Creche e ji, rotinas e espaço

15.892 visualizações

Publicada em

Rotinas e espaços de creche e jardins de infância

Publicada em: Educação
0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.892
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
443
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Creche e ji, rotinas e espaço

  1. 1. CRECHE  E  JI:     •  Ro*nas;   •  Espaço     Rita  Brito  -­‐  2013  
  2. 2. A  importância  das  ro6nas   na  creche  e  JI  
  3. 3. JI  e  creche:  importância  das  ro6nas   As  creches  são  as  primeiras  ins6tuições  onde  são  colocados  os  bebés  com  idades   compreendidas  entre  os  4  meses  e  os  3  anos.  Têm  como  interações  interven6vas  os   cuidados  e  desenvolvimento  global  e  as  primeiras  aprendizagens  e  nestas  não  há  uma   preparação  para  futuras  escolas.     As  creches  têm  como  objec6vo  respeitar  o  ritmo,  a  individualidade  e  as  necessidades  de   cada  criança  e  promover  um  ambiente  acolhedor,  estável,  de  carinho  e  compreensão.   Sempre  que  uma  criança   chega  à  sala  da  creche  os   Educadores  ou  a  restante   equipa  devem  dar  as  boas   vindas,  tranquilizar  a   criança  aproximando-­‐se   aos  poucos  e  tranquilizar   os  pais  acerca  da   separação  e  do  reencontro.  
  4. 4. JI  e  creche:  importância  das  ro6nas   A  adaptação  da  criança  no  jardim-­‐de-­‐infância  deve  ser  feita  de  forma  gradual,  a  criança   deve  ser  familiarizada  com  o  ambiente  e  devem  sempre  ser  seguidos  os  indícios  da   criança  para  que  tudo  corra  bem.     A  equipa  educa6va  deve  adoptar  estratégias  para  que  tudo  corra  da  melhor  forma.  Esta   deverá  ter  uma  comunicação  aberta,  reservando  algum  tempo  do  dia  para  estarem   juntos  a  pensar  sobre  aquilo  que  estão  a  observar  nas  crianças,  no  modo  como  as  devem   apoiar  e  como  resolver  os  problemas  que  vão  surgindo.  
  5. 5. JI  e  creche:  importância  das  ro6nas   Na  educação  Pré-­‐Escolar  ro3na  diária  tem  uma  grande  importância.  No  entanto,  é  ainda   maior  para  as  crianças  da  creche  (até  aos  3  anos)  pois  exerce  um  importante  papel  de   segurança  e  conforto.  A  criança,  ao  integrar-­‐se  da  ro6na,  sente-­‐se  mais  dona  do  seu  tempo   e  segura  porque  consegue  prever  acontecimentos  e  vivenciar  cada  momento.   A  ro6na  desempenha  um  papel  facilitador  na  captação  do  tempo  e  processos  temporais.  A   criança  aprende  a  existência  de  fases,  do  nome  dessas  fases  e  do  encadeamento   sequencial.   Contudo,  a  ro6na  funciona  também  como  um  suporte  para  o   educador,  pois  permite-­‐lhe  gerir  melhor  o  seu  tempo  e   planificar  o  dia.     A  ro6na  deverá  ser  flexível  na  medida  em  que,  com  crianças   pequenas  seria  impensável  supor  processos  rígidos.     A  ro6na  diária  oferece  às  crianças  uma  estrutura  de   acontecimentos  do  dia.  Esta  deve  ser  consistente,   permi6ndo  que  as  crianças  antecipem  os  acontecimentos   que  se  vão  seguir,  sendo  uma  estrutura  de  segurança  para   elas.  A  ro6na  apoia  a  inicia6va  da  criança  e  promove  a  sua   autonomia.  
  6. 6. JI  e  creche:  importância  das  ro6nas   Devemos  começar  a  estabelecer   ro6nas  diárias  que  permitam   fomentar  a  segurança,  estabilidade   emocional,  assim  como  o   desenvolvimento  global.  Promover   o  bem-­‐estar  e  a  segurança  sica  de   cada  criança.       É  na  creche  que  as  crianças  têm   mais  rigor  com  as  ro6nas,  pois  é   aqui  que  as  ro6nas  são   aperfeiçoadas,  como  a  higiene,  a   alimentação,  o  sono,  etc.  É  aqui   que  também  são  iniciadas  as   a6vidades,  ou  seja,  estas  referem-­‐ se  aos  tempos  a6vos,  aos  tempos   de  a6vidade  intencional;  ga6nhar,   andar,  cantar,  ouvir  música,  ouvir   histórias,  pintar,  etc.  
  7. 7. JI  e  creche:  importância  das  ro6nas   "A  sucessão  de  cada  dia  ou  sessão  tem  um  determinado  ritmo  exis6ndo,  desde  modo,   uma  ro6na  que  é  educa6va  porque  é  intencionalmente  planeada  pelo  educador  e  porque   é  conhecida  pelas  crianças  que  sabem  o  que  podem  fazer  nos  vários  momentos  e  prever   a  sua  sucessão,  tendo  a  liberdade  de  propôr  modificações.  Nem  todos  os  dias  são  iguais,   as  propostas  do  educador  ou  das  crianças  podem  modificar  o  quo6diano  habitual."       Orientações  Curriculares  para  a  Educação  Pré-­‐Escolar,  pp.  40  
  8. 8. JI  e  creche:  importância  das  ro6nas   Também  no  jardim-­‐de-­‐infância  existem  a6vidades  e  ro6nas.   A  sucessão  de  cada  dia  tem  um  determinado  ritmo  exis6ndo,  desta  forma,  uma  ro6na  que   é  educa6va  porque  é  intencional,  planeada  pela  equipa  educa6va  e  é  conhecida  pelas   crianças.  Elas  sabem  o  que  podem  fazer  nos  vários  momentos  e  prever  a  sua  sucessão,   devendo  ter  liberdade  de  propor  alterações.   A  repe6ção  diária  dá-­‐lhes  pontos  de   referência  estáveis.  O  facto  de  as  crianças   anteciparem  e  preverem  o  que  acontecerá   depois  faz  com  que  se  sintam  cada  vez  mais   seguras  e  tranquilas  na  escola.  
  9. 9. JI  e  creche:  importância  das  ro6nas   Para  as  crianças:  as  ro6nas  são  a  sequência  de  acontecimentos  que  elas  podem  seguir   e  compreender.     Para  os  adultos:  as  ro6nas  permitem  a  organização  do  seu  tempo  com  as  crianças,  de   modo  a  oferecer-­‐lhes  experiências  de  aprendizagem  a6va  e  mo6vadora.       Quando  a  ro6na  é  consistente,  permite  à  criança  aceder  a  tempo  suficiente  para   perseguir  os  seus  interesses,  fazer  escolhas  e  tomar  decisões,  e  resolver  problemas  à   dimensão  da  criança  no  contexto  dos  acontecimentos  que  vão  surgindo.     As  crianças  sabem  o  que  podem  fazer  nos  vários  momentos  e  prever  a  sua  sucessão,   tendo  a  liberdade  de  propor  modificações       IMPORTATE:  uma  ro6na  só  será  verdadeiramente  educacional  se  as  a6vidades   específicas  de  cada  tempo  forem  proporcionadoras  de  aprendizagens  significa6vas   para  cada  criança  que  frequenta  aquele  estabelecimento  de  ensino.  
  10. 10. JI  e  creche:  importância  das  ro6nas   A  organização  do  tempo  no  Jardim  de  Infância  deverá  ser  feita  em  colaboração  com  as   crianças  para  que  tenha  sen6do  para  elas;     Deverá  respeitar  sempre  os  seus  ritmos  biológicos  e  as  a6vidades  a  eles  associados,   como  a  hora  da  alimentação,  a  higiene,  o  descanso,  entre  outros,  os  horários  de   entrada  e  saída  e  as  a6vidades  programadas;     A  organização  da  ro6na  deverá  ter  em  conta  as  diferentes  necessidades  da  criança.  
  11. 11. JI  e  creche:  importância  das  ro6nas   As  necessidades  das  crianças  podem  ser  agrupadas  em  três  grupos:     o  Necessidades  biológicas;   o  Necessidades  psicológicas;   o  Necessidades  sociais.     As  necessidades  biológicas  dizem  respeito  aos  momentos  de  repouso,  higiene,  alimentação,   e  as  necessidades  psicológicas  referem-­‐se  às  diferenças  individuais  como  o  tempo  e  o  ritmo   de  cada  um.  As  necessidades  sociais  permitem  respeitar  a  cultura  e  o  es6lo  de  vida  de  cada   criança.  
  12. 12. O  Espaço  no  processo  de   ensino  e  aprendizagem  
  13. 13. O  Espaço  na  Creche  e  JI   A  organização  do  espaço  sico  deve  ser  pensada  tendo  como  princípio  oferecer  um  lugar   acolhedor  e  prazeroso  para  a  criança,  isto  é,  um  lugar  onde  as  crianças  possam  brincar,   criar  e  recriar  suas  brincadeiras  sen6ndo-­‐se  assim  es6muladas  e  independentes.       O  espaço  criado  para  a  criança  deverá  estar  organizado  de  acordo  com  a  faixa  etária  da   criança,  isto  é,  propondo  desafios  cogni6vos  e  motores  que  a  farão  avançar  no   desenvolvimento  de  suas  potencialidades.   O  espaço  deve  estar  povoado  de  objetos  que  retratem  a  cultura  e  o  meio  social  em  que  a   criança  está  inserida.  
  14. 14. Podem-­‐se  cons6tuir  diferentes  ambientes  num  só  espaço.     Os  ambientes  devem  ser  planeados  de  forma  a  sa6sfazer  as  necessidades   da  criança,  isto  é,  tudo  deverá  estar  acessível  à  criança,  desde  objetos   pessoais  como  também  os  brinquedos,  pois  só  assim  o  desenvolvimento   ocorrerá  de  forma  a  possibilitar  sua  autonomia,  bem  como  sua   socialização  dentro  das  suas  singularidades.     O  Espaço  na  Creche  e  JI  
  15. 15. Os  espaços  devem  ser  organizados  de  forma  a  desafiar  a  criança  nos  campos  cogni6vo,   social  e  motor.     A  criança  deve  andar,  subir,  descer  e  saltar,  através  de  várias  tenta6vas,  assim  a  criança   estará  a  aprender  a  controlar  o  próprio  corpo.     O  Ambiente  deve  es6mular  os  sen6dos  das  crianças,  que  permitam  que  recebam   es6mulação  do  ambiente  externo,  como  cheiro  de  flores,  de  alimentos  a  ser  preparados,   que  sintam  o  vento,  o  calor  do  sol,  o  ruído  da  chuva.   O  Espaço  na  Creche  e  JI   Devem  igualmente  experimentar  diferentes   texturas:  liso,  áspero,  duro,  macio,  quente,  frio.  
  16. 16. No  JI  as  salas  são,  geralmente,  organizadas  de  forma  a  permi6r  às  crianças  a  escolha  de   diferentes  6pos  de  a6vidades.   Durante  o  dia  existem  momentos  de  trabalho  em  grande  grupo,  dinamizados  pela   educadora  e  momentos  de  trabalho  individual  ou  em  pequenos  grupos,  em  que  é  possível   o  desenvolvimento  simultâneo  de  diferentes  a6vidades.   O  Espaço  na  Creche  e  JI  
  17. 17. Como  influi  o  espaço  no  processo  de  ensino  e  aprendizagem?     Zabalza  (1987)  refere-­‐se  ao  espaço  como  uma  estrutura  de  oportunidades  e  contexto  de   aprendizagem  e  de  significados.     Quando  refle6mos  sobre  a  organização  do  espaço  da  sala  de  a6vidades  devemos   considerar  aquilo  que  maioritariamente  existe  e  que  mo6va  o  funcionamento  das   a6vidades  e  do  trabalho  na  nossa  sala:  o  mobiliário  e  os  materiais  didá3cos.     O  Espaço  na  Creche  e  JI   Um  espaço  dividido  em  diversas  áreas  ou  em   espaço  aberto  com  mobiliário  variado,  com  uma   estrutura  definida,  irá  proporcionar  às  crianças  não   apenas  diferentes  dinâmicas  de  trabalho  como   também  uma  diferente  relação  adulto/criança.     Os  materiais  didá3cos  cons6tuem  outro  indicador   válido  do  6po  de  a6vidades  que  as  crianças   realizam  e  da  forma  como  a  creche/JI  enfrenta  as   necessidades  das  crianças  pequenas.  
  18. 18. O  espaço  deverá  ter  uma  organização  dos  materiais  apta  para  as  crianças,  ou  seja,  devem   estar  ao  seu  alcance,  a  sua  organização  deve  apresentar  uma  estrutura  lógica,  e  devem   estar  rotulados  e  devidamente  e6quetados.   Todos  estes  fatores  contribuem  para  sugerir  e  es6mular  diferentes  6pos  de  a6vidade,   tendo  em  conta  que  os  materiais  são  provocadores  da  a6vidade  infan6l  e,  portanto,  a   leitura  do  6po  de  materiais  que  há  dentro  da  sala  de  aula  oferece  uma  boa  ideia  do  6po  de   trabalho  que  é  realizado  na  mesma.     O  espaço  é  fundamental  no  processo  de  ensino  e  aprendizagem.  Uma  adequada   organização  do  ambiente,  incluindo  espaços,  recursos  materiais  e  distribuição  do  tempo   será  fundamental  para  a  consecução  das  intenções  educa6vas.   A  creche  ou  JI  deve  oferecer  uma  gama   variada  e  es6mulante  de  objetos,  jogos  e   materiais  que  proporcionem  múl6plas   oportunidades  de  manipulação  e  novas   aquisições.     O  ambiente  deve  ser  es6mulante,  limpo  e   ordenado,  proporcionar  segurança  e   aprendizagem.   O  Espaço  na  Creche  e  JI  
  19. 19. Organização  das  salas  –  creche  e  JI     As  salas  podem  estar  organizadas  em  áreas.  Isto  permite  às  crianças  realizarem  as   a6vidades  que  lhe  interessam  com  uma  certa  prioridade.     Na  etapa  dos  0  aos  3  as  necessidades  e  a  a6vidade  das  crianças  determina  a  escolha   dos  espaços,  que  podem  ter  tantas  áreas  como  a  etapa  dos  3  aos  6.     As  áreas  podem  ser  móveis  ou  fixas.     Área  de  acolhimento   Área  da  natureza   Área  da  drama6zação   Área  da  informá6ca   Área  dos  jogos   Área  da  biblioteca   Área  das  construções…     O  Espaço  na  Creche  e  JI    
  20. 20. As  áreas  ou  os  espaços  criados  na  sala  do  Jardim  de  Infância  não  são  estanques.  Pode-­‐se   e  deve-­‐se  criar  novas  áreas  indo  ao  encontro  do  interesse  do  grupo  de  crianças,   mediante  os  projectos  que  se  es6verem  a  desenvolver.  As  mudanças  são  feitas  com  o   grupo.  Desta  forma  familiarizam-­‐se  com  o  espaço  e  par6cipam  no  processo  de   organização.     Área  do  Acolhimento     É  um  local  de  reunião,  onde  todos  se  sentam  em  roda  para  par6lhar  vivências,  contar   histórias,  cantar,  realizar  alguns  jogos,  sendo  este  também  o  local  onde  podemos   programar  todo  o  trabalho  que  pretendemos  realizar  ao  longo  do  dia,  planifica-­‐se  com  o   grupo,  preenchem-­‐se  os  quadros  de  gestão  do  grupo,  fazem-­‐se  avaliações  através  de   registos  gráficos  e  outros....  Pode  não  ser  um  espaço  exclusivo  do  acolhimento,  visto  ser   também  um  espaço  que  as  crianças  u6lizam  nas  a6vidades  de  trabalho  autónomo.   O  Espaço  na  Creche  e  JI    
  21. 21. Área  do  Jogo  Simbólico     Esta  área  inclui  a  “casinha  das  bonecas”,  a  “arca  das   trapalhadas"  e  os  fantoches.  As  crianças  podem   fazer  drama6zações,  fantoches,  teatro  se  sombras,   histórias,  brincadeiras  de  imitação  dos  modelos   familiares…         Área  dos  jogos  e  construções       Nesta  área  a  criança  experimenta  construções  a  três   dimensões;  Faz  ac6vidades  de  iniciação  à   matemá6ca  que  implicam  comparações  e  seriações,   sequências,  alternâncias,  tamanhos,  peso,  forma,   cor;  Experimenta  materiais  que  promovem  noções   de  lateralidade;  Faz  ac6vidades  de  experimentação   de  noções  espaciais  como:  puzzles,  construções,   pistas  de  carros,  etc.   O  Espaço  na  Creche  e  JI    
  22. 22. Área  da  Biblioteca     Nesta  área  a  criança  manuseia  livros,  inventa   histórias,  “lê”  histórias,  conta  histórias,   manuseia  ficheiros  de  imagens,  enciclopédias,   revistas,  fotografias...   Podemos  dispor  de  livros,  revistas,   enciclopédias,  receitas…   Área  da  Expressão  Plás3ca       Nesta  área  a  criança  experimenta  vários  materiais  e   suportes,  realiza  artefactos  com  materiais   reu6lizáveis,  realiza  colagens,  pinturas,  desenhos   com  variadas  técnicas,  manuseia  tesouras,   plas6cina,  colas,  experimenta  e  treina  noções  de   espaço  rela6vos  ao  suporte  que  nele  se  inscreve.   O  Espaço  na  Creche  e  JI    
  23. 23. Área  da  escrita     Nesta  área  a  criança  tem  contacto  com  o  código  escrito   de  uma  forma  informal.  Brinca  com  letras,  copia-­‐as,  faz   tenta6vas  de  escrita,  imita  a  escrita  e  a  leitura,   familiariza-­‐se  com  o  código  escrito,  percebe  que  há  uma   forma  de  comunicar  diferente  da  linguagem  oral,   percebe  as  funções  da  escrita.   Não  se  trata  de  uma  introdução  formal  e  “clássica”  à   leitura  e  escrita,  mas  de  facilitar  a  emergência  da   linguagem  escrita.         Área  da  matemá3ca     Esta  área  está  interligada  especialmente  com  a  área  dos   jogos  onde  a  criança,  podendo  ser  criada  separada  em   função  dos  interesses  do  grupo.       O  Espaço  na  Creche  e  JI    
  24. 24. Área  das  tecnologias     Nesta  área  a  criança  usa  o  computador  para  jogar   jogos  didá6cos  com  diversos  temas  para  o  seu   desenvolvimento.  O  código  informá6co  pode  ser   u6lizado  em  expressão  plás6ca  e  expressão  musical,   na  abordagem  ao  código  escrito  e  na  matemá6ca,   entre  outras  áreas.           Recreio  exterior     Nesta  área  a  criança  brinca  livremente;   Faz  ac6vidades  de  motricidade;     Faz  exploração  do  espaço;     Interage  com  outros.   O  Espaço  na  Creche  e  JI    
  25. 25. O  Espaço  ainda  deve  reunir  as  seguintes  condições:     Capacidade  de  ampliação:  o  espaço  deve  poder  ser  expansível  e  flexível  quanto  à  sua   extensão;     Conver:vel:  as  constantes  renovações  pedagógicas,  didá6cas,  as  possíveis  modificações   fazem  com  que  o  espaço  escolar  deva  se  repensado  como  facilmente  modificável,  pouco   dispendioso,  para  que  possa  adaptar-­‐se  à  variedade  de  situações  que  cada  curso  escolar   necessita;     Polivalente:  O  espaço  tem  de  permi6r  a  diversidade  de  funções  que  as  exigências  do   trabalho  quo6diano  necessitem;     Variado:  o  espaço  deve  ter  alcançar  todos  as  facetas  que  integram  a  personalidade  do   aluno;     Interrelacionado:  é  ideal  que  a  comunicação  interna  se  produza  entre  os  variados  setores   e  secções  para  uma  maior  complementaridade  entre  eles.   O  Espaço  na  Creche  e  JI    
  26. 26. A  planificação  do  espaço,  desenho  e  organização  deste  exerce  uma  grande   influência  nos  movimentos,  condutas  e  aprendizagem  das  crianças.       Deste  modo  pode-­‐se  considerar  que  o  espaço  sico  cons6tui  um  fator  de   aprendizagem.     No  momento  de  estabelecer  a  planificação  e  desenho  do  espaço  escolar  é   necessário  responder  às  necessidades  das  crianças  que  vão  usufruir  dele,  e   também  há  que  ter  em  conta  as  necessidades  dos  adultos  que  o  vão  u6lizar.   O  Espaço  na  Creche  e  JI    
  27. 27. Necessidades  das  crianças:   •  Necessidades  afe*vas;   •  Necessidade  de  autonomia;   •  Necessidade  de  movimento;   •  Necessidade  de  socialização;   •  Necessidades  fisiológicas   •  Necessidade  de  descoberta,   exploração,  conhecimento.   O  Espaço  na  Creche  e  JI    
  28. 28. Necessidades  dos  adultos   O  Espaço  na  Creche  e  JI    
  29. 29. A  planificação  e  organização  da  sala  está  dividida  em  diferentes  pontos:   Decoração  das  paredes;     Organização  das  mesas;     Diversos  3pos  de  a3vidades  e  diversos  grupos:   Na  sala  podemos  realizar  diversas  a6vidades  e  para  isso  podemos  agrupar  as   crianças  de  diversas  maneiras:   -­‐  A6vidades  de  pequeno  grupo  (elaboração  de  murais,  fantoches…);   -­‐  A6vidades  de  grande  grupo  (excursões,  jogos,  drama6zações…);   -­‐  A6vidades  conjuntas  (com  outra  turma  ,  com  o  resto  da  escola…).   O  Espaço  na  Creche  e  JI    
  30. 30. O  Espaço  na  Creche  e  JI:  espeço  exterior   Espaço  exterior:   •  Amplo;   •  Acesso  direto  das  salas  e  com  uma  zona  de  transição  o  semicoberta  para  resguardar   do  calor  e  da  chuva;   •  Devemos  encontrar  um  equilíbrio  entre  espaços  demasiado  estruturados  e  espaços   sem  estrutura;   •  Espaços  mais  ín6mos  onde  a  criança  possa  estar  mais  tranquila  e  mais  segura;   •  Espaços  que  estejam  ao  sol  e  outros  à  sombra;   •  Ter  objetos  simbólico-­‐afe6vos:  castelos,  pontes,  animais;   •  Equipamento  de  materiais  naturais  para  o  jogo  sensorial  e  manipula6vo:  areia,  água,   terra;   •  Solo  variado;  areia,  terra,  cimento,  para  provocar  nas  crianças  reações  diferentes;   •  Alguns  relevos  no  terreno  também  dão  possibilidades  de  realização  de  outros  jogos;   •  Deve-­‐se  dar  preferência  a  objetos  e  materiais  que  coloquem  as  crianças  em   situações  “abertas”.  Equipamentos  que  não  estejam  totalmente  acabados  nem   totalmente  definidos  porque  dão  maiores  oportunidades  de  criação  e  imaginação.  
  31. 31. O  Espaço  na  Creche  e  JI:  espeço  exterior   Os  adultos  não  devem  ser  meros  vigilantes,  podem  par6cipar  nas  brincadeiras,   dinamizando  jogos.  
  32. 32. Existem  outros  fatores  (internos  e  externos)  que  podem  influenciar  a  aprendizagem:   Estado  mental  que  expressa  a  sa6sfação  com  o  ambiente   térmico  que  nos  circunda.  Estado  mental  que  expressa  a   sa6sfação  com  o  ambiente  térmico  que  nos  circunda.  A   não  sa6sfação  pode  ser  causada  pela  sensação  de   desconforto  pelo  calor  ou  pelo  frio,  quando  o  balanço   térmico  não  é  estável,  ou  seja,  quando  há  diferenças   entre  o  calor  produzido  pelo  corpo  e  o  calor  perdido  para   o  ambiente.   Conforto  térmico   Iluminação  natural  (proporcionada  pelas  aberturas  e  vãos   de  janelas,  aliadas  à  orientação  da  edificação)  e  a   iluminação  ar6ficial  (solucionar  as  demandas  nos  locais   onde  a  iluminação  natural  é  insuficiente).     Conforto  visual   Outros  fatores  que  influenciam  a  aprendizagem  
  33. 33. Conforto  ambiental   Sensações  de  calor  ou  frio,  silêncio  ou  barulho,  ar  puro   ou  ar  poluído,  muito  agradável  visualmente  ou  muito   feio,  muito  claro  ou  muito  escuro  etc…  Pode-­‐se  dizer   que,  além  de  estarem  interferindo  no  processo   educa6vo  de  forma  direta,  estarão  também  a   transmi6r  às  crianças  uma  série  de  impressões   perce6vas.   Conforto  acús3co:   Ruídos  internos  e  externos  (localização  da  escola,   orientação  do  edicio,  materiais  de  acabamento  do   edicio,  ruídos  industriais,  trânsito,  a6vidades  públicas,   sirenes,  obras,  a6vidades  recrea6vas  com   aglomerações  humanas).   Outros  fatores  que  influenciam  a  aprendizagem  

×