Observação em contexto educativo - pré-escolar

6.877 visualizações

Publicada em

Observação em contextos educativos, nomeadamente numa sala de pré-escolar.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.877
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
175
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Observação em contexto educativo - pré-escolar

  1. 1. Rita  Brito  l  britoarita@gmail.com   Materiais  de  Matemá5ca  no  Pré-­‐Escolar   Observação  em  Contextos  Educa5vos  
  2. 2. A  observação   -­‐   Definição  de  Observação  e  Observador;       -­‐   Observar  para  quê?   -­‐   Observação  Direta:       -­‐   Observação:       -­‐   Par5cipante   -­‐   Não  par5cipante   -­‐   Estruturada   -­‐   Semi-­‐estruturada   -­‐   Não  estruturada  
  3. 3. OBSERVAÇÃO,  O  QUE  É?  
  4. 4. O  que  é  a  observação?   “Acto  ou  efeito  de  observar;  reflexão  explica5va;  consideração   atenta  de  um  facto  para  o  conhecer  melhor.”     (Grande  Enciclopédia  Universal,  Vol.  14,  p.  9493.)     “A  observação  é  uma  etapa  intermédia  entre  a  construção  de   conceitos  e  das  hipóteses  e  o  exame  dos  dados  u5lizados  para  as   testar.”   (Quivy  et  al,  1998,  p.  163)     Permite  a  observação  e  registo  de  afirmações  não  verbais,  de   prá5cas  rituais  de  cariz  cultural  e  social,  bem  como  da  interação   social  verificada.   (Quivy  &  Campenhoudt,  1998)  
  5. 5. O  que  é  a  observação?   Exame  minucioso  ou  mirada  atenta  sobre  um  fenómeno  no  seu   todo  ou  em  algumas  das  suas  partes.     É  um  olhar  sustentado  por  uma  questão  ou  suposição.     “A  observação  torna-­‐se  uma  técnica  ciengfica  à  medida  que  serve   a  um  obje5vo  formulado  de  pesquisa,  é  sistema5camente   planeada  e  ligada  a  proposições  mais  gerais  e,  em  vez  de  ser   apresentada  como  conjunto  de  curiosidade  interessantes  é   subme5da  a  verificações  e  controles  de  validade  e  precisão.”   (Sell5z  et  al.,  1987,  s/p)  
  6. 6. O  que  é  a  observação?   “Aquele  que  observa;  cumpridor;  respeitador;  crí5co;   sensor;  curioso  e  espectador.”   (Grande  Enciclopédia  Universal,  Vol.  14,  p.  9493.)   Observador  
  7. 7. Observar  para  quê?   A  observação  desempenha  um  papel  fulcral  em  qualquer   metodologia  de  inves5gação.  Saber  observar  cons5tui  uma  etapa   essencial  na  iniciação  do  inves5gador.     Em  termos  educacionais,  o  professor  deve  ser  capaz  de  observar   para  recolher  e  organizar  criteriosamente  a  informação  e  para  se   adaptar  con5nuamente  aos  elementos  que  fazem  parte  da  sua   inves5gação.     A  formação  do  observador  é  um  aspeto  essencial  para  a  obtenção   de  dados  úteis  e  significa5vos.  
  8. 8. Observação  –  principais  vantagens  e  desvantagens   Vantagens   • Apreensão  dos  comportamento  e   dos  acontecimentos  no  próprio   momento  em  que  se  produzem;   • Melhor  compreensão  do  meio;   • Recolha  de  comportamentos  e   a5tudes  espontâneas;   • Colheita  de  informação  que  não  é   acessível;   • Auten5cidade  rela5va  aos   acontecimentos;   • Visão  de  factos  não  informados   (verificar  dados  fornecidos  pelos   informantes  e  complementar   dados  ob5dos  por  outros  meios).   Desvantagens   •  Método  de  recolha  de  dados   longo;   •  Poder  ser  um  método   subje5vo;   •  Aspetos  relacionados  com  a   é5ca;   •  Exige  treino.  
  9. 9. Observação  direta   OBSERVAÇÃO  DIRETA     É  o  único  método  em  inves5gação  que  capta  no  momento  os   comportamento  em  si  mesmos,  sem  a  mediação  de  qualquer   documento  ou  testemunhos  (Quivy  &  Campenhoudt,  2003).   O  ato  de  observar  é  um  ato  aberto,  surge  das  hipóteses  que  levamos   para  o  terreno,  portanto,  é  um  ato  in  loco  e  in  vivo.   O  inves5gador  procura  ser  testemunha  dos  comportamentos  sociais   dos  indivíduos/grupos  nos  próprios  locais  das  suas  a5vidades  ou   residências  sem  lhes  alterar  o  seu  ritmo  normal.  
  10. 10. Observação   OBSERVAÇÃO   De  acordo  com  a  par5cipação   do  observador     Par5cipante   Não  par5cipante   De  acordo  com  a  estrutura  da   observação   Estruturada   Semi-­‐estruturada   Não  estruturada  
  11. 11. Observação  direta  -­‐  par5cipante   OBSERVAÇÃO  PARTICIPANTE     Usualmente  seguida  quando  se  pretende  estudar  uma   comunidade  durante  um  longo  período  de  tempo,  par5cipando   na  vida  cole5va.     Permite  a  interação-­‐inserção,  ou  seja,  a  intersubje5vidade-­‐ empa5a  ou  diálogo  entre  dois  sujeitos.   Inserção  do  inves5gador/a  no   grupo  ou  comunidade  ,  toma  parte   do  seu  quo5diano,  procura   compreender  o  processo  como   insider  e  descrever  essa  experiência   para  os  outsiders  (trabalho  de   campo).  
  12. 12. Observação  direta  -­‐  par5cipante   OBSERVAÇÃO  PARTICIPANTE   A  observação  par5cipante  é  o  método  de  recolha  de  dados  mais   u5lizado  na  metodologia  qualita5va.     A  observação  oferece  informação  sobre  os  comportamento  dos   sujeitos.  A  observação  par5cipante  consiste  em  “recolher  dados   através  da  observação  sobre  os  fenómenos  em  estudo  (Merriam,   1991,  p.  87),  o  que  implica  que  o  inves5gador  “em  primeiro  lugar  se   envolva  no  contexto  social  que  escolheu  estudar”  Marshall  &  Rossman,   1989,  p.  79).  
  13. 13. Observação  direta  -­‐  par5cipante   OBSERVAÇÃO  PARTICIPANTE   Posicionamento  do  inves5gador  como  observador:     -­‐  O  inves5gador  coloca-­‐se  na  posição  dos  observados  que   fazem  parte  do  estudo;   -­‐  O  grau  de  envolvimento  do  inves5gador  perante  quem  está  a   ser  observado  pode  variar  bastante;   -­‐  O  observador  pode  trabalhar  a  descoberto  ou  pode  disfarçar   os  seus  obje5vos;   -­‐  A  par5r  de  todos  os  dados  recolhidos,  o  observador  obtém   um  conjunto  de  informações  que  lhe  permi5rá  dar  um   sen5do  áquilo  que  está  a  ser  estudado.  
  14. 14. Observação  direta  -­‐  par5cipante   OBSERVAÇÃO  PARTICIPANTE   Vantagens   •   Garante  uma  informação   rica  e  profunda;   •   Permite  flexibilidade  ao   inves5gador;   • Realiza-­‐se  em  contacto   direto  do  observador  com  o   fenómeno  observado;   • Recolhem-­‐se  mais  dados  que   podem  ser  potencialmente   importantes  e  úteis.   Desvantagens   • Com  o  aumento  do  nível  de   par5cipação  o  observador   pode  perder  a  subje5vidade;   • A  presença  do  observador   pode  influenciar  a  situação,   perdendo-­‐se   espontaneidade  e  rigor.  
  15. 15. Observação  direta  –  não  par5cipante   OBSERVAÇÃO  NÃO  PARTICIPANTE     O  observador  não  está  diretamente  envolvido  na  situação  a   observar,  isto  é,  não  interage  nem  afeta  de  modo  intencional,  o   objeto  de  observação.   Os  sujeitos  não  sabem  que  estão  a  ser  observados,  pois  o   inves5gador  não  par5cipa  na  vida  do  grupo,  observa  do  exterior,   não  interage  nem  afeta  de  modo  intencional  o  objeto  de   observação  (espectador).  
  16. 16. Observação  direta  –  não  par5cipante   OBSERVAÇÃO  NÃO  PARTICIPANTE   Posicionamento  do  inves5gador  como  observador:     -­‐  O  inves5gador  atua  unicamente  como  espectador;   -­‐  O  inves5gador  deve  abster-­‐se  de  todo  e  qualquer  contacto   com  os  sujeitos  observados;   -­‐  O  inves5gador  não  deve  interferir  uma  vez  que  a  presença  do   inves5gador  no  terreno  introduz  neste  uma  série  de  novas   relacões  sociais.  
  17. 17. Observação  direta  –  não  par5cipante   OBSERVAÇÃO  NÃO  PARTICIPANTE   Vantagens   • Observa-­‐se  uma   situação  como  ela   realmente  ocorre,  sem   exis5r  qualquer   interferência  do   inves5gador.   Desvantagens   • Nem  sempre  são  fáceis   de  realizar;   • Não  se  tem  acesso  a   dados  que  poderão  ser   importantes;   • Não  permite   flexibilidade  ao   inves5gador.  
  18. 18. Observação  direta  –  estruturada   OBSERVAÇÃO  ESTRUTURADA   •  O  observador  sabe  previamente  o  que  vai  observar  e  já   organizou  as  categorias  de  observação  (variáveis)  de  acordo  com   os  seus  obje5vos  de  inves5gação;   •  É  sistemá5ca;   •  Cabe  ao  pesquisador  manter-­‐se  o  mais  obje5vo  possível,   eliminando  por  completo  sua  influência  sobre  os  fenómenos  em   estudo  e  limitando-­‐se  somente  a  descrever  informações  precisas   obre  o  facto  em  questão;   •  Permite  formar  dados  numéricos  a  par5r  da  observação.  
  19. 19. Observação  direta  –  semi-­‐estruturada   OBSERVAÇÃO  SEMI-­‐ESTRUTURADA   •  O  observador  tem  algumas  categorias  de  observação  elaboradas,  mas   está  aberto  à  formação  de  novas  categorias  decorrentes  da   observação.  Requer  uma  prévia  definição  do  foco  de  observação.   Para  recolha  de  dados  numa  inves5gação  u5liza-­‐se  a   observação  estruturada  ou  semi-­‐estruturada  (Cohen,   2000).  
  20. 20. Observação  direta  –  não  estruturada   OBSERVAÇÃO  NÃO  ESTRUTURADA   •  Simples,  espontânea,  informal  ou  não  planificada;   •  O  observador  não  sabe  o  que  procura  e  vai  simplesmente   observar  para  decidir  o  que  pode  ser  significa5vo  para  a   pesquisa;   •  O  observador  atua  como  mero  expectador.  
  21. 21. Observação  direta  –  considerações  é5cas   Considerações  éBcas:     Dada  a  sua  natureza,  a  observação  levanta  questões  de  ordem  é5ca  a  ter   em  conta:   •  O  observador  invade  o  espaço  privado  e  a  privacidade  dos  observados;   •  O  observador  trata  os  observados  instrumentalmente  como  objetos  de   inves5gação;   •  O  inves5gar  está  numa  posição  em  que  pode  deturpar  algumas   informações  ou  mesmo  negá-­‐las.  
  22. 22. Bibliografia:     Cohen,  l.  Manion,  L.  &  Morrison,  K.  (2000).  Research  methods  in   educa5on.  5ª  Edição.  Londres:  Routledge.     Quivy,  R.  &  Campenhoudt,  L.  (2003).  Manual  de  inves5gação  em   ciências  sociais.  3ª  Edição.  Lisboa:  Gradiva.  
  23. 23. O  que  observar  durante  a  situação  de  sala:   A  sala     Educador  de  Infância  e  o  trabalho  realizado   As  crianças  
  24. 24. O  que  observar  durante  a  situação  de  sala:   A  sala:   •  Es5lo  de  organização  da  sala  (por  áreas,  quantas  áreas  tem,  que   material  têm  as  áreas,  esse  material  é  suficiente,  está  em  boas   condições...);   •  Es5lo  de  organização  da  turma;   •  O  Educador  de  Infância  e  as  crianças  deslocam-­‐se  com  à-­‐ vontade;   •  Tem  uma  boa  acús5ca;   •  Tem  as  condições  térmicas  de  conforto  adequadas;   •  Como  está  organizada  a  ro5na  diária.  
  25. 25. O  que  observar  durante  a  situação  de  sala:   O  Educador  de  Infância  e  o  trabalho  realizado:   •  O  que  é  que  se  “trabalhou”  naquele  momento;   •  O  conteúdo  é  adequado  às  necessidades  de  aprendizagem  das   crianças?;   •  As  a5vidades  propostas  são  desafiadoras  e  proveitosas  para   todas  as  crianças  ou  para  algumas  foi  muito  fácil  e,  para  outras,   muito  diycil?;   •  Os  recursos  u5lizados  são  adequados  ao  conteúdo?;   •  Per5nência  das  estratégias  e  recursos  materiais  durante  a   a5vidade;   •  Momentos  e  procedimentos  de  avaliação  e  a  sua  per5nência   rela5vamente  à  proposta.   •  Expõe  a  a5vidade  calmamente;  
  26. 26. O  que  observar  durante  a  situação  de  sala:   O  Educador  de  Infância  e  o  trabalho  realizado:   •  U5liza  terminologia  e  vocabulário  adequados;   •  U5liza  o  tom  de  voz  adequado;   •  Revela-­‐se  autoconfiante  na  gestão  da  sala;     •  Comunica  com  facilidade  e  eficácia;   •  Preocupa-­‐se  em  verificar  se  as  crianças  estão  implicadas  e  a   perceber  a  a5vidade;     •  Provoca  a  par5cipação  das  crianças  na  a5vidade;   •  Modifica  a  informação,  quando  não  compreendida;   •  Provoca  a  discussão  na  sala  sobre  diversos  temas;   •  Responde  corretamente  às  questões  das  crianças;   •  Tem  um  relacionamento  fácil  com  a  turma;   •  Resolve  conflitos  de  forma  adequada;  
  27. 27. O  que  observar  durante  a  situação  de  sala:   O  Educador  de  Infância  e  o  trabalho  realizado:   •  Não  se  irrita  com  facilidade;   •  Reconhece  facilmente  quando  se  engana;   •  Incen5va  os  alunos  a  trabalharem;   •  Reforça  posi5vamente  as  respostas,  condutas  e  trabalho  dos   alunos;   •  Revela  autoridade  na  gestão  da  sala;   •  Estabelece  um  clima  de  tolerância  dentro  da  sala;   •  Permite  que  todos  expressem  as  suas  opiniões,  dentro  das   regras  da  sã  convivência;   •  Revela  bom  senso  nos  momentos  mais  diyceis  ou  conflituosos;    
  28. 28. O  que  observar  durante  a  situação  de  sala:   Educador  de  Infância  e  o  trabalho  realizado:   •  Revela-­‐se  solícito  na  resposta  às  questões  e  dúvidas  das   crianças;   •  Chama  a  atenção  da  criança  pela  sua  conduta  e  a5tude   nega5vas  na  sala;   •  Trata  todas  as  crianças,  sem  discriminações  nem  preconceitos;   •  Exige  respeito  mútuo  entre  todos;   •  Gere  bem  o  tempo  disponível  para  as  a5vidades;   •  Movimenta-­‐se  com  à-­‐vontade  dentro  da  sala  de  aula;   •  Desloca-­‐se  de  lugar  em  lugar  para  acompanhar  o  trabalho  de   cada  um;   •  Faz  a  síntese  do  dia  como  balanço  final.  
  29. 29. O  que  observar  durante  a  situação  de  sala:   Crianças:   •  Clima  geral  e  intera5vidade  (comunicação  em  grupo  e   implicação  da  criança  na(s)  a5vidade(s),  com  os  seus  colegas,  o   Educador  e  o  contexto);   •  Presta  atenção  à  explicação  do  Educador;   •  Executa  com  pron5dão  as  tarefas  pedidas  pelo  Educador;     •  Ajuda  a  manter  um  ambiente  saudável  dentro  da  sala.  

×