 20. CÉLULA S-Diminuição do peso; -Retardo da divisão e crescimento celular; -Diminuição gradual no número de células; -Aumento do tecido adiposo. PELE -perda da elasticidade e hidratação; -aparição de rugas; -atrofia das glândulas sudoríparas e sebáceas; -Menor vascularização com maior tempo de cicatrização; -palidez aumento de manchas cutâneas. ASPECTOS ORGÂNICOS DO ENVELHECIME
  21. 21. CABELO -Diminuição da velocidade de crescimento; -perda de coloração; -aumento do pelo facial no rosto das mulheres e orelhas dos homens; -redução dos pelos pubianos. UNHAS -crescimento mais lento; -fragilidade e dureza, sobretudo nos pés; -estrias longitudinais. ASPECTOS ORGÂNICOS DO ENVELHECIMENTO
  22. 22. OSSOS -redução e desmineralização óssea; -alteração do equilíbrio, marcha e alinhamento corporal; -descompensação do triângulo de sustentação corporal; -redução da estatura por perda de água das fibrocartilagens; -Cifose dorsal; ASPECTOS ORGÂNICOS DO ENVELHECIMENTO
  23. 23. MÚSCULO S -perda gradual de força; -Redução da massa muscular; -Tensão muscular diminuída. ASPECTOS ORGÂNICOS DO ENVELHECIMENTO
  24. 24. ARTICULAÇÕES -Deterioração das superfícies articulares; -Diminuição da estatura em 1cm/10 anos, em função da acomodação da coluna; -Alteração na curvatura da coluna. Cifose torácica; -Desidratação do tecido cartilaginoso; -Crescimento ósseo irregular nas bordas das articulações; -Transferência do centro de equilíbrio do umbigo para a sínfise púbica ASPECTOS ORGÂNICOS DO ENVELHECIMENTO
  25. 25. CORAÇÃO E VASOS -O coração sofre um processo de atrofia e esclerose; -Diminui e peso e volume; -A elasticidade dos vasos diminui; -Aumentam os depósitos calcáreos nas paredes vasculares; -A aorta aumenta seu calibre e volume, comportando- se como um tubo rígido. PULMÃO -Diminui o peso e volume, com menor distensão; -Redução do número de alvéolos; -Diminuição da capacidade pulmonar. ASPECTOS ORGÂNICOS DO ENVELHECIMENTO
  26. 26. URINÁRIO -Perda da capacidade de concentração de urina; -Redução do número de néfrons, -Esclerose dos glomérulos e aumento do tecido intersticial. ASPECTOS ORGÂNICOS DO ENVELHECIMEN
  27. 27. DIGESTIVO Anatômica -Perda de dentição; -Desidratação das gengivas; -Redução na produção de saliva; -Atrofia da mucosa gástrica; -Redução do tônus muscular na parede abdominal; -Diminuição do fígado; -Atrofia do intestino grosso. ASPECTOS ORGÂNICOS DO ENVELHECIMENTO Funcional -Dificuldade de mastigação; -Redução na diluição do alimento; -Redução na produção de ácido clorídrico; -Redução da motilidade gástrica -Hipoperistaltismo.
  28. 28. GENITAIS Mulheres -Redução dos pêlos pubianos; -Atrofia da mucosa vaginal; -Diminuição do tamanho da vulva, lábios menores e clitóris; -Encurtamento da vagina; -Diminuição da secreção hormonal. Homens -Redução dos pêlos pubianos; -Distensão da bolsa escrotal; -Diminuição do tamanho dos testículos; -Aumento do tamanho da próstata. ASPECTOS ORGÂNICOS DO ENVELHECIMENTO
  29. 29. NERVOSO -Diminuição do tamanho e peso do cérebro; -Perda da função neuronal; -Diminuição generalizada do movimento; -Aparecimento de ligeiro tremor senil; -Alteração das características dos sonhos; -Diminuição da sensibilidade. ATROFIA -Diminuição do peso e volume dos órgão; -Diminuição da contenção hídrico; -Aumento do tecido conectivo; -Redução da vascularização capilar. ASPECTOS ORGÂNICOS DO ENVELHECIMENTO
  30. 30. SABOR E OLFAT O -Redução do rubor dos lábios; -Diminuição do número de papilas gustativas; -Adelgamento das membranas mucosas; -Atrofia da língua; -Fragilidade dental; -Degeneração do nervo olfativo; -Aumento do tamanho do nariz; -Proliferação de pelos rígidos nas fossas nasais. VIST A -Diminuição da acuidade visual; -Arco senil; -Atrofia da musculatura palpebral; -perda da elasticidade cutânea; -Palidez das conjuntivas; -Aumento do cristalino; -Redução da secreção lacrimal. ASPECTOS ORGÂNICOS DO ENVELHECIMENTO
  31. 31. AUDIÇÃO -Perda da acuidade auditiva; -Degeneração do nervo auditivo; -Aumento do tamanho do pavilhão auditivo; -Engrossamento da membrana do tímpano; -Proliferação de pêlos; -Depósito de cera. ASPECTOS ORGÂNICOS DO ENVELHECIMENTO
  32. 32. PERGUNTA-SE: • QUAL A MINHA POSIÇÃO (PROFISSIONAL) DIANTE DOS ASPECTOS CITADOS SOBRE A VELHICE? • POSSO CONTRIBUIR DE ALGUMA FORMA PARA ESSA POPULAÇÃO? • COMO?

×