SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
Baixar para ler offline
Contexto	
  (sico	
  de	
  
Creche	
  
e	
  JI	
  
	
  
Rita	
  Brito-­‐	
  2013	
  
Contexto	
  de	
  Creche	
  
Realidade	
  educa3va:	
  creche	
  
Berçário	
   Creche	
  
Sala	
  de	
  berços	
  
Sala-­‐parque	
  
CRECHE	
  
Salas	
  de	
  a3vidades	
  
Cozinha	
  
Sala	
  de	
  refeições	
  
Instalações	
  sanitárias	
  Copa	
  de	
  leites	
  
Zona	
  de	
  higienização	
  
Realidade	
  educa3va:	
  berçário	
  
Berçário:	
  sala	
  de	
  berços	
  e	
  sala-­‐parque	
  
	
  
O	
  Berçário	
  é	
  a	
  área	
  des3nada	
  à	
  permanência	
  das	
  crianças	
  entre	
  os	
  3	
  meses	
  até	
  à	
  
aquisição	
  da	
  marcha	
  e	
  deve	
  ser	
  cons3tuído	
  por	
  sala	
  de	
  berços,	
  sala-­‐parque,	
  copa	
  de	
  
leites	
  e	
  zona	
  de	
  higienização.	
  Estas	
  áreas	
  devem	
  ter	
  comunicação	
  entre	
  si	
  por	
  meio	
  de	
  
portas	
  ou	
  divisórias	
  envidraçadas,	
  por	
  forma	
  a	
  permi3r	
  a	
  observação	
  permanente	
  das	
  
crianças.	
  
Realidade	
  educa3va:	
  berçário	
  
A	
  sala	
  dos	
  berços	
  des3na-­‐se	
  aos	
  tempos	
  de	
  repouso,	
  não	
  deve	
  exceder	
  a	
  capacidade	
  
máxima	
  de	
  oito	
  crianças,	
  com	
  a	
  área	
  mínima	
  de	
  2	
  m2	
  por	
  criança.	
  Deve	
  dispor	
  de	
  sistema	
  
de	
  escurecimento	
  e	
  os	
  berços	
  devem	
  encontrar-­‐se	
  dispostos	
  por	
  forma	
  a	
  permi3r	
  o	
  fácil	
  
acesso	
  e	
  circulação	
  do	
  pessoal	
  e	
  devem	
  ser	
  individuais.	
  
Este	
  compar3mento	
  deve	
  localizar-­‐se	
  numa	
  zona	
  silenciosa	
  do	
  ediScio	
  e	
  não	
  pode	
  servir	
  
como	
  local	
  de	
  passagem.	
  
Deve	
  igualmente	
  ser	
  equipada	
  com	
  uma	
  bancada	
  com	
  tampo	
  almofadado	
  e	
  banheira	
  
incorporada,	
  com	
  misturador	
  de	
  água	
  corrente,	
  quente	
  e	
  fria,	
  arrumos	
  para	
  produtos	
  de	
  
higiene	
  e	
  prateleiras	
  para	
  roupas	
  de	
  muda.	
  
Realidade	
  educa3va:	
  berçário	
  
A	
  sala-­‐parque	
  des3na-­‐se	
  às	
  crianças	
  entre	
  a	
  aquisição	
  de	
  marcha	
  e	
  os	
  24	
  meses	
  e	
  
é	
  u3lizada	
  para	
  os	
  tempos	
  a3vos	
  das	
  crianças,	
  deve	
  ter	
  uma	
  área	
  mínima	
  de	
  2	
  m2	
  
por	
  criança	
  e	
  apetrechada	
  com	
  equipamento	
  móvel	
  que	
  possibilite	
  aos	
  
profissionais	
  manter	
  contacto	
  com	
  as	
  crianças	
  numa	
  posição	
  cómoda	
  e	
  facilitada.	
  	
  
	
  
Deve	
  dispor	
  de	
  brinquedos	
  para	
  creches,	
  espaços	
  acolchoados	
  e	
  devidamente	
  
protegidos	
  para	
  os	
  bebés,	
  cadeiras	
  de	
  repouso,	
  espelho	
  inquebrável	
  e	
  pavimento	
  
amortecedor,	
  facilmente	
  lavável.	
  
	
  
Esta	
  sala	
  tem	
  a	
  capacidade	
  máxima	
  de	
  10	
  crianças.	
  
Realidade	
  educa3va:	
  creche	
  
A	
  copa	
  de	
  leites	
  des3na-­‐se	
  exclusivamente	
  à	
  preparação	
  de	
  biberões	
  e	
  papas,	
  deverá	
  
estar	
  equipada	
  com	
  uma	
  bancada	
  de	
  trabalho	
  (geralmente	
  em	
  inox),	
  lava-­‐louças,	
  
frigorífico,	
  fogão	
  eléctrico	
  e	
  esterilizador	
  de	
  biberões.	
  É	
  proibido	
  a	
  u3lização	
  de	
  
equipamentos	
  a	
  gás	
  neste	
  compar3mento.	
  
	
  
Poderá	
  não	
  exis3r	
  copa	
  de	
  leites	
  no	
  caso	
  de	
  o	
  estabelecimento	
  não	
  receber	
  crianças	
  até	
  
à	
  aquisição	
  da	
  marcha.	
  
Realidade	
  educa3va:	
  creche	
  
Zona	
  de	
  higienização	
  deve	
  dispor	
  de	
  uma	
  bancada	
  para	
  muda	
  de	
  fralda,	
  banheira	
  com	
  
águas	
  correntes,	
  armários	
  para	
  ves3ário	
  das	
  crianças,	
  recipiente	
  hermé3co	
  para	
  fraldas	
  
sujas	
  e	
  espaço	
  para	
  arrumação	
  de	
  produtos	
  de	
  higiene,	
  fora	
  do	
  alcance	
  dos	
  bebés.	
  
Realidade	
  educa3va:	
  creche	
  
Creche:	
  sala	
  de	
  aGvidades,	
  cozinha,	
  sala	
  de	
  refeições,	
  instalações	
  sanitárias.	
  
	
  
A	
  sala	
  de	
  aGvidades	
  des3na-­‐se	
  ao	
  desenvolvimento	
  de	
  a3vidades	
  lúdicas	
  e	
  pedagógicas	
  e	
  
deve	
  ter	
  uma	
  área	
  mínima	
  de	
  2	
  m2	
  por	
  criança	
  e	
  ser	
  distribuídas	
  do	
  seguinte	
  modo:	
  	
  
a)	
  Cada	
  grupo	
  de	
  crianças	
  de	
  idades	
  compreendidas	
  entre	
  a	
  aquisição	
  da	
  marcha	
  e	
  os	
  24	
  
meses	
  deverá	
  dispor	
  de	
  uma	
  sala	
  com	
  capacidade	
  máxima	
  de	
  10	
  crianças;	
  
b)	
  Cada	
  grupo	
  de	
  crianças	
  de	
  idades	
  compreendidas	
  entre	
  os	
  24	
  e	
  os	
  36	
  meses	
  deverá	
  
dispor	
  de	
  uma	
  sala	
  com	
  capacidade	
  máxima	
  de	
  15	
  crianças.	
  	
  
	
  
	
  
Quando	
  o	
  estabelecimento	
  atender	
  apenas	
  crianças	
  de	
  idades	
  compreendidas	
  entre	
  a	
  
aquisição	
  da	
  marcha	
  e	
  os	
  36	
  meses,	
  as	
  salas	
  deverão	
  ter	
  uma	
  área	
  mínima	
  de	
  2,50	
  m2	
  
por	
  criança	
  e	
  uma	
  capacidade	
  máxima	
  de	
  10	
  crianças	
  por	
  sala.	
  
Realidade	
  educa3va:	
  creche	
  
A	
  cozinha	
  des3na-­‐se	
  à	
  preparação	
  e	
  confeção	
  da	
  alimentação	
  para	
  as	
  crianças	
  e	
  deverá	
  
possuir	
  o	
  equipamento	
  adequado	
  à	
  capacidade	
  da	
  creche.	
  	
  
A	
  área	
  da	
  cozinha	
  deverá	
  comportar	
  o	
  equipamento	
  necessário	
  e	
  permi3r	
  a	
  sua	
  u3lização	
  
funcional.	
  	
  
Deve	
  exis3r	
  também	
  uma	
  despensa	
  para	
  arrumo	
  dos	
  géneros.	
  
	
  
	
  
A	
  sala	
  de	
  refeições	
  deve	
  ter	
  uma	
  área	
  aproximada	
  de	
  0,70	
  m2	
  por	
  criança,	
  nunca	
  
devendo	
  ser	
  inferior	
  a	
  9	
  m2.	
  
Realidade	
  educa3va:	
  creche	
  
As	
  instalações	
  sanitárias	
  devem	
  ser	
  cons3tuídas	
  por:	
  
	
  
a)  Um	
  espaço	
  equipado	
  com	
  uma	
  bancada	
  com	
  tampo	
  almofadado,	
  arrumos	
  para	
  
produtos	
  de	
  higiene,	
  prateleiras	
  ou	
  gavetas	
  para	
  roupas	
  de	
  muda,	
  base	
  de	
  chuveiro	
  
com	
  o	
  fundo	
  a	
  0,4	
  cm	
  do	
  chão	
  e	
  um	
  chuveiro	
  manual	
  com	
  misturador	
  de	
  água	
  
corrente	
  quente	
  e	
  fria;	
  vidoir	
  com	
  grelha,	
  fluxómetro	
  e	
  torneira	
  de	
  água	
  fria	
  e	
  zona	
  de	
  
bacios	
  e	
  local	
  para	
  a	
  sua	
  arrumação;	
  	
  
	
  
b)  Um	
  compar3mento	
  com	
  lavatórios	
  e	
  sanitas	
  de	
  tamanho	
  infan3l,	
  na	
  proporção	
  de	
  
um	
  lavatório	
  para	
  cada	
  grupo	
  de	
  sete	
  crianças	
  e	
  uma	
  sanita	
  para	
  cada	
  grupo	
  de	
  cinco	
  
crianças.	
  
Contexto	
  de	
  
Pré-­‐Escolar	
  
Realidade	
  educa3va:	
  pré-­‐escolar	
  
A	
  educação	
  pré-­‐escolar	
  des3na-­‐se	
  a	
  crianças	
  com	
  idades	
  compreendidas	
  entre	
  os	
  3	
  
anos	
  e	
  a	
  idade	
  de	
  ingresso	
  no	
  ensino	
  básico	
  e	
  é	
  ministrada	
  em	
  estabelecimentos	
  de	
  
educação	
  pré-­‐escolar.	
  
	
  
Cada	
  sala	
  de	
  educação	
  pré-­‐escolar	
  deve	
  ter	
  uma	
  frequência	
  mínima	
  de	
  20	
  e	
  máxima	
  de	
  
25	
  crianças.	
  	
  
	
  
A	
  a3vidade	
  educa3va	
  numa	
  sala	
  de	
  educação	
  pré-­‐escolar	
  é	
  desenvolvida	
  por	
  um	
  
educador	
  de	
  infância	
  com	
  as	
  habilitações	
  legalmente	
  previstas	
  para	
  o	
  efeito.	
  	
  
	
  
Realidade	
  educa3va:	
  pré-­‐escolar	
  
Considerando	
  que	
  as	
  diferentes	
  a3vidades	
  que	
  se	
  desenvolvem	
  nas	
  instalações	
  dos	
  
estabelecimentos	
  de	
  educação	
  pré-­‐escolar,	
  pedagógicas,	
  educa3vas,	
  organiza3vas,	
  
de	
  gestão	
  e	
  de	
  interação	
  com	
  a	
  comunidade	
  implicam	
  a	
  existência	
  de	
  ambientes	
  
diversificados,	
  quer	
  interiores	
  quer	
  exteriores,	
  os	
  espaços	
  mínimos	
  a	
  considerar	
  na	
  
criação	
  dessas	
  instalações	
  são:	
  	
  
	
  
a)	
  Sala	
  de	
  aGvidades;	
  	
  
b)	
  VesGário	
  e	
  instalações	
  sanitárias	
  para	
  crianças;	
  	
  
c)	
  Sala	
  polivalente;	
  	
  
d)	
  Espaço	
  para	
  equipamento	
  de	
  cozinha,	
  arrumo	
  e	
  armazenamento	
  de	
  produtos	
  
alimentares;	
  	
  
e)	
  Gabinete,	
  incluindo	
  espaço	
  para	
  arrecadação	
  de	
  material	
  didáGco;	
  	
  
f)	
  Espaço	
  para	
  arrumar	
  materiais	
  de	
  limpeza;	
  
g)	
  Instalações	
  sanitárias	
  para	
  adultos;	
  
h)	
  Espaços	
  de	
  jogo	
  ao	
  ar	
  livre.	
  	
  
Realidade	
  educa3va:	
  pré-­‐escolar	
  
Sala	
  de	
  aGvidades	
  
	
  	
  
Este	
  espaço	
  des3na-­‐se	
  ao	
  desenvolvimento	
  de	
  a3vidades	
  educa3vas	
  a	
  realizar	
  pelas	
  
crianças,	
  individualmente	
  ou	
  em	
  grupo.	
  	
  
	
  
Deve	
  ser	
  concebido	
  de	
  forma	
  a:	
  	
  
	
  	
  	
  	
  	
  -­‐	
  Permi3r	
  a	
  u3lização	
  e	
  visionamento	
  de	
  meios	
  audio-­‐visuais	
  	
  
	
  	
  	
  	
  	
  -­‐	
  Permi3r	
  o	
  obscurecimento	
  parcial	
  e	
  total;	
  	
  
	
  	
  	
  	
  	
  -­‐	
  Permi3r	
  o	
  contacto	
  visual	
  com	
  o	
  exterior	
  através	
  de	
  portas	
  ou	
  janelas;	
  	
  
	
  	
  	
  	
  	
  -­‐	
  Permi3r	
  a	
  proteção	
  solar;	
  	
  
	
  	
  	
  	
  	
  -­‐	
  Proporcionar	
  o	
  acesso	
  fácil	
  ao	
  exterior;	
  	
  
	
  	
  	
  	
  	
  -­‐	
  Permi3r	
  a	
  fixação	
  de	
  paramentos	
  ver3cais	
  de	
  expositores	
  e	
  quadros;	
  	
  
	
  	
  	
  	
  	
  -­‐	
  Possuir	
  uma	
  zona	
  de	
  bancada	
  fixa	
  com	
  cuba,	
  ponto	
  de	
  água	
  e	
  esgoto,	
  sempre	
  que	
  
possível.	
  	
  
	
  
Localização:	
  conhgua	
  a	
  outra(s)	
  sala(s)	
  de	
  ac3vidades.	
  Comunicação	
  fácil	
  com	
  os	
  ves3ários	
  
das	
  crianças.	
  Comunicação	
  fácil	
  ou,	
  sempre	
  que	
  possível,	
  direta	
  com	
  o	
  exterior.	
  	
  
	
  
Área:	
  40	
  m2	
  a	
  50	
  m2.	
  
Área/criança:	
  2	
  m2.	
  	
  	
  
Realidade	
  educa3va:	
  pré-­‐escolar	
  
Sala	
  polivalente	
  	
  
Este	
  espaço	
  deverá	
  permi3r	
  a	
  prá3ca	
  de	
  a3vidades	
  educa3vas	
  e	
  lúdicas,	
  para	
  além	
  de	
  
responder	
  à	
  realização	
  de	
  manifestações	
  de	
  caráter	
  cultural	
  e	
  recrea3vo,	
  abertas	
  à	
  
comunidade.	
  	
  
	
  
Área:	
  conforme	
  a	
  dimensão	
  do	
  estabelecimento,	
  mas	
  nunca	
  inferior	
  à	
  área	
  da	
  maior	
  sala	
  
de	
  a3vidades.	
  	
  
Pé-­‐direito:	
  3	
  m.	
  (*)	
  	
  
Realidade	
  educa3va:	
  pré-­‐escolar	
  
VesGário	
  das	
  crianças	
  	
  
Espaço	
  des3nado	
  ao	
  arrumo	
  de	
  vestuário	
  e	
  objetos	
  pessoais	
  das	
  crianças.	
  	
  
Deve,	
  sempre	
  que	
  possível,	
  ser	
  autónomo	
  da(s)	
  sala(s)	
  de	
  a3vidades.	
  	
  
Localização:	
  sempre	
  que	
  possível,	
  junto	
  à(s)	
  sala(s)	
  de	
  a3vidades.	
  	
  
	
  
Instalações	
  sanitárias/crianças	
  	
  
Espaço	
  des3nado	
  à	
  higiene	
  pessoal	
  das	
  crianças.	
  Deverá	
  ser	
  observada	
  a	
  proporção	
  de:	
  	
  
Uma	
  sanita/10	
  crianças	
  (separadas	
  por	
  baias	
  com	
  um	
  máximo	
  de	
  1,2	
  m	
  e	
  sem	
  portas);	
  	
  
Um	
  lavatório/10	
  crianças	
  (grandes,	
  colocados	
  à	
  altura	
  das	
  crianças);	
  	
  
Um	
  duche	
  (água	
  quente).	
  	
  
Pelo	
  menos	
  uma	
  sanita	
  deverá	
  ter	
  «apoios»	
  para	
  as	
  crianças	
  com	
  dificuldades	
  de	
  
locomoção.	
  	
  
Localização:	
  próximo	
  da(s)	
  sala(s)	
  de	
  ac3vidades,	
  permi3ndo	
  fácil	
  comunicação	
  com	
  a(s)	
  
mesma(s).	
  	
  
Área:	
  variável.	
  	
  
Pé-­‐direito:	
  2,6	
  m	
  a	
  3	
  m	
  (*)	
  	
  
	
  
Instalações	
  sanitárias/adultos	
  	
  
Realidade	
  educa3va:	
  pré-­‐escolar	
  
Gabinete	
  	
  
Espaço	
  des3nado	
  ao	
  trabalho	
  individual	
  ou	
  em	
  grupo,	
  onde	
  se	
  desenvolvem,	
  entre	
  
outras,	
  as	
  seguintes	
  a3vidades:	
  	
  
Direção,	
  administração	
  e	
  gestão	
  do	
  estabelecimento;	
  	
  
Trabalho	
  individual;	
  	
  
Trabalho	
  de	
  grupo	
  -­‐	
  realização	
  de	
  reuniões	
  de	
  pais,	
  de	
  educadores,	
  de	
  outros;	
  	
  
Atendimento,	
  de	
  pais,	
  educadores,	
  elementos	
  da	
  comunidade.	
  	
  
Este	
  espaço	
  deve	
  permi3r	
  a	
  arrumação	
  e	
  arrecadação	
  de	
  material	
  didá3co.	
  	
  
Localização:	
  sempre	
  que	
  possível	
  próximo	
  da	
  entrada.	
  	
  
Área:	
  cerca	
  de	
  9	
  m2	
  
Realidade	
  educa3va:	
  pré-­‐escolar	
  
Espaço	
  para	
  equipamento	
  de	
  cozinha	
  	
  
Espaço	
  des3nado	
  confeção	
  e	
  aquecimento	
  de	
  refeições.	
  
O	
  equipamento	
  deve	
  ser	
  funcional.	
  
Localização:	
  sempre	
  que	
  possível,	
  próxima	
  da	
  sala	
  de	
  refeições.	
  	
  
Área:	
  variável.	
  	
  
Realidade	
  educa3va:	
  pré-­‐escolar	
  
Espaço	
  exterior	
  	
  
Espaço	
  exterior	
  organizado	
  de	
  forma	
  a	
  oferecer	
  ambientes	
  diversificados	
  que	
  permitam	
  a	
  
realização	
  de	
  ac3vidades	
  lúdicas	
  e	
  educa3vas.	
  Deve,	
  quando	
  possível,	
  incluir	
  área	
  
coberta,	
  ponto	
  de	
  água	
  e	
  pequena	
  arrecadação	
  (material	
  	
  
de	
  exterior,	
  de	
  jardinagem,	
  lenha,	
  etc.).	
  	
  
A	
  organização	
  e	
  o	
  apetrechamento	
  do	
  espaço	
  exterior	
  devem	
  assegurar	
  condições	
  de	
  
segurança	
  para	
  a	
  realização	
  de	
  múl3plas	
  ac3vidades.	
  	
  
Localização:	
  junto	
  ou	
  em	
  volta	
  do	
  ediScio,	
  acesso	
  fácil	
  à(s)	
  sala(s)	
  de	
  ac3vidades.	
  	
  
Dimensionamento:	
  não	
  inferior	
  ao	
  dobro	
  da	
  área	
  da(s)	
  sala(s)	
  de	
  ac3vidades,	
  incluindo	
  o	
  
espaço	
  de	
  zona	
  coberta.	
  	
  
Condições	
  de	
  segurança:	
  o	
  espaço	
  deverá	
  ser	
  delimitado	
  de	
  forma	
  não	
  agressiva,	
  mas	
  que	
  
garanta	
  condições	
  de	
  segurança	
  (por	
  exemplo	
  com	
  vedação	
  ou	
  sebe	
  natural).	
  	
  
	
  
Legislação	
  JI	
  Despacho	
  Conjunto	
  n.º	
  268/97,	
  de	
  25	
  de	
  agosto	
  
JI	
  e	
  creche	
  
Quais	
  as	
  diferenças	
  nos	
  espaços,	
  roGnas	
  numa	
  sala	
  de:	
  
Creche	
  	
  
	
  
3	
  anos	
  
	
  
4	
  anos	
  
	
  
5	
  anos	
  
	
  
Sala	
  heterogénea	
  
	
  
Sala	
  com	
  crianças	
  ditas	
  normas	
  e	
  crianças	
  com	
  NEE	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
jacibraga
 
Reunião de pais inicio de ano 2011.2012
Reunião de pais inicio de ano 2011.2012Reunião de pais inicio de ano 2011.2012
Reunião de pais inicio de ano 2011.2012
Diana Mendes Crespo
 
Desenvolvimento infantil - o que é prórpio de cada idade
Desenvolvimento infantil - o que é prórpio de cada idadeDesenvolvimento infantil - o que é prórpio de cada idade
Desenvolvimento infantil - o que é prórpio de cada idade
Lara Kessia Martins Ávila
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
Camila Oliveira
 
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
marta12l
 
Intervenção precoce na infância
Intervenção precoce na infânciaIntervenção precoce na infância
Intervenção precoce na infância
Bertilia Madeira
 
Hospitalização infantil
Hospitalização infantilHospitalização infantil
Hospitalização infantil
WAGNER OLIVEIRA
 
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criançaAcompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
EDSON ALAN QUEIROZ
 

Mais procurados (20)

CRECHE
CRECHECRECHE
CRECHE
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
A infância ao longo do tempo
A infância ao longo do tempoA infância ao longo do tempo
A infância ao longo do tempo
 
A importancia do brincar
A importancia do brincarA importancia do brincar
A importancia do brincar
 
Fatores que influenciam o Desenvolvimento Infantil
Fatores que influenciam o Desenvolvimento InfantilFatores que influenciam o Desenvolvimento Infantil
Fatores que influenciam o Desenvolvimento Infantil
 
UFCD 9185 - 4 Cuidados se Rotina Diária e Atividades Promotoras do Desenvolvi...
UFCD 9185 - 4 Cuidados se Rotina Diária e Atividades Promotoras do Desenvolvi...UFCD 9185 - 4 Cuidados se Rotina Diária e Atividades Promotoras do Desenvolvi...
UFCD 9185 - 4 Cuidados se Rotina Diária e Atividades Promotoras do Desenvolvi...
 
Froebel
Froebel Froebel
Froebel
 
Regio emilia
Regio emiliaRegio emilia
Regio emilia
 
Reunião de pais inicio de ano 2011.2012
Reunião de pais inicio de ano 2011.2012Reunião de pais inicio de ano 2011.2012
Reunião de pais inicio de ano 2011.2012
 
Froebel
FroebelFroebel
Froebel
 
Caderneta de Saúde da Criança: menino - Ministério da Saúde
Caderneta de Saúde da Criança: menino - Ministério da SaúdeCaderneta de Saúde da Criança: menino - Ministério da Saúde
Caderneta de Saúde da Criança: menino - Ministério da Saúde
 
Desenvolvimento infantil - o que é prórpio de cada idade
Desenvolvimento infantil - o que é prórpio de cada idadeDesenvolvimento infantil - o que é prórpio de cada idade
Desenvolvimento infantil - o que é prórpio de cada idade
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
 
O desenvolvimento infantil de 0 a 6 e a vida pré-escolar
O desenvolvimento infantil de 0 a 6 e a vida pré-escolarO desenvolvimento infantil de 0 a 6 e a vida pré-escolar
O desenvolvimento infantil de 0 a 6 e a vida pré-escolar
 
Intervenção precoce na infância
Intervenção precoce na infânciaIntervenção precoce na infância
Intervenção precoce na infância
 
As famílias de crianças com necessidades educativas especiais
As famílias de crianças com necessidades educativas especiaisAs famílias de crianças com necessidades educativas especiais
As famílias de crianças com necessidades educativas especiais
 
Hospitalização infantil
Hospitalização infantilHospitalização infantil
Hospitalização infantil
 
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criançaAcompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
 
Fase do desenvolvimento
Fase do desenvolvimentoFase do desenvolvimento
Fase do desenvolvimento
 

Destaque

Inserçao da criança na creche
Inserçao da criança na crecheInserçao da criança na creche
Inserçao da criança na creche
Fatinha Bretas
 
Turismo acessível, conceitos, legislação e similares , mtur 2009
Turismo acessível, conceitos, legislação e similares , mtur 2009Turismo acessível, conceitos, legislação e similares , mtur 2009
Turismo acessível, conceitos, legislação e similares , mtur 2009
EcoHospedagem
 
Apresentação projecto educativo creche
Apresentação projecto educativo crecheApresentação projecto educativo creche
Apresentação projecto educativo creche
Guida Sousa
 

Destaque (20)

Descritivo de custos anuais
Descritivo de custos anuaisDescritivo de custos anuais
Descritivo de custos anuais
 
Questionários de avaliação da satisfação creche
Questionários de avaliação da satisfação   crecheQuestionários de avaliação da satisfação   creche
Questionários de avaliação da satisfação creche
 
Parecer descritivo do maternal simone helen drumond
Parecer descritivo do maternal simone helen drumondParecer descritivo do maternal simone helen drumond
Parecer descritivo do maternal simone helen drumond
 
Relatório Pedagógico ou Pareceres Descritivos na Educação Infantil - Claudin...
Relatório Pedagógico ou Pareceres Descritivos na Educação Infantil  - Claudin...Relatório Pedagógico ou Pareceres Descritivos na Educação Infantil  - Claudin...
Relatório Pedagógico ou Pareceres Descritivos na Educação Infantil - Claudin...
 
Inserçao da criança na creche
Inserçao da criança na crecheInserçao da criança na creche
Inserçao da criança na creche
 
Turismo de aventura, orientações básicas, mtur 2008.
Turismo de aventura, orientações básicas, mtur 2008.Turismo de aventura, orientações básicas, mtur 2008.
Turismo de aventura, orientações básicas, mtur 2008.
 
Guia para profissionais operacionais, Programa Bem Receber, Guias de profissõ...
Guia para profissionais operacionais, Programa Bem Receber, Guias de profissõ...Guia para profissionais operacionais, Programa Bem Receber, Guias de profissõ...
Guia para profissionais operacionais, Programa Bem Receber, Guias de profissõ...
 
Turismo acessível, conceitos, legislação e similares , mtur 2009
Turismo acessível, conceitos, legislação e similares , mtur 2009Turismo acessível, conceitos, legislação e similares , mtur 2009
Turismo acessível, conceitos, legislação e similares , mtur 2009
 
MATERIAL PARA CRECHE
MATERIAL PARA CRECHEMATERIAL PARA CRECHE
MATERIAL PARA CRECHE
 
Relatório de sustentabilidade 2011 da pousada Don Ramón
Relatório de sustentabilidade 2011 da pousada Don RamónRelatório de sustentabilidade 2011 da pousada Don Ramón
Relatório de sustentabilidade 2011 da pousada Don Ramón
 
Guia caminhos do fazer guia de produtos associados ao turismo, mtur
Guia caminhos do fazer   guia de produtos associados ao turismo, mturGuia caminhos do fazer   guia de produtos associados ao turismo, mtur
Guia caminhos do fazer guia de produtos associados ao turismo, mtur
 
Dicas para diminuir o impacto de sua alimentação, instituto eco d. a3
Dicas para diminuir o impacto de sua alimentação, instituto eco d. a3Dicas para diminuir o impacto de sua alimentação, instituto eco d. a3
Dicas para diminuir o impacto de sua alimentação, instituto eco d. a3
 
Classificação hoteleira resort- cartilha de orientação básica
Classificação hoteleira   resort- cartilha de orientação básicaClassificação hoteleira   resort- cartilha de orientação básica
Classificação hoteleira resort- cartilha de orientação básica
 
Classificação hoteleira pousada - cartilha de orientação básica
Classificação hoteleira   pousada - cartilha de orientação básicaClassificação hoteleira   pousada - cartilha de orientação básica
Classificação hoteleira pousada - cartilha de orientação básica
 
Apresentação do Projeto Na Rota da Sustentabilidade - Lei Roaunet - 2015-2018
Apresentação do Projeto Na Rota da Sustentabilidade - Lei Roaunet - 2015-2018Apresentação do Projeto Na Rota da Sustentabilidade - Lei Roaunet - 2015-2018
Apresentação do Projeto Na Rota da Sustentabilidade - Lei Roaunet - 2015-2018
 
Metas do milenio, instituto eco d. a3
Metas do milenio, instituto eco d. a3Metas do milenio, instituto eco d. a3
Metas do milenio, instituto eco d. a3
 
Apresentação
Apresentação Apresentação
Apresentação
 
Apresentação projecto educativo creche
Apresentação projecto educativo crecheApresentação projecto educativo creche
Apresentação projecto educativo creche
 
Relatório de sustentabilidade 2009 2010 - hotel quinta do bucaneiro, Praia do...
Relatório de sustentabilidade 2009 2010 - hotel quinta do bucaneiro, Praia do...Relatório de sustentabilidade 2009 2010 - hotel quinta do bucaneiro, Praia do...
Relatório de sustentabilidade 2009 2010 - hotel quinta do bucaneiro, Praia do...
 
Manual de hortas verticais
Manual de hortas verticaisManual de hortas verticais
Manual de hortas verticais
 

Semelhante a Contexto físico de creche e jardim de infância

Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação Infantil
Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação InfantilNormas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação Infantil
Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação Infantil
Carina
 
Encarte dos parametros de infra estrutura
Encarte dos parametros de infra estruturaEncarte dos parametros de infra estrutura
Encarte dos parametros de infra estrutura
jaqueegervasio
 

Semelhante a Contexto físico de creche e jardim de infância (8)

UFCD 9185- Cuidados de Rotina Diária e Atividades Promotoras do Desenvolvimen...
UFCD 9185- Cuidados de Rotina Diária e Atividades Promotoras do Desenvolvimen...UFCD 9185- Cuidados de Rotina Diária e Atividades Promotoras do Desenvolvimen...
UFCD 9185- Cuidados de Rotina Diária e Atividades Promotoras do Desenvolvimen...
 
Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação Infantil
Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação InfantilNormas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação Infantil
Normas da Vigilância Sanitária para construção de escolas de Educação Infantil
 
Diretor bruno kkkkk trabalho finalizado
Diretor bruno kkkkk trabalho finalizadoDiretor bruno kkkkk trabalho finalizado
Diretor bruno kkkkk trabalho finalizado
 
Projeto pedagogico horta_escolar
Projeto pedagogico horta_escolarProjeto pedagogico horta_escolar
Projeto pedagogico horta_escolar
 
Projeto pedagogico horta_escolar
Projeto pedagogico horta_escolarProjeto pedagogico horta_escolar
Projeto pedagogico horta_escolar
 
Caderneta da Criança - Menino: edição 2018 / Ministério da Saúde
Caderneta da Criança - Menino: edição 2018 / Ministério da Saúde Caderneta da Criança - Menino: edição 2018 / Ministério da Saúde
Caderneta da Criança - Menino: edição 2018 / Ministério da Saúde
 
2
22
2
 
Encarte dos parametros de infra estrutura
Encarte dos parametros de infra estruturaEncarte dos parametros de infra estrutura
Encarte dos parametros de infra estrutura
 

Mais de Rita Brito

The domestication of smart toys, perceptions and practices of young children ...
The domestication of smart toys, perceptions and practices of young children ...The domestication of smart toys, perceptions and practices of young children ...
The domestication of smart toys, perceptions and practices of young children ...
Rita Brito
 
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Rita Brito
 
As TIC na formação de educadores de infância um estudo comparativo entre Port...
As TIC na formação de educadores de infância um estudo comparativo entre Port...As TIC na formação de educadores de infância um estudo comparativo entre Port...
As TIC na formação de educadores de infância um estudo comparativo entre Port...
Rita Brito
 
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Rita Brito
 
“QUANDO O COMPUTADOR TRABALHA PENSA-SE NA CABEÇA”: REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS...
“QUANDO O COMPUTADOR TRABALHA PENSA-SE NA CABEÇA”: REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS...“QUANDO O COMPUTADOR TRABALHA PENSA-SE NA CABEÇA”: REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS...
“QUANDO O COMPUTADOR TRABALHA PENSA-SE NA CABEÇA”: REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS...
Rita Brito
 
Hábitos de higiene
Hábitos de higieneHábitos de higiene
Hábitos de higiene
Rita Brito
 
A nossa língua
A nossa línguaA nossa língua
A nossa língua
Rita Brito
 

Mais de Rita Brito (20)

Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança di...
Perceções de famílias  portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança di...Perceções de famílias  portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança di...
Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança di...
 
Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança dig...
Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança dig...Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança dig...
Perceções de famílias portuguesas, com filhos até 8 anos, sobre segurança dig...
 
Happy families digi litey
Happy families digi liteyHappy families digi litey
Happy families digi litey
 
Researching the internet of toys, digilit ey
Researching the internet of toys, digilit eyResearching the internet of toys, digilit ey
Researching the internet of toys, digilit ey
 
The domestication of smart toys, perceptions and practices of young children ...
The domestication of smart toys, perceptions and practices of young children ...The domestication of smart toys, perceptions and practices of young children ...
The domestication of smart toys, perceptions and practices of young children ...
 
Conceções de crianças em idade pré escolar sobre o facebook
Conceções de crianças em idade pré escolar sobre o facebookConceções de crianças em idade pré escolar sobre o facebook
Conceções de crianças em idade pré escolar sobre o facebook
 
HERRAMIENTAS TIC PARA EDUCACIÓN INFANTIL
HERRAMIENTAS TIC PARA EDUCACIÓN INFANTILHERRAMIENTAS TIC PARA EDUCACIÓN INFANTIL
HERRAMIENTAS TIC PARA EDUCACIÓN INFANTIL
 
As TIC na formação de Educadores de Infância: um estudo comparativo entre Por...
As TIC na formação de Educadores de Infância: um estudo comparativo entre Por...As TIC na formação de Educadores de Infância: um estudo comparativo entre Por...
As TIC na formação de Educadores de Infância: um estudo comparativo entre Por...
 
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
 
Observação em contexto educativo - pré-escolar
Observação em contexto educativo - pré-escolarObservação em contexto educativo - pré-escolar
Observação em contexto educativo - pré-escolar
 
As TIC na formação de educadores de infância um estudo comparativo entre Port...
As TIC na formação de educadores de infância um estudo comparativo entre Port...As TIC na formação de educadores de infância um estudo comparativo entre Port...
As TIC na formação de educadores de infância um estudo comparativo entre Port...
 
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
Perceções e intenções na utilização das TIC por Educadores de Infância e prof...
 
“QUANDO O COMPUTADOR TRABALHA PENSA-SE NA CABEÇA”: REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS...
“QUANDO O COMPUTADOR TRABALHA PENSA-SE NA CABEÇA”: REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS...“QUANDO O COMPUTADOR TRABALHA PENSA-SE NA CABEÇA”: REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS...
“QUANDO O COMPUTADOR TRABALHA PENSA-SE NA CABEÇA”: REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS...
 
OPINIÕES E INTENÇÕES DE FUTUROS EDUCADORES DE INFÂNCIA/PROFESSORES SOBRE A IN...
OPINIÕES E INTENÇÕES DE FUTUROS EDUCADORES DE INFÂNCIA/PROFESSORES SOBRE A IN...OPINIÕES E INTENÇÕES DE FUTUROS EDUCADORES DE INFÂNCIA/PROFESSORES SOBRE A IN...
OPINIÕES E INTENÇÕES DE FUTUROS EDUCADORES DE INFÂNCIA/PROFESSORES SOBRE A IN...
 
A utilização do computador e Internet por idosos
A utilização do computador e Internet por idososA utilização do computador e Internet por idosos
A utilização do computador e Internet por idosos
 
Cuisenaire
CuisenaireCuisenaire
Cuisenaire
 
TIC e Educação
TIC e EducaçãoTIC e Educação
TIC e Educação
 
Hábitos de higiene
Hábitos de higieneHábitos de higiene
Hábitos de higiene
 
Dia de reis
Dia de reisDia de reis
Dia de reis
 
A nossa língua
A nossa línguaA nossa língua
A nossa língua
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 

Contexto físico de creche e jardim de infância

  • 1. Contexto  (sico  de   Creche   e  JI     Rita  Brito-­‐  2013  
  • 3. Realidade  educa3va:  creche   Berçário   Creche   Sala  de  berços   Sala-­‐parque   CRECHE   Salas  de  a3vidades   Cozinha   Sala  de  refeições   Instalações  sanitárias  Copa  de  leites   Zona  de  higienização  
  • 4. Realidade  educa3va:  berçário   Berçário:  sala  de  berços  e  sala-­‐parque     O  Berçário  é  a  área  des3nada  à  permanência  das  crianças  entre  os  3  meses  até  à   aquisição  da  marcha  e  deve  ser  cons3tuído  por  sala  de  berços,  sala-­‐parque,  copa  de   leites  e  zona  de  higienização.  Estas  áreas  devem  ter  comunicação  entre  si  por  meio  de   portas  ou  divisórias  envidraçadas,  por  forma  a  permi3r  a  observação  permanente  das   crianças.  
  • 5. Realidade  educa3va:  berçário   A  sala  dos  berços  des3na-­‐se  aos  tempos  de  repouso,  não  deve  exceder  a  capacidade   máxima  de  oito  crianças,  com  a  área  mínima  de  2  m2  por  criança.  Deve  dispor  de  sistema   de  escurecimento  e  os  berços  devem  encontrar-­‐se  dispostos  por  forma  a  permi3r  o  fácil   acesso  e  circulação  do  pessoal  e  devem  ser  individuais.   Este  compar3mento  deve  localizar-­‐se  numa  zona  silenciosa  do  ediScio  e  não  pode  servir   como  local  de  passagem.   Deve  igualmente  ser  equipada  com  uma  bancada  com  tampo  almofadado  e  banheira   incorporada,  com  misturador  de  água  corrente,  quente  e  fria,  arrumos  para  produtos  de   higiene  e  prateleiras  para  roupas  de  muda.  
  • 6.
  • 7. Realidade  educa3va:  berçário   A  sala-­‐parque  des3na-­‐se  às  crianças  entre  a  aquisição  de  marcha  e  os  24  meses  e   é  u3lizada  para  os  tempos  a3vos  das  crianças,  deve  ter  uma  área  mínima  de  2  m2   por  criança  e  apetrechada  com  equipamento  móvel  que  possibilite  aos   profissionais  manter  contacto  com  as  crianças  numa  posição  cómoda  e  facilitada.       Deve  dispor  de  brinquedos  para  creches,  espaços  acolchoados  e  devidamente   protegidos  para  os  bebés,  cadeiras  de  repouso,  espelho  inquebrável  e  pavimento   amortecedor,  facilmente  lavável.     Esta  sala  tem  a  capacidade  máxima  de  10  crianças.  
  • 8.
  • 9. Realidade  educa3va:  creche   A  copa  de  leites  des3na-­‐se  exclusivamente  à  preparação  de  biberões  e  papas,  deverá   estar  equipada  com  uma  bancada  de  trabalho  (geralmente  em  inox),  lava-­‐louças,   frigorífico,  fogão  eléctrico  e  esterilizador  de  biberões.  É  proibido  a  u3lização  de   equipamentos  a  gás  neste  compar3mento.     Poderá  não  exis3r  copa  de  leites  no  caso  de  o  estabelecimento  não  receber  crianças  até   à  aquisição  da  marcha.  
  • 10.
  • 11. Realidade  educa3va:  creche   Zona  de  higienização  deve  dispor  de  uma  bancada  para  muda  de  fralda,  banheira  com   águas  correntes,  armários  para  ves3ário  das  crianças,  recipiente  hermé3co  para  fraldas   sujas  e  espaço  para  arrumação  de  produtos  de  higiene,  fora  do  alcance  dos  bebés.  
  • 12.
  • 13. Realidade  educa3va:  creche   Creche:  sala  de  aGvidades,  cozinha,  sala  de  refeições,  instalações  sanitárias.     A  sala  de  aGvidades  des3na-­‐se  ao  desenvolvimento  de  a3vidades  lúdicas  e  pedagógicas  e   deve  ter  uma  área  mínima  de  2  m2  por  criança  e  ser  distribuídas  do  seguinte  modo:     a)  Cada  grupo  de  crianças  de  idades  compreendidas  entre  a  aquisição  da  marcha  e  os  24   meses  deverá  dispor  de  uma  sala  com  capacidade  máxima  de  10  crianças;   b)  Cada  grupo  de  crianças  de  idades  compreendidas  entre  os  24  e  os  36  meses  deverá   dispor  de  uma  sala  com  capacidade  máxima  de  15  crianças.         Quando  o  estabelecimento  atender  apenas  crianças  de  idades  compreendidas  entre  a   aquisição  da  marcha  e  os  36  meses,  as  salas  deverão  ter  uma  área  mínima  de  2,50  m2   por  criança  e  uma  capacidade  máxima  de  10  crianças  por  sala.  
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19. Realidade  educa3va:  creche   A  cozinha  des3na-­‐se  à  preparação  e  confeção  da  alimentação  para  as  crianças  e  deverá   possuir  o  equipamento  adequado  à  capacidade  da  creche.     A  área  da  cozinha  deverá  comportar  o  equipamento  necessário  e  permi3r  a  sua  u3lização   funcional.     Deve  exis3r  também  uma  despensa  para  arrumo  dos  géneros.       A  sala  de  refeições  deve  ter  uma  área  aproximada  de  0,70  m2  por  criança,  nunca   devendo  ser  inferior  a  9  m2.  
  • 20. Realidade  educa3va:  creche   As  instalações  sanitárias  devem  ser  cons3tuídas  por:     a)  Um  espaço  equipado  com  uma  bancada  com  tampo  almofadado,  arrumos  para   produtos  de  higiene,  prateleiras  ou  gavetas  para  roupas  de  muda,  base  de  chuveiro   com  o  fundo  a  0,4  cm  do  chão  e  um  chuveiro  manual  com  misturador  de  água   corrente  quente  e  fria;  vidoir  com  grelha,  fluxómetro  e  torneira  de  água  fria  e  zona  de   bacios  e  local  para  a  sua  arrumação;       b)  Um  compar3mento  com  lavatórios  e  sanitas  de  tamanho  infan3l,  na  proporção  de   um  lavatório  para  cada  grupo  de  sete  crianças  e  uma  sanita  para  cada  grupo  de  cinco   crianças.  
  • 22. Realidade  educa3va:  pré-­‐escolar   A  educação  pré-­‐escolar  des3na-­‐se  a  crianças  com  idades  compreendidas  entre  os  3   anos  e  a  idade  de  ingresso  no  ensino  básico  e  é  ministrada  em  estabelecimentos  de   educação  pré-­‐escolar.     Cada  sala  de  educação  pré-­‐escolar  deve  ter  uma  frequência  mínima  de  20  e  máxima  de   25  crianças.       A  a3vidade  educa3va  numa  sala  de  educação  pré-­‐escolar  é  desenvolvida  por  um   educador  de  infância  com  as  habilitações  legalmente  previstas  para  o  efeito.      
  • 23. Realidade  educa3va:  pré-­‐escolar   Considerando  que  as  diferentes  a3vidades  que  se  desenvolvem  nas  instalações  dos   estabelecimentos  de  educação  pré-­‐escolar,  pedagógicas,  educa3vas,  organiza3vas,   de  gestão  e  de  interação  com  a  comunidade  implicam  a  existência  de  ambientes   diversificados,  quer  interiores  quer  exteriores,  os  espaços  mínimos  a  considerar  na   criação  dessas  instalações  são:       a)  Sala  de  aGvidades;     b)  VesGário  e  instalações  sanitárias  para  crianças;     c)  Sala  polivalente;     d)  Espaço  para  equipamento  de  cozinha,  arrumo  e  armazenamento  de  produtos   alimentares;     e)  Gabinete,  incluindo  espaço  para  arrecadação  de  material  didáGco;     f)  Espaço  para  arrumar  materiais  de  limpeza;   g)  Instalações  sanitárias  para  adultos;   h)  Espaços  de  jogo  ao  ar  livre.    
  • 24. Realidade  educa3va:  pré-­‐escolar   Sala  de  aGvidades       Este  espaço  des3na-­‐se  ao  desenvolvimento  de  a3vidades  educa3vas  a  realizar  pelas   crianças,  individualmente  ou  em  grupo.       Deve  ser  concebido  de  forma  a:              -­‐  Permi3r  a  u3lização  e  visionamento  de  meios  audio-­‐visuais              -­‐  Permi3r  o  obscurecimento  parcial  e  total;              -­‐  Permi3r  o  contacto  visual  com  o  exterior  através  de  portas  ou  janelas;              -­‐  Permi3r  a  proteção  solar;              -­‐  Proporcionar  o  acesso  fácil  ao  exterior;              -­‐  Permi3r  a  fixação  de  paramentos  ver3cais  de  expositores  e  quadros;              -­‐  Possuir  uma  zona  de  bancada  fixa  com  cuba,  ponto  de  água  e  esgoto,  sempre  que   possível.       Localização:  conhgua  a  outra(s)  sala(s)  de  ac3vidades.  Comunicação  fácil  com  os  ves3ários   das  crianças.  Comunicação  fácil  ou,  sempre  que  possível,  direta  com  o  exterior.       Área:  40  m2  a  50  m2.   Área/criança:  2  m2.      
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38. Realidade  educa3va:  pré-­‐escolar   Sala  polivalente     Este  espaço  deverá  permi3r  a  prá3ca  de  a3vidades  educa3vas  e  lúdicas,  para  além  de   responder  à  realização  de  manifestações  de  caráter  cultural  e  recrea3vo,  abertas  à   comunidade.       Área:  conforme  a  dimensão  do  estabelecimento,  mas  nunca  inferior  à  área  da  maior  sala   de  a3vidades.     Pé-­‐direito:  3  m.  (*)    
  • 39. Realidade  educa3va:  pré-­‐escolar   VesGário  das  crianças     Espaço  des3nado  ao  arrumo  de  vestuário  e  objetos  pessoais  das  crianças.     Deve,  sempre  que  possível,  ser  autónomo  da(s)  sala(s)  de  a3vidades.     Localização:  sempre  que  possível,  junto  à(s)  sala(s)  de  a3vidades.       Instalações  sanitárias/crianças     Espaço  des3nado  à  higiene  pessoal  das  crianças.  Deverá  ser  observada  a  proporção  de:     Uma  sanita/10  crianças  (separadas  por  baias  com  um  máximo  de  1,2  m  e  sem  portas);     Um  lavatório/10  crianças  (grandes,  colocados  à  altura  das  crianças);     Um  duche  (água  quente).     Pelo  menos  uma  sanita  deverá  ter  «apoios»  para  as  crianças  com  dificuldades  de   locomoção.     Localização:  próximo  da(s)  sala(s)  de  ac3vidades,  permi3ndo  fácil  comunicação  com  a(s)   mesma(s).     Área:  variável.     Pé-­‐direito:  2,6  m  a  3  m  (*)       Instalações  sanitárias/adultos    
  • 40. Realidade  educa3va:  pré-­‐escolar   Gabinete     Espaço  des3nado  ao  trabalho  individual  ou  em  grupo,  onde  se  desenvolvem,  entre   outras,  as  seguintes  a3vidades:     Direção,  administração  e  gestão  do  estabelecimento;     Trabalho  individual;     Trabalho  de  grupo  -­‐  realização  de  reuniões  de  pais,  de  educadores,  de  outros;     Atendimento,  de  pais,  educadores,  elementos  da  comunidade.     Este  espaço  deve  permi3r  a  arrumação  e  arrecadação  de  material  didá3co.     Localização:  sempre  que  possível  próximo  da  entrada.     Área:  cerca  de  9  m2  
  • 41. Realidade  educa3va:  pré-­‐escolar   Espaço  para  equipamento  de  cozinha     Espaço  des3nado  confeção  e  aquecimento  de  refeições.   O  equipamento  deve  ser  funcional.   Localização:  sempre  que  possível,  próxima  da  sala  de  refeições.     Área:  variável.    
  • 42. Realidade  educa3va:  pré-­‐escolar   Espaço  exterior     Espaço  exterior  organizado  de  forma  a  oferecer  ambientes  diversificados  que  permitam  a   realização  de  ac3vidades  lúdicas  e  educa3vas.  Deve,  quando  possível,  incluir  área   coberta,  ponto  de  água  e  pequena  arrecadação  (material     de  exterior,  de  jardinagem,  lenha,  etc.).     A  organização  e  o  apetrechamento  do  espaço  exterior  devem  assegurar  condições  de   segurança  para  a  realização  de  múl3plas  ac3vidades.     Localização:  junto  ou  em  volta  do  ediScio,  acesso  fácil  à(s)  sala(s)  de  ac3vidades.     Dimensionamento:  não  inferior  ao  dobro  da  área  da(s)  sala(s)  de  ac3vidades,  incluindo  o   espaço  de  zona  coberta.     Condições  de  segurança:  o  espaço  deverá  ser  delimitado  de  forma  não  agressiva,  mas  que   garanta  condições  de  segurança  (por  exemplo  com  vedação  ou  sebe  natural).       Legislação  JI  Despacho  Conjunto  n.º  268/97,  de  25  de  agosto  
  • 43. JI  e  creche   Quais  as  diferenças  nos  espaços,  roGnas  numa  sala  de:   Creche       3  anos     4  anos     5  anos     Sala  heterogénea     Sala  com  crianças  ditas  normas  e  crianças  com  NEE